ALAMIR LONGO – QUARAÍ-RS

Caríssimo Editor Luiz Berto,

Peço, encarecidamente, sua sempre e indispensável ajuda, bem como a de todos os seres que habitam esse gigantesco planeta chamado Besta Fubana, para que me ajudem a divulgar essa campanha que ora lanço em defesa dos maizonestos deste país.

Ela é dirigida a todos os bravos rola-bostas e moribundos ideológicos dessa saqueada Banânia.

Está aberto o período de inscrição de voluntários que queiram lutar pela liberdade de um injustiçado que já foi comparado até com Jesus Cristo, e é por demais conhecido como OMAISZONESTO.

Guerreiros da mortadela, uni-vos! Assinem já a ficha de inscrição no exército do Stédile, supervisionado por Lula, o encantador de idiotas.

Atenção rola-bostas e moribundos ideológicos de toda a Banânia:

– Deixem de ser covardes! Chega de bancarem os “leões do teclado”. Aí no ar condicionado fica fácil bancarem os valentões! Vão à luta, seus guerreiros de araque!

Botem a cara pra bater e saiam às ruas “tacando fogo” no país como já ameaçou o ex-presidente da república de ladrões que saqueou o país por quase 14 anos. Restaurem a democracia, afinal, Gleisi Hoffmann, a manda-chuva da quadrilha não afirmou que não temos mais democracia neste país?

Vamos, seus galinhas!!! Não percam a oportunidade! A hora é essa ! Atendam o pedido de madame-ré Gleisi, mais conhecida por AMANTE, na Lava Jato, e morram lutando por seu rei.

Não esqueçam, inscrevam-se já! Não se acovardem!!!

E não se preocupem, porque haverá mortadela para todos.

Quem sabe, não faz a hora???

Bora valentões!!!

Ou vão se borrar as calças de novo???

JOSÉ RAMOS – SÃO LUÍS-MA

Quando a gente começa acreditar que já viu tudo neste mundo, acontece alguma coisa para desmentir. E sempre coisa na classificação do “inacreditável”.

Estava eu viajando (provavelmente na maionese, como dizem os modernos) na Internet quando encontrei essa pérola que transcrevo ipsis literis para os leitores fubânicos:

Deputados estaduais de São Paulo aprovaram na quarta-feira (27) o projeto de lei (PL) que estabelece a “segunda sem carne” no estado. O PL número 87/2016 agora vai para o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que decidirá se o sanciona ou não.

De autoria do deputado Feliciano Filho (PSC), que é ligado à causa animal, o texto proíbe “o fornecimento de carnes e seus derivados às segundas-feiras, ainda que gratuitamente, nas escolas da rede pública de ensino e nos estabelecimentos que ofereçam refeição no âmbito dos órgãos públicos”.

A redação não deixa claro se a medida vale apenas carne vermelha ou se abrange também aves e peixes. Hospitais e unidades de saúde pública ficam isentas desta proibição.

O projeto também obriga restaurantes, lanchonetes e bares a fixar em local visível ao consumidor um “cardápio alternativo sem carne e seus derivados”. O texto prevê multa de 300 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesps) em caso de descumprimento (o que equivale, atualmente, a R$ 7.521).

Depois de ler a respeito do resultado do ENEM, quando nada menos que 309 mil redações “ganharam” nota zero e “apenas” 53 entre mais de 4 milhões de candidatos obtiveram a nota máxima – mas são mestres e doutores em tabletes e celulares! – no trabalho redacional, eis que, hoje à tarde me deparei com essa maravilha de decisão.

Poooorrrrra, esses caras não têm o que fazer?

Será que vão mandar fechar os restaurantes da Avenida Paulista, aonde se oferece todo tipo de carne, inclusive mijada e cagada?

DAGMAR ALCÂNTARA – TERESÓPOLIS-RJ

Boa tarde, Berto,

Não estás precisando de alugar um apartamento pro período de Momo?

Aqui vai uma contribuição para a gazeta mais escrota do mundo.

Muito sucesso e bom final de semana para todos os leitores fubânicos.

Beijos!!!!

R. Cara leitora, fico muito grato pela sugestão.

Mas este é o tipo de aluguel que minhas condições não permitem.

Só mesmo quando aparecer alguma empreiteira do porte da OAS ou da Odebrecht pra apadrinhar este lascado Editor…

CÍCERO TAVARES – RECIFE-PE

Editotos Luiz Berto:

Veja que imagem fantástica!

Antológica! Indescritível! Memorável! Histórica!

Com algemas nas mãos e correntes nos pés, o réu em mais de cem processos e condenado em mais de cinquenta, Sérgio Ladrão Cabral, por determinação do Herói Nacional, o Juiz Sérgio Moro, é transferido da Papuda do Rio de Janeiro, e chega ao IML de Curitiba para fazer exame de corpo de delito e descer para o Complexo Médico Penal de Pinhais, onde está Eduardo Cunhão e outros chefes da gangue que assaltaram o Brasil.

Mas está faltando um!

Quem? Quem? Quem? Quem?

R. O número de processos a que esse sujeito responde é bem maior que a quantidade dos dedos dele, que são apenas vinte.

Ao contrário do seu grande mentor e responsável pela sua eleição no Rio de Janeiro, que tem dezenove dedos.

E que pegou apenas 9 anos e meio de cadeia, enquanto que Sérgio Cabral, seu pupilo e protegido, já está chegando perto de uma centena de anos de condenação.

Caro colunista fubânico, vou complementar a sua carta – contendo esta linda imagem de um corrupto algemado e portando correntes nos pés -, com dois vídeos bem significativos e que tem tudo a ver com esta foto que você nos mandou.

Sugiro que prestem bastante atenção à cara de Sérgio Cabral, no primeiro vídeo,  olhando cheio de ternura para o seu protetor, enquanto este faz o discurso cagando pela boca, como é do seu costme.

Um cagatório no qual Lula diz, entre outras coisas que Sérgio “já provou que é um homem de bem.

Tão de bem quanto ele próprio, Lula.

E diz mais: “Votar em Sérgio Cabral é uma obrigação moral, ética“.

Os corruptos e ladrões de Banânia se entendem muito bem entre eles.

* * *

E, pra fechar a postagem, mais um lindo vídeo:

JÚLIO RIBEIRO – DIVINÓPOLIS-MG

Berto, vc que uma bem relacionado ai de Pernambuco poderia me ajudar.

O caso é o seguinte gostaria muito de passar o carnaval com a família em Fernando de Noronha.

Mas meu orçamento esta estourado.

Mas com diárias hospedagem do Cindacta II variam entre R$ 25 e R$ 55, caberia em meu orçamento.

Só tem o problema não sei como entrar em contato com ilustre comandante da Força Aérea Brasileira para fazer as reservas de hospedagem do Cindacta II.

Se puder ajudar, ficarei agradecido.

R. Quando eu digo que nesta gazeta escrota tem de tudo e mais alguma, existe neguinho que duvida…

Pronto, meu caro leitor, seu apelo está publicado.

Tenho certeza que não faltarão fubânicos pra apadrinhar e dar a dica de como entrar em contato com o Cindacta II, ajudando você a conseguir diárias de hospedagem entre 25 e 55 reais.

Para gozar as delícias de um carnaval na encantada ilha de Fernando de Noronha!

Já estive lá e posso garantir que é um verdadeiro paraíso na Terra.

De minha parte, sugiro que você clique aqui e entre na página oficial da Força Aérea Brasileira.

Deve haver algum local nesta página onde você possa encontrar o que quer.

Desejo sucesso e um excelente carnaval pra você e pra toda família.

ALAMIR LONGO – QUARAÍ-RS

Mestre Berto,

O assunto do momento é febre amarela.

Mas o bom mesmo seria uma epidemia de febre aftosa no meio político.

ARAEL M. DA COSTA – JOÃO PESSOA-PB

Estimado Reverendo,

Embora fatos desse porte não me causem mais espanto, acredito que ainda se faça conveniente o registro de minha constatação, que acredito seja de muitos outros moradores deste planeta chamado Banânia.

Começo meu dia e, por que não, a semana, com mais uma confirmação da bestialidade ou irracionalidade dos nossos governantes ao ver matéria do Jornal da Manhã (Tv O Globo) sobre as muitas obras governamentais inconclusas, com ênfase em prédios que seriam destinados a abrigar Unidades de Pronto Atendimento (UPA), cujos esqueletos pululam por este infelicitado puteiro que se intitula país.

Coroando essa triste exposição que acredito também vista por Vossa Reverendíssima Pessoa e seu cabido eclesial, vejo-a coroada pelo aparecimento de uma insignificância qualquer que se intitula ministro da saúde a dizer que a culpa das paralizações dessas obras ou as sua não ativação cabe aos muitos prefeitos que as solicitaram sem que seus municípios tivessem condições econômicas-financeiras para sua ativação e manutenção.
Embora não me cause espante, tamanho despautério me dá mais uma medida da irracionalidade e irresponsabilidade dessa autoridade (sic), quiçá do (des) governo que ela representa.

Ora, se de antemão Sua Insolência sabia da incapacidade municipal de prover o funcionamento desse serviço, cabia-lhe evitar o desperdício de recursos negando a liberação da verba, de antemão, marcada com a inscrição de malversação de recursos públicos.

Infelizmente falou mais alto a linguagem da politiquice mais baixa, com o parlamentar criando a emenda ao orçamento, o prefeito com este mancomunado pedindo sua liberação e o “gunvêrno” abaixando as calças e mostrando a cueca, suja, decerto, para irresponsavelmente liberar os recursos que serão jogados no ralo da corrupção deslavada que nos governa.

Parece-me, então, que só nos resta a pergunta:

Onde será que vamos parar???

WASHINGTON LUCENA – VISTA SERRANA-PB

Por volta do mês passado
Essa volta aconteceu
O conto mais bem contado
Que o sertão já conheceu
Da saga de um matuto
Por ser valente e astuto
Passeou pela história
E vou contar com proeza
De toda sua destreza
No longo da trajetória.

Sempre trabalhou pesado
Brocando o seu pé de serra
Mas em voltar no passado
E conhecer toda terra
Ele no dia almejava
E pela noite sonhava
Com o seu divertimento
Trabalhando fez o esquema
Fabricou todo sistema
Do seu novo equipamento

Pegou na mão do passado
Na contra mão do futuro
Dando o nó bem arroxado
Para ficar bem seguro
Dando adeus ao presente
Dizendo futuramente:
Voltarei pra meu lugar
Mas andarei na história
farei minha trajetória
Pra depois poder voltar.

E foi para Grécia antiga
Pensar junto com Platão
E o seu pensamento abriga
Criando toda função
Para a Pólis na política
E fazendo toda crítica
No pensamento sofista
E decidindo avançar
Pra assim poder aumentar
Todo seu ponto de vista .

Clique aqui e leia este artigo completo »

VITOR MIRANDA – SÃO PAULO-SP

O Teatro da Rotina comemora um ano da Banda da Portaria.

A Banda da Portaria completa uma volta ao sol caminhando atrás da utopia da poesia musical da música poética das ressonâncias peripatéticas onde não há mais tempo nos espaços nem espaços nos tempos (re)pousamos na velocidade das luzes do Teatro de Rotina pra cantarmos o amor em tempos sombrios.

Para compra de ingressos, clique aqui .

A. LUÍS – FORTALEZA-CE

Prezado e insuperável Editor,

transitando por Fortaleza, deparei-me com este “aviso” na fachada de uma casa desocupada, na Av. Antônio Sales:

Um abraço fubânico,

R. Pelo desmantelo surrealista do que está escrito neste muro, o autor da frase bem que poderia ser colaborador desta gazeta escrota.

Vôte!

Um grande abraço e uma excelente semana pra toda comunidade fubânica aí de Fortaleza.

MAURINO JÚNIOR – PAULO AFONSO-BA

Berto!!!

Saudações, meu caro!!!

República Rastaquera!!!

Com essa, Marco Antônio Villa enquadra bem Banânia, vulgo, Brasil e sua elite tanto ou mais rastaquera.

Vai vendo só se isso não é um quadro genuíno desse país tão esculhambado.

Um abraço aqui do cardinalato paulo-afonsino.

BRUNO STEINER – CURITIBA-PR

O PT junto com o desequilibrado Requião e a senadora petralha Gleisi Hoffmann, planejavam fazer sábado 13/1/2018 uma manifestação em Maringá, terra natal do meritíssimo juiz Sr. Sérgio Moro, o intuito do PT era fazer uma manifestação com o povo de Maringá contra a lavajato e contra Sérgio Moro.

Contudo o que aconteceu foi exatamente o contrário.

A população de Maringá ficou revoltada com o PT e fez uma manifestação de apoio à lavajato e ao excelentíssimo juiz Sérgio Moro.

Disseram que o requião e a gleisi chegaram no aeroporto de Maringá cedo e souberam da manifestação contra eles na igreja, que fica em frente à câmara dos vereadores, onde seria o evento do PT e voltaram para Curitiba no mesmo avião, ficaram com medo!

Na câmara os pelegos ficaram lá dentro presos até acabar a manifestação em prol do Brasil e contra os corruptos.

Eles estavam com medo de sair!

Parabéns aos maringaenses!

R. Caro leitor, este assunto é tema do colunista Augusto Nunes, na postagem que está logo abaixo desta.

Pra falar a verdade, eu tenho minhas dúvidas se as coisas aconteceram realmente do jeito que você está dizendo…

Por conta disto, apelo para o nosso estimado confrade Ceguinho Teimoso, especialista em números, estatísticas e doutor na apuração de fatos, determinando se eles são verdadeiros ou mentirosos, pedindo que ele nos diga se realmente Gleisi Chifreira, Requião Psicopata e o PT Quadrilha se fuderam mesmo em Maringá neste final de semana.

Para ajudar o trabalho de Ceguinho, reproduzo a seguir as fotos que você nos mandou.

Abraços e boa semana!

PAULO CARNEIRO – SÃO PAULO-SP

Prezado Berto.

Peço-lhe a divulgação da noticia abaixo.

Seu jornal tem uma legião de seguidores nos nossos círculos.

Um forte abraço.

R. Uma “legião de seguidores” é coisa pra deixar este Editor ancho que só a peste.

Grato pela generosidade de sua apreciação.

Disponha sempre deste espaço, meu caro.

A notícia a que se refere o nosso estimado leitor paulistano, que aparece na foto abaixo, foi publicada pelo jornalista Luis Nassif na página GGN.

Para ler na íntegra, basta clicar na imagem:

ALDO – FLORIANÓPOLIS-SC

Prezado CEO da Besta

Confesso que estou estupefato com a cara de pau do Gilmar Mendes.

Se fosse um político tipo Maluf ou Lula, ainda vá, está na massa do sangue.

Mas um Ministro do STF?

É constrangedor…

Em termos de chacotas, piadas, musiquinhas, etc. , ele está pau a pau com a Dilma.

Nunca vi um ministro do STF ser tão achincalhado.

Nem mesmo um falastrão, tipo Marco Aurélio, despeja tanta baboseira em público com a mesma cara de pau.

Abraços fubânicos

R. “CEO da Besta”.

Porra!!!

Eu já fui esculhambado de tudo quanto é nome aqui nesta gazeta escrota, mas de “CEO da Besta” é a primeira vez.

Num vou nem dizer que fiquei ancho porque tô desconfiado que “CEO” é coisa que não presta…

Vou pesquisar no Google, o atual Pai dos Burros e tirar a dúvida.

Quanto ao ministro Gilmar Boca-de-Buceta, você acertou em cheio: até o falastrão Marco Aurélio, o cara de sonso mais sonolento do Judiciário, se sente constrangido de fazer parte do mesmo sodalício que Gilmar.

Boca-de-Buceta e João Plenário: duas figuras autenticamente banânicas

Mas, o fato é o seguinte: para um país que já teve Collor e Lula na Presidência da República, ter um Gilmar no órgão máximo do Poder Judiciário é perfeitamente possível.

Um coisa normal neste país descoberto por Cabral (êpa!)

Isto é Banânia em estado puro.

Quanto ao achincalhamento a que vem sendo submetido Boca-de-Buceta – coisa que ele mesmo cavou e procurou com seus ridículos pronunciamentos e suas amostradas atitudes -, a avacalhação chegou às marchinhas de Carnaval.

Vamos aguardar o final de semana com uma música bem atual!

JOSÉ DOMINGOS BRITO – SÃO PAULO-SP

Caro Berto

Seu “O Romance da Besta Fubana” é uma epopeia escrita no gênero da melhor literatura fantástica. Não sei se você gosta ou não desse enquadramento.

Digo isso porque tive um amigo, que talvez você conheça, o saudoso José J. Veiga, que não gostava nem desgostava do termo. Dizia apenas que era anterior a essa “moda” literária. De fato, quando apareceu com o livro “Os Cavalinhos de Platiplanto“, o realismo fantástico ainda não estava em voga.

Li extasiado seu livro “Sombras de Reis Barbudos“, e depois ouvi falar que os direitos autorais foram adquiridos para filmagem. Conversei com ele sobre as dificuldades de se filmar algumas cenas realmente fantásticas. Ele concordou plenamente e disse não saber como se daria ou mesmo se seria possível filmá-las. Para confirmar nossas dúvidas, o tal filme nunca apareceu. Foi pensado e bolado, mas não foi concebido.

E veja que que o fantástico de Veiga é bem mais modesto que a sua Besta Fubana derrubando aviões com um simples peido ou extraindo cuscuz de um barranco.

Imagino que nem Spielberg e toda a grana de Hollywood seria capaz de tal proeza

Enfim, eu não preciso dizer que você escreveu um grande romance.

Wilson Martins já disse e a 3ª edição confirma o fato.

Parabéns e grato pela leitura

Abraços

R. Minino, fiquei ancho que só a peste com a generosidade das vossas palavras, meu caro colunista fubânico.

Ganhei o dia.

Gratíssimo pelas apreciações feitas sobre o livro que despachei via correios pra você.

Quanto ao saudoso crítico literário Wilson Martins, citado no final da sua mensagem, eu fiquei feliz que só a peste quando ele escreveu sobre O Romance da Besta Fubana – e mais sobre dois outros livros -, a seguinte frase: “Importa acima de tudo que tenha crescido em dificuldade e complexidade o índice qualitativo do romance brasileiro.

Eu chega se mijei-me todinho de tanta felicidade. Quem quiser ler a íntegra da crítica de Wilson Martins, basta clicar aqui

Já a respeito do grande e saudoso escritor goiano Jose J. Veiga, declaro que é um dos meus ídolos na literatura de realismo fantástico. Conheci-o pessoalmente quando ainda morava em Brasília.

Era um sujeito afável, voz mansa, cordato e com ele encontrei algumas vezes quando vinha à capital federal participar de encontros literários e feiras de livros. Já fazem 18 anos que ele encantou-se.

Vou transcrever um trecho de um texto que escrevi em maio de 2009 sobre José J. Veiga:

Trata-se de um daqueles casos em que o autor é quase um desconhecido do grande público brasileiro (salvo em Goiás, sua terra, onde a rodovia que liga sua cidade natal, Corumbá de Goias, à capital Goiânia, tem seu nome), estudado apenas no meio acadêmico, mas que obteve reconhecimento no estrangeiro. Sua obra já foi publicada nos Estados Unidos, Inglaterra, México, Espanha, Dinamarca, Suécia, Noruega e Portugal. Considero-o o maior autor em língua portuguesa do realismo fantástico. Sua bagagem compreende mais de 15 títulos e um deles, Sombras de Reis Barbudos, um pequeno romance surrealista (pequeno fisicamente, mas infinito no simbolismo), é o meu predileto.

Na última vez em que nos encontramos, na Feira do Livro de Brasília, conversamos sobre uma frase que ele pronunciou numa entrevista que deu às páginas amarelas da revista Veja. Na ocasião, ele disse que achava admirável como pessoas que eram aparentemente sadias do juízo, se sentavam diante de um teclado e ficavam urdindo histórias, armando tramas, montando enredos e inventando mentiras para escrever livros e enganar os leitores. Coisa de doido.

E esta sua apreciação nunca mais me saiu da cabeça. Nós, os ficcionistas, somos realmente uma nação de doidos, tramando histórias e, qual pequenos deuses, dando vida ou sentenciando à morte os personagens em cujas narinas sopramos para fazê-los vivos e animados.

Um cabra arretado era José J. Veiga!

E aproveitando o fato de você ter insinuado que seria complicado transformar em filme O Romance da Besta Fubana, informo que já falei sobre este assunto numa entrevista que dei à extinta revista Interpoética, que era dirigida por Cida Pedrosa.

Aguarde que amanhã farei uma postagem sobre este assunto, na minha coluna A Palavra do Editor.

Receba um grande abraço e minha gratidão.

CÍCERO TAVARES – RECIFE-PE

Editodos Luiz Berto:

Com o título CORDEL DO FOGO ENCANTADO, no dia 21.11.2016, publiquei nesse espaço democratibilíssimo que é o Jornal da Besta Fubana um artigo inédito meu lamentando a dissolução no auge da fama de uma das bandas mais originais e extraordinárias surgidas na cena pernambucana nos últimos cinquenta anos.

Terminava o artigo assim: “A pergunta que ainda se faz até hoje é: por que a banda Cordel do Fogo Encantado se acabou-se no auge da fama, deixando milhares de fãs, admiradores e tietes órfãos? Talvez o poeta do absurdo, Zé Limeira, explicasse se vivo estivesse com seus repentes geniais destituídos de sentidos!…”

Para minha grata surpresa e de todos os fás, tietes e admiradores da banda os meios de comunicação anuncia a volta da Cordel do Fogo Encantado da seguinte forma: após oito anos de pausa estão cada vez mais forte os rumores sobre uma possível volta do grupo Cordel do Fogo Encantado. A banda natural de Arcoverde, sucesso de crítica e detentora de um fã-clube fiel, foi anunciada pelo festival SXSW (South by Southwest) como uma das que apresentarão showcases durante a edição 2018, que acontece nos dias 9 e 18 de março, em Austin, no Texas (EUA).

A volta da CORDEL DO FOGO ENCANTADO significa dizer que, enquanto há vida há esperança e a esperança só se acaba com a morte no paletó de madeira!

SONIA REGINA – SANTOS-SP

Sr. Editor,

resolvi assistir novamente um vídeo antigo, protagonizado pelo ex-deputado Roberto Jefferson.

Lá, no meio da conversa onde é descrita a vida sacrificada dos políticos brasileiros, também é contada aquela história das “Lagrimas do homem” que à época era Presidente do Brasil.

Pensei, pensei e não consigo atinar, porque um cidadão que teve poucos anos de carteira de trabalho assinada, utiliza imóveis de amigos, viaja em aviões de amigos, não compra e não paga coisa alguma e principalmente, nunca sabe de nada, tem eleitores cativos.

Será que, num País com mais de 200 milhões de habitantes não temos ao menos um candidato que tenha capacidade para desmascarar uma figura que só existe quando tem a disposição palanques e um microfone nas mãos?

ARAEL M. DA COSTA – JOÃO PESSOA-PB

Bela foto.

Merece ser transformada em pôster para aposição nas sedes do PT.

Como homenagem ao petista desconhecido.

R. Meu caro, este petista que Lula encantou não tem nada de desconhecido.

Ele é bem conhecido mesmo. Muito conhecido.

Qualquer pessoa que enxerga e raciocina conhece de longe um militante vermêio-istrelado eleitor de Lula.

Aliás, este espécime luloso cuja foto você nos mandou, embarcando pra Porto Alegre a troco de mortadela e capim, dialoga muito bem com o seu ídolo.

Confira:

JÚLIO RIBEIRO – DIVINÓPOLIS-MG

Olá Berto,

gostaria que você comentasse essa noticia sobre o 

Patrimônio de Jair Bolsonaro e filhos tem indícios de lavagem de dinheiro

O jornal Folha de S. Paulo teve acesso, em cartórios, ao registro de casas e apartamentos adquiridos pelo presidenciável e deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e seus três filhos, Flávio, Carlos e Eduardo – todos políticos – e descobriu que a família possui 13 imóveis com preço de mercado de, pelo menos, R$ 15 milhões. Pelo levantamento realizado, a maioria dos imóveis está em pontos altamente valorizados do Rio de Janeiro , tais como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca.

Além dos imóveis, os bens registrados pela família incluem carros de até R$ 105 mil, um jet-ski e aplicações financeiras, em total de R$ 1,7 milhão. Em 1988, quando Jair Bolsonaro entrou na política, ele declarava ter apenas um Fiat Panorama, uma moto e dois lotes pequenos na cidade de Resende, no interior fluminense, valendo pouco mais de R$ 10 mil, em valores atuais. Desde então, ele se ocupa apenas da política, sendo eleito sete vezes deputado federal.

Entre os imóveis adquiridos pela família nos últimos dez anos, os dois principais estão em um condomínio na Barra, à beira-mar, na Avenida Lúcio Costa – um dos locais mais valorizados do Rio. De acordo com o jornal, os documentos oficiais mostram que as casas foram adquiridas por R$ 400 mil, em 2009, e outra por R$ 500 mil, em 2012. Contudo, na época, a prefeitura avaliava o preço muito acima – algo em torno de R$ 1,06 milhão e R$ 2,2 milhões, respectivamente.

Ainda segundo o presidente do Conselho Regional dos Corretores, à Folha , o valor das casas neste condomínio não variaram tanto nos últimos oito anos. Matematicamente falando, pelo preço adquirido pelos Bolsonaro, os imóveis tiveram valorização de 450%, o que não aconteceu no mercado.

R. Meu caro, você pede que eu comente a notícia que você nos mandou.

Eu vou deixar esta tarefa para os bolsoneiros que acessam esta gazeta escrota. Que não são poucos.

Peço também que comentem esta que saiu n’O Antagonista: O Bolso de Bolsonaro

E mais esta que saiu na revista Veja: Patrimônio de Bolsonaro e filhos cresceu na política

De minha parte eu gostaria de dizer que vou acompanhar com muita alegria esta disputa patrimonial entre Lula e seus herdeiros e Bolsonaro e seus filhos.

Triplex e sítio de Atibaia de Lula contra mansões na Barra da Tijuca e carros de luxo de Bolsonaro.

A troca de pinicos cheios de bosta e de acusações e denúncias na campanha deste ano vai ser ótima, excelente, divertida.

A redação petista da Folha vai ter muito serviço neste ano eleitoral.

O fato é que as páginas do JBF estarão abertas e inteiramente à disposições de todos os candidatos pra publicação de suas mensagens, vídeos e propagandas. Como já fizemos em eleições passadas.

De minha parte, eu só posso garantir uma coisa: vença quem vencer, ganhe quem ganhar a presidência de república, eu estarei onde sempre estive: na oposição.

Tenho consciência de que agindo assim estarei prestando um bom serviço ao meu país. Criticando, fiscalizando e baixando o cacete nos poderosos.

Esta é a posição que deve ser assumida por todo intelectual honesto.

Bem ao contrário dos zintelequituais das zisquerdas de Banânia, todos eles luleiros roxos nos governos petistas, babando ovos e mamando nas gordas tetas do erário.

Quem quiser ler a matéria completa que saiu na Folha de S.Paulo, e que foi citada na notícia enviada pelo nosso leitor, basta clicar na ilustração abaixo:

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

FUGINDO DO PADRÃO

Às vésperas do Natal de 2017 compareci a uma concessionária de automóveis, Brasília, para o propósito de uma inspeção veicular. Conforme agendado, entreguei o veículo às 13 horas e, na sequência, encaminharam-me à “sala de espera” onde uma turba de clientes, em poltronas de largo espaldar, se entretia com o cardápio único: a televisão; fecunda tanto em serventias quanto em inutilidades. Apesar do cardápio único é de se observar que nem todos os comensais apreciam o mesmo quitute, possuem o mesmo sentido gustativo. A par disso, e o fato de que a revisão demandaria cerca de quatro horas, precavi-me: antes de sair de casa encafuei no meu bornal a dupla gloriosa: Dom Quixote e o seu cavalo. A questão agora consistia em identificar um cantinho plácido onde eu pudesse descerrar a obra que me era palatável (portátil, sem circuitos elétricos, sem bateria, sem necessidade de conexão e com a vantagem de poder ser utilizada em qualquer lugar). Mas isso era de somenos. Com a cerimônia de quem ocupa um lugar que não lhe pertence, apossei-me da pontinha da mesa de um funcionário que se ausentara para o almoço. Pronto, com a permissão de Dom Quixote de La Mancha, montei no Rocinante, que estava selado, e o pus em movimento. Errando prazenteiro por paragens de Espanha sentia-me o vingador compenetrado, que julga as suas e as alheias ações. Quando me comprazia no meu bom desejo de me aproximar de um castelo onde à porta jaziam duas graciosas damas de formoso feitio, despertei com a voz do funcionário:

– Não me leve a mal, mas preciso recomeçar o meu trabalho.

Desculpei-me pela invasão, recolhi os petrechos e migrei para o cantinho econômico de outro birô onde restabeleci minha vida errática, evidentemente montado no Rocinante. Mal principiei nova incursão fui interrompido por outra voz:

– Boa, tarde, se o senhor não se incomoda preciso fazer umas ligações; por certo irão atrapalhar a sua leitura.

Em tom de vassalo desculpei-me novamente e levantei acampamento: prancheta, marcador de texto, Dom Quixote e o cavalo. Cansado de ser tangido com o repelente fabricado pela minha própria audácia travessa, derivei para um corredor que dava acesso aos banheiros masculino/feminino onde havia um banco assaz negligenciado, mas cujas pernas bambas me toleraram por horas. Ali me detive em grande proveito. Exaurido por cabal enfado, pedi licença ao narrador, Miguel de Cervantes, e enderecei-me à copa não apenas para saciar a sede, mas para por fim ao sofrimento de olhares intrusivos que secretamente queriam saber o gênero da loucura deste que optou por aquele lugar, aquele banco arruinado. “Se queres incomodar ponhas-te diferente”. Por vezes loucuras podem mais que certas razões.

Devidamente saciado e almejando tonificar o meu ânimo, à copeira, devastada por sisudez incurável, peticionei uma xícara de café quente, no que fui atendido. Quando cogitava restabelecer as minhas aventuras por terras de Espanha ouvi o alto-falante:

– Senhor Jacob, comparecer à recepção, o carro está pronto.

Duas circunstâncias se impunham: o horário do rush fazia o trânsito mover-se à pachorra de lesma; o arrebol, com suas labaredas desfalecentes, atestava que o sol dependia apenas de uma braça para se esconder no horizonte. Apesar dos que se opuseram, involuntariamente, diga-se, a tarde foi de gordo provento: gineteando no Rocinante destrinchei a metade da primeira metade do tomo I do Miguel. O sentido de conforto das poltronas remete para os teventes, não para os ledores, (que carecem da quietude de lago adormecido). Com a descensão do hábito à leitura, ninguém se assuste se a meteorologia anunciar estio de livros. Isso, porém, não seria desmantelo dos mais desmantelados. Pior é se a leitura, em papel, tornar-se criminalizada por força de lei aprovada por esses de quem nos orgulhamos por terem virtudes mais soberanas que a dos sertanejos de mãos calosas.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa