MESTRES, MEUS SENTIMENTOS!

Faço minha louvação
Nesse dia ao professor,
Que na mão de agressor
Padece a dor da agressão.
É chutado é atacado,
E seu único pecado,
É repassar instrução.

Educação vem de casa
E não cabe ao professor.
Com licença e obrigado,
E a palavra, por favor,
Não vejo em circulação
Porque falta educação
O aluno só faz terror.

Os direitos das crianças,
Falta de pulso dos pais,
Degradação da família
São sintomas, são sinais,
Que levam os professores
A lidar com infratores
Muitos deles marginais.

Eu até tentei louvar,
Mas não saiu louvação.
Aos mestres, meus sentimentos!
A todos peço perdão!
Desculpem pelos descasos
Destes governantes rasos
Que não honram a nação.

SÃO TANTOS “COISOS”…

Não vou sair pra coisar
No dia dessa eleição
Pois é tanto “coiso” ruim
Que cheguei à conclusão
Que na hora de “coisar”
Para errado não votar
Vou mesmo de anulação.

Se tem um “coiso” com arma,
Tem um “coiso” cangaceiro,
Temos o “coiso” laranja,
No lugar do prisioneiro.
Temos a coisa também,
Sem tino pra ir além
É só “coiso” o tempo inteiro!

GLOSAS

Mote da colunista:

O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

Já é tempo de eleição
E eu assisto no jornal
O programa eleitoral
Candidato e falação
É uma esculhambação
Ocupando o picadeiro
Nunca vi maior salseiro
Entre o sujo e o mal lavado
O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

Ficha suja não podia
Concorrer em eleição
Gritaram seu nome em vão
Porém o povo sabia
Que o tal partido iludia
O eleitor companheiro
Nunca se viu prisioneiro
Em urna sendo indicado
O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

Uma faca apareceu
No meio da multidão
Não sei de quem foi a mão
Que aquela mão má ergueu
E o vitimado cresceu
Comovendo o povo inteiro
Chegando a ser o primeiro
Mesmo sem ser preparado
O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

Vi arrotando arrogância
E sendo contraditório
Em seu interrogatório
Usava de discrepância
Pela sua ignorância
Pelo seu jeito coiceiro
Não é mesmo um cirandeiro
É jumento batizado
O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

A mulher bate nos peitos
E clama por igualdade
Mas some na realidade
E só volta em novos preitos
Falando em nossos direitos
Esnobando ex-companheiro
Escondida no palheiro
Não vem para o nosso lado
O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

Contudo ao que me parece
Embora eu goste da vice
São Paulo é só mesmice
E acusação aparece
Tem gente fazendo prece
E despachando em terreiro
Pois dinheiro aventureiro
Em caixa dois foi citado
O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

Eu não caprichei na glosa
E nem quis explicitar
Pois nem sei em quem votar
A disputa é desditosa
Sem pátria vitoriosa
Nada é alvissareiro
Estamos sem paradeiro
No mote dou meu recado:
O Brasil está lascado
Coitado do brasileiro.

LOBO EM PELE DE CORDEIRO

Tem coisa que eu não me engano
Pois consegui comprovar
Eu vi o tempo passar
Dia e noite ano a ano
E assisti o ser humano
Representando um roteiro
Ao se despir por inteiro
Não era santo e nem bobo
No fundo era um feroz lobo
Que se vestiu de cordeiro.

A MINHA REVOLTA!

Te desconjuro Brasil
Ô terra escrota e sem lei
É terra de povo frouxo
Que não defende sua grei
Somos um povo ofendido
Vivendo em mãos de bandido
É isso tudo que eu sei.

Pagamos altos impostos
Mas não temos garantia
Educação não se tem
Vivemos em anarquia
Se vamos buscar saúde
Encontramos ataúde
É balela a moradia.

Criança e mulher morrendo
Pelas mãos de assassinos
As leis não nos favorecem
Por isso batem os sinos
Os filhos matam os pais
Ninguém aguenta mais
Assistir os desatinos.

Aqui no Rio de Janeiro
Jogaram pedra na cruz
Pra você ser atendida
Tem que amar outro Jesus
Foi mancada a esparrela
De votar para Crivella,
É bem pior que eu supus.

Transporte é uma vergonha
Emprego está faltando
O povo esta desarmado
E a bandidagem mandando
Desarmar população
Sem lhe ofertar condição
É a lei, do povo mangando.

Ateiam fogo em ônibus,
Toda hora é tiroteio
Quem não tem corpo fechado
Acho bom sair do meio
Com toda sinceridade
A governabilidade
Pra essa terra não veio.

Onde é que já se viu
A todos vou perguntar
A cambada de políticos
Hoje a se candidatar
Tentando ser presidente
Com passado deprimente
Querendo nos governar.

E quantos “presos políticos”
Temos nessa nação?
Temos Eduardo Cunha,
Sergio Cabral na prisão
Embora o povo não engula
Temos também o Lula
Envergonhando a nação.

Como vamos nomear
Ao falar em candidato,
De rato, de Homofóbico,
De réu, de investigado,
Presidiário ou ladrão,
Que saqueando a nação
Nos deixa esse legado.

Herança de Lula e Dilma
Projeto de presidente
Fosse à chapa já cassada
Pra coisa ser diferente
Sem pulso pra governar
Acabou de afundar
A pátria de Nossa gente.

A polícia é perseguida
Nesse caso, a federal,
Sem crédito infelizmente
O supremo tribunal
A pátria está perdida
E não vejo uma saída
O túnel não tem final…

Não venham me pedir voto
Nem também opinião
Que eu mando ir pro caralho
Sem ter vergonha da ação
Pois chega de putaria
Se o povo se cumplicia
Eu não faço o mesmo não!

UMA GLOSA

Mote:

Neste Brasil de “caboco”,
De Mãe Preta e Pai João.

O que vejo atualmente
Nessa minha terra amada
É que ela foi assaltada
No passado e no presente
Não posso viver contente
Em meio a tanto ladrão
Que saqueando a nação
Deixa todos no sufoco:
Neste Brasil de “caboco”,
De Mãe Preta e Pai João.

DITADURA DA BELEZA

Eu sei que chega a idade
Mas não nos tira o juízo
Não quero ter prejuízo
Nem em nome da vaidade
Cometer barbaridade
Meu corpo violentar
E só para aparentar
Uma falsa juventude
Acabar num ataúde
Eu não posso imaginar.

A mulher acha defeito
Em tudo quanto é lugar
Cintura quer afinar
Pro corpo ficar perfeito
Põe silicone no peito
Acha pouco e se aprofunda
Manda reformar a bunda
Fazendo preenchimento
Mas chega um dado momento
Que para na cova funda.

Tem mulheres que o rosto
Parece caricatura
Deformam a criatura
Que olhando só dá desgosto
Porém falo a contragosto
Dessa loucura total
Suponho não ser normal
Pois em tudo tem a mão
Do chamado charlatão
Não de um profissional.

Quanto choro derramado
E quantas vidas perdidas
Operações descabidas
Quanta falta de cuidado
Propaganda no mercado
Onde a beleza reluz
Mas que nem sempre traduz
O melhor para a mulher
Que procurando o que quer
Acaba achando uma cruz.

ROUPA DE BONECA

Foto da colunista

Hoje sentei frente a maquina
E resolvi costurar
Pra vestir uma boneca
Que eu acabei de ganhar
Ela aqui chegou despida
Mas já está bem vestida
Em estilo popular.

Tem corpo de manequim
Essa boneca elegante
Pra ela cosi calcinha
Na cabeça pus turbante
E pra ficar mais bonita
Fiz um vestido de chita
Ficou bem interessante.

Assim trouxe meu passado
Para brincar no presente
Lembrei bonecas de pano
Que me deixavam contente
Roupinhas fazia à mão
Recordo com emoção
Os tempos de antigamente.

Por isso mesmo vesti
Com vestido de São João
Para homenagear
As festas do meu sertão
Pra lembrar as brincadeiras
Na cidade de Ipueiras
O meu saudoso rincão.

MULHER, DIFUSÃO E CORDEL

Antigamente a mulher
Apenas lia cordel.
Depois passou a ser musa
Nos versos do menestrel.
Querendo contar história
Tirou versos da memória,
E passou para o papel.

Fim de tarde na calçada
Nos mais diversos rincões,
As tias, avós e mães,
Difundiam tradições .
Naquele entretenimento,
Passavam conhecimento,
Para as novas gerações.

E foi assim que aprendi
A gostar de versejar
Minha mãe é poetisa
Tia Isa, de contar
As histórias de princesa
Eu achava uma beleza
Hoje vivo a recontar.

Ser musa era muito pouco
A mulher queria mais.
Contar apenas histórias
Feria seus ideais.
Queria escrever também,
Poderia ir além,
Em tudo via sinais.

Disposta pegou a pena,
Sem ter pena de escrever,
Resgatou lá da gaveta,
O que chegou a esconder.
No presente está escrito,
Que a mulher deu o seu grito
E o que faz é com prazer.

O GALO IOIÔ

Vi um galo fanfarrão
Que fez o maior salseiro
Se achando dono da rinha
Cagou no pau do poleiro
Por isso foi condenado
Mas agora encarcerado
Protesta o arruaceiro.

Chamou os três mosqueteiros
Pra lhe tirar da prisão
Pegou outro galo amigo
Que estava de plantão
Mas vendo bater badalo
Distante cantou de galo
Quem tinha a chave na mão.

O galo velho ciscou,
E fez roda e fez titica
Um dizia solta o galo
Já outro o galo fica
O galo ia e voltava
E desse jeito ficava
Igual a couro de pica.

BRASIL CABARÉ DE QUINTA

Esse cabaré de quinta
Que o povo chama Brasil
É uma nação sem rumo
De ladrão virou covil
O q’um dia foi justiça
Hoje já virou “mundiça”
A se envolver em ardil.

À deriva o nosso povo
Navega na insegurança
O que é certo ou errado
Já não traz mais na lembrança
A classe politiqueira
E a justiça brasileira
Só sabem fazer lambança.

Uma luz no fim do túnel
Eu não consigo enxergar
Do jeito que a coisa anda
A nação vai afundar
Porque em cada partido
Só vejo mesmo bandido
Fica difícil votar.

LUA ALCOVITEIRA

Foto da colunista

A lua apontou no céu
O céu encheu-se de brilho
Do brilho nasceu meu verso
Do verso fiz estribilho.

Do verso fiz estribilho
Para cantar ao luar
A lua me enfeitiçava
Luzia pra me encantar.

Luzia pra me encantar
Do seu modo flamejante
Acendendo meu desejo
No beijo da boca amante.

No beijo da boca amante
Viu a lua alcoviteira
Em braços tão envolventes
Uma mulher ser inteira.

DOIS VERSOS

Quem foi que mexeu contigo
Minha querida parceira?
Certamente fez besteira
E assim carece o castigo.
Ouça bem o que te digo:
Quem muito fala e não pensa
Não merece recompensa
Nem a metáfora mais pobre.
Por isso, jamais se dobre
A quem nutre desavença!

José Walter Pires

Amigo o que me aborrece
É a carência de tutano
Desdourando o ser humano
Que de burrice padece
Confesso que faço prece
Rogo a Deus em oração
Pra não perder a razão
Diante de disparate
É que a burrice me abate
Me deixa até sem tesão.

Dalinha Catunda

SONETILHO DE AMOR

Fotos da colunista

Às vezes sou lua
Que nua vagueia
A todos enleia
Porém sou só sua.

Ás vezes sou sol
Trazendo calor
Derreto de amor
Em nosso lençol.

Às vezes sou brisa
Que ofega em seu rosto,
Ladina lhe alisa.

E sempre sou nós
Depois do sol posto
Juntinhos e a sós…

UMA GLOSA

Sofra com sua desgraça,
E aguente minha alegria.

Mote desta colunista

Meu sorriso lhe incomoda
Minha atitude também
Não sou mulher de desdém
Mas não vou sair da roda
Cara feia não me poda
Nem de noite, nem de dia,
Nem venha com zombaria
Que não vou perder a graça
Sofra com sua desgraça,
E aguente minha alegria.

A REVOLTA DE SANTO ANTÔNIO

Foto desta colunista

Santo Antônio aperreou-se
E sentiu-se até perdido
Quando viu tanta mulher
Todas querendo marido:
– Uma coisa vou dizer
Não sei o que vou fazer
Em meio a tanto pedido.

Ficou logo revoltado
E falou para Jesus
Eu não aguento mais
O peso da minha cruz
Ser santo casamenteiro
E com todo esse salseiro
Vos digo: Não me seduz.

Jesus Cristo preocupado
Com aquela situação
Disse para Santo Antônio
É só sua essa missão
Mas pode no céu buscar
Uns Santos pra lhe ajudar
Eu não faço objeção.

Santo Antônio se alegrou
Começou a organizar
As virgens ele casaria
Isso não ia mudar
Delas ele tinha dó
Deixá-las no caritó
Não dava nem pra pensar.

Falou com o São Gonçalo,
E Com São Judas Tadeu
Achou por bem convidar
São Jorge o amigo seu
Nessa mesma ocasião
Fez a distribuição
Com o aval que Jesus deu.

As chamadas periguetes
São Gonçalo vai casar
Também as raparigueiras
Que gostam de badalar
Pois é santo violeiro
Em cabaré ou terreiro
Ele não paga pra entrar.

Já o São Judas Tadeu
É com as tribufus que fica
Santo das causas perdidas
Já casou baranga rica
E as donas sem embaraço
Que já não tem mais cabaço
E gostam mesmo é de pica.

Para São Jorge Guerreiro
Com sua espada na mão
Ele fica responsável
Por todo e qualquer canhão
Pelas mocreias da vida
Que o pessoal apelida
As coitadas de dragão.

Eu acho que Santo Antônio
Abusou da rebeldia
E mesmo estando irritado
Com penas que recebia
De tanto ser afogado
Devia estar conformado
E com a cabeça fria.

Não pedi licença a musa
Mas a Deus peço perdão
Por esses versos que fiz
Com tanta profanação
Não me queimem na fogueira
Foi só uma brincadeira
Sem reza e sem oração.

NÃO AOS POLÍTICOS LADRÕES

Eu não sei se meus amigos
Notaram. Uns talvez, não.
Resolvi ficar calada
Por ter consideração
A cada amigo querido
Que os meus versos tem lido
A eles tenho atenção.

Porém o meu pensamento
Que inda continua são
Me diz e ainda repete
Que não temos solução
Ao ver na tela um político
O meu senso analítico
Me diz é mais um ladrão.

E quem quiser se rasgar
Brigar por politiqueiro
Vá brigar noutro lugar
Aqui não é picadeiro
Pegue boné e bandeira
Vá junto com a bandalheira
Gritar e fazer salseiro.

  Uma dedada desta colunista para os políticos ladrões

Diante de tantos réus
Eu não vejo um inocente
Assaltaram nossa pátria
Iludiram nossa gente
Eu quero é ver na cadeia
E até debaixo de peia
Eu não vou ser complacente.

Quem tiver sua paixão
Oferte cumplicidade
Quem tiver seus interesses
Distorça a realidade
Em Bangu ou na papuda
Minha gente não se iluda
Só tem ladrão de verdade.

O Julgado e condenado
Não é inocente não
Pra tirar um da Cadeia
Tira a lista de ladrão
Pra voltar a pindaíba
Soltem os de Curitiba
E elejam nessa eleição.

Estou fora de política
E vou ficar bem calada
Pois aqui em minha página
Eu não quero presepada
Nesse Brasil de bandido
Eu que não tenho partido
Não quero ser arrolada.

DOUTORA INTÉ OUTRO DIA

Parodiando Zé Praxedes

Doutora inté outro dia
Se quiser me visitar
A choupana não é grande
Mas posso lhe acomodar

Pros almoço tem baião
E tem cuscuz pro jantar
Agua só tem de cacimba
Pra vosmecê se banhar,

Um cafezinho da serra
Eu faço ao amanhecer
Com tapioca e manteiga
Pro seu desjejum fazer.

Foto da colunista

Caso aprecie uma pinga
Tenho a branquinha serrana
Pra sua égua mimosa
Aqui tem um mói de cana.

Pra vosmecê merendar
Rapadura tem um lote
Água fresca e bem coada
Pra vosmecê tem no pote.

Uma rede bem cheirosa
Tem pra vosmecê deitar
Só peço leve o marido
Que o meu não vou emprestar.

O PINTO DE DÃO

Dão de Jaime em foto desta colunista

Contratei uma pessoa
Pra cuidar do meu pintinho
Nunca deixar ele à toa
Pra dar comida e carinho
Quando o dia amanhece
O meu pintinho entristece
Mas ela sabe ajeitar
Por incrível que pareça
Alisa sua cabeça
Pro bichim se levantar

Dão de Jaime

Eu não posso acreditar
Nesse pinto esmorecido
E que só sendo acudido
Consegue se levantar
Eu aqui vou confessar
E não falo com desdém
Pra comer do meu xerém
Pinto tem que ser raçudo
Pois pinto fraco e miúdo
Eu prefiro ficar sem.

Dalinha Catunda

Dão de Jaime, seu pintinho
Tá um pouco moleirão
Precisa passar a mão
Pra ficar animadinho
Apalpar, dá um jeitinho
Para ele se alegrar
Dê-lhe cuscuz no jantar,
Logo que o dia amanheça
“Alisa sua cabeça
Pro bichim se levantar”!

Bastinha Job

SORTILÉGIO

Quando o dia se fez noite
A lua com seu clarão
Foi tingindo a escuridão
Veio o vento feito açoite
Para fazer seu pernoite
Invadiu minha janela
O desejo se revela
A cada toque do vento
Eu sem pejo me contento
No alento que a mim se atrela.

Dalinha Catunda

Quando a noite se fez dia
E o Sol raiou no horizonte
Surgindo detrás do monte
A sua luz irradia
A mais completa alegria
No canto da passarada
Ao dar início à jornada
Para a moça da janela
Que, suspirando, revela
A donzela apaixonada!

José Walter Pires

Esta colunista com José Walter Pires, ambos membros da Academia Brasileira de Literatura de Cordel; José Walter é irmão do grande artista Morais Moreira

BULE -BULE BULIÇOSO

Bule-Bule com esta colunista

Encontrei com Bule-Bule
Pras bandas do Cariri
Bule-Bule é buliçoso
Digo isso porque vi
Comigo não bula não
Sou abelha do sertão
Não assanhe o enxuí.

Bule-Bule bem pimpão
Com seu jeitinho brejeiro
Cantando verso bonito
Não tinha dó do pandeiro
Ouvindo o bardo cantar
Comecei a requebrar
Para animar o terreiro.

Com viola ou com pandeiro
Bule-Bule vai além
Fazendo versos gaiatos
Argumento sempre tem
Bule-Bule não é mole
Com todo mundo ele bole
Não abre para ninguém.

* * *

BRASIL, SEM FREIO E SEM DIREÇÃO

Saí do meu canto agreste
Deixei longe meu sertão
Quase não chego ao destino
Presa em paralisação
Cheguei ao Rio de Janeiro,
E salve o caminhoneiro!
Salve a civilização!

Tudo está se resolvendo
Nas rodas do caminhão
O governo abre as pernas
Pra greve que é de patrão
Vai surgir imposto novo
Quem vai pagar é o povo
Vem mais contribuição.

É nesse país sem rumo,
Sem freio, sem direção,
Que brevemente teremos
Que votar em eleição,
Porém não fico contente
Meu medo é que novamente
Se eleja mais um ladrão.

UMA GLOSA

Campeei pelo sertão
Na garupa dum vaqueiro
No seu galope ligeiro
Mais veloz que um avião
Quando vi que faltou chão
Do céu abri a porteira
Jesus saiu na carreira
E me agarrou pelo braço
“Eu, querendo, também faço
Igualzinho a Zé Limeira.”

Mote sugerido por Marco Haurélio

A FORÇA DO POVO

Enquanto nesse país
Pregarem desunião
Não vai ter povo feliz
Com força nessa nação.

Botam pobres contra rico
Qualquer patrão nessa luta
Não vale nada é um tico
Tacham de filho da puta.

E a classe politiqueira
Que ao rico pede propina
Dá esmola para o pobre
E a ser contra o rico ensina.

Se o povo for pau mandado
De político ladrão
Seguirá desgovernado
Sem mostrar força a nação.

Sei que força o povo tem
Se ele resolver lutar
Unido ele vai além
Basta só saber somar.

Nesse Brasil dividido
Reino de tantos ladrões
Se o povo não for sabido
Se lasca nas eleições.


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa