Isaac Aboab da Fonseca (1605-1693)

Esclarecimento: O Painel de Pernambucanos Honorários surgiu logo após darmos inicio ao “Painel dos Ilustres”, em janeiro deste ano. Quando surgiram os nomes de Helder Câmara, Ariano Suassuna e Miguel Arraes, normalmente tidos como pernambucanos, fui alertado por um cearense com a advertência: “os pernambucanos gostam de gozar com a pica dos outros”. Realmente são nomes que apenas viveram e fizeram história em Pernambuco, e que pediam uma participação no painel. Assim, foi criado um painel especial dedicado aos nomes que lá estiveram, viveram por algum período e deixaram registrado sua marca na região. Ao longo deste ano, conseguimos publicar o verbete cine-biográfico de oito destacados nomes, encerrando o ano e a comemoração do bicentenário da Revolução de 1817 com o rabino Isaac Aboab da Fonseca. A intenção é continuarmos com o painel em 2018, incluindo nomes como: Farias Brito, Castro Alves, Gregório de Matos, Assis Chateaubriand, Tobias Barreto, Graciliano Ramos, Mauricio de Nassau, José Lins do Rego e muitos outros.

* * *

Isaac Aboab da Fonseca nasceu em Castro Daire, Portugal, em 1605. Rabino, escritor e uma das maiores autoridades religiosas do mundo judaico. Foi o primeiro rabino a chegar ao Brasil no periodo colonial. Veio junto com os holandeses em 1641, por ocasião da Invasão Holandesa em Pernambuco. Ainda criança emigrou, com a família, para a França e em seguida para Amsterdam, devido a perseguição aos judeus movida pela inquisição em Portugal. Era bisneto do úlitmo Gaon de Castilla (máxima autoridade no ensino e interpretação da Lei) Aos sete já se encontrava em Amsterdam, onde sua famíla foi acolhida pela Coroa holandesa, que atuava na vanguarda do movimento de reforma do catolicismo, e adotou a política de acolher perseguidos religiosos de várias partes da Europa.

Com a invasão holandesa, em 1630, em Pernambuco, a mais rica capitania portuguesa na época, a comunidade portuguesa radicada em Amsterdam freta alguns navios e passa a se mudar para o Recife. Isaac foi designado para chefiar a comunidade judaica e em 1641 chegou no Brasil. Assim, tornou-se o primeiro religioso judeu em toda a América. Foi também o primeiro escritor de textos literários em hebraico do Novo Mundo, ao redigir três orações em que relata o sofrimento do povo judeu.

Um de seus primeiros feitos foi a construção da Sinagoga Kahal Zur Israel (Rochedo de Israel), a primeira das Américas. Com a vitória dos portugueses, na Batalha de Guararapes, em 1654, foi dado um prazo de 30 dias para a comunidade judaica se retirar do Brasil. Isaac organizou a retirada de volta à Holanda. No caminho, decidiram aportar na costa nordeste da América do Norte, na foz do Rio Hudson, onde se encontrava instalada uma filial da Companhia da Indias Ocidentais, formada por judeus holandeses. Aí se estabeleceu e fundou um povoado a que deram o nome de Nova Amsterdam, a origem da cidade de Nova Iorque. Lá fundaram a primeira comunidade judaica no solo norte-americano: a Shearith Israel (Remanescente de Israel)

Em seguida retornou à Amsterdam, reencontra a família e empenhou-se na construção da Grande Sinagoga Portuguesa de Amsterdam, conforme o traçado do arquiteto holandês Elias Bouman. A inauguração da Sinagoga, contando com a presença do Príncipe de Orange, se deu em 2/8/1675. A monumental Sinagoga destinava-se ao serviço de uma comunidade de 3.000 fiéis, na sua maioria oriundos de Portugal. Acima da porta principal, lê-se em letras douradas original hebraico de parte do Salmo 5.8: “Mas eu, pela vossa grande bondade, entrarei na Vossa casa prostrar-me-ei no Vosso Santo Templo, com a reverência a Vós devida.” Além do sentido próprio, as palavras trazem através das estrelas colocadas sobre os caracteres em hebraico, o ano da fundação do templo (5432=1672) e o nome do seu fundador: o chacham Aboab.

Teve atuação destacada como diretor da Academia Religiosa, onde participou do tribunal que excomungou o filósofo Spinoza, em 1656. Escreveu várias obras em castelhano e em hebraico e ficou conhecido pelo apelido de São João da Luz. Erudito, sua biblioteca contava com 18 manuscritos em hebraico, 373 livros em hebraico e 53 em outras línguas. Foi autor do primeiro “Piyut”, poema litúrgico judaico cantado ou recitado durante os cultos religiosos. Este Piyut foi escrito durante o terrível cerco das forças portuguesas em 1646 em Recife, o que levou a uma grande fome e desespero entre todos os habitantes do Recife. Para os judeus era ainda pior, porque sabiam que uma vez que os portugueses reconquistassem o território, a Inquisição certamente seguiria o curso que teve em Portugal.

O “Piyut” foi escrito em agradecimento pela chegada de dois navios holandeses carregados com provisões. Faleceu em 9/4/1693.

“Mi Chamocha” (“Quem como tu?) – Recife, 1646

5 Comentários

  1. Carlos Eduardo disse:

    Caro Britão,

    É de valor incomensurável o trabalho que você tem desenvolvido a respeito da História de Pernambuco, coisa que poucos têm notado.

    Eu, como pesquisador, tenho me favorecido de várias maneiras com suas canetadas e louvo o mérito da inteligência em alargar ainda mais o produto, digamos, oferecendo notas sobre os Pernambucanos Honorários.

    Ontem andei relendo: SENHORES DE ENGENHO JUDEUS EM PERNAMBUCO COLONIAL, de autoria do meu caro vizinho e amigo José Alexandre Rembeboim, (que quando vivo morou no mesmo prédio onde eu residia, na Rua dos Navegantes, Boa Viagem),editado com o timbre da CEPE, em 1995, e em tal livro você poderá encontrar outros nomes para complementos de sua pesquisa dos ADOTIVOS.

    Trata-se de u trabalho importante. O filho dele –
    Jaques Rebemboim – também tem se notabilizado como historiador e fora dos tempos de seriedade, durante os dias do Carnaval, criou e mantém do Presidente de Honra, a Troça Carnavalesca Mista Sovaco da Véia, que arrasta a “judiação” de todo o bairro da Boa Vista e tem sede na Rua Velha, 178.

    No próximo ano vou sair na ala das “Catraias”…

  2. Brito disse:

    Carlão

    Bom saber que os judeus do Recife t~em um bloco de frevo. Só em terras pernambucanas isto poderia acontecer. Lá eles estão em casa, e podem frevar ou ferver.
    Grato pelo apoio. você tem sido um apoiador de primeira até a última hora. Vejamos o que dá para irmos fazendo no ano que entra.
    Feliz ano novo para todos nós

  3. d.matt disse:

    Pernambuco teve a primeira sinagoga do Brasil, segundo eu li em algum livro. Se não me angano os Judeus de
    pernambuco também estavam envolvidos com outros de
    nacionalidades diferente, que compraram a ilha de Manhattan dos indios americanos. Não sei se é 100 porcento verdade, se alguém souber e poder confirmar eu agradeceria muito, pois meus ancestrais são de origem judaica e eu me orgulho muito disso. Gosto muito de Recife que já visitei e tenho muita admiração pelo gente nordestina.

  4. J.D. Brito disse:

    Caro d. matt

    A história confirma. não sei se 100 por cento, as informações levantadas por você

  5. d.matt disse:

    J.D.Brito . Obrigado pela sua informação confirmando
    em parte a história mencionada por mim. Agradeço pela sua atenção.
    Feliz Ano Novo .

Deixe o seu comentário!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa