10 novembro 2016 DEU NO JORNAL

MANCHETE DA QUINTA-FEIRA – NAS NUVENS!

juros

O Banco do Brasil anunciou nesta quinta-feira (10) ter registrado lucro líquido de R$ 2,25 bilhões no terceiro trimestre de 2016, uma queda de 8,9% em relação ao trimestre anterior, quando os ganhos chegaram a R$ 2,465 bilhões.

Na comparação com o o terceiro trimestre do ano anterior, o recuo é ainda maior, de 26,6%.

* * *

Em compensação os juros que o Banco do Brasil me cobra de um empréstimo consignado continuam nas alturas. Acho até que dariam pra cobrir este rombo anunciado hoje…

São tão altos que tive que entrar com uma ação na justiça no mês passado.

Isto sem falar dos juros na conta corrente, que está no vermêio desde o semestre passado.

É pra torar!!!!

Parece até que o Banco do Brasil ainda continua sendo administrado pelo PT.

Vôte!

juros-abusivos

10 novembro 2016 DEU NO JORNAL

MANCHETE DA QUINTA-FEIRA – ESCAPOU DE NOVO…

lava-jato

Policiais federais estão nas ruas desde as primeiras horas desta quinta-feira (10) para cumprir mandados da 36ª fase da Operação Lava Jato em cidades do Paraná, São Paulo e Ceará.

A ação foi batizada de Operação Dragão e cumpre 18 mandados judiciais, sendo 16 de busca e apreensão e dois de prisão preventiva.

* * *

Infelizmente, o nome de Lula não está na lista dos que foram enjaulados hoje pela manhã.

A prisão de Lapa de Corrupto foi adiada novamente.

Que demora da porra…

9 novembro 2016 DEU NO JORNAL

O ANTIGO MARQUETEIRO DO REINO SEMPRE ESTEVE AO LADO DOS RATOS

Augusto Nunes

Em agosto de 2005, o marqueteiro Duda Mendonça apareceu sem avisar na CPI que investigava o escândalo do Mensalão. Chorando lágrimas de esguicho, na imagem perfeita de Nelson Rodrigues, jurou que fora obrigado a abrir contas ilegais num paraíso fiscal para receber o pagamento pela campanha eleitoral de 2001. Graças ao truque, o inventor do Lulinha Paz e Amor, caiu fora do processo que se arrastava no Supremo Tribunal Federal – e escapou de uma possível temporada na gaiola.

Na semana passada, decidido a reprisar a vigarice, Duda apresentou-se sem marcar hora a investigadores da Operação Lava Jato. Com voz embargada, confessou que se viu forçado a recair na delinquência para embolsar o que lhe devia Paulo Skaf, candidato a governador de São Paulo em 2014, que contratou os serviços do ex-marqueteiro de Lula. E propôs um acordo: em troca da preservação do direito de ir e vir, revelaria detalhes que pioram ainda mais o retrato do presidente da Fiesp.

Pelo menos três constatações recomendam que a proposta seja atirada à lata de lixo mais próxima. Primeira: a delação premiada da Odebrecht, que abrange também a campanha de Skaf, torna dispensável o que Duda tem a dizer. Segunda: o marqueteiro chorão é um reincidente compulsivo. Terceira: esse defeito de fabricação só tem conserto na cadeia. Se escapar de novo pelo atalho da malandragem, daqui a 11 anos estará de volta para confessar que pecou outra vez.

Na campanha presidencial de 2002, aliás, fez sucesso o filmete criado por Duda em que a bandeira do Brasil era roída em poucos segundos por um bando de ratos. Exibida no horário eleitoral do PT, a peça de propaganda foi concebida para vender a ideia de que o partido do candidato Lula detinha o monopólio da ética. Os outros – “eles” – não passavam de assaltantes de cofres públicos.

O Mensalão mostrou que os roedores que se multiplicam no comercial eleitoreiro moravam nos esgotos do PT. O Petrolão provou que roeram furiosamente muito mais do que bandeiras. O que parecia propaganda eleitoral era programa de governo. Soube-se então que os bichos só pararam de fazer o que fazem no vídeo quando a Lava Jato chegou.

Agora se sabe também que Duda Mendonça sempre esteve do lado dos ratos.

9 novembro 2016 DEU NO JORNAL

A GUERRILHA CONTRA A PEC E A REFORMA DO ENSINO

Murillo de Aragão

A tripla derrota do PT – na gestão econômica, no discurso ideológico e nas eleições municipais – empurrou o partido para o isolamento. Restou-lhe a guerrilha contra duas importantes medidas de ajuste fiscal que o governo Temer busca implementar: a PEC do Teto dos Gastos e a MP da reforma do ensino médio.

Sem propostas alternativas, o partido, seus aliados e seus braços de agitação, situados hoje principalmente no movimento estudantil, dedicam-se a criticar sistematicamente a PEC 55 e a MP 746. A tentativa de desmoralizar tais medidas tem sido feita a partir dos seguintes fronts: campanha sistemática pela internet, discursos no Congresso – nos plenários e nas audiências públicas – e ações de invasão de escolas por estudantes, o que a esquerda chama de “ocupação” com o intuito de glamourizá-las. A soma desses ingredientes fornece à mídia, sempre carente de novidades, uma pauta dinâmica que gera imagens dramáticas para os telejornais, passando a ideia ao telespectador de que estamos diante de um evento com uma dimensão maior do que, de fato, tem.

As ocupações de escolas, que chegaram a mais de 1.150 em todo o país no início do mês, já atrapalharam duas agendas nacionais de grande importância: as eleições municipais e as provas do Enem, uma vez que impediram o uso de uma série de prédios públicos.

Quando se desce ao detalhe do conteúdo das críticas, constata-se, no entanto, que os argumentos do PT são quase inexistentes. Mal comparando, a legenda adota a lógica do candidato Donald Trump nos Estados Unidos: cataloga tudo o que é Hillary de “bad, bad, bad” e promete fazer “great, great, great” se for eleito. Quem ler com atenção ou escutar direito não encontrará nem argumentos, nem sugestões. Não encontrará nada.

Esse tipo de ilusionismo retórico sempre foi a marca registrada do PT, que, no passado, não assinou o texto da nova Constituição, foi contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, não apoiou nem Itamar Franco, nem o Plano Real.

O caráter das duas propostas é objetivo, e seu debate, antigo. O último ministro da Fazenda do governo Dilma, Nelson Barbosa, tinha pronto o esboço de um plano para pôr em prática uma radical compressão dos gastos públicos. A presidente suprimiu R$ 11 bilhões da educação quando o slogan de sua gestão era “Brasil, pátria educadora”.

É claro que o corte aviado pelo atual ministro da pasta, Henrique Meirelles, é um remédio drástico, mas foi o PT que deixou o paciente na UTI. Além disso, é possível reacomodar as despesas dentro do teto alterando-se as cifras dos ministérios e de certos setores para aumentar a fatia de funções essenciais, como saúde e educação.

Segundo O Globo, mesmo que a reforma da Previdência seja aprovada pelo Congresso no ano que vem, como espera o Planalto, o governo terá de cortar R$ 300 bilhões em outras despesas nos próximos dez anos.

No caso da reforma do ensino médio, ataca-se matéria que está na pauta há 20 anos, jamais abordada pelo PT – que focou a universidade – e que diz respeito a uma das maiores carências do país. O ensino médio brasileiro é um dos mais atrasados do mundo em conteúdo, métodos e equipamentos. Sobre a reforma, a maioria está de acordo num ponto: seu maior mérito é ampliar as oportunidades para todos.

Nos dois casos – corte de gastos e ensino médio -, há amplo espaço para aprimorar os textos originais, no lugar de recusá-los na íntegra sob o mantra “retira da pauta porque é MP”. Fator determinante é que o governo Temer tem os votos para aprovar as duas medidas, com ou sem oposição.

9 novembro 2016 DEU NO JORNAL

OS GUABIRUS NÃO SAEM DO NOTICIÁRIO

O Ministério Público Federal denunciou o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira, o ‘Silvinho Land Rover’, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A denúncia foi feita ontem, terça-feira (8)

* * *

Pensei que tivesse mais coisas: corrupção passiva e lavagem de dinheiro é uma folha corrida modesta em se tratando de um guabiru vermêio-istrelado.

É impressionante: esta quadrilha petralha não sai do noticiário.

Mesmo o PT já tendo sido extinto, varrido do mapa e enterrado.

Todo dia aparece uma novidade: quanto mais se futuca, mais aumenta o fedor.

Espero que a próxima notícia seja a prisão de Lula.

Nas fotos abaixo, à esquerda temos Silvinho Land Rover, devidamente engaiolado, se dirigindo ao IML de Curitiba, no mês de abril passado, para exames de corpo de delito.

Já a foto do lado direito, a banda decente deztepaiz está torcendo com fervor pra que ela esteja nas primeiras páginas antes do Natal.

silvinho-e-lula

9 novembro 2016 DEU NO JORNAL

GENTILEZA

Em depoimento prestado à Justiça Federal nesta terça-feira, 8, o ex-diretor de Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró reiterou acusações contra os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Ele declarou ter sido indicado por Lula para diretor financeiro da BR Distribuidora, em 2008, como retribuição por ter ajudado a quitar uma dívida do PT com recursos de um contrato da estatal.

Além disso, implicou Dilma numa trama para livrá-lo da prisão.

A oitiva, por videoconferência, foi feita pela 10.ª Vara, em Brasília, para instruir ação penal que avalia a atuação de Lula e outros réus num esquema para evitar que Cerveró fizesse acordo de delação premiada.

* * *

Um trio do mais alto nível banânico: Lula, Dilma e Cerveró.

Êita cantinho da mundo da porra é este nosso!

Achei ótima a delicadeza da palavra “retribuição”.

Lularápio indicou-o pra ser diretor financeiro (êpa!) em retribuição por ter ele, Ôio Tronxo, ajudado a quitar uma dívida da quadrilha de bandidos que usa a sigla partidária de PT.

Quanta gentileza!!!

lula-dilma-cervero

Um trio que é um autêntico símbolo dos tempos petralhícos; um retrato pra pendurar na parede do cagador

9 novembro 2016 DEU NO JORNAL

TRIUNFO DE TRUMP EM 9/11 EQUIVALE A NOVO 11/9

josias-de-souza5

O espetáculo confuso que os Estados Unidos proporcionam ao mundo neste dia 9/11 produz efeitos tão devastadores quanto aqueles que se seguiram ao ataque de 11/9. Tomada pela radicalidade das mudanças que pode provocar no mundo, a eleição de Donald Trump é equiparável ao histórico ataque terrorista. A diferença é que, dessa vez, os americanos dispensaram o inimigo externo, produzindo um inusitado autoataque -uma espécie de trumpicídio.trumpy

Se o triunfo de Trump ensina alguma coisa é que todas as premissas sobre as quais o establishment americano construiu os seus valores depois da Segunda Grande Guerra estão com o prazo de validade vencido. O isolamento que a opção por Trump representa é um convite do império para que as nações comecem a planejar um novo começo. Mais ou menos como Deus fez depois do Dilúvio.

O sucesso de Trump é um prêmio à mediocridade. Seu hipernacionalismo ressentido, com traços de xenofobia, racismo, isolacionismo e desprezo à liberdade de expressão são sinais de que o mundo pós-9/11 não será o mesmo. Quando escreverem o enredo da geração atual é do topete de Trump que falarão os historiadores, e não da popularidade de Barack Obama, representado na disputa pelo ‘mal menor’ Hillary Clinton, um outro nome para desastre.

Resta agora saber o seguinte: o recomeço que se esconde sob o penteado exótico de Trump é um prenúncio do quê? Seja o que for, o mundo não será melhor do que já foi. Um presidente dos Estados Unidos que diz não acreditar no aquecimento global e que guindou à condição de prioridade a construção de um muro na fronteira com o México pode resultar em qualquer coisa, menos em coisa boa.

8 novembro 2016 DEU NO JORNAL

DEU NO JORNAL DO BRASIL

jornal-do-brasil

Em sua primeira viagem para fora do Brasil depois de sofrer processo de impeachment, a ex-presidente Dilma Rousseff defendeu, neste fim de semana, durante evento realizado por movimentos sociais no Uruguai, que se a Venezuela for expulsa do Mercosul, o mesmo deve ser aplicado em relação ao Brasil, em analogia à instabilidade política e econômica vivida pelos dois países.

O Jornal do Brasil, que sempre respeitou Dilma Rousseff e seu mandato na Presidência da República, se sente quase na obrigação de pedir desculpas aos seus leitores, tal é o grau de gravidade da afirmação da ex-mandatária.

Um político brasileiro, seja ele um vereador ou o presidente da República, que fala mal de seu próprio país no exterior não pode e não merece viver nele. Muito menos usufruir do dinheiro público com assessores, transporte e segurança, como vive um ex-presidente da República, enquanto o povo que elegeu Dilma sofre o dia a dia do desemprego e da queda na produção.

Recebendo homenagem em um país que também enfrenta dificuldades, mas com gestões melhores que a dela, Dilma deveria refletir melhor quando compara a crise de um outro país, no caso a Venezuela, ao Brasil e condiciona a manutenção deste à daquele no Mercosul. O que seria do Mercosul se a declaração apátrida da ex-presidente fosse realmente levada a sério? Levando-se em conta a importância do Brasil para o bloco, o que seria dos demais países com a saída da maior nação do mercado comum? Imaginem o Brasil parando de importar do Uruguai, como já vem acontecendo com a Argentina, ou criando tarifas para esses países. O que seria deles?

Depois de ter sido parte importante da destruição do Partido dos Trabalhadores, ao qual Dilma nunca pertenceu, embora tenha chegado ao poder por meio dele, a ex-presidente, agora, parece querer destruir os países e o bloco do Mercosul.

Não é outra a conclusão diante de tal declaração sabotadora do próprio país.

* * *

Sem comentários.

Quero apenas aproveitar a oportunidade pra dizer que é uma grande injustiça chamar os eleitores desta Vaca Peidona de “jumentos“.

O jumento merece todo nosso respeito e toda reverência dos cidadãos que compõem a banda decente deztepaiz e que não votam no PT.

Vamos ouvir uma composição de Luiz Gonzaga intitulada Apologia ao Jumento.

O título já diz tudo…

8 novembro 2016 DEU NO JORNAL

PROTESTANDO COM OS ÚBERES

Eleitora faz topless e é detida na sessão em que Donald Trump, candidato republicano, votou em Manhattan, Nova York.

O incidente ocorreu antes do candidato ir votar.

Outra mulher também tirou a roupa em protesto e foi presa.

eleitora

* * *

Atenção, mulheres desta nossa querida Banânia: quando quiserem protestar com os peitos de fora contra as barbaridades que o JBF publica diariamente, podem invadir a redação.

Não haverá repressão alguma.

Esta gazeta escrota está de portas abertas pra abrigar protestos fêmeos.

Se, além dos úberes desnudos, vocês vierem também com a prexeca arreganhada e a pentelheira ao vento, ainda terão direito a um lanche e a um cachê, oferecido pela fábrica de sutiãs DeMillus.

Venham mesmo!

8 novembro 2016 DEU NO JORNAL

JUDICIÁRIO BANÂNICO

Uma ação penal fruto de investigação iniciada há mais de 15 anos, tendo sido um dos casos de grande repercussão em São Paulo nos anos 2000, continua sem decisão final do Supremo Tribunal Federal e longe dos olhos do público.

O personagem do processo é o ex-prefeito e hoje deputado federal Paulo Maluf, alvo de uma das seis ações penais, do grupo total de 84 em andamento, que tramitam cobertas por segredo de Justiça no STF.

Na prática, Maluf é um réu secreto, pois no sistema de acompanhamento processual do Supremo seu nome não aparece relacionado ao processo, apenas suas iniciais.

O caso secreto trata de fatos revelados em agosto de 2001: movimentações milionárias em paraísos fiscais.

Na época, Maluf enfrentou investigação do Ministério Público de São Paulo, que levou à quebra de seu sigilo bancário em 2002. Em 2006, contudo, ele foi eleito deputado federal e, com o foro privilegiado, o caso seguiu para o Supremo.

* * *

No dia em que eu tiver a suprema honra de ser processado por Luiz Inácio Larápio da Silva – algo que significa um atestado de idoneidade pra qualquer cidadão -, eu vou torcer pra que o processo seja julgado no STF.

Até sair a sentença, os anjos já terão aparecido nas nuvens do céu anunciando o Apocalipse e acordando os nossos sonolentos ministros.

jd3

8 novembro 2016 DEU NO JORNAL

COXINHA DESCOXADA

O codinome “Coxa” atribuído à senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) pelo submundo da corrupção da Odebrecht, não tem a ver com sua eventual torcida pelo time do Coritiba.

Ela é torcedora do Atlético, o Furacão.

* * *

E também não tem a ver com suas coxas agalegadas.

Ela tem umas pernas que não merecem destaque.

Só mesmo o nariz de pinóquio é que é digno de realce.

Graças ao qual ela foi eleita Miss Petrolão.

 mp

8 novembro 2016 DEU NO JORNAL

DE NOVO???!!!

João Vaccari Neto foi indiciado pela PF por corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro, em inquérito da Lava Jato que investiga a Carioca Engenharia.

“Os recursos foram pagos em espécie a Vaccari, por meio do ‘caixa dois’ da Carioca, o qual contava, entre outras, com empresas do grupo de Adir Assad, já denunciado por sua atuação continuada como lavador de dinheiro”, diz relatório da PF.

Renato Duque e Pedro Barusco fazem companhia ao ex-tesoureiro do PT no relatório.

* * *

Pois é. Vaccari, que já está preso, foi indiciado de novo.

Na verdade, este é um fato inédito na história da República Federativa de Banânia: o bando criminoso denominado PT é o que tem a maior quantidade de tesoureiros presos ou enrolados com a justiça.

Um recorde planetário!!!

tdp

Paulo Ferreira, João Vaccari e Delúbio Soares: três guabirus que administravam as finanças do PT

Zé Dirceu já está enjaulado e obrando de coca no boi da prisão.

Pra completar esta bela galeria de gatunos detentos e ex-detentos, agora só faltam mesmo duas importantes figuras vermêio-istreladas.

Dois nomes de destaque dentro da Organização Criminosa: Luiz Inácio Larápio da Silva e Rui Tabacudo Falcão.

O dia está chegando.

Aguardemos, aguardemos.

* * *

8 novembro 2016 DEU NO JORNAL

QUATRO VEZES MAIS

Ricardo Noblat

Foi notoriamente um festival de abuso de poder econômico”, disse o ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, a respeito do que a ex-presidente Dilma Rousseff pode ter gastado em campanha para se reeleger em 2014.

Gilmar falou para brasileiros e americanos reunidos, ontem, no Brazil Institute of Wilson Center, centro de estudos sobre o Brasil sediado em Washington. Oficialmente, Dilma gastou R$ 318 milhões. Especialistas calculam que o gasto chegou RS 1,3 bilhão.

sdd

A palestra de Gilmar foi sobre o uso de caixa dois nas campanhas brasileiras – dinheiro não declarado à Justiça que empresários doam e que políticos usam para se eleger. Muitas vezes, parte desse dinheiro simplesmente é embolsada por quem o recebe.

E com frequência, trata-se de dinheiro que resulta de superfaturamento de obras públicas. Quer dizer: dinheiro público, que devolvido a partidos e a políticos serve para financiar campanhas ou simplesmente enriquecê-los.

A Justiça Eleitoral apura se dinheiro de propina da Petrobras alimentou a campanha de Dilma. Se concluir que sim, a chapa Dilma-Temer poderá ser impugnada. Para Dilma não mudará nada, mas Temer seria afastado da presidência da República.

Segundo Gilmar, só no próximo ano haverá uma decisão a respeito. “O tribunal vai ter de fazer uma avaliação dentro de um quadro de grande responsabilidade institucional, porque de fato já temos instabilidade de sobra no nosso contexto”, afirmou.

Caso Temer perdesse o cargo, caberia ao Congresso eleger o substituto dele que governaria até a eleição do próximo presidente em 2018. Mas é improvável que Temer seja afastado, a julgar pelo que se ouve em Brasília de ministros do Supremo Tribunal Federal.

O mais certo é que aconteça o que Gilmar insinuou ao observar:

– Independentemente do resultado e da posição que o tribunal venha a assumir, esse caso vai ser um caso histórico, pois vai nos permitir saber o que foi feito na campanha de 2014. E vai nos permitir dizer ‘isso não se pode mais fazer’.

7 novembro 2016 DEU NO JORNAL

A CNBB E A PEC 241

Percival Puggina

Como de hábito, a CNBB resolveu alinhar-se aos partidos de esquerda no combate à PEC 241. Eu andava sentindo falta da CNBB oposicionista, tão silenciosa nos longos anos de insucessos e malfeitos do PT. Alias, durante os mandatos petistas, a cada quatro anos, ao se aproximarem as eleições, os documentos publicados no site da Conferência com o título Análise de Conjuntura dedicavam-se a combater os argumentos e diagnósticos da oposição. Em outras palavras, disparavam desde a trincheira do governo. Estou chovendo no molhado, bem sei.

O que interessa aqui é esta nota dos senhores bispos contra a PEC 241. Eis sua essência:

“A PEC 241 é injusta e seletiva. Ela elege, para pagar a conta do descontrole dos gastos, os trabalhadores e os pobres, ou seja, aqueles que mais precisam do Estado para que seus direitos constitucionais sejam garantidos. Além disso, beneficia os detentores do capital financeiro, quando não coloca teto para o pagamento de juros, não taxa grandes fortunas e não propõe auditar a dívida pública.”

E também:

“A PEC 241 afronta a Constituição Cidadã de 1988. Ao tratar dos artigos 198 e 212, que garantem um limite mínimo de investimento nas áreas de saúde e educação, ela desconsidera a ordem constitucional.”

Comecemos por esta última. A CNBB sustenta uma tese surpreendentemente genérica. A de que se uma proposta de emenda à Constituição alterar preceito da Constituição ela é inconstitucional. Nesse caso, para que existiram tais propostas? Uma PEC só será inconstitucional se ferir princípio constitucional ou cláusula pétrea, como tal declarada pelos constituintes originários (1988). Não é o caso. Corporações do Poder Judiciário, por exemplo, se insurgiram contra a PEC por outro viés, invocando o princípio da independência dos poderes, mas o STF já sinalizou que não concorda. O que esse corporativismo pretende é que a cabine dos passageiros de primeira classe não balance quando o avião atravessa zona de turbulência. A própria presidente do STF, ministra Carmen Lúcia, já se manifestou a favor da PEC e contra o argumento dos magistrados.

Quanto ao primeiro ponto da nota, a CNBB acompanha as críticas dos partidos de esquerda, que:

1. se esfalfaram na análise de consequências da PEC 241 que supõem funestas exatamente aos setores que ela pretende proteger;

2. dizem lutar por mais recursos à Saúde e à Educação, mas parecem não aceitar que esses recursos sejam suprimidos de outros setores, ou seja, haverá que buscar nos ventos e nas estrelas os recursos que pretendem obter;

3. apenas como contraponto e denúncia, trataram da não inclusão do setor financeiro nos ônus da contenção da despesa pública.

Desconsideraram, neste particular, que os títulos do governo são adquiridos pela sociedade como forma de poupança e investimento. É o dinheiro para compra da casa, troca do automóvel, educação dos filhos, reserva para velhice, abertura de um negócio. As medidas que a CNBB pretende contra esses cidadãos fuga de capitais para outros ativos, redução ainda muito maior dos investimentos produtivos, seriíssimos problemas de financiamento para o governo, que redundariam em aumento da taxa de juros e aprofundamento da recessão. Afinal, não foi a irresponsabilidade fiscal que nos lançou no atual cenário de dificuldades?

Não é sensato recusar racionalidade ao comportamento dos agentes econômicos. Nenhum poupador poupa para suprir o Estado e suas funções. Nenhum investidor anda em busca de governos para socorrer generosamente. Só fundos de pensão administrados por petistas investem em títulos públicos venezuelanos. Bobo é quem, pensando que o dinheiro é bobo, gasta mais do que pode. Agora, tanto os que se serviram politica e/ou pessoalmente da gastança, e os que nada disseram contra ela, se introduzem no palco como zelosos defensores do interesse público. O interesse público, hoje, se chama controle do gasto público, segurança a quem empreende, gera empregos, renda e tributos. Ah! sobre a auditoria da dívida, basta perguntar ao PT como conseguiu quintuplicar em13 anos o compromisso que carregamos.

7 novembro 2016 DEU NO JORNAL

AVUANDO NO CACETE FUBÂNICO

Enquanto a delação dos executivos da Odebrecht caminha para a reta final, a Operação Lava-Jato avança nas investigações da lista de políticos que receberam dinheiro sujo da construtora.

Desta vez, o alvo é a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que já é réu do petrolão.

A pedido da Procuradoria-Geral da República, o ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, determinou a instauração de um inquérito sigiloso para apurar se a ex-ministra praticou os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

Gleisi é suspeita de receber meio milhão de reais em caixa dois da Odebrecht durante as eleições de 2014.

Segundo os investigadores, a senadora petista estaria associada ao codinome “coxa” na relação de políticos que receberam dinheiro do departamento de propinas da maior empreiteira do país.

* * *

Eu gostei foi do nome da instituição: “Departamento de Propinas da Odebrecht”. Eu só lamento que é o Complexo de Comunicações Besta Fubana não esteja na lista dos comprados e subornados pela empreiteira…

Quanto à branquela Venta de Pinóquio, tanto pode ser “coxa” quanto “coxinha“: o que importa é que tenha os cabelos das pernas agalegados. E também os pentelhos.

Em se tratando de uma autêntica petralha – barulhenta, acanalhada, safada e cínica -, a lista de crimes a ela atribuídos é até pequena: corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

Apenas isto. Só isto. Nada mais que isto.

Sugiro, a quem de direito, que ela seja condenada levar no furico vermêio exatamente 13 estocadas da Pajaraca Voadora, até ter 13 pregas arrebentadas.

Aliás, já fazia um bom tempo que este caralho fubânico não dava as caras.

Ou, melhor dizendo, não dava a cabeça.

A sua monumental cabeça nacarada.

pajaraca-de-asas

A caceta fubânica: pronta pra enrabar Gleisi ou qualquer outro petralha condenado pela justiça

7 novembro 2016 DEU NO JORNAL

BANDIDÕES BEM PAGOS

Por trás da bandeira do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, uma quadrilha atuava no interior do Paraná.

A Polícia Civil investigou o grupo durante oito meses, e concluiu que alguns líderes se aproveitaram de posições de poder nos acampamentos para cometer crimes.

* * *

Em quem vocês acreditam: na polícia do Paraná ou na palavra de Lula?

O MST é aquele grupo de perigosos bandidos, facínoras remunerados, que Lapa de Criminoso denominou de “meu exército”.

Vejam a matéria completa, que foi ao ar na golpista Rede Globo, clicando aqui.

7 novembro 2016 DEU NO JORNAL

UM ÍNDICE ALTÍSSIMO

Levantamento feito pelo Paraná Pesquisa revela: 69% da população rejeita as invasões às escolas públicas em todo o país.

Realizada entre os dias 1 e 3 de novembro, durante o período de “desocupação” dos órgãos públicos, a pesquisa também indica que 84,2% acreditam que os estudantes deveriam “desocupar as escolas e adotar outras formas de se manifestar”.

Apenas 28,3% concordam com as invasões.

* * *

Impressionante!!!!

Quer dizer que ainda existe um grupo de idiotas descerebrados, que alcance um incrível índice de 28,3%, que concorda com as invasões.

É phoda!

É muito neguinho tabacudo e safado compartilhando o mesmo ar que nós, os cidadãos da banda decente, temos que respirar.

É pra lascar a buceta de Xolinha!

idiota

“Eu concordo com as invasões das escolas”

6 novembro 2016 DEU NO JORNAL

SÓ RESTOU OCUPAR ESCOLAS

mary-zaidan

Ocupação de 364 escolas, pouco mais de 2,2% dos 16 mil locais em que se realizam provas do Enem neste fim de semana, adiamento do exame para 240 mil dos 8,6 milhões de inscritos. Essa é a dimensão do movimento que se tornou bandeira única das correntes de esquerda que se viram à margem da preferência popular nas eleições municipais, e que, sem qualquer escrúpulo, jogam em cima dos jovens – estudantes ou não – o peso da derrota.

O não à PEC do Teto, já aprovada na Câmara e perto de ser votada pelo Senado, e à medida provisória que muda o ensino médio, é a principal frente de batalha para esse grupamento. Nas escolas ocupadas, na mídia e no Congresso. Se elas vigarem, afirmam os arautos da esquerda, a educação será definitivamente enterrada.

E o dizem como se o país tivesse alguma excelência a exibir na área, com resultados – especialmente no ensino médio – cada vez piores. No aprendizado e na frequência.ocupacao_escolas

Melhor talvez fosse o envio de um projeto de lei ao de uma MP para estabelecer mudanças no currículo, mas a urgência de alterar o quadro de fracasso do ensino aos jovens justifica a celeridade. Obriga o Congresso, que há anos protela esse debate, a acelerar suas considerações.

A luta contra a PEC e a MP está na boca dos dirigentes de entidades estudantis e dos autointitulados movimentos populares. Aparece em letras garrafais no site do PT e no discurso do ex Lula, repetido esta semana em Buri, interior de São Paulo. “A primeira coisa que ele [ministro da Educação] propôs é uma PEC 241, para cortar gastos da educação, e uma reforma do ensino médio, que vai piorar muito a situação”.

Como é useiro e vezeiro, são falas sem qualquer lastro. O ministro não propôs PEC alguma, e Lula, claro, sabe disso. E a MP da reforma do ensino médio está longe de piorar o que já é para lá de ruim.

A PEC 241 aprovada pela Câmara e transformada em PEC 55 no Senado não diminui um único centavo da saúde, com 15% do orçamento, nem da educação, com 18%, atrelando os reajustes das duas áreas à inflação. Tratadas como exceção, ambas estão aptas a receber incrementos, mas não estão sujeitas a reduções percentuais na participação orçamentária. Em suma, podem ter mais ou menos recursos dependendo da capacidade de recuperação da economia do país.

Nada parecido com os cortes que a então presidente Dilma Rousseff se viu obrigada a fazer depois de impor ao país a pior recessão da História. Encalacrada por gastar muito mais do que podia, dois meses antes de ser deposta, Dilma anunciou cortes severos: R$ 2,3 bilhões na Saúde e R$ 4,2 bilhões na Educação, pasta que já sofrera tesourada de R$ 10,5 bilhões no ano anterior. No Congresso, as medidas receberam apoio irrestrito do PT e aliados da época e até da oposição.

Em nenhuma das duas ocasiões estudantes foram convocados a se manifestar. Não viram na redução orçamentária qualquer risco para a educação. Não piaram.

Prova irrefutável de que boa parte não passa de conveniente massa de manobra, usada para calar ou agir, dependendo das circunstâncias.

Como em qualquer protesto, há méritos a serem registrados: jovens lideranças surgem. Algo que pode refrescar o ambiente desde que a fúria em cooptá-las não seja tão intensa. Por vezes desrespeitosa, chegando a criar cenas de constrangimento.

Historicamente, a esquerda sempre foi eficaz na doutrinação. Talvez creia que ainda é capaz de fazê-lo. Mas o repertório da utopia que tanto sucesso fez no passado foi substituído por ideologias cambaleantes, não raro sustentadas em premissas falsas, ultrapassadas. No fascismo e em populismo barato. E ainda que povoem sonhos, tornam-se absurdamente deseducadoras quando pregam que governos podem e devem gastar mais do que arrecadam.

Para o bem geral da nação, a maioria – até os mais jovens – não se engana. Sabe (e as eleições municipais demonstram isso) que dinheiro não dá em árvore e que nada é de graça: se governos dão alguma coisa a cobrança sempre vem. E alta.

6 novembro 2016 DEU NO JORNAL

PT ARTICULA ATOS PRÓ-LULA E ESQUECE SEUS PRESOS

josias-de-souza5

lulam

Num instante em que os investigadores da Lava Jato avaliam que Lula precisa de interrogatórios, o PT e seus aliados providenciam mais solidariedade. Lançarão na quinta-feira (10) da semana que vem uma campanha “em defesa da democracia, do estado de direito e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.”

O movimento ignora companheiros que eram festejados em eventos partidários como “guerreiros do povo brasileiro” e hoje estão presos em Curitiba. Entre eles os condenados José Dirceu e João Vaccari. Ou Antonio Palocci, enviado pelo juiz Sérgio Moro ao banco dos réus nesta quinta-feira.

Para Lula, um manifesto com passagens assim: “Na democracia, o Brasil conheceu um período de estabilidade institucional e de avanços econômicos e sociais, tornando-se um país melhor e menos desigual. Mas essa grande conquista coletiva encontra-se ameaçada por sucessivos ataques aos direitos e garantias, sob pretexto de combater a corrupção.” Para os demais, nenhuma palavra.

A chance de os rapapés dirigidos a Lula surtirem algum efeito jurídico é nula. A hipótese de o esquecimento dos demais encrencados produzir mágoas é total. O petismo ainda não se deu conta mas o histórico de delações da Lava Jato revela que o pior tipo de solidão é a companhia dos advogados na carceragem de Curitiba.

Pós-graduado em prisão, Dirceu ainda desfruta da companhia do próprio ego. Mas Vaccari emite sinais de depressão. E Palocci é visto pelos correligionários como uma alma frágil. Receia-se que não resista a uma rotina em que o sujeito vive roendo a própria solidão como uma rapadura sem doce.

6 novembro 2016 DEU NO JORNAL

DE QUEM É A CULPA?

As exportações brasileiras para a Venezuela, em outubro, caíram 61% em relação ao mesmo mês de 2015 e atingiu o menor nível em 13 anos.

O país comandado por Nicolás Maduro vive uma recessão profunda, com queda de 8% do PIB.

Deve ser culpa da Lava Jato.

* * *

Isto mesmo: deve ser culpa da Lava Jato, esta operação que lasca qualquer país.

Vocês podem futucar que vão encontrar o dedo do Dr. Moro por trás desta desgraça na Venezuela.

Num é mesmo, Ceguinho?

6 novembro 2016 DEU NO JORNAL

A LEI PARA QUASE TODOS

fernando-gabeira2

Foro privilegiado, ou foro por prerrogativa de função? Cláusula de barreira ou cláusula de performance? As palavras, principalmente em política, costumam expressar posições bem definidas.

O que chamamos foro privilegiado nem sempre foi visto assim. No passado era pior. As pessoas tinham direitos a partir de sua origem, de sua classe social, algo que as acompanhava até à morte. Nesse sentido, ao limitar o foro especial ao exercício de uma função, houve um avanço indiscutível. Perdido o cargo, retorna-se ao destino comum.

Deputados e senadores só podem ser processados pelo Supremo Tribunal. Em princípio, não é uma coisa boa se você fez algo errado. Os juízes do Supremo são mais competentes e, portanto, mais capazes de desarmar todas as tramas da defesa. Além disso, ao ser condenado pelo Supremo, não há para onde correr, não há chances de recursos a uma instância superior, como na vida aqui embaixo, onde os condenados se veem às voltas com juízes de primeira instância.

Por que os parlamentares se apegam tanto ao foro especial? Por que desqualificam os outros juízes, considerados por Renan Calheiros juizecos de primeira instância? Por que preferem o que deveriam temer?

A resposta está no tempo, isso que nem sempre sabemos definir, mas sabemos muito bem o que é. Os processos no Supremo levam anos para ser julgados, o tempo corre a favor dos acusados.

Segundo os últimos números, cerca de 224 parlamentares são objeto de investigação ou ações no Supremo. De 1988 para cá, 500 foram investigados e apenas 16, condenados.

Os números atuais são um recorde. Alguns parlamentares respondem a mais de um processo. Há os recordistas, como o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) ou o ex-deputado Paulo Cesar Quartiero, hoje vice governador (de Roraima), com 13 inquéritos cada um.

Nada tenho pessoalmente contra Quartiero. Desenvolvi mesmo uma visão crítica sobre a delimitação da área indígena Raposa-Serra do Sol. Mas andei por lá em algumas ocasiões, inclusive num momento em que Quartiero destruiu suas instalações de beneficiamento do arroz que produzia, revoltado com a perda de suas terras.

Como fiz algumas fotos, a Justiça me chamou para depor. Fui lá, no dia e hora e marcados, e contei o que vi. E disse que tinha as fotos. Por precaução salvei algumas e as mantive na mesa do computador.

Nunca mais fui chamado. De vez em quando, olhava as fotos e pensava comigo mesmo: vou mantê-las aí, pode ser que se interessem, que queiram ao voltar ao tema. Com o tempo retirei-as da minha vista. Nunca mais soube de nada a respeito desse assunto e, na verdade, perdi o interesse.

Claro que quero voltar a Uiramutã e pernoitar numa pensão de R$ 20 por noite, rever todas as belezas daquela região de Roraima, na fronteira com a Venezuela e a Guiana. Mas o destino da Raposa-Serra do Sol, tão discutido no passado, não é mais pauta de reportagem. Teria de fazer uma grande ginástica narrativa para que as pessoas se interessassem pelo que, de fato, aconteceu depois da delimitação da área indígena.

Tudo o que é sólido se desmancha no ar. A frase de Marx, adaptada por Marshall Berman para o continente americano, tem plena validade para o Brasil. Estou falando de um dos 500 casos que, por coincidência, se entrelaçaram com a minha trajetória pessoal.

Um dos inquéritos mais antigos de Renan Calheiros é o que envolvia sua amante mantida por empreiteira. O caso revelou uma riqueza pessoal insuspeitada e também se dissolveu no ar. Todas as etapas foram cumpridas no tempo. Acabou em pizza, o que em termos amorosos quer dizer: em poses para uma revista masculina.

A passagem do foro privilegiado para o comum não significa necessariamente uma solução perfeita para o problema. Lembro-me de que o deputado Bonifácio de Andrada muitas vezes enfatizou, em conversas sobre o tema, como é perigoso ser perseguido por um juiz no interior, sobretudo no momento eleitoral, em que as paixões políticas se acendem.

Atualmente, fala-se numa espécie de Corte dedicada exclusivamente aos parlamentares e outros detentores de foro especial. Não me parece a melhor saída. No entanto, a pior de todas é continuar empurrando com a barriga, enquanto os processos dormem no Supremo.

Aquele célebre momento em que Dilma nomeou Lula para protegê-lo de Sergio Moro deveria ser um ponto de inflexão. Na verdade, o mensageiro acabou ofuscando nossa memória da mensagem. Quem não se lembra do Bessias? Depois que Dilma caiu, todos queriam saber do Bessias, por onde andava, se estava recebendo seu salário, que futuro teria o Bessias num país sem Dilma na Presidência… Se, de repente, começarmos a chamá-lo de Messias, sua mensagem pode ter um significado mais amplo. Seu tropeço anunciaria um novo tempo, sem truques e artimanhas.

Ex-governantes sofrem crueldades, assim como repórteres investigativos. Uma delas é a dispersão de processos, o que os obriga a correr de um lado para o outro, tornando-os escravos de uma defesa de Sísifo: mal se explica aqui e já é preciso sair correndo para se explicar a alguns quilômetros de distância.

Com todas essas pedras no caminho, é preciso buscar uma saída. Dizem que uma das conquistas da Lava Jato foi demonstrar que a lei vale para todos. Mas vale mesmo?

A cadeia de Curitiba está cheia de gente sem mandato. Quem tem mandato tem polícia particular, com sofisticadas malas para desmontar grampos, assessorar bandidos no Maranhão. E ministros no Supremo para, com a rapidez de um relâmpago, livrá-lo das complicações. Mexam com os jagunços de terno preto e gravata e não faltará uma sumidade jurídica para nos esfregar a Constituição na cara.

A lei vale para todos? Felizmente, ainda não estão prendendo quem responde a essa frase com uma gargalhada.

6 novembro 2016 DEU NO JORNAL

CENÁRIO BANÂNICO

Se a Justiça considerar verdadeiras todas as acusações de quatro delatores contra Renan Calheiros, o total de propinas atribuídas ao senador chegaria a R$ 90 milhões.

Ele responde a 11 inquéritos.

* * *

Abaixo de Temer, que não tem vice, estão na linha sucessória da prisidência de Banânia o prisidente da Câmara e Renan, prisidente do Senado.

Só isto. Apenas isto. Nada mais que isto.

E Lula continua solto, bem longe das grades!!!

Êita paiszinho fela-da-puta é este nosso!!!

5 novembro 2016 DEU NO JORNAL

É ELE MESMO!!!!!

A força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato reafirmou ontem (4) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinha “papel de liderança na organização criminosa” que atuava para desviar recursos da Petrobras.

Os procuradores também defenderam a tese de que em casos de corrupção os acusados não deixam rastros e, dessa forma, é preciso analisar o poder dos apontados como líderes, além das provas.

De acordo com os procuradores, em casos de corrupção “tudo é feito no mundo das sombras, sem digitais ou recibos de recebimento de propina“, fazendo com que não só as provas diretas sejam relevantes.

No documento, a força-tarefa também rebateu críticas da defesa em relação à convocação de uma entrevista coletiva à imprensa para anunciar a denúncia contra Lula. A entrevista, realizada em setembro, chamou a atenção pela apresentação feita por meio de slides de Power Point.

O que se fez, na verdade, foi simplesmente explicar, de modo detalhado e fiel ao conteúdo da denúncia, o objeto da acusação. A realização de entrevistas coletivas foi implementada para garantir a transparência e cumprir o dever de informar a sociedade em situação em que há grande interesse público“, diz o documento.

Em setembro, o juiz Sérgio Moro aceitou denúncia apresentada pelos procuradores que acusam Lula de ter recebido R$ 3,7 milhões de propina de empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, por meio de vantagens indevidas, como a reforma de um apartamento tríplex no Guarujá (SP) e o pagamento de despesas com guarda-volumes para os objetos que Lula ganhou quando estava no cargo. As vantagens foram pagas pela empreiteira OAS.

De acordo com o procurador da República Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa, Lula era o “comandante máximo do esquema de corrupção identificado na Lava Jato”.

* * *

O sábado amanheceu com o céu limpo aqui no Recife.

Está um dia claro e convidativo para um passeio.

Vamos celebrar esta dádiva da natureza ouvindo Os Originais do Samba interpretar uma composição de Bezerra da Silva:

5 novembro 2016 DEU NO JORNAL

QUE FALTA FAZ UM CASSETETE…

O Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta sexta-feira (4) a lista atualizada dos locais de prova afetados pelo adiamento do Exame Nacional do Ensino (Enem).

A nova lista tem a inclusão de 53 escolas, enquanto outras 10 que constavam na primeira lista foram retiradas.

Agora, 240,3 mil participantes que tinham previsão de fazer as provas em 364 escolas ocupadas terão que fazer o teste em 3 e 4 de dezembro.

* * *

Estes bandidos juvenis, delinquentes que se dizem estudantes, tem muita sorte mesmo.

Sorte de que eu não seja governador do estado pra mandar a polícia baixar o cacete

O puxão de orelha que os pais destes vagabundos não deram em casa, eu substituiria pelos cassetetes de borracha.

Cassetetes que ora serviriam para bater nas costas, ora seriam usados para enfiar no furico destes putos.

invasao

Delinquentes mascarados, que se passam por estudantes, invadindo escolas; a maconha e a cocaína foram retiradas da mesa pra não sair na foto

5 novembro 2016 DEU NO JORNAL

A AUTOFAGIA TUCANA

Ruy Fabiano

A derrota do PT e seus satélites – Psol, PCdoB e Rede – nas eleições municipais devolveu ao PSDB o protagonismo na cena política nacional. Um protagonismo, no entanto, problemático.

O partido padece não da escassez, mas do excesso de estrelas que postulam a presidência da República em 2018.

No PT, isso jamais foi problema. Lula, desde o início, foi – e continua sendo – sua liderança única e incontrastável. Seu ocaso, por isso mesmo, dá ao partido a sensação de orfandade plena.

Já no PSDB, a clássica rivalidade Minas-São Paulo, com Aécio Neves de um lado e José Serra e Geraldo Alckmin de outro, divide as energias do partido, enfraquece sua performance e o leva frequentemente a cenas explícitas de autofagia.briga_de_rua

A vitória avassaladora de João Dória, no primeiro turno, para a prefeitura de São Paulo, é um exemplo disso. O partido foi dividido para as eleições e só as venceu com a retumbância que se viu em função da ojeriza do eleitorado ao candidato do PT, Fernando Haddad. Dória capitalizou essa rejeição. Mas, se dependesse da unidade partidária, não venceria. Os tucanos paulistas brigam não apenas com os mineiros, mas, sobretudo, entre si.

A convenção que levou Dória a tornar-se candidato pela legenda foi marcada por contestações furiosas que nem mesmo aos seus adversários petistas o tucanato costuma dirigir.

Dória é discípulo de Alckmin; sua vitória fortalece as chances do governador de vir a ser o candidato do partido à presidência em 2018. Alckmin é rival de José Serra e FHC nessa pretensão.

FHC quer Aécio; Serra quer Serra. Mas Aécio e Serra estão citados na Lava Jato, o que os enfraquece e sinaliza dias problemáticos. Aécio, ainda por cima, foi mal nas eleições de Minas.Não elegeu seu candidato à prefeitura de Belo Horizonte, seu reduto.

Rivais entre si, não hesitarão em se unir para barrar Alckmin, que, no entanto, foi amplamente vencedor não apenas nas eleições para a prefeitura da capital, mas em todo o estado.

Alckmin é a direita liberal do partido; Serra, a esquerda; Aécio as duas coisas, dependendo de para onde sopra o vento. Foi aliado de Lula e Dilma quando governava Minas e é acusado por Serra de ter negligenciado seu apoio nas eleições de 2010, em nome de um projeto pessoal de poder. Aécio acusa Serra de ter feito o mesmo em 2014. É possível que ambos tenham razão.

O resultado é que, dada a similitude de ambições, cada qual – Serra, Aécio e Alckmin – tem seu plano B para 2018.

Serra pode ir para o PPS, Aécio para o PMDB e Alckmin para o PSB, partido de seu vice, Márcio França, que postula sucedê-lo no governo paulista. Em São Paulo, o PSB é socialista apenas no nome e não teria dificuldades em receber um liberal em nome de uma causa maior. Afinal, Lula, em 2002 e 2006, teve como vice José Alencar, do Partido Liberal, e selou aliança com ninguém menos que Paulo Maluf.

Na política brasileira, os alhos sempre se deram bem com os bugalhos quando se tratou de chegar ao poder.

Nenhum dos tucanos cogita, é o que dizem seus aliados, de disputar a convenção e, na eventualidade de derrota, apoiar o vencedor, conforme o rito democrático que juram defender. FHC, que sempre posou de árbitro, perdeu essa autoridade ao não conseguir disfarçar sua preferência por Aécio Neves.

Em tal contexto, não se sabe como o partido se sairá daqui para frente. Não obstante a multiplicidade de desafios da agenda política nacional nestes dois anos de governo Temer, nenhum supera a ambição de disputar a presidência da República. Mais ainda agora, quando se tem por certo que, após o terremoto petista, o eleitorado se desiludiu do discurso esquerdista e tenderá para nomes de centro, à esquerda ou à direita, do PSDB ou do DEM, respectivamente.

É claro que é ainda muito cedo para tais especulações, sobretudo neste momento em que a Lava Jato começa a fisgar políticos de todos os partidos. A primeira leva teve PT e parceiros como alvos, em face do notório protagonismo que tiveram.

Mas a peneira afinou e é provável que sobrem poucos para os procedimentos de largada de daqui a dois anos.

4 novembro 2016 DEU NO JORNAL

DUPLA BANDIDA

Invasões de terra em São Paulo podem estar sendo comandadas pelo crime organizado.

A polícia acredita que o PCC esteja por trás da venda ilegal de terrenos em uma área cortada por uma linha de transmissão de energia.

Moradores da região vivem na lei do silêncio.

* * *

O PCC invadindo terrenos e o MST invadindo fazendas.

Estas duas siglas são aquilo que os descerebrados zisquerdóides chamam de “movimento social

O PCC chefiado por Marcola e o MST chafiado por Stédile.

dupla

Marcola e Stédile, uma dupla de bandidos de alta periculosidade: um preso e outro solto

Stédile é aquele que Lula nomeou como “comandante” do seu exército.

Esta notícia aí de cima saiu ontem no Jornal da Band.

Quem quiser ver a matéria completa é só clicar aqui

4 novembro 2016 DEU NO JORNAL

TEMER EM DÍVIDA COM TOFFOLI

Ricardo Noblat

Embora inconclusa, a sessão de ontem do Supremo Tribunal Federal revelou que ali já existe maioria de votos favorável ao afastamento do cargo de quem seja réu em ação penal e esteja na linha direta de substituição do presidente da República.

Como o presidente Michel Temer não tem vice, em suas ausências ou em caso de afastamento definitivo dele do cargo quem o substitui é o presidente da Câmara dos Deputados. Ou o presidente do Senado se o da Câmara não puder. Ou então o presidente do STF.

Renan Calheiros, atual presidente do Senado, está a um passo de se tornar réu em ação penal. Caso se tornasse antes do término do seu mandato de presidente em fevereiro próximo, seria obrigado a deixar o cargo, podendo continuar apenas como senador.

A sessão do STF não foi concluída porque o ministro Dias Tóffoli, que antes de ser ministro prestou relevantes serviços ao PT como advogado, pediu vista do processo que estava em julgamento. Temer apreciou bastante o gesto de Toffoli.

toffoli_e_temer

4 novembro 2016 DEU NO JORNAL

PETRALHA AVUADOR

O senador Lindbergh Farias (PT) faz parecer “café pequeno” a denúncia contra deputados federais sobre a farra nos gastos com passagens aéreas.

Enquanto o valor máximo verificado na denúncia é de R$ 100 mil, o senador petista solicitou reembolso ao Senado no valor de R$ 244.963,33, supostamente gastos em passagens aéreas entre janeiro e outubro.

Os gastos de Lindbergh Farias com passagens aéreas pagas pelo contribuinte, somente em 2016, equivalem a 348 viagens de ida e volta para o Rio, sua cidade, no período de 304 dias corridos.

* * *

Vamos repetir o número: 348 viagens ida e volta pro Rio, num período de 304 dias. Num se esqueça que o ano tem 365 dias, ou seja, ainda tem mais uns dias pra este guabiru vermêio istrelado avuar.

Falou que é dinheiro público e fácil, um petralha que se preza não dorme no ponto.

Quanto mais biquinho tiver nos cofres públicos, mais estes felas-da-puta mamam.

Cabra safado da porra, este mauricinho Lindbergh!

lindbergh-fari

“Meu negócio é avuar lá em riba, com dinheiro do contribuinte”

4 novembro 2016 DEU NO JORNAL

MANCHETE DA SEXTA-FEIRA – CORRUPTO PETRALHA VIRA RÉU

palocci

O juiz federal Sérgio Moro aceitou nesta quinta-feira (3) a denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra o ex-ministro Antônio Palocci e outras 14 pessoas. Com isso, todos eles se tornam réus na Operação Lava Jato.

As denúncias tratam de crimes como corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro.

Antonio Palocci foi preso no dia 26 de setembro pela 35º fase da Operação Lava Jato.

Ele foi ministro da Casa Civil no governo Dilma Rousseff e ministro da Fazenda de Lula – ambos do Partido dos Trabalhadores.

Desde a prisão, Antonio Palocci está detido na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

ppl

* * *

A caneta-pajaraca do Dr. Moro continua no seu magnífico, patriótico e saneador trabalho de arrebentar as pregas dos ladrões banânicos.

Desde bilionários corruptores ativos até os mais escrotos corruptos passivos do bando petralha. E de qualquer outro bando.plc

E isto deixa furiosa a militância petêlha, babando pelos cantos da boca de tanto ódio com o saneamento que o ilustre magistrado vem promovendo neste malcheiroso esgoto banânico.

Corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, são apenas alguns dos crimes cometidos por este cabra safado.

Nunca é demais lembrar que o super-canalha Palocci foi ministro plenipotenciário da Fazenda no gunverno de Lapa de Corrupto e poderosíssimo Chefe da Casa Civil no guverno da Vaca Peidona.

Palocci é aquele cabra-safado que estuprou criminosamente o sigilo bancário do humilde caseiro Francenildo e que é ladrão desde os tempos em que foi prefeito de Ribeirão Preto-SP. Com aquela carinha de santo, de virgem pura no salão do cabaré.

Vou dedicar uma linda música para este réu petralha, com votos de que tenha uma longa estada atrás das grades.

3 novembro 2016 DEU NO JORNAL

A PETRALHA SE ARRETOU-SE

Perguntaram a Gleisi Hoffmann se ela “já está preparada para ser presa”.

Ela não está, não.

O Estadão publicou o vídeo.

* * *

Ao invés de mandar chamar a segurança, ela bem que poderia seguir o exemplo do Capo:

“Num sei de nada!”

Não sabe nem mesmo se vai ser presa ou não.

Acho que ela só sabe que merece…

3 novembro 2016 DEU NO JORNAL

NO FURICO DE CUNHÃO

Eduardo Cunha está sujeito a mais de um século e meio de prisão, caso seja condenado nos crimes dos quais é acusado no âmbito da Lava Jato.

O tempo de cana tem limite baseado nos crimes pelos quais é acusado (corrupção, lavagem de dinheiro etc), mas a indenização que terá de pagar ao Erário não tem limite; é baseada no que a Justiça determinar que foi “subtraído”.

A estimativa chega a R$ 220 milhões.

Somadas todas as penas privativas de liberdade dos crimes pelos quais responde, Cunha pode passar mais de 160 anos preso.

* * *

Não custa nada repetir, insistir e dizer de novo: toda guabirutagem cometida por Cunhão foi na vigência dos gunvernos petralhas.

O fato verdadeiro e concreto é que o Dr. Sérgio Moro determinou o congelamento de R$ 220.677.515,24 deste canalha “oriundos de improbidade administrativa”.

Isto mesmo: mais de 220 milhões de reais!!!

Só isto. Apenas isto. Nada mais que isto.

Entenderam agora porque a militância petelha odeia o Dr. Moro?

Pois é.

relaxar

“Fique tranquilo, meu querido; vou te dar um tubo de vaselina que é pra você não sofrer muito quando a caneta-pajaraca de Dr. Moro entrar no teu furico”

3 novembro 2016 DEU NO JORNAL

NO FINAL DE TUDO, O POVO É QUE DECIDE

jorge-oliveira

A esquerda brasileira precisa repensar o seu papel na política se quiser continuar dando as cartas. As eleições municipais deste ano mostraram que o PT que, na década de 1980, se apresentou ao país com uma roupagem de vanguarda e defensor intransigente da ética na política, foi para o ralo da história. A população disse não a corrupção e condenou o partido e seus militantes ao ostracismo nessas eleições municipais. A direita – ou melhor, o centro – abocanhou as duas principais prefeituras do país: São Paulo e Rio de Janeiro, um sintoma de que o eleitor desaprovou os governos petistas e suas alianças à direita. Por essa amostragem eleitoral nas duas capitais mais importantes do país pressupõe-se que a campanha presidencial de 2018 caminha seguramente para uma vitória de um candidato conservador.

Por esse resultado, ninguém pode se queixar do eleitor brasileiro e nem dizer que ele não sabe votar, como disse Pelé em um de seus surtos antropológicos. Quando Sarney enterrou a economia como primeiro presidente civil da república, o eleitor respondeu elegendo Collor que parecia um caçador de marajás de verdade. Dois anos depois a desilusão veio com o impeachment dele e as acusações de corrupção no seu governo. O povo foi às ruas e o mandou para casa. Surgiu então Itamar Franco que deu a partida para a estabilidade econômica tendo à frente da economia o ex-senador Fernando Henrique Cardoso. O Brasil caminhou para a prosperidade e para estabilidade econômica com a nova moeda. FHC ficou no governo durante dois mandatos sem grandes atropelos.

Durante esse período do troca troca de presidente depois da ditadura, o PT foi o partido que mais se destacou na oposição. Fez oposição cerrada a todos os presidentes. Para mostrar que pensava diferente dos demais políticos votou contra o novo modelo da Constituição. E mais: Lula, o líder da oposição, como Deputado Federal, abriu o verbo contra seus parceiros, chamando-os de picaretas para o delírio dos brasileiros. Mas a boca dura não o levava a lugar nenhum. Algo faltava para que Lula emplacasse a sua candidatura a presidente da república, depois de três tentativas frustradas. E esse algo mais apareceu: a direita vestida de vice. José Alencar, o empresário da indústria têxtil de Minas Gerais, surgiu pelas mãos de Zé Dirceu para tirar o ranço incendiário do Lula e acenar com o apoio dos empresários e banqueiros que desconfiavam de um governo de Lula.

Assim, a esquerda pragmaticamente chegava à presidência sem assustar a elite que Lula tanto combatia. Zé Dirceu, com isso, vestia uma roupa nova no seu líder que logo se deslumbrou com o poder e juntou-se aos empresários e banqueiros para governar com estabilidade política e econômica. O apoio do parlamento veio em seguida com os acordos petistas com as figuras até então carimbadas de direita pela cúpula do PT. Não demorou muito, Lula logo se uniu a José Sarney, Collor, Maluf e outros próceres da política brasileira. E quando a corrupção invadiu o Palácio do Planalto foi desse pessoal que ele se socorreu para que o mensalão não desabasse sobre a sua cabeça.

O eleitor, mas uma vez, reconduziu Lula à presidência da república, mas com certa desconfiança. Ao contrário de FHC, Lula só ganhou a reeleição no segundo turno disputando com Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, mas um político sem carisma. Aos trancos e barrancos, Lula terminou o mandato e elegeu seu sucessor. Conduziu ao altar a burocrata Dilma, que nunca se submetera a uma eleição. Nem de síndico. Mais uma vez, o eleitor fez a vontade de Lula, mas com ressalta: levou a Dilma para o segundo turno. A Dilma, coitada, entrou em parafuso. Era muito areia para o caminhão dela. Jogou fora a história, a firmeza nos princípios ideológicos e, a exemplo do Lula, foi buscar na direita o apoio para governar orientada por seu guru. Estaria até hoje no poder, se o eleitor não tivesse dissolvido essa aliança de conveniência indo às ruas para pedir o fim da corrupção e do seu governo que se agarrou aos conservadores de direita para insistir em ficar no poder.

Como você pode ver, eleitor, essa coisa de esquerda no Brasil é uma falácia. Para governar, a esquerda sempre se aliou com à direita. Por isso, podemos assegurar que os brasileiros são os protagonistas de toda essa história. Quando a coisa desanda eles vão às ruas e muda tudo. Foi assim com a ditadura militar, com o movimento das Diretas já e, agora, com o PT. E assim sempre será, como dizia João Ubaldo: viva o povo brasileiro!

3 novembro 2016 DEU NO JORNAL

FILHA DE GUABIRU, GUABIRUZINHA É

A ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney, foi denunciada pelo Ministério Público do Maranhão por esquema fraudulento de concessão de isenções fiscais pela Secretaria de Estado da Fazenda a empresas, que causou um prejuízo de R$ 410 milhões aos cofres públicos.

Outras nove pessoas também foram denunciadas, entre elas ex-gestores, servidores públicos e outros envolvidos em práticas criminosas.

A 2ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Tributária e Econômica de São Luís considera o grupo uma organização criminosa responsável pela realização de compensações tributárias ilegais, implantação de filtro no sistema da secretaria para garantir essas operações tributárias ilegais e fantasmas, reativação de parcelamento de débitos de empresas que nunca pagavam as parcelas devidas, exclusão indevida dos autos de infração de empresas do banco de dados e contratação irregular de empresa especializada na prestação de serviços de tecnologia da informação, com a finalidade de garantir a continuidade das práticas delituosas.

* * *

Este último parágrafo da notícia aí de cima tá arretado, num tá?

Uma lista de guabirutagens da porra, digna de uma filha que puxou ao pai, cagado e cuspido.

A propósito da ladroagem de Roseana, filha daquele impoluto pulítico que, segundo Lula, “não pode ser julgado como um cidadão comum” vamos rever um vídeo histórico e revelador, que é um retrato sem retoques do caráter de Lapa de Palavra-Firme.

Vamos ver o vídeo, e ao mesmo tempo, vamos aprender que existe na língua pátria a expressão “atacar preda” (o que quer que isto signifique…).

E, depois de ver o vídeo, tenham em mente uma coisa: o fubânico petista Ceguinho Teimoso jura e garante que este delinquente é um sujeito reto, ético, puro, sincero, honesto, bom caráter e coerente em tudo que fala. (Atenção: não tô inventando nada. Ceguinho acredita nisto mesmo!!!!)

2 novembro 2016 DEU NO JORNAL

MANCHETE DA QUARTA-FEIRA – SUJARAM AS FICHAS

defesa

O ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) chamou o presidente Michel Temer (PMDB), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-ministro Henrique Alves (PMDB-RN), além de outras figuras públicas, como testemunhas de defesa no processo que responde no âmbito da Operação Lava Jato em Curitiba.

Preso, em 19 de outubro, Cunha é acusado de receber propina de contrato de exploração de Petróleo no Benin, na África, e de usar contas na Suíça para lavar o dinheiro.

* * *

Eduardo Cunhão e Temer estão com as fichas irremediavelmente sujas.

Ter o nome no mesmo processo onde aparece o nome de Lula é uma mancha indelével na vida de qualquer cristão.

Se bem que, para um sujeito safado feito Lapa de Corrupto, nada mais natural do que ser solicitado a testemunhar em favor de um outro corrupto feito Cunhão.

Detalhe: a acusação contra Cunhão é por ter recebido propina “de contrato de exploração de petróleo no Benin, na África“, exploração esta que era feita pela Petrobras, na época administrada pelo gunverno vermêio istrelado do PT.

Só isto, apenas isto, nada mais que isto.

temer-eduardocunha-lula

Um trio tipicamente banânico

2 novembro 2016 DEU NO JORNAL

FILHO AMOROSO SEGUE O EXEMPLO DO PAPAI

Tal qual o seu pai, o deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR), filho do ex-ministro-todo-poderoso José Dirceu, foi fisgado pela Operação Lava Jato.

O parlamentar é investigado pela prática dos crimes de corrupção passiva, tráfico de influência e lavagem de dinheiro.

O inquérito, que está em segredo de Justiça e será conduzido pela Polícia Federal em Brasília, foi instaurado no último dia 18 de outubro a partir de uma decisão proferida pelo ministro Teori Zavascki, relator dos processos do petrolão no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com os investigadores da Lava Jato, a Hope Recursos Humanos pagou para José Dirceu e seus aliados propinas de 1,5% dos contratos assinados com a Petrobras. A empresa faturou 3,5 bilhões de reais com a diretoria de serviços da estatal – que era comandada por Renato Duque, preso em Curitiba e apaniguado do ex-ministro da Casa Civil.

Parte do dinheiro desviado, segundo procuradores, foi direcionado à campanha de Zeca Dirceu à Câmara dos deputados em 2010.

* * *

Minino, é um repertório de crimes digno de muito respeito: de corrupção passiva, tráfico de influência e lavagem de dinheiro.

Danô-se!!!

Um detalhe de suma importância: nesta notícia aí de cima, onde se lê a palavra “Petrobras” é necessário fazer a complementação: “Petrobras administrada pelo PT

Como diz meu caro amigo palmarense Adolfo Dido, analista petrolífero: “A família que cava poços unida, permanece unida.”

Até atrás das grades.

pf

Guabiru Filho e Guabiru Pai: unidos pela mesma istrêla vermêia

2 novembro 2016 DEU NO JORNAL

UM VALE DE LÁGRIMAS

As eleições municipais na Grande São Paulo revelaram perda de força do Partido dos Trabalhores (PT) e também decretou o fim do cinturão vermelho.

Mas a derrota mais “dolorosa” aconteceu no ABC Paulista, berço do partido e de Luiz Inácio Lula da Silva. Pouco mais de 24 horas após o resultado das urnas, a sensação entre os petistas, principalmente em Santo André e em São Bernardo do Campo, era de “ressaca”.

O PT, que tinha 9 prefeituras dos 39 municípios da região Metropolitana, agora tem apenas um prefeito.

Além de São Paulo, onde o prefeito Fernando Haddad perdeu as eleições para João Doria (PSDB), o partido perdeu as prefeituras de Santo André, São Bernardo do Campo e Mauá, na região do ABC, além de Guarulhos e Osasco.

Já o PSDB, do governador Geraldo Alckmin, conquistou 11 prefeituras. 

Para o ex-metalúrgico Juno Rodrigues Silva, conhecido como Gijo, a derrota nas eleições era até esperada, mas não da forma como foi. “Podia ter sido de outra fora, mas não como foi. Isso vai demorar um mês para absorver. O partido demorou muito para reagir. Agora vai precisar arrumar a casa. Temos dois anos para a próxima eleição, mas precisamos estar prontos em um ano”, disse Gijo.

Amigo do ex-presidente Lula, Gijo tem um restaurante no Bairro Assunção, em São Bernardo do Campo.

gijo-fotos

Ex-metalúrgico Juno Rodrigues Silva, conhecido como Gijo, é amigo de Lula e diz que partido precisa arrumar a casa

* * *

Tem gosto pra tudo neste mundo.

Putz…

Um sujeito que se gaba de ser amigo de Lula, merece mesmo carregar esta pecha nas costas.

Eu acho que antes de “arrumar a casa“, como diz o lamentoso cumpanhero de Lapa de Corrupto, a petralhada precisa antes providenciar um bom estoque de lenços pra enxugar as lágrimas.

É choro de ranger os dentes!

É só caem lágrimas vermêias dos tristes olhos destes pobres idiotinhas.

2 novembro 2016 DEU NO JORNAL

BOLSA SONEGADOR FAZ BOM CONTRIBUINTE DE OTÁRIO

josias-de-souza5

Há no país dois tipos de cidadãos: os brasileiros comuns e os brasileiros especiais. Os comuns têm o imposto de renda descontado mensalmente no contracheque. E honram todos os outros tributos na hora em que pagam no caixa do comércio pelas coisas que compram. Os brasileiros especiais brincam de esconde-esconde com a Receita Federal, sonegam impostos e esperam que o governo aprove algum plano que lhes perdoe os crimes e ofereça vantagens fiscais. O programa de repatriação do dinheiro que brasileiros entesouraram ilegalmente no exterior é mais uma festa organizada para premiar sonegadores.

Alega-se que foram repatriadas apenas verbas de origem lícita. Isso é conversa fiada. O dinheiro deixou de ser lícito no instante em que migrou par o exterior sem o pagamento dos tributos devidos. Cometeu-se no mínimo os crimes de sonegação fiscal e evasão de divisas. Daí para a lavagem de dinheiro procedente do submundo do crime é um pulinho. A repatriação enxaguou e passou a ferro todo esse dinheiro de má origem.

Quebrado, o governo não tem muita alternativa. Entrega a alma para conseguir dinheiro. Arrecadou quase R$ 51 bilhões ao regularizar uma fortuna de quase R$ 170 bilhões que tinham sido enviadas para o estrangeiro às escondidas por 25 mil emrpesas e uma centena de pessoas. A festa deve continuar. Renan Calheiros, o notório presidente do Senado, anuncia que apresentará um projeto para reabrir o bolso sonegador a partir de janeiro. A mensagem que fica é que, no Brasil, quem paga imposto é otário.

1 novembro 2016 DEU NO JORNAL

ROMANCISTA BANÂNICA

A ex-presidente da República Dilma Rousseff afirmou, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo publicada na edição desta terça-feira, que deseja escrever um romance policial.

A petista, que vive em um apartamento no bairro Tristeza, em Porto Alegre, tem uma coleção de livros do gênero.

* * *

Dilma não terá problema algum pra criar os bandidos do seu futuro romance policial: é só consultar a lista dos ministros, auxiliares, xeleléus, baba-ovos e capachos que participaram do seu gunverno.

Se consultar seu Criador, Luiz Inácio Corrupto da Silva, aí é que Vaca Peidona vai ter mesmo nomes pra caralho!

Vai dar pra escrever uns 13 romances policiais!!!

As ironias do destino são cruéis: o nome do bairro onde ela mora em Porto Alegre, Tristeza, é um retrato perfeito dos seus dois gunvernos.

dilma_lendo

“É bandido que só a porra nesta lista que Lula me mandou. Vou levar um tempão pra escolher alguns…”

1 novembro 2016 DEU NO JORNAL

OS ZINTELEQUITUAIS LULEIROS

“Um grupo de intelectuais decidiu criar um observatório para acompanhar e defender Lula”, diz o Estadão.

Os intelectuais citados pela reportagem são: Paulo Sérgio Pinheiro, Luiz Carlos Bresser-Pereira e Fernando Morais.

Fernando Morais, além de defender Lula, tem de defender também a si próprio.

Em 2013, ele viajou a Cuba em jatinho fretado pela Odebrecht, como publicou O Antagonista um ano e meio atrás.

* * *

Eu me divirto que só a porra com estes zintelequituais banânicos que babam o ovo de Lapa de Corrupto.

Tem horas que sinto pena deles, se ajoelhando na lama pra conseguir sobreviver.

lfm

“Cumpanhero Lula, eu sei que tu é analfabeto; mas faz uma pose só pra gente sair no JBF”

* * *

Nota da Editoria:

A matéria d’O Antagonista, citada na nota acima, está transcrita logo a seguir:

Lula, o lobista, não viajou sozinho no jatinho pago pela Odebrecht.

A relação oficial de passageiros do voo, obtida por O Globo, mostra que, além de Alexandrino Alencar, o homem encarregado de distribuir propinas da Odebrecht, ele viajou com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, e com o biógrafo de José Dirceu, Fernando Morais.

A viagem de Fernando Morais a Havana teve um propósito cultural: ele aproveitou a generosidade da Odebrecht para publicar seu livro “Os Últimos Soldados da Guerra Fria“.

Fernando Morais, em 1976, viajou a Cuba e fez uma apologia do regime cubano. 37 anos depois, ele finalmente concretizou seu sonho retornando à ilha com o lobista Lula, num jatinho fretado pela Odebrecht.

31 outubro 2016 DEU NO JORNAL

UMA PARELHA AUTENTICAMENTE BANÂNICA

Lula e o presidente do Senado, Renan Calheiros, têm algo em comum: gostam de esculhambar concursados.

Em setembro, ao se defender das acusações do Ministério Público Federal, Lula disse que concursado não precisa sair às ruas para pedir votos e chamou os servidores de “analfabetos políticos”.

Há dias foi a vez de Renan, que insultou juiz de 1ª instância, concursado, e, para ele, “juizeco”.

Renan tentou atingir Vallisney de Souza Oliveira, juiz titular da 10ª Vara Federal do DF, um dos mais admirados magistrados da sua geração.

O juiz Vallisney é responsável por casos como as operações Zelotes e Greenfield e um dos casos de Lula em conexão com a Lava Jato.

Vallisney é o orgulho de Benjamin Constant (AM), onde nasceu, à beira do Solimões.

Autor de cinco livros, ensina na Universidade de Brasília.

* * *

Esta parelha, Renan e Lula, é o retrato cagado e cuspido da República Federativa de Banânia nos dias atuais.

A única diferença entre eles é que Renan está a salvo da caneta-pajaraca do Dr. Moro (por enquanto…).

Os dois são farinha do mesmo bisaco, tolôtes do mesmo pinico.

Vôte!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa