Coluna: SEVERINO SOUTO – SE SOU SERTÃO