MARCOS MAIRTON – FORTALEZA-CE

Prezado Papa Berto,

de tanto ouvir gente mal humorada se queixando da falta de conclusão das obras para a Copa de 2014, decidi fazer eu mesmo uma pesquisa sobre o assunto, buscando na Internet informações  em sites desvinculados da chamada “grande mídia”.

De fato, acho que muita coisa ficou por terminar, mas me chamou a atenção um belo vídeo postado no YouTube, no canal “Portal da Copa”, que mostra os belos estádios (ou arenas), obras de mobilidade urbana e aeroportos. O vídeo, aliás, tem como título “Obras para a Copa – Maio de 2014”.

Lamentei apenas que, na minha bela Fortaleza, não foi feito nenhum destaque sobre mobilidade urbana. A um minuto e 45 segundos, aparece apenas esse viaduto:

BR116_FORTALEZA_COPA2014

Mas esse viaduto é o que passa do lado da Base Aérea, na BR-116, e está lá há mais de 20 anos, talvez 30 (Seu José de Oliveira Ramos deve saber). Consegui uma imagem do Google Earth, de 2009:

BR116_FORTALEZA_GE2009

Podiam pelo menos ter mostrado a Avenida Alberto Craveiro, que dá acesso ao Castelão, que ficou muito bonita. Não é ironia, ficou mesmo, como se vê na foto:

ALBERTO_CRAVEIRO_FORTALEZA

Tudo bem que, nos jogos da Copa, as pessoas terão que circular por esse trecho da avenida a pé, porque está dentro do raio de 2 Km de segurança exigido pela FIFA, mas isso não tira o valor da obra como legado da Copa.

Finalizo com uma pergunta sobre uma propaganda que vi hoje na TV (Globo News) sobre a copa. A certa altura, um rapaz diz “Ah, eu vi um monte de obras também!”, e aparece essa imagem:

VIADUTOS_COPA-

Será que algum fubânico poderia me dizer onde fica esse complexo de viadutos? Fiquei curioso pra saber.

E este é o vídeo “Obras da Copa”:

JOE BASS – BRUXELAS – BÉLGICA

Sacrosanto Papa,

segue meu Pomo da Discordia da semana, longo porém sincero:

Quem conhece um zisquerdista, possui amigos zisquerdistas ou é zisquerdista ja recebeu esse lindo texto em corrente de mail (com endereços abertos, claro) em PDF cheio de giffs animados ou pelo Facebook.

Confiram comigo:

Um antropólogo fez uma brincadeira com as crianças de uma tribo africana. Ele colocou um cesto cheio de frutas junto a uma árvore e disse para as crianças que a primeira que chegasse na árvore ganharia todas as frutas.

Dado o sinal, todas as crianças saíram ao mesmo tempo… e de mãos dadas! Então sentaram-se juntas para aproveitar a recompensa.

Quando o antropólogo perguntou porque elas haviam agido desta forma, sabendo que um entre eles poderia ter todos os frutos para si, elas responderam: “Ubuntu: como um de nós pode ser feliz se todos os outros estiverem tristes?”

Ubuntu na cultura Xhosa significa: “Eu sou porque nós somos”.

Foi assim que o recebi em minha caixa de e-mails. Apos leitura e releitura deste lindo texto, enxuguei minhas furtivas lagrimas e pensei: “Somente um reacionário neoliberal e insensível poderia contestar esse lindo exemplo de solidariedade humana e coletivismo. Como eu sou um reacionário coxinha, neoliberal, conservador, enfim, uma pessoa malvada, achei que a amostragem da experiência é insignificante (UM cesto de frutas) e resolvi continuar a historia como se a experiência fosse séria e o tal antropólogo a repetisse por meses e meses a fio. A coisa fica assim:

… Por meses e meses os indiozinhos davam-se as mãos e, em uníssono entoando “The lion is dead tonight” avançavam juntos e felizes rumo ao cesto de frutas, distribuindo-as solidariamente. Rousseau teria se masturbado na tumba diante da imagem desses “bons selvagens” que ele tanto preconizava. Seres puros, sem maldade e que só seriam corrompidos pela competição, pela inveja, pelo capitalismo. Mas tudo isso estava longe de acontecer com essa tão linda tribo de indiozinhos felizes e saltitantes.

Até que um dia um indiozinho se machucou. Coitado, não podia acompanhar todos os seus companheiros tribais à busca de tão desejado cesto de frutas. Mas a galerinha nem esquentou a cabeça: “Ubuntu geral, galera! Traremos frutos para o nosso irmão”. Só que esse indiozinho não se recuperava nunca e, por muita coincidência, vários indiozinhos começaram a sofrer misteriosos acidentes de trabalho. Ficou decidido então, entre as crianças, que uma percentagem dos frutos angariados de mãos dadas e correria feliz seria destinada a um fundo de ajuda aos incapacitados (que a cada dia eram mais numerosos).

Como esse fundo de ajuda deveria ser administrado – para que a distribuição seja equitativa – as criancinhas resolveram eleger um representante que assumiria essa função. Visto que esse representante teria uma grande responsabilidade, ficou estipulado que ele receberia uma parte das frutas sem precisar correr de mãos dadas todas as manhãs ensolaradas. Em uma eleição justa e democrática, ganhou o primeiro indiozinho machucado, aquele que não voltou mais pra brincadeira pois não mais se recuperou. Na verdade, ele representava a voz de todos os indiozinhos incapacitados e tinha um bom relacionamento com muitos daqueles que corriam de mãos dadas todos os dias e acreditavam que a solidariedade é a chave do Ubuntu.

A coisa começou a dezsumbutizar quando o numero de indiozinhos que não corriam de mãos dadas para recuperar o cesto de frutas começou a aumentar vertiginosamente. A função do indiozinho umbutizador começou a pesar e ele escalou familiares para fiscalizar se as frutas adquiridas na alegria da corrida de mãos dadas estavam sendo corretamente distribuídas para os que ja não mais corriam. Colocou também um primo para controlar a eficiência dos que corriam diariamente de mãos dadas ao cesto: Questão de garantir que o numero de frutas que abastecia o fundo comum não dimiuisse apesar da diminuição vertiginosa dos indiozinhos que corriam diariamente felizes e de mãos dadas ao cesto de frutas.

Num determinado momento, os indiozinhos felizes que corriam de mãos dadas rumo ao cesto diminuiu tanto que, para assegurar a ubuntização dos frutos a galerinha foi obrigada a correr felizes de mãos dadas varias vezes ao dia para assegurar a mesma quantidade de frutos para seus companheiros. Só que aqueles que corriam diariamente de mãos dadas começaram a se cansar de tanta umbutização e se rebelaram.

O indiozinho umbutizador, junto com todos os indiozinhos umbutizados (os que não mais corriam felizes ao cesto de frutas pois estavam incapacitados e arrumaram uma boquinha na administração umbutu) decidiu que os poucos indiozinhos felizes que corriam de mãos dadas teriam a obrigação de correr felizes de mão dadas e trazer todos os frutos para o comitê central na marra pois estes seriam solidariamente ubuntizados por todos. Em pouco tempo, os indiozinhos não corriam mais felizes, porém, sempre de mãos dadas. Levavam chibatadas das crianças ubuntizadas para que cumprissem a meta de frutos angariados e muitos começaram a morrer diante ao trabalho forçado.

Foi quando a quantidade de indiozinhos,  não mais felizes, e correndo de mãos dadas chegou a uma penúria total. Nesse momento, a quantidade de frutos angariados não era mais suficiente nem para os poucos indiozinhos infelizes que ainda corriam de mãos dadas, nem para os indiozinho incapacitados que sobreviviam do fundo comum de frutos. Só os administradores viviam uma vida nababesca e luxuosa, muitas vezes negociando os frutos com outras tribos por meios excusos e ilegais.

Dai deu-se a revolução. Ladeados pelos indiozinhos incapacitados porém famintos, os bravos indiozinhos corredores deram-se as mãos, comeram o antropólogo, enforcaram os indiozinhos administradores e partiram para a iniciativa privada. Os indiozinhos vagabundos se mandaram da tribo e hoje sobrevivem do aluguel de áreas indígenas ao garimpo, da extração ilegal de madeira além de pequenos furtos enquanto os indiozinhos felizes que corriam de mãos dadas e foram escravizados lançaram-se em seus próprios negócios, enriqueceram, desenvolveram suas tribos e criaram o capitalismo selvagem. (Como diria o Papinha: essa é a piada!)

Hoje, nessa linda tribo, pode-se encontrar uma placa escrita “UBUNTU” toda pichada onde lê-se apos o texto original: “é a puta que o pariu!”

criancas_africanas_ubuntu_pezinhos

“É assim que vai ficar nosso cuzinho se ninguém der um basta na ubuntização”

MAVIAEL MELO* – SALVADOR-BA

Tem um povo falando do Brasil
Sem saber nem ao menos do que fala
Esbravejam: O país está na vala
Não é mais o perfil de varonil
Vão dizendo que aqui é um covil
De excrementos e gente que não presta
Que não há solução, nada mais resta
Que o seu povo é demente e sem memória
Tão dizendo que aqui não tem história
Que só tem futebol, bundas e festa

Que a maldade é presente em todo mundo
Onde todos só pensam em ganhar
Corromper, denegrir e desviar
E a dizer que só tem é vagabundo
Que a pátria faliu e foi ao fundo
Solução para nada aqui se vê
Que nos homens já não se pode crê
Que um diluvio talvez resolveria
E quem sabe assim acabaria
Com essa grande ganância de poder

Eu discordo demais dessa lorota
Pois não vejo assim dessa maneira
E nem acho que seja brincadeira
Acreditam de fato na marmota
Inventaram que aqui não tem mais rota
Que a miséria se espalha na nação
Que a cultura local é corrução
E o terror é constante noite e dia
E deixando de lado a utopia
Eu expresso a minha opinião

Vejo um povo do campo mais valente
E sabendo também do seu papel
Não enxergo assim esse escarcéu
E o caminho seguido é consciente
Alguns anos atrás um presidente
Que por meta sonhava em conduzir
Começou por fazer distribuir
A riqueza que era concentrada
Fez melhoras demais o camarada
Contra fatos não tem como fugir

Minha casa melhora minha vida
Não sei quantos tirados da miséria
Isso aí é notícia e não matéria
É real pelas cotas divididas
Faculdades diversas construídas
Inclusão social pelo direito
Tudo bem, pois sabemos que o perfeito
Não existe em lugar nenhum completo
A proposta que anda é de um projeto
Onde ainda tem muita pra ser feito

A cultura ganhou mobilidade
Com os projetos e outros editais
Nas escolas a educação é mais
E o acesso à universidade
Vi melhoras no campo e na cidade
Vi punir que roubava essa nação
E aqui não estou passando a mão
Pois que erra pra mim não tem partido
Se tiver de pagar será punido
Como foram alguns do mensalão

O argumento é meu independente
Do que entendo eu vou mesmo seguir
O meu voto é certo e é pra servir
Pois eu vejo o Brasil andar pra frente
E por isso a resposta a essa gente
E de um cidadão que faz sua parte
Do meu jeito pra escola eu levo a arte
E não fico esperando a minha porta
Como diz o ditado: Inês é morta
Abra o livro e veja o nosso encarte

Crescimento na nossa economia
Sem dever a ninguém no estrangeiro
E no mais o orgulho Brasileiro
Que não é só de festa e de folia
Se a Copa tá aí, se saberia
Mas na hora correta ninguém fala
Tudo pronto ou quase, não me cala
Vou torcer pro Brasil, sempre serei
Quem não erra, eu mesmo já errei
Mas a falsa notícia não me abala

E por fim reconheço que ainda temos
Que avançar muito mais, isso é verdade
Mas não posso negar a claridade
Que o caminho existe e não perdemos
Do futuro nós nunca saberemos
Mas podemos ao menos vislumbrar
Continuo no processo a acreditar
Quando posso eu conto o que eu vejo
Ao Brasil, meu país o que desejo
É com Dilma poder continuar.

* Poeta, Cantador, Educador e Eleitor de Dilma

ROALD C. MAXIMO – POMERODE-SC

Bananicultura – O Gênesis segundo Patrícia Secco

A escritora Patrícia Secco obteve a aprovação do Ministério da Cultura para captar recursos via lei de incentivo com o intuito de lançar edições descomplicadas de obras de grandes autores, como Machado de Assis, José de Alencar e Aluísio Azevedo.

Patrícia afirma que os jovens não gostam de Machado de Assis porque “os livros dele têm cinco ou seis palavras que não entendem por frase”. A ideia da escritora é trocar as palavras que considera difíceis por outras mais fáceis.

Por exemplo, na versão de “O Alienista“, que deve ser lançada no mês que vem, “sagacidade” foi substituída por “esperteza”. As mudanças não ferem o estilo dos autores, diz a escritora.

Ela, agora, irá reescrever a Bíblia em linguagem inteligível ao povo de banânia.

O livro do Gênesis, por exemplo, será mais ou menos assim:

R. Caríssimo leitor, antes de transcrever o texto que você nos mandou, recomendo, com muito entusiasmo, a leitura da postagem que está logo abaixo desta. Trata-se de um artigo escrito pelo jornalista José Maria e Silva no jornal Opção, de Goiânia. Atenção, leitores fubânicos: não deixem de ler; garanto que vocês irão ganhar a sexta-feira.

Trata-se de um texto que foi escrito pra gente que, além de inteligente, costuma usar esta poderosa ferramenta chamada “raciocínio”. Ou seja: um texto feito na medida pros leitores fubânicos. Os que usam o raciocínio, evidentemente…

Veja esta apreciação que li hoje pela manhã sobre o artigo de José Maria, “Impecável na forma e brilhante no conteúdo, a análise demonstra que a pretendida “adaptação” de O Alienista é um crime contra a literatura, um insulto ao escritor brasileiro, uma vigarice lucrativa e um monumento à imbecilidade.”

E, agora, vamos ao texto do nosso leitor de Santa Catarina:

“No começo era a maior zorra. Estava tudo bagunçado e na maior escuridão. Então, Deus resolveu botar ordem na casa e a primeira coisa que fez foi mandar acender a luz. Aí Ele criou o Céu e a Terra, criou as plantas e os bichos e criou também um jardim belíssimo que chamou de Éden destinado a receber sua obra prima que, com muito capricho, moldou com as mãos usando um pedaço de barro. Estava criado o homem, criatura destinada a morar no jardim do Éden por Ele criado e que batizou de Adão. E ficou tão feliz com Sua obra que achou que a criatura deveria se multiplicar. Então, quando Adão estava dormindo, tirou uma de suas costelas e com ela moldou uma meninazinha linda que chamou de Eva e quando o dia clareou apresentou-a Adão mas com a expressa recomendação de que não se aproximasse dela antes de ela completar dezoito anos. E Adão prometeu. Mas, quando a meninazinha tinha já doze aninhos começou a se chegar e a se fazer de gostosa e se apresentava até sem a folhinha de parreira. Foi aí que a cobrinha do Adão virou serpente e começou a instigar dizendo: vai, Adão; vai, come ela, não seja bobo, e Adão acabou não resistindo. Então levou Eva para uma moita e foi a maior sacanagem já vista. Durou três dias e três noites. Praticaram tudo que não tinham direito em todas as posições do Kama Sutra que, obviamente, ainda não havia sido escrito. Só pararam por um momento para comer uma maçã pois o exercício dera muita fome. Quando Deus soube, ficou muito puto, chamou os dois num canto e disse: “Seus libidinosos de merda, filhos de uma puta, (uma puta de barro e outra puta de osso) ponham-se imediatamente fora do meu jardim e vão fazer a sua sacanagem num lugar da terra que eu reservei para putanheiros como vocês. E lá foram os dois para o lugar que viria, muito mais tarde, a se chamar Banânia.”

ARISTEU BEZERRA – RECIFE-PE

Caro Luiz Berto,

Recebei um e-mail com uma história malassombrada e me lembrei do Jornal da Besta Fubana.

É fantástico, inacreditável, inexplicável, fenomenal.

Veja, abaixo:

Galinha Tonta – Associação Espaço Fala Menino

Gert Mueller esteve na cidade de São Francisco, em Minas Gerais, à beira do Rio São Francisco, onde encontrou um capiau sem os dentes da frente, que se chama Evaldson Bispo dos Santos, vulgo Galinha Tonta, que fala e lê em inglês, alemão e japonês.

Ele disse que apareceram, em sonho, três meninos, um inglês, um alemão e um japonês, que lhe ensinaram os respectivos idiomas!

Gert ficou impressionado com o alemão dele e falou bem rápido para ver se entendia, e o Evaldson entendeu tudo!

Entrei em um site agora e vi que ele montou uma escola no quintal de sua casa e ensina os 3 idiomas para pessoas carentes.

O Gert falou que quando aparecem estrangeiros no hotel, onde estava hospedado, o pessoal chama o Galinha Tonta para traduzir… não é incrível!?

Evaldson já foi apresentado no Fantástico e já se encontrou com o Imperador Hirohito do Japão.

Vale a pena assistir os vídeos abaixo:

BERNARDO – MACEIÓ-AL

Mestre Papa,

veja aí que coisa linda.

Uma Obra D’Arte no lombo de outra.

Com os respeitos do Cardeal.

R. Só mesmo sendo dessa forma pra um bruto quadradão feito eu apreciar tatuagem…

TTG

OZY DOS PALMARES – SÃO PAULO-SP

Bom dia, querido amigo!

Paz e saúde em teu coração.

Esta cantiga me remete a minha infância e as coisas boas de um tempo mas justo e puro.

Capelinha de melão” um clássico que eu adaptei.

Meu abraço e carinho.

R. Chegou na hora certa, caríssimo conterrâneo dos Palmares: no início dos festejos juninos.

Abraços e muito sucesso!

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

ANTONINO CAMELIER – CAMPINAS-SP

Santidade

A sutil esculhambação da república, proposta pelo PT no enrustido Decreto 8.234, mereceu, do economista Rodrigo Constantino, um esclarecimento memorável.

Creio que os dignos leitores do JBF gostarão do texto abaixo.

Sua benção!

* * *

Apenas refrescando a memória: soviet quer dizer conselho!

O ministro Gilberto Carvalho, aquele dos “movimentos sociais”, rebateu críticas sobre o Decreto 8.234 alegando, talvez em ato falho, que tais conselhos sociais existiam “até na ditadura”. O ministro disse:

Quero lembrar de novo: os conselhos no Brasil existem desde 1937, quando foi criado o primeiro conselho de participação. As conferências, de 1941. Até durante a ditadura foram criados conselhos. E é próprio de qualquer democracia madura você ter uma prática de ouvir a sociedade. O que o decreto faz é simplesmente regulamentar, estimular a ampliação daquilo que já existe.

Já eu quero lembrar de outra coisa: soviet, termo russo, quer dizer justamente… conselho! “Todo poder aos soviets” era o mantra dos comunistas. Funciona mais ou menos assim: militantes ligados ao poder se infiltram nos “conselhos” e deles tomam conta, preservando as aparências de “opinião popular”.

Clique aqui e leia este artigo completo »

NEWTON SILVA – FORTALEZA-CE

Olá Vossa Santidade.

Meu blog agora é Calamus Scribae onde arquivo a maioria dos textos também publicados no JBF.

Quanto ao meu outro endereço newtonsilva.com, demorei a renovar o domínio e outro newton silva registrou.

Abraço.

R. Bem que diz o ditado: cochilou, o cachimbo cai. Um teu xará mais esperto fez o registro.

Bom, o que importa é que continua a excelente qualidade dos textos. É como eu digo sempre: só tem malassombrado neste JBF.

Já estive lá na Calamus Scribae e gostei demais. Os leitores fubânicos também irão te visitar. Aguarde.

Muito sucesso, seu cabra doido!

Pra entrar na página do nosso colunista, basta clicar na imagem abaixo:

calamus frente_blog

JUAREZ NOGUEIRA – DIVINÓPOLIS-MG

Prezado Luiz Berto

Meu nome é Juarez Nogueira, moro na Terra (nem sempre divina) do Divino, nossa Divinópolis.

Li o seu artigo “Meu amigo Ivan Presença“.

Sempre leio seu blogue mas hoje, oportunamente, quero informá-lo de que realizaremos a I FLID – Festa Literária de Divinópolis, em agosto, nos dias 29, 30 e 31.

Será uma alegria recebê-lo, representante da Graça dessa Igreja Sertaneja que é a Besta Fubana. Sou um dos organizadores da FLID, junto à Gulliver Editora e a Boutique do Livro. Pois bem: o convite está feito.

O projeto, já aprovado, vai em anexo, para seu conhecimento.

A programação oficial segue em breve, com todo o cast de convidados e… surpresas!

Um abraço.

R. Meu caro, é com muita alegria que recebo esta sua comunicação.

Será um prazer enorme participar de um evento literário na terra de uma figura que eu tanto admiro, a nossa querida Poeta Adélia Prado.

Vou me organizar pra estar presente ao evento. Enquanto isto, aguardo a programação oficial pra divulgar aqui no JBF.

Um grande abraço e muito sucesso!

ARAEL M. DA COSTA – JOÃO PESSOA-PB

Reverendíssimo Papa

Eis aí uma situação que parece vir a necessitar uma mediação de Vossa Santidade, pois que me parece estarmos à beira de um conflito quase tão grave quanto a dissenção Israel/Árabes.

Governo da Paraíba e Prefeitura de Campina Grande se digladiam em torno dos festejos joaninos nessa cidade, disputando situação que me fazem parecer, como já afirmei, bem próximas da luta pela posse da Terra Santa e seus significados.

A Prefeitura, como Vossa Santidade já deve saber, há muito realiza o chamado “Maior S. João do Mundo” e agora, dadas as posições políticas antagônicas, vem o Governo do Estado, que antes até ajudava a Prefeitura, a querer fazer uma festa paralela, usando bairros e população das periferias, para festa semelhante, cujo maior estofo é esvaziar o já “famoso” Parque do Povo.

A esse respeito, dei-me o vezo de fazer o texto que lhe passo, já transmitido ao colega e companheiro Rubens Nóbrega, que mantém prestigiada coluna no Jornal da Paraíba, pois o considerei merecedor de seu conhecimento e análise para uma, talvez merecida, excomunhão.

Veja, lá…

R. Meu caro, independentemente da guerra entre estado e município, quero dizer que tem uns 8 anos que passei o São João em Campina Grande e foi uma das festas mais bonitas e animadas que já tive a alegria de ver. Isto, evidentemente, deixando de lado os espetaculosos conjuntos de porno-music que, indevidamente, se apropriaram de um nome, “forró”, que nada tem a ver com as merdas que eles despejam nos palcos da nossa terra.

E já que o assunto é o São João de Campina Grande, vou tomar a liberdade de ilustrar esta postagem com um vídeo. Um vídeo que dá aos leitores de outras plagas uma ideia do que são os festejos juninos naquela acolhedora cidade.

Trata-se de matéria oficial da prefeitura, contendo a programação do ano passado. E, em seguida, está o texto que você nos mandou.

Abraços e um Feliz São João!

 * * *

Forró dos absurdos

Acompanhando a guerra político-midiática deflagrada entre o Império Tabajara e o Condado – ainda não separatista, graças aos deuses – Campinense, em torno dos festejos joaninos, fico cada vez mais espantado com o nível da contenda, que tem nos conduzido a absurdos que seriam profundamente risíveis se não nos mostrassem o baixo nível a que chegamos.

De um lado, temos o ilustre dirigente imperial a patrocinar eventos e realizações que nada acrescentam ao dia a dia da cidade e por outro os sátrapas que se fazem donos dessa herdade a travarem luta inglória em torno de uma realização que embora tenha alcançado níveis bastante elogiáveis nos últimos tempos, não é criação de nenhum dos dois grupos em guerra.

Cortesãos imperiais e vassalos satrápicos erram, como é de se esperar em disputas dessa natureza, ao alardearem seus feitos inglórios e inconsequentes, achando ou querendo que a patuleia acredite que tais são primeiros e únicos, como estamos vendo, agora.

De um lado, vem o império a criar um circuito do forró que percorrerá bairros da sede da satrapia e do outro, satrapenses a alardear a extrema criatividade de seus chefes, que criaram um evento único e excepcional, sem comparação no mundo e que por isto deve ser reverenciado em nível dantes manifestado.

Esquecem, no entanto que logo ali, pertinho, existe a capital do forró que há muitos anos, bem antes, realiza festa semelhante, com o mesmo apelo popular e que sem maiores promoções midiáticas, mas com efetiva participação dos seus moradores, leva a alegria junina a todos os pontos da cidade, em festa com tanta participação popular que levou, até, à criação de um polo paralelo, com uma característica marcante de ser também um autêntico ponto de difusão de legítimo artesanato nordestino.

Senhores.

Guardem suas armas e visitem Caruarú, percorram suas ruas mais afastadas e visitem o Alto do Moura, para ver que essa guerra que travam não conduz a nada e que seus feitos são vitórias de Pirro.

Chamem o feito à ordem e façam sua festa sem brigas e com muita alegria, como deve ser…

BERNARDO – MACEIÓ-AL

Mestre Papa,

agora foi vez das santas pás de um helicóptero nos presentear com a linda visão do furico Real da Duquesa de Cambridge.

Pelo retrato, dá pra ver que a real senhora é da turma que pendurou as caçolas no cabide do esquecimento.

Com os respeitos do Cardeal.

R. É um privilégio principesco ter a bunda de uma fêmea da nobreza britânica estampada no JBF…

BUNDA REAL

MARCOS ANDRÉ M. CAVALCANTI –RECIFE-PE

Caro Papa Berto, boa madrugada.

Faço parte da Fraternidade maçônica pernambucana do Grande Oriente Independente de Pernambuco – GOIPE.

Recentemente fomos agraciados, na nossa sede, com uma linda e empolgante palestra sobre História de Pernambuco, proferida pelo querido colunista fubânico Leonardo Dantas, com o tema “Redenção Pernambucana“.  Foi sensacional, show de bola.

Seguindo a linha de raciocínio desta gazeta da Bexiga Lixa, que comporta e contempla a liberdade de opinião e expressão, sem distinção de quem quer que seja, e de onde quer que venha, não poderia me furtar da oportunidade em trazer um belo e lúcido texto sobre o tema EDUCAÇÃO, da lavra do Grão Mestre do GOIPE, jornalista Antonio do Carmo Ferreira.

Penhoradamente agradece o leitor colaborador.

R. Caríssimo leitor, quero repetir e realçar uma frase da sua mensagem e fazer um acréscimo.

A frase é aquela que diz que o JBF “comporta e contempla a liberdade de opinião e expressão, sem distinção de quem quer que seja, e de onde quer que venha”.

E o acréscimo é este: sobretudo opiniões e expressões que sejam contrárias às opiniões e posições deste Editor.

E quando me baixam o pau, aí é que o meu coração masoquista fica pulando de alegria.

E aqui vai o texto que você nos enviou.

* * *

O CAOS

Recebi de um correspondente no Distrito Federal, através de texto em que ele se diz triste pelos acontecimentos, nos tempos atuais, no Brasil todo e, agora, no Recife e seu entorno (Abreu e Lima). a seguinte pergunta: “É possível a ordem pública sem os PMs, a seu (dela) serviço, nas ruas?”.

Oh meu bom rapaz! Melhor a pergunta que fez a ilustre jornalista Graça Araújo, pergunta inserta no editorial do Jornal do Commercio de hoje (16.05.14): “Tem que ter polícia nas ruas para o cidadão ser honesto?” Invadir casas comerciais, saquear, levar os bens que não lhe pertence, praticar vandalismo, etc.

Segue o editorialista do JC: “… parcela da população tem anulado qualquer SENSO de discernimento entre o certo e o errado, senso que deveria ser trazido da educação … e fortalecido no EXEMPLO DE PERSONALIDADES que deveriam encarnar o valor das instituições”.

Mais tristeza do editorialista: “Já sabemos que no Brasil falta educação de todos os tipos … e os exemplos de personagens públicos não têm sido o melhor espelho – especialmente na política, onde a corrupção é vista como traço generalizado e quase obrigatório”.

Estás vendo aí, meu bom rapaz, onde está a raiz da questão? Na ignorância proposital, na ausência da EDUCAÇÃO. Não é mais argumento. São os fatos que estão provando isto. O Brasil está sem rumo no campo da educação. O Plano Nacional de Educação, para o decênio 2011-2020 encontra-se no Congresso, mas não anda. Por que não anda? A irresponsabilidade por esse emperramento é de quem?

Todo dia  maçonaria do GOIPE/COMAB alerta o povo brasileiro para essa desdita. A desgraça no campo da educação, quando a educação “é um direito de todos, sendo obrigação do Estado  procedê-la”. (Art 205 CF). É pena que o povo venha a sofrer tanto para começar a descobrir esse crime que se pratica contra ele. Parece que o cancioneiro tem razão: “Sofre que a dor vai ensinando a gente”.

Mas o povo começa a descobrir. O Diário de Pernambuco na edição de hoje (16.5.2014) aponta nesse sentido (Página a11). Feita a pergunta “a onda de saques e arrombamentos no estado é problema de segurança pública ou de educação?”

Seguem três respostas sintetizando os milhares das que foram recebidas:

“1)@fabioNobrega – Falta de educação. Não é por não ter polícia que a população deve ir à rua saquear e fazer baderna.

2)@deaniandrade – Educação, claro. Ninguém que tem consciência de cidadão faria este tipo de absurdo.

3)@marlonmleandro – Educação. O brasileiro reclama dos políticos mas no fundo só quer uma oportunidade pra fazer a mesma coisa que eles.”

Pois é, meus amados irmãos! Prossigamos em nosso esforço em favor da educação de qualidade para todos. Pois na escassez da educação, não vem a Ordem, mantem-se o Caos.

Antônio do Carmo Ferreira – Jornalista DRT/PE 5565

JORGE FILÓ – RECIFE-PE

Mestre Berto,

divulgue ai essa imagem…

Vamos ver se a gente encontra esse poeta!

Com a ajuda desta Besta, já, já a gente tem notícias dele…

Agradecido meu Mestre!

POETA MANOEL MONTEIRO

MARIA LEIDES – MARACANAÚ-CE

Berto,

boa tarde!

Minha netinha Sarah escreveu este texto e me pediu para eu mandar para você.

Agradeço a atenção.

R. Caríssima colunista, parece que beleza e talento são atributos hereditários nessa família…

Publico com muito gosto, minha cara.

Sucesso pra vó e pra neta!

SARAH

Sarah Mariano Lima (10 anos)

O TROCA PALAVRAS

Era uma vez um menino chamado Tassa. Ele tinha dois aninhos e o seu sonho era ir para a escola. E dizia para o seu pai que queria ir à escola, mas o Tassa era pequeno demais. Ele resolveu a ir à biblioteca, onde aprendeu a ler, a escrever, somar e sonhar. Quando Tassa completou três anos seu pai o levou a escola.

Tassa era diferente dos outros meninos, ele sabia muito mais que todos os outros. E foi direto para o 4º ano e participou dum soletrar. Pediram para ele soletrar cachorrada e ele disse adarrohcac. Ele perdeu um ponto, e sobraram dois pontos. Pediram para ele soletrar amigo e ele disse ogima, sobrou só um ponto e pediram para ele soletrar pato e ele disse otap.

O juiz percebeu que as palavras estavam certas, mas o oposto do que ele queria dizer. O menino explicou porque trocava as palavras e depois o juiz determinou que o garotinho ganhasse o campeonato de soletração. O menino venceu todas as competições das escolas seguintes.

E hoje ele é juiz de soletração

FIM

JOSÉ NÊUMANNE PINTO – SÃO PAULO-SP

O amor não é cego: quem ama enxerga completamente o outro, como se fosse uma águia de olhos de lince. O amor não exige reciprocidade, embora a aceite prazerosamente. Pois ser amado é muito bom, mas amar é melhor.

De José Nêumanne Pinto para Maria Isabel Pimentel de Castro, que, depois de 9 de junho, vai acrescentar meu Pinto a seu sobrenome

Na segunda-feira, 9 de junho, às 11 horas, depois da abertura do Maior São João do Mundo em Campina Grande, amada cidade natal da noiva e berço adotivo do noivo, Isabel e eu seremos casados pelo juiz Vladimir José Nobre de Carvalho.

Para celebrar antecipadamente a boda, segue canção de nosso amigo Beto Brito (na foto com os noivos na entrega do Troféu Gonzagão 2014), com a luxuosa ajuda de Santanna, o Cantador, que se apresentará no Parque do Povo em Campina Grande no fim de semana anterior ao casório.

neubelbeto

E o poeta ainda me honrou com uma quadrinha improvisada, que compartilho com você

Um casamento desse jeito
eu duvido outro igual
a Maior Festa do Mundo
um Pipoco Sideral
José Neumanne, Isabel
vão girar o carrossel
da paixão fenomenal.

R. Meu caro colunista fubânico, saiba que é uma alegria enorme ter um jornalista brasileiro do seu porte como colaborador do Jornal da Besta Fubana.

Fiquei feliz por constatar que, no vídeo que você nos mandou, estão dois amigos queridos, dois grandes artistas da Nação Nordestina, cuja amizade eu prezo muito: Beto Brito e Santanna, o Cantador.

Em meu nome pessoal, e em nome da comunidade fubânica, desejo toda a felicidade do mundo pra você e pra Isabel, uma parelha de seres humanos da bixiga lixa!

Casar durante os festejos do São João, em plena Campina Grande, além de ser um grande privilégio, é um sinal seguro, uma inequívoca certeza de que o casal terá pela frente uma vida iluminada e plena de muitas alegrias.

PAULO MOURA – RECIFE-PE

Caríssimo e Papíssimo Luiz Berto.

Estive juntamente com o poeta Felipe Junior, semana passada, em Brasilia, onde fomos visitar nosso queridíssimo Padre Poeta Brás Costa.

Na oportunidade o mesmo estava promovendo um show beneficente com renda revertida para o Instituto Bíblico daquela cidade. Instituto esse que é coordenado por ele.

O show contou com as presenças do cantor Delmiro Barros, o violeiro Zé Viola e uma banda local. Não é bastante dizer que o evento foi um sucesso.

Porém, o motivo principal desta mensagem é para lhe informar que o Padre Brás (Cardeal da Vossa ICAS) lhe enviou por este portador um SOLIDÉU que pertenceu originariamente ao seu amigo Papa Francisco.

Eis que explico: Existe uma tradição em Roma que consiste em se comprar um solidéu naquelas lojas de artigos religiosos no vaticano e, quando da passagem do Pontífice, o cristão que o assiste lhe estende o Solidéu comprado, e este num gesto de gratidão retira o seu Solidéu e troca pelo que foi lhe ofertado.

E, segundo o amigo Brás, foi o que ocorreu.
 
O mesmo, quando esteve em Roma, ofereceu um Solidéu ao Papa, que passeava entre os padres, e este lhe deu o seu Solidéu em troca, no que o amigo Brás me entregou para que eu lhe entregue solenemente este artigo Papal que será passado de um Papa para outro.

Resta-nos marcar uma audiência no Palacio Pontificio onde faremos a entrega e, se nos permitir, podemos levar junto ao Solidéu uma bela garrafa de cachaça “das boa”…

Um grande abraço e um pedido de benção especial para este Cardeal cachaceiro que vos falar.

R. Meu querido colunista fubânico (estamos sentindo falta dos seus textos…), está fazendo exatamente 3 anos que o Cardeal Brás retornou da Europa, onde concluiu o seu Doutorado em Teologia, e voltou aqui pra terrinha. Pra quem ainda não sabe, Brás é sacerdote da Igreja Católica Romana, um nordestino poeta e um cabra arretado. Na igreja do meu colega Chiquinho ele é um simples padre, mas na ICAS já foi promovido a Cardeal.

Neste seu retorno em 2011, o querido Cardeal Brás me trouxe de presente um solidéu, que foi inaugurado aqui no Palácio Pontifício, numa reunião que contou com a presença de vários amigos, entre os quais você e o Cardeal Felipe Júnior, citado na sua mensagem.

No final desta postagem estão duas fotos daquele memorável encontro.

Quando é agora, você me dá esta notícia extraordinária. Imagine a honra que terei de receber um novo solidéu, uma peça muito especial que saiu do quengo do meu colega de Papado Chiquinho e vem diretamente pro meu quengo. De um Papa argentino para um Papa brasileiro. Escolha o dia e a hora, meu caro, e venha simbora. Estou aguardando ansioso.

Hoje em dia, o Cardeal Brás está radicado em Brasília, desenvolvendo seu trabalho de sacerdote da igreja romana na Capital Federal. Um trabalho que tem rendido muitos frutos, segundo todas as informações que me chegam.

E que vai continuar tendo muito sucesso, tenho certeza.

E, por oportuno, aqui vai uma poesia da autoria de Brás:

Não é que eu não aprecie
Toda cultura aramaica,
Não estude a lingua hebraica
E não respeite a Torah.
É que essa cultura rara
Nem de longe se compara
A uma farra no Maitá.

Adoro a cultura grega
Polis, politica e idea
Iliade e Odissea
Que Homero imortalizava.
Mas troco Zeus e Platão
Numa sopa e num “latão”
La em Maria da fava.

Leio cultura romana
Poetas, imperadores,
Politicos, gladiadores
Cidade eterna, imortal.
Mas, invés de ler Virgilio
Prefiro ouvir Otacilio
Com Dimas e Lourival.

Os belos alpes Suíços
A Orquestra de Viena
Tudo isso vale a pena
E eu os vi de pertinho
Porém tudo eu trocaria
Para ouvir a voz de Bia
E o fole de Luizinho.

Na europa tem de tudo
Tem lugar rico e bonito
Mas São José do Egito
Não sai do meu pensamento.
La na casa dos meus pais
Não sou doutor, eu sou Brás
La eu sou eu cem por cento.

01-083

Cardeal Brás, à direita de camisa verde, celebrando sua volta à Nação Nordestina em julho de 2011

01-106

Papa Berto I, usando sobre a cabeça o solidéu que ganhou de presente do Cardeal Brás, ladeado pelo Cardeal Felipe Júnior e pelo Poeta Rafael, filho do Cardeal Paulo Moura

MARCOS ANDRÉ M. CAVALCANTI –RECIFE-PE

Caro Berto, bom dia.

Existe algum jornal semelhante ou da mesma linha escrota do BESTA FUBANA???

Se tiver conhecimento me indique, por favor.

O BF é o jornal com melhor conteúdo que existe atualmente.

Sério, escroto, escrachado, perturbador, e com uma seleção de cronistas que “agrada gregos e baianos”, como diria Odorico Paraguaçu.

Já fui honrado com uma publicação nesta gazeta “da biciga lixa” no setor de cartas.

Vale lembrar que sou leitor assíduo. Fico de agonia quando a pausa é longa para inserções de temas e charges.

Forte abraço.

R. É como eu vivo a repetir: tem gosto pra tudo neste mundo.

Dizer que esta gazeta escrota é o jornal com melhor conteúdo que existe atualmente“, é um exagero que vai deixar completamente emputiferados os editores que se guiam pela luz que enche o mundo quando Lula fala e os blogueiros progressistas deztepaiz.

Tu conhece Carta Capital, de Mino Carta, e Conversa Afiada, de Paulo Henrique Amorim? Num sabes o que tás perdendo!!!

Lá tem coisas que não existem aqui no JBF: cada anúncio lindo da Caixa Econômica que chega dá gosto de olhar!

JB-9

FERNANDO PORTELA – SÃO PAULO-SP

Meu Papa, evoé!

Esse material sobre o novo decreto 8.243 que, em última instância, cria sovietes no Brasil em pleno século 21, pode ser uma leitura instrutiva.

Bração, Minha Santidade!

R. Leitura instrutiva???!!!!

Num sei não, meu nobre colunista…

Eu acho que tá mais pra uma leitura preocupativa.

Segundo o comentarista fubânico Ceguinho Ingênuo, zisquerdo-gunvernista roxo, tudo não passa da Síndrome de Pânico Conspiratório.

PANICO

Só pra refrescar a memória de vocês, Ceguinho é o autor daquela frase fantástica, digna de constar em qualquer antologia de sentenças stalinísticas: “O humanismo é um dos componentes mais fortes do esquerdismo“.

Ele vê (mesmo cego) bondade e puras intenções em toda e qualquer medida que o gunverno banânico toma.

Quem quiser tirar dúvidas, e conferir se Ceguinho está ou não com a razão, recomendo a leitura do artigo que nos foi enviado pelo ilustre fubânico Fernando Portela, um escritor da bixiga lixa, sempre antenado com tudo que acontece neztepaiz.

Para ler, basta clicar no título abaixo:

Afinal, o que é esse tal Decreto 8.243? 

E, logo após, valeria a pena uma lida no editorial de ontem do Estadão, intitulado “Mudança de regime por decreto

Após ler os dois textos, sugiro que vocês façam um pesquisa, perguntando às antas que compõe o curral eleitoral banânico o que elas pensam sobre o tema.

Boa leitura!

E, também, um bom final de semana. (se possível for…)

sindrome-do-panico

BRÁULIO DE CASTRO – OLINDA-PE

Papa Berto,

segue outra história do meu livro ARRANCARAM OS OLHINHOS DO CAVALO.

O fubânico que quiser adquirir, é só entrar na página das Edições Bagaço, clicando aqui.

* * *

bráulio-capa

O CEGO “ROLA”

Eu nunca vi na minha vida um mendigo da qualidade do Cego Rola, o cabra era  malcriado até dizer basta. Todo dia de feira ele vinha pra cidade pedir esmola. Chegava a residência da pessoa, batia palmas e gritava:

”Ô de casa, me dê uma esmolinha pelo amor de Deus”!

Quando surgia alguém com alguma coisa pra lhe dar, ele tirava o chapéu, fazia uma reverência bem educada e agradecia da seguinte maneira:

”Que Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, ilumine esta família. Que os filhos homens sejam todos doutores e as senhorinhas sejam todas professoras e tenham casamentos felizes. Que a saúde esteja sempre com todos”.

Repetia o louvado seja e seguia para outra casa.

Agora, quando alguém dizia “hoje não tem nada não, passe outro dia”, seu agradecimento então era assim:

“Que satanás esteja sempre com vocês, bando de felas da puta!”

Em seguida batia com toda força o cacete no chão e saia pela calçada resmungando:

“Se tiver filho homem que dê pra ladrão e filha mulher pra rapariga dos três coco, mas antes eu desejo que o jumento da Estação do Monta (¹), desencabasse ela”.

E tome  palavrão até chegar em outra residência. De vez em quando a figura levava uns cocorotes, mas não se emendava nunca.

(¹) A Estação do Monta, era uma fazenda pertencente ao Estado, onde os criadores cruzavam os seus animais. Havia um jumento com uma pajaraca enorme.

LUIZA SCHELIGA – RIO DE JANEIRO-RJ

Olá,

Tudo bem?

Sou produtora do Fantástico e estamos à procura da criança que canta o hino nacional versão raio líquido, goiabada…

Será que você tem alguma pista pra dar?

Abraços.

tvg

R. Caríssima produtora, este hino foi enviado pra cá pelo leitor Leonam Quirino, de Maceió, e publicado na nossa seção de cartas, no dia 24 passado.

Lamento muito não ter mais qualquer informação, além do áudio que já remeti pro seu endereço eletrônico.

Agora, aqui entre nós: ser lido e consultado pela produção do Fantástico pode ser um atestado da penetração e do excelente Ibope do JBF. Mas eu desconfio que é um péssimo negócio pro padrão global de qualidade.

Fazer contato com um jornal escroto e de baixo nível feito esta gazeta… Hum… Sei não…

Agora é que os zintelequituais banânicos vão mesmo baixar o cacete na Rede Globo.

De qualquer forma, este Editor continua inteiramente à disposição. Conforme você me informou, a intenção é localizar a menina. Qualquer novidade, eu aviso.

Aliás, vou aproveitar o pretexto pra botar o hino banânico novamente no ar:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

BERNARDO – MACEIÓ-AL

Mestre Papa,

veja aí o melhor emprego do mundo.

Balconista de farmácia em uma comunidade naturista.

Com os respeitos do Cardeal.

* * *

Nudista afirma: “Quem pratica, torna-se adepta pra vida inteira”

Se você tem curiosidade sobre como as pessoas vivem nas comunidades naturistas, conheça a história de Carina Moreschi, que há 17 anos pratica o nudismo: “Passo a maior parte do tempo pelada”.

A gaúcha, de tão adepta do naturismo, uniu o útil ao agradável e atualmente é editora-chefe da revista e site Brasil Naturalista, especializada no assunto. Nelson Rodrigues que nos desculpe, mas após ler isso, você nunca mais vai concordar com a frase “toda nudez será castigada”.

NTR

Quem trabalha na comunidade não necessariamente precisa praticar o nudismo, vide o balconista da farmácia que prefere se manter vestido.

R. Meu ilustre Cardeal, a gente não precisa ir lá no Sul Maravilha pra encontrar ocupações interessantes.

Aqui pertinho das Alagoas e do Pernambuco, praia de Tambaba, na vizinha Paraíba, existe uma profissão bem mais interessante que a deste balconista de farmácia gaúcho.

Trata-se do cargo de Segurador de Jegue, que ajuda as nudistas a montar no lombo dos primos de Polodoro. Tem filas quilométricas na porta da prefeitura pra conseguir uma vaga neste emprego.

Veja na imagem abaixo:

segurando2

ARAEL M. DA COSTA – JOÃO PESSOA-PB

Reverendo

Esta  semana, tomando ares de civilização nas terras pernambucanas, recebi informação que quase me deixa embasbacado, se o mote não fosse originário das direções deste território banânico.

Veja só: segundo um primo de minha mulher (pernambucaníssimo, como ela, pois descendentes da bela índia Maria do Espírito Santo Arcoverde), que é fiscal do Ministério do Trabalho (hoje aposentado), foi editada e distribuída com esses auditores encarregados do atendimentos nos postos, uma cartilha com instruções de como proceder e tratar os postulantes ou reclamantes, onde figurava denominações várias, como as relativas a deficientes vários.

E pasme. Sabe como deveriam tratar o anão? Como deficiente verticalmente prejudicado. Não é uma pândega?

Felizmente, alguma alma esclarecida, viu o absurdo e conseguiu recolher essa publicação, antes que se difundisse o termo. Verticalmente prejudicado é de fuder…

Já pensou em um cartaz definindo a fila dos deficientes, usando tais termos?????

R. Meu caro, os bairristas daqui vão adorar a frase que você escreveu na abertura de sua mensagem, dizendo que veio “tomar ares de civilização” em terras pernambucanas.

Eu pensei que nos ares daqui só se tomasse porrada e poluição. Vôte!

Quanto à viadagem de chamar anão de “verticalmente prejudicado“, concordo plenamente com você: “é de fuder”. O melhor mesmo seria mandar “se fuder” quem inventou esta tabacudice.

Isto é coisa desses felas-da-putas, desses desocupados, desses zisquerdoides, desses palermas, desses cultores de uma idiotice chamada “pulicamente correto”.

Pura falta do que fazer. Falta de arranjar uma boa lavagem de roupa ou um emprego de faxineiro no banheiro público do Mercado de São José, aqui no Recife.

Eu tô doido que me apareça pela frente um tabacudo desses dizendo pra eu chamar aleijado de “deficiente físico“, chamar xibungo de “homoafetivo, chamar cego de “deficiente visual” ou chamar negro de “afrodescendente“.

Eu mando ele tomar adonde a galinha toma!

anao_

Meu grande amigo palmarense, Salário Mínimo: afrodescendente verticalmente prejudicado e homoafetivo

Fora isto, ainda temos que aguentar os modismos que foram trazidos pela viadagem linguística, como “agregar valor“, “políticas públicas“, “a nível de” e “enquanto(“enquanto viado, eu sou um grande doador do orifício pecaminoso…”).

Já sobre aquela outra baitolagem do gerundismo (“vou estar fazendo as tarefas”, “vou estar tomando na bunda”, “vou estar votando no PT”, etc, etc, etc….), a gente fala outra hora.

Deixe-me repetir sua santa ira, caro leitor:

É de fuder ! ! !

MAURÍCIO MELO – NOVA IORQUE – ZISTADOS ZUNIDOS

Mestre Berto,

Veja o que é um povo de prucidimento.

Andando por aqui encontrei esse jumento tocando música francesa na sanfona.

Será que Polodoro sabe tocar ao menos um pandeirinho?

Abraços.

R. Mostrei estas fotos pra Polodoro.

E ele rinchou de tanto rir quando viu o chifre na cabeça do seu irmão americano.

Aliás, esta semana Polodoro já gargalhou rinchando duas vezes.

Confira no vídeo que está logo após as fotos que você nos mandou.

J1

J2

JOÃO VEIGA – RECIFE-PE

Alimento-me de poesia e Berto é o cozinheiro.

Na maioria das vezes, mesmo os grandes poetas, tem poesias que não gosto, acho cansativas ou não entendo… pulo logo para outra.

Na Hora da Poesia do Jornal da Besta Fubana, só leio os “pratos” que Berto serve, como diria meu irmão Zé, “só o milho da pipoca”

Estou fazendo a coletânea do Berto.

Viva o Jornal da Besta Fubana!

Como Berto explica, no final do poema de João Cabral de Melo Neto, Morte e Vida Severina, vem essa pérola:

E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio,
que também se chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida;
mesmo quando é assim pequena
a explosão, como a ocorrida;
mesmo quando é uma explosão
como a de há pouco, franzina;
mesmo quando é a explosão
de uma vida Severina.

R. “Cozinheiro de poesia”…

Era o título que estava faltando pra abrilhantar o meu inútil currículo.

Meu caro, como você já é Cardeal, não tenho mais como promovê-lo na hierarquia eclesiástica da ICAS. Mas esta puxada da bixiga lixa merece uma retribuição.

Vou nomear você Núncio Apostólico junto ao Vaticano, pra despachar diretamente com Chiquinho, meu colega de papado.

Só pra matar as saudades, vou aproveitar esta sua mensagem pra relembrar um conclave que realizamos na loja Passa Disco, onde fui fotografado ao lado de 8 cardeais da nossa igreja, purpurados da Paraíba, de Pernambuco e de Brasília:

cardeais

De pé da esquerda pra direita: Jessier Quirino, João Veiga, Berto, Adelmo, Paulo Carvalho, Evilácio, Natan e Zelito; sentado ao lado da Prioresa Irah Caldeira, Xico Bizerra

E, pra “alimentar” sua quarta-feira, aqui vai um soneto de Augusto dos Anjos. Um soneto que tem tudo a ver com você, que é cirurgião e vive “cortando pessoas”.

Veja:

Budismo moderno

Tome, Dr., esta tesoura, e… corte
Minha singularíssima pessoa.
Que importa a mim que a bicharia roa
Todo o meu coração, depois da morte?!

Ah! Um urubu pousou na minha sorte!
Também, das diatomáceas da lagoa
A criptógama cápsula se esbroa
Ao contato de bronca destra forte!

Dissolva-se, portanto, minha vida
Igualmente a uma célula caída
Na aberração de um óvulo infecundo;

Mas o agregado abstrato das saudades
Fique batendo nas perpétuas grades
Do último verso que eu fizer no mundo!

BERNARDO – MACEIÓ-AL

Mestre  Papa,

pelo que vê no retrato, a linda morena cansou de esperar não sei o que.

Com a palavras os peritos do BF.

Com os respeitos do Cardeal.

SPP

BRÁULIO DE CASTRO – OLINDA-PE

Papa Berto,

mesmo não se ligando em futebol, você deve conhecer a música da Globo sobre a Copa:

Eu sei que vou,
vou do jeito…

Eu fiz uma nova letra para a apreciação dos Fubânicos.

Não vou ligar
Eu não quero saber
Se o Brasil
Vai ganhar ou perder
O que eu quero
É uma melhoria nesse SUS
Para aliviar minha cruz.

R. Tu tás doido pra arengar com a torcida canarinha, seu cabra… Deixa de ser  do contra e entra nesta corrente pra frente…

Larga esse negócio de SUS, de saúde, de segurança, de educação e outras baboseiras pra depois da Copa, pra quando chegar a época da campanha eleitoral.

Pra compensar o seu pesimismo negativo, aqui vai um vídeo cheio de patriotismo ufânico:

HERBERT LUCENA – RECIFE-PE

Papa Berto,

Segue o vídeo do meu novo clip com a música Olhar do Sertão.

As imagem foram gravadas na Vila de Moxotó, distrito de Ibimirim PE, na festa do padroeiro da Vila em agosto de 2013. O roteiro e Direção é de Helder Vieira.

Espero que esteja no gosto de Vossa Santidade.

Abraço.

R. Tudo que tem qualidade e talento está no meu gosto, caríssimo fubânico. E você é um artista que muito dignifica a Nação Nordestina com seu excelente trabalho.

Tô sentindo sua falta, seu cabra. Faz tempo que a gente não se encontra pra botar a conversa em dia. Precisamos acertar os ponteiros.

Muito sucesso mesmo !

RAU FERREIRA – ESPERANÇA-PB

Caro Berto,

Gostaria que publicasse este cordel de minha autoria no seu “Besta Fubana”.

Obrigado.

BANHO DE BACIA

Quando menino mãe dizia:
Bota água na bacia
Pra tomar banho de cuia
A água era tão fria
Que só no bater ardia
Eu gritava, ela corria;
Para o que se assucedia
“Nada não!” – mãe sorria –
É só medo de água fria!
E a água sobre mim caia.

Na minha geografia
A invernada conhecia
Era doce a alegria
A primeira chuva acontecia
Descendo um chuá fazia
E nem sabão havia
Tão pouco se possuía
Vergonha das minhas tias
Mas o que mais queria
Era aposentar aquela bacia.

Dava gosto quando vovó dizia
Que tinha furado a bacia
E o banho anoitecia
Para acordar um outro dia
Com o grude que se via
Só pra não cair na bacia
E tomar banho de água fria
Pois o frio que fazia
Até na alma doía
E o fôlego de mim fugia.

Inda hoje minhas gurias
Não conhecem banho de cuia
Digo para minhas fia
No tempo, chuveiro não existia;
Agente tomava banho de bacia
Com uma cabaça que havia
Era aquela agonia
Que bom quando chovia
E a garotada para a bica corria
Um banho a menos de água fria.

BERNARDO – MACEIÓ-AL

Mestre Papa,

há quem diga que na Colômbia só tem drogas, tudo mentira.

Veja aí a Melissa Giraldo, musa da seleção na Copa 2014, desmentindo esta calúnia e difamação com as suas bem traçadas curvas.

Já já entre nós, e rezemos para que a Pleiboi negocie e amostre as partes frentistas.

Com os respeitos do Cardeal.

DCC

PEDRO MALTA – RIO DE JANEIRO-RJ

Santidade

Conheça a Igreja que está tentando fazer concorrência à poderosa ICAS.

R. É dura esta concorrência com a nossa Igreja, meu estimado Cardeal.

Quando eu penso que nós somos os mais escrotos do planeta, aparecem religiosos mais esculhambados que os nossos…

ROSEMBERG FAÇANHA REIS – MARACANAÚ-CE

Paixão,Fogo e Lenços

A dança íntima do caos
Te convida a bailar
Cada qual com seu par

Eu com minhas dúvidas
Você com seus tormentos
Romance em fragmentos

Amor,incolor,sufocou
Sinfonia melodrama
Coração em chamas

Doses diárias de tédio
Rotina e seus lamentos
Paixão,fogo e lenços…

OZI DOS PALMARES – SÃO PAULO-SP

Bom dia, querido amigo!

Saúde e paz em teu coração.

Já estou nas bandas do sudeste.

Escute a banda pernambucana “Som da Terra” interpretando a música “Pérolas de algodão“, uma parceria minha com Xico Bizerra.

Meu abraço fraterno.

R. Tá certo, querido conterrâneo da nação palmarense.

Da próxima vez que você voltar aqui à terrinha, a gente toma umas e outras no Bar de João Catende, lá em cima no Matadouro.

Abraços e muito sucesso na terra paulista, seu cabra doido!

LEONAM QUIRINO – MACEIÓ-AL

Grande Berto!

Recebi um via “zapzap”, a voz (não identificada) de uma menininha, cantando o Hino da Banânia e Goiabada, que deveria ser cantado em toda a abertura dos jogos da Copa da Goiabada.

Achei fantástico!

Degravei para um melhor entendimento.

Espero estar contribuindo com a civilidade e patriotismo Banânio.

R. Meu caro, eu fiquei tão empolgado com esta versão do hino que tomei a liberdade de ilustrar sua mensagem com o nosso querido fubânico, o Papagaio Ufanista.

papagaio

Comovente este seu esforço de transcrever até a letra pra gente entender tudo direitinho! 

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Ouvira gué piranga as magens pácidas
In com bé é dad égad retumbante
E o senhor conserta marte
Conseguimos conquistar seus braços fortes
Renenceiro com rênêdade
Conseguimos conquistar seus braços fortes
Renenceiro robenêdade
Conseguimos conquistar seus braços fortes

O pátria amada goiabada, salve, salve!

Brasil o sol inquesse, raio liquido
De amor e de esperança a terra desce
Em mim um gond só liquido
De amar incontuuum, escurece

Gigante pela própria natureza
És sétes com um pagno colozo
Se crundissê nezacraneza
Perna dourada

É com Brasil guêsou Brasil
Ó patraamada
Com silzêds sobra as mães gentil
Patraamada Brasil

PAM, PAM, PAM, PAM, PAM, PAM, PAM, PAM, PAM
PAAAAAAMMMM!!!!

PAULO ROBERTO FRECCEIRO – CURITIBA-PR

Caro Berto.

Digite no Google “o maior mentiroso do mundo” e advinha o que aparece?

Tchantchantchan……

R. Certamente que vai aparecer “Pantaleão”, aquele personagem mentiroso que só a porra, que era vivido pelo saudoso Chico Anísio.

Vou digitar agora, junto com todos os leitores fubânicos.

E tenho certeza que vou confirmar que o maior mentiroso do mundo é Pantaleão, casado com Dona Terta.

XICO BIZERRA – JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE

Você tem Claro TV?

C U I D A D O!

Há mais de quinze dias sou cobrado indevidamente por fatura paga no vencimento (como sempre faço com minhas faturas, sem qualquer atraso).

Cansei de ligar pro 106 99 e não ter o problema resolvido. Já mandei comprovante de pagamento do Banco do Brasil e até extrato da minha conta comprovando o débito.

E nada!

claro-que-nao-funciona

Aguardarei até a segunda-feira e, caso o problema persista, cancelarei meu contrato (e de todos os parentes), denunciarei o fato ao Procon, à imprensa e intensificarei a denúncia nas redes sociais.

O cliente merece o mínimo de respeito.

E o valor da fatura? R$ 72,59 pagos religiosamente no vencimento.

Falta respeito ao cliente por parte da CLARO TV.

Libero este post para compartilhamento a quem interessar.

JANICE LEITE – RECIFE-PE

papito

emputifere os ceguinhos banânicos

poste este vídeo sobra a copa, please

xêros e xêros

R. Queridíssima e sumida doida fubânica: antes de postar o vídeo que você nos mandou, eu quero fazer referência a um fato que tem tudo a ver com o assunto.

É o seguinte: há poucos dias o colunista fubânico Xico Bizerra, um dos maiores compositores da atualidade aqui da Nação Nordestina, botou na rede internética a seguinte declaração:

xxb

Desde os anos 60 ou, pra ser mais exato, desde o ano de 1966, sempre que me perguntam pra que time eu torço, eu costumo responder: “Torço sempre contra“.

Se o perguntador fica curioso e resolve encompridar a conversa indagando “Torce contra quem?“, eu respondo sempre: “Contra a seleção. De quatro em quatro anos“.

Enfim, torço a favor do time que joga contra a seleção.

Patrioteiros não gozam da minha simpatia e patriotadas não estão no rol dos milhares de defeitos que possuo.

Não acompanho o noticiário esportivo e, por conta disto, não tenho a menor idéia se a Bélgica vai jogar ou não contra o Brasil na copa deste ano. Mas, se for, saiba Xico Bizerra que terá um colega de torcida ao seu lado. 

Aliás, a propósito deste assunto, recomendo a leitura de um texto que escrevi no JBF, sobre a Copa do Mundo de 2010. Basta clicar aqui.

E, pra encerrar esta conversa antipatriótica, taqui o vídeo que você pediu pra ser publicado:

JOÃO PONTES – BRASÍLIA-DF

Santidade, muito boa tarde.

Meu nome é João Pontes, sou assíduo leitor desta gazeta da bixiga lixa.

Estava eu perambulando pela tal internet, e me deparei com esta pérola: Carta aos companheiros presos (clique aqui para ler na íntegra)

Confesso que foi difícil conter as lágrimas e peço que vossa santidade esclareça melhor os crimes citados na carta:

1 – Nascer – “o Partido dos Trabalhadores cometeu um crime. O crime original de ter nascido.”

2 – Vencer – “O PT cometeu aí um crime derivado: Alcançou algo surpreendente. Inconcebível para os de cima e por isso mesmo imperdoável pelas instituições moldadas à sua semelhança: venceu as eleições dentro das regras estabelecidas por seus adversários”

3 – E vencer de novo – “Ao encerrar o segundo mandato do Presidente Lula, o PT cometeu um terceiro crime: Elegeu uma mulher pra dirigir o Brasil.”

É impressão minha, ou nunca na história destepaiz houve um período de tanta virtude mal compreendida?

Seremos nós, um bando de mal agradecidos por não reconhecermos que antes de 2002, não havia Brasil?

Grato.

R. Caríssimo fubânico brasiliense, li o texto que você nos enviou, da primeira palavra até o ponto final e afirmo sem constrangimento: também chorei. Tanto quanto você confessa que chorou nesta sua mensagem.

Chorei copiosamente. Chorei desbragadamente. Fiquei num estado de putrefação total.

Xiuf, xiuf, snif, snif…

E recomendo que todos leiam também, a fim de ter uma idéia da profunda emoção que me dominou.

crocodilo

Me emocionei até com o codinome do cronista, Pedro Tierra, cujo nome na vida real é Hamilton Pereira e que – mais emoção ainda pros corações sensíveis -, se assina como “militante do PT e secretário de Cultura do DF“.

Aqueles que se entregarem ao trabalho de ler o texto na íntegra, terão uma idéia perfeita da qualidade e do nível que são exigidos de um cidadão banânico pra ser secretário de estado neztepaiz dos dias de hoje. Os dias de vigência do Socialismo Muderno. Uma idéia perfeita do nível mental e do nível de argumentação destas otoridades vermêias. Inclusive das que administram a cultura…

Uma idéia perfeitíssima da qualidade e da matéria de que são feitos os que hoje estão no comando da República Federativa de Banânia.

E é por conta disto que repilo com veemência chacotas e insinuações dos nossos leitores, tentando desmerecer e levar ao ridículo estas impolutas figuras que são os militantes petistas em cargos de relevância.

Como por exemplo, este infame fluxograma que um leitor maldoso mandou pra cá na semana passada, e que tem muito a ver com o texto escrito pelo hilário e peróbico Pedro Tierra.

Vejam que injustiça:

fluxograma

JESUS DE RITA DE MIÚDO – ACARY DO SERIDÓ-RN

Meu Papa, sua bênção!

Eu fiquei muito agradecido a Brunão de Salete de Dual de Seu Aristóteles de Seu Antônio Bezerra quando o mesmo me convidou à vista dessa realidade tão bela quanto peculiar ao meio que tanto amamos.

Fiz uma leitura das várias imagens presentes nesse quadro colorido e ao mesmo tempo tão cinza, quase em preto e branco, obra do fotógrafo Ney Douglas Marques.

Auguro que o autor não se chateie com esse menino véi, crescido na esperança e maturando em saudades do sertão seridoense retratado, ousado em versar sobre o indizível da imagem valendo muito mais que dez mil palavras.

Meu sertão é assim, aqui e acolá verde alegria, mas quase sempre cinza.

Foto do seridó de Ney Douglas Marques

INÁCIO STRIEDER – RECIFE-PE

Prezado Luiz Berto:

Não sei se é preciso apelar para Deus ou para o diabo para entender coisas deste país, nossa Banânia. 

Va. Santidade (em contato direto com estes seres) talvez entenda melhor.

Veja, abaixo, a Carta que recebi ontem da Reitoria da Universidade Federal:

ofício-

É o seguinte:

Em 1994 me aposentei na UFPE como Professor Adjunto IV, com 35 anos de trabalho. Na ocasião alguns diziam que a Aposentadoria seria pela categoria imediatamente superior. Isto seria então que a minha aposentadoria seria na categoria de Professor Titular. Nunca verifiquei se, de fato, isto foi feito assim.

Depois fiz novo concurso. Trabalhei mais 15 anos, e em 2010 tive que me aposentar por idade (70 anos). Fui aposentado como professor associado I, aposentadoria proporcional.

Agora vem esta Carta, dizendo que o Governo (a justiça? O Tribunal de Contas?) está fazendo uma reconsideração das aposentadorias, e que, como entretanto o Governo criou a categoria de Professor Associado (categoria que não existia em 1994), esta seria então a minha categoria pela qual deveria ser minha aposentadoria de 1994, e não a de titular. Isto representa, então, uma redução dos meus proventos da aposentadoria, referente  à aposentadoria de 1994.

Como entender isto? 20 anos depois modificam proventos de aposentadoria?! Se o Governo realmente conseguir emplacar isto, será que não vai querer depois descontar o que durante estes anos foi pago a mais.

A Reitoria promete fazer uma reunião no dia 27.05.2014, para explicar. Como a Reitoria está mancumunada com o Governo você acha que eles vão agir em favor dos aposentados e/ou dos pensionistas?

Estão dando 10 dias para a gente se defender. Defender de que? Será que agora nos classificam como criminosos. E ainda mais, quem deveria elaborar a defesa? Um advogado. Gastar dinheiro com advogado?

Pessoalmente, ainda estou pagando a ADUFEPE (sindicato dos professores da UFPE). Espero que ao menos este sindicato tenha uma assistência jurídica que saiba enfrentar este absurdo.

Será que não existe algo semelhante com a aposentadoria de outras categorias. Talvez dos militares?

Viva BANÂNIA!
                                             
Um abraço

R. O fubânico Inácio Reinaldo Strieder, que assina no JBF a coluna “Enfoques“, publicada sempre às sextas-feiras, é um pernambucano de coração que nasceu no Rio Grande do Sul, na cidade de Cerro Largo.

Cuida-se aqui de um intelectual da bixiga lixa, bacharelado em Filosofia e com um doutorado em Teologia pela Universidade de Münster, na Alemanha, professor de reconhecida competência, autor de livros e inúmeros artigos especializados na sua área de conhecimento.

Como já passou dos 70 anos de idade, tem todas as ferramentas pra ser massacrado pelo Socialismo Muderno: esclarecido, bom enxergador da realidade, bem informado, lúcido e… aposentado.

Antes da chegada do PT ao puder, todos os gunvernos anteriores tentaram lascar os aposentados e fazê-los continuar pagando a previdência depois de vestir o pijama. Ninguém conseguiu. Repito: ninguém conseguiu. O parlamento sempre rejeitava esta proposta absurda, pois deputado alguém votaria uma excrescência desta magnitude, com medo de não ser mais eleito ou de ser apedrejado nas ruas.

Ninguem conseguiu, vírgula, até Lula botar a bunda na cadeira da prisidência e, comprando votos dos parlamentares através do Mensalão, aprovou esta aberração.

Barba conseguiu!!!

Um fato que vem sempre à lembrança dos milhões de aposentados da República Federativa de Banânia quando recebem os contracheques no final do mês.

Se conseguiram cometer esta barbaridade, reduzir os minguados reais que os retirados ganham é coisa de somenos.

app

Conforme esclarece o colaborador fubânico Roque Sponholz, grande chargista brasileiro, quem gunverna Banânia é o PT, Partido dos Trabalhadores.

Vamos aguardar a chegada ao puder do PA, Partido dos Aposentados, pra ver se o mundo “se enche de luz”.

Pra finalizar, quero tranquilizar o nobre Professor Strieder desmentindo um boato que corre por aí. Estão dizendo que com a reeleição de Dilma os aposentados terão uma redução de 50% nos seus proventos.

É mentira!

A redução, a bem da verdade, será de apenas 48%.

E, pra relaxar, um samba de exaltação a Banânia!

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa