21 abril 2017COISAS DO DESTINO



 

Tiana sofreu muito com a morte repentina de Patrocínio, seu marido durante dez anos. Os dois já casaram maduros, ela com 42 anos e ele com quase 60. Ele era aposentado da Rede Ferroviária Federal e o casal morava em João Pessoa (Pb). Tiana tinha familiares em Nova-Cruz (RN) e, em datas festivas, ela e o marido estavam sempre lá. Viviam bem financeiramente e sempre em harmonia. Com a morte do marido, e sem filhos, Tiana ficou muito depressiva e sozinha. Era alta e bonitona, com tendência a ser gorda. Depois de viúva, começou a engordar mesmo e tornou-se obesa. Tinha 1.70 m, e passou a pesar quase 100 quilos. Tornou-se o que se diz no interior, “um mulherão”.

Um ano depois, Arlinda, sua melhor amiga, residente em João Pessoa (Pb) e casada com um funcionário público estadual da Paraíba, também enviuvou. Suas duas filhas já eram casadas, e ela também se viu mergulhada na mesma solidão de Tiana. As duas amigas, viúvas ainda “casáveis”, meses depois, começaram a sair juntas para a Igreja, depois para teatros, shoppings, restaurantes e cinemas. Logo resolveram fazer excursões ao Sul do Brasil. Gostaram tanto que se programaram para uma viagem ao exterior. Isso serviu para que as duas saíssem da rotina e se convencessem de que a vida continua. Ambas cumpriram suas respectivas missões de esposas dedicadas, e agora estavam prontas para usufruir a liberdade e a boa situação financeira de que dispunham. Aos poucos, foram recuperando a autoestima e tornaram-se vaidosas, na esperança de superar a fria solidão da viuvez. De repente, os olhos das duas voltaram a brilhar, apesar das boas lembranças e da saudade que sentiam dos falecidos maridos.

Arlinda era mais atirada, mais bonita e mais jovem do que Tiana. Por obra do destino, reencontrou um ex-namorado do seu tempo de juventude, agora divorciado, e os dois começaram a namorar.

Tiana era conservadora e se policiava muito. Jurava que jamais se casaria novamente. Apesar de muito simpática, não era atraente, e sua obesidade a prejudicava. Era ruim de dieta e por isso não conseguia perder peso.

Ao ver Arlinda se aprumar com um ex-namorado do tempo da sua juventude, Tiana sentiu inveja, apesar de não demonstrar. Compensava essa frustração, dizendo sempre que a coisa melhor do mundo era a liberdade. Nessas alturas, por brincadeira, dizia que se Patrocínio, seu falecido marido, quisesse voltar lá do Céu onde estava, ela seria a primeira a dizer:

-Homem, pela caridade, não invente de voltar não! Fique aí mesmo!!!

Sentindo-se em segundo plano, por ter praticamente perdido a companhia da amiga Arlinda, agora em um relacionamento sério, Tiana foi passar uns dias em Nova-Cruz. Quem sabe, se sua felicidade não estaria ali!!!

A ocupação de Tiana, em Nova-Cruz, era bater papo à tarde toda com duas ou três amigas, embaixo de um Ficus Benjamina, que há em frente à casa de sua irmã. O assunto era homem e tudo o que com ele se relacionasse. Ávida por arranjar um namorado com quem pudesse refazer sua vida conjugal, Tiana estava disposta a investir nessa ideia.

Pensando em solucionar sua carência afetiva, tinha na cabeça sua proposta amorosa já estabelecida e não escondia das amigas. Queria um homem até 60 anos, que soubesse ler e escrever, fosse sadio, com tudo funcionando nos conformes, para lhe fazer companhia e para ela amar e querer bem! Não fazia questão de dote. Não precisava trazer nem a mala. Podia vir somente com a roupa do corpo, que ela fazia questão de comprar tudo novo! Estava disposta a dar casa, carro, comida, plano de saúde e roupa lavada, e ainda uma boa mesada.

Foi nesse estado de ansiedade, que, em Nova-Cruz, Tiana foi apresentada a um viúvo de 68 anos, cuja mulher tinha morrido há poucos meses. As informações que lhe deram sobre ele foram as melhores possíveis. Aposentado do serviço público estadual, tinha duas filhas já casadas, que moravam na capital. Bebia “socialmente” e gostava “um pouquinho” de jogo de cartas. Tinha sido um bom marido.

O primeiro encontro de Tiana com Epaminondas foi uma decepção. Ele era baixinho, magrinho e usava óculos com lentes do tipo fundo de garrafa. O homem demonstrou ser galanteador e inconveniente, pois disse logo que tinha adorado o seu físico. Gostava de mulheres carnudas e corpulentas. As mulheres assim tinham mais personalidade e eram determinadas. Achava que mulher tinha que ter carne, pois quem gosta de osso é cachorro e arqueólogo.

Tiana ficou sem jeito e não gostou do modo debochado e grosseiro como o suposto futuro pretendente falou. Também não se sentiu, nem de longe, atraída por ele. Não houve entre os dois o brilho do olhar. Não simpatizou com o viúvo e preferiu descartá-lo.

Para completar, de outra fonte, havia chegado aos seus ouvidos a informação de que ele era um jogador contumaz e um alcoólatra inveterado. Dessa forma, Tiana escapou de fazer uma besteira. Por um triz, não caiu nas garras desse viciado em jogo e em bebida. Depois desse susto, pensou muito e decidiu encarar a solidão desoladora da viuvez, e não mais insistir em “procurar sarna para se coçar”. Lembrou-se das palavras bíblicas, que sua saudosa mãe gostava de repetir:

“Nem só de pão vive o homem.”

12 Comentários

  1. Alamir Longo disse:

    Essa foi por um triz, minha cara Violante! Quase que Tiana se enrasca. Ufa!!

    É como diz aquele velho ditado:
    -É muito melhor andar sozinho do que mal-acompanhado.

    Grato por compartilhar conosco mais essa maravilha de crônica da vida real.

    Ótimo feriadão.

    • violante pimentel disse:

      Obrigada pelo gratificante comentário, prezado escritor Alamir Longo! Realmente, Tiana foi salva “pelo gongo”. Tinha tudo para cair numa esparrela. Carência afetiva e solidão são péssimas conselheiras. Principalmente, para quem foi bem casado…rsrs.
      Um abraço e ótimo feriadão para você também!

  2. Aristeu Bezerra disse:

    Violante,

    Uma crônica bem escrita torna o dia mais prazeroso. A arte imita a vida, pois essa solidão da viuvez é vista com certa frequência no dia a dia. É válido se buscar sempre a felicidade, entretanto a sábia Tiana soube fazer a escolha certa: descartar o golpista. Quantas viúvas não caem no conto do novo marido? Muitas. É importante usar a lucidez e não o bom coração para não levar uma rasteira indo parar no chão!

    Saudações fraternas,

    Aristeu

    • violante pimentel disse:

      Obrigada pelo generoso comentário, prezado Aristeu Bezerra! Por um triz, Tiana escapou de cair numa esparrela. Quando o casamento foi bom, a viúva (ou viúvo) aposta de olhos fechados em um segundo relacionamento. Mas, como ninguém é igual a ninguém, facilmente “quebra a cara”!rsrsrs
      Um abraço e bom feriadão!

      Violante

  3. Diana disse:

    Tiana escapou fedendo,rsrs. Excelente!
    Bom fim de semana.
    Beijos.

    • violante pimentel disse:

      Obrigada pelo comentário, querida Diana! Realmente, Tiana “escapou fedendo”! rsrsrs
      Beijos, e bom fim de semana para você também!

  4. Sonia Fausta Tavares Monteiro disse:

    Não pode mesmo dar certo quando se força uma situação! Acho que o erro de Tiana, foi aquele de tentar encontrar um homem que substituisse aquele que foi o seu par perfeito! Nem tudo que se procura pode ser encontrado! Talvez, deixando fluir expontaneamente ,e sem medo da solidão, pudesse encontrar o que tanto aspirava, ou seja, um novo e bom companheiro!

    • violante pimentel disse:

      Obrigada pelo comentário, prezada Sônia Fausta! A ansiedade de Tiana e a carência afetiva fizeram com que ela quase “entrasse em parafuso”, à procura de um segundo marido. O risco que correu de se ligar a um viciado em jogo e em bebida serviu-lhe de alerta. Afinal, diz o ditado popular que “casamento e mortalha no céu se talha.” Não adianta forçar nada, pois o que tiver de ser, será.
      Um abraço e bom fim de semana!

  5. Adônis Oliveira disse:

    Querida Violante,
    Pode dizer a sua amiga Tiana que, com casa, comida e roupa lavada, eu encaro a situação de Príncipe consorte.

    • violante pimentel disse:

      Obrigada pelo gratificante comentário, prezado Adônis Oliveira! Tiana vai ficar radiante com essa sua mensagem. Lembre-se de que ainda entra na proposta, carro, plano de saúde e uma boa mesada! Deixe a mala com suas roupas em casa! Ela faz questão de comprar tudo novo para o esperado segundo marido!!!kkkkkkk

      Um abraço e um excelente fim de semana!

  6. José de Oliveira Ramos disse:

    Violante: você está ma-ra-vi-lho-sa! Parabéns, minha grande e adorada amiga.

    • violante pimentel disse:

      Obrigada pelo honroso comentário, querido amigo e grande escritor José Ramos! Você se destaca na prosa e na poesia! Sou sua fã incondicional!
      Um grande abraço e um fim de semana cheio de alegria, saúde e paz!

      Violante Pimentel Natal (RN)

Deixe o seu comentário!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa