1 dezembro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

APROVAÇÃO E REJEIÇÃO

1 dezembro 2018 CHARGES

GENILDO

1 dezembro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

ESCROTIDÃO EM ALTA

No mês de outubro passado, esta gazeta escrota teve um total de 54.402 acessos.

A divulgação, o fuxico, o repasse de postagens feito pelos nosso viciados aumenta a corrente a cada dia.

De modo que, no mês de novembro recém findo, chegamos ao magnífico número de 90.186 acessos.

Estamos perto de atingir a casa dos 100 mil!!!

E isto num jornaleco safado, caseiro, artesanal, sem qualquer patrocínio, sem qualquer verba, pública ou privada.

Estes números compensam a trabalheira diária. Compensam mesmo.

Fico muito feliz e satisfeito.

Brigadão a todos vocês. É só isto que tenho a dizer.

Continuem espalhando e divulgando a escrotidão que por aqui campeia.

Distribuam pra todos os seus amigos, contatos, parentes, aderentes e, principalmente, pra todos os seus inimigos, o nosso endereço:

http://www.luizberto.com/

Por e-mail, por zap, por twitter, por facebook ou por qualquer outra forma.

Vale tudo!!!

1 dezembro 2018 CHARGES

SINOVALDO

BOLSONARO BATE CONTINÊNCIA PARA QUEM QUISER, BABACAS!

Foto de JK ao se sentar defronte a Foster Dulles motivou críticas da direita contra presidente do PSD. Foto: Antônio Andrade-Jornal do Brasil

1 dezembro 2018 CHARGES

LUSCAR

1 dezembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

IMPERFEIÇÃO

Esta ânsia de luz, que me consome,
é um oceano que estua no meu peito.
Eu sinto a angústia atroz, quando me deito,
dos que têm sono e frio e sede e fome.

Imagino a virtude sem defeito,
o amor sem mancha, o instinto que se dome.
E no meu ideal gravo o meu nome:
pouco me falta para ser perfeito…

Procuro, então, em torno a áurea Justiça,
o Direito sem mácula e sem treva,
e em tudo, entanto, a iniqüidade viça.

E, nos meus sonhos, vejo de repente,
o Pensamento enorme, que se eleva,
e arde, e fulgura… e tomba novamente!

BOLSONARO MIRA DESENVOLVIMENTO

A suspensão do julgamento de indulto de Natal do Temer, um ato em causa própria, está frustrado. Ao deixar o cargo de presidente estará na mira de uma cela em Curitiba, junto com o outro parceiro de patifarias os quais se sentiam seguros de que não seriam trancafiados. A motivação do indulto que seria dado em 2017 com as alterações absurdas as quais, visivelmente, transformariam as penas dos criminosos em meros detalhes de um processo penal, tinham por objetivo um salvo conduto ao próprio “elaborador” das novas condições para o indultado. Para recordar, Temer já estava embrulhado com a Lava Jato desde maio de 17 com a famosa gravação do” açougueiro mágico” da JBF. Tais alterações, cheias de bondade, no decreto de indulto de Natal tinham, em sua estratégia, a eleição em 2018 do outro pilantra ex presidente, que também teria assegurado o efeito legal para o final deste ano. Assim, todos os meliantes presos e condenados pela Lava Jato estariam seguros para uma farta ceia de Natal em casa. Não contavam com um Bolsonaro pelo caminho e muito menos com a consciência popular de que o Brasil precisa mudar, e já começou. Com o pedido de vista do ministro Fux e logo depois o do presidente do STF, Dias Toffoli, sinaliza-se que tal decreto tomou o rumo de sua revogação, prometida pelo presidente eleito. Assim, agigantam-se os efeitos das decisões dos tribunais de justiça brasileiros, de que estamos no caminho da decência, da moral e da ética na vida administrativa do Brasil. Foi um pequeno passo de alguns membros do STF, mas gigantesco para a moralização de nossas instituições e a renovação da crença do povo no Estado brasileiro.

Não foi por acaso que a população foi às ruas e em outubro, contra toda a pressão da mídia e institutos de pesquisas, sem mencionar a tentativa de assassinato daquele que era portador do seu discurso, manteve-se segura do que tinha por objetivo. Mesmo sem ele nos palanques, sem mídia, sem marketing, sem estrutura de apoio, o povo brasileiro numa jornada épica, de forte posicionamento político nunca visto no mundo, enviou a mensagem de que está exaurida de corruptos com discursos ideológicos obsoletos e não mais cabíveis ao que se espera de um governo. Foi um exemplo que, apesar da mídia esquerdista internacional ignorar, vai dar novo rumo a história política mundial. Creiam meus leitores, não levará ano para que o Brasil sinta um novo tempo em sua vida. A visão do novo governo está voltada ao desenvolvimento, voltada ao Estado realizando e trabalhando para a população e não a população trabalhando para o Estado. Em breve deixaremos de dar ao governo, em impostos, o que ganhamos em cinco meses do ano com nosso trabalho.

Quando digo que o presidente Bolsonaro visa “desenvolvimento” é porque vejo na sua composição ministerial pessoas que estão pouco comprometidas com a parte de “crescimento”, uma visão mais curta e setorial e extremamente contaminada politicamente diante do estilo de governo até hoje instalado. Isto porque, entendo eu, ser o crescimento resultado de investimentos dirigidos sempre com a interferência política, o que reduz o campo de benefícios para a população. Não resolve crescimento em economia restrita a setores e fechada ao acesso do povo. O Brasil cresceu, mas o povo não. Ao contrário e como exemplo, nos anos 70, do regime militar, o País conheceu do desenvolvimento que expandia a todos os setores, econômicos e sociais. O pleno emprego era real. O desenvolvimento repercute sobre a qualidade de vida para todos. Política de desenvolvimento resulta em atração de investimentos internos e externos.

A escolha de generais não implica em militarização, mas em defesa da riqueza nacional até hoje deixada “ao relento” pelos governos que tivemos. É do saber de todos, por exemplo, que a questão do mineral nióbio é de extrema relevância ao Brasil. E por assim ser, ante a sua fantástica importância na produção industrial mundial e ser o nosso País detentor de 98,2% do nióbio no mundo, o cuidado com a nova política que será posta em execução com a exploração e comercialização exigirão, no Ministério de Minas e Energia, pulso forte no seu comando e na sua administração. O mesmo acontecerá nos ministérios de Ciência e Tecnologia, da Defesa e Segurança Institucional, todos interligados a expansão e controle da riqueza natural do Brasil, fonte de desenvolvimento do País e de arrecadação para o governo. O que não pode acontecer é a manutenção da política de “sequestrar” do trabalhador o dinheiro para a manutenção dessa gigantesca máquina pública, voraz consumidora dos recursos do Estado e de pouco valor produtivo. Acredito que caminhamos para melhores dias já que Bolsonaro mira o desenvolvimento.

GIANCARLO DE GÓIS – ARACAJU-SE

Caro Editor,

Muito obrigado por ter publicado o vídeo que mandei.

Este JBF é mesmo sensacional!

Segue mais outro vídeo.

Um forte abraço

1 dezembro 2018 CHARGES

J. BOSCO

O MAR DE MACEIÓ

Praia da Jatiúca de minha varanda

Da varanda não canso de me extasiar com o mar da Jatiúca, azul turquesa com matizes verde ou será verde esmeralda azulado? Cor única no universo, privilégio dessa bela terra. Minha intenção era escrever uma crônica sobre essa exuberante visão, entretanto prefiro, com licença de meus queridos leitores, repassar o que dois jornalistas escreveram sobre o Mar de Maceió.

* * *

O Mar de Maceió, Supera Todas as Expectativas

Bem que Sebastião Nery tentou me avisar que o mar de Maceió era maravilhoso, de águas quentes e limpas, mais de nada adiantou sair de casa preparada levando na bagagem todos aqueles objetivos e elogios rasgados preferidos pelo ilustre jornalista baiano. Por mais que estejamos preparados à experiência que se tem ao chegar em Maceió é muito maior e, de tão incrível, da até para chamá-la de um verdadeiro choque sensorial.

O que mais poderia descrever o fato de acordar sai em direção à praia e dar de cara com um mar que ate então você jamais viu? O mar de Maceió não é qualquer um. Depois de conhecer o esplendor do mar de Alagoas, a gente entende que todos os outros se transformaram em protótipos. Maceió tem o que poderia se chamar de um mar definitivo.

Olhar para aquela beleza liquida é como ser atropelado como vagalhão luminoso e, a partir daí, começa a flutuar num paraíso de águas. Quem conhece as Praias do Francês, Ponta Verde, Maragogi e a fantástica Praia do Gunga sabe muito bem do que eu estou falando.

Na capital de Alagoas o maior prazer é sentar e deixar a paisagem perfeita entra pela retina: os coqueiros inclinados na areia dançando com o vento, a harmoniosa mistura musical da brisa com as outras quebrando ao fundo, o colorado preciso dos guarda-sóis combinando com as toalhas e trajes de banho e o branco das velas enfurnadas rasgando o mar e o céu, dois dos azuis mais belos que existe na face da Terra.

O sol de Maceió aprendeu as regras da hospitalidade com o povo alagoano e, misturado à brisa fresca, toca os banhistas de maneira delicada e generosa. E ao fundo surge aquela imensidão verde-azul-turquesa real radiante, às vezes fosforescendo, que ganha cores de prata na lua-cheia e toques de ouro no amanhecer ou no pôr-do-sol.

Em Maceió, as férias se transformam numa regalia para os cinco sentidos e os visitantes mergulhados num mundo que aguça a percepção e a sensibilidade. Eu não quero outro em minha vida. Daqui para frente, quando pensar em mar, estarei sempre pensando no de Maceió.

Artigo da jornalista CLÁUDIA TONACO publicado na coluna VIAGENS GERAIS no jornal O TEMPO de Minas Gerais

* * *

O DIA EM QUE DEUS CRIOU ALAGOAS

Escrevi certa vez que Deus, além de brasileiro era alagoano. Em verdade não se cria um Estado com tantas belezas, sem cumplicidade.

Sou capaz de imaginar o dia da criação de Alagoas.
“Ô São Pedro pegue o estoque de azul mais puro e jogue dentro das manhãs encharcadas de sol, faça do mar um espelho do céu, polvilhando de jangadas brancas; quero os entardeceres sangrentos no horizonte e aquelas lagoas que estávamos guardando para uso particular, coloque-as nesse paraíso.

E tem mais, São Pedro, dê a esse Estado um cheiro sensual de melaço e cubra seus campos com os verdes dos canaviais; as praias ora, as praias deverão ser fascinantemente belas, sob a vigilância de altivos e fiéis coqueiros.
Faça piscina natural dentro do mar, coloque um povo hospitaleiro e bom e que a terra seja fértil e a comida típica melhor que nosso maná.

Dê o nome de Alagoas. E a capital, pela ciganice e beleza de suas noites, deverá chamar-se Maceió e sua padroeira Nossa Senhora dos Prazeres”.

Noaldo Dantas – Poeta paraibano

1 dezembro 2018 DEU NO JORNAL

E VEIO MESMO!!!

1 dezembro 2018 CHARGES

MYRRIA

1 dezembro 2018 DEU NO JORNAL

A FRASE DA SEMANA

“A ingenuidade está servindo à manobra macartista como uma luva. Milhões de brasileiros, muitos milhões, caíram no malogro e se transformaram, em extrema-direita num piscar dolhos.”

Ceguinho Teimoso

* * *

Em tempos lulo-petelhais, o povo não era ingênuo e não se submetia ao reacionário senador americanno Joseph McCarthy, o perseguidor de cumunistas e criador da “manobra macartista“.

De uma hora pra outra, exatamente no dia 28 de outubro de 2018, dezenas de milhões de brasileiros “caíram no malogro“. Passaram diretamente de militantes conscientes para reacionários de extrema-direita e, num piscar dolhos“, viraram adeptos radicais de McCarthy.

Foi no dia 28 de outubro passado

Um fenômeno extraordinário.

Êita povinho leviano que só a porra!!!

Joseph McCarthy, ex-senador reacionário dos Zistados Zunidos nos anos 50 que, em pleno século XXI, veio lá do além e fez o eleitorado brasileiro virar para a extrema-direita num piscar dolhos

1 dezembro 2018 CHARGES

J. BOSCO

POR QUE GOSTAR DE VOCÊ?

Dia desses eu me deparei com um daqueles amigos de quem você gosta de verdade, mas com quem não se comunica nem se encontra, e que se esbarram, uma ou outra vez, ocasionalmente. Ele, diga-se de passagem, um excelente psiquiatra.

Conversamos por uns quinze minutos e ao nos despedirmos, eu lhe falei: “Continue gostando de mim, porque eu ainda gosto de você!”. Ele me segurou o braço e perguntou: “Você sabe por que uma pessoa gosta de outra?” – e continuou: “Não precisa responder. Nós sabemos o porquê de detestamos um indivíduo, mas não atinamos para o real motivo de gostar de alguém. Pense no assunto!”.

E não é que saí dali matutando sobre a controversa afirmativa. A verdade é que conseguimos enumerar, uma por uma, todas as causas que nos levam a detestar, odiar, antipatizar, não suportar a presença ou sequer citar o nome de determinadas criaturas.

Ou seja, é fácil dissecar as razões de desgostar de uma pessoa. Mas, no momento de apontarmos os motivos do bem-querer a alguém a coisa se complica. Não se trata aqui da atração decorrente de predicados estéticos que influenciam no relacionamento homem-mulher.

Falamos daquela sensação de bem-estar, da agradável manifestação de gostar de lembrar e de curtir a presença de amigos ou de pessoas que admiramos. Daí as perguntas: Como essa coisa se manifesta? Como escolhemos indivíduos para dedicarmos a nossa afeição? O que eles apresentam de diferente ou de extraordinário para os elegermos especiais?

A primeira conclusão aventada é a de existirem afinidades. Sim, é possível. Então, o que dizer daqueles indivíduos que possuem gostos iguais aos nossos, predicados que admiramos ou atitudes que respeitamos, porém não conseguem despertar o tal sentimento diferenciado?

Lembro-me de que quando eu me despedia do amigo, ainda balbuciei: “Não será uma questão de química?”. E ele: “Pode ser!”. Na frieza de minha análise, essa possibilidade não está descartada porque existe um componente intangível na questão: a energia desprendida de cada pessoa.

É comum sentirmos nosso corpo invadido por frequências de energia positiva emanada de pessoas que acabamos de conhecer, que nos transmite aquela agradável sensação de paz e de tranquilidade. Embora sem atinarmos para o motivo da percepção nos sentimos bem em mantê-las próximas de nós.

A sensação se amplia quando a energia se estabelece num fluxo de frequência de mão dupla, deixando a impressão de uma interação imediata e completa. Ainda assim, existem casos onde o elo imaterial de aura quase perfeita se fragmenta e se despedaça, eliminando a energia positiva do relacionamento. Qual a justificativa para tanto?

Resumindo: o relato acima não passa de especulações acerca de um assunto para lá de polêmico. Meu amigo é quem está com a razão. Desisti de maturar o tema ao admitir que, realmente não sabemos identificar, tampouco mensurar, o que nos impele a gostar de alguém.

Agora, matutem vocês, quiçá – coitado desse advérbio, ninguém mais liga pra ele – descubram a incógnita da equação.

1 dezembro 2018 CHARGES

RENATO

A VERSÃO E A ORIGINAL – QUAL A MELHOR?!

Trio Esperança: Regina, Mário e Evinha

***

Everybody’s Somebody’s Fool” composição de Jack Keller e Howard Greenfiled foi gravada originalmente por Connie Francis em 1960.

1 dezembro 2018 CHARGES

ALECRIM


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa