NOSSAS ESTAÇÕES

Outono visto no Central Park

A escola de antigamente ensinava. A de hoje, apenas faz de conta. Quer números, quer ranking, quer justificativas para as dotações orçamentárias – e estaciona na mentira. Muitos dos que ensinam (ou dizem fazer isso) não sabem sequer para si próprios.

Pois, ainda na escola antiga, aprendi que são quatro as “estações” climáticas no ano, assim: 

Estação do ano é uma das quatro subdivisões do ano baseadas em padrões climáticos. São elas: Primavera, Verão, Outono e Inverno. Inicialmente o ano era dividido em duas partes: 1 – O período quente (em latim: “ver”): era dividido em três fases: o Prima Vera (literalmente “primeiro verão”), de temperatura e humidade moderadas, o Tempus Veranus (literalmente “tempo da frutificação”), de temperatura e umidade elevadas, e o Æstivum (em português traduzido como “estio”), de temperatura elevada e baixa umidade; 2 – O período frio (em latim: “hiems”) era dividido em apenas duas fases: o Tempus Autumnus (literalmente “tempo do ocaso”), em que as temperaturas entram em declínio gradual, e o Tempus Hibernus, a época mais fria do ano, marcada pela neve e ausência de fertilidade.

Posteriormente, para ajustar as estações à posição exata dos equinócios e solstícios, correlacionados com a influência da translação associada à mudança no eixo de inclinação da Terra, convencionou-se, no Ocidente, dividir o ano em somente quatro estações. Vale a pena lembrar que certas culturas ainda dividem o ano em cinco estações, como a China. Países como a Índia dividem o ano em apenas três estações: uma estação quente, uma estação fria e uma estação chuvosa.

Já no continente Africano, países como Angola só têm duas estações, a das chuvas, quente e úmida, e o cacimbo, seca e ligeiramente mais fresca, principalmente à noite. (Parte de texto compilado do Wikipédia)

Foi na escola, também, que aprendi a iniciação filosófica, de que “o homem é um produto do meio em que vive”. Assim sendo, provavelmente, somos partes das estações climáticas do ano.

Que estação seríamos nós, quando ficamos irritados?

E quando ficamos tristes?

Ou, ainda, quando ficamos alegres?

Por que não “renovamos” a plasticidade externa do corpo, ou o que há de interno, quando passamos pelo “outono” – o nosso outono?

As árvores o fazem pela fotossíntese – além das condições naturais que a Terra lhes oferece. Novas folhas, novos galhos e um crescimento contínuo, sempre em preparativos para novos frutos.

Nossas células são diferentes, sei. Em que pese vivermos na mesma Terra que vivem as árvores, nossa fisiologia é diferente.

Mas, infelizmente, a Terra é habitada por pessoas que são continuadamente ervas daninhas. Não crescem, não mudam, não passam por nenhum outono.

O zap-zap do passado

Duas latas e barbante faziam o zap-zap do passado

O mundo vive o exato estágio profetizado por Karl Marx, n´O Capital. Todos os valores humanos perderam espaço e preferência pelo “ter”. O “ser” não faz parte de mais nada -pois, equivocadamente, muitos ainda se permitem enganar, achando que, “tendo”, “serão”.

E nessa plataforma de vida as coisas modernas chegaram e entraram nas nossas vidas sem pedir licença. Foram entrando, se abancaram e tomaram conta de tudo.

O telefone é um exemplo. Antes, nas regiões difíceis, as concessionárias mantinham empregados com motos e ou bicicletas – e em lugares menos acessíveis, mantinham até animais prontos para a demanda de “recados”. Alguém telefonava do Rio de Janeiro ou de lugares também distantes, pedindo para a atendente “mandar um aviso”:

– Mande avisar para a minha mãe, que depois das 20 horas vou telefonar novamente. Peça para ela vir esperar.

Era alguém tentando falar com a família. A concessionária telefônica recebia o aviso e “mandava avisar” para algum familiar vir atender a chamada. Sempre depois das 20 horas – a tarifa era mais baixa.

Vivemos anos assim, nessas dificuldades. Nos dias atuais muito mudou. Qualquer pessoa possui um telefone celular – e quando alguém não possui, quase ninguém acredita. Celular virou moeda de troca. A primeira coisa que o assaltante exige de ti é o celular, que vai ser trocado por drogas ou enviados para assaltantes presos – que passam a te incomodar com achaques e mensagens falsas.

Pois, o telefone celular aceita um aplicativo, livre de tarifa, mas facilmente acessível ao hacker. É o já famoso Whats App, abrasileirado para zap-zap.

“O Whats App Messenger é um aplicativo gratuito para a troca de mensagens, disponível para o Windows Phone e outras plataformas. O Whats App utiliza a sua conexão com a Internet (4G/3G/2G/EDGE ou wi-fi, conforme disponível) para enviar mensagens e fazer chamadas para seus amigos e familiares.

Mude de SMS para Whats App para enviar e receber mensagens, chamadas, fotos, vídeos, documentos e mensagens de voz.”

No passado que ainda está bem ali, logo depois da curva, e ainda dá para ver pelo retrovisor, a meninada que preferia brincar de forma saudável em vez de se tornar “avião” para ganhar trocados fáceis, inventava o “zap-zap” até com duas latas velhas ligadas por cordões, configurando fios. Usavam também caixas de fósforos vazias – havia até quem “prendesse” moscas ou besouros dentro das caixas, para passar a ideia de alguém falando.

Nós da “geração antiga”, coxinhas difíceis de sermos alcançados pelas idiotices atuais (nossos pais eram quem nos dirigiam – não eram o Conselho Tutelar nem a Polícia), éramos felizes e sabíamos.


A PRAÇA NÃO É MAIS NOSSA

O que nos resta, depois de uma semana recheada de bons e duradouros orgasmos que os “drones” trouxeram de Curitiba?

Rir. Só isso! Esse é o melhor remédio, antes e/ou depois daquela visita à praia, à sauna, à feira ou ao supermercado que certamente antecedeu ao restaurante com a família. Afinal é domingo.

Um diacho chamado “Tri-Spinner”, inicialmente idealizado para pedagogia lúdica para Autistas – está sendo vendido mais do que banana na feira na “hora de xepa”. É usado em larga escala por quem não teve nem mereceu o direcionamento: e a grande maioria que não sabe para que serve, já diz que realmente “não serve pra nada”. E parece que não serve mesmo.

Mas, o brasileiro (uma raça que deveria merecer mais atenção dos cientistas na NASA – nem que fosse para testes de viagens sem volta para a lua), “Mestre” em sacanagens, já mostra as “adaptações” que começam a chegar para o mercado consumidor. Na foto mostrada a seguir, o valor chega a R$5,00 – R$1,50 as três moedas + R$3,50 pela genialidade da fabricação. Faz sentido!

Essas pessoas que vivem de “invenções” certamente que poderiam ser contratadas pelo Governo Federal para ganhar a vida como faz a maioria, em Brasília, por exemplo: sem fazer nada, com direito a férias, água mineral Perrier, café de grãos arábicos e outras mordomias que o trabalhador brasileiro apenas escutar falar.

“Tri-Spinner” abrasileirado

Na foto 2 outra novidade colocada à disposição pelo desgoverno brasileiro para a população de aposentados que não se predispõe mais ficar correndo atrás de “pit-stop” de supermercados para reabastecer suas necessidades etílicas.

Pinguço de marca maior, o proprietário dessa “conveniência” resolveu aproveitar o visual do marketing oficial para as UPAs (sabemos onde fica, mas, em atendimento ao direito de manter a fonte, não vamos publicar o endereço) para dar aquele “grau” no seu posto de venda de bebidas. Coisa de brasileiro.

E até onde se sabe, tem vendido mais que atendimento médico em fila para marcar consulta pelo SUS. Aceita cheque, cambia dólar e euro – mas, nunca tem troco abaixo de R$1,00.

É o besta!

Pit-Stop multimarcas na UPA

Mas, a comprovação de que brasileiro é alguém acima de quaisquer expectativas, está mostrada na foto seguinte. Muitos sabem “trabalhar” com frituras. Muitos sabem que fritar alguma cosia proporciona algum risco. Fritar algo em frigideira pequena com óleo ou banha quente, oferece o risco de queimaduras nas mãos.

Pois veja o que achou de inventar uma mulher brasileira: pegou uma garrafa pet e “fabricou” uma proteção para a mão. Com um garfo pequeno, controla a fritura como bem lhe convém. Coisa de brasileiro.

Solução prática para evitar queimaduras de fritura

Na última consideração, vamos dar um passeio pela escola e ver como anda a educação brasileira em algumas escolas. Por medida que poucos entendem, as universidades estão aceitando alunos que conseguem atingir alguma nota diferente de zero. São os aprovados nos vestibulares, futuros profissionais – inclusive de medicina, que no futuro lidarão com vidas humanas. Mas, para os educadores e as universidades, isso é irrelevante.

A seguir, vemos uma proposta de uma questão de matemática:

A questão é “reduzir” a fração!


MÚSICA PARA OUVIR SÓ

Hoje acordei intempestivamente – um barulho estranho dentro do quarto. Era uma rolinha, que entrou provavelmente quando a mulher abriu a janela para observar alguma coisa lá fora. Voltou, fechou a janela e não viu a ave dentro do quarto. Batendo na vidraça para tentar sair, a rolinha me acordou. Me fez lembrar João Berto (tenha umas boas férias Joãozim, você merece).

Acordei com uma preguiça danada. Uma preguiça baiana misturada com maranhense. Resolvi basear a coluna de hoje com três músicas – as três interpretações que considero fantásticas. Vamos a elas:

Can’t Stop Loving You – Compositor: Don Gibson

Ray Charles

* * *

Atrás da Porta – Elis Regina

Elis Regina

* * *

Balada Para Mi Muerte – Compositor: Horacio Ferrer/Astor Piazzolla


Astor Piazzolla


TIME DOS SONHOS – ONZE GÊNIOS

Hoje vamos de futebol. Futebol mundial, esclarecendo melhor.

Vemos futebol desde 1958, quando tínhamos exatos 15 anos. Já se vão 59 anos de olhares e conceitos – compreendendo que não somos os donos da verdade. Respeitamos as opiniões e os olhares diferentes.

Resolvemos juntar essa experiência e formar um time de onze jogadores que jamais jogaram (os onze) entre si. A maioria já está noutra galáxia, tomara, mostrando o futebol-arte que nos mostraram nos campos de futebol do mundo.

Somos adeptos do esquema tático numericamente denominado de 4-3-3 e sempre preferimos aquele jogador que sabe jogar bola. Nunca apreciamos aqueles que entram em campo para fazer número ou apenas para colocar a bola para dentro das redes adversários – em que pese, o gol ser o orgasmo desse esporte. O futebol é um desenho – e assim precisa ser bem feito.

Nascido na região Nordeste, por anos tivemos o privilégio de ver jogar, alguns verdadeiros gênios, que muitos sequer conheceram ou ouviram falar. Exemplos como Mangaba, excelente médio cearense que por anos defendeu Paysandu e Remo; Marcos do Boi, mignon atacante paraibano que jogou no Ceará; Damasceno, incomparável zagueiro que vestiu as camisas do Ceará e do Náutico/PE; Carneiro, maranhense que vestiu as camisas do Ceará, Fortaleza e Bahia, por quem sagrou-se campeão brasileiro; Roberto Rebouças, zagueiro baiano que honrou a camisa do Bahia e mais centenas de geniais jogadores que a mídia não alcançou como alcança nos dias atuais.

Hoje o futebol brasileiro é diferente. Ditava manias e servia de exemplo. Dos anos 80 para cá, passou a copiar a forma europeia de jogar, e perdeu espaço e o domínio que lhe colocava no pódio de melhor do mundo. Jogadores jovens são “negociados” para times europeus ainda imaturos e passam a praticar outro futebol que foge as nossas características.

Lev Yashin – o melhor goleiro do futebol mundial em todos os tempos

Lev Ivanovich Yashin OL – em russo: Лев Иванович Яшин nasceu em Moscou, a 22 de outubro de 1929 e faleceu em Moscou, a 20 de março de 1990. Era conhecido pela alcunha de Aranha Negra na América do Sul, ou Pantera Negra na Europa, devido ao seu uniforme todo preto. Único goleiro até hoje a ganhar a Bola de Ouro da France Football, prêmio para o melhor jogador da Europa, em 1963. Quando se aposentou, em jogo-despedida de 1971, a FIFA resolveu homenageá-lo com uma medalha de ouro especial, por sua extraordinária contribuição ao esporte. Foi um entre tantos reconhecimentos que recebeu durante e após a vida, sendo popularmente considerado o melhor goleiro do século XX.

Mesmo que Yashin, por ironia, jamais tenha sido eleito o melhor goleiro em uma Copa do Mundo, a FIFA voltou a homenageá-lo, em 1994, quatro anos após sua morte, batizando com seu nome o prêmio dado oficialmente ao melhor goleiro de uma Copa. O troféu Lev Yashin seria posteriormente renomeado para Luva de Ouro.

Carlos Alberto Torres – o “Capita”

Carlos Alberto Torres nasceu Rio de Janeiro, a 17 de julho de 1944 e faleceu no Rio de Janeiro, a 25 de outubro de 2016. Em sua longa carreira, atuou como lateral-direito, tendo sido um dos símbolos do clássico futebol brasileiro, eternizado pela conquista do tricampeonato mundial no Copa do mundo de 1970 no México.

Considerado um dos maiores jogadores da história em sua posição, ele foi o capitão da Seleção Brasileira que ganhou a Copa do Mundo FIFA de 1970, no México, ficando conhecido como o Capitão do Tri. No que diz respeito aos clubes, Carlos Alberto jogou por Fluminense, Botafogo, Flamengo, California Surf, Santos e New York Cosmos. Ele foi o companheiro de Pelé nos últimos dois clubes.

Carioca de Vila da Penha, Carlos Alberto foi revelado pelo Fluminense, sendo medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1963, disputados em São Paulo, e foi campeão do Campeonato Carioca de 1964. Logo depois, se transferiria para o Santos.

Quando Carlos Alberto chegou na Vila Belmiro em 1965, o Santos atravessava o seu apogeu, com conquistas como o bicampeonato da Copa Libertadores da América e do Mundial de Clubes.

Muitos cronistas dizem que foi um dos maiores laterais-direitos de todos os tempos. Tinha habilidade, respeito dos companheiros e, como uma de suas características principais, uma forte personalidade.

Don Elias Figueroa

Elías Ricardo Figueroa Brander nasceu em Valparaíso, a 25 de outubro de 1946, é um ex-jogador de futebol chileno.

Considerado o maior jogador chileno de todos os tempos, também foi eleito o melhor zagueiro da Copa de 1974. Jogou na década de 1970, e para muitos é o maior zagueiro de futebol da história. Seu lema era: “A grande área é minha casa. Aqui só entra quem eu quero.”

Figueroa chegou ao Internacional em novembro de 1971. Antes, havia jogado pelo Wanderers, do Chile, Unión La Calera e Peñarol, do Uruguai. Foi também jogador da Seleção Chilena de Futebol.

Vestindo a camisa colorada, Figueroa fez 26 gols em 336 jogos, sendo ao lado de Índio o zagueiro que mais fez gols pelo clube. Foi hexacampeão gaúcho (71/72/73/74/75/76) e bicampeão brasileiro (1975/76). Disputou 17 clássicos Grenal, tendo perdido apenas um e nunca foi expulso ao longo de sua carreira.

Figueroa, quando ainda atuava no Peñarol foi considerado duas vezes melhor jogador da América, no Internacional duas vezes melhor central da América. Isto significa dizer: 6 vezes melhor central da América, 4 vezes melhor central do mundo e 2 vezes melhor jogador do mundo.

Daniel Passarella

Daniel Alberto Passarella nasceu em Chacabuco, a 25 de maio de 1953. É um ex-futebolista argentino que também exerceu a função de técnico. Considerado o melhor zagueiro produzido pelo futebol argentino.

Celebrizou-se como jogador, onde atuava na posição de zagueiro. Apesar da estatura considerada baixa para a posição (1,76 m), sabia cobrir a defesa de suas equipes devido à sua grande impulsão. Seu forte jogo aéreo também lhe possibilitou marcar muitos gols de cabeça, além de precisas cobranças de falta. É o segundo zagueiro que mais fez gols na história (está atrás apenas de Ronald Koeman), tendo marcado vinte e dois pela Argentina, noventa e nove pelo River Plate e trinta e cinco no duro futebol italiano. Passarella também era veloz, cobrava faltas muito bem, era ótimo no desarme e realizava lançamentos longos precisos para contra-ataques. Além de ser o único jogador bicampeão mundial da Seleção Argentina (estava nos elencos das Copas do Mundo de 1978, erguida por ele como capitão, e 1986), é também bastante identificado com o River Plate, onde atuou nove anos como jogador, seis como treinador e é o atual presidente.

A maestria na defesa, onde também atuaria como líbero, o fato de ter sido capitão campeão de uma Copa em casa e de treinar seu país lhe renderia comparações com Franz Beckenbauer. Posteriormente, como o alemão, tornou-se também presidente do clube onde se notabilizou.

Nilton Santos

Nílton dos Santos, mais conhecido como Nílton Santos nasceu no Rio de Janeiro, a 16 de maio de 1925, e faleceu no Rio de Janeiro, a 27 de novembro de 2013. Em 2000, foi eleito pela FIFA como o melhor lateral-esquerdo de todos os tempos.

Integrou o plantel da seleção brasileira nos campeonatos mundiais de 1950, 1954, 1958 e 1962, tendo sido bicampeão nas duas últimas.

Foi chamado de “A Enciclopédia” por causa dos conhecimentos sobre o futebol e por ser completo como jogador, foi o precursor em arriscar subidas ao ataque através da lateral do campo. Revolucionou a posição de lateral-esquerdo, utilizando-se de sua versatilidade ao defender e atacar, inclusive marcando gols, numa época do futebol que apenas tinha a função defensiva.

Nascido e criado na Ilha do Governador, foi descoberto por um oficial da Aeronáutica enquanto cumpria serviço militar. Levado para jogar no Botafogo em 1948, somente deixou General Severiano em 1964 quando abandonou os gramados. Vestiu apenas duas camisas ao longo de sua carreira: a do Botafogo e da seleção brasileira. Sua estreia com a camisa do clube da estrela solitária aconteceu contra o América Mineiro. No campeonato carioca de 1948, disputou seu primeiro jogo contra o Canto do Rio em Caio Martins. O Botafogo venceu de 4 a 2. O Alvinegro de General Severiano foi o campeão carioca de 1948. Obs: no primeiro jogo do carioca contra o São Cristóvão quem atuou pela equipe principal foi Nílton Barbosa.

Nílton Santos atuou sua carreira toda no Botafogo. Onde conquistou por quatro vezes o campeonato estadual (1948, 1957, 1961 e 1962), além do Torneio Internacional de Paris em 1963 – além de vários outros títulos internacionais. Nílton Santos participou de 718 partidas pelo clube sendo o recordista e marcou onze gols entre 1948 e 1964.

Franz Beckenbauer

Franz Anton Beckenbauer, mais conhecido como Beckenbauer, nasceu em Munique, a 11 de setembro de 1945. Foi presidente do Bayern Munique e presidente da Bayern Munique FC AG, clube com o qual tem sua história entrelaçada. Sua alcunha é der Kaiser (“O Imperador”, em alemão). Com a seleção alemã (da então Alemanha Ocidental), foi campeão mundial como jogador (em 1974) e técnico (1990), sendo um dos dois únicos a ter a marca, ao lado do brasileiro Mário Jorge Lobo Zagallo. É considerado pela maioria dos especialistas como o maior líbero da história do futebol, tendo ganho todos os títulos possíveis que um atleta futebolístico pode vencer na carreira, dentre eles: Champions League, Copa do Mundo, Eurocopa e a Bola de Ouro.

Nascido na Baviera, ingressou aos 14 anos nos juvenis do Bayern Munique, então um clube pequeno da Alemanha. Na infância, também jogava tênis, tornando-se amigo de Sepp Maier, com quem praticava o esporte. Maier foi convencido relutantemente por Beckenbauer a também jogar futebol, “mais fácil”, segundo o futuro Kaiser, que inclusive indicou a melhor posição para o amigo, que não tanta habilidade com os pés: goleiro.[1] Convencer Maier, que também foi para o Bayern, não foi tão difícil para quem já havia peitado o próprio pai, que, aposentado devido a ferimentos que sofrera na Segunda Guerra, não gostava que Beckenbauer utilizasse o único par de sapatos que possuía para jogar futebol.

Didi – o Mestre

Valdir Pereira, mais conhecido como Didi, nasceu em Campos dos Goytacazes, a 8 de outubro de 1928, e faleceu no Rio de Janeiro, a 12 de maio de 2001. Foi um futebolista brasileiro, bicampeão mundial pela Seleção Brasileira nas Copas de 1958 e 1962, que atuava como meia.

Eleito o melhor jogador da Copa de 1958, quando a imprensa europeia o chamou de “Mr. Football” (“Senhor Futebol”), Didi foi um dos maiores e mais elegantes meio-campistas da história e é um dos maiores ídolos da história dos rivais cariocas Botafogo e Fluminense.

“O Principe Etíope” era seu apelido, dado por Nelson Rodrigues (ilustre dramaturgo e torcedor fanático do Fluminense Football Club). Com classe e categoria, foi um dos maiores médios volantes de todos os tempos, um dos líderes do Fluminense entre o final da década de 1940 a meados da década de 1950 e também do Botafogo, após isso, além de possuir o mérito de ter criado a “folha seca”. Esta técnica consistia em bater na bola, com o lado externo do pé, de modo faze-la girar sobre si mesma e modificar sua trajetória. Ela tem esse nome pois esse estilo de cobrar falta que dava à bola um efeito inesperado, semelhante ao de uma folha caindo, fugia do esperado. O lance ficou famoso quando Didi marcou um gol de falta nesse estilo contra a Seleção do Peru, nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1958.

Na Copa do Mundo de 1970 seria o técnico da Seleção do Peru (classificando o país para a sua primeira Copa desde a de 1930) na derrota para a Seleção Brasileira por 4 a 2.

No Fluminense, Didi jogou entre 1949 e 1956, clube pelo qual jogou mais tempo sem interrupções, tendo realizado 298 partidas e feito 91 gols, sendo um dos grandes responsáveis pela conquista do Campeonato Carioca de 1951, além de ter feito o primeiro gol da história do Maracanã pela Seleção Carioca em 1950, defendendo o seu clube do coração, e de ter liderado a Seleção Brasileira na conquista do Campeonato Pan-Americano de Futebol, disputado no Chile, na primeira conquista relevante da Seleção Brasileira no exterior, tendo jogado ao lado de Castilho, Waldo, Telê Santana, Orlando Pingo de Ouro, Altair e Pinheiro, entre outros.

Puskas – o húngaro mágico da bola

Ferenc Puskás Biró nasceu em Budapeste, a 1 de abril de 1927, e faleceu em Budapeste, a 17 de novembro de 2006. É considerado o maior futebolista da história do futebol húngaro e um dos maiores futebolistas de todos os tempos. Defendeu também a Seleção Espanhola.

O seu nome de batismo era Ferenc Purczeld Biró (Purczeld Biró Ferenc, no padrão húngaro).

Puskás celebrizou-se como o líder da Seleção Húngara que fez história na primeira metade da década de 1950, quando seu elenco ficou conhecido como “os mágicos magiares”. O país ficou quatro anos invicto, ganhando a medalha de ouro do futebol nos Jogos Olímpicos de Verão de 1952 e terminando a Copa do Mundo de 1954 vice-campeão, embora seja considerado indubitavelmente a melhor equipa deste torneio. Paralelamente, era o líder natural do clube que servia de base para aquele selecionado, o Honvéd. Seus 84 gols em 85 jogos pela Hungria fazem-no o maior artilheiro da seleção magiar; foi por muito tempo o maior goleador de uma seleção, recorde batido pelo iraniano Ali Daei.

Puskás, que tinha a patente de major (daí seu apelido Major Galopante), tem uma marca de gols excepcional por seu país, 84 em 85 jogos. Dono de habilidade precisa para passes e dribles curtos e secos, além de um primoroso chute de esquerda, era um jogador cerebral. Em comparação com outros jogadores da época, era considerado gordo e baixo. Colocava brilhantina nos cabelos negros e penteava-os para trás.

Maior futebolista húngaro de sempre, entrou para a história do esporte também por seus feitos pelo Real Madrid no final daquela década e início da seguinte. É também um dos poucos a terem jogado Copas do Mundo por dois países: participou da de 1962 competindo pela Espanha. De acordo com a FIFA, Puskás é um dos cinco a terem jogado Copas do Mundo por dois países considerados diferentes pela entidade, ao lado de Luis Monti (que jogou a de 1930 pela Argentina e a de 1934 pela Itália), José Santamaría (que jogou a de 1954 pelo Uruguai e a de 1962 pela Espanha), José João “Mazzola” Altafini (que jogou a de 1958 pelo Brasil e a de 1962 pela Itália) e Robert Prosinečki (que jogou a de 1990 pela Iugoslávia e as de 1998 e 2002 pela Croácia

Garrincha – Alegria do Povo

Manuel Francisco dos Santos, o Mané Garrincha ou simplesmente Garrincha nasceu em Magé, a 28 de outubro de 1933, e faleceu no Rio de Janeiro, a 20 de janeiro de 1983, foi um futebolista brasileiro que se notabilizou por seus dribles desconcertantes apesar do fato de ter suas pernas tortas. É considerado por muitos o maior jogador de futebol de todos os tempos e o mais célebre ponta-direita da história do futebol. No auge de sua carreira, passou a assinar Manuel dos Santos, em homenagem a um tio homônimo, que muito o ajudou. Garrincha também é amplamente considerado como o maior driblador da história do futebol.

Garrincha, “O Anjo de Pernas Tortas”, foi um dos principais jogadores das conquistas da Copa do Mundo de 1958 e, principalmente, da Copa do Mundo de 1962 quando, após a contusão de Pelé, se tornou o principal jogador do time brasileiro. Morreu em 1983, aos 49 anos, em decorrência do alcoolismo.

Di Stéfano

Alfredo Stéfano Di Stéfano Laulhé, nasceu em Buenos Aires, 4 de julho de 1926 e faleceu em Madrid, a 7 de julho de 2014, foi um futebolista e treinador argentino, que, além de ter jogado pela Seleção Argentina, jogou também pela Seleção Espanhola. É considerado um dos maiores futebolistas de todos os tempos.

Era considerado um jogador brilhante, um dos melhores de todos os tempos para a imprensa mundial. Sua velocidade e a cor dos cabelos lhe renderiam a alcunha de “La Saeta Rubia” (“A Flecha Loira”). Foi de 2000 a 2014 o presidente honorário do Real Madrid, clube cuja história de sucesso confunde-se com a dele: foi com ele em campo que o Real tornou-se o maior vencedor da cidade de Madrid, da Espanha e da Europa. Foi responsável também por alimentar a rivalidade com o Barcelona, que não tinha a mesma expressão. Ele era presidente honorário também da UEFA, desde 2008.

Várias opiniões têm aqueles que foram seus adversários contumazes: Joaquín Peiró, que jogava pelo Atlético de Madrid, afirmou: “Para mim, o número 1 é Di Stéfano. Aqueles que o viram, viram. Aqueles que não o viram, perderam”. Helenio Herrera, técnico do Barcelona, declarou que “se Pelé foi o violinista principal, Di Stéfano foi a orquestra inteira”. Gianni Rivera e Bobby Charlton, que no início de suas carreiras enfrentaram (e perderam) por seus respectivos clubes (Milan e Manchester United) para La Saeta Rubia e o Real Madrid na Taça dos Campeões Europeus, nos anos 1950, disseram respectivamente que “ele nos enlouqueceu” e “foi o jogador mais inteligente que vi jogar e transpirava esforço e coragem. Foi um líder inspirador e um exemplo perfeito para os outros jogadores”.

Pelé – o Rei

Edson Arantes do Nascimento KBE, conhecido como Pelé nasceu em Três Corações, 23 de outubro de 1940, é um ex-futebolista brasileiro que atuava como Meia-Atacante, considerado o maior futebolista da história.

Descoberto por Waldemar de Brito, começou sua carreira no Santos aos 16 anos, entrou na Seleção Brasileira de Futebol aos 16, e venceu sua primeira Copa do Mundo de futebol aos 17. Apesar das numerosas ofertas de clubes europeus, as condições econômicas e as regulações do futebol brasileiro da época beneficiaram o Santos, permitindo-lhes manter Pelé por quase duas décadas no clube até 1974. Com o atleta no elenco, o Santos atingiu seu auge nos anos de 1962 e 1963, em que conquistou os torneios intercontinentais. Em 1975 foi transferido para o New York Cosmos, onde encerrou sua carreira após dois anos nos Estados Unidos. Sua técnica e capacidade atlética natural foram universalmente elogiadas e durante sua carreira, ficou famoso por sua excelente habilidade de drible e passe, ritmo, chute preciso, habilidade de cabecear, e artilharia prolífica. É o maior artilheiro da história da seleção brasileira e o único futebolista a ter feito parte de três equipes campeãs de Copa do Mundo. Em novembro de 2007, a FIFA anunciou sua premiação com a medalha da Copa de 1962 (a qual, devido a uma contusão na segunda partida, teve apenas o primeiro jogo disputado por ele), no qual o jogador Mané Garrincha o substituiu, retroativamente, fazendo dele o único futebolista do mundo a ter três medalhas de Copa do Mundo.

Desde sua aposentadoria em 1977, Pelé tornou-se embaixador mundial do futebol, também tendo passagens pelas artes cênicas e empreendimentos comerciais. É atualmente o Presidente Honorário do New York Cosmos. Pelé é também o único brasileiro (e um dos raros estrangeiros) a receber uma honraria do Reino Unido pelas mãos da Rainha Isabel II no Palácio de Buckingham. Foi condecorado como Cavaleiro Comandante da Mais Excelente Ordem do Império Britânico por promover o futebol e popularizá-lo no mundo. Em 1999, foi eleito o Futebolista do Século pela Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS, na sua sigla em inglês). No mesmo ano, a revista francesa France Football consultou os ex-vencedores do Ballon D’Or para elegê-lo o Futebolista do Século em primeiro. Em sua carreira, no total, marcou 1281 gols em 1363 partidas, número que fez dele o maior artilheiro da história do futebol.

No Brasil, Pelé é saudado como um herói nacional por suas realizações e contribuições ao futebol. Também é conhecido pelo seu apoio a políticas para melhorar as condições sociais dos pobres, tendo inclusive dedicado seu milésimo gol às crianças pobres brasileiras. Durante sua carreira, foi chamado de Rei do Futebol, Rei Pelé, ou simplesmente Rei. Recebeu o título de Atleta do Século de todos os esportes em 15 de maio de 1981, eleito pelo jornal francês L’Equipe. No fim de 1999, o Comitê Olímpico Internacional, após uma votação internacional entre todos os Comitês Olímpicos Nacionais associados, elegeu Pelé o “Atleta do Século” e em 2016, pelas mãos do então presidente Thomas Bach, o condecorou com a Ordem Olímpica, a mais alta condecoração oferecida pelo COI. A FIFA também o elegeu, em 2000, numa votação feita por renomados ex-atletas e ex-treinadores como O Jogador de Futebol do Século XX.


EU E TU

Eu e tu na praia

Lembras de onde vínhamos?

Eu também não lembro. Nos encontramos e caminhamos por aquela avenida longa, aparentemente terminando dentro do mar. Passamos por pessoas que iam na direção contrária à nossa. Eram tantas, essas pessoas, que até imaginamos que algum evento teria terminado – mas, nada termina. Apenas para. E parar não é terminar.
Nós terminamos?

Acho que não. Apenas paramos – faz tempo que paramos.

Mas, continuamos andando. Lá na frente, sem saber onde estávamos, dobramos na direção da brisa do mar. Aquele cheiro que parece ter sabor. Um sabor indecifrável de não sei quê. Era, por assim dizer, um cheiro saboroso – um cheiro provavelmente comível, se fosse servido com esse objetivo.

Demos nossas mãos. Tu ficastes com a minha e eu recebi a tua, carinhosamente. Mão macia, mas forte. Tão forte quanto o teu “não ou o teu sim”. Fortemente palpável e até irremovível – mas eu não queria isso.

Pisamos na areia da praia. Não falamos nada e também não dissemos nada com o nosso silêncio. Nos olhamos, lembro bem. Tiramos os calçados e caminhamos na direção do mar infinito e mil vezes maior que milhões de sonhos e desejos.

O nós, lembro bem – era apenas tu e eu. E havia momento que, sem que quiséssemos, éramos eu e tu. Éramos nós. Dois indivisivelmente sós.

Nos aproximamos daquele ir e vir das ondas. Tu ias na direção da onda, e ela, como se pretendesse se esconder e fugir de ti, ia embora, sumia. Tu voltavas para junto de mim, e ela (a onda) voltava na tua direção. Ficamos ali várias horas – eu e tu. Sim, a onda não fazia parte de nós. Era apenas uma moldura que nos colocava no quadro da vida.

Quando aconteceu a falta de sincronia, aí sim! A onda te encontrou e te derrubou no solo. Te molhou. Te desnudou e tua roupa íntima apareceu. Quase transparente – teu vestido branco comprido, molhado, permitiu o desenho da tua nudez, pois molhara também tua pequena peça íntima. Estavas nua. E a onda, vitoriosa e parecendo sorrir, foi embora mais uma vez.

E por minutos, naquela penumbra celestial, ficamos nós. Tu e eu.

* * *

VDD MENINOS! VC SABE PQ?

Ábaco

Vou te provocar. Quero te provocar. Não com o intuito de te diminuir, menosprezar, ridicularizar – mas, com o objetivo único de te fazer raciocinar e procurar que que, entre o modernismo vago dos dias atuais e o distante passado adjetivado de ultrapassado e retrógrado, existe um vácuo que cabe muitos de você e uma infinita porção de pessoas envelhecidas como eu.

Quando eu “digito” algo no meu PC, o faço com os oito dedos possíveis – os polegares são utilizados na barra de espaços. Foi assim que aprendi com as aulas vespertinas de DACTILOGRAFIA.

A, s, d, f, g ou ç, l, k, j, h.

Claro que isso não faz nenhuma diferença entre nós – pelo menos a minha geração aprendeu o que lhe foi ensinado na escola (e em casa – lugar onde se educa). E a sua, está aprendendo? Tomara esteja!

E qual é a provocação?

Com certeza você não teve no colégio aulas de Canto Orfeônico, Esperanto, Latim, Aritmética, Desenho, Religião, Caligrafia – e ao que parece também não está tendo de Português. Mas, não é essa a provocação.

Você sabe o que é um ÁBACO?

Sabe para que serve?


A LETRA, A CARTA E O CARTEIRO

Caneta-tinteiro da marca Parker

Em qual mundo viveríamos, não fossem os registros através das letras? Será que existiria outro tipo de “comunicação” e outro tipo de informação? Decerto que sim – mas não se deve afirmar de forma categórica.

Por volta de vinte anos atrás, durante uma conferência pública em que o centro da questão era a comunicação, e os rumos que essa estava tomando, um colunista da então renomada revista Veja, do alto da sua profecia, afirmava que, “não demora muito e o impresso (em papel), enquanto forma de comunicação e socialização” se aproximará do fim.

Mereceu pouca atenção, na época da fala. Passados os dias, meses e anos, a tendência é que isso venha realmente acontecer em breve. Mas, a escrita é algo interminável. Não há como olvidar esse fato. Escrever em algo, em qualquer que seja o espaço, é uma forma de vida.

Faz muito tempo – provavelmente no início dos séculos passados – que os homens se preocupam com as letras. Com os números também. O número é uma letra que representa uma quantidade – embora exista ainda nos dias de hoje, quem use os dedos das mãos para contar alguma coisa. Muitos poucos conheceram o ábaco – uma tábua romana usada na contagem dos elementos. Se não estou enganado, hoje, apenas as escolas para deficientes visuais e outros tipos de carências humanas utilizam o ábaco no aprendizado.

Aí chegou a caligrafia. A boa caligrafia – e hoje quem tem boa caligrafia é considerado raridade. Nas escolas foram incluídas na grade curricular, as matérias relacionadas à Caligrafia. Caderno de Caligrafia – era necessário praticar a boa caligrafia, haja vista que, naqueles tempos também os alunos precisavam escrever pequenas partituras musicais, e conhecer “clave do Sol”, dó, ré, mi, fá, sol, lá, si.

E o que é que as escolas ensinam nos dias de hoje?

Numa só lapada, os reformistas da educação retiraram da grade: latim, esperanto, desenho, caligrafia, ospb, aritmética e a matemática e o português já não têm a mesma importância. Nem quem ensina português, sabe a ponto de poder ensinar.

Assim, pode ser que se encontre algum dia, o início da “contaminação” da letra, e por fim, da escrita. Parece que o conferencista da revista Veja tinha razão.

Divisão silábica, nos dias atuais? O que é isso? Pra que serve? Soletrar virou atração nas televisão. É o cúmulo!

Tem muita gente que diz “trabalhar com a educação”, que está tentando oficializar a forma “moderna” de escrever em celulares: verdade virou vdd; por que, agora é pq; não passou a ser apenas n; sem contar que talvez virou tvz.

Vejam a maravilha de caligrafia abaixo. Parece desenho intencional.

Caligrafia – a prática constante levava ao bom resultado

A geração que continua passando e já conseguiu ultrapassar a barreira dos 50, nunca tirou da cabeça que, “estudar e conquistar boas notas na escola” não tem um milímetro menos que obrigação. Nunca isso (o ser aprovado e conquistar espaços por conta da escola) foi visto como motivo de premiação. Passar num concurso, para quem vive de estudar – é obrigação e uma mera formalidade. Não deveria ser diferente na escola.

O máximo de premiação (ou, com sentido de incentivo) que se recebia – e muitas vezes até da própria escola, era o primeiro lugar da turma, ao final do ano: uma caneta-tinteiro da marca Parker. E significava o máximo, quando essa caneta vinha com o nome do felizardo gravado. Era um marco quase histórico.

As cartas sempre chegaram e disseram sim ou não

A letra, cujo conjunto forma a escrita, escritura, relatório, ata e outras tantas definições, também forma a carta. A carta pode ser um documento válido em qualquer situação, mas, entre nós brasileiros, é vista mais pelo lado sentimental: cartas de amor ou carta familiar. Tem algum significado de distância material – mas uma proximidade acentuada de sentimentos.

A carta é uma escrita, no Brasil, tradicionalmente “entregue” pelo Carteiro – um profissional que nos liga na maioria das vezes às boas coisas. Aos bons avisos e às significativas alvíssaras.

Em alguns países do Oriente, o Carteiro é um indivíduo respeitado – precisa até ser “aprovado” por algumas comunidades, como se “eleito” fosse para carregar tantas responsabilidades.

No Brasil, esse “profissional” trabalha sem qualquer conforto e reconhecimento. Ao chegar para entregar cartas e/ou documentos, é instigado até pelo cachorro, ainda que traga boas notícias.

O carteiro

Faz parte do leque de bons filmes que assistimos, “O carteiro e o poeta” – filme dirigido por Michael Radford, uma espécie de homenagem ao poeta Pablo Neruda. Esse filme ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora Original, a partir da composição assinada por Luís Henrique Bacalov e Francisco Canaro.


CABELOS BRANCOS

Seu Domingos – cabelos e bigodes brancos

O bairro tinha uma denominação elogiável: Bela Vista. Ficava na periferia de Fortaleza. Hoje, pelo crescimento demográfico, com a população praticamente dobrando, a distância para o centro da cidade diminuiu bastante – pela velocidade dos veículos, pela qualidade das vias e pelas várias opções do transporte urbano.

Pois, na Bela Vista havia um local que poucos não conheciam e muito menos não sabiam onde ficava. Era a bodega do Moreira. Francisco de Alencar Moreira, comerciante que não aceitava a adjetivação, naquele tempo considerada moderna. Preferia era “bodegueiro” mesmo.

Moreira vendia de tudo na bodega. Do carvão (desde o tempo em que o gás butano não era parte do orçamento familiar da grande maioria), passando pelo pão, feijão e outros secos e molhados, até chegar na cachaça.

Em local destacado e apropriadamente visível, pendurou uma placa: “Não vendo fiado. Só se o freguês estiver acompanhado do avô”.

A Bela Vista não conhecia “desemprego”. Ali, quase todos os moradores trabalhavam ou faziam algo considerado trabalho, e fórmula para ganhar alguns caraminguás.

Houve um tempo (e quem tem mais de 60 anos sabe disso) em que, o de comer diário precisava ser comprado todo dia.

Dona Ceci era uma dona de casa esperta, inteligência aguçada, e para não fugir do que determinava a placa afixada na bodega do Moreira, todo dia mandava Dirceu (o filho) comprar o “dicumê”, fiado. Dirceu andava alguns metros até a bodega, e a tiracolo levava “Seu Domingos”, o avô.

– Seu Moreira, mamãe mandou comprar fiado: feijão, arroz, farinha, tripa de porco salgada, pó de café, açúcar, colorau e banha de porco. E mandou dizer para não anotar no caderno. Eu trouxe o meu Avô!

Reclamar do que e como?

A encomenda consistia em: meio quilo de feijão de corda, meio quilo de arroz, um quilo de farinha seca, meio quilo de tripa de porco, 200 gramas de pó de café, um quilo de açúcar, duas colheres de colorau e 100 gramas de banha de porco. Tudo atendido e anotado no caderno.

– Seu Domingos, falta o senhor afiançar!

Com muito sacrifício e dores, Seu Domingos “arrancava” dois cabelos brancos dos bigodes e os entrega à Moreira. Pronto. Estava ali a garantia de que o fiado seria pago.

Mas, nem se animem e pouco se decepcionem. Isso acontecia lá pelos anos 50, quase chegando aos 60. Era no tempo em que, além de honrar os cabelos brancos, o “homem” tinha honra e presava por ela. Honrava a família e a sua história, sem estória nenhuma vivida. O homem tinha vergonha na cara.

Mas, nos dias atuais, o modernismo ia passando e freou. Estancou. Abancou-se. Apeou e para ser mais sertanejo como na roça onde nasci, “atamboretou-se” e está esperando que o café seja servido.

Reparem – em quase todos, exceção aos carecas – nos cabelos dos personagens envolvidos, ou, pelo menos denunciados como tal por quem vive de investigar (e eu não quero me dar o direito de, como outros, dizer que é mentira ou perseguição política). Todos de cabelos brancos. Todos com excelentes salários adjudicados pelos bons empregos. Aparentemente (embora os atos indiquem o contrário), todos com famílias constituídas – e nem por isso com inteligência e respeito por elas.

Para esses, pelo que vê nos noticiários das televisões, Seu Moreira, o da bodega da Bela Vista, não venderia fiado nem que estivessem acompanhados dos tetravós. Os cabelos brancos desses não valem nada, e ainda lhes falta vergonha nas caras e olhos remelentos.


O PEBA DO MALAQUIAS E A LAGOSTA DO ALFREDO

Peba preparado na casa de Malaquias

Volto a focar o assunto das relembranças, e reviver as coisas boas que me fizeram bem. Começo dizendo para alguns, que, Pedreiras, cidade onde nasceu o poeta João do Vale, é no Maranhão. Andei pesquisando sobre o assunto e cheguei a visitar o lugar.

Em Pedreiras existiam dois povoados com nomes interessantes, engraçados e misteriosos: Pedras Verdes e Centro dos Doidos, mas o que mais chamava a atenção de muitos era Lago da Onça. Pedras Verdes foi o primeiro nome de Pedreiras, antes da emancipação. Ali, dizem, era moradia de uma antiga tribo indígena, onde descobriram “ametista” com coloração esverdeada. Passaram a chamar o povoado de “Pedras Verdes” e, entre essas, escolheram uma maior de todas – que passaram a considerar “sagrada”. E Pedras Verdes virou Pedreiras e, mais tarde, com a quase extinção da tribo indígena, foi emancipada.

Centro dos Doidos hoje tem o nome de Alegria (o povoado ficava muito distante da sede, Pedreiras – o que ensejou a que o povo passasse a dizer que, só morava naquele povoado, quem era doido). E foi no Lago da Onça que João do Vale conheceu “Seu Malaquias”, que acabaria virando personagem e letra de um dos sucessos do “Homem do século no Maranhão”.

Peba, teiú, camaleão (iguana), veado, porco do mato, mucura, rolinha, jaçanã, avoante e tantos outros “bichinhos” silvestres, que muitos comem nos interiores – com maior ênfase no Nordeste – são comidos como meio de sobrevivência. Muitas vezes, é a única coisa que o sertanejo e sofredor homem da roça consegue “pegar” para comer. Nada disso é comido por “maldade”.

Deixando essa reflexão de lado, se você nunca comeu peba (tatu), tenha certeza que, bem preparado por quem sabe fazer isso, você está perdendo um delicioso prato da “culinária da necessidade” do Nordeste.

Lagosta com iscas de figo e batatinhas

Eu era um solteiro namorador – iniciante na arte da vida. Ano de 1965, para ser mais preciso. Já trabalhava como Teletipista na The Western Telegraph quando resolvi acrescentar alguma coisa à minha renda, pois estava me preparando para casar, o que acabou não acontecendo.

Fiz o curso de Árbitro de Futebol pela Federação Cearense de Desportos, então presidida pelo General da Reserva Remunerada, Aldenor da Silva Maia. O professor do curso foi Alzir Brilhante, Árbitro conhecido nas regiões Norte e Nordeste. Dois meses após a conclusão desse curso, ascendi ao Quadro A, que, naquela época era também o principal.

Logo fui escalado para arbitrar uma partida noturna no Estádio Presidente Vargas. Foi a minha estreia na nova carreira. Foi um bom trabalho e fui elogiado, inclusive pelo próprio Alzir Brilhante. Terminado o jogo, fui à Tesouraria e lá estava à minha disposição, o valor correspondente ao pagamento da cota da Arbitragem.

Um dinheirão para um iniciante como eu. R$2.000,00 (naquela época não lembro bem se a moeda vigente era o cruzeiro ou o cruzado). Uma excelente cota. Naquele tempo, mais que meu salário, também excelente, na própria Western.

Resolvi me premiar com o meu sucesso inicial. A Beira-Mar de Fortaleza estava muito distante de ser o ponto de atrações turísticas de hoje. Na orla, mais propriamente na Praia do Meireles, ficava o restaurante do “Alfredo – O Rei da Peixada”. Peguei o cardápio, e sem noção da quantidade de comida, pedi: Cavala ao molho de camarão; e uma Lagosta à moda da casa.

O garçom me perguntou se podia servir tão logo ficasse pronto, ou se eu ia esperar meus convidados. Disse à ele que não haveria convidados – como ele ganhava por comissão de vendas, não me disse mais nada. Era comida para um mínimo de quatro pessoas.

Para não me sentir no prejuízo – mas, satisfeito! – comi parte da cavala e a lagosta inteira. Cheguei em casa pelo início da madrugada, e tive dificuldades para dormir. Comi além da necessário. Faz tempo não faço essas extravagâncias.


EXPEDITO BARBEIRO – O FILATÉLICO

Eu gosto de escrever sobre o passado – eu não me envergonho do que passei nem do que vivi e trabalhei para vencer os obstáculos. Saudade não vai me matar – nunca fiz nada de que não possa me orgulhar.

Assim, de novo estou relembrando as boas coisas da vida (a minha) e do que é positivo e vale sempre a pena lembrar. Hoje quero falar desse profissional que, mude quem mudar, e chegue a forma de vida que chegar, continuará ali, de pé, trabalhando para ganhar a vida e o sustento da família: o barbeiro.

E aí me veio à lembrança o “Expedito Barbeiro”, que não era o único do bairro, mas tinha hábitos que prendiam o freguês sentado por horas e horas – quando cortava o cabelo e raspava a barba.

Por anos Expedito trabalhava numa cadeira assim – a Ferrante

Conversador extremo, fofoqueiro de marca maior, e muito convencido. Assim era Expedito Barbeiro, que, durante anos virou referência para muitos.

Onde você mora?

– Na primeira rua depois do Expedito Barbeiro!

Onde fica a Farmácia São José?

– Na mesma rua do Expedito Barbeiro!

Muito atencioso com todo freguês, Expedito fazia questão de entreter o dito cujo contando estórias as mais diversas (e muitas até inventadas). Aos sábados trabalhava até tarde da noite. Vestia uma única roupa: calças e camisa social branca. Calça de linho branco. Usava óculos Ray-ban, sempre. Fumava feito uma caipora. Dizia que pagava promessa feita para Santo Expedito.

Tinha dois hábitos (hoje chamados de “hobby”) dos quais se orgulhava muito. Era filatélico, e parte do que ganhava e sobrava – quando sobrava – comprava selos. Colecionava selos. Selos valiosos do Brasil e do exterior. Comprou um cofre apenas para guardar as pastas com os selos, e guardava o segredo do cofre como se nele estivessem contidas barras de ouro.

O outro hábito: colecionava charges do “Amigo da Onça” (criado por Péricles), que retirava da revista semana O Cruzeiro. Chegou a mandar reproduzir uma charge do Amigo da Onça, onde esse aparecia trabalhando como barbeiro.

Expedito só bebia conhaque São João da Barra “queimado” (ou pingado, como dizem alguns) e só fazia isso aos domingos, depois que despachava o último cliente.

Navalha Solingen “Corneta” – marca preferida de Expedito

Era gostoso observar Expedido Barbeiro afiando a navalha numa peça de couro montada sobre uma peça de raiz muito leve. Com a navalha afiada e sem as exigências atuais, Expedito se orgulhava de nunca ter “cortado” ninguém enquanto raspava as barbas.

Era um mestre no cortar o cabelo dos clientes, e melhor ainda em satisfaze-los. Servia café aos que estavam na “fila” esperando a vez de serem atendidos. Fornecia revistas e jornais para ajudar a passar o tempo da espera.

Anos depois de sair definitivamente de Fortaleza, voltei à casa onde morei. Ainda encontrei alguns amigos dos tempos da juventude, moradores da Rua Professor Costa Mendes, no bairro Porangabuçu. Perguntei por Expedito e ninguém respondeu. Ninguém soube de nada, mas muitos achavam que Expedito Barbeiro sumiu como éter. Talvez tenha sumido junto com as charges do Amigo da Onça, com quem, aliás, ele parecia muito.

Água Velva pós barba – a preferida de Expedito Barbeiro

– Pronto! Você está um homem novo!

Era assim que Expedito falava quando terminava de atender seus clientes, principalmente os que faziam cabelo e barba. Esperto, o barbeiro fazia firulas ao terminar de atender alguém. Pegava uma chave, que ele sabia onde guardava, mas fazia questão de procurar, para tentar mostrar que o cliente era importante.

Pegava a chave e meticulosamente abria um armário, de onde retirava um frasco de Água Velva, uma loção pós-barba que costumava usar para agradar a clientela.

E dizia:

– Novo e cheiroso e pode até ir para a igreja casar!


SAUDADE DE TER FÉRIAS

Antigo despertador – tá na hora de levantar e ir pra escola

Hoje, domingo, dia 18 de junho. Faltam apenas 12 dias para terminar o mês. Desses 12 dias, quatro não são considerados úteis – dois domingos (18 e 25), um sábado (24) e um feriado santificado em alguns estados: 29, dia dedicado à São Pedro.

Lembro que, se eu ainda estivesse na escola, no curso primário, teria mais 9 dias de aulas – mas a última semana, de 26 a 30 tínhamos apenas as provas. Provas do meio do ano. Antes de entrarmos de férias.

No dia primeiro de julho, pernas pra que te quero – a caminho do interior, da vida pacata, do ouvir o galo cantar na madrugada e do viver em silêncio quase profundo a ponto de se poder escutar o bater de asas dos pássaros.

E aí transfiro um pouco de inveja da vida de Joãozinho Berto, que vai ficar um pouco aliviado do cântico dos pardais no parapeito da janela do quarto onde forme e viajar para Palmares, onde certamente dormirá a tarde toda balançando numa rede armada no alpendre. Vida de quem pode. Noutra rede também armada, Luiz Berto balança, coçando frieira entre os dedos na beirada da rede enquanto peida mais que jumenta carregando peso.

Além da cama o colchão também era de molas

Na minha infância o quarto ficava quase sempre nos fundos da casa e tinha uma janela. Minha santa mãe colocava a minha cama ao lado da janela. Isso tinha um objetivo: evitar que os irmãos mais velhos que tinham o hábito de chegar tarde, pulassem a janela para entrar em casa. Ela tinha que saber a hora que cada um chegava. Anos depois, eu mesmo era quem pulava a janela. Coisas de jovens – diferentes dos jovens de hoje.

Mas, a lembrança bate de volta e nos faz sentir saudades da cama com “estrado” de molas. O colchão também de molas, garantia um sono mais que tranquilo e reparador – mas, quando o despertador tocava, não adiantava fazer que estava dormindo. Tinha que levantar com toalha, saboneteira com sabonete e escola com creme dental. Melhor que isso: o café com pão passado manteiga ou cuscuz de milho estavam pronto e servidos à mesa. Coisas das mães de antigamente.

O jornaleiro não vendia – só entregava e o patrão recebia depois

Por vários anos era assim no bairro onde cresci e morei: meu pai recebia jornal diariamente. Três jornais: Correio do Ceará, Unitário e O Povo. Não tinha assinatura formal, mas pagava religiosamente dois jornais a cada final de mês: o Correio do Ceará e O Povo. O Unitário, da mesma empresa (Diários Associados) que editava também o Correio, fazia uma cortesia como se assinatura também fosse. Mas, a foto do garoto jornaleiro não é da minha cidade nem do meu bairro.

Meu pai não saía de casa para o trabalho (Fiscal Fazendário – nos últimos anos de vida, depois de ter sido Professor por anos à fio) sem ler os três jornais. Fazia alguns recortes de algo que lhe interessava e guardava em coleção. Nunca conseguimos descobrir do que se tratava. Colecionava também a revista semanal O Cruzeiro, e dela recortava a charge do Amigo da Onça do fenomenal Péricles.

Coisas dos tempos que, com certeza, não voltarão jamais.


O BRASIL É UM PAÍS? COMO É E COMO VIVE SUA GENTE?

Se tomarmos por base analítica os últimos 15 anos e compararmos os avanços sociais que aconteceram no Brasil, tendo como parâmetro o custeio financeiro e o desgaste moral de tudo que aconteceu, ao final veremos que não evoluímos em praticamente nada.

O Brasil enfrenta hoje uma crise moral. Falta de credibilidade, dívida interna, saúde e educação capengas apesar do absurdo de milhares de milhões que saem dos cofres via arrecadação e são transformados não se sabe em que.

A corrupção fincou pé e está institucionalizada. Como disse algum dia Ruy Barbosa, diante de tanta desfaçatez e de tanta roubalheira, é crescente o número de pessoas que sentem vergonha de se dizerem honestas.

I

Faz tempo que estudei Geografia – na época, dividida em Geografia Geral e Geografia do Brasil, ambas tratadas por Aroldo de Azevedo (Aroldo Edgard de Azevedo) um dos melhores professores daqueles tempos. A Geografia do Brasil tratava dos relevos, rios, estados e demais riquezas e acidentes geográficos da nossa terra. A Geografia Geral, além dos demais países, tratava também de muita coisa que já não é a mesa nos dias de hoje.

Mas, se fizermos uma impossível “salada” com tudo que é nosso (ainda) de que tratava Aroldo de Azevedo, caberá fazermos uma pergunta: “que País é realmente o Brasil, em todos os aspectos sociais num somatório com a Geografia?

Quando aqui chegaram os descobridores, os livros narram que apenas os índios ocupavam as terras, que mais tarde chegariam escravos procedentes da África via Oceano Atlântico – e, finalmente chegariam degredados europeus da pior espécie, somando para a “salada” que acima nos referimos. Hoje percebe-se que essa “salada” não tem bons legumes nem boas verduras e muito menos boas frutas.

Somos hoje, isso sim, um país de merdas. Merdinhas. Insignificantes. E, dizem, com um forte contingente de ladravazes que cultivam primeiro para si a abrasileirada “Lei de Gerson”.

Estamos no mato, perdidos, e até o cachorro vira-latas que nos seguia já foi roubado – provavelmente para fazer linguiça ou para incluir no item de exportação para o Oriente. O PIB tem que subir, custe o que custar.

Que país (além do Brasil, claro) deste planeta resistiria a tantos desmandos e a tanta roubalheira durante tantos anos?

Vejamos: tem quem afirme que, na última Copa do Mundo de Futebol, realizada no Brasil, ao sofrermos uma goleada de 7 a 1 para a Alemanha, teria havido mutretagem. Se houve, quem lucrou com a nossa vergonha? Ainda no futebol, o que justifica a construção das arenas de Manaus e Mato Grosso a partir do estágio zero e, por que a arena do Atlético/PR foi destruída para, no mesmo local ser erigida outra?

Não nos cabe acusar esse ou aquele, e aprendemos que devemos respeitar nossas instituições – principalmente quando não temos elementos que nos autorizem achincalhar.

A foto nem precisa de legenda – independentemente de que país seja

É preocupante que, no rol do que se critica tanto e da forma mais escancarada possível, esteja o poder judiciário. O cidadão brasileiro tem, literalmente e todos os dias, “caído de pau” no poder judiciário, acusando de abrir os olhos além da conta para uns e fechando para outros tantos.

Estranho, também que, até briga de galo ou sexo dos anjos tenha que ser decidido pelo STF, quando nos parece que nem haveria necessidade disso. Também estranhamente, circulam afirmações nas redes sociais, dando conta que alguns ministros do STF dão mais entrevistas que Messi, Cristiano Ronaldo, Tite, ou muitos jogadores da NBA. Dizem também, que, em muitos países, nem se sabe se existe a Suprema Corte ou quem são os seus componentes. Mas aqui é Brasil e Brasil não é um país deste planeta.

II

Segundo dados que parecem oficiais, a quantidade de desempregados no Brasil, após a crise eclodida a partir dos últimos anos do governo Dilma (onde, recorrentemente se pensou mais em benefícios de projetos sociais), já ultrapassou os 14 milhões de brasileiros sem carteira profissional assinada.

O desemprego cresce. Mas, paralelamente, o desemprego é acompanhado pela falta de uma qualificação adequada em quase todos os setores da sociedade. Cada vez mais se exige qualificação mas, ainda assim o desemprego aumenta à proporção que o tempo passa.

A foto mostra o desnível entre o profissional e o que ele faz

III

Nesse item o Brasil ocupa posição privilegiada

Pode até não ser nenhum mérito, mas podemos afirmar que também não é demérito. Enquanto patina no quesito credibilidade, na transparência, na indecência da educação e da saúde pública – no quesito mulher, o Brasil ocupa posição destacada. E é com mulher como essa que a foto mostra que definitivamente esquecemos o crescente número de homossexuais que ainda não provaram carne desse nível. Pior para eles e melhor para quem gosta.


A CAMPAINHA PASSERIFORME

Xexéu – o pássaro brasileiro que imita tudo

Era uma rua antiga no bairro. Bem antiga e importante, por que servia de parâmetro indicativo para muita gente.

Tipo: fica próximo da Rua Jambeiro!

Era uma referência, inclusive para os carteiros dos Correios. Nessa rua ficava a casa 38. Casa da Dona Amelinha, a mais antiga moradora da rua e do bairro. Chegara ali por volta dos anos 50 e viu progredir várias gerações da sua árvore genealógica e de outras famílias. Seu Gonzaga e Dona Amelinha, era o casal proprietário da casa 38.

Antes que ali chegassem Seu Gonzaga e Dona Amelinha, que vieram da Vila Santa Quitéria, uma espécie de condomínio fechado (nos dias de hoje) e casas contíguas, a Rua Jambeiro fora bastante arborizada e, claro, entre as árvores uma porção de jambeiros. Daí o nome da rua, que, na verdade, era oficialmente denominada de Rua Presidente Prudente de Moraes. Mas o povo resolveu chamar definitivamente de Rua Jambeiro.

Mudar pra quê?

Durante anos, Seu Gonzaga manteve instalada uma campainha afixada na porta frontal da casa, com o objetivo de facilitar o atendimento a quem chegava – devido o tamanho da casa – para alguma visita. Também durante anos, na alameda central que dividia a Rua Jambeiro em duas, existiu um jambeiro que, sem qualquer explicação, produzia mais jambos que os demais. E, também floria mais que o normalmente esperado. Ficava na frente da casa, dividindo a rua, aquele tapete róseo em toda a época da floração.

Eis que, chegou o dia da volta eterna de Seu Gonzaga. Dona Amelinha enviuvara, e, praticamente, passou a morar só, naquele casarão. Os filhos e netos pouco vinham visita-la. Era uma solidão enorme. Não demorou muito, e até o jambeiro secou, envelheceu e quebrou.

Inexplicavelmente, durante anos e quase todos os dias, sempre por volta das 10 horas, a campainha da casa 38 tocava. Tocava repetida e insistentemente. Dona Amelinha levantava da velha cadeira de balanço, caminhava demoradamente para atender o toque da campainha. Abria a porta e não encontrava ninguém.

E, não havia ninguém, mesmo. No telhado da casa, pousado num velho galho seco do antigo jambeiro, um xexéu cantava todo dia, imitando a campainha que, durante anos ouviu tocar a aprendeu. Demorou para Dona Amelinha perceber. Por anos, achava que Seu Gonzaga chegava para leva-la junto.

Feijão com nada

A única panela fazendo a única comida

Chove. Chove? Chove, chuva! Chove sem parar.

Ainda que não chovesse, o sertanejo se “armava” com uma desgastada enxada e, sem pau-de-arara, ônibus, trem, metrô ou vlt, caminhava todo dia para o “escritório roçal”. O objetivo sempre foi produzir. Produzir algo relevante. Produzir muito do que você – que, sem enxada, vai navegando no carro importado, na boa estrada e no ar refrigerado – vai comer. Feijão, batata, aves e carnes.

Não. Isso não é o toma-lá, da-cá. Essa é apenas uma das misturas infames que os ditos humanos impõem uns aos outros: a desigualdade social.

Muitos desses, que produziram e continuarão produzindo o que todos vão comer, ao final da vida terrena são carregados para a última morada numa rede velha rasgada, enquanto outros vão num caixão de ipê transportado numa limusine.

Haverás de perguntar: que diferença faz, se os dois morreram?

Não. Não falamos da morte nem do pós-morte. Falamos do usufruto e da vida que os dois levam antes de caminharem para o jazigo.

E aí esquecemos tudo, e vamos ao feijão. Fava rajada, feijão sempre verde, feijão carioquinha, feijão mulatinho e tantos outros feijões temperados com paio, charque, linguiça calabresa, toucinho, pé de porco, costelinha de porco – mas isso é para você. É na sua mesa.

Aquele que planta, cuida e colhe está mesmo é comendo feijão com nada. Acrescenta apenas o sal – o que já alguma coisa.


ÊÊÊÊ BOIAAADA!

“No lombo do meu boi, tem um céu todo estrelado;
Ferro em brasa não encosta, meu boi é mimoso;
Meu boi é mimado.”

Começam os folguedos do bumba-boi do Maranhão

Desde o último domingo do mês de maio (28), muita coisa mudou no Maranhão. É assim que acontece todo ano, quando tem início a temporada junina, a maior atração turístico-cultural do Estado, aliás (a manifestação), tombada como Patrimônio Cultural do Brasil.

Se não existisse o sol – Boi da Maioba – Uma História de Amor 

“Se não existisse o Sol
Como seria pra Terra se aquecer
Se não existisse o mar
Como seria pra natureza sobreviver?
Se não existisse o luar
O homem viveria na escuridão
Mas como existe tudo isso meu povo
Eu vou guarnicê meu batalhão de novo.”

Numa verdadeira e grande mistura de ritmos – Bumba-boi, com mais de cinco variações orquestrais, Tambor de Crioula, Cacuriá – que iluminam e renovam as praças e terreiros das brincadeiras juninas, São Luís se transforma no maior Centro Cultural Latino-Americano, recebendo centenas de milhares de turistas de todas as regiões brasileiras.

Como a violência urbana também se espraiou Brasil à fora, as brincadeiras ganharam ares cosmopolitas e passaram a se apresentar, também, nas áreas dos shoppings centers espalhados pelos bairros – numa ilusão de que, assim, os dançarinos, brincantes e apreciadores estarão mais seguros.

“Esqueça aqueles momentos felizes que você me deu,
Esqueça aqueles juramentos que fizemos só você e eu,
Esqueça a noite, a madrugada, e a lua que já se perdeu.”

Esqueça – Boi Pirilampo

Índias do Boi Pirilampo em apresentação

De comum acordo e pelo bem da cultura maranhense, nos grandes terreiros, o secular e tradicional Tambor de Crioula antecede às apresentações do Bumba-boi, qualquer que seja o ritmo (orquestra, costa de mão, matraca, pandeirões ou de zabumba).

O Tambor de Crioula é uma dança de origem africana quase sempre praticada por descendentes de negros, que reaviva ainda mais os ritmos e os laços da ancestralidade africana com o Brasil.

Apresentação especial (junina) do Tambor de Crioula do Maranhão

O Cacuriá, ou Cacuriá de Dona Tetê, é uma dança típica do estado do Maranhão. Embora já seja parte constituidora do folclore brasileiro, sua origem não remonta mais do que quarenta anos atrás. Essa dança é apresentada durante a Festa do Divino Espírito Santo da região.

A festa do divino é considerada uma das manifestações culturais mais importantes do Maranhão e, por esse motivo, merece um texto à parte com melhores explicações. No entanto, como o tema desse texto é o Cacuriá, apenas pincelarei alguns fatos para contextualizar essa dança na festa do divino. Trata-se de uma festa que ocorre no dia de Pentecostes, sete semanas após a Páscoa, com a intenção de celebrar o dia em que o Espírito Santo teria descido para encontrar os doze apóstolos.

Muito embora a Festa do Divino pareça uma comemoração cristã, no Maranhão ela é bastante sincrética (mistura popular de diferentes crenças) ao apresentar elementos católicos e de religiões africanas. Durante a festa, várias danças são apresentadas como o Tambor de Crioula e o Carimbó. Após a apresentação do Carimbó, foi introduzido o Cacuriá como uma dança mais profana do que as outras.

Apresentação multicolorida de uma das alas do Cacuriá

Mas, nesse período, não ficam de fora as antigas e tradicionais brincadeiras de Quadrilhas e Danças Portuguesas, Casinhas da Roça e todos os ritmos e tradições que fortalecem a cultura popular maranhense.

Isso, evidentemente, que, sem contar a venda das comidas típicas da época, e as que colocam o Maranhão no top dessas particularidades.


O FRANGO QUE DEMOROU NASCER

A marmita de Simplício

O Rio de Janeiro é uma das melhores cidades brasileiras para se viver. Estudar, trabalhar e viver com muita alegria. Há quem afirme que, “ser carioca” é um estado de espírito – em vez de ser apenas quem nasce no Rio de Janeiro.

É uma cidade bela por natureza. Tem problemas, por que toda cidade brasileira tem problemas mil – também sofre com infraestrutura, com falta d´água, com transporte urbano, e, nos últimos anos, passou a enfrentar muito mais problemas com a segurança pública. Mas, isso, jamais lhe tirará o apelido de “Cidade Maravilhosa”.

Morei no Rio de Janeiro por mais de 25 anos. Ali cheguei, quase que “fugindo” das agruras dos anos de chumbo, inclusive abandonando uma universidade na minha terra de nascimento. Passado, e página virada. Comecei (ou recomecei) do zero, tentando abater um leão por dia. Me adaptei, e passei a usufruir das boas coisas da Cidade Maravilhosa.

Chope lembra Bar Luiz e bolinho de bacalhau do Méier; Angu do Gomes lembra o tempo frio na noite carioca, e a necessidade de dar uma rebatida no “grode”. Samba, feijoada, Copacabana, Maracanã, Teatro Municipal, Teatro João Caetano, Quinta da Boa Vista e Central do Brasil. Muitas livrarias com muitos bons livros. Coisas que a gente não vê nem tem em outras cidades.

Mas, o que de melhor a gente encontra no Rio de Janeiro é a carioquice. A gentileza e a parceria do carioca é algo contagiante, que chama a gente para perto, para brincar, para ser amigo e principalmente para gozar as delícias materiais da cidade.

Por anos morei de aluguel no Rio de Janeiro. Por anos morei na periferia. Por anos carreguei solene e dignamente minha marmita preparada em casa antes de pegar o trem das 5 da manhã, para tentar chegar no trabalho às 8. Um sofrimento que, dividido com outros, se transforma em alegria e resistência. Se transforma em amor pela Cidade Maravilhosa.

Está fresquinho na memória: certo dia, no intervalo para o almoço estávamos todos no refeitório. Marmitas aquecidas na estufa. Uns se preocupavam em orar antes da principal refeição, e outros tinham pressa para comer e aproveitar o tempo (apenas 1 hora de intervalo) que lhes restava, indo ao banco ou indo fazer outra coisa qualquer.

Cerca de 30 funcionários no refeitório. Simplício (nome fictício) abre a marmita dele, e, enquanto todos se mantinham calados, ele, tentando justificar alguma coisa diz em alto e bom tom:

– Ih, caramba! Minha mãe esqueceu de botar o meu frango!

A marmita continua apenas o tradicional feijão preto com arroz branco e um ovo frito.

Isso foi o suficiente para Arnaldo (nome fictício) exercer sua carioquice:

– Ela não esqueceu nada. Ela botou. Só que ainda não nasceu!

O silêncio que tomava conta do refeitório foi quebrado com uma gargalhada quase geral, enquanto Simplício, sem graça, demonstrava arrependimento por ter revelado algo que ninguém lhe perguntara.

Coisas de carioca.

O apito

O trem dos meus sonhos

Alguém apitou. Você escutou um apito. Alguém apitou, com certeza.

Vou escutou, e parou. Parou para olhar e tentar descobrir quem apitou.

O apito te fez parar.

De onde veio esse apito?

Quem apitou?

Se você jogava e o Árbitro apitou, você escutou e parou.

E, se foi no trânsito e o guarda apitou – por que e para que você parou.

Você comeu alguma irregularidade, com certeza. Ultrapassou a velocidade permitida.

E, se você parou e o guarda não apitou para você – o que fazer?

Mas, se foi o maquinista do trem – você está na linha e não tem para onde correr?

O que fazer?

Correr ou morrer?

Pois era o trem, sim senhor!

E, felizmente, você apenas acordou.


ARREDE O PÉ SEU MALUVIDO

Não faz muito tempo dei uma lida em várias postagens feitas pelos colunistas Jessier Quirino, Xico Bizerra, Aristeu Bezerra, Walter Jorge e Zelito Nunes – a intenção era reaprender e me inteirar com o palavreado e o extenso vocabulário nordestino. O computador, em algumas situações nos inclui socialmente, mas, em outras oportunidades, nos exclui. Nos tira do mundo real.

Li e reli. Juntei tudo e percebi que, na maioria das vezes, o que se fala nem precisa tanta explicação dos especialistas na linguagem regional. É claro que, se você chega num local para participar de uma reunião ou assembleia de sócios, e pede a “ata”, você jamais estará pretendendo se referir à “ata”, fruto que, no nordeste tem esse nome e em outras regiões tem o nome de “fruta do conde”.

Da mesma forma, se você chega ao mercado que vende carnes, aves, frutas e legumes e pergunta ao comerciante pela “ata”, jamais ele vai abrir a gaveta e tirar o livro com o registro de fatos da última reunião. Quero dizer, quase tudo tem estreita relação com o ambiente.

Manga, abacaxi, farofeiro (o sujeito que faz a farofa de farinha e o sujeito metido a valentão), e tantas outras palavras que existem no nosso diário de comunicação. E, não dá para falar num assunto como esse sem lembrar uma das figuras centrais dessa matéria na cultura brasileira: Luís da Câmara Cascudo.

Luís da Câmara Cascudo, nasceu em Natal, a 30 de dezembro de 1898, e faleceu em Natal, a 30 de julho de 1986. Foi um historiador, antropólogo, advogado e jornalista brasileiro. Câmara Cascudo passou toda a sua vida em Natal e dedicou-se ao estudo da cultura brasileira. Foi professor da Faculdade de Direito de Natal, hoje Curso de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), cujo Instituto de Antropologia leva seu nome. Pesquisador das manifestações culturais brasileiras, deixou uma extensa obra, inclusive o Dicionário do Folclore Brasileiro (1952). Entre seus muitos títulos destacam-se: Alma patrícia (1921), obra de estreia, e Contos tradicionais do Brasil (1946). Estudioso do período das invasões holandesas, publicou Geografia do Brasil holandês (1956). Suas memórias, O tempo e eu (1971), foram editadas postumamente. Cascudo quase chegou a ser demitido de sua posição como professor por estudar figuras folclóricas como o lobisomem. Começou o trabalho como jornalista aos 19 anos em “A Imprensa”, de propriedade de seu pai, e depois passou pelo “A República” e o “Diário de Natal” – nos anos 1960 já havia publicado quase 2.000 textos. (Transcrito do Wikipédia)

São muito nossas, nordestinas, as expressões que, pronunciadas à quem não tem intimidades com o linguajar, provavelmente não significam nada. Exemplo: “mijar fora do caco”.

Para os “habituês”, mijar fora do caco significará, sempre, “dar uma mancada”, ou ainda, “se intrometer aonde não é chamado”. Mas, há lugares que pretendem dar o mesmo sentido à expressão, dizendo: “mijar fora do penico”.

Assim, hoje escolhemos uma palavra igual na grafia, mas, com sentido completamente diferente: carrapato.

Carrapato – verdadeira peste para alguns animais

Carrapato – Um carrapato ou carraça é um artrópode da ordem dos ácaros, classificado nas famílias Ixodidae ou Argasidae. São ectoparasitas hematófagos, responsáveis pela transmissão de inúmeras doenças. Registros fósseis sugerem sua existência há pelo menos 90 milhões de anos, com mais de 800 tipos.

Entre esses mais de 800 tipos desse bichinho aí, os nordestinos que gostam de se relacionar com mulheres – e que já fizeram muito isso com “profissionais do sexo” nos baixos meretrícios – não esquecerão, jamais, o “chato”. O “chato” é uma espécie de carrapato transmitido através da relação sexual. É tão incômodo que, popularmente, recebeu o nome de “chato”. Inicialmente se instala e se reproduz nos pelos pubianos masculinos e femininos. Em estágio avançado “viaja” pelos demais pelos do corpo.

Provavelmente por isso, mais que pela questão higiênica, tanto o homem quanto a mulher estão aderindo à depilação total. Embora alguns ainda prefiram as “selvas amazônicas tradicionais”, tem muita gente aderindo ao “careca total” tanto para o pinto quanto para a xereca.

Vários estágios do carrapato (“chato”) em seres humanos

Mamona (carrapato)

A infância foi algo muito bom para todos nós, meninos e meninas. As brincadeiras, o aprendizado e a convivência nos moldaram o corpo e o caráter. Mas, que tinha coisa ruim, isso tinha.

Ser acordado às 5 da madrugada pela mãe, que, com uma colher na mão e um chinelo na outra determinava:

– Abre a boca! Vamos, abre logo!

E ali, ainda zonzo por ter despertado assim “de sopetão” para tomar o pior purgante que já existiu para uma criança, não podia ser considerado algo bom. Óleo de rícino (fico arrepiado até em escrever o nome), cuja matéria prima é a mamona ou, para nós cearenses, o carrapato da carrapateira.

Horrível! Intragável! Vade retro!

Mamona (carrapato) – Ricinus communis L., conhecido popularmente como mamona, mamoneira, carrapateira, carrapato e rícino, é uma planta da família das euforbiáceas, bem como a semente dessa planta. Recebe outras designações, conforme a região: em algumas regiões da África, é abelmeluco; na língua inglesa, é castor bean; na língua espanhola, é ricino, higuerilla, higuereta e tártago.

O seu principal produto derivado é o óleo de mamona, também chamado óleo de rícino. Embora seja usado na medicina popular como purgativo, este óleo possui largo emprego na indústria química devido a uma característica peculiar: possui uma hidroxila (OH) ligada na cadeia de carbono. Não existe outro óleo vegetal produzido comercialmente com esta propriedade. Na mamona também podemos encontrar uma grande presença de THC (do inglês Tetrahydrocanabinol) e o CBD (Canabidiol) o ultimo com menores concentrações. Existem diversos estudos na área, podendo ser uma das maiores descobertas no que se diz respeito as plantas psicotrópicas. Há plantas do gênero Lesquerella que também produzem óleo hidroxilado, mas ainda não são cultivadas comercialmente. Outra importante propriedade do óleo de mamona é ser composto entre 80 e 90 por cento de um único ácido graxo (ácido ricinoleico), o qual lhe confere alta viscosidade e solubilidade em álcool a baixa temperatura. Pode ser utilizado como matéria prima para o biodiesel, mas a quase totalidade do óleo de produzido no mundo tem sido utilizado pela indústria química para produtos de maior valor agregado.

Mamona – também conhecida no Nordeste como “carrapato”

Na semana passada postamos aqui neste mesmo Jornal da Besta Fubana, um texto onde falávamos das antigas brincadeiras (da minha casa, por exemplo) com boizinhos feitos ingenuamente com sementes verdes de mamona (carrapato).

Essa era, entre tantas, mais uma utilidade dessa semente, largamente utilizada na medicina e como biocombustível. De rápido plantio de tempo muito curto entre o nascedouro e a colheita e por ser uma cultura constantemente renovável, além de utilizar espaço pequeno, a mamona está sendo considerada uma das riquezas da agricultura brasileira.

Mamona (carrapato) no casulo, fora dele e transformada em óleo medicinal


JUSTO QUE NEM BOCA DE BODE

O bode e seu “aplicativo”

O mééééééé começava cedo. Vinha do chiqueiro onde as cabras eram ordenhadas e o leite tirado antes da soltura dos cabritos para a primeira mamada. Ali também estavam os bodes, ruminando e ruminando – mas em atenta observação ao que acontecia ao redor.

Alguns netos bebiam o “leite mugido” ali mesmo, sem a devida fervura ou assepsia. Inclusive eu. Depois disso os cabritos eram liberados para a mamada e, em seguida, cabras cabritos e bodes ganhavam a liberdade para “percurar o que comer”. Era uma luta insana e muitas vezes, ao final do dia, alguns não retornavam. Erravam o caminho da volta, ou jaziam dentro de panelas – nesse último caso, se procurava apenas o “couro”. E era para minimizar esse repentino desaparecimento, que alguns criadores meeiros desenvolviam a cultura do chocalho. Animal com chocalho é mais fácil de encontrar quando a volta para o chiqueiro fica difícil – “o chocalho só não anuncia o animal que tá morto”, dizia meu falecido Avô.

Mas, aonde queremos chegar é o mais próximo de alguns ditos populares usados pelo sertanejo, que acabaram rompendo barreiras e se tornando dizeres do mundo.

“Quem meu filho beija, minha boca adoça”. É a mais matuta forma de dizer obrigado a quem trata bem os seus – e quem quiser que entenda a cultura matuta e a filosofia que esconde essa verdade.

“O bom cabrito não berra”. Esse dito popular também tem origem no sertão. Provavelmente num chiqueiro onde as cabras estão sendo ordenhadas. O berro do mau cabrito é insuportável – e ganha a pecha de bom, aquele que, durante a ordena, não berra. Não incomoda, não atazana a vida de ninguém.

“Quem quer pegar galinha não diz xô”. Aonde se tem o hábito de pegar a galinha para o abate? No interior, claro. E, nem duvide. Se você disser “xô”, ainda que a galinha não fale o seu mesmo idioma, ela jamais será tão idiota para esperar ser pega.

“Justo que nem boca de bode”. Como pode algo fechar tão hermeticamente como um “fecho-eclair”? Mas, esse dito popular vem sendo usado há muitos anos, e, com maior frequência nos interiores. Até mesmo para consagrar e confirmar um acordo antes apenas apalavrado.

* * *

Juá verdadeiro

Durante muitos anos, no interior do Ceará – Pacajus, para ser mais preciso – a saúde pública era precária. Na verdade, ainda é nos dias de hoje. Mas, precisamos ser honestos e admitir que melhorou muito, embora ainda não tenhamos alcançado o ideal.

Por conta disso, recorrer à médico não resultava em nada positivo. Assim, cresceram os números dos partos naturais feitos por Parteiras leigas. Cresceu em demasia a procura de “meizinhas” e aumentou a fé na solução dos males pela medicina popular. Muitos recorriam até às benzeduras e as idosas que faziam isso tinham alto valor. Crendice popular.

Chá de erva cidreira, chá de folha de boldo, sal grosso, lambedor de malvarisco e até raspa do caule do marmeleiro para dor de dente. Isso sem contar o rapé de umburana para constipação (gripe). Dor de barriga (disenteria) encontrava a solução no chá do broto da folha da goiabeira (“tranca” mais que cadeado).

Mas, e para matar e acabar com o piolho, algo tão comum entre as crianças quando não existia a quantidade de xampus que existe hoje?

Lavar a cabeça com raspa de juá. Nunca teve remédio melhor.

“JUÁ – Planta da família das Rhamanaceae, também conhecida como juá, juazeiro, juá-de-espinho, juazeiro, jurubeba, jurubeba, raspa-de-juá, juá-fruta, enjuá, enjoaá, juá-mirim, laranjeira-do-vaqueiro. Juazeiro. Árvore alta, de até 10m de altura, muito bonita, frondosa, espinhosa. Esgalhada desde o solo, produzindo sombra para o gado e para o homem do sertão. Folhas coriáceas, lustrosas, elípticas; Flores pequenas, axilares, em caches, amarelo-esverdeadas, em formato de estrela.

O fruto e globoso, amarelo, comestível com pedúnculo orlado, lembra uma pitomba, porem menor, branco por dentro, doce, com 1 semente dura que se parte em duas metades. Conserva-se verde durante as secas, cresce lentamente e vivem mais de 100 anos. Ha mais de 100 espécies e aparece em todas as regiões tropicais do mundo, sendo estas espécies utilizadas na medicina popular de todos os países onde cresce.
Princípios Ativos: Ácido betulínico, ácido oleamólico, amido, anidrido fosfórico, cafeína, celulose, hidratos de carbono, óxido de cálcio, proteína, sais minerais, saponina, vitamina C.

Propriedades medicinais: Adstringente, anti-inflamatória, antigripal, caspa, cicatrizante, desopilante, expectorante, favorece o crescimento e evitar a queda dos cabelos, febrífuga, higienizante, sudorífero, tônico capilar. Frutos: ricos em vitamina C.

Indicações: Caspa, febre, gengivite, má digestão, mal do estômago, órgãos sexuais, placa bacteriana, queda de cabelo, vias urinárias.

Farmacologia: A saponina encontrada nas cascas é responsável pela espuma e pela sua alta capacidade de limpeza. Por isso é usada na fabricação de sabonetes e shampoos.” (Transcrito do Wikipédia).

“Juazeiro, Juazeiro
Me arresponda, por favor
Juazeiro, velho amigo
Onde anda o meu amor
Ai, Juazeiro
Ela nunca mais voltou
Diz, Juazeiro
Onde anda meu amor
Juazeiro, não te alembra
Quando o nosso amor nasceu
Toda tarde à tua sombra
Conversava ela e eu.”

* * *

Tivemos a época do pombo-correio. Tivemos a época da Comunicação por tambores (lembre como, na revista de quadrinhos, Tarzan mandava mensagens e como essas mensagens eram divulgadas; lembrem, também, a forma de comunicação do Fantasma para Lothar e até para chamar Capeto).

Era assim, sim. Foi assim. Hoje muita coisa mudou e foi substituída pela tecnologia. A correspondência dos Correios já foi feita por pessoas montando cavalos; as contas dos impostos já chegaram nos lombos de animais. Hoje basta “baixar” os aplicativos e tudo se resolve.

Mas, nunca será tarde nem ofensivo para relembrarmos, nas casas de maiores posses, como a patroa chamava a empregada: usando um pequeno sino. Ou de como o entregador de leite avisava que estava no portão: por meio de um sino; ou como alguém chamava o atendimento, ao chegar numa residência: tocando o sino pregado ao portão.

Mas, o que mais nos comove e traz boas lembranças, era o sino usado para anunciar o início de uma aula nos colégios. Mais alegres ainda, ficávamos, quando o sino tocava para o final da aula. Tempos bons que não voltam mais.

Antigo sino tocado nas escolas ou entrada de residências

Nos dias atuais, os sinos estão sumindo até das torres das igrejas. Sino virou relíquia, depois de ser usado por anos e anos.

Alguém lembra o Pregoeiro que vendia “chegadinha” (uma casca doce de trigo torrada que servia também para receber o sorvete) e como ele anunciava o produto vendido de porta em porta em muitos bairros de cidades brasileiras?

Hoje, por quem os sinos tocam?


OS BOIZINHOS DE MAMONA

Menino brincando de soltar pipa

O mundo, em especial o Brasil, está enlameado. Assim, como gosto de escrever, compulsivamente, vou me voltar a partir de agora, para outras coisas: para a infância, para aqueles que ainda não foram contaminados pela idiotice dos doutores e dos adultos.

Botar a pipa no ar; relancear sem cerol na linha; jogar peteca para uns e bila ou cabiçulinhas para outros tantos; rodar e aparar pião na mão e depois na unha; fazer bola de meia ou, ainda, jogar chuço na areia molhada depois da chuva.

É melhor que perder tempo, lendo tanta merda colocada no ventilador por quem frequentou a escola e fez juramento ético. Mas perdeu a vida: nem aprendeu nem se transformou em profissional. É doente!

Pois, decidi ligar a máquina do tempo – será bem melhor, pois nunca fiz nada de que me envergonhe – e voltar a passear na infância, mais precisamente no interior, quando ainda banhava nu no açude e vestia calças de suspensórios. Quando comia (literalmente) com a mão, fazendo capitão de feijão.

A tarde, depois de fazer os deveres escolares – lembro: não havia merenda escolar, bolsa escola, ônibus escolar, uniforme e livros doados pelo Governo; mas, lembro também, nem nós nem os professores fazíamos greves – as brincadeiras de jogar castelos de castanhas de caju, soltar pião ou cuidar da fazenda imaginária, onde a boiada era toda uma obra de arte feita com sementes de mamona.

E, as vacas eram leiteiras, sim senhor. Se alimentavam também, sim senhor. E até cagavam “aqueles pratos de esterco” que, de noite eram queimados para espantar pragas e muriçocas.

Não, nenhuma vaca holandesa. Nenhum touro de raça – e a manada era aumentada com uma simples volta debaixo do pé de mamona. Apanhadas ainda verdes, as sementes eram postas à secar.

Tempos bons. Tempos de vacas não conhecer bezerro. Mas… nenhuma ia para o brejo.

O empoderamento e as palavras inúteis

A modernidade da vida ou, a vida moderna, é algo interessante. As gerações da sociedade brasileira se modernizam (mas, como a letra da música de Belchior, eternizada pela também eterna Elis Regina, “continuam como nossos pais – e as aparências não enganam”) na teoria. A prática é a repetição dos pais, antigas pra dedéu. Nada muda, nem mudará.

Quando a gente lê e conhece escritores e cronistas do naipe do genial Ariano Suassuna, também compreende a necessidade da simplicidade das coisas. Comunicar é se fazer entender – mas a geração atual insiste em tentar falar difícil, e acaba por não dizer nada. Ariano usa adequadamente os adjetivos da língua brasileira, sem deixá-los cair na mesmice da desvalorização. Sem serem gastos (e usados) de forma inadequada.

Tipo: se eu jogo fora o adjetivo “gênio”, aplicando-o à Lula, o que sobra para usar para Rui Barbosa, Ariano, Chico Anysio, Mário Lago e outros do nível?

Pois, hoje escutei numa emissora AM local, uma jovem fazendo um convite para um evento, concentrado no “empoderamento” feminino. E aí haja sair palavras que o público alvo certamente precisou recorrer ao velho Aurélio para entender o que estava sendo dito. É comum, hoje, o uso de vocabulário fútil, sem necessidade, que não diz nada além do que outro palavreado simples diria. Só se fala em “aplicativos”, “demanda”, “empoderamento”.

Que diabos significa “empoderamento”, que não possa ser substituído por “conscientização”?

Suricate Seboso mandando ver

Lembrei, também, de Patativa do Assaré:

“É melhor escrever errado a coisa certa do que escrever certo a coisa errada…”

É duro aceitar o “falar” de alguns lugares brasileiros. É duro aceitar e se acostumar com a maranhensidade do, “mamãe, ele quer me dá-lhe”. Mas, é como muitos falam, e, na terra dos sapos, de cócoras com eles. Ainda que se tenha que comer muitos mosquitos.

Mas, vamos à demanda do emponderamento com todos os seus aplicativos! Eu, se for, irei vestido com a calça Lee, americana legítima.


AS VELHAS BOTAS DO VOVÔ

As botinas calçadas durante anos pelo Vovô João

A imagem ainda está viva na memória. Como se fora uma fotografia, apesar de envelhecida. Repetitivamente, acontecia toda vez que o dia começava clarear. Fosse qual dia da semana fosse – sem excluir domingos e feriados. Na roça, para quem “planta a vida”, feriado ou descanso é coisa de tolo.

Sentado na ponta da calçada, como se aquele lugar lhe fosse cativo, a imagem do corpo pequeno e magro do Vovô João. Ali estava realmente começando mais um dia para ele. Calçando as velhas botas, que ele (e apenas ele) chamava de “minhas botinas”.

Acostumou-se à aquela atitude, ainda que não fosse trabalhar na roça – mas tinha o hábito de fazer aquilo, ainda que fosse apenas ao quintal, jogar milho para as galinhas, ou jogar água no canteiro de coentro e cebolinhas. Não fazia muita coisa sem as velhas botas.

Passou a fazer isso, desde quando, certo dia, viu-se picado por uma traiçoeira cascavel, cujo veneno quase o leva prematuramente ao buraco coberto com sete palmos de terra. Usava as botas, também, para se prevenir de possíveis cortes da lâmina da enxada.

Doía, e ao mesmo tempo servia de alento, ver Vovô calçar as velhas botas sem a proteção das meias – tinha apenas um par, tão velho e usado que já não tinha mais a parte do calcanhar nem a do dedão dos pés. Talvez por isso, preferia dizer de si para si mesmo, que “era mais mió, calçar minhas bichinhas sem essas meias véias furadas, que não seuvem de nada”!

Lembro como se fosse hoje. Vovô ganhou aquele par de botas de um antigo Sargento da Polícia Especial do Exército. Ganhou também uma boina e um cinto. Nunca usou a boina, pois essa lhe ficava folgada na cabeça, e o cinto preferiu usar como cilha para o burro. Mas, as botas ganharam preferência e importância na vida de João.

Era calçando aquelas botas velhas, mas para ele, macias como seda, que Vovô trabalhava a terra, semeando milho, feijão e arroz que compunham a mesa da família; era calçando aquelas velhas botas, que ordenhava as vacas e as cabras e aparava o leite para os queijos, as manteigas e os mingaus e papas das crianças.

Ah, como eram especiais para Vovô, aquelas velhas (mas macias) botas!

Eis que, assim sem mais nem menos (nós é que pensamos assim – mas sempre haverá um motivo para o fato), chegou a hora e o dia de Vovô voltar para o lugar de onde viera em missão. Vovô morreu, e com ele aquela imagem matinal de todos os dias, sentado na ponta da calçada, um corpo esguio calçando as velhas botas.

Não havia caixão para enterrar o corpo cansado de Vovô – homem simples e bom, que viveu todas as dificuldades pela e para a família, sua única riqueza além das velhas botas – ele foi conduzido para a última morada, numa rede e o corpo colocado no novo endereço com todo cuidado e respeito.

Em casa, Vovó abria mais uma das poucas vezes, o velho baú, onde guardara por anos e anos, o velho vestido do casamento, e, nele, com toda a terra e sem nenhuma limpeza, acondicionou como se fosse um valioso presente e troféu, o velho par de botas do Vovô.

* * *

Sonho sem ribalta

A janela do sonho imaginário

Não, não me acordem – me deixem sonhar
Quero continuar voando como uma borboleta
Quero voar beijando como o beija-flor
Quero roubar teu pólen para o mel do amor.
Não, não me acordem – me deixem sonhar
Quero te amar, te ouvir cantar, e te amar
Quero continuar leve, e sendo carregado
Quero ser as corredeiras do teu rio.
Não, não me acordem – me deixem sonhar
Quero ser a medalhinha pousada no teu colo
Quero ser a força e a Fé da tua oração
Quero ser a artéria aorta do teu coração.
Não, não me acordem – me deixem sonhar
Quero ser o que quiseres que eu seja
Quero continuar sonhando e, ainda que acorde,
Quero sonhar que continuo sonhando.


O CABOGRAMA E BIBIU CARA DE JUMENTO

Mapa da rede de distribuição das linhas da Western

Os anos 60. Marca forte na vida de todos os que nasceram no Brasil nas décadas de 40 ou 50. Uma geração que procurava melhorar sempre de vida. No Ceará, as condições climáticas atrapalhavam o desenvolvimento e com ele emperrava também o crescimento. Atravanca tudo. Era um miserê danado.

Nas escolas, as coisas caminhavam rotineiras e a vida social e noturna da capital cearense começava conhecer novos valores, novos hábitos, novas modas. A música trazia novidade com novos ritmos empurrados pelo rock, pelo iê-iè-iê, sem deixar de lado os ritmos afros.
Após a baixa no Exército, o enfrentamento da vida civil. Um trabalho burocrático na Organização Silveira Alencar, que vendia e representava a marca automotiva Chevrolet. Também vendia muito a marca Frigidaire (geladeiras).

E os novos desafios chegaram. Fiz um teste – tipo concurso concorrendo com mais outros 15 jovens – na companhia inglesa THE WESTERN TELEGRAPH COMPANY LIMITED, que operava no ramo da Comunicação, mais precisamente com cabogramas – um dos avanços tecnológicos daquela época. Primeiro, um estágio para assegurar a prática de trabalhar como Operador Teletipista, enviando e recebendo telegramas (cabogramas).

Foi fácil e rápida a adaptação, o que garantiu a admissão com um dos melhores salários e algumas boas e até então desconhecidas vantagens. Enquanto o trabalhador brasileiro (de empresas nacionais) recebia 13 salários por ano, os funcionários da Western recebiam 16 – acrescidas três gratificações: carnavalina, junina e natalina.

Um ótimo e descontraído ambiente de trabalho, com três horários flexíveis de 6 (seis) horas diárias: das 5 às 11 horas; das 11 às 17 horas e das 17 às 23 horas. Nesse último horário, a garantia do transporte para levar em casa.

Teletipo adaptado com teclado e perfurador de fita para envio de cabogramas

Ranqueada entre as empresas mais confiáveis entre as que operavam no ramo da Comunicação no Brasil, a Western era a garantia da rapidez na comunicação – preferida para envio de ordens de depósitos bancários, muitos utilizados pelos bancos públicos e particulares de uma praça para outra.

A confiabilidade era marca registrada e os erros ou equívocos, embora acontecessem, eram muito raros e até chamavam a atenção, quando aconteciam. A rapidez na entrega da correspondência garantia a preferência pela Western.

Um equívoco, certa vez, marcou a vida de um antigo Operador de Teletipo, já próximo da aposentadoria. Um mestre no envio de mensagens – mas, como acontece com qualquer um, certa vez cometeu o equívoco imperdoável, embora, naquele tempo, poucos acreditassem que ele teria se equivocado, preferindo acreditar que o “equívoco” fora proposital.

Uma conhecida empresa de Fortaleza (que vou omitir o nome) enviou um cabograma para São Paulo, com os seguintes dizeres: “ENVIEM URGENTE CINCO DÚZIAS DE BARALHOS PT.”

Na hora de digitar, o Operador “trocou” o “B” da palavra “BARALHOS”, por uma letra “C”. Foi um erro imperdoável, e, pela seriedade da Western, o funcionário respondeu um inquérito interno, foi suspenso do trabalho por alguns dias, e quase era demitido por justa causa, o que significaria a perda dos muitos anos de trabalho e a aposentadoria que se aproximava.

Bibiu conduzindo a jumenta para o banho no açude

Os tempos mudaram. Muitas coisas mudaram. O bonde deixou de circular em algumas capitais; começaram a aparecer veículos sem o uso da manivela; apareceu o telefone celular; já quase não se usa mais o serviço dos sapateiros e já existe no Brasil o que antes era chamado apenas de “pãozinho” – porque o mais vendido e mais comprado era o que hoje chamamos de bisnaga.

Diminuíram sensivelmente os inferninhos (por que hoje o namorado já faz sexo com a namorada no primeiro encontro – e, se não fizer ela mandar o sujeito “andar” e sair da fila); não existem mais confessionários nas igreja e já se comunga sem confessar. Mudou muita coisa.

O avião é mais veloz; a energia elétrica é mais cara; já existe energia eólica e a propina é algo instituído no Brasil. O analfabetismo cresceu, as escolas ensinam cada vez menos, e a política, que era uma ciência, virou uma putaria.

Mas, isso tudo já acontece nas capitais e cidades grandes. Nas cidades menores, muito ainda é como antigamente. A molecada continua tendo a primeira experiência de sexo “comendo jumenta” nas capoeiras – e nem precisam mais recorrer à masturbação como fazíamos antigamente.

E, por falar em comer jumenta, lá na minha Queimadas existia um tal Bibiu Cara de Jumento, por que desde os 15 anos até os 32 ele usou as jumentinhas para “essa necessidade biológica” – um verdadeiro tarado pelas “mocinhas das capoeiras”.

As moçoilas das capoeiras das Queimadas “percurando” Bibiu

Durante muitos anos, os rapazes da mesma faixa etária de Bibiu Cara de Jumento começaram a perceber que o dito cujo não namorava. Não conseguia arrumar uma namorada. Nenhuma menina se aproximava dele – e ele nem fazia muita questão disso. Muitos passaram a achar que ele fosse um “Guardador de Espadas”, daqueles bem enrustidos.

Na linguagem chula atual: muitos achavam que Bibiu era baitola, qualhira, gay, “menina”, fresco, frango, paneleiro (como se diz em Portugal).

Depois de alguns tempos, soube-se que Alzira, uma das muitas filhas de Otacílio Mangueira, precisou atravessar uma das muitas capoeiras do lugar, e avistou Bibiu Cara de Jumento com as calças arriadas “furufando” uma jumentinha. Resolveu contar para as amigas, e, a partir dali, nenhuma quis mais conversa com Bibiu Cara de Jumento.

Ele não se importava muito, pois as meninas do lugar não faziam o que as “moçoilas da capoeira” faziam.

A vida é assim mesmo. A vida é bela!


O BALCÃO

Uma boa “bicada” de Sapupara

Imagine-se sentado numa cadeira da primeira fila de um teatro. Concentre-se, e preste atenção ao “pano” (cortina) que se abre, e ao movimento de tudo e de todos. Ainda que não tenha sido dado o comando de: “ação”.

Com certeza serão poucos da geração da faixa etária abaixo dos 50, que viveram essa “peça teatral”:

– Manel, bota uma dose daquela que matou o Guarda!

O dono da bodega se agacha por detrás do balcão, e, de dentro de uma bacia com água, que às vezes nem é trocada no final de cada dia, e dali tira um copo. Se for aquele copo de cachaceiro, o bebedor toma o trago, paga (com uma moeda de R$1), acende o cigarro e vai embora. E o copo, sem a assepsia recomendada, volta para dentro da bacia.

Mas, se a pedida for essa:

– Manel, desce uma quartota da Chave de Ouro, ou da Sapupara, ou da Colonial!

Com certeza o copo será outro, o balcão será limpo, e um bom espaço preparado. O bebedor vai pegar o tamborete para sentar ao lado do balcão.

– Manel, ainda tem daquela sardinha Gomes da Costa ou Coqueiro? Se tiver, abre uma pra mim e me dá duas cebolas roxas!

O atendimento é de primeira, mas não é exclusivo, pois bodega que se preza não pode viver apenas de vender cachaça para pinguços. Tem a outra freguesia para atender – e o bodegueiro precisa ter tempo para anotar no caderno de fiados. E, qual o bodegueiro que não vende fiado, ainda que, acintosamente, coloque na prateleira uma placa:

“Fiado, só quando o Nove Dedos confessar que roubou”!

A lata da sardinha foi aberta, a cebola roxa devidamente picada e é aberto um espaço que caiba duas folhas de papel de embrulho. Ali é colocada uma generosa porção de farinha seca, e acrescentadas a sardinha e a cebola roxa. Está feito o melhor tira-gosto do mundo para quem bebe cachaça.

Chega mais um pinguço. Chega mais outro, e, em minutos está formado um time de Futsal na bodega do Manel, na Bela Vista.

Mas, o mais mió disso tudo aí, é um caixote de madeira com areia fina que Manel bota no pé do balcão prumode a gente dar aquela cusparada depois do trago e prumode derramar a dosinha do “santo”.

Sardinha em conserva – metade do melhor tira-gosto de cachaceiro

O bode e a fava

Colchão de bode francês assado e servido com batatas douradas

Não é em todo restaurante que podemos encontrar determinados pratos (típicos da região ou não) e, às vezes, quando encontramos, são preparados de formas diferentes. No Maranhão, “mocotó” de boi está muito próximo da “panelada” do Ceará. A diferença: no Ceará, a “panelada” tem o bofe. No Maranhão não comem o bofe.

No Rio de Janeiro, o “mocotó” é a unha (canela com pé e unha) tem o acondicionamento do feijão branco e recebe linguiça, paio e bacon. Já a “dobradinha” é o feijão branco ou carioquinha com o “bucho”, calabresa e bacon. Em todos os casos, a diferença está na forma de fazer e de servir.

Da mesma forma, para muitos brasileiros, caranguejo e siri, são caranguejo. No Norte e no Nordeste, caranguejo é um e siri é outro. Tanto o caranguejo quanto o siri, em nenhum Estado brasileiro são melhor preparados que no Ceará, Maranhão e Bahia. A moqueca de siri mole da Bahia é algo top.

E o bode?

Existe mais de uma raça de bode. O bode literalmente brasileiro é fartura no Piauí. Por conta disso, o povo piauiense é especialista na criação, no trato e no aproveitamento do bode. O queijo de leite caprino feito no Piauí jamais vai encontrar parelha. A carne de sol e a linguiça de carne de bode preparadas em Campo Maior/PI, também não encontram parelha. A forma de preparar o sarapatel e a buchada de bode também merece elogios.

Agora, bode de outra raça – o francês, por exemplo – que o Luiz Berto serve quando se prepara para receber o Lula, o Zé Dirceu ou a Dilma, a gente só encontra igual na feira de Casa Amarela, onde também servem a melhor fava rajada do mundo, temperada com sal, pimenta do reino, charque, pé de porco e uma dose de Sanhaçu.

Fava rajada servida num certo apartamento do Apipucos

Descobri em São Luís aonde posso comprar o grão de bico. Tenho preparado com o pé de boi, levando ainda rabo e orelha suínos. É um prato para quem come e vai “descansar”, embalando numa boa e macia rede. Não é comida para quem volta ao trabalho num segundo expediente.


A JARARACA E O CAVALO MARINHO

Águia domina jararaca e espera sua reação: reage pô!

Final de 1959. Eu já completara 16 anos de idade. A cidade: Fortaleza, capital do Ceará, estado da Federação onde o preconceito racial é mais acirrado e, na maioria das vezes, praticado sem qualquer subterfúgio. Fui vítima – embora faça muito tempo que ocorreu, ainda lembro. Deus deve ter “lubrificado” a cabeça da autora. Estou vivo e continuo negro. Dela, nunca mais ouvi falar – nem sei se ainda vive.

Pois, naqueles tempos, por preconceito ou não (mas acho que sim), diziam aos quatro cantos que, em 60 (1960), negro iria virar macaco. A ignorância gerou ansiedade na grande maioria dos afrodescendentes daquelas paragens.

Chegou 60 e acabou 60. Não vi nenhum negro virar macaco – pelo menos que seja dependente da minha árvore genealógica. A teoria de Darwin perdeu credibilidade – pelo menos com os negros, felizes por continuarem negros e não macacos. Não aconteceu a teoria da evolução.

Eis que, 27 anos depois de 1960, a Avenida Presidente Vargas, no Rio de Janeiro, provavelmente recebeu a maior concentração humana entre todas que aconteceram no Brasil. Era a formatação e a formalização pública que transformava o anseio de milhões na realidade da luta pelas “Diretas Já”.

Tempos depois, o brasileiro voltou a votar para eleger seu Presidente. Fernando Collor, Fernando Henrique e, no dia 1 de janeiro de 2003, 43 anos depois, finalmente o negro virou macaco. Sim, o negro/macaco trocou a sua liberdade das selvas e das matas pelas bananas sociais, elegendo o então “Sassá Mutema” da nossa história, Luís Inácio da Silva para Presidente da República.

No princípio, tudo bem. Hoje, finalmente nos assemelhamos com a letra da música de Márcio Greyck: “Aparências, nada mais; Sustentaram nossas vidas; Que apesar de mal vividas têm ainda; Uma esperança de poder viver; Quem sabe rebuscando essas mentiras; E vendo onde a verdade se escondeu”.

Fim do primeiro período de 4 anos. Veio a reeleição, e, terminada essa, veio a eleição da candidatura preferencial. E aí começou a faltar as bananas e o macaco acordou para se juntar ao índio, que, àquela altura queria algo mais que apito.

Relembrado e dito isso, hoje, em Curitiba, tudo pode acontecer. Inclusive nada. Mas, não tenhamos dúvidas: o Brasil não é um País de idiotas e tem outra geração além da que vive de pão e mortadela ou caçando Pokémon. E a gente de bem espera que tudo seja como tem que ser.

Que a águia domine a jararaca – devolvendo-lhe o próprio veneno.

“Jararaca: serpente peçonhenta. Jararaca é um nome popular e comum dado a várias espécies de serpentes do gênero Bothrops. As principais espécies são: jararaca-verde, jararaca-da-seca, jararaca-do-norte, jararaca-ilhoa, jararaca-da-mata, jararaca-cruzeira e jararacuçu. As jararacas vivem em várias regiões da América Central, América do Sul e México. No Brasil, por exemplo, existem várias espécies de jararaca. Os habitats principais são cerrados e florestas.

Existe grande variedade com relação a cores e tamanho. Dependendo da espécie de jararaca, podem atingir de 70 cm a 2 metros de comprimento. O tamanho médio das jararacas é de 1,20 cm. Grande parte das espécies possui vida noturna e terrestre. As jararacas são vivíparas (dão a luz a filhotes). Alimentam-se principalmente de pequenos roedores, sapos e lagartos. As jararacas são serpentes peçonhentas, ou seja, produzem veneno. O veneno das jararacas é potente e pode levar o indivíduo picado a morte, caso não haja socorro médico e aplicação de soro antiofídico.” (Transcrito do Wikipédia).

Cavalo-marinho (espécie rara encontrada em Porto de Galinhas, Pernambuco)

Pensando que é “dono de tudo” (quando, na verdade, não é dono nem de si próprio), o Homem continua depredando e acabando com tudo. Menos mal quando o faz para sobreviver e “enganar” suas necessidades fisiológicas por horas – quando mata para comer.

Tanto quanto muitas espécies vivas que estão sobre a Terra, o Cavalo-Marinho está sofrendo uma séria ameaça de extinção em mares e habitats brasileiros.

No dia 22 de julho de 2014, o Repórter e colunista Antônio Roberto Rocha, em matéria assinada, divulgou no Jornal TRIBUNA DO NORTE, circulante em Recife-PE, apresentou um importante trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Projeto Hippocampus. Vejam:

Porto de Galinhas aproveita cavalos-marinho como atração turística

O Projeto Hippocampus, realizado no balneário de Porto de Galinhas, está de casa nova.

Há vários aquários de água salgada, que têm como objetivo a proteção e a reprodução dos cavalos-marinhos que habitam o litoral pernambucano.

Desde 2001, o projeto acompanha a história de vida da população de cavalos-marinhos no manguezal de Maracaípe, além de promover estudos em outros locais de Pernambuco e do Brasil.

Além de suas atividades voltadas para a análise do habitat desses animais, a entidade também é uma das únicas no Brasil a desenvolver um constante trabalho de educação ambiental junto às comunidades locais e de turistas, desencorajando a pesca proibida e o comércio de cavalos-marinhos como peixes ornamentais ou souvenirs.

O horário de visitação do Hippocampus é de terça-feira a sábado, das 9h às 12h50 e das 14h30 às 16h50. O ingresso custa R$ 5. Mais detalhes: Projeto Hippocampus

“Hippocampus é um gênero de peixes ósseos, pertencente à família Syngnathidae, de águas marinhas temperadas e tropicais que engloba as espécies conhecidas pelo nome comum de cavalo-marinho.

Os cavalos-marinhos caracterizam-se por terem uma cabeça alongada, com filamentos que lembram a crina de um cavalo, e por exibirem mimetismo semelhante ao do camaleão, podendo mudar de cor e mexer os olhos independentemente um do outro. Nadam com o corpo na vertical, movimentando rapidamente as suas barbatanas. Algumas espécies podem ser confundidas com plantas marinhas, como corais ou anêmonas marinhas. Geralmente medem entre 15 e 18 centímetros, mas podem medir desde 13 a 30 centímetros, dependendo da espécie, com peso entre 50 e 100 gramas. Vivem em águas de regiões de clima temperado e tropical.

Todas as espécies de cavalos-marinhos estão em perigo de extinção. Uma das causas é pesca predatória e a destruição de hábitat. Outra causa é o captura frequente deles para serem usados como peça de decoração ou simplesmente serem criados em um aquário.

Existem duas espécies brasileiras de cavalos-marinhos, o Hippocampus erectus e o Hippocampus reidi.” (Transcrito do Wikipédia).


GERAÇÃO MODERNA

Os “bichos” são mais sábios que o homem

O que está acontecendo com você, comigo, conosco?

Por que essa satisfação doentia de julgar e adjetivar negativamente os outros?

Você, que se entende moderno, evoluído, que estudou e vive dizendo que não é preconceituoso – demonstra que é um doente, quando “julga” as pessoas e as adjetiva de forma que você não gostaria de ser adjetivada. Se gostaria, é um masoquista ou débil mental.

Qual o significado (para você, que é moderno, sem preconceito e liberal) da palavra “canalha”?

Você beijaria e abençoaria alguém que te chamasse de “canalha”?

E, “fascista”. Você tem certeza que sabe o que isso significa?

Você é um “fascista”?

Gostaria de ser?

Apreciaria ser chamado assim?

E. por que você entende, que, por ter cometido um erro involuntário, alguém pode ser chamado de “fascista”?

Você gosta de ser julgado, senhor doutor “moderno”?

E que direito você tem de viver julgando as pessoas?

É isso que você “ensina” àqueles que se aproximam de você?

Faça uma balanço das suas atitudes. Veja quantas pessoas, nos últimos dias, meses e anos, você tem chamado de canalha, fascista, hipócrita. E, encontre o “por que” disso.

Não tem sido diferente, “algumas” pessoas do sexo feminino (independente de que preferência sexual tenha – isso nunca me disse respeito nem interessou, pois cada um que carregue seu fardo ou seu troféu), em tudo que o homem faz, chama-lo de “machista”.

Para alguns, também “evoluídos e modernos”, até o fato do homem urinar em pé, é uma atitude machista. Para essas, para não ser chamado de machista, o homem tem que sentar no vaso sanitário para mijar. Se assim não o fizer, é um machista (e dito de forma pejorativa e ofensiva).

E, todos esses rótulos sem sentido, retrógrados, partem de pessoas que frequentaram escolas – mas, infelizmente, não têm uma boa base familiar. Sim, porque, “educação” é obrigação da família. A escola, escolariza.

E aí, já encontrou o Pokémon?

Não?! Continue procurando!

Homem?

Cego é o que não sente o que vê

O homem. Quem é o homem e o que veio fazer na Terra, além de ter retirada uma das costelas (quem retirou essa costela – se ainda não havia Cirurgião?).

Seria ele uma estrela cadente, ou apenas e simplesmente um Homem?

Crio borboletas. Crio borboletas mil. Nunca vi uma borboleta “matar” outra da sua espécie, tampouco um ser vivo de espécie diferente.

E o homem – por que um homem “mata” outro homem?

Por que os homens não viram borboletas, e saem a voar, sem pesos à carregar?

Pois, a magia de Deus se fez borboleta no início da tarde de ontem, num campo onde as folhas do outono se transformavam num tapete, constantemente modificado e multicolorido pelo vento.

Sentado num velho banco em desuso no parque, onde as folhas conversam umas com as outras, numa linguagem que só a ingenuidade do amor traduz e entende, um homem de roupa simples, envelhecidas pelo excesso de uso, chapéu na cabeça, óculos escuros e uma bengala à mão pronuncia:

– Que coisa linda esse sol, nesse casamento com o vento!

Nisso, uma jovem que passeava no parque, para a bicicleta e indaga:

– Ué, você é cego mesmo? Como está vendo isso?

Continuando sentado, o Homem apenas respondeu:

– Eu sou cego, sim. Mas o amor enxerga todas as coisas.


O PERIQUITO DA SORTE

Periquito veio de Caetés para Curitiba para sortear destino de jararaca

Rezadeiras, benzedeiras, cartomantes, catimbozeiras, bolas de cristal, cartas, búzios. Nada deu certo ou resolveu a questão.

A informação parou de ser procurada, quando o Periquito “Pai Julim”, usando das muitas mordomias que lhe ofereceram, viajou de Caetés para tirar a sorte e definir o destino da jararaca, hoje sem nenhum tipo de veneno que possa ser aproveitado pelo Instituto Butantã – nem mesmo depois de ter passado uns fins de semana em Atibaia, em endereço que nunca lhe pertenceu.

“Pai Julim” virou atração e motivos de curiosidade. Todos os dias, no expediente matinal – de noite, aproveita para coçar as frieiras do bico nos punhos da rede armada em duas árvores da praça. Pode ser visto próximo da Paróquia Nossa Senhora de Mont´Serrat, nas imediações da Rua Anita Garibaldi, 888, no bairro Cabral, em Curitiba.

Depois de atender centenas de interessados em saber suas sortes e o que está por vir nos próximos dez dias, “Pai Julim” descansou a tarde inteira de domingo, mas voltou com força e fé total na manhã do feriado do Dia do Trabalho. Afinal, era dia de trabalhar.

Quando menos “Pai Julim” esperava, eis que surge um homem vestido com a camisa do Corínthians, barba por fazer, com ares de quem nunca soube de nada, mas que demonstrava ansiedade para descobrir o seu destino nos próximos dias. Pagou a taxa cobrada para tirar a sorte e ouvir a desgastada música do realejo. Ao fim da música, a portinhola da gaiola se abriu para o trabalho da estrela do momento: “Pai Julim”.

Olha para um lado, olha para o outro lado. Fecha os dois olhos como se quisesse dizer: sua sorte está lançada. Abaixa o bico, abre a gaveta e de lá retira um pedaço de papel, onde podia ser lido: “O sol vai nascer quadrado para você”.

Claro que o torcedor do Corínthians precisou se controlar, quando escutou do acompanhante (que o segue para ler o que for necessário – haja vista que ele é analfabeto) o que estava escrito ali no papel da sorte.

Descrente, teve coragem de vociferar para “Pai Julim”:

– Ora fá se vuder, papagai do cu pelado! Inté vossê tá me perceguino!

* * *

II – Joaninha

Joaninha acabou com casamento

O calor intenso que fez durante o dia começou a ser amenizado com o “sereno” da noite que chegava, trazendo consigo um frescor que faz bem ao corpo e à alma – o clima muda repentinamente e, quem já se deita para dormir, começa a ficar na posição fetal, fechando todas as possíveis entradas do frio. Os lençóis velhinhos e macios passam a ser uma dádiva da natureza.

Lá fora mais uma vez está Vovô Camilo acendendo seu cachimbo, pigarreando, enquanto a plateia infanto-juvenil espera pelo belo e sortido repertório de estórias – são tantas que não dá para contar em muitas mãos.

E a estória daquela noite era muito engraçada. Vamos à ela.

“Meninos, quando vocês começarem os namoros e pretenderem casar, não deem muita atenção a algumas bobagens e acidentes que a vida prega em todos nós. Namorem por gostar e, se casarem, casem pelo que as pessoas são e jamais pelo que possuem. Toda posse é passageira, não significa nada e pode acabar de um dia para outro.

Era uma vez um moço jovem, pele clara e olhos esverdeados, que atendia pelo nome de Everaldo. Ele era filho de um dos fazendeiros mais ricos da cidade, tinha muitos empregados e as posses eram tantas que ele nem conhecia algumas.

Como dizem que a água só corre para os rios, Everaldo conheceu certo dia uma jovem e bela moça. Também filha de gente abastada da cidade. Moça bem educada, viajada na vida que visitava a Europa todo ano. Os dois acabaram se aproximando e o namoro ficou mais fácil.

Namoro e noivado. Noivado e pedido de casamento. Padrinhos arrumados, testemunhas confirmadas, festa organizada. Tudo nos conformes. Dia do casamento chegou, e a festa estava toda montada, preparada.

No dia do casamento parece que o destino estava contra o evento. Uma coisa rara aconteceu. Costumeiramente, as noivas chegam para a celebração depois do noivo. Nesse dia aconteceu o contrário. A noiva chegou primeiro e foi levada para o altar pelo pai. Aprendam: é o pai quem leva a noiva para o altar.

Não demorou muito e o noivo chegou. Vestido com a melhor roupa encomendada, Everaldo passava debaixo de um pé de acácia, quando lhe caíram na cabeça e na parte de trás da roupa duas joaninhas. Ele percebeu, sentindo um incômodo na cabeça e, ao passar a mão, acabou matando a joaninha, o mesmo acontecendo com a que lhe caíra nas costas.
– O que é joaninha, Vô Camilo? Perguntou um dos meninos.

Meu neto, joaninha é um besouro muito fedorento. É bonito por fora, chama a atenção onde chega, mas, antes de sair deixa um cheiro insuportável.

Pois, antes de entrar na igreja, Everaldo tentou se livrar do cheiro horrível do besouro. Não conseguiu e entrou assim mesmo. Chegou ao altar e, quando começou a ouvir os conselhos do Padre, viu a noiva sair de fininho, com as duas mãos no nariz. Ela não suportou a fedentina que o inseto “pregou” no noivo e foi embora para casa, chorando e desolada. Achava que é o noivo que estava com aquele cheiro insuportável.

Prestem atenção meninos. Nem tudo que é bonito é agradável. Foi a joaninha que acabou com o casamento dos dois jovens. Ricos, donos de muitas posses, não possuíam inteligência para entender que, joaninha era apenas um besouro, e o mau cheiro poderia sair com um simples banho. Lembrem: as aparências enganam.”

“Joaninha é o nome popular dos insetos coleópteros da família Coccinellidae. Os cocinelídeos possuem corpo semiesférico, cabeça pequena, 6 patas muito curtas e asas membranosas muito desenvolvidas, protegidas por uma carapaça quitinosa que geralmente apresenta cores vistosas. Podem medir de 4 a 8 milímetros, vivendo até 180 dias. Como os demais coleópteros, passam por uma metamorfose completa durante seu desenvolvimento; seus ovos eclodem em 1 semana e o estágio larval é de 3 semanas, durante o qual o inseto já apresenta a mesma alimentação do adulto (imago). As larvas, geralmente, tem corpo achatado e longo, com tubérculos ou espinhos e faixas coloridas ao seu longo. Possui duas antenas que servem para sentir o cheiro e o gosto. Há cerca de 4500 espécies na família, distribuídas por 350 gêneros, distinguíveis pelos padrões de cores e pintas da carapaça. As joaninhas são predadores no mundo dos insetos e alimentam-se de afídios, moscas da fruta, piolhos da folha e outros tipos de insetos, a maioria deles nocivos para as plantas. Uma vez que a maioria das suas presas causa estragos às colheitas e plantações, as joaninhas são consideradas benéficas pelos agricultores. Apesar da grande utilidade, estes insetos sofrem ameaça dos agrotóxicos utilizados pelos agricultores em suas plantações, embora a maioria das espécies não seja considerada como ameaçadas.” (Transcrito do Wikipédia)


OBRIGADO, MÃE!

Jordina, minha mãe

Me contaram que cheguei berrando, feito um cabrito desmamado. E, o que era eu, naquele 30 de abril de 1943, senão um cabrito (ou um menino) desmamado?
Era, me disseram um dia, um fim de tarde e nos secos galhos do ipê, um vem-vem anunciava com seu cântico mavioso, a min há chegada.

No horizonte avermelhado que começava a ficar cinzento, o sol terminava o seu recolhimento cedendo espaço à lugubridade. O catre materno pouco iluminado tinha o perfume apenas do pavio de algodão da lamparina, que, seco pela falta de querosene, começava soltar o cheiro característico de queimado. A escuridão era quase total.

O pai ausente, trabalhava para trazer e repartir o pão. Raimunda gritava aos quatro ventos para João Buretama, o avô:

– É um menino, João!

Uma tesoura quase enferrujada (fervida desde cedo) cortou o cordão. Sobre um jirau arrumado no catre, pousava uma bacia d´água fervida para o primeiro banho. Ainda envolto numa toalha branca, a oferta do primeiro seio para a primeira mamada.

Lembro bem que, tão logo aprendi andar com minhas próprias pernas e forças, primeiro me dirigi para o chiqueiro das cabras. Lá enchi a barriga de leite – muito diferente do leite materno, mas um dos responsáveis por eu ter chegado aonde cheguei.

A escola, sempre muito cobrado; cinco anos de Primário (incluindo o Exame de Admissão); quatro anos de Ginasial e mais três de Científico. Dois vestibulares ao mesmo tempo para universidades públicas, e, duas aprovações. Ninguém era aprovado com nota inferior a 5 em qualquer matéria.

O serviço à Pátria; as namoradas; o primeiro emprego na The Western Telegraph Co. Ltd.; a entrega à política ideológica dos anos 60; o sindicalista; o Árbitro de Futebol Profissional; a mudança para o Rio de Janeiro.

O emprego inicial e o enfrentar a vida desconhecida numa cidade famosa e exigente; mais três vestibulares e mais três aprovações; a escolha pela Comunicação Social (deixando de lado Direito e Economia) – Jornalismo.

As novas namoradas; o primeiro casamento e as duas primeiras filhas; a separação e o desquite; novas namoradas e o segundo casamento; mais três filhos. Uma nova vida, novos amigos, novos hábitos e novos objetivos.

Chego hoje aos 74 anos (30 de abril de 1943 – Queimadas, Pacajus/CE), lúcido, tr4ilhando o caminho que os pais ensinaram de forma tão forte a poder enfrentar confrontos com valores de outra época – sem titubear e sem ceder espaço para qualquer cosia que, um dia possa me envergonhar. Ou aos que convivem comigo.

Obrigado Mãe e Pai. Obrigado pelos castigos, pelos limites, pela direção correta apontada e pelas benditas surras que, se fossem hoje, alguns idiotas estariam lhes perturbando.

Eu faria e enfrentaria tudo de novo se possível e necessário fosse – mas tenho consciência que o dia da volta está chegando.

EM TEMPO: meu primeiro presente (recebido da minha também santa Avó), foi uma enxada. Com ela aprendi a valorizar a Terra e o que ela é capaz de fazer por nós (tudo); depois, ainda nos tempos escolares, madeira e serra tico-tico para fabricar meus próprios brinquedos.

Tenho consciência que esses tempos jamais voltarão. Um simples olhar paterno era mais constrangedor que uma surra ou uma semana de castigo. Hoje os filhos (com o reforço e apoio dos conselhos Tutelares), desobedecem os pais e por muito pouco não lhes impõem castigos.


A GENIALIDADE À BRASILEIRA

Pausa. A coerência exige um a pausa – e essa vai ser dada. Vamos ver o que acontece até o Dia das Mães. Pode acontecer tudo; pode acontecer apenas uma coisa; e, pode até não acontecer nada.

Se não acontecer nada, nós tamo é fudido e mal pagos.

É a merma coisa qui trepar num coqueiro prumode tirar coco, tirar o coco, quebrar o coco e num ter água dentro! É, deduzindo, uma trepada que num valeu de nada.

Então, deixemos pra lá – mas, com certeza o sol começa ficar quadrado para alguns, que precisam voltar aos tempos de limpar o ânus com sabugo de milho, ou papel de embrulho.

Mudemos de assunto. Falemos de coisas boas. Falemos dos nossos valores em todos os setores das nossas vidas. Desliguemos os ventiladores pairados sobre a política – tá fedendo muito.

Assim, quero focar na postagem de hoje, três gênios brasileiros. Nascidos no Brasil. Vividos no Brasil, e, “Morridos” no Brasil.

O primeiro dos nossos valores da banda boa, é o paraibano que resolveu virar pernambucano. Quando menos esperava, virou brasileiro e hoje é cidadão do mundo. Sua genialidade – para usar um termo moderno – “viralizou” e correu em todos os lugares.

Engraçada essa coisa bem brasileira: uma “palestra” do competente, genial, corretíssimo mais que Deus, Lula dos Caetés, custava mais que uma de Ariano Suassuna. É sério esse Brasil?

Ariano Suassuna

“Ariano Vilar Suassuna nasceu na cidade de Nossa Senhora das Neves na Paraíba, atual João Pessoa, no dia 16 de junho de 1927, filho de Rita de Cássia Vilar Suassuna e João Suassuna. Como seu pai era o presidente do estado, cargo que a partir da Constituição de 1937 passou a ser denominado pelo povo como “governador”, Ariano nasceu nas dependências do Palácio da Redenção, sede do Executivo paraibano. No ano seguinte, o pai deixa o governo da Paraíba, e a família passou a morar no Sertão, na Fazenda Acauã, em Sousa.

Com a Revolução de 1930, João Suassuna foi assassinado por motivos políticos no Rio de Janeiro, e a família mudou-se para Taperoá, onde morou de 1933 a 1937. Nessa cidade, Ariano fez seus primeiros estudos e assistiu pela primeira vez a uma peça de mamulengos e a um desafio de viola, cujo caráter de “improvisação” seria uma das marcas registradas também da sua produção teatral. Também morou em Campina Grande/PB

A partir de 1942 passou a viver em Recife, onde terminou, em 1945, os Estudos secundários no Ginásio Pernambucano, no Colégio Americano Batista e no Colégio Osvaldo Cruz. No ano seguinte ingressou na Faculdade de Direito do Recife, onde conheceu Hermilo Borba Filho e, junto com ele, fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça, Uma Mulher Vestida de Sol. Em 1948, sua peça Cantam as Harpas de Sião (ou O Desertor de Princesa) foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco. Os Homens de Barro foi montada no ano seguinte.

Clique aqui e leia este artigo completo »


O LIVRO – UMA VIAGEM SEM PASSAPORTE

A boa e compreensível leitura noturna

Arrume as malas. Ponha tudo aquilo que você imagina que vai necessitar numa demorada viagem. Escova, creme dental, sabonete, roupas íntimas, toalha, medicamentos controlados. Arrume tudo, verifique mais uma vez se não está esquecendo nada.

Faça o seu próprio check-in, e despache a bagagem. Embarque, e procure o assento previamente escolhido, que a sua condição de idoso lhe garante privilégios. Sente na confortável cadeira, afivele o cinto e, boa viagem.

Pouco importa o itinerário do trem do Expresso Oriente para que você viva os percalços e descubra os segredos apontados por Agatha Christie. O que importa mesmo é a viagem feita ao lado de Hércule Poirot.

Não tem nenhuma importância a distância que vos separa do rio Ganges, pois, lendo algum livro relacionado, você vai se sentir banhando naquelas águas, sem se importar com os restos mortais que, ali se putrificados, boiam à procura de quem os devore.

Você jamais deixará cortar o cordão umbilical, será novamente uma criança traquinas e viverá momentos ímpares brincando nas areias das praias baianas, como qualquer um dos Capitães da areia, num destino que Jorge Amado transcreveu tão bem, e que, hoje, é uma atualidade mais importante que qualquer projeto social.

Casa Grande & Senzala, Gabriela (cravo e canela), Iracema, são tantos os livros que te permitem conhecer o Brasil sem levantar da cadeira de palhinha, ou sem parar o balançar da rede armada na varanda. Qualquer livro é sim, uma boa viagem.

Numa viagem através do livro, você sente o cheiro do cajá embu, da graviola, da terra molhada, o gosto do queijo de coalho com tapioca. A maravilha que é o açaí com tapioquinha e camarão salgado.

E, as viagens noturnas?

Um bom livro, uma pequena dose de conhaque para espantar o sono e permitir que você visualize todos os detalhes e as paisagens que as páginas de um livro oferecem.
Vamos viajar?

A seguir, mais uma pretensiosa imitação poética. A vida assumindo seu papel se convivência entre o humano mais humano (uma mulher) e um dos seres mais leves (em todos os sentidos de leveza) que o Criador pôs na Terra.

Transformação

Borboletas se alimentando do pólen feminino

Quero o néctar do teu corpo
Para alimentar minhas borboletas.
Quero um campo sem ventos fortes
E um corpo puro como tuas entranhas.

Quero o néctar do teu corpo
Para alimentar minhas borboletas.
Quero o odor do mel polinizado
Para acalmar minha necessidade.

Quero o néctar do teu corpo
Para alimentar minhas borboletas.
Quero a beleza e o cheiro do teu corpo
Para o pouso demorado do meu amor.

Quero o néctar, quero teu corpo
Quero teu cheiro, quero, enfim,
Me transformar numa borboleta.
Para viver uma vida sem fim.


O ESPELHO CRUEL

Já disse reiteradas vezes, que não sou poeta. Não entendo de poesia nem sei fazer poesia. Vez, por outra, enquanto espero a hora passar – para onde e para que, não sei – faço uns rabiscos sem rima nem sentido.

Vejamos, o que consegui dizer:

O espelho cruel

Um rosto que demonstra cansaço e trabalho

Rugas no rosto são marcas indeléveis
Da passagem dos tempos na vida
Contam dias, contam meses, contam anos
Não escolhem gêneros nem tamanhos.

Rugas no rosto são marcas indeléveis
Da passagem dos tempos na vida
Embranquecem bigodes e sobrancelhas
Derrubam pálpebras, olhos e orelhas.

Rugas no rosto são marcas indeléveis
Da passagem dos tempos na vida
Anunciam Parkinson ou Alzheimer
Juntos, te levam para a coma na cama.

Rugas no rosto são marcas indeléveis
Da passagem dos tempos na vida
Não existe oração ou magia negra
Que te faça exceção da regra.

As mãos e seus calos

 Mãos e calos que não aprenderam roubar

Olho para minhas mãos,
Grossas de calos e de trabalho.
Sinto o pulsar do coração,
E até escuto o correr do sangue
Pelas artérias que parecem pétalas
Renovadas pelo amor pulsante.

Olho para minhas mãos,
Grossas de calos e de trabalho.
Mãos que cavaram os chãos da vida
E alimentaram o pulsar do coração
Envelhecido pelos dias amargos
Entremeados nas escolhas bifurcadas.

Olho para minhas mãos,
Grossas de calos e de trabalho.
Calosas, enrugadas, traumatizadas
Pela dignidade do fazer e do servir.
Preparadas para um dia colher
O que os calos ajudaram a semear.


A SEMANA SANTA

O sangue de Cristo nos espinhos da coroa

Domingo de Ramos – todos caminhavam léguas para ir à Missa (o que não representava sacrifício nenhum, se levássemos em conta que pretendia render homenagem a quem foi crucificado). Na volta para casa, o sol das 10 horas e a areia quente, se não era nada maravilhoso, também não significava sacrifício algum.

O dia continuava passando, num misto de alegria pela reunião da família, e tristeza pelo “sofrimento” que tínhamos ouvido no sermão do Padre – até o auspicioso milagre da ressurreição.

Chegava a segunda-feira. Primeiro dia da Semana Santa. Segunda-feira “Santa”. O dia começava com poucos goles de café preto, amargo e, quando era possível, uns poucos punhados de farinha seca ou algum naco de beiju grosso. Era a primeira e única refeição daquele dia – até as 18 horas.

Era o jejum. Abstinência de comida. Não se comia nada doce que pudesse representar contradição às amarguras sofridas e enfrentadas dignamente por Jesus Cristo. Todos faziam por absoluta “Fé”!

Segunda-feira, terça-feira e quarta-feira eram dias de trabalho normal. Guardava-se (no sentido de não trabalhar) apenas a quinta-feira Santa e a Sexta-feira da Paixão.

Não havia motivo que permitisse o banho. Banho, só à noite, em casa e com cuia. Antes de “quebrar o jejum” daquele dia. A pouca água e a pouca comida tinham que servir a todos. Era a nossa penitência – na casa de uma católica fervorosa que respeitava os ditames religiosos e determinações cristãs.

Segunda-feira Santa; Terça-feira Santa; Quarta-feira Santa; Quinta-feira Santa; Sexta-feira Santa da Paixão; Sábado de Aleluia; Domingo da Ressurreição. Todos os dias eram considerados dias santos, e de guarda. Guardava-se a Fé.

Não se comia nada doce. Nenhum dia da semana. E, nós as crianças, sabíamos aonde Vovó guardava os nacos de rapadura. Uma verdadeira tentação, vencida pela Fé e pela obediência total.

Pedaços de rapadura – impróprios na Semana Santa

Na casa construída de estuque e sem reboco nas paredes, toda e qualquer imagem ou foto de santo ficavam voltados para a parede, enfeitada com folhas de palhas da carnaubeira “benzida” na Missa do Domingo de Ramos e fitas roxas. E quem passasse pela parede onde ficava a imagem de Jesus Cristo, se voltava para ela e fazia o sinal da cruz.

Esse era o ritmo da Semana Santa, iniciada na segunda-feira e terminada no domingo da Páscoa. E tudo se encerrava à mesa, durante o almoço, quando se fazia uma breve oração de agradecimento e pela vida.

De tarde, íamos à rapadura!

Hoje, inexplicavelmente, tudo acontece de forma diferente. Não mudaram os dias nem os motivos. Nós que mudamos – e não sei explicar se para melhor.


O PARTIDO ENCARNADO

Lacinho do Partido Encarnado

Festejos. Sempre foi esse o nome dado ao evento que marcava algo relacionado com a Igreja Matriz do bairro – independentemente de quem fosse a padroeira. Por uma semana, o Vigário e pessoas que costumavam dar apoio para que os “festejos” acontecessem trabalhavam com denodo e de forma árdua.

Sempre foi ponto alto, a realização das “quermesses” – movimento que possibilitava o encontro da comunidade em congraçamento, após a Missa noturna. O evento acontecia por uma semana ou por um máximo de quinze dias. Começava num domingo e terminava também num domingo.

Nas quermesses – onde aconteciam a degustação de comidas típicas, leilões com prendas valiosas (a maioria doada por alguém – para que o arrecadado revertesse em benefício do que se propunha: manutenção ou construção da paróquia) e a insubstituível disputa entre o PARTIDO ENCARNADO e o PARTIDO AZUL.

Era uma disputa ferrenha. Meninas adolescentes eram escolhidas para representar os dois partidos – e tinham a obrigação de vender brindes com a cor do partido que representavam: encarnado e azul. Uma disputa jovem, respeitosa e edificante, porque era ali que começava o respeito ao próximo.

No encerramento de cada noite, o leilão. Toda a arrecadação era direcionada ao propósito comunitário em benefício da paróquia. O “leiloeiro” era sempre algum líder comunitário que, pela vida transparente, merecia a confiança de todos. Era assim.

Decoração aérea das quermesses nos festejos religiosos

O outro PARTIDO ENCARNADO é um partido político que nasceu nos anos 80 com o propósito de ser um oásis para quem não se entregava nem se conformava com o regime “não-político” imposto ao povo brasileiro desde o dia 31 de março de 1964. O novo partido encarnado era uma provável válvula de escape. Não foi, ou pelo menos, não é mais.

A ânsia de respirar novos ares levou muita gente para as hostes do Partido Encarnado – criado em 1980 e legalizado em 1982 como PARTIDO DOS TRABALHADORES (PT). Todos aqueles que “caminharam junto”, acreditavam. Acreditavam nas propostas do PT.

Caminhando com suas próprias pernas, “contra o vento e já com documento”, o PT encontrou uma bifurcação. Tomou o caminho errado, e, percebendo isso, não teve coragem e dignidade suficientes para “retornar” e escolher a outra opção. Mudou tudo, ou quase tudo, e hoje vive dias que só apontam um destino: o fim, enquanto sigla partidária de confiança.

Foram suficientes para o oásis se transformar em lamaçal, apenas treze anos de mandato no Executivo: dois de Lula; e quase dois de Dilma Roussef.

* * *

I

“O Partido dos Trabalhadores (PT) é um partido político brasileiro. Fundado em 1980 (mais precisamente a 10 de fevereiro de 1980, e registrado no dia 11 de fevereiro de 1982) integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América Latina. No início de 2015, o partido contava com 1,59 milhão de filiados, sendo o segundo maior partido político do Brasil, depois do PMDB. Na legislatura atual (2015-2019), o PT tem a segunda maior bancada na Câmara dos Deputados e a terceira maior do Senado Federal.

Os símbolos do PT são a bandeira vermelha com uma estrela branca ao centro (exceto no Rio Grande do Sul, onde a estrela na bandeira é amarela), a estrela vermelha de cinco pontas, com a sigla PT inscrita ao centro, e o hino do partido. Seus filiados e simpatizantes são denominados “petistas”.

O PT possui, como os demais partidos políticos no Brasil, uma fundação de apoio. Denominada Fundação Perseu Abramo, foi instituída pelo Diretório Nacional em 1996 e tem por missão realizar debates, editar publicações, promover cursos de formação política e preservar o patrimônio histórico do partido – tarefa pela qual é responsável o Centro Sérgio Buarque de Holanda. A FPA substituiu uma fundação de apoio partidário anteriormente existente no PT, a Fundação Wilson Pinheiro, criada em 1981.

Em 2003, com a posse de Luís Inácio Lula da Silva como Presidente da República, o partido passou a comandar pela primeira vez o Executivo brasileiro. Lula reelegeu-se em 2006 e foi sucedido em 2011 por Dilma Rousseff, sua Ministra-Chefe da Casa Civil. Dilma foi reeleita em 2014 e deixou a presidência em agosto de 2016, após sua destituição ser aprovada pelo Congresso Nacional.” (Transcrito do Wikipédia)

Estrela encarnada – o símbolo petista

* * *

II

“O PT surgiu da organização sindical espontânea de operários paulistas no final da década de 1970, dentro do vácuo político criado pela repressão do regime militar aos partidos comunistas tradicionais e aos grupos armados de Esquerda então existentes. Desde a sua fundação, apresenta-se como um partido de Esquerda que defende o socialismo como forma de organização social. Contudo, diz ter objeções ao socialismo real implementado em alguns países, não reconhecendo tais sistemas como o verdadeiro socialismo. A ideologia espontânea das bases sindicais do partido – e a ação pessoal de lideranças sindicais como as de Lula, Jair Meneguelli e outros, sempre se caracterizou por uma certa rejeição das ideologias em favor da ação sindical como fim em si mesma, e é bem conhecido o episódio em que Lula, questionado por seu adversário Fernando Collor quanto à filiação ideológica do PT, em debate televisionado ao vivo em 1989, respondeu textualmente que o PT “jamais declarou ser um partido marxista”.

Mesmo assim, o partido manteve durante toda a década de 1980 relações amistosas com os partidos comunistas que então governavam países do “socialismo real” como a União Soviética, República Democrática Alemã, República Popular da China, e Cuba. Estas relações, no entanto, jamais se traduziram em qualquer espécie de organização interpartidária ou de unidade de ação e não sobreviveram à derrocada do mesmo socialismo real a partir de 1989, não obstante a manutenção de certa afinidade sentimental de algumas lideranças do PT com o governo de Fidel Castro – como no caso emblemático do ex-deputado José Dirceu, que na década de 1960 foi exilado em Cuba e lá recebeu treinamento para a luta de guerrilha (da qual jamais participou concretamente). A liderança do PT mantém também boas relações com o governo de Hugo Chávez na Venezuela.

O PT nasceu com uma postura crítica ao reformismo dos partidos políticos social-democratas. Nas palavras do seu programa original: “As correntes social-democratas não apresentam, hoje, nenhuma perspectiva real de superação histórica do capitalismo imperialista”. O PT organizou-se, no papel, a partir das formulações de intelectuais marxistas, mas também continha em seu bojo, desde o nascimento, ideologias espontâneas dos sindicalistas que constituíram o seu “núcleo duro” organizacional, ideologias estas que apontavam para uma aceitação da ordem burguesa, e cuja importância tornou-se cada vez maior na medida em que o partido adquiria bases materiais como máquina burocrático-eleitoral.” (Transcrito do Wikipédia)


A BOTIJA E A CASA MAL ASSOMBRADA

 

Botija com moedas de ouro e prata

Preparado como em todas as noites, o ambiente era convidativo. Uma área de aproximadamente 200 metros quadrados, varrida caprichosamente com vassourinhas – como árvores tinha apenas dois belos ipês amarelos, floridos de tal forma, que a ausência da folhagem permitia aos sentados, olhar a lua e contar estrelas.

Toras de árvores improvisadas como tamboretes, arrumadas involuntariamente por quem não entendia nada de palcos ou teatros, formavam e davam a impressão de uma arena. Repleta de espectadores – meninos e meninas, e duas ou três velhotas que ali ficavam esperando a chegada do sono.

Banhado e cheirando a açucena, Vovô Camilo arrumou seu tamborete com assento de couro de bode, que trouxera da camarinha – guardava, para outras pessoas não colocarem a bunda no que era somente dele – e colocou num local onde pudesse olhar os rostos das crianças e permitir que todas lhe vissem e ouvissem contando suas estórias.

Fez um pigarro leve seguido de outro mais forte, para temperar a garganta, enquanto acendia o cachimbo Bertoldi que ganhara da filha Mariazinha quando completou 60 anos de vida. Estava pronto para começar mais uma das estórias que engabelavam a criançada nas noites de um lugar onde não havia outro tipo de lazer – até fazê-las dormirem.

– “Era uma vez um fazendeiro muito rico, dono de muitas terras e essas com muitas vacas e cavalos. Os muitos animais eram cuidados por vaqueiros que vinham de outros lugares, pois a Fazenda “Boa Sorte” não tinha gente preparada.

Nem todos os vaqueiros se davam bem. Alguns nem se falavam, e, quando conduziam os bois e os cavalos, apenas faziam o chicote estalar. Entre os vaqueiros, existia um tal Bartolomeu, que viera de Goiás, recomendado por uns amigos de Moreira, proprietário da Fazenda Nossa Senhora da Boa Sorte.

Bartolomeu era estranho. Falava pouco e tinha o hábito de responder sim ou não com um simples aceno com a cabeça. Em casa era diferente. Falava muito, embora só tivesse a mulher Zilda para conversar – aproveitava, de noite, para falar tudo que não falava durante o dia, na fazenda.

Os companheiros de trabalho tentaram descobrir o motivo que tornava Bartolomeu uma pessoa arredia e calada. Certo dia, conseguiram descobrir que ele tinha um segredo. Passaram a vigiá-lo.
Aos domingos e feriados, quando ganhava folga como Vaqueiro, Bartolomeu saía de casa com uma enxada no ombro e voltava sempre tarde. Não era dono de roça, nem trabalhava como agricultor para ninguém. A desconfiança cresceu ainda mais.

Não demorou muito e os companheiros conseguiram descobrir que Bartolomeu não viera de Goiás apenas para trabalhar como Vaqueiro. Havia alguma coisa que eles queriam descobrir.

Num domingo, novamente de folga, Bartolomeu saiu de casa e não demorou muito estava de volta. Ofegante, com um saco nas costas. Procurou a mulher Zilda, e determinou que ela se arrumasse e colocasse tudo que tinha de valor dentro de dois sacos, enquanto ele preparava dois jumentos com cambitos e caçuás. Quando a noite caiu, Bartolomeu “fugiu” com a mulher, levando os dois animais, algumas peças de roupa e bastante água.

Na segunda-feira o Vaqueiro não apareceu na fazenda. A procura foi em vão – dias depois descobriram que Bartolomeu havia encontrado o que viera procurar quando saiu de Goiás: uma grande botija cheia de valiosas moedas de prata e algumas mais de ouro.”

Somente quando Vovô Camilo acabou de contar a estória, foi que percebeu que todos os meninos e meninas estavam dormindo sentados.

A casa mal assombrada do povoado Pedras Verdes

Construída numa área elevada pouco mais de um metro do nível local, a residência da família Silva Costa teve seus momentos áureos na época do domínio da cana de açúcar. Era ali que muitos donos de engenhos do lugar se reuniam durante a noite para acertar contas, conhecer os lucros que estavam tendo e até para negociar a venda de alguns poucos negros escravos.

Há quem afirme que, em meados do século XIX, por conta do descobrimento da sonegação de impostos, o Governo resolveu fiscalizar com mais veemência, provocando, entre outras coisas, o desinteresse dos canavieiros pelo plantio e colheita da matéria prima (cana de açúcar). Muitos proprietários de terras resolveram mudar para centros urbanos mais desenvolvidos, onde certamente poderiam investir noutros negócios.

E assim foi feito. No povoado Pedras Verdes (onde diziam que havia minas de turmalinas – o que teria gerado o nome de Pedras Verdes), a casa dos Silva Costa chamava a atenção de quem por ali passasse, mesmo com a rodovia passando ao lado, numa distância de 220 metros. De longe se avistava o casarão. Um verdadeiro fascínio, quando belo e habitado.

Os proprietários foram embora e os poucos escravos desapareceram, tentando viver a liberdade noutro lugar. Sem habitante, sem cuidado e manutenção, a deterioração chegou a galope. Pássaros, cobras, urubus, corvos, raposas e outros tantos animais fizeram dali a sua moradia. Alguns cavalos que serviam aos proprietários, sem alimentação e sem cuidados, acabaram morrendo de fome e as carcaças tornaram o ambiente lúgubre e de um fedor insuportável.

Rápidos e levados pelo vento, os boatos ganharam a vizinhança, dando conta de que a casa era mal assombrada e em noites de lua cheia se escutava gemidos de escravos, uivos de raposas, sobrevoos de corujas – tudo provocado por uma forte ventania que chegava naquela casa construída um pouco mais alta do nível do chão.

Soube-se, também, que havia um sótão no interior da casa, e que lá vivia uma velha com duas cabeças, que fora ali aprisionada para não ser vista por ninguém. Teria morrido de fome e sede – e agora vivia aparecendo para cobrar atenção dos proprietários.

Verdade ou não, em noite de lua cheia nenhum passante se atrevia a andar devagar naquela estrada, de onde diziam avistar luzes incandescentes e ouvir muitas vozes – que afirmavam ser dos antigos proprietários negociando preços da matéria prima e a venda de escravos.


O POMBO CAGÃO E O MELHOR TIME DO SÉCULO XX

Pombos se reproduzem nas praças públicas

A chuva que não caiu no período da manhã permitiu que eu repetisse a caminhada – a conselho médico – para tentar queimar as gordurinhas do fígado e, renovando as células, facilitar o caminho da sangue nas artérias.

– Domingo que vem o teu Botafogo vai tomar mais uma porrada do meu Fluminense, Oliveira! – Disse Soeiro, num misto de convicção com alegria.

– Será? Respondi, meio que desconfiado.

– E olhe que não teremos Scarpa e outros titulares – garantiu o sempre tímido Soeiro.

Pois eu entro também em campo com o meu Botafogo e sinto que “entramos desfalcados” faz é tempo. Quem viu o Glorioso jogando com Carlos Alberto Torres e Garrincha, Zequinha ou Rogério, e vê os jogadores daquela posição, hoje, não pode estar satisfeito.

Quem viu uma ala esquerda com Marinho Chagas ou Rodrigues Neto ou ainda Rildo e Dirceu ou Paulo Cézar Lima e hoje vê Victor Luís e Sassá, pode estar satisfeito?

Quem viu jogar Nilson Dias, Berg, Ademir Vicente, Afonsinho, Didi, Paulo Valentim, Amarildo, Gerson, Carbone, Osmar Guanelli, Mauro Galvão, Leônidas, Nilton Santos, Manga e mais de 50 selecionáveis, vai aplaudir, agora, um time que se defende mal e ataca pior ainda?

Glorioso Botafogo de Futebol e Regatas

Assim, eu nem duvido que o Fluminense de Soeiro saia de campo como vencedor na tarde de domingo.

Mas, é bom não confiar muito nessa realidade atual, visse Soeiro!

E aí a gente não sabe quem está mais por baixo. Se o futebol brasileiro como um todo, ou se as competições disputadas pelos times brasileiros.

Como assim?

Ora, onde e quando já se viu, um clássico como Fluminense x Botafogo ser disputado no mesmo dia e horário de jogo importantíssimo como Flamengo x Vasco da Gama?

Parecendo corroborar com o que foi dito pelos velhinhos do banco da Praça João Lisboa, um dos muitos pombos que vivem ali, num voo não tão alto, cagou e sujou a camisa de cambraia de linho amarelinha de Soeiro.

E, vida que segue!

Em Tempo: Não está tão longe assim, o dia que a FIFA consagrou o Botafogo de Futebol e Regatas como o melhor time do século II.


NO TEMPO DO QUEROSENE E DO VELOCÍPEDE

Lamparina usada para “aluminar” as casas da roça de antigamente

A casa era grande – não no sentido da Casa Grande de Gilberto Freyre – com vários cômodos. Paredes construídas com barro de estuque e varas de marmeleiro amarradas com palha de carnaúba, deixava sempre um cheiro de Terra. Cheiro de vida, de suor e tempero da paixão que sempre tivemos pelo nosso lugar. Lugar onde nascemos, vivemos e nos sentiríamos premiados por Deus, se, também pudéssemos ter a sorte de fechar pela última vez os olhos naquele mesmo lugar.

O dia, como um poema que se renova a cada dia, começava com o cantar do galo e os berros dos cabritos, cabras e bodes. O silêncio era tão grande, que qualquer pessoa de boas “oiças” poderia escutar o barulho da água fervendo para o café matinal.

A claridade chegava e com ela a hora de apagar a lamparina acesa no escurecer do dia anterior, “na boquinha da noite” – para alumiar apenas o “cômodo” onde se juntasse mais gente.

– Meu fii, vá na venda comprar “uma quarta de litro de querosene”!

A fala continha um misto de ordem com um pedido de favor e poderia ser entendida de outra forma, se não fosse atendida imediatamente:

– Menino, se avexe e cuide logo, se não nós fica no escuro, quando a noite chegar!

Por anos, a lamparina foi a principal “peça” noturna daquela casa. Servia para tudo. Desde “alumiar” a escuridão, até acender o cachimbo – era, também, a grande forma de economizar o desperdício de fósforos.

Bomba de rojão

Começava o mês de abril e, quando menos se esperava, chegava a Semana Santa e, logo após, o dia 13 de maio, comemorado no Brasil em homenagem à Nossa Senhora de Fátima. O fim de maio chegava rápido, como se fosse guiado por um meteoro.

Começava junho e a propaganda iniciava os apelos para as compras do Dia dos Namorados, 12 de junho. Em seguida – o dia seguinte – os rojões, traques, foguetes e tudo que representava o período junino começava a “espocar” pela cidade. Fortaleza, ainda hoje é assim.

As fogueiras, as bananeiras sendo “feridas a faca” pelas simpatias das solteironas, anunciavam o dia de Santo Antônio: 13 de junho e estava aberta a porteira oficial para os milhos assados, os bolos de carimãs, os aluás de milho, de pão ou de casca de abacaxi. Os bolos de milho, pé-de-moleque, bolo de batata doce.

Pais chegavam de volta à casa e com eles vinham as caixinhas de “traques” de estalinho, bombas de fósforo, foguetes rabos de saias – mas nunca faltavam as bombas de rojão, as cabeças de nêgo, as rasga latas.

Fila para telefonar no “orelhão” – o outro, com defeito

Ao completar 18 anos e ficar livre de servir ao Exército, Paulinho precisava sair da casa dos pais para tentar a vida (ainda sem uma profissão definida). Com o dinheiro colocado no cofrinho de lata, conseguiu comprar a passagem para a capital. Lá trabalharia mais alguns meses e juntaria as economias para viajar e tentar a vida em São Paulo. Nas priscas eras, na capital paulista sempre se encontrava trabalho fácil – para quem queria realmente trabalhar.

Tudo como planejado. Trabalho garantido, estudos reiniciados para a profissionalização definitiva que não demoraria.

Na tarde do sábado, Paulinho gastou passagens de ônibus e de trem urbano e foi até o “centro” onde encontraria a Central Telefônica e, lá, telefonaria para casa. Mais precisamente para a venda do Seu Cipriano. Falou pouco, pois falaria mais no domingo, com tarifa mais barata:

– Alô, é Seu Cipriano?

– Sim. Quem fala?

– Seu Cipriano, aqui quem fala é Paulinho, filho de Ademir de Rosa. Por favor, peça para alguém falar um recado para o meu pai, que, amanhã, às 10 horas eu volto a telefonar para falar com ele.

Era assim que se usava telefone, não faz tanto tempo assim. Hoje, embora seja o objeto preferido dos assaltantes, para trocar ou pagar dívidas com a droga, qualquer pessoa possui um telefone celular. Telefone de conta no final do mês, telefone pré-pago com direito a bônus e ainda tem o whats-ap.

Detalhe: nenhuma operadora de telefone (apesar de “pagar muita propina”) que serve ao povo brasileiro, presta serviço de qualidade.

Velocípede – presente comprado com esforço pelos pais

Velocípede, patinete, pião, io-iô, bambolê (para as meninas), quebra-cabeças, carrinho de madeira – no meu caso, sempre ganhei mesmo foi serra tico-tico, martelo, serrote, lixo para madeira, prego e eu mesmo que fizesse meus brinquedos.

Por muitos anos, pais faziam economia para garantir a compra do material escolar no ano seguinte, bem como o uniforme, os sapatos e a pasta para carregar os livros. Mas, o velocípede, era um presente que os “niños” ganhavam para passear ás tardes na pracinha ou no parque. Ou em casa, no alpendre.

Por que mudamos tanto?

O que ganhamos, de prático, com essas mudanças?

Não faz tanto tempo, o nosso “telefone” eram duas latas vazias amarradas a um barbante, e vivíamos na ilusão da comunicação – e, provavelmente por isso, nunca nos trumbicamos.


ÁGUAS DE MARÇO

O início de uma tromba d´água

Muita chuva para pouca roça, e muito menos trabalhadores. Dias diferentes do 29 de março, dois dias para o 31 do mesmo mês do ano de 1964.

Ao contrário do que os teóricos apregoam, o Brasil não é nenhum “gigante” e tampouco está dormindo – o que existe é que, realmente, o Brasil não é um país sério, seja lá quem tenha dito. Mas, disse e acertou. Acertou na mosca.

Poderes constituídos que deveriam se respeitar e saber da necessidade de estarem distantes uns dos outros nas horas das decisões, ao contrário, desfrutam de um compadrio pernicioso e dependente aos mais reles dos valores. O comprometimento é total. É imoral. É nojento.

Ao que parece, como dizia minha santa Avó, “alguém cagou fora do penico” e o novo escândalo que deveria permanecer cegando o povo de qualquer possível revolta, foi amenizado: a carne deixou de ser o único e maior problema do Brasil. Agora, é apenas “mais um” problema.

Mas, não se iludam. Até o próximo dia 31 de março, as águas vão rolar fazendo estragos. Afinal de contas, 53 anos não passam tão rapidamente.

Uma ave no céu
Uma ave no chão
É um regato, é uma fonte
É um pedaço de pão…

É o fundo do poço
É o fim do caminho
No rosto o desgosto
É um pouco sozinho…

É um estrepe, é um prego
É uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando
É uma conta, é um conto…

Açude Gavião – as águas de março chegam ao Ceará

O tiro parece ter saído realmente pela culatra. Tentaram desviar a atenção de dois fatos que, nos próximos dias, abalarão ainda mais a malfadada República Brasileira – há quem afirme com muitas letras, que alguém que se imagina acima das leis e de todas as coisas, está muito próximo de ver o sol nascendo quadrado; pior ainda, o País vai ser sacudido mais uma vez por outra crise: a vacância na principal cadeira do Executivo.

Pena que alguns fatos desses (extremamente necessários para a recuperação do orgulho nacional) só estejam programados para acontecer em abril. Mas, as águas de março fizeram o seu papel.

Muito antes do dia 19 de março (dedicado à São José – Padroeiro do Estado), as águas já caíam no solo cearense, enchendo e levando ao transbordo alguns dos principais açudes do Estado.
Vem excelente safra por aí – e o São Francisco ainda nem chegou!


BRIGA DE FOICE E A REGRA DO JOGO

A tão malfadada briga de foice no sertão

Morei por 14 anos num mesmo apartamento no Rio de Janeiro. Por igual tempo, nunca descobri o nome de nenhum vizinho – incluindo os do mesmo andar. Não sei se isso é bom ou ruim. Por mais de 10 anos eu trabalhei feito um burro de carga. Durante o dia, numa Editora Gráfica, onde trabalhava, também, fazendo horas extras de segunda à quinta-feira (a sexta-feira era o dia do chope).

Por igual período, aos sábados e domingos, trabalhava numa empresa inglesa – nunca “gastei” um centavo ganho nessa empresa (Arthur Andersen). Juntei tudo e, assim, pude comprar com pagamento à vista, uma casinha em Fortaleza, onde moram minhas filhas do primeiro casamento, com a mãe.

Com o tempo descobri que, o povo carioca é muito cordial e excelentes pessoas quando se tornam amigos. E mais, não são difíceis de fazer amizades. São abertos, gentis, educados e respeitadores. Morei também alguns meses em Curitiba e em São Paulo e já estou morando em São Luís há 31 anos. Não posso dizer do povo desses outros estados, o mesmo que disse dos cariocas. Só depois de muito tempo, descobri que, “carioca”, não é quem nasce no Rio de Janeiro. “Carioca” é muito mais um “estado de espírito”. O “carioca” leva tudo numa boa, sem problemas e sem brigas.

Tentei dizer nesses três primeiros parágrafos que não tenho entendido o comportamento de algumas pessoas, curtidas na casca do alho, que frequentaram escola e de boas árvores genealógicas que, nas redes sociais estão desfazendo amizades (algumas até de longo tempo) por posições contrárias à política brasileira.

Fico sem entender, como pessoas adultas e escolarizadas se indispõem por essa “merda” chamada política brasileira. A política brasileira é uma merda. Fedorenta, mais que lama apodrecida.

Mais estranho é que as discussões acabam gerando um verdadeira “briga de foice no escuro”. E, muito mais estranho ainda é que partem de pessoas que dizem conhecer e discutir a tal da “democracia”.

Quem não soma ou não aprova as ideias “democráticas” de outrem, logo é adjetivado de golpista, fascista, coxinha, esquerdistas e daí em diante. Que porcaria de democracia é essa que alguns defendem?

Quando será que alguém vai descobrir que é uma verdadeira idiotice brigar e desfazer uma amizade por conta de Lula, Dilma, Collor, Maluf, dória ou seja lá qual político for?

A bola da pelada de todas as tardes

Quando será que alguém vai procurar descobrir por que os gestores municipais e estaduais gostam tanto de “construir ginásios com quadras poliesportivas?

E, isso, muito antes de existir a Odebrecht. Pois bem!

Provavelmente os que jogavam peladas na rua todas as tardes (depois de fazerem os deveres escolares – quando alguém precisava fazer uma prova, no dia seguinte, sequer aparecia na rua), não estejam mais neste plano terreno. Mas, se estiverem, certamente vão lembrar que, os traves dos “campos” imaginários eram, quase sempre, as camisas – que aparecia sempre um FDP para mijar nessas camisas.

O melhor jogo nunca acontecia com placar de 10 (aquele que, quando algum time fazia 10 gols, acabava a partida). Terminava, mesmo, quando ninguém conseguir enxergar a bola.

Nesta semana “pesquei” uma das nossas famosas regras utilizadas para nortear as salutares brincadeiras de fins de tarde. Vejam:

Regras do Futebol de Rua de Antigamente

(Aprovadas pela FIFA – Federação Infantil de Fazer Amigos)

(1) Os dois melhores não podem estar no mesmo time. Logo, eles tiram par-ou-ímpar e escolhem os times

(2) Ser escolhido por último é uma grande humilhação

(3) Um time joga sem camisa e o outro com camisa

(4) O pior de cada time vira goleiro, a não ser que tenha alguém que goste de agarrar

(5) Se ninguém aceita ser goleiro, adota-se um rodízio: cada um agarra até sofrer um gol

(6) Quando tem um pênalti, sai o goleiro ruim e entra um bom só para tentar defender a cobrança

(7) Os piores de cada lado formam na zaga

(8) O dono da bola joga no mesmo time do melhor jogador

(9) Não tem juiz

(10) As faltas são marcadas no grito: se você foi atingido, grite como se tivesse quebrado uma perna e conseguirá a falta

(11) Se você está no lance, e a bola sai pela lateral, grite ” é nossa” e pegue a bola o mais rápido possível, para fazer a cobrança – essa regra também se aplica ao escanteio

(12) Lesões, como arrancar a tampa do dedão do pé, ralar o joelho, sangrar o nariz e outras são normais

(13) Quem chuta a bola para longe tem que buscar

(14) Lances polêmicos são resolvidos no grito ou, se for o caso, na porrada

(15) A partida acaba quando todos estão cansados; quando anoitece; ou quando a mãe do dono da bola manda ele ir pra casa; ou quando aquela vizinha prende a bola que caiu na casa dela; ou corta a bola

(16) Mesmo que esteja 15 x 0, a partida acaba com o tradicional “quem fizer gol, ganha”

(17) rua de baixo contra rua de cima valendo refrigerante Grapette

Lembrou tua infância!!??*

Então fostes uma criança normal…

Velhos tempos que não voltam mais. 

Dessa forma foi minha infância.


É A CARNE, É?

Quanto mais eu vivo, mais abestalhado eu fico.

Quer dizer que, agora, o maior problema do Brasil é a carne?

Como estariam reagindo os vegetarianos?

E, com certeza, estão cagando e andando para essa merda toda aí jogada na mídia. E o fato, inusitado, me obriga, mais uma vez a relembrar a minha Avó. Analfabeta de pai e mãe, nunca fez a letra “o” com uma quenga de coco. Mas, detalhe, nunca foi burra a ponto de se deixar envolver ou se permitir virar massa de manobra.

Quando íamos a algum lugar, e precisávamos passar por uma capoeira (capoeira é uma faixa de terra aberta, sem muita arborização, onde muitos soltam seus animais – bovinos e equinos), era normal, nós, as crianças, flagrarmos um jumento “subindo” numa jumenta, com aquela tora de fumo procurando o abrigo adequado.

Pois, Vovó, para que nós não víssemos aquela cena “polodoriana e pajaraquenta” do entrar do rolo de fumo, inventava alguma coisa para desviar nossa atenção.

Pois é. Uma mosca nojenta que parecia ter fugido dessa tal carne estragada, fazia questão de me atazanar, escolhendo sempre como seu campo de aterrisagem, o meu ouvido esquerdo. Com a minha lentidão de cágado para raciocinar, depois de alguns tabefes no pé do zouvido, foi que entendi que ela (a mosca) estava querendo que eu desviasse a atenção para os reais problemas que acontecem atualmente no Brasil e, olhasse apenas para “a carne fraca”. Tal como minha Avó fazia, para que não olhássemos o entra e sai da pajaraca polidoriana.

No Brasil, faz tempo que carne não chega à mesa do pobre, que o verme de Caetés vive dizendo que “está de bucho cheio”. Da mesma forma, também faz tempo que muitos deixaram de comer a carne mijada para comer a carne cagada. A concorrência da oferta, cada dia fica mais acirrada.

E, assim, volto a perguntar: quer dizer que o problema do Brasil é a carne?

O Brasil não tem problemas com a educação, com a segurança, com as leis emprenhadas por incompetentes, com as estradas, com as ferrovias, com o desmatamento e o consequente assoreamento dos rios, com a falta de saneamento básico, com a saúde e muito menos com a roubalheira institucional.

O único problema do Brasil, é a carne!

Os bodes, as ovelhas e carneiros, as galinhas caipiras e as curimatás, pirarucus, traíras, camarões, pescadas devem estar rindo às escâncaras!

Carne de caprino – bonita, limpa e de alto teor alimentar

Aquela mesma mosca me contou que não estamos muito distantes da cassação da chapa Dilma-Temer e que também não estamos muito longe de uma decisão que as pessoas de bem esperar e anseiam: a verdadeira consumação de um ato de prisão proveniente de Curitiba, capital paranaense.

Mas, o problema do Brasil é a carne?

Arre égua!

Estradas brasileiras – as quase boas

São Paulo ainda não conseguiu sair totalmente da crise hídrica, por absoluta incompetência de gerenciamento;

A Samarco liquidou quase que a totalidade de um município, por absoluta incompetência de gerenciamento;

Brasília vive dias de enfrentamento e confrontos; as fronteiras brasileiras com países vizinhos são uma porcaria;

As ferrovias brasileiras engolem a cada ano milhares de milhões e ainda assim estão jogadas à ferrugem e abandono;

O legislativo brasileiro (Câmara e Senado) são o que se está vendo aí todos os dias quando a divulgação não é “atrapalhada”.

O judiciário vive atrapalhado com um amontoado de processos que empurra com a barriga – e nunca se sabe qual o objetivo disso;

Os presídios estão superlotados, inclusive de presos que nunca foram julgados e, assim não estão apenados;

E, finalmente, lá nas capoeiras da minha Queimadas, os jumentos continuam “subindo” nas jumentas – e minha Avó não está mais lá para tentar evitar que não vejamos a pajaraca entrando e saindo.

Mas, o único problema do Brasil, é a carne. Puta que pariu!


ZÉ, O MENINO QUE VENDIA GIA

 Zé exibe um dos seus troféus

A chuva continuava caindo e, embora não dissesse nada para ninguém, na sua linguagem apropriada parecia dizer: “vou demorar a passar” – e, fina como um cabelo, se deixava tanger pelo vento, parecendo cair na horizontal.

Durante o dia e boa parte da noite anterior, choveu de forma mais intensa. As galerias pluviais receberam mais água, os reservatórios subiram o volume e os animais e insetos que ali se abrigavam para viver e se reproduzir começaram a se incomodar. A fuga foi quase imediata.

Era isso que Zé queria. O tempo era propício para o que considerava ser o “seu trabalho”: voltar a ganhar o apelido de “maior pegador de gia” do Jardim América, um bairro de Fortaleza, que existe como se fora uma divisória entre os diversos bairros suburbanos da zona leste e zona central da capital cearense.

Menino pobre que enfrentava necessidades mil, que ainda tinha a virtude de ser honesto, mania abestalhada e retrógrada que lhe passaram os pais. Trabalhava incansavelmente para ajudar a levar o sustento para casa – e, estranho, nem ele nem seus pais viam alguma coisa relacionada à escravidão ou exploração infantil. Mais uma das frescuras atuais das gerações nem-nem. Assim era o Zé.

Gia do “papo vermelho” de alto valor nutritivo e comercial

“As rãs possuem importância econômica por possuírem carne muito apreciada pelo homem, além de serem historicamente empregadas nas pesquisas biológicas, farmacêuticas e medicinais como cobaias. Diferente dos sapos, que pertencem a família dos Bufonidae, as rãs comestíveis são aquelas espécies que possuem peso acima de 50 gramas quando adultas. No Brasil, existem várias espécies de rãs de grande porte, que pertencem a família Leptodactylidae (rã-manteiga, rã-pimenta, gia, etc.). No Peru existe a famosa rã do lago Titicaca, que pertence a família Pipidae. A maior rã do mundo Rana Goliath vive exclusivamente nas florestas da Mauritânia (África), pertence à família Ranidae.

As espécies da família Ranidae (inclusive a rã-touro), se diferenciam das espécies da família Leptodactylidae (dedos terminados em ponta) por possuírem membranas natatórias entre os dedos, (tipo pé-de-pato). A Rana catesbeiana é originária da América do Norte, mas foi introduzida no Brasil por empreendedores que viram nesta espécie grandes potencialidades comerciais pelas qualidades nutricionais e sabor delicado de sua carne. Fonte(s):.ufv.br/dta/ran/rana (Transcrito do Wikipédia)

Zé, apesar de criança na faixa de 12 anos, “pegou tino de vendedor” no sofrimento diário que a vida lhe impôs. Cedo aprendeu a distinguir o bem do mal, e o bom do ruim. Sempre andou pelo caminho reto – por isso, os pais não tinham qualquer tipo de preocupação com ele. Tinhoso, Zé cuidava detalhadamente daquilo que lhe rendia algum tipo de lucro.

Os anos 50 e 60, em Fortaleza, eram diferentes desses mesmos anos no interior do Estado, sempre convivendo com a seca que tangia o sertanejo e lavrador para a capital à procura da sobrevivência. Chovia regularmente em Fortaleza e, às vezes, chovia além do necessário. Partes da cidade sofriam com alagamentos e a ausência de esgotos e drenagens para as águas pluviais.

Foi aí que a Prefeitura descobriu a necessidade de “canalizar” o Jardim América e bairros adjacentes, a fim de livrar a população de alagamentos e prejuízos materiais. Construiu um canal, e para ele dirigia a água das chuvas. Galerias médias e grandes foram construídas. E era exatamente nessas galerias que Zé “escondia as gias”, sua principal fonte de renda.

Gia grande do papo vermelho sendo “preparada”

“Pelophylax Fitzinger, 1843 é um género de rãs da família Ranidae com distribuição natural alargada na Eurásia, desde a Península Ibérica ao Extremo Oriente, e com algumas espécies no norte de África. O género agrupa as rãs com vida predominantemente aquática e coloração em geral esverdeada, o que lhes mereceu os nomes comuns de rãs-aquáticas e rãs-verdes. O taxon foi inicialmente proposto por Leopold Fitzinger, em 1843, para acomodar as rãs do Velho Mundo que considerava distintas das rãs-castanhas do género Rana proposto por Carl Linnaeus. Esta distinção foi rejeitada pela maioria dos taxonomistas dos séculos XIX e XX, mas o recurso às técnicas da filogenia molecular confirmou que a semelhança morfológica entre os grupos se deve essencialmente a convergência evolutiva, não constituindo um grupo monofilético com Rana. Dependentes da presença de água doce, as espécies deste géneros ocorrem numa vasta gama de habitats, desde ambientes húmidos nas regiões temperadas e temperadas frias a oásis em desertos.” (Transcrito do Wikipédia)

Gia gigante preparada à moda milanesa consumida como tira-gosto

Nesse mesmo período, em Fortaleza, mais precisamente no bairro Montese, localizado ao lado do Jardim América, foi inaugurado um colégio para o ensino médio (naqueles tempos, cursos primário, ginasial e científico), onde a maioria do corpo docente era formada por padres – e, entre esses, um considerável número de holandeses e de nascidos em outros países da Europa.

Não demorou muito e Zé descobriu que os padres holandeses apreciavam a carne de gia. Arrumou e consumou uma seleta freguesia. Provavelmente para manter o “fornecedor” sempre perto deles, os padres até conseguiram convencer Zé a estudar e lhe ofereceram uma Bolsa de Estudos com gratuidade total. Juntaram o útil ao agradável.

Rã de criatório (ranário) tem larga aceitação

Sou pai de cinco filhos. Quatro moças e um rapaz – aliás, já contei isso aqui. O primeiro casamento me deu duas filhas, ambas nascidas no Rio de Janeiro, mais precisamente em Bento Ribeiro. Fomos vizinhos próximos do “Ronaldo Fenômeno”. As outras duas, nascidas do segundo casamento, são maranhenses de São Luís. Dos cinco filhos, o rapaz é o caçula. Seria coincidência que, por algo que não consigo explicar, ele resolveu se graduar em Nutrição?

Quando tinha por volta dos 8 meses de nascido, contraiu uma forte gripe e pensávamos que seria por conta da dentição que começara. A gripe ficou mais forte e demorada, e tivemos que leva-lo a um hospital. Por coisas que a gente não conseguiu entender, no hospital, ele contraiu uma infecção intestinal que praticamente destruiu com a flora intestinal dele, quase levando-o ao óbito.

Depois de amenizada (e provavelmente curada) a infecção, foi prescrita uma rigorosa dieta alimentar à base de duas carnes: rã e coelho. Daí o meu interesse pessoal por esse alimento exótico – e quase me transformo num criador do “bicho”, pois comprar três ou quatro quilos em fornecedor especializado acabava ficando muito oneroso.

Rã (ou gia de outra espécie menor) preparada como refeição principal


A IRREVERÊNCIA E A BELEZA DO CORDEL

Quando morei no Rio de Janeiro conheci um jovem, mineiro de Sete Lagoas, e com ele fiz amizade. Estudamos juntos e nos graduamos juntos, na mesma Universidade. Ele tinha no máximo 30 anos e eu já chegava aos 40. Por respeito, vou, por ficção, chama-lo de Pedrinho. Pedrinho começou a namorar uma mulher (solteira, diga-se!) com mais idade que ele. Logo começaram as proximidades e práticas sexuais. Amiga comum, a mulher comentava comigo o elogiável desempenho de Pedrinho na cama. O cara era uma fera, segundo ela. E, a confidência tinha um objetivo: demonstrar a preocupação dela, para o fato de que, apesar da idade, Pedrinho só conseguia “fazer aquilo tudo” por que, antes do ato, acendia e puxava com força, 5 centímetros da pura cannabis. “Motivação” estranha, para quem tinha a saúde e a idade dele.

Com isso, quero dizer que muitos precisam de motivação até para viver. De algum tipo de motivação para fazer alguma coisa – até para roubar, ladrão precisa ter a motivação de não ter escrúpulos ou vergonha na cara.

Desde ontem pensava em postar um texto pequeno, com três parágrafos no máximo, e apenas uma foto para servir de ilustração. E aí, navegando na Internet encontrei uma informação que me serviu de “cannabis sativa” (gente, nunca fumei nada na minha vida de 73 anos – cigarros, charutos ou baseados): ontem, 14 de março foi o Dia da Poesia. E, o que mais “abunda” nesta escrotidão de JBF é poesia de alta qualidade e merecidos elogios aos ilustres e reconhecidos autores.

Como ficaria muito difícil render homenagem a todos os poetas que enriquecem este antro de sacanagem, optei por render homenagem a todos os que muito bem escrevem versos de rara beleza, através dos que preferem a poesia de cordel. Os outros que se sintam, também, homenageados.

A Mulher é mãe é filha,
Esposa e amante também,
Mas não nasceu para ser
Afrontada por ninguém.
Por isto preste atenção
Tenha consideração
Pois pode lhe fazer bem.

Cada vez que vejo o sangue
De mulher tingir o chão
Sinto um aperto no peito
Dói demais meu coração.
Mulheres assassinadas,
Covardemente estupradas
Que sórdida situação.

Dalinha Catunda

Alguém inescrupuloso
de espírito deletério
com uma denúncia anônima
provocou um caso sério,
talvez por causa de inveja
na Bomba do Hemetério.

Naquela comunidade
uma popular senhora,
dona Gedália Ferreira,
enlutada até agora
com a perda de um ser querido,
de dor e saudade chora.

Foi decerto negligência
a causadora do drama
inusitado talvez,
que a população reclama:
a morte de um papagaio
nas dependências do IBAMA.

Doddo Félix

Na cabeceira da cama
Dois brincos recém-tirados
Dois brilhos fundos nos olhos
E um xodó bem começado.

Duas pessoas sozinhas
Qual duas casas vizinhas
Com biqueiras encostadas.
São vidas parede-meia
E a bica correndo cheia
Nessa hora de invernada.

Artilharia pesada
Tum-tum-tum de coração
Emoção ali campeia
Abrem-se regos nas veias
Só pra sangue de paixão.

Jessier Quirino

Pra quê todo esse orgulho
Do que se é, do que se tem,
Se nada somos no mundo
E a vida é só nada além?
Porque não somos menor,
Tampouco somos maior
E nem melhor que ninguém.

Pra quê tratar com desdém
Se você subiu na vida?
Para Deus somos iguais
Todos na mesma medida.
Ademais, toda riqueza,
Sabedoria, ou beleza,
Lhe deixarão na partida.

Jesus de Rita de Miúdo

Vendo isso acontecer
Reflito sobre o problema:
Por que o nosso sistema,
De punir e de prender
Não consegue resolver
A questão da violência?
Será só incompetência
Dos governos da nação?
Ou existe outra razão
E nós não temos ciência?

Eu sei que essa questão
Envolve outros fatores
Que também são causadores
Do problema em discussão.
Desemprego, educação,
Ou melhor, a falta dela,
Abandono da favela
Ao poder dos traficantes,
São fatores importantes
Para por em nossa tela.

Marcos Mairton

E, para completar a postagem que pretendia resumida – mas ficou impossível – aproveito “o mote” e rendo, também, homenagem a três poetas e cordelistas de mancheias que, por anos dignificaram e travaram pelejas, motes, calangos e fizeram da vida os mais belos repentes, sem esquecer (ou deixar de fora) a irreverência. Coincidentemente, três poetas e reconhecidos cordelistas/repentistas nordestinos.

* * *

Rogaciano Leite

Rogaciano Leite

“Rogaciano Bezerra Leite foi poeta e jornalista brasileiro. Filho dos agricultores Manoel Francisco Bezerra e de Maria Rita Serqueira Leite, Rogaciano Leite nasceu no dia 1 de julho de 1920 no Sítio Cacimba Nova, município de Itapetim-PE e faleceu a 7 de outubro de 1969, no Rio de Janeiro. Foi poeta repentista e Jornalista.

Filho dos agricultores Manoel Francisco Bezerra e de Maria Rita Serqueira Leite, Rogaciano Leite nasceu no dia 1 de julho de 1920 no Sítio Cacimba Nova, município de Itapetim-PE. Iniciou a carreira de poeta-violeiro aos 15 anos de idade, quando desafiou, na cidade paraibana de Patos, o cantador Amaro Bernadino.

Clique aqui e leia este artigo completo »


A SÁBIA SABIÁ – E O SERTÃO QUE VIROU MAR

Sabiá e sua maravilhosa coloração

De novo volto ao sertão. Volto com dois assuntos: um, nostálgico, relembrando os bons tempos da infância inocente; as “caçadas” com a baladeira; as vigílias com as arapucas de pegar sabiás; as retiradas dos filhotes dos ninhos para a criação nas gaiolas feitas de talos e palitos de coqueiro ou, ainda, as armações com talos de carnaubeira.

Infância pura. Infância construtiva, obediente, respeitosa – e sem a frescura de achar que Pai e Mãe é só para dar comida e não tem direito de, quando entender como necessário, punir com uma boa sova.

Tempo em que quase todos tinham lá seus apelidos, e ninguém conhecia essas babaquices de bulliyng inventadas e adotadas por uma sociedade que mais destrói que constrói. Coisa de idiotas que andam rápido na direção da autodestruição.

E, falar do meu sertão, do meu passado, deixando Vovó de fora do assunto, é a mesma coisa que dar bom dia para surdo ou achar que limpa o fiofó com papel higiênico (foi Vovó, que faleceu nos anos 70, quem me disse que, ânus não se limpa com papel nem com sabugo de milho, lava-se com água. E, repito, ela jamais frequentou uma escola.

Pois é. Alguém suja a mão com merda, e corre para lavar com sabonete e desinfetar com álcool. Mas, o ânus, ele acha que “limpa” com um pedaço de papel.

Vovó me ensinou quase tudo que sei. Eu só poderia adorar uma mulher como essa. Foi ela quem me ensinou a contar os dias que uma ave nasce, quebrando o ovo e saindo para a vida. Foi ela, também, quem me ensinou a armar e desarmar uma arapuca e qual a malha apropriada para pegar sabiás e outros pássaros. Me ensinou a armar a arapuca com “isca” de melão São Caetano maduro – que os sabiás adoram. E, me ensinou mais: quando o sabiá “cai na arapuca”, se demorarmos para recolher, a cobra vem e come.

Certo dia ela conseguiu me mostrar que sabiá é tão inteligente quanto o xexéu ou a graúna. Sabiá aprende tudo e, naquelas paragens havia uma que aprendera a “desarmar” a arapuca. Ela banhava em algum lugar e, posando sobre a arapuca, se sacodia toda para secar as penas e acabava “desarmando” a arapuca. Era uma sabiá muito sábia. Coisas da vida no sertão.

* * *
 

A fila da água – só quem “precisa” sabe o que isso significa

A água, aprendemos na escola, é um bem comum. Mesmo no nosso Brasil capitalista, ainda existem milhares de lugares onde não se paga para ter água potável e de qualidade. Nas nascentes das serras por exemplo e nas fontes naturais. A água que se paga é a água “tratada” quimicamente ou a água mineral e engarrafada em vários tipos de vasilhames.

Nenhum ser vivo consegue viver sem água. O homem, o animal, a ave e as árvores. Todos precisam de água.

Uma das maiores necessidades das regiões Norte e Nordeste do Brasil, é a água. Há muitos anos essas duas regiões sofrem com a escassez desse bem comum – ainda que se saiba da existência de lençóis subterrâneos em Estados onde a escassez é mais acentuada. No Piauí, por exemplo. No Vale do Gurguéia, os lençóis subterrâneos são tão fortes que tem sido difícil pensar em canalização.

A agricultura precisa de água. Por anos, essas duas regiões enfrentam dificuldades com a seca que acaba por provocar o êxodo rural. A dependência maior tem sido das chuvas, escassas, provocando anualmente o fenômeno da estiagem e da seca.

Independentemente de quem seja o “pai” do filho bonito e útil, depois de uma longa espera e custando verdadeiras fortunas, a transposição das águas do Rio São Francisco começa a chegar para atender as principais necessidades dos seres humanos e, agora, dos animais e da agricultura. Certamente diminuirá o êxodo rural.

Na sexta-feira, 10 de março, um dia depois da cerimônia com o presidente Michel Temer (PMDB) para a chegada da água da Transposição do Rio São Francisco à Paraíba, o primeiro estado beneficiado pelo projeto, foi reaberto mais um canal de disputas partidárias e acusações que não levam a lugar nenhum. A obra no eixo leste começou em 2007, no segundo mandato de Lula, com o objetivo de ser entregue três anos depois. Ao todo, foram investidos até agora mais de R$ 8 bilhões.

O eixo leste capta água do São Francisco em Floresta, no Sertão pernambucano, e passa por 217 quilômetros de canais até chegar ao açude de Poções, em Monteiro, onde 33 mil pessoas devem ser beneficiadas. De lá, vai pelo Rio Paraíba até Campina Grande, para atender mais 400 mil pessoas. Ato todo, o objetivo é de levar água às torneiras de 12 milhões de nordestinos – além de Pernambuco e Paraíba, no Ceará e no Rio Grande do Norte.

Finalmente, chegou o dia do sertão virar mar.


NOSSOS DESLIZES OFICIALIZADOS

A pretensão inicial desta postagem é evitar tendências políticas-partidárias que, nos últimos dez anos tem sido a mesma coisa que tentar decifrar o sexo dos anjos. Não se chega a nenhum lugar, porque todos – principalmente os que falam e defendem a democracia – só pensam em fazer valer os seus valores e as suas ideias.

É aquilo que tenho dito: “democracia, é a minha – a tua não é democracia”!

E o assunto pretende focar um único ítem (saúde preventiva – com o espraiamento das suas vertentes), dividido em dois: o Autismo e o Down.

O casal faz sexo e gera um(a) filho(a). Não se encontrou até o momento, algo do mundo externo que tenha ligação ainda que tênue com o fato de uma criança nascer portadora de Autismo (Síndrome de Asperger).

A ideia que passa é que, a partir do minuto em que o(a) filho(a) do casal é diagnosticado(a) como Autista – esse casal, pelo envolvimento sentimental e ético que tem com o(a) diagnosticado(a), assume psicologicamente, também, aquela condição. A partir daí, todo tipo de envolvimento e esforço para compreender e a aprenmder a conviver com o problema, é absoluto.

A procura de orientação, de grupos terapêuticos, de especialistas para acompanhamento na procura do melhor para aliviar o viver do diagnosticado, se transforma no lazer do casal.

No Brasil, o que está colocado à disposição para a assistência especializada, até onde se sabe, ainda não satisfaz. O dia-a-dia também exige mudanças e as falhas se apresentam com velocidade assombrosa, como a escola, por exemplo.

Escolas, até existem. Mas, os professores estão preparados para essa convivência?

Como estamos vendo e cuidando disso?

Autismo

Criança Autista

“O autismo é um distúrbio neurológico caracterizado por comprometimento da interação social, comunicação verbal e não-verbal e comportamento restrito e repetitivo. Os sinais geralmente desenvolvem-se gradualmente, mas algumas crianças com autismo alcançam o marco de desenvolvimento em um ritmo normal e depois regridem.

Clique aqui e leia este artigo completo »


AINDA HÁ TEMPO, GENTE!

Juan Carlos Poca – Revelação do The Voice Kids

Vou tentar colocar aqui este assunto, fazendo um esforço enorme para não politiza-lo. Não vai ser fácil, mas, vou tentar.

No alto dos meus quase 74 anos (que espero completar em abril próximo), já vi muitas coisas boas e erradas. Me apeguei muito às coisas boas – foi isso que meus maravilhosos pais me ensinaram. Eles também me ensinaram que, muitas coisas que muitos gostam, não valem nada.

A única crise que o nosso Brasil vive, é a da falta de vergonha na cara. Já não estão mais neste plano os homens forjados e aprumados nas bigornas e nas brasas da retidão e da honestidade. Não é fácil resistir aos infortúnios, como também não o é, resistir às tentações demoníacas que só apontam um caminho: o da falta de escrúpulos, que é o mesmo da desonestidade.

Pois, mais uma vez, a TV Globo está apresentando nas edições dominicais, o programa The Voice Kids, destinado a descobrir e oportunizar novos valores para a música brasileira – e, se for verdade o que muitos dizem: “detestar” a insuportável, manipuladora, mentirosa rede de televisão, muitos não estão vendo esse maravilhoso programa. E, se veem, pelos comentários que dirigem à emissora dos Marinho, são uns verdadeiros “postes” dentro de casa.

Também não tenho nenhuma dúvida que, muitos dos que criticam, se fossem convidados pela emissora à trabalhar lá, ganhando bons salários, colocariam a violinha dos comentários numa sacola, e correriam para lá. Muita gente é assim mesmo. Quem já tem 73 anos nas costas, já viu muito isso.

Pois, esse The Voice Kids – pelo menos na edição do último dia 19 de fevereiro passado – mostrou que nem tudo está perdido. Mostrou que o Brasil não se resume ao que o noticiário político/policial tem mostrado nos últimos três anos. Há algo bom além da linha do horizonte.

Quem teve a sorte de ver a apresentação do adolescente JUAN CARLOS POCA (o outro garoto, Alexandre; e a menina, também estiveram muito bem), certamente que vai concordar comigo: “gente, nem tudo está perdido. Ainda há tempo de fazer algo bom em favor das crianças que amanhã estarão nos substituindo.

Não estou tentando falar nem idolatrar o cantor. Não é isso. O que estou tentando, é dizer que Juan Carlos “era largado” (sem sentido ofensivo), foi adotado e hoje vive num abrigo social, tem um Tutor e é orientado por mães sociais desde os 4 anos de idade. Hoje tem 14 anos e, ontem, emocionou grande número de brasileiros, cantando. Cantando maravilhosamente bem e como se grande fosse. E é. E, vejam: sem brinquinhos, tatuagens ou outras coisas que nada acrescentam à voz.

Está, hoje, literalmente, recolocado no bom caminho. E, melhor ainda: não é em Paris. É no Brasil. Mais propriamente em Foz do Iguaçu.

* * *

Coisas gostosas e desconhecidas – cuscuz de arroz

Cuscuz de arroz

Café da tarde. Café coado naquele saquinho de papel é algo horrível – mas não tenho o direito de criticar quem faz uso dele. A mim, parece “preguiça” de, depois do uso, lavar o coador de pano. Mas, café, é bom (e garantem que faz bem ao coração). Preto, pingado de leite, com açúcar ou adoçante. Faça sua escolha.

Agora, melhor ainda se, para acompanhar a mesa estiver servida com um cuscuz de arroz, um generoso pedaço de queijo (aquele queijo fabricado em São Bento, interior do Maranhão, não tem concorrente), e/ou manteiga de garrafa – que alguns chamam de manteiga da Terra.

Fazer o cuscuz, dizem que é fácil – mas ainda não aprendi. Muito fácil, parece ser comprar o arroz para fazer o cuscuz. O cuscuz de milho também ganha espaço entre as gostosuras, mas o nosso protagonista de hoje é o de arroz.

Quente ou ainda “morno” é mais gostoso!

Mas, muito mais gostoso ainda, quando, além do acompanhamento referido acima, servimos também um ovo mal passado (aquele que fica com a gema mole!) e vamos misturando aos poucos com o complemento de um gole de café. Já me defini pelo cuscuz.


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa