ANNYA KARENINA

nascendo

O brotar de uma semente

Peço permissão aos amigos e mais de cinco milhões de leitores deste JBF, aonde cheguei atendendo intimação por livre e espontânea convocação do Papa Berto, para falar, hoje, exclusivamente de mim. Ou, mais precisamente, para falar de parte de mim. Desculpas por usar a primeira pessoa.

Moro em São Luís, capital do Maranhão (onde não nasci – sou de Pacajus, município que hoje faz parte da Região Metropolitana de Fortaleza/CE) desde fevereiro de 1987. Vim atendendo a convite, procedente Rio de Janeiro, onde vivi por muitos anos. Vivi, repito.

No Rio constituí família. A esposa, de quem estou separado legalmente desde 1983 (divorciado a partir de 2014) teve comigo duas filhas – a segunda em condições de saúde (da mãe e da filha) desfavoráveis. Toxoplasmose da mãe.

Sempre gostei da cor vermelha. Provavelmente por conta disso, votei no energúmeno do Lula no primeiro mandato, por ter acreditado nele. Hoje me penitencio por conta disso, e dificilmente me perdoarei. Sempre me interessei pela Rússia e pela história daquele país. Gosto muito da literatura russa (traduzida, claro!), o que acabou me familiarizando com alguns nomes de pessoas daquele país.

Assim, de comum imposição junto à mãe, acabamos (no fundo, “acabei” mesmo) escolhendo para batismo dessa jovem que apresento foto a seguir, o nome: Annya Karenina. Em casa, abrasileiramos, e usamos apenas “Nina”.

ak

Annya Karenina

Nina não é apenas uma jovem e saudável mulher. É também, muito inteligente, e estudiosa (perdoem a falta de modéstia). Ainda solteira, pois preferiu estudar, ser independente e curtir a vida. A mim, me prometeu “multiplicar”.

E, por que tudo isso?

Exatamente porque, hoje, 15 de abril, é o aniversário dela. Pecado mortal revelar a idade – mas posso dizer que, no próximo dia 30 deste mês de abril, eu chego aos 72, são e salvo (espero em Deus!).


A MENINA QUE ESCREVIA COM BISCOITOS

jbf1

Lenízia prova o sal das lágrimas – ao olhar para a vitrine da loja de chocolates

Lenízia para uns, “Lelé” para outros, a menina nascida na cidade de Ponta da Mata, Zona Metropolitana de uma capital brasileira, teve a infelicidade de nascer, negra, pobre e dividir um catre numa casa de apenas um cômodo com os pais e cinco irmãos. Situação típica da imensa maioria daquela comunidade.

Lelé, pouco mais de dez anos, entrou na adolescência de um dia para outro. E, em qualquer lugar do mundo, adolescente sonha. Alguns tangem a vida acalentando sonhos. Alguns, até impossíveis de serem realizados.

O pai, Adonias, pedreiro. A mãe, Carmen por conta do pouco estudo, acabou se acomodando com o serviço simples de lavadeira. Por vezes fora convidada para ser “Diarista” fazendo o mesmo trabalho – lavar e passar roupas. Sempre respondia “não” para quem a convidasse, pois entendia como melhor, fazer o trabalho em casa e aproveitar para não largar a meninada de vista. Para quem sempre esteve distante dos livros, a decisão era muito inteligente.

Por ser a mais velha, Lelé ajudava muito a mãe nos afazeres domésticos e, ainda que com dificuldade, estudava numa Escola Comunitária da comunidade. Sabia e continuava aprendendo alguma coisa. Lelé estudava de forma diferente dos jovens da sua faixa etária.

Certo dia, quando atendeu mandado da mãe para ir até a casa de Dona Augusta, mulher de Horácio, comerciante que atendia a muita gente da comunidade com o caderno de fiados. A trouxa de roupas cuidadosamente lavadas e passadas era tão grande que Lelé caminhava aos tombos.

Com muita sorte Lelé chegou no local de entrega sem qualquer problema. Recebeu o dinheiro correspondente ao valor combinado e, quando se dirigia de volta para casa, escutou um “psiu” de Augusta. Simpática, Augusta entregou a Lelé um pacote de biscoitos. Biscoitos diferentes. Biscoitos de letras.

A alegria de Lelé foi tanta que, no caminho de volta gastou a metade do tempo gasto na ida, ainda que carregando um fardo pesado de roupas. Por sorte, nenhum dos irmãos de Lelé estava em casa. Todos na escola. O pai, continuava fazendo uma parede na casa do compadre Adauto e a mãe continuava no quintal “destruindo” mais um fardo de roupas.

Por minutos Lelé teve dificuldade para esconder o presente oferecido por Augusta – e ela o dera para si, sem falar que era para dividir com os irmãos. O pacote de biscoitos de letras era só dela. Ninguém podia ver aquela preciosidade. Conseguiu esconder e só ela sabia onde.

jbf2

O alfabeto “biscoital” de Lenízia

Como abrir aquele pacote? Quantas letras “A”, “B” ou “G” estavam naquele pacote que valia ouro?

Minutos, horas de ansiedade. Os irmãos acabavam de chegar da escola e ninguém podia desconfiar do precioso presente. A solução era esperar a chegada da noite e o amanhecer do dia seguinte e, mais ainda, a saída dos irmãos para a escola.

- Lelé, fia, se apronte prumode levar as roupas da comadre Adaucília. Tem as roupas brancas da fia dela, que é Enfermeira e ela vai precisar agora mesmo de manhã. Cuide, se avexe!

Naquela casa poucos se importavam com os dias e os fatos. Era uma quinta-feira. Quinta-feira Santa. Lelé não tinha alternativa. Mais uma vez teria que adiar a ansiedade para abrir o pacote de biscoitos. Biscoitos de letras.

JBF3

Foto 3 – Lenízia e o seu “skate”

Tarefa cumprida, dinheiro recebido. Uma cédula de R$100,00. Sem trocado para pagar a passagem de volta, Lelé também não se atreveria a mostrar aquela cédula para ninguém. Seria assaltada, com certeza. Resolveu voltar a pé.

No caminho de volta a obrigatoriedade (e a alegria) de olhar algumas vitrines de lojas. Sabia que não podia demorar para evitar preocupações para a mãe Carmen. Mas Lelé não resistiu uma rápida olhada para a vitrine da bomboniere. Bem elaborada, provocante, a vitrine estava cheia de ovos da Páscoa.

Lelé até pensou em usar o dinheiro recebido na entrega das roupas para comprar um ovo. Unzinho só. Veio a certeza de que a mãe não a perdoaria por tamanho atrevimento.

Em casa, até o pai já havia chegado do trabalho. Depois de entregar o dinheiro, recolheu-se e ficou tentando encontrar uma solução para “ganhar” aquele maravilhoso Ovo da Páscoa.

Esperou que todos os irmãos adormecessem. Esperou, também, que os pais adormecessem. Numa aflição sem tamanho resolveu abrir o pacote de biscoitos de letras. Contou as letras. Havia ali mais de um alfabeto.

Lelé foi até a mesa e, com as letras de biscoitos escreveu:

- “Mãe, compra um Ovo da Páscoa para nós!”

Deixou a frase escrita sobre a mesa, guardou o restante dos biscoitos e foi deitar. A mãe acordava e levantava sempre antes para preparar o café e a merenda das crianças para a escola.

Sem entender nada daquilo que estava escrito com biscoitos – por não saber ler! – Carmen juntou as letras, apanhando primeiro as palavras “compra um Ovo da Páscoa” e serviu para os filhos no café. Ficaram as palavras, “Mãe, para nós”! E todos os biscoitos foram comidos.

Na sexta-feira, para cumprir nova tarefa, Lelé passou na frente da mesma vitrine e leu a frase: “Ovos da Páscoa quase de graça!”

Lelé, vendo tudo através do vidro da vitrine, chorava copiosamente. De volta a casa, procurou os biscoitos e todos tinham sido comidos pelos irmãos.


DO COQUEIRINHO PARA O LICEU

liceu3

Liceu do Ceará dos anos 50

Mal começara o ano que, meses depois – após passagem pelo dia 19 de março – seria confirmado como o da pior seca no Estado do Ceará. Estávamos em fevereiro de 1957 e, claro, o sol já incomodava, ainda que antes da 7 horas. Incomodava a quem, como nós, saíra do Coqueirinho a pé, para chegar antes do início da primeira aula no Liceu do Ceará.

Naquele tempo o Coqueirinho se limitava, de um lado, pela Rua Humberto Monte até a lagoa da Escola de Agronomia; do outro, pela Rua Amadeu Furtado; do outro, pela Avenida Bezerra de Menezes; e, finalmente, do outro, até a Avenida José Bastos, excluindo apenas o Campo do Pio e o Parque Araxá.

A rota era sempre a mesma: caminhar pela Rua Érico Mota até alcançar a Avenida Bezerra de Menezes, andando um pouco para o lado direito para diminuir a distância à proporção que caminhávamos. O cruzamento pelo campo de futebol arrodeado de eucaliptos no Campo do Pio, até cruzar a Gustavo Sampaio, caminhando por onde hoje funciona o Restaurante Ordones e o antigo CPOR até atingir a Avenida José Bastos, no Otávio Bonfim.

No final da Avenida Bezerra de Menezes, dobrávamos à esquerda em direção ao Liceu do Ceará, passando na frente de uma casa simples que, anos depois, conseguimos descobrir que aquele senhor de porte avantajado que ficava na varanda frontal “pintando alguma coisa”, era nada menos que o reconhecido pintor Antônio Bandeira.

casa do português

A “Casa do Português” – um marco arquitetônico na cidade

A chegada ao Liceu pela primeira vez para assistir aulas, foi algo que jamais nos sairá da memória. Primeiro dia de aulas, vestindo aquela calça cáqui com duas listas azuis verticais em cada lado. A parte de cima era semelhante ao uniforme de um soldado do Exército Brasileiro daqueles tempos.

Quando adentramos pelo portão lateral, nos deparamos com o inusitado: era dia de trote. Nos fizeram medir toda a área da quadra de Futsal com um palito de fósforo. Andando acocorado, quando nos aproximávamos do fim da tarefa, alguém afirmava que errávamos, e nos fazia voltar e recomeçar tudo de novo. Foram mais de duas horas nessa luta, acocorado e andando acocorado. Quando perceberam que já não aguentávamos mais, mandaram parar. Fomos “obrigados” a ir ao banheiro, “urinar sem vontade” (mas, aí foi que houve um grande engano, pois já não aguentávamos mais com tanta vontade de fazer aquilo). Subimos para o segundo pavimento para assistir aulas e só descemos quando terminou a última aula.

José-de-Alencar-3

A melhor e mais antiga casa de espetáculos do Ceará

Mas, o Liceu do Ceará, com Direção Geral de Boanerges Cysne de Farias Sabóia, onde entramos no início de 1957 e saímos no final de 1964 – com o Curso Científico concluído e direto para a Universidade, foi o nosso norte. Foi o farol que nos orientou a vida inteira e fez de nós o profissional que somos. Aposentado há três anos, depois de um aprendizado de vida no Rio de Janeiro.

E o Coqueirinho?

O Coqueirinho, no fim dos anos 50, quando Fortaleza tinha como Prefeito Acrísio Moreira da Rocha (1955 a 1959) e no mandato seguinte, Cordeiro Neto (1959 a 1963), era uma área gigantesca, com apenas um máximo de 10% de área urbanizada. Nos dias atuais, cabem naquela área, a Parquelândia, Rodolfo Teófilo, Amadeu Furtado, Porangabuçu e, antes, já coube também o Alagadiço e o Parque Araxá. O Coqueirinho tinha duas lagoas (Lagoa da Escola de Agronomia, onde, nos anos 50 caiu um avião monomotor; e, a Lagoa do Porangabuçu, ao lado da Igreja São Raimundo).

A partir do trecho onde a Rua Professor Costa Mendes cruza a Rua Francisca Clotilde, começava a extensa área do Coqueirinho, até a Lagoa da Escola de Agronomia, onde, quem “mandava” era o policial civil João Nascimento. João Nascimento era um homenzarrão de quase dois metros de envergadura, negro, que tinha o hábito de vestir roupas brancas, sem distinção para dias da semana. Era uma cópia feita de Fortunato, antigo Guarda-Costas do Presidente Getúlio Vargas.

Quem quisesse resolver algum problema ou alguma coisa no Coqueirinho, tinha que, antes, “falar” com João Nascimento. Nas noites de sábado João Nascimento era o proprietário, o porteiro e o segurança de um “Forró” que mantinha no final da Rua Érico Mota, com acesso pago. Nas tardes de domingo era o Presidente, o técnico e o dono do time de futebol “11 Brasileiros”, que tinha o seu campo próprio cuidado como se fora o Maracanã. Era comum João Nascimento pagar a bom soldo para reforçar os “11 Brasileiros” com jogadores profissionais da época, como Mozart, Luís Garapa, Sapenha, Sanatiel, Nagib, Bececê, e às vezes os irmãos Toinho e Renê.

Em tempo: parece que estamos repetindo algo que já foi escrito aqui. Nada disso. Essa é apenas a nossa homenagem à aniversariante Fortaleza (13 de abril) – lugar de onde nos afastamos, mas nunca saímos.


VOCÊ SABE ONDE FICA A “BAIXA DA ÉGUA”?

jbf1 dom5

Início do caminho para a Baixa da Égua

- Vó, cadê o Vô?

- Tá na baixa da égua!!!

Era assim que começava o diálogo entre o neto e a avó, lá nas paragens onde nascemos, quando o jovem precisava preparar o animal para ir rápido até o comércio comprar querosene para a lamparina – na boquinha da noite.

A avó, zangada porque o marido saíra desde cedo, e com certeza não estava na roça – mas podia estar nalgum lugar bebericando “umas quentes” ou “fuampando” (ficar com meretrizes nalgum cabaré) – respondia grosseiramente à pergunta do neto.

E onde fica mesmo a “Baixa da Égua”?

Há quem afirme que, a Baixa da Égua fica à esquerda de quem dobra onde o vento costuma fazer a curva. É lá. Ninguém duvida. É um lugar onde algumas pessoas costumam ir, e raramente conseguem voltar. A Baixa da Égua não fica em Palmares nem na Vila Invernada, tampouco em Seridó. É mesmo, depois da curva que é feita pelo vento.

Segundo o povo cearense, Baixa da Égua é um lugar distante. Até muito além da imaginação. Para lá ainda não existe transporte de nenhuma espécie, porque estão preparando a planilha de custos, enquanto terminam de adaptar os poucos veículos que serão usados no transporte para a Baixa da Égua.

jbf2 dom5

Local onde o vento faz a curva

Mas, não faz muito tempo, Gumercindo ganhou uns trocados jogando na roleta do Cu-Trancado, contraventor que amealhou fortuna bancando aquele jogo em Palmares, interior de Pernambuco, sem pagar qualquer tipo de imposto. Recentemente andou envolvido com fiscais da Receita Banânica que andaram chafurdando a grana do dito cujo, e encontraram um robusto saldo bancário num banco suíço. E ele, tal como o “Dezenove Dedos”, não sabia de nada.

Gugu fez de tudo para subornar os encarregados pela listagem de pessoas candidatas a viagem sem passagem de volta para a Baixa da Égua – onde, garante, está morando um primo seu, cearense da Guaiuba, que está há alguns anos desenvolvendo uma pesquisa para o plantio de mandioca. Gugu pretendia também viajar para lá, pois é um lugar onde a gasolina e a energia elétrica ainda são fornecidas gratuitamente. Aliás, ofertadas pela Petrobras e pelo BNDES.

Não foi por nada que o primo de Gugu ouviu e aceitou a sugestão: “Brasil – ame-o ou deixe-o”.

Drones e câmaras de segurança instaladas pela Oi nos equipamentos levados pelo primo de Gugu, devolvem imagens mais nítidas que o HD de muitas televisões brasileiras. E mostram que as manivas plantadas estão começando a nascer.

Pois é. Cearense tem em todo lugar. Até na Baixa da Égua!

jbf3 dom5

Cearense chega na Baixa da Égua e prepara o roçado


EU CREIO, PAI!

jbf1 qua1

Porque te impuseram essa coroa és o único Rei a quem me curvo

Jesus, eu aprendi que nenhum de nós vai ao pai, sem que seja através de ti. E eu creio nisso. Creio firmemente.

Creio, também, que só estou aqui porque tu queres. Sei que permitistes que eu cumpra a minha missão – para só então, voltar para o lugar de onde vim.

Mas, nesses 72 anos a serem completados dentro de 30 dias, aprendi muito. Aprendi com as pessoas certas, creio. Vivi vendo e procurando (além de valorizar) compreender o sacrifício que fizestes e o sangue que derramastes por mim, por nós. Por todos nós. E, ao que parece, em troca temos te dado tão pouco – e, provavelmente menos do que o pouco que tu pedes, em troca de tudo que fizestes.

Derramastes o teu sangue. Entregastes o teu corpo em sacrifício por nós – e até esquecestes de ti próprio.

Vês!….

jbf2 qua1

O teu sacrifício por nós Pai, certamente não terá sido em vão

Viemos do pó e ao pó voltaremos, depois da nossa missão. Mas, nesse intervalo entre a chegada e a volta, nos permites o usufruto do que só tu és capaz de criar – e de colocar à nossa disposição.

Tudo parece pintura e até as que realmente o são, como Capela Sistina e tantas outras que destes mãos, olhos e sensibilidade para Michelangelo, Vincent van Gogh, Monet, Manet, Toulouse-Lautrec, Leonardo da Vinci, Gauguin e tantos outros nos deliciarem com cores mágicas. Cores divinas. Cores tuas.

jbf3 qua1

A magia das cores nas flores das tintas de Deus

Jesus, quem na Terra conseguiria pintar o arco-íris?

E, quem faria isso usando apenas a “tela” que usas?

E as tintas – alguém conseguiria mais belas que as tuas?

jbf4 qua1

A beleza do arco-íris numa pintura feita por Deus

Senhor, e o vento que fizestes fortes para tanger os maus; fracos para acariciar os bons e raivosos para castigar aqueles que teimam em desobedecer – e que só lembram de Ti nas necessidades?!

E o mar?

Quem mais poderia criar o mar, senão Tu?

Quem mais é capaz de manter a vida de todos e de tudo, se não Tu?

E a chuva, o sol, a noite, o dia e o cântico mavioso dos pássaros – alguém seria capaz de criar e manter além de Ti?

jbf5 qua1

A força e a beleza das águas – coisas de Deus

Por tudo isso Jesus, caminho único que nos leva à Deus, eu vivo. Eu creio. Conscientemente, o somatório de tudo, ainda será muito pouco ou quase nada para explicar o Mistério da Fé.


ALMOÇO E SOBREMESA

jbf1 dom29

Picanha bovina

Hoje é dia de comer bem, comer diferente dos outros dias da semana. Depois do almoço, uma boa sobremesa e, em seguida um bom descanso – que ninguém é de ferro.

E, falar em comida neste país continental acaba sendo algo complexo, pela diversidade de escolha e, principalmente, forma de fazer. A chegada de ideias orientais e aconchego da Europa somaram para esta miscigenação que convivemos todos os dias.

Vejam apenas um exemplo: a quantidade de feijões diferentes que existe no Brasil. Mais diferente, ainda, a forma de prepara-lo e, de servi-lo. Feijão fradinho, feijão mulata gorda, feijão mulatinho, feijão branco, fava branca, fava rajada, feijão de corda, feijão sempre verde. E ainda chegou o grão-de-bico e outros vindos de países estrangeiros.

No Rio de Janeiro, o “mocotó” e a “dobradinha” são feitas de formas diferentes, mas ambas levam o feijão branco (que alguns chamam de chileno). Vejam de quantas formas diferentes se faz a tradicional e gostosa feijoada. No Nordeste, o feijão acaba ficando mais gostoso quando tem o apoio de quiabo, maxixe, jerimum, charque ou toucinho.

E as carnes?

Aí entram as diferentes formas de preparação, ainda que todas brasileiras. O churrasco que se come no Ceará, Pará ou Pernambuco não é o mesmo que se come no Rio Grande do Sul. Os gaúchos fazem churrasco diferente e ainda têm o auxílio da gostosa carne argentina.

jbf2 dom29

Peixada ao molho de camarão

Brasil afora, as carnes usadas também são diferentes umas das outras. Carne bovina, carne suína, carne caprina com preparo e cozimento diferenciado – os gaúchos também servem diferente. No extremo Norte, além das carnes acima citadas, serve-se também muito a caça – embora os órgãos oficiais trabalhem incessantemente para coibir e diminuir o abate, considerado irregular.

Virou elemento de comemoração comer uma paca, um porco do mato, um veado, uma mucura, uma iguana, um jacaré – e muitos ainda comem jaçanã, tartarugas e outros animais há muito em extinção.

Para não cair na mesmice, as carnes de aves (galinha, pato, peru, galinha d´angola) são ofertadas nos supermercados de forma diferenciada e quase sempre acompanhadas de receitas diferentes. Mas, nenhuma dessas fórmulas mágicas conseguiu bater até hoje a famosa “galinha cabidela”.

jbf3 dom29

Pernil de carneiro com farofa de cuscuz

Graças à Deus que existe uma grande quantidade de peixes e mariscos na cadeia alimentar do brasileiro. Muitas também são as formas de preparo. Peixes considerados nobres, lagosta e camarão surgem em primeiro lugar na preferência nacional. É que muitos ainda não conhecem o mexilhão, o sururu, a tarioba, o polvo, a lula e suas diferentes formas de preparo. Nem todo mestre ou boa cozinheira sabe os segredos do preparo de uma moqueca de tarioba ou uma torta de camarão – e as mais gostosas são sempre aquelas ensinadas pelos antepassados e pelos indígenas.

As espécies importadas (salmão, bacalhau e truta) começam ganhar espaço na mesa brasileira, principalmente as duas primeiras espécies, ricas em ômega 3 – mas ainda estão distantes dos peixes das águas brasileiras na preferência.

Aos poucos o caranguejo ganha preferência na culinária brasileira. O acompanhamento também diferencia de um estado para outro. No Maranhão, molho vinagrete apimentado e misturado ao óleo de babaçu, com arroz de toucinho faz o sábado ou o domingo de muitos. A grande maioria não sabe preparar o crustáceo.

Depois de bem lavado em água corrente (só se põe tempero verde quando se pretende fazer algo com o caldo – pirão, por exemplo), deve ser levado à panela e dela ser retirado na primeira fervura para facilitar a saída do casco e das unhas.

Usa-se muito a carne para fazer torta ou moqueca de vários tipos e com diferentes temperos. As duas unhas maiores já conquistaram espaço nos coquetéis, quando são servidos empanados.

jbf4 dom29

Sorveteria Cairu em Belém do Pará

Para sobremesa quero sugerir sorve. E, sorvete fabricado pela Cairu, marca nascida, crescida e fortalecida em Belém, capital do Pará. Com forte auxílio da diversidade de frutas e sabores da Amazônia, a Cairu se perpetuou entre os paraenses pela qualidade e esmero no fabrico do sorvete.

A linha de produção nada tem com a sazonalidade de várias frutas como o taperebá (cajazinho), jaca, murici, caju e outras frutas de época, porque a tecnologia já auxilia a produção de polpas e o seu armazenamento.

Em nenhum estado brasileiro se fabrica sorvete mais gostoso que o sorvete da Cairu. Até o final da década de 80, não se tinha conhecimento da existência de franquias da marca para outros estados brasileiros – embora alguns garantam que existe sim, mas vendida com outro nome.

jbf5 dom29

Tabela com sabores de sorvete na Cairu de Belém


PEDRO TALARICO – O ESPANTALHO NOTURNO

jbf1 qua25

Pedro Talarico – o PT – o espantalho que não sabia de nada

Lá para as bandas do sudeste, mais precisamente em 1985, havia uma cidade de nome Candelária, parte forte da economia do Estado Quinta Manor, este fundado no dia 1 de março de 1565, embrião onde o povo resolveu lutar por seus direitos reprimidos desde 31 de março de 1964. Boquinha da noite, os líderes “Bola-de-Neve” e “Napoleão” resolveram tocar os sinos do lugar chamando os iguais para uma reunião decisiva. Chegaram milhares.

E começaram fazendo tocar uma velha canção, conhecida e difundida por “portas de travessas” (escondido – porque nada era permitido):

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores – Geraldo Vandré

Entre os muitos presentes que atenderam o chamado, um era Pedro Talarico, cearense que fugira da seca que arrasou o seu Estado, e tangeu muita gente para o Sul Maravilha da época e que, naqueles dias, já estava trabalhando como metalúrgico na CSN (Companhia Siderúrgica Nacional). Trabalhava no regime de 24 por 24 e, coincidentemente, estava de folga naquele dia. E, como dizem nos quartéis da vida, “soldado de folga no quartel”, quer trabalho.

Pedro Talarico, para muitos era considerado um energúmeno, um asno fugido do nordeste. Nos plantões da CSN era conhecido apenas pelas iniciais do nome: PT. E, naqueles tempos, aquilo o enchia de brios e o fazia imaginar que era igual ou melhor que muitos amigos do mesmo nível.

A convocação geral era para o fim do dia 10 de abril de 1984. Ninguém suportava mais os maus tratos recebidos na Grande Fazenda e as ofensas e agressões praticadas pelos capatazes. Muitos sumiram, outros fugiram e outros se esconderam em Paris, tirando onda de revolucionários que não queriam “Ver a Banda Passar”.

Cansando de tanto lutar, e com a saúde debilitada, o velho Major, reuniu os amigos mais chegados da fazenda – entre os quais tinha lugar de destaque o Caudilho, homem nascido a 22 de janeiro de 1922 no vilarejo Cruzinha que mais tarde seria parte de Carazinho. Engenheiro civil de formação universitária – para compartilhar de um sonho: serem governados por eles próprios, sem a submissão e exploração do homem. Major, nascido em Itaqueri da Serra a 6 de outubro de 1916, casou com Ida mas, embora doente, continuava lutando contra as injustiças, vindo a falecer num acidente aéreo até hoje não explicado convenientemente.

Antes mesmo da morte de Major, os astutos – e mais jovens – Bola-de-Neve e Napoleão, que faziam de Pedro Talarico o que bem entendiam, levando-o a práticas condenáveis na tentativa de criar uma sociedade de utopia, “pisando até no pescoço” de quem lhes atravessasse o caminho. Não demorou muito, e Napoleão, seduzido e pensando unicamente no poder, afastou Bola-de-Neve do seu caminho, estabelecendo uma ditadura e um regime tão corrupto quanto a anterior da Grande Fazenda. PT (Pedro Talarico) sem ação, asno batizado nas secas e depois nos movimentos fajutos, apenas se ajoelhava.

Pedro Talarico (PT) mais parecia um espantalho noturno programado para o “halloween” numa roça do seretão nordestino.

Major (vulgo Casca Grossa) faleceu anos depois, permitindo que tomassem a frente dos propósitos futuros, os astutos Bola-de-Neve e Napoleão, que passaram a se reunir clandestinamente, a fim de traçar as estratégias para a chegada ao poder.

Sob o comando dos inteligentes e letrados, PT entendeu que seria fácil ganhar a preferência na Quinta Manor, e criaram os Sete Mandamentos, que, a princípio, ganhava a seguinte forma:

1. Qualquer coisa que ande sobre duas pernas e não conduza uma estrela no peito, é inimigo;
2. Qualquer coisa que ande sobre quatro patas e pense igualzinho ao outro, é amigo;
3. Nenhum amigo usará roupas sem a estrela vermelha;
4. Nenhum amigo dormirá ao relento;
5. Nenhum amigo viverá sem beber álcool;
6. Nenhum amigo criticará outro amigo de vermelho;
7. Todos os amigos jurarão inocência e nunca saberão de nada.

Para os menos inteligentes, foram resumidos os mandamentos apenas na máxima “Quatro pernas bom, duas pernas ruim” que passou a ser repetido constantemente pelos beneficiários dos programas ditos sociais, mas que foram criados com o objetivo de garantir a alfafa do dia de cada um e, de quatro em quatro anos, o “reconhecimento”.

Após a primeira invasão dos humanos, na tentativa frustrada de retomar o comando, Bola-de-Neve lutou bravamente, dedicando todo o seu tempo ao aprimoramento da fazenda e da qualidade de vida de todos, mas, mesmo assim, Napoleão o expulsou do território, alegando sérias acusações contra o antigo companheiro.

Algum tempo depois, os beneficiários dos programas sociais começam a modificar os mandamentos lidos em voz alta por Pedro Talarico (PT):

4. Nenhum amigo dormirá em cama com lençóis;
5. Nenhum vermelho beberá álcool em excesso;
6. Nenhum de estrela no peito matará outro sem motivo;
7. Todos os amigos de estrela no peito são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

O hino da Revolução foi banido, já que a sociedade ideal descrita, segundo Napoleão, já teria sido atingida sob o seu comando. Napoleão é declarado Deus por unanimidade. Napoleão, os outros da vizinhança celebraram, em conjunto, a produtividade da Grande Fazenda. Enquanto isso, os outros trabalhavam arduamente em troca de míseras rações. O que se assiste é um arremedo grotesco da sociedade antiga, e alguns começam a pedir a volta daquele regime detestado por quem o enfrentou e sofreu.

O slogan fora modificado ligeiramente, “Quatro pernas bom, duas pernas melhor!” No final, ao olhar para o pré-sal e de onde todos vivem em considerável luxo, com contas nos paraísos fiscais em detrimento dos demais, ainda olham Napoleão e outros jogando carteado com Maduro e Raúl, senhores das paragens vizinhas, e celebrando a prosperidade econômica que seus acordos proporcionaram.

Surge a cascavel – Ssshhhhiiiiiiiiis faz o guizo do rabo da cascavel!

jbf2 qua25

Com a morte à espreita, a cascavel se iguala a ela e refaz o veneno mortal

Quatro anos se passaram rápido. Surgem novos interessados na Grande Fazenda e os disse-me-disse recrudesceram. Um avião cai misteriosamente, tal qual acontecera com Major. Era um empecilho a mais. Uma pedra no caminho. O sibilar da cascavel se torna mais forte – e as mentiras se espalham como erva daninha.

Matematicamente pensado começa o planejamento para 2018. Napoleão resolveu ir à guerra, pois quer retomar a capatazia da Grande Fazenda. A meta, nos próximos anos é matar a cascavel e mostrar o pau.

E viva Napoleão na guerra que sacrificou Pedro Talarico (PT) sem qualquer remorso – antes já foi dito que Napoleão, na guerra, pisaria até no pescoço da mãe.


AÍ É VEÍM, MEU FILHO!

jbf1 dom22

Papel que envolvia a “carteira” de cigarros BB

Hoje, por ser domingo, dia de pegar praia e por não ter tido mais postagem do Cardeal das Alagoas enviando aqueles mulheraços com a prexeca de fora, vamos para o bagaço. E até porque, com certeza, não faz muito tempo que o Papa Berto foi com D. Aline e João para o café da manhã no Parraxaxá.

No retrato 1, vosmicê tem um papel que embruiava a carteira de cigarros BB, que começou a ser fabricado pela Manufactura Araken Limitada, de Fortaleza, em 1938. Para teres uma ideai de cuma é antigo, veja que até no nome “Manufactura” tem grafia diferenciada. Essa aí nunca serviu como “dinheiro” para a molecada que ajuntava nas ruas de Fortaleza. Num valia nada. Mas era o cigarro mais vendido a retaio na bodega, nera não Marcos Mairton?

jbf2 dom22

Tábua de pirulitos com sabor de maracujá

No retrato 2, acima, amostramos aqueles pirulitos que eram vendidos nas festas infantis, nas portas dos colégios e, principalmente, nas quermesses e mafuás de antigamente. Tu se alembra, eu sei, pois tu é muito véi e ainda quer ser novo. Quem fazia esses pirulitos fazia com sabores diferenciados, onde incluíam maracujá, limão, caju, abacaxi e goiaba. Em vez ser vendido como hoje, nos shópis, os vendedores andavam pelas ruas e praças e onde havia aglomerado de crianças brincando ou em fins de tarde. Quem se alembrar, não fique tirando onda de gente nova não, visse. Pois isso é véio pra porra.

jbf3 dom22

Ary Barroso durante o programa “A hora do calouro” apresentando o “gongo”

Já no retrato 3, você certamente se alembra de quando era menino e, nas tardes de domingo ia para os programas de auditório das rádios – não existiam ainda a televisão nem o Programa do Chacrinha! – e participar como calouro. O falecido Ary Barroso criou o “A hora do calouro”, que depois serviu de ideia para Renato Murce criar outro programa do mesmo nível, e mais tarde, Chacrinha. Ary instituiu uma nova forma de anunciar a eliminação do concorrente: o gongo. Tô dizeno isso, mais sei que tu se alembra, pois tu é veím, visse!

jbf4 dom22

Tonia Carrero uma das mais belas mulheres do mundo em todos os tempos

No retrato 4, quem aparece já muito linda é Maria Antonieta de Farias Portocarrero, mais conhecida no Brasil e alhures por Tônia Carrero. Uma belezura de mulher e uma das grandes atrizes brasileiras de todos os tempos. Uma verdadeira “Dama” de ouros. Consagrada no Brasil e fora dele. Mãe do também ator Cecyl Thiré. Mesmo longeva, Tonia ainda espraia a estonteante beleza pela aí. Participou de filmes importantes no passado, ora fazendo par romântico com Anselmo Duarte e Cyl Farney e ora fazendo aparições cômicas com Oscarito, Zé Trindade e Grande Otelo. Tu se alembra sim, apois tu num é novo não, visse!


MEU CHAPÉU DO PANAMÁ

jbf1 qua18

O chapéu é verde-amarelo mas é do Panamá

O Brasil mudou realmente. Faz tempo que começou a mudar, ainda que, quando é para melhor, caminhe a passos de tartaruga. Mas mudou, reconheçamos. Mudou, pelo menos para mim que, na década de 60 morava em Fortaleza, fui viver no Rio de Janeiro e hoje fixei residência em São Luís. Isso me deixa uma dúvida enorme: mudou o Brasil ou mudei eu?

Provavelmente quem mudou foi eu. Pelo menos mudei de lugar e de moradia.

Vem de muito longe (e poucos têm a coragem de admitir que são conservadores) o hábito de dizer, “o meu médico”, “o meu cabeleireiro”, “o meu dentista”. Conservador assumido há exatos 28 anos, corto o cabelo com Chicão, “o meu barbeiro”.

E alguém vai dizer aqui que age de forma diferente?

Tem até aqueles que dizem, “o meu bar”, “a minha praia”, quando, na realidade, nada disso é seu. O correto, imaginamos, seria dizer: o bar que frequento ou a praia onde costumo ir.

Moro num bairro um pouco afastado do Centro Histórico de São Luís. E é no Centro Histórico que está instalado “o meu barbeiro”, Chicão. Chicão corta o cabelo de muita gente de diferentes classes sociais e conhecimentos mil.

Chicão é um barbeiro diferente, com atitudes semelhantes a uma coruja. Digo, “ouve” muito mais do que “fala” – e, como atende centenas de pessoas diferentes, evidentemente que ouve conversas também muito diferentes e conceitos contraditórios. Mas, contrariando a muitos, ele próprio garante que não é barbeiro nem cabeleireiro. Diz-se “estético capilar”.

Pois, era a minha vez de sentar no trono do Chicão, quando entra no pequeno salão de acomodações poucos confortáveis e revistas muito antigas para passar o tempo, um homem malcheiroso, muito cabeludo e muito barbudo. O forte calor e a garoa que caía, davam-lhe um cheiro nada agradável, que se tornava incômodo em virtude do espaço exíguo.

- Hômi, tu tá fedeno pra porra! Repreendeu o monossilábico Chicão.

- Quanto é prumode cortar cabelo e barba, siô!? Indagou o recém-chegado.

- Pela tabela, é 25! Mas aí tem muito seuviço!… disse Chicão.

A pessoa que estava “na vez” era eu. Depois de mim, havia mais três (Borges, Gumercindo e Sá Valle), o que significa dizer que o recém-chegado era o quarto na fila de espera.

Como a garoa continuava cair insistentemente, pedir para o homem sair e esperar na chuva, não apenas era desumano como descortês. Mas precisava ser titular dos “Direitos Humanos” para suportar aquele ser por muito tempo num espaço tão pequeno.

Como precisavam ser atendidos naquele dia, Gumercindo, Sá Valle e Borges conversaram e aquiesceram para ceder “a vez” para aquele homem ser atendido depois de mim. Seria um alívio para todos!

Por alguns minutos, silêncio profundo no ambiente. Foi quando, para tentar esquecer aquele que já não era mais um recém-chegado, Borges fez aos presentes, uma pergunta dividida em três: gente, que coisa o protesto de domingo, num foi? Vocês acham que a Dilma cai? Tem jeito a corrupção institucionalizada no Brasil? Os militares querem pegar esse abacaxi?

Nisso, como se tivesse escutado um tiro de canhão, o estranho espantou-se com a pergunta de Borges, que na verdade “aqueles presentes” não contavam com ele… e respondeu:

- Eu tô barbudo e cabeludo por causa de que, adindonde eu me escondo, num tem barbeiro, num tem saúde, num tem inducação, num tem nada. Só tem é muié com muito fios e um tá de bolsa famía. Num tem nadica de nada, mais tomém num tem tanta gente abestaiada. Vosmicês vevem na lua, é?

Enquanto os presentes se entreolhavam, como Chicão terminara o que ele chama de cirurgia capilar, peguei o meu chapéu Panamá, paguei R$25 e saí de fininho!


OLÍVIA PALITO, O ESPINAFRE, E O AMOR DE POPEYE

jbf1 dom15

Olívia Palito e o coração “saltitando” de amor

Um dia De Domingo – Gal Costa

Eu preciso te falar
Te encontrar de qualquer jeito
Prá sentar e conversar
Depois andar
De encontro ao vento…

Eu preciso respirar
O mesmo ar que te rodeia
E na pele quero ter
O mesmo sol que te bronzeia…

Eu preciso te tocar
E outra vez te ver sorrindo
E voltar num sonho lindo…

Já não dá mais prá viver
Um sentimento sem sentido
Eu preciso descobrir
A emoção de estar contigo…

Ver o sol amanhecer
E ver a vida acontecer
Como um dia de domingo…

Faz de conta que ainda é cedo
Tudo vai ficar
Por conta da emoção
Faz de conta que ainda é cedo
E deixar falar
A voz do coração…(final 2x)

A música e a letra, realmente, nada têm com o tema que pretendo desenvolver hoje. É, entendam, apenas uma demonstração de saudade das coisas boas e dos bons tempos que vicejavam em cada um de nós – na juventude, principalmente.

E, da juventude para a adolescência até voltar no túnel do tempo e ir de encontro com a infância, basta dobrar a esquina, até mesmo como se fôssemos aquele “Homem de Borracha” dos gibis do “nosso tempo”.

Falar de saudade, hoje, para muitos de nós, é também falar de amor. De amor vivido e de amor amado. Amar o amor, tempos atrás, era, antes de qualquer coisa, gostar de si mesmo. Viver a vida com a força e a segurança que a nos eram oferecidas.

E na infância, amar era viver a vida de criança e dos empurrões em direção à adolescência e a juventude.

Antes dos namoros na porta das namoradas, cinema e gibis faziam a preferência de quase todos. Flash Gordon, Cavaleiro Negro, Flecha Ligeira, Tex Ritter, Durango Kid, Zorro, Fantasma, Mandrake, Tarzan, Capitão Marvel, Super Homem, Batman e Robin e as imperdíveis infantis Pinduca, Pato Donald, Luluzinha, Bolinha, Recruta Zero e Popeye.

Nem todos tinham o dinheiro necessário para comprar tantas revistas e poucos tinham o poder aquisitivo para comprar um “Almanaque” por mês. Foi nessa necessidade que surgiu e pontificou o sistema de troca dos gibis lidos pelos não lidos. Um gibi novo, saído naquela semana, valia pelo menos dois gibis mais antigos numa troca que, em Fortaleza, acontecia sempre nas tardes de domingo no Cine Nazaré que funcionava na Rua Dom Jerônimo no bairro Otávio Bonfim.

Era ali, também, que aconteciam as trocas e vendas de figurinhas de artistas de cinema e de jogadores de futebol dos times cariocas, paulistas e gaúchos.

E foi naquele frege adolescente que virei fã incondicional do marinheiro Popeye e seu interesse e paixão pela Olívia Palito – mesmo com as interferências inconvenientes do Brutus.

Clique aqui e leia sobre Olívia Palito no Wikipédia

jbf2 dom15

Marinheiro Popeye e o espinafre salvador

Clique aqui e leia sobre Popeye no Wikipedia

jbf3 dom15

O espinafre do Popeye

Com certeza, naqueles tempos muitos jovens que também liam as revistas da EBAL acreditavam que comer a verdura mega nutritiva, fazia crescer e ficar forte igual ao marinheiro Popeye, certo. Popeye, um dos ícones da cultura pop, tinha como booster de sua força o espinafre, que, segundo estudos e enciclopédias medicinais do século XIX, possuía uma quantidade de ferro 10 vezes maior que qualquer outro cada grama.

No livro “Half Life in Facts” o autor Samuel Arbesman faz um questionamento: por que tudo o que nós sabemos tem data de expiração?

Em uma de suas abordagens, o autor Samuel Arbesman (no livro Half Life in Facts) descreve os efeitos medicinais e alimentares do espinafre: “Popeye, o marinheiro de sotaque estranho e antebraços invejáveis usa o espinafre para efeitos especiais de força.”

A verdade começou a ser descoberta e propagada mais de 50 anos antes da estreia do primeiro episódio do desenho animado. De volta em 1870, Erich von Wolf, um médico e químico alemão, analisou a quantidade de ferro presente no espinafre e em outros legumes verdes.

Nos anos 90 a investigação refinou e estudiosos descobriram que poucos dias após a colheita, o espinafre – como muitos de outros alimentos – perde nutrientes e deve ser consumido o mais depressa possível, aproveitando sempre a água de cozimento para que não se perca nada do seu valor.

jbf4 dom15

Brutus queria “ganhar” Olívia de Popeye

Claro que a intenção do artista Elzie C. Segar não era despertar no público que lia seus gibis e estórias mensais o sentimento do ciúme ou da adversidade. Havia quem defendesse que a ideia central era fazer propaganda do espinafre, que, na época, era propriedade de um ricaço americano. Esses defendiam que tudo não passava mesmo de marketing – e outros até chegavam a afirmar que o custo industrial e intelectual das revistas e mais tarde dos filmes e desenhos ficava por conta desse ricaço. Não existe nada que confirme ou desminta isso.

E Brutus surgiu nas estórias antes de Popeye. Na verdade foi Popeye que “tomou” Olívia de Brutus e esse passou a lutar arduamente para reconquista-la.

Esse universo das revistas em quadrinhos fez a festa de muitos jovens. Tal como hoje se conduz tablets e outros aplicativos para as escolas, era comum encontrar nas valises dos estudantes algumas revistas em quadrinhos, que muitos folheavam e mostravam aos amigos durante o recreio na escola.


UM INESPERADO “PAS DE DEUX” DOS LOUVA-DEUS

jbf1 qua11

“Danseur” aguarda a bailarina no “Pas de deux”

As estradas da vida já nos mostraram tantas coisas, mas tantas coisas que, uma única culminância não serviria de somatório. Vimos, outrora, o poético sopro do vento desenhando ondas imaginárias nas águas paradas do açude; vimos o nascimento da rosa que há segundos, minutos, horas e dias era um botão; e, parafraseando o sertanejo, vimos até o casamento de raposas enquanto chovia e fazia sol ao mesmo tempo.

Vimos a vida humana desabrochando em ser, transformando uma vagina num buquê de rosas que sangravam e mostravam ao mesmo tempo, o quão bela e ao mesmo tempo perfeita a Natureza divina. Vimos, também, a morte num adeus solene de quem parte – e tendo consciência disso! – acenando com as mãos como a dizer: nos encontraremos brevemente!

Vimos o semear do milho e do feijão – e isso dá um sabor diferente na hora da mastigação. É, temos certeza, o ciclo da vida e de tudo.

Pois, certa noite mal chegada, tivemos a feliz premiação de ver, também, uma fina neblina tangida pelo fraco vento que, pela nossa posição, transformava um grosso galho de acácia num palco natural da vida.

Um desenho que não foi feito por nós: ao fundo, a lua de agosto redonda e límpida, nos trazia a silhueta de um provável casal de Louva-Deus em cópula, garantindo a preservação da espécie. Mas, aos olhos curiosos e profanos do amor em transe, e, na retina da nossa experiência, o que vimos (ou o que queríamos ver mesmo) foi um verdadeiro balé transformado num autêntico, perfeito, PAS DE DEUX.

jbf2 qua11

A dança completa dos Louva-Deus

* * *

Clique aqui para ler sobre Pas de Deux no Wikipédia.

* * *


O PRETO BRÁS E O TURCO SALIM RAYUAD

jbf1 dom8

Preto Brás morreu sentado esperando a chegada da dignidade

Nascido a 3 de outubro de 1953 no Rio de Janeiro, Adoniran Fagundes Brás, terceiro filho de Getúlio Brás e de Augusta Anunciação, que somaria ao nome o Brás, ainda criança e por ser filho de funcionário público de alto coturno foi com a família morar em São Paulo.

Na mudança para a capital paulista, Adoniran foi morar no bairro “Brás” com os pais. Adolescente encontrou e fez amigos. Entrou para a universidade e, ali, ganhou um apelido que ainda carrega até os dias de hoje: “Brás”!

Consciente do preconceito racial que existe no Brasil, demonstrando personalidade, Adoniran jamais aceitou que lhe chamassem de “afrodescendente”. Tinha orgulho de ser mesmo era, “preto”. Foi rápido para ser reconhecido até os dias atuais como “Preto Brás”.

Digno por vários anos – do nascimento até meados dos anos 90 – Preto, agora tendo uma identificação de acréscimo sui-generis com o apelido, assumiu a identidade de “Preto Brás”.

Preto Brás passou a enfrentar dias difíceis a partir da década de 90 e cambaleou até o final do século 20, quando começaram a surgir disse-me-disse sobre seu comportamento. Tinha consciência que as maldades nunca aconteceram. A partir dos primeiros dez anos do século 21, mais precisamente a partir de 2008 cresceram insistentemente as maledicências contra Preto Brás.

Preto Brás nunca aceitou isso. Garantia que eram muitas as maldades e as tentativas de ofensas ao seu nome. Mas, por outro lado, havia também quem nunca soubesse de nada.

Dono de uma riqueza imensa, construída graças ao prestígio e ao trabalho reto, Preto Brás nunca aceitou manches no seu nome. Resolveu, a partir de então, dar um ultimato aos maldosos: sentaria numa confortável cadeira e, ali, esperaria que aqueles que estavam contribuindo para manchar seu nome tivessem a dignidade da retratação: Preto Brás morreu. Morreu e, como uma múmia, continua sentado na mesma cadeira. E, inacreditavelmente, muitos ainda continuam sem saber de nada.

O turco

jbf2 dom8

Bijuterias vendidas por Salim

Como tenta identificar o próprio nome, Salim Rayuad chegou ao Brasil no final da década de 50, quando, tangidos pela crise que pairava da Turquia, seus familiares desembarcaram de navio no Rio de Janeiro. Sem profissão definida, tornou-se comerciante e estabeleceu-se na SAARA com uma pequena loja na rua da Alfândega.

Salim Rayuad é falecido. Transferiu os negócios – que cresceram muito – para os filhos e filhos e, tradicionalmente, transferiu-lhes, também a “filosofia de vida”. Vindo da Capadócia, Salim aprendeu na terra dos balões coloridos as meticulosidades do comércio. Contagiava e deixava em dúvidas alguns dos empregados que auxiliavam no comércio.

Certa vez, Mercedes, empregada que morava em Belford Roxo, questionou a Salim a dificuldade que ele tinha em “fazer redução de preços dos produtos” vendidos na loja. Salim aceitou atender a sugestão da empregada e preparou um verdadeiro “queima” para por em prática logo que a loja fosse aberta o dia seguinte.

Quando as portas foram levantadas na abertura do comércio, lá estava uma placa produzida e afixada pelo próprio Salim.

“Quase de graça”! “Tudo com 50% de desconto”!

Sapato social de alta qualidade, de R$300,00 por apenas R$150,00!

Mercedes não entendeu e questionou:

- Seu Salim, aquele sapato ali, ontem, custava R$100,00!

- Pois é filha minha, Salim não é bobo!

O par de sapatos custava no dia anterior, R$ 100,00. Para não perder e acompanhar o “queima” diário na Rua da Alfândega, Salim aumentou o valor para R$300,00 e ofereceu um desconto de 50%. Se custava R$300,00, com 50% de desconto, o sapato passou a custar R$150,00 e, apesar do “queima” ficou mais caro do que os R$100,00 do dia anterior.

MORAL DA HISTÒRIA – Não teve jeito para Preto Brás, que morreu sentado esperado gente correta e honesta; e Salim Rayuad não é diferente de quem “rouba” 500 milhões de alguma instituição e, por “colaborar” com as investigações, se propõe e devolver 100 milhões. E veja que Preto Brás nunca passeou pela Rua da Alfândega, tampouco conhece Salim Rayuad, o turco!


FAZENDO O MOCORORÓ (OU COMO TIRAR SUCO E MUCO)

jbf1 qua4

Caju maduro – a fonte do “mocororó”

Da mesma forma que em apenas algumas cidades alguém come algo considerado estranho, existem coisas que também são estranhas em quase todo o continente brasileiro. E, uma dessas coisas estranhas é o “mocororó” – que os cearenses consideram um bom alimento naquelas horas que a fome faz o estambo (sic) roncar.

Já se tornou conhecido o “caldo verde” no Rio de Janeiro e em São Paulo, da mesma forma que ganha espaço em outros estados brasileiros o “açaí” do Pará, misturado com “tapioquinha” – que no Maranhão recebe o nome de “juçara”.

No Maranhão também existe o “chibé” – uma gororoba composta de água, farinha, sal e limão. Alguns mais exigentes acrescentam “cheiro verde” picado e outros ainda adicionam pimenta malagueta. Há quem goste muito, acredite.

Pois, no Ceará, muitos conhecem o “mocororó” uma delícia – e é verdade que realmente alimenta. O “mocororó” é feito do suco de caju não industrializado, espremido com as mãos, adicionado da paçoca da castanha assada do próprio caju – é uma “comida” inventada pelos índios.

Outra comida muito apreciada no Ceará é algo mostrado na foto abaixo. Claro que nos dias atuais, alguns ainda não conseguiram descobrir qual o sabor dessa fruta, e, assim, preferem experimentar outros sabores estranhos ao seu meio. Também no Ceará, essa fruta deliciosa recebe o nome de “xibiu” e dá mais em praças e logradouros frequentados à noite, que chuchu em cerca de roçado como se fora melão São Caetano.

jbf2 qua4

Um pé de “xibiu” – fonte de um bom muco

Mas, é bom não esquecer, que estávamos falando de “mocororó” – essa maravilha inventada pelos índios paiakus, que habitaram o hoje município de Pacajus no início do século passado.

Fazer o “mocororó” não é algo difícil. Existem duas maneiras fáceis de evitar que o caju tenha contato com o chão para produzir um bom “mocororó”:

1 – alguém sobe com uma bolsa ou uma sacola e apanha o caju manualmente no próprio galho;

2 – amarra uma lata ou uma garrafa pet na ponta de uma vara comprida e, ao encostá-la no caju, dá um leve toque que, maduro, o caju cai no vasilhame.

Em seguida, fura-se o caju com um garfo (ou algo pontiagudo), ao mesmo tempo, que se apara o suco numa vasilha, pressionando para que esse continue caindo. Ao final da utilização de vários cajus, esses poderão ser aproveitados para fazer doce de caju (chama-se “doce de caju ameixa”). Separa-se o suco, e se inicia o preparo da paçoca da castanha.

jbf3 qua4

Castanha de caju – a matéria prima da paçoca

Separa-se uma boa quantidade de castanhas de caju assadas e sem cascas, e coloca-se num pilão de madeira. Pila-se até formar uma massa. Em seguida passa-se a massa numa peneira (crivo, para alguns) para garantir a soltura dos grãos pilados.

jbf4 qua4

Paçoca de castanha – um forte alimento natural

Já o “xibiu”, é algo cada vez mais fácil de ser encontrado, por não ser fruta sazonal. Dá o ano todo, mas, infelizmente, muitos não conseguem comê-lo num curto período de seis dias no espaço de um mês.

Quem conhece aquele dito popular que assegura que “laranja madura na beira da estrada está bichada, ou tem marimbondo no pé”, ou não gosta nem um pouco de xibiu – preferindo outras frutas de formatos fálicos – sabe que o xibiu amadurece rápido, tem um aroma forte da mesma forma que o caju, e não precisa ser derrubado ou tirado do pé para ser comido.

jbf5 qua4

Gatinho dorminhoco – na fonte do sono (muco)

Tanto quanto o “mocororó”, tradicional fonte de alimento no sertão cearense, o “xibiu” é uma fruta apreciada por um considerável contingente. Também precisa ser preparado tanto quanto o caju para “soltar o muco”, o “xibiu” vai produzir o melhor muco se passar por boas preliminares.

“Xibiu” gosta tanto das preliminares, que atinge o ápice da mesma forma quando alguém mostra um tamarindo para outrem. Jorra! Jorra fácil, dependendo das preliminares.

Mas, hoje, infelizmente, são poucos os que sabem fazer “mocororó”, e muito menos ainda os que esperam ou sabem fazer as preliminares desejadas pelos “xibius”. Fazer o que?

Espera que aconteça a coincidência para se comer ao mesmo tempo (um depois do outro, claro!) o “mocororó” e o “xibiu”.


O MENINO QUE CRIAVA LIBÉLULAS E VAGALUMES

jbf1 dom1

Libinha dialogando com uma de suas libélulas

Da mesma forma que os gibis antigos mostravam personagens fictícios que colecionavam minhocas, besouros e formigas – dando-lhes nome a cada uma delas – Libinha era um garoto que amava libélulas e vagalumes. E, só por isso, os criava. Criou o seu “greenpeace” particular.

Era manhã cedo de um daqueles dias enfarruscado que Libinha precisava estudar para fazer uma prova na escola. Estudava no expediente vespertino na escola e, em casa, estudava no período matutino.

Libinha, com o queixo apoiado na mesa, enquanto reaprendia a lição da prova do dia seguinte, olhava também as peripécias de umas moscas que comiam restos de açúcar caído na mesa. Observou e se interessou.

Se interessou para descobrir como um animal daqueles, leve, podia transportar doenças tão raras e fatais para o ser humano. Foi a partir de raciocínio assim, que Libinha se interessou pelos insetos. Resolveu aprimorar seus conhecimentos a respeito.

Certo dia, na varanda da casa, enquanto estudava mais uma vez, foi surpreendido pelo pouso de uma libélula no varal para secar roupas. A libélula rodopiava e batia as asas mais parecendo um helicóptero. Uma beleza de voo.

Libinha disse para si mesmo que, a partir daquele momento, todas as libélulas que voassem num raio de 500 Km2 seriam suas. E passou a dar-lhes nomes. Nomes sugestivos como Rainha, Monalisa, Gerulina, Princesa de Ouro e daí por diante.

Descobriu que as libélulas gostam do pólen das flores e das rosas, e acabou descobrindo que elas se alimentam também da seiva adocicada. Espalhou em todo o território que se apropriou mentalmente, pequenos depósitos com água e açúcar. Acreditava que estava alimentando as “suas libélulas”.

Aos poucos começou a perceber que o contingente aumentava significativamente a cada primavera, aproveitando o colorido da estação.

Libinha descobriu o sexo das libélulas e, sempre que uma dessas adoecia, ele a acompanhava e entrava também em depressão. Libinha afeiçoou-se tanto às “suas libélulas” que, certo dia, como se fora um esquizofrênico, isolou-se ensimesmado, porque teve um momento de descontrolada infelicidade: viu um faminto iguana, com aquela língua pegajosa lançada a mais de um metro, fisgar e comer uma das suas libélulas.

jbf2 dom1

Vagalumes do criatório de Libinha

Aquilo que somente anos depois Libinha entenderia como manutenção das espécies, acabou por marcar o início da vida de um dos mais famosos entomologistas do Brasil, seguidor ferrenho de Charles Darwin e de Karl Ritter von Frisch.

Poucos – além dos familiares – sabiam seu verdadeiro nome, e isso não tinha muita importância. Todos conheciam mesmo era o Libinha, o menino que criava libélulas e vagalumes.

E foi exatamente quando a escuridão da noite chegou para esconder a claridade do dia nas suas mais recônditas trevas, que Libinha demonstrou interesse, também, nos vagalumes – um inseto quase mágico iluminado pela natureza, que mais parece um pirilampo.

Por que e para que vivem os vagalumes, perguntava Libinha a si mesmo. Por que voos tão rasantes e para que tanta luminosidade tão semelhante à luminosidade dos poemas de Drummond?

Seria esse mais um mistério da Fé?

* * *

Pirilampos – Henriqueta Lisboa

Quando a noite
vem baixando,
nas várzeas ao lusco-fusco
e na penumbra das moitas
e na sombra erma dos campos,
piscam piscam pirilampos.
São pirilampos ariscos
que acendem pisca-piscando
as suas verdes lanternas,
ou são claros olhos verdes
de menininhos travessos,
verdes olhos semitontos,
semitontos mas acesos
que estão lutando com o sono?


GERAÇÃO GALA GROSSA E DE COMUNISTAS

jbf1 qua25

Geração “gala pior” acompanha um “bando de comunistas” e pode parar o País

No último dia 8 de fevereiro de 2015 escrevemos uma pequena crônica que, com erros ou com acertos, pretendia chamar a atenção da atual geração de jovens – estudantes ou não; rapazes ou moças – para o sono profundo em que vivem entregues, como se fossem cobras depois que engolem uma presa.

Demos à crônica o título de “Geração gala rala” e, para relembrar, abaixo transcrevemos alguns tópicos:

“Aprendemos também que não devemos incitar nada nem ninguém à balbúrdia ou ao descontrole social que interfira e dificulte a vida e o ir e vir de segundos e terceiros.

Eeeeeeiiiiiii, mas, espere aí! Tudo tem limites!

Por muito menos, nós – simples estudantes e “armados até os dentes” apenas com livros, régua e compasso e blindados pela nossa disposição e inteligência – íamos à luta. Contra qualquer um que tentasse barrar nossas legítimas pretensões e defender a Pátria, porque estávamos defendendo, também, a nós.

Minha avó, mulher antiga e sem estudos que lecionou o que aprendeu na vida e se graduou e chegou ao doutorado no dizer e no entender das coisas.

Naqueles já longínquos tempos dela, quando algum jovem tinha o comportamento dos muitos de hoje – alienados, lerdos e preocupados apenas com uma merdinha chamada celular, deixando de lado a vida, a Pátria e o ser alguém – ela dizia: “… esse foi gerado com gala rala!”

Criam slogans, criam muita coisa, mas não agem. Não fazem nada em defesa de si próprio porquanto é também em defesa do seu solo, da sua Pátria. Literalmente, cagam e andam – e, em protestos, só encontram motivos para depredar o que é de outrem. Não defendem nada de seu.

E o que está sendo roubado é o “nosso Brasil”!

Eeeeeeiiiiiii, esperem aí! Tudo tem limites! Até a lerdeza de vocês!”

Foi apenas uma proposta para reflexão. Longe, muito longe, a intenção de ofender alguém, pois isso nunca foi do nosso feitio. Também sabemos da nossa responsabilidade e jamais incitaríamos alguém à violência. Seis leitores nos deram o prazer de comentar – e respeitamos a compreensão e os comentários de cada um, sem rebater nenhum, ainda que com ele não viéssemos a concordar.

Entretanto, achamos deveras interessante o comentário de um leitor que assinou Ricardo Barros:

Eu não sei qual foi a gala pior, mas a geração que ia as ruas contra os militares são esses daí que estão hoje no poder. Cabe aos galas ralas de hoje botar quente nos galas loucas de ontem. Eram um bando de comunistas que através da mídia esquerdista e doentia carioca e paulista induziam vários jovens, ou melhor, a maioria dos jovens a entrarem na onda. Taí o resultado. Um Executivo podre, um congresso mediócre e um judiciário falido. S.O.S Exército

Naquele mesmo dia, respeitando o entendimento do senhor que assinou Ricardo Barros – não queremos nem temos o direito de duvidar disso! – respondi o seguinte:

Ricardo Barros: obrigado meu caro jovem – provavelmente “gala grossa” pela forma como entendeu. Como o espaço é altamente democrático e, se eu não estivesse preparado para ler respostas como a sua, não teria postado a matéria, né mesmo? Então-se……. vida que segue. Desisto de continuar na resposta, depois desse “S.O.S. Exército”! Volte sempre que lhe der na telha, amigo!

jbf2 qua25

Caminhoneiros em movimento paredista sem prejudicar o ir e vir de ninguém

Aprendemos ao longo da nossa vida de adversidades e enfrentamentos, que tudo tem seu tempo. A pressa, diz um dito popular, é inimiga da perfeição, ou, ainda, que apressado acaba comendo cru.

Desde a tarde de sábado, quem ganha a vida transportando cargas de todos os tipos, enfrentando a violência urbana que está instalada neste Brasil com se fora uma guerra civil – e que, infelizmente, mata muitos inocentes – e as piores estradas do planeta, resolveu gritar. Resolveu dizer que existe, que tem direitos e que merece um mínimo de respeito.

E isso tudo começou a partir dos aumentos abusivos dos combustíveis que movimentam os veículos de quem trabalha e sofre para sustento próprio e da família. Há quem diga e não se arrependa, que, “alguém vive roubando na Petrobrás, e por que a culpa e o ônus tem que recair sobre o caminhoneiro”?

Sim. Não bastam o enfrentamento e a dificuldade de trafegar nessas estradas brasileiras todos os dias?

Este é um movimento paredista que “pode” parar o País. Pode parar, sim, se o que eles “reivindicam” não for atendido. No seu dia-a-dia você não consegue viver sem comer carnes, legumes, verduras ou deixar de consumir bens que são transportados por esses caminhoneiros.

Agora, vejam fotos e imagens nas televisões, e descubram onde algum “grevista” está prejudicando o ir e vir dos outros. Descubram onde algum “grevista” está depredando o patrimônio de outrem. Mostrem uma baderna!

E, essas ações amigos, não estão sendo feitas por nenhum gala rala. É todo mundo “gala pior” ou “um bando de comunistas”, como preferiu escrever acima o ilustre Ricardo Barros.

Isso gente, tem um nome: “democracia”!


O SONHO DE KING

besta1 dom22

Martin Luther King – Eu tenho um sonho

Eu Tenho Um Sonho:

Quando os arquitetos de nossa república escreveram as magníficas palavras da Constituição e da Declaração de Independência, estavam assinando uma nota promissória de que todo norte americano seria herdeiro. Esta nota foi a promessa de que todos os homens, sim, homens negros assim como homens brancos, teriam garantidos os inalienáveis direitos à vida, liberdade e busca de felicidade.

Mas existe algo que preciso dizer à minha gente, que se encontra no cálido limiar que leva ao templo da Justiça. No processo de consecução de nosso legítimo lugar, precisamos não ser culpados de atos errados. Não procuremos satisfazer a nossa sede de liberdade bebendo na taça da amargura e do ódio. Precisamos conduzir nossa luta, para sempre, no alto plano da dignidade e da disciplina. Precisamos não permitir que nosso protesto criativo gere violência físicas. Muitas vezes, precisamos elevar-nos às majestosas alturas do encontro da força física com a força da alma; e a maravilhosa e nova combatividade que engolfou a comunidade negra não deve levar-nos à desconfiança de todas as pessoas brancas. Isto porque muitos de nossos irmãos brancos, como está evidenciado em sua presença hoje aqui, vieram a compreender que seu destino está ligado a nosso destino. E vieram a compreender que sua liberdade está inextricavelmente unida a nossa liberdade. Não podemos caminhar sozinhos. E quando caminhamos, precisamos assumir o compromisso de que sempre iremos adiante. Não podemos voltar.

Digo-lhes hoje, meus amigos, embora nos defrontemos com as dificuldades de hoje e de amanhã, que eu ainda tenho um sonho. E um sonho profundamente enraizado no sonho norte americano.

1 – Eu tenho um sonho de que um dia, esta nação se erguerá e viverá o verdadeiro significado de seus princípios: “Achamos que estas verdades são evidentes por elas mesmas, que todos os homens são criados iguais”.

2 – Eu tenho um sonho de que, um dia, nas rubras colinas da Geórgia, os filhos de antigos escravos e os filhos de antigos senhores de escravos poderão sentar-se juntos à mesa da fraternidade.

3 – Eu tenho um sonho de que, um dia, até mesmo o estado de Mississipi, um estado sufocado pelo calor da injustiça, será transformado num oásis de liberdade e justiça.

4 – Eu tenho um sonho de que meus quatro filhinhos, um dia, viverão numa nação onde não serão julgados pela cor de sua pele e sim pelo conteúdo de seu caráter.

Quando deixarmos soar a liberdade, quando a deixarmos soar em cada povoação e em cada lugarejo, em cada estado e em cada cidade, poderemos acelerar o advento daquele dia em que todos os filhos de Deus, homens negros e homens brancos, judeus e cristãos, protestantes e católicos, poderão dar-se as mãos e cantar com as palavras do antigo spiritual negro: ” Livres, enfim. Livres, enfim. Agradecemos a Deus, todo poderoso, somos livres, enfim.

(Martin Luther King, 28 de agosto de 1963, Washington, D.C.)

* * *

Eu também tenho um sonho:

jose-oliveira

Este colunista

Eu também tive um sonho

Quando começou a cair a noite no dia 10 de abril de 1984, faltando 4 dias para o aniversário da minha falecida mãe e 20 dias para os meus 41 anos, um desenho começou a tomar forma na Avenida Presidente Vargas, num palanque armado defronte a Igreja da Candelária, e uma multidão se formou para assistir e participar do “Comício das Diretas Já”, comecei a imaginar que, o meu sonho de ver realizada uma retomada política e administrativa no Brasil estivesse se concretizando. E estava.

O comício que mobilizou o povo carioca desde as primeiras horas da manhã daquele 10 de abril teve mais repercussões. Desde as 14h, ônibus e barcas liberaram as roletas. Aos poucos, o povo foi chegando, armado apenas de criatividade – muitos cidadãos foram vistos fantasiados ou portando faixas e cartazes fazendo graça do ocaso do regime militar. Na frente ao palco, no Hotel Guanabara, o governo vigente montara um bunker para agir em caos de emergência. A Polícia Federal ocupou o quarto andar, em linha direta com o Ministério da Justiça. No comando do I Exército, um telefone também acionaria imediatamente o ministro Walter Pires, em Brasília. Mas, ao contrário do comício de 25 de janeiro, em São Paulo, que terminara de forma tumultuada, o protesto no Rio foi pacífico. Era o prenúncio de que o meu sonho poderia ter um bom final.

Clique aqui e leia este artigo completo »


BINIDITO BUNDA NOVA – O AZARADO

besta1 qua18

“Binidito Bunda Nova”

Morros é um município maranhense, emancipado em 1938. Antes, a partir de 1898, era apenas uma Vila, sendo inexplicavelmente extinta em 1931. Distante de São Luís cerca de 70 Km, está localizado nas margens do rio Munim, uma das belezas ambientais do Estado.

Sua principal atração é o rio Una, de águas claras e limpas, um dos muitos afluentes. Correnteza forte, que vive provocando afogamentos aos que se arriscam. Não tem peixes – a não ser de aquário (cardumes impressionantes de “paulistinhas”).

O rio Munim já foi navegável – uma linha de barcos transportava passageiros para São José de Ribamar, via Icatu. Esse tipo de transporte foi extinto em virtude dos vários acidentes, pois o leito continha muitas pedras que exigiam a perícia do “Prático”.

Mesmo sem um mínimo de estrutura hoteleira, Morros é muito frequentado pelos turistas – que preferem as águas claras do rio para banhos, a religiosidade e a tranquilidade.

Foi a cidade preferida por alguns espanhóis da família Muñoz, que se abrasileiraram e viraram “Muniz”. Quase todos são Muniz, Coimbra ou Abreu.

Pequenos agricultores “sustentam” a cidade com o fabrico de farinha, criação de patos e galinhas caipiras. Antes, ainda como Vila, produziu bastante sabão de andiroba. Morros é também muito procurada no período junino, onde acontecem as melhores festas.

Pois Morros, tal e qual muitos pequenos municípios do interior, possuía pequenas possibilidades e interesse de crescer, desenvolver e levar junto sua população, garantindo-lhes melhores condições de vida.

Nos idos dos anos 50 e 60, os moradores eram quase todos de uma só família. Morros tinha, como destaques uma pequena Igreja e um pequeno hospital administrado e mantido pelo Governo do Estado. Nesse hospital não havia propriamente uma equipe médica e a única casa de saúde das redondezas era administrada por pessoas sem qualquer qualificação para isso. Mas, pelo bom relacionamento mantido com os moradores, esses “administradores” ganhavam o respeito e a confiança de todos.

Pequenas cirurgias e breves internações eram ali realizadas apenas isso. Ninguém sabia o que significava a tal prática médica de alta complexidade. Partos eram assistidos por parteiras leigas.

Um dia, José Benedito Coimbra Muniz (o nome é fictício) teve a sorte de ser operado. Passou por uma cirurgia de apendicite na própria Casa de Saúde e ali precisou ficar internado por 15 longos dias, sob os cuidados da esposa – não havia Enfermeiras contratadas – que seguia apenas as orientações médicas do cirurgião.

Certa noite faltou luz elétrica na cidade. Felizmente que não existia ali nenhuma aparelhagem que dependesse dessa energia. Luz era apenas para garantir a segurança da casa e facilitar algum movimento dos internos (que não eram muitos, diga-se).

Dormindo, “Binidito” puxou involuntariamente o lençol que o cobria e acabou desequilibrando a cama escorada com um pedaço de madeira na mesinha da cabeceira onde fora acesa uma vela. Esse movimento derrubou a vela sobre o lençol e acabou incendiando o colchão onde “Binidito” estava deitado.

besta2 qua18

A vela que virou inimiga de “Binidito Bunda Nova”

Com orientação para não se mexer na cama, inerte, “Binidito” foi vítima de fortes queimaduras pelo corpo e as labaredas acabaram por queimar muito a sua região glútea. Demorou para que os “plantonistas” debelassem as chamas e atendessem o, agora, vítimas de queimaduras de alto grau.

“Binidito” precisou ser transportado de Jeep para um hospital da capital, onde foi submetido a várias cirurgias corretivas. Para maior conforto no andar e no sentar quando se recuperasse, e recuperasse também os movimentos, os médicos resolveram fazer enxertos na região glútea do acidentado, retirando pequenas placas de “carne” de outros membros (coxas e costas).

Quando retornou em definitivo para Morros, José Benedito Coimbra Muniz ganhou o pomposo e reconhecido apelido de “Binidito Bunda Nova”. Ele próprio assinava seu “novo nome” dessa forma. Nunca aceitou que alguém o chamasse de “Benedito”. Para ele, o nome era “Binidito”.

Depois da volta de “Binidito Bunda Nova” para o convívio familiar, nunca mais faltou luz elétrica em Morros. Aquela noite de agosto, de fortes ventos noturnos e acentuada queda de temperatura ficou marcada na vida de “Binidito”, que ganhou um segundo apelido: cabra mais azarado das redondezas.


E… BOTE TEMPO NISSO!

Como hoje “ainda” é carnaval e eu não quero falar nisso, resolvi viajar de novo. Viajar pelo túnel do tempo e relembrar coisas boas que nos ajudaram a chegar até aqui. E, ainda nos permitiram, várias vezes, brincar carnaval, sim senhor!

Em Fortaleza nunca construíram “passarelas”. O local escolhido para as apresentações dos maracatus, sempre foi a Avenida Duque de Caxias. Nós cearenses sempre gostamos mesmo foi de brincar carnaval nos clubes fechados ou nas ruas, sendo fofões e continuando a ser palhaços. E ainda hoje somos palhaços. Pelo menos isso é o que pensam os governantes.

Nessa foto abaixo, o antigo telefone preto e afixado na parede. É algo muito antigo, mas que foi muito útil. Saiu de moda e de fabricação. Em São Luís, no Bar do Léo tem um que ainda funciona perfeitamente.

besta1 dom15

Telefone preto de parede

A seguir, a nossa sempre desvalorizada moeda. Desvalorizada em todos os sentidos. No poder de compra e no material de confecção. Era confeccionada com cobre da pior espécie e deixava aquele cheiro horrível nas mãos de quem o pegava por muito tempo.

Nas feiras, mercados e comércios, servia para comprar alguma coisa e ainda recebíamos troco.

besta2 dom15

Moedas de “mil réis” fundidas em cobre

Na sequência para baixo vamos encontrar nesse nosso passeio, uma antiga máquina de calcular, marca Facit. Servia para as quatro operações, cálculos de percentuais e outras ações inerentes ao sistema contábil.

Em alguns lugares, em que pese a tecnologia atual, ainda existe que prefira usar a Facit, pelo simples prazer de manusear essa manivela.

besta3 dom15

Máquina Facit de calcular

Finalmente, para não dizerem que não falei de flores, vem a seguir um antigo frasco de metal com lança-perfume (ou o cheirinho da loló, se preferirem) que usávamos para brincar os carnavais. Colocávamos nos lenços e aspirávamos. E nem nos consideravam “drogados”.

besta4 dom15

Frasco de lança-perfume


DARFUR E MIAMI

besta1 qua11

Jovem de Darfur pronto para uma interminável e desumana guerra

Segundo estatísticas oficiais, o Brasil que vive e goza de “democracia” conquistada a partir dos movimentos sociais que levaram milhares de pessoas à Avenida Presidente Vargas, que superlotaram tudo a partir da Central do Brasil – mas há quem afirme que Dilma Roussef é uma “guerreira” porque “lutou” nos porões da ditadura – numa manifestação jamais vista, se mata mais gente que qualquer guerra civil em qualquer país.

Esses números – oficiais, repita-se por necessário! – informam também, que, no Brasil se mata mais e por motivos fúteis ou por conta do tráfico de drogas, que em Darfur, no Sudão.

Isso, aos sensíveis e alinhados numa linha de verdade e alheios ao puxa-saquismo, é preocupante. É muito preocupante. Preocupa muito, às famílias. Sim, às famílias. Famílias pobres, explique-se! Pois as famílias ricas (e aqui pouco importa a forma do enriquecimento) estão mudando para Miami.

É, em pleno regime democrático, a prática do que se escutou muito nos anos de chumbo: “Brasil – ame-o ou deixe-o”!

Segundo fontes, as famílias brasileiras ricas – independentemente de como “amealharam” a riqueza – descobriram que, pelo menos enquanto o país empobrece a cada mensalão (ops!) ou a cada lavada a jato (ops!) o melhor mesmo é aplicar o que ganharam num outro país.

Isso é algo para refletir. Antes, os pais em melhores condições financeiras enviavam os filhos para melhores escolas no exterior. Nos dias atuais, as famílias estão indo juntas. Inteiras. Levando até empregadas domésticas.

besta2 qua11

Uma noite em Darfur

E, ainda que sem ir para Miami, saímos ao campo da pesquisa e podemos encontrar que há muito tempo muitas pessoas se preocupam com a guerra no Sudão – embora aqueles que ali comandam não deem a mínima atenção para os resultados diários dessa guerra.

Encontramos três poemas que demonstram preocupação de alguém do mundo com a preocupação do que estã dizimando pessoas gerações e mais gerações em Darfur.

Vejam:

Darfur – Sudão – Rogério Martins Simões

Era uma noite, tão noite,
Nem uma só luz existia,
As velas, acesas, não brilhavam.
Lá fora nem luar havia…

Metia medo!
Ninguém dizia!
Ninguém murmurava…
O silêncio era gélido!
Esperavam o dia,
E os corações sangravam…
Medrosa agonia,
Metia medo!
Ninguém diria…

Vieram os cavaleiros de negro…
Despedaçaram as portas!
Violaram! Mataram!
Derramaram o sangue!
Verteram-se as lágrimas!
Levaram os moços!
Incendiaram o chão!
Queimaram os corpos em pira!

Envenenaram os poços!
E partiram sedentos de ira!
Que tragédia é essa – Sudão?

Voltou o dia!
Fez-se noite!
Viram-se de novo as estrelas!
Que é do teu povo Sudão?

(Dedicado a João Paulo II)

besta3 qua11

Essa é uma mulher “erigindo uma casa” em Darfur

Por Darfur

Sei que não posso mudar o mundo
Sei que não posso mudar as leis
Sei que bem lá no fundo
Posso mudar alguma coisa!

Posso mudar a minha rua
Posso mudar o meu bairro
Posso mudar a minha escola
Posso mudar o que me está próximo

Sei que não posso mudar os políticos
Sei que não posso fundir as religiões
Sei que não posso acabar com o racismo
Sei que não posso acabar com a descriminação

Posso acabar com o meu egoísmo
Posso acabar com a minha ambição
Posso acabar com a minha indiferença
Posso acabar com a minha passividade.
Mas mesmo na minha cidade posso
fazer algo por quem sofre noutro Continente

besta4 qua11

Criança em Darfur

Natal no Sudão – Jorge Humberto

Que Natal pode haver numa criança sudanesa,
Morrendo a cada quinze segundos numa mesa
Improvisada de campanha, onde a vã verdade,
Mais não é, que um grito calado, vil insanidade.

E enquanto assim empertigando vera destreza,
O Homem mais não concede, que sua certeza,
Foge de tudo, toda e qualquer destra afinidade,
Porque se roubou, ao povo, sua nacionalidade.

Em Darfur a guerra civil não cessa nunca mais,
Mulheres e crianças degoladas e sem palavras,
Caem abatidas no campo, prenhe dos arrozais.

Tudo isto é uma mentira engenhosa pra vender
Ao desbarato, corvos lívidos, cravando garras,
Sem inquirir, porque meio mundo, está a morrer.


GERAÇÃO GALA RALA

besta1 dom8

Liceu do Ceará, forja de moldar homens do século XX

Já não somos mais crianças. Estudamos e aprendemos o significado do que seja uma “pátria” – independentemente de estar sendo dilapidada ou não.

Servimos ao Exército Brasileiro e, na caserna, aprendemos o significado da bandeira, das leis e da honra que devemos manter pelo local que não escolhemos para nascer. Mas nascemos, e devemos nos orgulhar disso.

Estudamos. Tivemos noções de civismo e aprendemos que não devemos apenas respeitar o lugar onde nascemos – mas, também, defende-lo porque somos partes intrínsecas. Somos um conjunto. Nós e a Pátria.

Continuamos entrincheirados, prontos e resolutos para a defesa.

Aprendemos também que não devemos incitar nada nem ninguém à balbúrdia ou ao descontrole social que interfira e dificulte a vida e o ir e vir de segundos e terceiros.

Eeeeeeiiiiiii, mas, espere aí! Tudo tem limites!

Por muito menos, nós – simples estudantes e “armados até os dentes” apenas com livros, régua e compasso e blindados pela nossa disposição e inteligência – íamos à luta. Contra qualquer um que tentasse barrar nossas legítimas pretensões e defender a Pátria, porque estávamos defendendo, também, a nós.

besta2 dom8

Estudantes não depredavam patrimônio – iam à luta depois das discussões

E hoje, que jovens esclarecidos são esses de hoje?

O que mudou no Brasil?

Conhecemos e convivemos com jovens estudantes que sofreram metal e fisicamente com os anos de chumbo – e os nomes deles nunca constaram em nenhuma relação da Comissão Nacional da Verdade.

O que mudou nos jovens do Brasil?

Por que tanto sono profundo?

Por que tanta indolência?

Por que tanta indiferença?

Por que tanta conivência com estes que estão literalmente roubando o Brasil?

Será que algum dia vai chegar a hora de acordar?

besta3 dom8

Leonel Brizola um líder esquecido pelo Brasil que hoje endeusa Lula, Dilma e Dirceu

Minha avó, mulher antiga e sem estudos que lecionou o que aprendeu na vida e se graduou e chegou ao doutorado no dizer e no entender das coisas.

Naqueles já longínquos tempos dela, quando algum jovem tinha o comportamento dos muitos de hoje – alienados, lerdos e preocupados apenas com uma merdinha chamada celular, deixando de lado a vida, a Pátria e o ser alguém – ela dizia: “… esse foi gerado com gala rala!”

besta4 dom8

Fim de tarde e início da noite história na Candelária

Criam slogans, criam muita coisa mas não agem. Não fazem nada em defesa de si próprio porquanto é também em defesa do seu solo, da sua Pátria. Literalmente, cagam e andam – e, em protestos, só encontram motivos para depredar o que é de outrem. Não defendem nada de seu.

E o que está sendo roubado é o “nosso Brasil”!

Eeeeeeiiiiiii, esperem aí! Tudo tem limites! Até a lerdeza de vocês!


THE BREAKFAST DOS PAPA-JERIMUNS

besta1 qua4

Creme de abóbora com leite de cabra

São pouco mais de 5 horas, mas ainda se escuta na redondeza o cantar dos galos. O dia está chegando, as cabras ordenhadase o leite forte e amarelado que encheu o primeiro bule toma o caminho da cozinha. Uma parte é separada noutra vasilha – vai virar coalhada para os que gostam. A outra parte vai para o fogo para aferventar e eliminar as possíveis bactérias que se transformam em toxoplasmose.

A mesa está posta para o café – embora em muitas casas sequer existam mesas, haja vista que muitos mantêm a tradição de sentar mesmo no chão, usando um surrão (espécie de tapete) de palha para servir os alimentos. Batata doce, milho cozido, cuscuz, café, leite e abóbora.

É costume no Nordeste a abóbora fazer parte da breakfast das mesas mais pobres e é consumida cozida, amassada com a colher e misturada com leite de cabra ou de vaca.

besta2 qua4

Abóbora cozida em fatias acompanhada de leite fervido

“A abóbora tem definição como sendo uma hortaliça pertencente ao gênero Cucurbita, que se divide em várias espécies nas Américas. Merecem destaque nesse gênero Cucurbita como abóboras, morangas, gilas, mogangos e ornamentais, com destaque para Cucurbita máxima, Cucurbita moschata, Cucurbita ficifolia, Cucurbita argyrosperma e Cucurbita pepo.

Abóbora ou jerimum, fruto da aboboreira, é uma designação popular atribuída a diversas espécies de plantas da família Cucurbitaceae (ordem Cucurbitales), nomeadamente às classificadas nos géneros:

o Abobra – uma única espécie, nativa da América do Sul

o Cucurbita – género que inclui os tipos de abóbora mais comuns e a abobrinha (courgette/zucchini).

Pertence ao grupo das hortaliças.

A abóbora é um alimento cheio de benefícios, além de ser muito saborosa em diversas preparações, combinando tanto em pratos salgados quanto doces. Uma xícara de abóbora cozida (em forma de purê) contém mais de 200% da recomendação diária de vitamina A, o que ajuda a visão, principalmente em ambientes escuros, segundo o National Institutes of Health. O alimento também é rico em carotenóides, que são componentes antioxidantes que garantem a cor laranja, incluindo o betacaroteno, que previnem o câncer e o corpo transforma em vitamina A.” (Transcrito do Wikipédia)

besta3 qua4

Bolo de abóbora

“História: Usada na medicina tradicional há séculos, eram usadas para imobilizar e ajudar na expulsão de vermes e parasitas intestinais. Algumas culturas sugerem a ingestão de pequenas quantidades de sementes diariamente como uma medida profilática contra as infecções parasíticas.

Princípios Ativos: As sementes contêm: óleo essencial (até 50%), albuminas, glicosídeo (cucurbitina), resina, minerais (principalmente) zinco. A polpa contém açúcares, albuminas, gorduras, ácido ascórbico, ácido hidrociânico, ácido salicílico, aminoácidos, carotenóides, cucurbitacina E, cucurbitina, flavonóides, saponinas, tanino, trigonelina, vitaminas, minerais como o zinco.

Propriedades medicinais: Anti-helmíntica, antiinflamatória, anti-febril, antitérmica, bactericida, diurética, emoliente, estomáquica, hepática, tenífuga, umectante, vermífuga.

Indicações: erisipela, febre, inflamação (rins, vias urinarias, fígado, baço, próstata, ouvido, pele, generalizada), queimadura, vermes, dores de ouvido, anemia, avitaminose, infecções dos rins, náusea, vômito da gravidez, ferida de origem sifilítica, peles oleosas, limpeza da pele, acne, suavizar e amaciar a pele, máscara capilar, alisar os cabelos (submetidos a tratamento químico). Verminoses; Leucorréia; Prosíatite; Dores de ouvido; anemias; máscara amaciante para o rosto; As flores e as sementes de algumas espécies são usadas como alimento.

Modo de usar: – Fruto cozido, em pedaços ou purê, com carne, carne seca ou camarão e sopas, na preparação de doces e compotas; – Fabricação de loções para a limpeza da pele; – polpa, retirada por decocção: diarréia e gases; – sumo da polpa: prisão de ventre; – suco das sementes trituradas: febre, inflamações das vias urinárias, afecções renais; – As sementes, convenientemente preparadas, são vermífugas e tenífugas, aliás pouco empregadas por serem frequentemente de efeito lento; depois de trituradas dão bebida refrigerante, útil nos períodos de febre e nos casos de inflamação das vias urinárias. (Pio Correia. – cataplasma das folhas: queimaduras, inflamações, dores de ouvido; – folhas, cruas e frescas: anemia, avitaminose.” (Transcrito do Wikipédia)

besta4 qua4

Doce de abóbora com coco (acrescenta-se cravo e canela)

“Sementes de abóbora fazem bem ao coração – As sementinhas retiradas da abóbora são ricas em fitoesteróis, que têm eficácia comprovada em diversos estudos como redutores do colesterol ruim (o LDL). Para elas ficarem mais gostosas para o consumo, deixe-as durante alguns minutos no forno para terem mais crocância.

Reduz o risco de câncer – Devido à substância antioxidante betacaroteno presente no alimento, que atua na prevenção do câncer, de acordo com o National Cancer Institute, o alimento é um importante aliado para a saúde. Segundo as recomendações do Instituto, as fontes naturais do alimento (in natura ou em receitas) são mais eficazes do que o consumo do betacaroteno vendido como suplemento.” (Transcrito do Wikipédia).

besta5 qua4

Sementes – casas de produtos naturais vendem prontas para o consumo humano

O nordestino consome dois tipos de abóbora (jerimum): a seca e a aguada. Segundo informações técnicas, a diferença não está na forma do plantio, tampouco na qualidade da “terra”. É uma questão de espécie, mesmo.

Essas mesmas informações afirmam que o norte-riograndense é o maior consumidor (e por isso cultivador) de abóbora na região, aparecendo, também, como o que mais diversifica o seu consumo (charque com abóbora, doce de abóbora, pudim de abóbora, abóbora com leite no café da manhã, abóbora com carne cozida, abóbora com feijão, arroz com abóbora).

No Maranhão o uso é menor – mas usa-se muito na moqueca de peixe salgado, com maxixe e quiabo.

besta6 qua4

Torta (empadão) de semente torrada de abóbora


O CLUBE DOS TETÉUS E A MINHA QUERIDA FORTALEZA

besta1 dom1

Antiga sede do Ginásio Municipal de Fortaleza – hoje abriga o Instituto do Ceará

Nos anos 50, 60 e parte dos 70, Fortaleza podia ser medida até com uma pequena régua escolar. Para o nordeste a saída era por Caucaia em direção a Sobral e opções para São Gonçalo, Itapagé, São Benedito, Acaraú, Camocim e outros municípios. São Luís do Curu, Uruburetama e Pecém eram, ainda, pequenos povoados que haviam sido transformados em municípios.

Pelo sul a saída era via Messejana, com destino a Aracati, Pacajus, Choró, Cascavel, Beberibe a caminho do Rio Grande do Norte. Pelo oeste, passava-se por Mondubim ou Maranguape, por onde se chegava a Quixadá, Guaramiranga, Redenção e demais municípios. Pelo centro-oeste tínhamos caminhos para Ipueiras, Assaré e demais municípios daquela área.

Podia-se medir Fortaleza com uma régua escolar, que ainda não fora acrescida da hoje Região Metropolitana, que passou a envolver todos os municípios próximos. Levava-se quatro horas para percorrer os pouco mais de 60 Km de Horizonte até a Cidade das Crianças, onde ficava o terminal dos ônibus intermunicipais. Hoje o percurso pode ser feito em 40 minutos.

Saímos de Fortaleza – para o Rio de Janeiro – em 1967 e a cidade que ainda mantemos na memória não tem nada com a metrópole de hoje. Praça do Ferreira, Guilherme Rocha sem arborização e o que hoje é “Zona Sul” tinha apenas as avenidas Santos Dumont e Monsenhor Tabosa. Tudo começava praticamente na Avenida Dom Manoel ou na Rua João Cordeiro.

Para o outro lado, seguia-se pela Rua Rio Branco passando pela Aerolândia até Messejana e daí por diante. Mais no centro, a Avenida João Pessoa levando até a Praça da Parangaba ou a Avenida 14 de Julho, no Montese a partir do antigo Matadouro Modelo. Para o lado norte, a saída era a Avenida Bezerra de Menezes levando até a Mister Hull ou pelo lado do Carlito Pamplona levando até a Barra do Ceará.

Praias, apenas a do Meireles, Náutico, Iracema, Mucuripe e Barra do Ceará. A praia do Pirambu era pouco frequentada e as outras praias atuais como praia do Futuro ainda não haviam sido desbravadas. Mais distante, ia-se a Iparana de um lado ou Canoa Quebrada do outro, partindo para Beberibe e Cascavel.

Tudo ficava concentrado no “Centro” – inclusive a ZBM que, ao contrário do que muitos pensam, nada tinha com o Curral das Éguas que ficava por trás da Estação Ferroviária e da Cadeia Pública e Santa Casa de Misericórdia. A ZBM abrangia a Rua Franco Rabelo e ruas transversais a Monsenhor Tabosa, inclusive onde estava localizada a Boite 80.

Aos poucos o “Centro” foi crescendo e alguns bairros começaram a ter sua própria vida com a expansão do comércio. Damas, Montese, Porangabuçu, São João do Tauape, Carlito Pamplona.

À noite poucos bares e restaurantes funcionavam em Fortaleza. O point da época era o Bar Caravelle na Avenida Luciano Carneiro e, vez por outra, o aconchego do restaurante no Aeroporto Pinto Martins. A cidade vivia praticamente das quermesses e festas religiosas nos bairros – até que apareceram os televisores públicos instalados pela Prefeitura Municipal, que se tornaram atrações com a exibição das novelas Cabana do Pai Tomás tendo como protagonista o ator Sérgio Cardoso e, mais tarde, Beto Rockfeller com Luiz Gustavo, Débora Duarte, Irene Ravache, Lima Duarte, Plínio Marcos.

besta2 dom1

Parte lateral externa do Bar Caravelle na Avenida Luciano Carneiro

Fora disso e do Iate Clube, do Ideal Clube e Náutico, a vida noturna era dançar no Romeu Martins, ali na Itaóca ou assistir bons filmes no São Luiz, Diogo, Jangada, Atapu, Art e Samburá.

A atração dos sábados eram apenas duas: a feijoada no Clube dos Advogados ao som do piano e da voz de Aíla Maria; e o Bar do Sá Filho, agora, denominado de Flórida Bar, além de funcionar agora na Aldeota.

Outro grande entretenimento eram as tertúlias dançantes animadas pelas rádios AM, com destaque para Almino Menezes com o seu Show da Noite. Mas, entre todos os programas noturnos veiculados pelas rádios de Fortaleza, por muito tempo dominou a audiência o Clube dos Tetéus, que entrava no ar às 23h e ficava até as 3 da madrugada – sob o comando inconfundível do cronista esportivo Colombo Sá.

Não dorme ninguém!

besta3 dom1

Colombo Sá apresentando o Clube dos Tetéus


OLÉ MULÉ RENDEIRA!

besta1 qua28

A destreza da rendeira no manuseio dos bilros causa espanto

Era comum nos séculos XVI, XVII e XVIII os coronéis das fazendas que existiam no Brasil investirem na plantação de cana-de-açúcar e, depois, no café e no algodão. Há informações divergentes que garantem que o algodão tem origem na África, Ásia e América – mas outras afirmam que o algodão existe desde antes do final da última Era Glacial, o que põe em dúvida a verdadeira origem.

Pelo sim ou pelo não, há também quem afirme que os antigos colonizadores trouxeram as primeiras sementes para o Brasil e aproveitaram a mão-de-obra escrava para facilitar o plantio e a colheita, com o objetivo de participarem do comércio crescente dessa matéria prima na Europa.

Anos depois se descobriu no Brasil que, o algodão, além de servir como matéria prima dos tecelões, representava também uma grande riqueza para o desenvolvimento da culinária com o uso do óleo comestível.

Entre todos os estados brasileiros que produziam o algodão utilizado como matéria prima da indústria e da culinária, o Paraná respondia por mais da metade da safra anual, enquanto o Nordeste, – Pernambuco, Sergipe, Ceará, Bahia, e Rio Grande do Norte e Paraíba – respondia pelo restante.

Nas duas regiões sempre preponderou a instabilidade climática – elemento essencial para a agricultura e as boas safras – sem contar as adversidades impostas pela Natureza. E, entre essas adversidades os agricultores brasileiros tiveram que enfrentar a proliferação da praga conhecida como bicudo-do-algodoeiro que destrói o capulho do algodão ainda na sua formação e definição.

Enquanto o Paraná enfrentava a proliferação dessa praga, no Nordeste os agricultores conviviam com a falta de chuvas – seca nordestina. Mas o bicudo chegaria também ao Nordeste, anos depois.

Foi a partir desse instante que se instalou no Brasil a diversidade do algodão. Classificações e mais classificações e o aproveitamento total – igual ao boi, que, em alguns lugares, não se perde nem o urro muito menos a bosta.

Tecelagens apareceram, da mesma forma que apareceram as usinas de refinamento do óleo. A importância do algodão cresceu. E foi também a partir daí, que surgiram as fiandeiras e tecelões que passaram a fabricar redes de dormir, barbante e todo tipo de linha de costura e bordado.

besta2 qua28

Mãos rudes e cansadas produzem peças de rara beleza

Finalmente surgiram as rendeiras. Uma prática secular que se transformou no principal meio de “ganhar a vida” em algumas comunidades – quase sempre nas comunidades onde existiam colônias de pescadores.

Uma rendeira é uma artesã. Sem formação prática ou pedagógica, via de regra a Rendeira utiliza as horas sem os afazeres domésticos para “matar o tempo” tecendo renda, manejando os bilros de forma invejável. Nas colônias de pescadores, as rendeiras burilavam os bilros sempre nos fins de tarde esperando o regresso do marido pescador.

Na se tem nenhuma afirmação precisa da “chegada” das rendeiras no Brasil. Na Europa, enquanto comunidades trabalhavam com fios de lã tecendo casacos para proteção no frio, no Brasil as rendeiras teciam rendas maravilhosas desenvolvendo cada vez mais as habilidades inerentes ao que hoje é considerado “profissão”.

besta3 qua28

Centro das Rendeiras Miriam Porto Mota, no Iguape. Construído em formato de navio ancorado à praia, em homenagem aos pescadores cearenses

Segundo dados oficiais da atual Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social do Ceará (STDS), o Estado conta atualmente com cerca de 100 mil artesãos, mas, cadastrados, são apenas 42 que recebem a assistência e o apoio necessários para o aperfeiçoamento e desenvolvimento da “profissão”.

Foi a partir daí que foi criada a CEART (Central de Artesanato do Ceará) que tem como principal objetivo dinamizar o setor, promovendo e criando oportunidades de capacitação individual e comercialização – que é o incentivo maior para os grupos produtivos do Estado.

Há pouco mais de uma semana, a STDS (Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social do Ceará) abriu licitação para a construção do Centro de Rendeiras de Aquiraz, onde será erguido o maior polo de produção artesanal de renda de bilro no Ceará. A construção abrigará 41 boxes instalados em dois pavimentos, com boxes de 10 metros quadrados, com 38 destinados para as rendeiras e mais três que serão utilizados como restaurantes de alimentação regional.

besta4 qua28

Saída de praia produzida no Ceará

A renda de bilro é parte da história dos artesãos cearenses, que adotaram como “hino e bandeira” a música “Mulher Rendeira” difundida nacional e internacionalmente como canção brasileira no ritmo de xaxado.

“A origem da música é controversa. Segundo a versão mais conhecida do Pe. Frederico Bezerra Maciel, regionalista pernambucano e biógrafo de Virgulino Ferreira da Silva o “Lampião”, é de que o mesmo teria escrito os versos da versão original da música. A ele se acrescenta Câmara Cascudo, segundo o qual Lampião teria feito escrito a letra em homenagem ao aniversário de sua avó d. Maria Jocosa Vieria Lopes (“Tia Jacosa”) em 15 de setembro, que era uma rendeira. Compôs a música entre setembro de 1921 e fevereiro de 1922, quando apresentou a música em Floresta (Pernambuco). A música tornou-se praticamente um hino de guerra dos cangaceiros do bando de Lampião, tendo inclusive relatos de que o seu ataque à Mossoró em 1927 teria sido feito com mais de 50 cangageiros cantando “Mulher Rendeira”. Está registrada no ECAD como de autoria de Alfredo Ricardo do Nascimento (Zé do Norte).

A música se tornou internacionalmente famosa após a versão adaptada por Zé do Norte e cantada por Vanja Orico para o filme O Cangaceiro (1953), que além de ganhar o prêmio de “Melhor Filme de Aventura” no Festival de Cannes, também recebeu menção especial do júri pela trilha sonora.

Foi gravada em 1957 por “Volta Seca”, um ex-membro do bando de Lampião, no álbum “Cantigas de Lampião” pela Todamerica. Além destes, foi interpretada por vários cantores brasileiros, como Luiz Gonzaga, Elba Ramalho, Chico César, Demônios da Garoa, e outros.

Foi traduzida para o inglês, a versão mais famosa é de 1962 por The Shadows no álbum “Out of the Shadows”, com o nome “Bandit” e escrita por Michael Carr, Milton Nascimento e Zeb Turner. Há também versões de Tex Ritter, Frank Weir, Chaquito and the Quedo Brass, a cantora folk Joan Baez, a banda psicodélica “The Eight Day”. Há também uma versão peruana “Mujer Hilandera” de Juaneco y su Combo. No total, são mais de 120 versões da música em 7 línguas, e 14 países. Muitas não são traduções exatas, mas mudam a letra mantendo a sonoridade.” (Transcrito do Wikipédia – Verbete Mulher Rendeira).

Mulher rendeiraElba Ramalho

Olê muié rendera
Olê muié rendá
Tu me ensina a fazê renda
Que eu te ensino a namorá

Lampião desceu a serra
Deu um baile em Cajazeira
Botou as moças donzelas
Pra cantá muié rendera

As moças de Vila Bela
Não têm mais ocupação
Se que fica na janela
Namorando Lampião

besta5 qua28

Rede de algodão fabricada no Ceará com varandas de renda


NÃO LEVE TUDO TÃO A SÉRIO!

besta1 dom25

Esse cachorro tá desesperado! Eita lêlê!

É. Realmente! Não leve a vida tão a sério, pois ela não está fácil pra ninguém!

Num país onde as principais autoridades vivem brincando de governar, de chacota, de prometer e não cumprir, e alguns até se envolvendo diretamente com a corrupção, você vai ficar estressado por quê?

Esse instrumento social chamado de Facebook é uma das principais caixas de ressonância da esculhambação brasileira, da falta de coerência e principalmente da falta de vergonha na cara de muitos (as) brasileiros (as).

O episódio mais recente foi o envolvimento do Brasil com a política interna da Indonésia, expondo ao ridículo e elevando ao máximo a cultura da impunidade que nos envolve. E nem vamos falar em mensalão, petrolão, metrozão e outros ãos brasileiros.

Pois, é nesse “Facebook” que testemunhamos as participações mais idiotas e absurdas possíveis. Dia desses, alguém se posicionou contra a aprovação do “aborto” em qualquer das situações apresentadas. Choveu um rio São Francisco de lágrimas e muitas “jovens” se posicionaram defendo que, o “corpo era delas e elas tinham o direito de fazer o que bem entendessem dele”. Quer dizer, eram favoráveis ao aborto. Eram favoráveis ao “crime”, condenado pela Igreja.

Pois bem. Agora nesta semana aconteceu a simples afirmação da lei vigente na Indonésia na tentativa de reforçar o combate e diminuir o consumo e o tráfico de drogas. Drogas que destroem famílias!

Muitas pessoas se manifestaram no “Facebook” sendo contrárias ao fuzilamento – entenda-se: ao cumprimento da lei de um País. Isso, alguns operadores do Direito entendem como tentativa de interferir no que não nos diz respeito.

Resumo: apoiam o aborto e são contra o combate (cada país tem a sua forma e cultura para combater – no Brasil, o que existe mesmo é o incentivo não apenas ao consumo, mas, também ao tráfico e à impunidade) da droga.

besta2 dom25

Óculos com armação especial colocado à venda

Também na semana passada, o Brasil conheceu através do anúncio do resultado do ENEM, como e em qual direção anda a sua “educassão”!

Esse resultado não causou estranheza para quem apoiou e assimilou que o País foi “desdirigido” por oito anos por um analfabeto e, agora, entrou no segundo mandato de “outra” do mesmo nível.

Ficou provado que não entendem nada de educação, quando minimizaram a importância do SESI, SENAC e antiga Escola Técnica quando – instituições seculares no Brasil -, com interesses meramente políticos-eleitoreiros deixaram de investir numa melhor qualidade de ações desses institutos, para inventar um tal PRONATEC.

Sim, porque esses institutos minimizados, nada têm com o “gunverno petralha” – e eles tinham necessidades mesquinhas de marcar o “gunverno” com o PRONATEC, órgão que está capacitado para melhorar o nível de aprendizagem daqueles que saem do ITA e do IME.

besta3 dom25

O máximo da “sofrência”

Finalmente, para fecharmos este domingo, propomos uma simples homenagem a HENRIQUE DE SOUZA FILHO, nacionalmente conhecido como “HENFIL” que, se vivo fosse, completaria no próximo dia 5, quinta-feira, 71 anos de idade. Henfil viveu (e sofreu) por quase 44 anos.

besta4 dom25

Henfil o cartunista

Quem marcou posição contra as agruras da ditadura militar enfrentada pelos brasileiros, não desconhece Henfil. Henrique de Souza Filho foi, num corpo só, numa mente só e numa disposição que teve a companhia de Jaguar, o nosso “CHALIE HEBDO” dos anos de chumbo.

Nascido em Ribeirão das Neves a 5 de fevereiro de 1944, “Henfil” foi um Jornalista e escritor que trabalhou também como cartunista, emprestando ao Pasquim seu nome e arte de escrachar. Tornou “best seller” a narrativa de sua viagem à China – foi, provavelmente, um dos primeiros e tornar público no Brasil que, na China, a urina humana há séculos era aproveitada na agricultura depois de processo de beneficiamento. Isso, nos dias atuais, pode ter outro significado no Brasil.

Henfil morreu no dia 4 de janeiro de 1988 ao ser vencido pela hemofilia que herdou da mãe.

Henfil é um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores. Há inúmeros materiais de divulgação do Partido e de campanha eleitoral ilustrados por ele. (OBSERVAÇÃO DO AUTOR: quando o PT era outro e não esse de hoje.).

A estreia de Henfil como ilustrador deu-se em 1964, quando, a convite do editor e escritor Robert Dummond, começou a trabalhar na revista Alterosa, de Belo Horizonte, onde criou “Os Franguinhos”. Em 1965 passou a colaborar com o jornal Diário de Minas, produzindo caricaturas políticas. Em 1967, criou charges esportivas para o Jornal dos Sports, do Rio de Janeiro. Também teve seu trabalho publicado nas revistas Realidade, Visão, Placar e O Cruzeiro. A partir de 1969, passou a colaborar com o Jornal do Brasil e com O Pasquim.

Nessas publicações, seus personagens atingiram um grande nível de popularidade. Já envolvido com a política do país, Henfil criou em 1970 a revista Fradim, que tinha como marca registrada o desenho humorístico, crítico e satírico, com personagens tipicamente brasileiros.

Com o advento do AI-5 – garantindo a censura dos meios de comunicação, e os órgãos de repressão prendendo e torturando os “subversivos” -, Henfil, em 1972, lançou a revista Fradim pela editora Codecri, que tornou seus personagens conhecidos. Além dos fradinhos Cumprido e Baixim, a revista reuniu a Graúna, o Bode Orelana, o nordestino Zeferino e, mais tarde, Ubaldo, o paranoico.” (Transcrito do Wikipédia).


O SAPO QUE CANTAVA ROCK

besta1 qua21

Banda Reis do Brejo em emocionante apresentação

O rock and roll conhecido também como rock’n’roll, é um estilo musical que surgiu nos Estados Unidos no final da anos 1940 e início dos anos 1950, com raízes nos estilos musicais afro-americanos, como: country, blues, R&B e gospel, e que rapidamente se espalhou pelo resto do mundo.

O instrumento mais comum neste estilo é a guitarra, sempre presente nas bandas, podendo possuir um único instrumentista, ou dois com funções diferenciadas (guitarrista base e solo).

Normalmente, as bandas, além do instrumento predominante, a guitarra, são formadas por um: contrabaixo (após 1950, um baixo elétrico) e uma bateria. Nos primórdios do rock and roll, também se utilizava o piano ou o saxofone frequentemente como instrumentos bases, mas estes foram substituídos ou suplantados geralmente pela guitarra a partir da metade dos anos 50. (Transcrito do Wikipéia – Verbete Rock and roll )

Pois bem. Dito isso, que provavelmente nem era necessário, pelo alto nível de conhecimento musical da maioria que frequenta este JBF, pretendemos contar uma pequena história (na realidade, é mais uma estória) que se passou no século XIX lá para as bandas de Brejo Verde, povoado que fica no pé da Serra do Alinhado, estado de Boicatu.

Provavelmente pela alta temperatura provocada pela serra, Brejo Verde era considerado um oásis e, por conta de uma fonte de água natural, os sapos, pererecas, cobras e lagartos resolveram transformar o lugar no seu habitat.

Técnicos da célula do futuro Butantã, vez por outra apanhavam naquelas paragens o material para estudos que tinham continuação no já existente Instituto Oswaldo Cruz. E, certamente, foi por isso que, esses mesmos técnicos conseguiram gravar os primeiros sons que, às vezes, se transformavam em sinfonia “sapal” quando a noite se apresentava. O coaxar se escutava de longe.

- Croac, croac, croac!

besta2 qua21

Gugu o sapo que cantava rock e viajava na estrela cadente

Engraçado era que, os sapos do Brejo Verde tinham – pelo menos entre si – seus nomes. Tinha o Manuel, o Samuel, o Jesiel, o Rafael, o Otoniel e até o Gumercindo, este muito conhecido pelo carinhoso apelido de Gugu. Gugu era o sapo que, com seu coaxar envolvente conseguia conquistar quase todas as fêmeas. E haja croac!

Gugu tinha um coaxar diferente, contínuo sem ser repetido, e podia-se perceber facilmente graves e agudos. Os sapos da comunidade garantiam que Gugu cantava rock. É… Rock and Roll!!!

E isso mexia muito com a autoestima de Gugu. Mexeu tanto que ele não encontrou dificuldade nenhuma para formar uma banda. É, é isso mesmo. Uma banda de Rock and Roll.

Eis que, com um repertório dos mais variados – que nunca passou de três canções! – Gugu recebeu um convite para uma turnê. Uma turnê interespacial com a já famosa banda de rock. Os sapos da banda passaram vários inícios de noite ensaiando, afinando os sons e os cânticos – afinal precisavam representar, e bem, Brejo Verde, agora muito mais famoso que Liverpool.

O convite para a turnê garantia o pagamento “cash” – além de um mês de lazer e prazer num paraíso de brejo na Austrália com a companhia das mais belas sapas daquele planeta. E essa premiação não podia ser desperdiçada, assim sem mais nem menos.

Passou a ser o problema principal, a forma e o dia da viagem, além, claro, de como os instrumentos musicais deveriam ser transportados. A partir daí, sempre que parava de coaxar, Gugu passou a observar os céus, até que descobriu que existiam as estrelas cadentes e que, pela raridade, essas não poderiam ser desperdiçadas. Podiam viajar nelas, sim!

O COAXAR DOS SAPOS – YouTube

Anos depois foi encontrada num dos brejos frequentados por Gugu, a tradução do coaxar antes da viagem. Só então se percebeu que o que ele cantava mesmo (e sempre) era o mais puro e tradicional Rock and Roll.

Veja:

 Era Um Garoto – Os Incríveis

Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones
Girava o mundo sempre a cantar as coisas lindas da América
Não era belo mas mesmo assim havia mil garotas a fim.
Cantava Help and Ticket to ride, oh! Lady Jane and
Yesterday
Cantava viva à liberdade, mas uma carta sem esperar
Da sua guitarra o separou, fora chamado na América.
Stop! Com Rolling Stones, stop! com Beatles songs.
Mandado foi ao Vietnã, brigar com vietcongs.
Tatá-ratatá…
Era um garoto que como eu amava os Beatles e os
Rolling Stones
Girava o mundo mas acabou, fazendo a guerra do Vietnã
Cabelos longos não usa mais, nem toca a sua guitarra e
sim
Um instrumento que sempre dá a mesma nota ra-tá-tá-tá
Não vê amigos, nem mais garotas, só gente morta caída
ao chão
Ao seu país não voltará, pois está morto no Vietnã.
Stop! Com Rolling Stones, stop! com Beatles songs
No peito um coração não há, mas duas medalhas sim.
Tatá-ratatá…
Ra-tá-tá-tá tá-tá

Dias depois de ter insistido ficar de olhos rútilos esperando a “queda” de uma estrela cadente, Gugu afinal conseguiu o seu intento. Mas a estrela caiu muito longe e isso dificultaria qualquer contato – quanto mais para ele, um sapo.

Mas, como nem tudo é tão difícil, Gugu descobriu que existia uma agência de viagens de propriedade de Paulo Salim Maluf, que usava as estrelas cadentes como veículos de transporte para essas viagens imaginárias – e foi atrás. Conseguiu as passagens e ainda recebeu a cortesia de poder levar excesso de bagagem. Instrumentos musicais e, uma imensa parte do brejo, onde ele e seus amigos poderiam, finalmente, se sentir em casa.

Gugu nem precisou viajar muito, pois, entre as vantagens que a empresa de Maluf oferecia, estava a garantia de apanhar os viajantes no próprio domicílio. Viagem marcada. Viagem feita. Apresentação assegurada e, muitos aplausos para quem chegou a imaginar que o seu coaxar jamais seria entendido.

- Os aplausos, vieram em forma de croacs, croacs, croacs!

Eis, entretanto, que surgiu um sério problema para o retorno da banda: o local visitado, além de excêntrico, tinha muitas novidades, coisas nunca vistas em nenhum brejo, fosse onde fosse. E as estrelas cadentes não aceitam (é proibido pela lei deles supervisionadas pelas ANACS do lugar) o excesso de bagagem.

Gugu se despojou de qualquer egoísmo e se ofereceu para ficar. Resolveu ficar e ficou também com parte do brejo que levara no embarque. Mas as novidades vieram todas!

O embarque dos componentes foi algo sofrido. Muitas lágrimas na despedida. Para ter a certeza que a delegação seria bem recebida no brejo, Gugu correu ao telefone:

- Rock and Roll phone home! Phone home! Go!

E a estrela cadente partiu numa velocidade de fazer inveja. Na escuridão e no isolamento do lugar, Gugu apenas cantava:

- Croac, croac, croac!

MORAL DA HISTÓRIA: apesar dos ladrões (que são donos até das estrelas cadentes) há vida e trabalho honestos em qualquer lugar.


A DOR DA SOLIDÃO E DA COMPANHIA

besta1 dom18

Que dor sente um banco quando está sozinho?

“Minha casa é meu corpo, meu carro também. Moro dentro dos meus sapatos, ora! Meu nome é Pensamento!” (Mário Gomes)

Hoje é um dia especial. E não é apenas por ser domingo. É especial pelo simples fato de querermos que seja especial. Mas, claro, tem um motivo. Vou dar o melhor de mim para me sentir digno de oferecer essa incompleta crônica ao poeta Mário Gomes. Mário Ferreira Gomes, 67, cearense, recentemente falecido (primeiro de janeiro de 2015).

A imagem do poeta andarilho que entrou para o imaginário coletivo de uma cidade através de seu próprio engenho, inventando para si uma errância deliberada como extensão da franca recusa ao trabalho, alinhada à também confessa vocação para a boemia sem freios, é poeira nos olhos. E colírio pingado a conta gotas. Aos 66 anos, Mário Gomes perambula pelas ruas de Fortaleza desde a juventude quando, aposentado por invalidez, após controversas internações psiquiátricas, fundou o seu “mundo”: um “escritório” ao ar livre em plena Praça do Ferreira, coração do Centro, com direito à banco preferencial e audiência fiel para poemas escritos e recitados ao sereno, a qualquer hora do dia ou da noite, em estado de graça ou embriaguez.” – Ethel de Paula.

besta2 dom18

Este é Mário Gomes, o poeta

No dinâmico e com certeza virtual mundo em que vivemos nos dias atuais, onde as leis são “fabricadas” em série como se fossem garrafas pet, fica muito fácil e, inacreditavelmente mais difícil definir algo ou alguém. Como se leis fossem necessárias para isso.

Da mesma forma que outrora se definiu Machado de Assis, Jorge Amado, Agatha Christie, Arthur Conan Doyle e tantos outros e, mais recentemente Luiz Gonzaga, Raul Seixas ou Dalva de Oliveira, se define hoje o Santa Cruz, o Canal da Mancha ou o Caribe. Definir ficou fácil. Difícil é entender.

Mente-se quando se conceitua como esquizofrenia o comportamento introvertido de alguém. Ninguém é introvertido por ser doente. Da mesma forma, é errado definir depressão como doença. Depressão é algo momentâneo, passageiro, que muda involuntariamente de um minuto para outro. E ninguém é deprimido por querer.

Nessa reflexão fomos buscar como exemplo a escolha de vida (repetimos: a “ESCOLHA” de vida. Algo próprio.) do nem sempre bêbedo – mas sempre e definitivamente poeta – Mário Ferreira Gomes.

Assim, como poderíamos definir o momento abaixo?

Metamorfose

Ontem,
Ao meio- dia,
Comi um prato de lagartas
Passei a tarde defecando borboletas.

Parece coisa de Zé Limeira, o poeta do absurdo. É lúcido entendermos o “ontem” ali colocado como algo passado, o que dá um tom de veracidade ao verso-poema. Seria irreal se ele dissesse: “amanhã”, ao meio-dia, comi um prato de borboletas. O tempo do verbo nada teria com a ação.

Um sujeito como esse pode estar bêbedo, pode estar em estado de esquizofrenia, ou, simplesmente, pode estar deprimido. Ganha tons de realidade a continuidade da transformação da espécie, pois todos sabem que, antes de ser borboleta, a borboleta era lagarta.

besta3 dom18

Nem a bicicleta gosta de estar só – fora do seu status quo

Pelos idos dos anos 50 – fim da década, mais precisamente – era comum os rapazes se postarem na frente do cinema São Luiz, todas as tardes – torcendo para que aparecesse uma nova Marilyn Monroe com suas roupas leves para serem levantadas pelos ventos. Ventos muito machos, diga-se.

Talvez venha desse tempo a preferência de Mário Gomes – provavelmente um jovem daquela época – pela Praça do Ferreira, em Fortaleza considerado local de descanso e não de malandragem. Quem sabe foi ali que o poeta comeu suas primeiras lagartas e depois tenha procurado lugar não tão distante para defecar borboletas.

Sim, uma borboleta igual a essa:

Ação gigantesca

Beijei a boca da noite
E engoli milhões de estrelas.
Fiquei iluminado.
Bebi toda a água do oceano.
Devorei as florestas.
A Humanidade ajoelhou-se aos meus pés,
Pensando que era a hora do Juízo Final.
Apertei, com as mãos, a terra,
Derretendo-a.
As aves em sua totalidade,
Voaram para o Além.
Os animais caíram do abismo espacial.
Dei uma gargalhada cínica
E fui descansar na primeira nuvem
Que passava naquele dia.

Mário Gomes escolheu a solidão, sem ser esquizofrênico ou sem estar deprimido. Preferiu viver o dito tão popular, que assegura: “melhor só, que mal acompanhado”.


ALVORADA PARA ACORDAR JOÕES

Muitos conhecem aquela piada em que Lula/Dilma são execrados durante conversa com o presidente de outro país, onde Dilma/Lula critica a necessidade do país visitado ter ministro para determinada pasta – segundo a piada, sem qualquer sentido.

O anfitrião ri debochadamente e rebate:

- Eu não debochei quando a senhora disse que tem Ministro da Educação!!!!

Pois, assim é a vida do brasileiro. Leis que são desrespeitadas pelos próprios legisladores – alguns até que ajudaram na concepção delas. Portarias desrespeitadas pelos autores; e roubalheira praticada por quem deveria combatê-la. Um caos!

E, por falar em legislação, não é apenas o Código Civil que precisa ser atualizado e ficar de acordo com o momento presente e com o provável futuro do país. É grande o número de leis com “prazos de validade vencidos”.

É grande (e crescente) o número de municípios tombados pelo Patrimônio Histórico – e quase todos “protegidos” por leis arcaicas, desatualizadas e sem quaisquer condições de proteção e de serem obedecidas.

São Luís, capital maranhense é um dos melhores exemplos. Muitos prédios históricos tombados foram construídos numa época em que cimento e ferro não eram abundantes. Madeira de lei e óleo de baleia foram utilizados em pelo menos 90% das construções, hoje tombadas. Pelo Iphan, alguns prédios sequer podem usar material similar em qualquer tentativa de recuperação.

Ainda se pode usar livremente óleo de baleia?

Ainda se pode usar livremente madeira de lei?

Claro que a intenção é boa. É tentar proteger a Natureza. Sabemos disso!

Mas, não podemos (nem devemos) esconder que, todos os dias pipocam denúncias sobre o desmatamento e o transporte ilegal de madeira de lei – e o Governo, permitindo sugerir conivência, não age. Não age contra os infratores.

Esse desmatamento irregular e desenfreado acaba tangendo a fauna para a cidade grande, causando inúmeros problemas, entre os quais o desequilíbrio das espécies. Pássaros, por exemplo, se alimentam de frutas, insetos, sementes parasitárias – alguns altamente prejudiciais ao ser humano.

Sem opção os pássaros migram e acabam fazendo ninhos nas janelas dos apartamentos e animais silvestres invadem quintais e praças por conta da destruição do seu habitat.

Mas (felizmente!) nem tudo está perdido. O desmatamento continua e a impunidade, idem.

Em Recife, capital pernambucana, além das várias áreas protegidas pelas leis – embora castigadas pelas estiagens e períodos invernosos irregulares, existem logradouros bem cuidados que contam também com o apoio do povo pernambucano. Existe até o bairro Apipucos, de classe média alta, com arborização que merece elogios.

besta1 qua14

Curió

Conta a história que, 77 anos após o descobrimento (??!!) do Brasil, o ape-puca – designação da etimologia indígena – fazia parte do antigo Engenho São Pantaleão do Monteiro, de onde foi desmembrado o Engenho Apipucos. O bairro de Apipucos tem para contar, uma longa, sofrida e também bela história de resistência e, hoje, de reconhecimento e valorização.

Também conta a história pernambucana que, além de Delmiro Gouveia, moraram em Apipucos: Gilberto Freyre (cujo corpo está enterrado num mausoléu construído nos jardins da casa onde morou), Alfredo Carvalho, Assis Chateaubriand, Demócrito de Sousa Filho e, agora, João Berto.

besta2 qua14

Graúna

Ouça o canto do Pássaro-Preto ou Graúna:

Apipucos é um bairro recifense com predominância do verde. Praças e jardins com assinatura dos paisagistas famosos, é uma das joias da coroa pernambucana. Mas, o que chama mesmo a atenção, é a manutenção da limpeza – coisa que não se vê muito em outros lugares.

E é nessa bem cuidada arborização que pássaros convivem e vivem aproveitando o raiar da claridade do novo dia, numa verdadeira sinfonia de acordar qualquer João. Fácil escutar sabiás e seu cântico mavioso como se Beethoven os conduzisse.

besta3 qua14

Sabiá Laranjeira


O QUE ESTÁ ENSINANDO O PRONATEC?

besta1 dom11

Praca inscrita por um professor do Pronatec

Hoje é domingo e domingo é de ouro do pé do besouro. E por aí vai. Domingo é dia de escracho, de louras geladas e de várias e várias talagadas de Guaramiranga ou de Sanhaçu. É de dia churrascaria, de passeio com a família e, principalmente, de uma boa e construtiva leitura.

É, também, dia de descanso. Descanso para quem trabalha. Aquele engenheiro eletrônico; aquele médico cirurgião; aquele advogado; aquele agrônomo que fez uma boa graduação – mas que, infelizmente, ainda não está empregado. Precisa, urgentemente, fazer o PRONATEC.

O engenheiro cursou aquele mixuruca ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica), mas está desempregado e “precisa” fazer o PRONATEC para arranjar um empreguinho e ganhar três salários mínimos – isso se ele não foi ungido a cargo de chefia na Petrobras.

Ora, e que tal de PRONATEC é esse?

O PRONATEC é o mesmo que Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, criado pelo PT em 2011. Na campanha eleitoral, a Dilma garantiu que SESI, Senac e Instituto Tecnológico são coisas do passado. Agora, para conseguir mais facilmente um emprego, o cãodidato tem que pelo menos ter passado na frente do Pronatec – e, só aí já aprendeu alguma coisa e tem 90% do emprego garantido.

O Pronatec tem como objetivo democratizar a educação profissional e técnica, através do aumento do número de vagas, ampliação de instituições pelo país e bolsa de estudos aos interessados. Uma excelente oportunidade para iniciar a carreira no mercado de trabalho, o Pronatec visa o seu crescimento profissional.

Entônce, vamos ao PRONATEC, pois o mácimo que aszoutras inscolas tão encinando é o que os autores das pracas aí ninrriba tão amostrando: linhais, ninrriba e nimbaixo.

besta2 dom11

Essa praca foi isculhida desinteligentemente por um ex-aluno do Pronatec

O que conseguimos descobrir adispois de muitos dias de pesquisa, foi que Lula e Roseana se graduaram tomém no PRONATEC. Os dois fizeram pós-graduação à distância, aquele mesmo método que as mães davam mamadeiras para os filhos muito feios. Amarravam as mamadeiras na ponta da vara e, de longe, amamentavam. É exatamente isso que estão chamando hoje de “pau de selfie”!

besta3 dom11

Placa de vitrine montada por ex-aluno do Pronatec

Durante a campanha eleitoral, a senhora presidente enalteceu tanto a importância do Pronatec, que acabou sugerindo que as tradicionais e seculares instituições de ensino técnico como Senai, Senac, Escola Técnica (hoje Instituto Tecnológico) são algo dispensáveis pela juventude – o mais importante é o PRONATEC.

Será que foi o Pronatec que formou a maioria dos técnicos da Petrobras?

besta4 dom11

Anúncio criado por ex-aluno do Pronatec


ENFIM, O FIM!

besta1 quarta

Largo dos Amores – ao fundo em amarelo a Reitoria da UFMA

Os longos, difíceis e sofridos 72 anos de vida nos ensinaram ao longo da caminhada que, realmente é verdadeiro o ditado popular – “não há bem que dure pare sempre, nem mal que nunca acabe”.

Nascido na desconhecida Queimadas, povoado do hoje município de Pacajus, interior do Ceará, expulso da vida e da dignidade interiorana para a cidade grande pela seca arrasadora de 1957, mas recebido com honras pelo companheirismo e ensinamentos do Liceu do Ceará (1958-1964), aqui estou há 28 anos nesta bela ilha São Luís, depois de um demorado estágio de vida e conhecimento na Guanabara e no Rio de Janeiro, para onde fui tangido pelos anos de chumbo.

Mudei para São Luís pelo sonho do amor – e a possibilidade de reconstruir uma família. Respirei os ares – gostei e fiquei, e a idade já não me permite mais sonhar com nova mudança.

Críticos por excelência, sempre estive na paralela da observância. Foi difícil assimilar a forma de viver de quem aqui chegou a mais tempo – afinal vinha de uma das maiores e melhores cidades do País para a segunda mais atrasada.

O estilo de vida (além de muito trabalho para conquistar algo de material) no Rio me permitiu estreita convivência com pessoas de diferentes níveis de formação cultural; com muita cultura: teatro, livrarias, cinemas, etc. Em São Luís, além da possibilidade de trabalhar, o que há de bom nesse aspecto cultural e social, jamais será suficiente para contar em duas mancheias.

Fazer o quê?

Como dizia o ídolo João Saldanha: “vida que segue”!

besta2-quarta2

Departamento de Cultura da UFMA em estado de abandono total

Habituado a pedir licença, pedir por favor, agradecer e pedir desculpas, foi difícil para nós, inicialmente, nos adaptarmos ao dia-a-dia do ludovicense (quem nasce em São Luís). Mas tocamos o barco. Isso nos fez diferente.

Alguns familiares demonstravam a certeza de que dificilmente nos adaptaríamos ao novo viver na Ilha do Amor – hoje mais dor que amor – pelo senso crítico e a forma de não nos submetermos nunca a nada, independentemente de prejuízos materiais.

Ponte José Sarney, Maternidade Marly Sarney, Município Presidente Sarney, Fórum Sarney Costa, Poste José Sarney, Tribunal Roseana Sarney, Estádio Roseana Sarney….. jornal do Sarney, televisão do Sarney, rádio do Sarney. Chega! Isso não vai acabar tão cedo, sabemos. Mas fará bem aos nossos tímpanos o simples lembrar da mudança.

Felizmente, aos primeiros minutos de quinta-feira, dia 1 de janeiro de 2015 – foi dada uma nova largada para as mudanças necessárias que precisarão vir nas mãos dos vencedores da Corrida São Silvestre, em São Paulo. Mais rápidas, por assim dizer.

Flávio Dino, ex-Juiz Federal de largo e reconhecido prestígio nacional deu um basta na carreira jurídica e ingressou na política partidária. Foi deputado federal eleito pela sigla do PCdoB e, estrategicamente, aceitou convite para assumir a EMBRATUR, onde pôde montar estratégia para garantir o apoio necessário para se eleger Governador do Estado do Maranhão.

Nossa experiência de vida não nos permite imaginar nem apostar que o Maranhão mude de forma repentina e drástica. Muita coisa virou cultural. Muitos que votaram anos a fio no Sarney e trabalharam incessantemente para elege-lo, foram “empregados” por ele na época em que não era necessário prestar concurso admissional. Assim, fiéis, foram sempre gratos e ainda induziram os filhos a continuar votando no “Sir Ney”!

Quem não é submisso nem deve nada ao Sarney consegue ver com outros olhares o que Sarney significou para o Maranhão – e, dizemos “significou” numa conjugação do passado, porque os que permaneceram jamais terão cacife para reerguer a vida na política ou tentar se transformar num Fênix.

Sarney não fez pelo Maranhão mais que cinco por cento do que sempre teve chances e prestígio para fazer. Sai deixando atrás um enorme débito político e de reconhecimento ao Estado que, como escravo, sempre lhe blindou. Felizmente, apenas pelos submissos e apaniguados.

besta3-quarta

Um novo sol nasce no Maranhão

O Sarney sempre foi as pernas desses que se tornaram submissos por interesses. Pernas, braços e bocas e, por vezes, sempre lhes conspurcou a fala e os desejos. Outros, também por absoluta submissão, sempre dedicaram ao Sarney a autoria de tudo que existe no Maranhão. Claro, por cega submissão, não lhe creditam o que de ruim ou péssimo também aconteceu.

Jocosamente, quando alguém diz que, tudo que o Maranhão tem foi Sarney que trouxe ou fez, costumamos acrescentar que, nessa imensa lista faltam ser inclusos o rio Itapecuru-Mirim, o rio Balsas, o rio Munim, o rio Mearim, a imensa costa marítima que proporcionam uma inigualável produção pesqueira.

O Ceará não faz muito tempo, também foi assim. Demorou muito para se livrar do jugo (e da incompetência) dos coronéis de fardas ou sem fardas, até que, um dia Luiz Gonzaga da Mota, o “Totó”, um desconhecido professor universitário e então funcionário do Banco do Nordeste foi escolhido pelo povo para cortar o cordão umbilical que ligou por anos o Ceará ao atraso.

E, ainda assim, foram necessários outros governadores para que as cinzas do atraso fossem jogadas ao mar para serem levadas por uma correnteza de águas verdes e não tão fortes. Mas o Ceará mudou.

E, espera-se, assim também mudará o Maranhão, pois – “não há bem que dure pare sempre, nem mal que nunca acabe”.


FAVAS RACHADAS! OPS… RAJADAS!

besta1

Fava rajada – uma delícia pernambucana

Pretendíamos neste último domingo do ano apresentar uma “Retrospectiva” das canalhices que inundaram este brasilzão de meu Deus, dos arroios até o chuí. Não que todos não soubessem – pelo menos “9 Dedos” e “Mentirosa” nunca souberam! – mas que é, de vez em quando necessário relembrar. É um passado que, de tão sujo, não tem flanelinha que limpe esse retrovisor.

Mas… o Papa proibiu! E o Papa será sempre o Papa!

Dessa forma, como hoje também é dia de escracho, resolvemos falar de rachadas, ops perdão, rajadas. Favas rajadas – a melhor coisa que o Papa nos apresentou, apesar do bom papo, da excelente bebida, do coxão de bode assado e, principalmente, da boa receptividade e da excelente música.

Vinhos tintos – secos ou suaves – são sempre bons, independentemente de cobrir rachadas… putisgrila, “rajadas”, eu pretendi escrever. Os franceses, dizem, são os melhores, embora os portugueses não fiquem muito distantes e sejam sempre apropriados para acompanhar uma bacalhoada.

besta2

Vinho tinto cobrindo a racha, digo, a fava rajada

Com favas rachadas…. caramba! De novo! Com favas rajadas ou sem elas o período natalino tem sido uma maravilha. Cheio de saúde e muita paz – e aqui nem entra a costumeira troca de presentes, haja vista que, entre nós, há muito se aboliu o “amigo secreto”. Todos são escancaradamente visíveis e avistáveis sem evitar qualquer redundância.

Por momentos – enquanto o vinho embriagava qualquer nobre enólogo por mais traquejado que pudesse ser – fomos procurar uma boa receita para preparar as rachadas… puta que pariu, de novo! Rajadas, cacete!

Inicialmente, escolha-as bem. Apalpe-as e, se desejar, até cheire-as para se certificar que não estão mofadas ou fora de uso. Em seguida, lave-as bem lavadas para que nada possa atrapalhar na hora de comê-las.

Não se utilize de qualquer tipo de pressão. Elas não gostam de ser pressionadas e até o cozimento tem que ser britanicamente cronometrado. Em seguida veja se ela está crescendo, aumentando de volume. Diminua o fogo e veja se ela está começando a soltar aquele caldo macio, cheiroso e característico. Tempere a gosto com paio ou linguiça. Cubra mais uma vez a panela. Deixe-a em fogo brando por até 10 minutos.

Recomenda-se comê-la ainda quente.

besta3

Salve a racha (perdão! A fava)

Não se utilize de qualquer tipo de pressão. Elas não gostam de ser pressionadas e até o cozimento tem que ser britanicamente cronometrado. Em seguida veja se ela está crescendo, aumentando de volume. Diminua o fogo e veja se ela está começando a soltar aquele caldo macio, cheiroso e característico. Tempere a gosto com paio ou linguiça. Cubra mais uma vez a panela. Deixe-a em fogo brando por até 10 minutos.

Recomenda-se comê-la ainda quente.


NO NATAL OLHE PARA TODOS OS LADOS

jbf1

“Cuidadora” atende a idosa com carinho

Natal é a verdadeira comemoração do nascimento do Menino Jesus?

E, se é assim, o Menino Jesus nasceu no dia 24 ou no dia 25?

E o que tem o Natal com Papai Noel?

Pelo que se sabe por ter sido divulgado em algum lugar, o Natal era uma festa eminentemente religiosa que envolvia muito São Nicolau.

Ora, então vejamos:

“Papai Noel ou Pai Natal (“Noël” é natal em francês) é uma figura lendária que, em muitas culturas ocidentais, traz presentes aos lares de crianças bem-comportadas na noite da Véspera de Natal, o dia 24 de dezembro, ou no Dia de São Nicolau (6 de dezembro). A lenda pode ter se baseado em parte em contos hagiográficos sobre a figura histórica de São Nicolau. Uma história quase idêntica é atribuída no folclore grego e bizantino a Basílio de Cesareia. O Dia de São Basílio, 1 ou 1.º de janeiro, é considerado a época de troca de presentes na Grécia.

O personagem foi inspirado em São Nicolau, arcebispo de Mira na Turquia, no século IV. Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. Foi declarado santo depois que muitos milagres lhe foram atribuídos. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo inteiro.

Enquanto São Nicolau era originalmente retratado com trajes de bispo, atualmente Papai Noel é geralmente retratado como um homem rechonchudo, alegre e de barba branca trajando um casaco vermelho com gola e punho de mangas brancas, calças vermelhas de bainha branca, e cinto e botas de couro preto. Essa imagem se tornou popular nos EUA e Canadá no século XIX devido à influência da Coca-Cola, que na época lançou um comercial do bom velhinho com as vestes vermelhas. Essa imagem tem se mantido e reforçado por meio da/dos mídia ou meios publicitária(os), como músicas, filmes e propagandas.

Conforme a lenda, Papai Noel mora no Extremo Norte, numa terra de neve eterna. Na versão americana, ele mora em sua casa no Polo Norte, enquanto na versão britânica frequentemente se diz que ele reside nas montanhas de Korvatunturi na Lapônia, Finlândia. Papai Noel vive com sua esposa Mamãe Noel, incontáveis elfos mágicos e oito ou nove renas voadoras. Outra lenda popular diz que ele faz uma lista de crianças ao redor do mundo, classificando-as de acordo com seu comportamento, e que entrega presentes, como brinquedos ou doces, a todos os garotos e garotas bem-comportados no mundo, e às vezes carvão às crianças mal comportadas, na noite da véspera de Natal. Papai Noel consegue esse feito anual com o auxílio de elfos, que fazem os brinquedos na oficina, e das renas que puxam o trenó.

Há bastante tempo existe certa oposição a que se ensine crianças a acreditar em Papai Noel. Alguns cristãos dizem que a tradição de Papai Noel desvia das origens religiosas e do propósito verdadeiro do Natal. Outros críticos sentem que Papai Noel é uma mentira elaborada e que é eticamente incorreto que os pais ensinem os filhos a crer em sua existência. Ainda outros se opõem a Papai Noel como um símbolo da comercialização do Natal, ou como uma intrusão em suas próprias tradições nacionais.” (Transcrito do Wikipédia – Verbete: Papai Noel)

jbf2

Quantos pratos você vai servir? Não falta ninguém?

Pelo sim ou pelo não, por isso ou por aquilo, o Natal no Brasil, faz tempo perdeu o cunho religioso, e passou a ser assumido totalmente como uma festa pagã, emoldurada pela troca de presentes materiais, via Papai Noel ou via papai e mamãe mesmo.
Descobriu-se e inventou-se o “amigo oculto” ou “amigo secreto” envolvendo famílias, comunidades e confraternizações de empregados das empresas. Virou, reconheçamos, uma farra com características bem brasileiras.

E esse brasilianismo ou essa brasilidade transformou o país numa maravilha, onde tudo é bom, digno, bonito, compartilhável – para usar uma palavra muito usada atualmente – entre todos.

A data é tão envolvente, que filhos e filhas esquecem pais. Não os pais que estão sentados nas cabeceiras das mesas das ceias natalinas. Falamos de dois tipos de pais/mães: aqueles que estão acometidos de Alzheimer ou Parkinson.

Eles não são cristãos ou não merecem ser lembrados (e até ganhar e oferecer presentes, sim) nos dias e noites em que todos comemoram?

Olhe para os lados – repare se não está faltando alguém à sua mesa! – e coloque uma cadeira e, mesmo que ninguém esteja sentado nela, ela jamais estará vazia.

Por um momento (ou seria para sempre) você prefere se envolver com nozes, avelãs, rabanadas, amêndoas, castanhas portuguesas, peru, vinho importado, panetones e outros, enquanto apenas um líquido intravenoso alimenta quem lhe deu a vida.

Olhe para os lados! Será que sua mesa, cheia de tudo, não estará vazia de nada?

Será que ninguém está esquecendo alguém que lhes deu a vida e, agora, está entregue aos carinhos e atenções de um(a) Cuidador(a)?

Alguém lembrou de retribuir o presente recebido várias vezes, anos seguidos?

Ou será que você também acredita que o mundo acabou para quem sofre de Alzheimer?

Quem sofre de Alzheimer pode até não lhe reconhecer mais. E você não sabe quem é essa pessoa?

E esse (a) Cuidador (a), você sabe quem é ele (a) ou você faz parte da extensa lista que entende que a simples obrigação de pagar pelas atenções que você acha que não tem mais tempo para dar, resolve o problema?

Ou isso não é um problema?

Nem no Natal isso te incomoda?

Sei. Você não tem muito tempo disponível e acabou esquecendo o tempo que essa pessoa te dedicou nas noites daquele resfriado, que trocou tua fralda, que fez tua assepsia – sem jamais ficar preocupado se “estava perdendo tempo”?

Pelo menos você sabe quem é esse (a) Cuidador (a)?

Pois saiba que, o envelhecimento da população brasileira agora é realidade. Temos 23 milhões de pessoas idosas no Brasil, com perspectiva de chegar a 35 milhões em menos de 20 anos. Com isto, muitas questões relacionadas ao envelhecimento aparecem com força cada vez maior. Um exemplo são as doenças próprias das pessoas mais idosas, tais como catarata, osteoporose, problemas articulares e ortopédicos, e a pior de todas, a doença de Alzheimer. Outro exemplo claro do envelhecimento brasileiro aconteceu nestes últimos dias, com a aprovação da PEC das domésticas, pelo Congresso Nacional.

Todos os trabalhadores domésticos foram incluídos nessa PEC (proposta de emenda à constituição), inclusive os cuidadores de idosos. Sem falar que também tramita no Congresso Nacional – já aprovado pelo Senado Federal, aguardando aprovação na Câmara Federal – o projeto de lei do Senador Waldemir Moka, que regulariza a profissão de Cuidador da Pessoa Idosa (PLS – Projeto de Lei do Senado, 284 de 2011).

Enquanto não é regulamentada a lei dos Cuidadores de Idosos e sancionada pela Presidente Dilma, o que vale é o que está escrito na PEC das domésticas.

Mas, será que isso vai o problema ou encobrir a falta de afeto e bem-querer que você deveria ter por aqueles que te deram a vida?

Feliz Natal para você! Mas não deixe de olhar para os lados – principalmente se, agora, você estiver ocupando a cabeceira da mesa – lugar que, antes, foi ocupado por quem está esquecido aos cuidados do (a) Cuidador (a).


DO SABUGO AO CHUVEIRINHO

bf1 dom21

Tradicional e útil sabugo de milho de uso na roça para “raspar bosta”

Dorgival estava aposentado há dois anos. Dois anos e poucos meses. Ainda naquela fase de tentar assimilar e se acostumar com o fato, vez por outra se flagrava “boiando” dentro de casa, por vezes até esbarrando na mulher.

Foi lendo revistas, que o “vagabundo” descobriu que poderia (e deveria) ser mais útil dentro de casa, participando mais efetivamente a mulher nas tarefas domésticas. Sentou na frente do computador e, pesquisando, encontrou alguns saites que falavam de jardinagem. Estava ali a fórmula encontrada para se ocupar e para não viver esbarrando e atrapalhando a “Rainha” da casa.

Foi num comércio especializado e comprou material adequado para a limpeza (dia sim, dia não) do jardim, até então cuidado por Lindalva. E, para ocupar melhor o tempo ocioso, ele próprio montou uma pequena horta no quintal da casa.

Na frente da casa, o jardim bem cuidado era protegido por um muro baixo, haja vista que a cidade era pacata e o último ladrão que foi flagrado perturbando a vizinhança, levou uma surra tão grande que acabou paraplégico.

Roseiras de vários tipos, plantas medicinais e de ornamentação. No outono a folhagem caía e acabava necessitando de limpeza mais constante. Era aquele o trabalho “arrumado” por Dorgival.

Certo dia, limpando aquela folhagem, mesmo usando luvas, Dorgival enfiou uma das mãos em algo pastoso e malcheiroso. O fedor horrível não deixou dúvidas. Era merda. Merda humana. Ainda que, de luvas, Dorgival correu para lavar as mãos, digo, as luvas. Usou bastante sabão para a limpeza. Ficou bravo e praticamente seguro de que alguém pulara o muro e, entre as roseiras e outras plantas, “jogou um barro fora” ali mesmo, e ainda usou algumas folhas para a limpeza do fiofó.

Na parte da tarde Dorgival foi limpar a horta do quintal. Mexendo daqui e dali, ao recolher folhas secas no chão, enfiou a mão de novo em algo pastoso. Era merda. Merda de gente. Aquilo, além de revoltar Dorgival, o deixou bastante intrigado. Mais uma vez, embora estivesse de luvas, se apressou em lavar as mãos (as luvas) com bastante sabão e água.

Terminada a tarefa doméstica, Dorgival foi tomar um belo banho. Antes, sentiu vontade de cagar e cagou. Cagou muito. Usou bastante papel higiênico para limpar o fiofó. Só depois entrou no banho.

Se Dorgival não resolvesse tomar banho, a limpeza do fiofó teria realmente se limitado ao papel higiênico.

E aí cabe a pergunta: o novo jardineiro sujou as mãos duas vezes com merda humana e, nessas duas vezes correu para lavar com muita água e sabão. Em casa, depois de jogar um barro fora, achou que apenas passar um papel mais estilizado resolveria o problema. Resolveria?

Não. Não resolveria. Cu não se limpa. Lava-se! E não foi sonhando com as cagadas angelicais que fabricaram o “chuveirinho” ou a ducha íntima que, a princípio, e em muitos lugares, se imaginava que fosse algo de uso exclusivamente feminino para lavar a xereca.

bf2 dom21

Bidé está fora de uso em muitos locais

Anos depois os colonizadores espanhóis e portugueses trouxeram para o Brasil duas peças importantes na higiene pessoal: o bidé, de origem francesa, muito utilizado na Europa; e a banheira, de origem tcheca.

Apesar do formato não tão confortável, o bidé (quase que totalmente fora de uso nos dias atuais) era o mais apropriado para a higiene anal e vaginal, pois, sentado, o usuário tem esses órgãos em posições que permitem uma melhor limpeza.

O bidé, entretanto, é uma peça que entrou facilmente para o anedotário brasileiro. Pouco conhecida, a peça era convenientemente instalada em quase todos os banheiros das residências, inclusive nos aposentos das “secretárias domésticas”. Por ser uma peça desconhecida para a maioria das secretárias, muitas imaginavam que fosse uma bacia para “aparar água” para banhar.

bf3 dom21

Chuveirinho é muito usado para a higiene íntima

O mercado de utilitários de higiene pessoal é muito rico – embora alguns ainda não tenham chegado ao Brasil. Muitas peças são de boa qualidade e outras já entraram na imensa lista daqueles que tem curto prazo de validade.

Conhecido como chuveirinho ou ducha íntima, a peça é a mais indicada para a assepsia anal, vaginal e do pênis, principalmente pela pressão incutida nos jatos d´água, propiciando uma limpeza criteriosa.


A REVOLUÇÃO DOS BICHOS

besta1

Galos da mesma raça não deveriam brigar

Divergir sem polemizar. Esse é o nosso intuito.

Assim, muitos esclarecidos e estudiosos não se dão conta da dimensão continental deste País. Muitos esquecem as diversidades e adversidades que, num final acabam sendo a mesma coisa. E, por que “brigar” tanto?

Não faz muito tempo, um daqueles jovens que acham que sabem tudo e que a sua opinião é a única que é verdadeira, fez o lançamento de um livro que versava sobre futebol. Garantia ele ser o goleiro Rogério Ceni o maior ídolo do São Paulo Futebol Clube de todos os tempos. Como diz a propaganda: “não sabe de nada, inocente”.
Sim, comparar a idolatria de Rogério com Pedro Rocha, Telê Santana, Gerson, Bauer, Careca, Jair da Rosa Pinto e Marinho Chagas é uma tentativa boba e demonstração de desconhecimento. Aceita-se pelo fato dele não ter pesquisado sobre o passado – que para jovens como ele, não significa nada.

Mas, não queremos falar nisso. Queremos falar a respeito do assunto “Comissão Nacional da Verdade”, a respeito do qual o renomado jurista pernambucano José Paulo Cavalcanti escreveu interessante e reflexivo texto, aqui neste JBF.

Preferi ler também os comentários – e percebi que muitos confundem valores pessoais com fatos fortuitos. Percebi, também, que muitos “pensam” que conhecem mais que todos o assunto tão complexo e preferem atirar pedras em qualquer um, demonstrando muito mais o seu desconhecimento que o democrático direito de divergir.

E, apesar disso, os acontecimentos levantados pela entrega de um relatório que felizmente jamais será conclusivo, não podem ser considerados uma nova “Revolução dos Bichos”, pois estamos a milhares de anos luz de George Orwell.

Polemizar de forma educada pode levar a saldos positivos, sim. Polemizar com agressões, pode gerar futuros constrangimentos – sem que sejamos pretensiosos na medida exagerada para imaginar que somos e seremos sempre os donos das verdades.

Na maioria dos comentários – muito mais que no texto da lavra do jurista pernambucano – fica evidente que houve uma precipitação na entrega do “Relatório” à Presidente Dilma, sem que o outro lado (principalmente os familiares dos militares que perderam a vida nos anos de chumbo em defesa ou cumprimento de ordens hierárquicas daquilo que defendiam) fosse ouvido. É uma defesa mais que válida, pois, até onde sabemos por convivência, muitos cumpriram ordens.

Entendi como ofensivo (e ele também entendeu assim) e fora dos padrões democráticos pelos quais alguns que estão usufruindo desse momento sequer levantaram uma palha, embora reconheça a democracia como uma conquista de todos e não apenas daqueles que lutaram por ela, o posicionamento e a crítica de um “comentarista” a respeito das “parcas” informações elencadas pelo também colunista fubânico Fred Monteiro a respeito da sua participação.

besta2

Passarinhos não brigam quando querem construir ninhos

Fui buscar como base para este “post”, o muito interessante comentário do internauta Silas, usando o democrático direito de entender, também, como “parcas” as 119 informações listadas por ele, no que tange, principalmente, ao tamanho continental do País onde vivemos.

Não quero nem me dou o direito de contestar qualquer dos 119 fatos (desculpe a primeira pessoa). Da mesma forma, não pretendo considerar como completo o relatório apresentado pela Comissão Nacional da Verdade, além de concordar com outros comentários no mister de que ele não traduz a realidade, além de maquiar algumas ações de muitos que hoje compõem o Poder – sem que se saiba realmente qual é o objetivo disso.

Bem, o senhor Silas relacionou 119 fatos. Desses, 8 se relacionam ao Estado de Pernambuco; 7 ao Estado do Pará; 1 ao Estado do Amazonas; 1 ao Estado do Maranhão; 1 ao Estado do Ceará e 1 ao Estado da Bahia, somando, claro, 19 fatos. Daí se conclui que, quem enfrentou dissabores, perdeu vidas no enfrentamento com os “revolucionários e subversivos” foi apenas gente do Sul e Sudeste. Num total de 100, para sermos mais precisos. E, com certeza, essa não é a verdade.

Ora, são mentirosos os fatos listados pelo comentarista Silas? Não. Não o são. Apenas acrescentaríamos que são “parcos” quando sabemos do tamanho do Brasil. Falta gente do “lado de lá” e também falta do lado “de cá”.

Falhou a Comissão Nacional da Verdade quando se ateve apenas ao que se transformou visível. Morreram muito mais de ambos os lados. E, pelo fato do longo período dos anos de chumbo, pode-se afirmar que muitos que foram torturados foram de tamanha monta atingidos no seu estado psicológico que, hoje, não lhes interessa mais tocar no assunto. Faz-lhes mau. Perturba-os.

Não podemos esquecer os que não eram amados pelo País e preferiram deixa-lo, como aconselhavam as frases hipócritas da época – “Brasil, ame-o ou deixe-o” – e estando adaptados socialmente noutros países não querem mais voltar, ou porque percebem que aqueles que faziam parte do seu convívio assumiram o comando do País e, hoje, se apresentam muito mais desprezíveis que qualquer opressor dos tempos dos anos de chumbo. Esses sim, são canalhas.

Alguém já parou para pensar e contabilizar quantos a “nossa atual democracia conquistada a duros panos” já matou? Não?

Pois, dados afirmam que o nosso regime democrático já matou pelo menos dez vezes mais que os anos de chumbo.

AVISO – Que isso jamais pareça que somos de um lado ou de outro. Apenas entendemos que, quem desqualifica tanto a Imprensa brasileira por vários motivos, não deveria ter o direito de recorrer ao que essa Imprensa divulga, quando pretende ilustrar seus fatos e opiniões.

Assim seria muito bom: a Imprensa é parcial, mentirosa e comprada quando nos desagrada; e digna de crédito e confiabilidade quando nos agrada.


O MÁGICO ENCANTAMENTO DAS FLORES FÁLICAS

besta1 dom14

O formato de pênis mantém o falicismo

Nascer, viver, morrer ou reencarnar, são fases cobertas de mistérios ainda indecifráveis no ciclo da vida de todos e de tudo no planeta Terra. A ciência estuda, tenta descobrir e, quando pensa que o fez, não consegue convencer.

Tudo é cíclico – passageiro – e tem algum objetivo enquanto vive. Morreu – completou o ciclo, afirmam alguns. Não queremos discutir objetivos ou reencarnação, pois, na estrada da vida, ainda nem demos os primeiros passos. Não seríamos pretensiosos a este ponto.

O que pretendemos colocar aqui em discussão é a forma como quase tudo se apresenta para nós. A forma da castanha do caju, do cactos, do boi, da laranja, do peixe e dos milhares de folhas que dividem conosco o direito de respirar o oxigênio na Terra.

Tudo isso emoldurado por uma proposta reflexiva. Não para encontrar solução – mas para que possamos compreender como as coisas são, e se apresentam.

Cavucando no baú da antiguidade, busquemos desde o “homo habilis”, passando pelo “homo erectus” até chegarmos ao “homo sapiens”, que certamente chegaremos a compreender o que estudou Charles Darwin. Mas, isso é apenas uma projeção que pode (ou não) ter alguma relação com a espécie humana.

E o que devemos concluir em relação à fauna e a flora?

Houve evolução ou involução?

Isso – não temos nenhuma dúvida – certamente nos levará a compreender o falicismo e as formas pouco convencionais de algo que, como nós, nasce, vive – e provavelmente se reproduz – e finalmente morre. Como o escorpião, por exemplo, que garante o ciclo da reprodução pós-cópula e antes de perecer.

besta2 dom14

Ainda botão, a forma do pênis. Aberta, a forma vaginal

“Falicismo palavra que, de acordo com os dicionários, se refere a uma certa atitude relativa ao pênis.

Ela também diz respeito a: Qualquer objeto que se assemelhe visualmente a um pênis ou atos semelhantes a esses símbolos como “algo fálico.”

Também pode se referir a um tipo de fungo que tem um elemento de suspensão em torno de si. O termo vem do latim falo (em grego phallos). É um neologismo ainda não aceito totalmente pelos estudiosos.

Particularmente, durante o desenvolvimento fetal é evidente, antes da diferenciação sexual. Também se refere ao órgão sexual masculino de certas aves, como distinguir anatomicamente do pênis de um mamífero.

Símbolos fálicos na arte – Esculturas antigas de falos em vários lugares do mundo como na Grécia e Roma antigas; también es un símbolo muy común en la India , donde existe el conocido como lingam o falo del dios Shivá . é também um símbolo muito comum na Índia , onde é conhecido como o lingam ou falo do deus Shiva. Um dos mais antigos, que foi encontrado no início de 2005 é chamado de ‘falo Hohle ‘, que datam do Idade da Pedra, com idade aproximada de 28 mil anos, descobertos na caverna de Hohle Fels. Shakespeare, usou muitas vezes os símbolos fálicos adicionados às suas obras, fazendo um trocadilho, por exemplo, com espadas e facas que representavam a masculinidade.

Símbolos fálicos e religião – Símbolos fálicos em religião antropologicamente falando, referem-se à adoração ritual do padrão pênis humano. Estas referências foram encontradas em muitas culturas antigas, como Índia, Suméria e Grécia antiga.” (Transcrito do Wikipédia)

besta3 dom14

Mais cogumelo que flor – mas com forma de pênis

Parece jocoso. E é realmente. É fortuito e competente o Arquiteto das coisas do mundo?

É esse Arquiteto que pega uma semente (castanha) de caju, transporta-a do Ceará ao Canadá e, após planta-la, permite que ela cresça e frutifique – sempre nos meses de agosto ou setembro e com o mesmo cheiro e sabor. Explicações? Não as temos.

Provavelmente será esse mesmo Arquiteto que põe água dentro do coco. É o Arquiteto que dá forma e vida a tudo e a todos.

É esse Arquiteto, sim, que dá formato fálico a essas flores e a esses fungos.

besta4 dom14

A mais elogiada forma de falicismo


A FORÇA E O MISTÉRIO DAS NUVENS E DAS ONDAS

besta1

O mistério entre o céu e a terra – nuvens passageiras

Todos os dias, os primeiros raios solares, ao surgirem, pintam as nuvens como se fossem van Gogh, Michelangelo, Debret com suas pinceladas mágicas construindo a beleza que, em segundos, se dispersam.

O açoite do vento desfaz a beleza, sem sequer pensar em leva-la para outros olhos ou outros horizontes. Como se nuvem fosse massa de moldar, argila ou qualquer outro elemento usado para construir obras de artes – entre os nossos olhos e os céus.

Passam-se minutos e horas, e as nuvens tomam novas formas e novos coloridos – sempre no mesmo céu. Com o cair da noite, novo espetáculo de beleza como se a Natureza repetisse o cenário para a vida encenar um entardecer como espetáculo. São as nuvens, suas cores diversas tangidas pelos seus segredos com parceria inseparável dos ventos.

Nuvem Passageira – Hermes Aquino

Eu sou nuvem passageira
Que com o vento se vai
Eu sou como um cristal bonito
Que se quebra quando cai

Não adianta escrever meu nome numa pedra
Pois esta pedra em pó vai se transformar
Você não vê que a vida corre contra o tempo
Sou um castelo de areia na beira do mar

Eu sou nuvem passageira
Que com o vento se vai
Eu sou como um cristal bonito
Que se quebra quando cai

A lua cheia convida para um longo beijo
Mas o relógio te cobra o dia de amanhã
Estou sozinho, perdido e louco, no meu leito
E a namorada analisada por sobre o divã

Eu sou nuvem passageira
Que com o vento se vai
Eu sou como um cristal bonito
Que se quebra quando cai

Por isso agora o que eu quero é dançar na chuva
Não quero nem saber de me fazer ou me matar
Eu vou deixar em dia a vida e a minha energia
Sou um castelo de areia na beira do mar.

Eu sou nuvem passageira
Que com o vento se vai
Eu sou como um cristal bonito
Que se quebra quando cai

Eu sou nuvem passageira
Que com o vento se vai
Eu sou como um cristal bonito
Que se quebra quando cai

Eu sou nuvem passageira
Que com o vento se vai
Eu sou como um cristal bonito
Que se quebra quando cai

Eu sou nuvem passageira
Que com o vento se vai
Eu sou como um cristal bonito
Que se quebra quando cai.

G

Distante da arrebentação – quem dá tanta forças às ondas?

Que magia é essa que produz tantas correntezas nas águas do mar (e dos rios), ainda que não existam declives?

E por que essas correntezas se agigantam e se transformam em ondas de força, de poder destrutivo quase descomunal?

De onde vem essa força que arrasta e destrói o que – afoito – tenta lhe barrar a direção final?

Seria a lua e sua rotatividade?

Seria alguém?

Algum humano?

E, segundos e minutos depois, tal qual o vento que dissipa a beleza colorida das nuvens, essas ondas voltam ao seu leito de tranquilidade – como se estivesse apenas conduzindo algum aviso!

Por que, em alto mar acontecem as tempestades que se deslocam empurrando pesados navios transatlânticos, afundando barcos para mostrar (quem sabe!) a força que nenhum humano tem para detê-la?

Que segredo, enfim, é esse?


MORENA TROPICANA, EU QUERO SEU CALOR!

besta1 7dez

Da manga rosa quero gosto e o sumo

Morena Tropicana – Alceu Valença

Da manga rosa
Quero gosto e o sumo
Melão maduro, sapoti, juá
Jaboticaba, teu olhar noturno
Beijo travoso de umbu cajá

Pele macia
Ai! carne de caju!
Saliva doce, doce mel
Mel de uruçu

Linda morena
Fruta de vez temporana
Caldo de cana caiana
Vem me desfrutar!
Linda morena
Fruta de vez temporana
Caldo de cana caiana
Vou te desfrutar!

Morena Tropicana
Eu quero teu sabor
Ai! Ai! Ioiô! Ioiô!

Morena Tropicana
Eu quero teu sabor
Ai! Ai! Ioiô! Ioiô!

Alguém já parou para pensar e apreciar a beleza da mulher brasileira, independente da sua proximidade com ela?

Pois, faça isso!

Faça isso e veja que, a ausência dos olhos azuis e transparentes é compensada pela tez da cor de jambo e emoldurada pelas curvas sempre mais perigosas que as curvas da estrada de Santos. Delineadas, definitivas, sem obstáculos e, como se tudo isso não bastasse, com versos poéticos escritos por Deus através da Natureza.

Na foto que segue abaixo, observe atentamente o conjunto de perfeições que faz essa menina morena tropicana, e brasileira. Precisa de olhos azuis?

E, a beleza escuda detalhe importante em se tratando de Brasil: é afrodescendente! E alguém liga para isso?

Observe a boca dessa belezura com o lábio superior protegido por um buço apenas imaginável, mas perceptível quando a respiração nasal fica mais ofegante.

É linda! É brasileira! É tropicana!

besta2 7dez

Jaboticaba, teu olhar noturno

A televisão tem sido o altar onde aparecem algumas mulheres quase santas – mas anjos, com certeza – como um desafio para quem tanto aprecia a beleza de dançar o tango, banhar nu num igarapé ou simplesmente apreciar e tentar vencer o desafio que é a beleza de Débora Nascimento, a morena na foto a seguir.

Foi a Vênus Platinada quem nos apresentou a beleza agressivamente brasileira da Vênus Tropicana dos olhos levemente esverdeados.

besta3 7dez

Linda morena, fruta de vez, temporana – caldo de cana caiana

As novelas globais de hoje não demonstram muitas preocupações com as qualidades interpretativas de atores e atrizes. O que tem interessado é a beleza fisionômica aliada a beleza física. O resto não conta muito.

E foi exatamente numa novela global que apareceu Débora Nascimento, hoje, com certeza, uma das mulheres mais bonitas do Brasil, em quanto a qualidade interpretativa fica em segundo plano.

besta4 7dez

Sonia Braga expondo o magnífico trabalho da natureza

Sim, e de Sonia Braga, todos já esqueceram?

Esqueceram que ela um dia foi Gabriela e desfilava essência e cheiro de cravo e canela?

Na foto acima, exibindo também brasilidade, a atriz brasileira usa um vestido quase que totalmente transparente. O que aparece perde a graça e o interesse diante do que o vestido caído permite uma tênue luz de imaginação.

Tem algo mais bonito que a morena brasileira?


MÃOS SUJAS – HÁ QUANTO TEMPO?

foto1

O petróleo brasileiro sujou as mãos e a honra

Considerando que a Petrobras existe desde o dia 3 de outubro de 1953, será que é correto imaginar que, desde então essa empresa brasileira vem sendo esbulhada?

Ou, muito mais pela certeza que se tem, de que, no passado, os homens eram diferentes – que tinham vergonha na cara e respeitavam aquilo que chegamos a chamar de “ouro negro” – essas sem-vergonhices não aconteciam?

Então vejamos:

“A empresa foi instituída pela Lei nº 2004, sancionada pelo então presidente da República, Getúlio Vargas, em 3 de outubro de 1953. A lei dispunha sobre a política nacional do petróleo, definindo as atribuições do Conselho Nacional do Petróleo (CNP), estabelecendo o monopólio estatal do petróleo e a criação da Petrobras.

As atividades da empresa foram iniciadas com o acervo recebido do antigo Conselho Nacional do Petróleo, que manteve a função fiscalizadora sobre o setor.

As operações de exploração e produção de petróleo, bem como as demais atividades ligadas ao setor de petróleo, gás natural e derivados, à exceção da distribuição atacadista e da revenda no varejo pelos postos de abastecimento, foram conduzidas pela Petrobras de 1954 a 1997, período em que a empresa tornou-se líder na comercialização de derivados no país.

Depois de exercer por mais de 40 anos, em regime de monopólio, o trabalho de exploração, produção, refino e transporte do petróleo no Brasil, a Petrobras passou a competir com outras empresas estrangeiras e nacionais em 1997, quando o presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou a Lei N° 9.478, de 6 de agosto de 1997. Tal lei regulamentou a redação dada ao artigo 177, §1º da Constituição da República pela Emenda Constitucional nº9 de 1995, permitindo que a União contratasse empresas privadas para exercê-lo.

A partir daí foram criadas a Agência Nacional do Petróleo (ANP), responsável pela regulação, fiscalização e contratação das atividades do setor e o Conselho Nacional de Política Energética, órgão encarregado de formular a política pública de energia.” (Transcrito do Wikipédia)

Pois, nos dias atuais, tendo como Presidente a mineira de Caratinga, Maria das Graças Silva Foster – trigésima quarta Presidente da Petrobras – formada em Engenharia Química na Universidade Federal Fluminense em 1978; Mestre em Engenharia de Fluidos; e Pós-Graduada em Engenharia Nuclear pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, que começou a trabalhar nessa mesma Petrobras como estagiária aos 24 anos, a maior empresa brasileira vive uma grave crise de desmoralização e desprestígio em meio aos brasileiros e – não podemos negar – em ambientes internacionais, levando a índices desmoralizantes a sua posição no mercado financeiro mundial.

E, nessa barafunda toda que está levando para o ralo essa empresa, não se pode (nem se deve) esquecer que, Graça Foster foi indicada para presidente pela própria Presidente Dilma Rousseff, tampouco, que o antecessor, Gabrielli, foi ali colado pelo então Presidente Lula.

“Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras) é uma empresa de capital aberto (sociedade anônima), cujo acionista majoritário é o Governo do Brasil (União). É, portanto, uma empresa estatal de economia mista. Com sede no Rio de Janeiro, opera atualmente em 25 países, no segmento de energia, prioritariamente nas áreas de exploração, produção, refino, comercialização e transporte de petróleo, gás natural e seus derivados. O seu lema atual é “Uma empresa integrada de energia que atua com responsabilidade social e ambiental”.

A empresa foi instituída em 3 de outubro de 1953 e deixou de monopolizar a indústria petroleira no Brasil em 1997, mas continua a ser uma importante produtora do produto, com uma produção diária de mais de 2 milhões de barris (320 mil metros cúbicos). A multinacional é proprietária de refinarias, petroleiros e é uma grande distribuidora de derivados de petróleo. A Petrobrás é líder mundial no desenvolvimento de tecnologia avançada para a exploração petrolífera em águas profundas e ultra-profundas.

A Petrobras estava em 2011 no quinto lugar na classificação das maiores petrolíferas de capital aberto do mundo. Em valor de mercado, é a segunda maior empresa do continente americanoe a quarta maior do mundo, no ano de 2010. Em setembro de 2010, passou a ser a segunda maior empresa de energia do mundo, sempre em termos de valor de mercado, segundo dados da Bloomberg e da Agência Brasil.” (Transcrito do Wikipédia)

A vergonhosa situação que, segundo denúncias da mídia, vem levando para a lama a Petrobras pode, sim, provocar graves danos ao País e comprometer a não tão fortalecida democracia brasileira instalada no País a partir de 1985.

Não somos profetas do Apocalipse – mas também não pensem que tudo isso vai acabar em pizza como já aconteceu com outros graves problemas envolvendo este Brasil.

Ontem, sendo ouvido pela CPI instalada no Congresso Nacional, Paulo Roberto Costa, ex-Diretor da Petrobras que foi beneficiado juridicamente pela “delação premiada”, resolveu abrir o bico e afirmou:

“O que acontece na Petrobras ocorre no Brasil inteiro, diz Paulo Roberto Costa na CPI”

BRASÍLIA – O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou nesta terça-feira em sessão da CPI mista que confirma tudo o que disse no processo de delação premiada que firmou com a Justiça. Acusado de irregularidades na estatal, ele está colaborando com as investigações, com o objetivo de ter uma redução da pena. Ele disse estar arrependido e que decidiu participar da delação premiada por orientação da família. Isso teria lhe trazido “sossego à alma”. Paulo Roberto disse que todas as indicações para cargos de diretoria da empresa são políticas e que está arrependido de ter assumido o posto. Afirmou ainda que as irregularidades na Petrobras acontecem no Brasil inteiro, das rodovias às hidrelétricas.

A CPI fez uma acareação entre Paulo Roberto Costa e o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró para esclarecer as divergências em depoimentos anteriores feitos pelos executivos. Costa já disse à Polícia Federal (PF) que houve pagamento de propina para que a empresa adquirisse a refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Cerveró nega irregularidades.

Em sua primeira fala, Paulo Roberto Costa disse que, assim como na primeira vez que foi à CPI mista, em 17 de setembro, permaneceria calado, justamente para não atrapalhar o processo de delação premiada. Segundo ele, todas as dúvidas já haviam sido esclarecidas ao Ministério Público, Polícia Federal e Justiça Federal. Mas ressaltou que faria alguns esclarecimentos. Neles, lembrou que assumiu o posto de diretor de Abastecimento 27 anos depois de ter entrado na empresa por concurso público. Nesse período, disse, ocupou postos importantes por sua competência técnica, mas destacou que isso não seria suficiente para se tornar diretor.

- Nesses 27 anos, assumi cargos importantes. Em todos esses cargos que assumi, não precisei nunca de apoio político. Consegui esses cargos por competência técnica. Quando surgiu a oportunidade de obter uma diretoria, era sonho meu ser diretor e, quem sabe, a presidência. Mas desde os governos Collor, Itamar, Fernando Henrique, Lula, Dilma, todos os diretores, se não tivessem apoio político, não chegavam a diretor. Infelizmente, aceitei uma indicação política para assumir a diretoria de Abastecimento. Estou extremamente arrependido de fazer isso. Se pudesse, não teria feito isso. Quisera eu poder não ter feito isso. Isso tudo, para tornar minha alma mais pura, confortável, para mim e para minha família, fiz o acordo de delação. Passei seis meses na carceragem. O que acontece na Petrobras acontece no Brasil inteiro, nas rodovias, ferrovias, portos, aeroportos. hidrelétricas – disse Paulo Roberto.

Ele confirmou tudo o que disse no processo de delação premiada, mas não quis dar detalhes. Segundo eles, fatos e pessoas envolvidas nas irregularidades serão conhecidos no momento oportuno.

- Tudo que falei lá eu confirmo. Não tem nada lá que não confirmo. É um instrumento sério, que não pode ser usado de artificio, de mentira, que não pode ser na frente confirmado. Nos mais de 80 depoimentos que eu fiz, foram mais de duas semanas de delação, o que está lá eu confirmo. Provas existiram e estão sendo colocadas. Falei de fatos, de pessoas. Na época oportuna, virão a conhecimento público – disse Paulo Roberto.

Ele afirmou ainda que a família está sofrendo e que foi, por orientação dos familiares, que está colaborando com as investigações.

- Quando resolvi falar a delação premiada, não foi orientação do advogado, de ninguém. Foi da minha família. Quem colocou com clareza foi minha esposa, minhas filhas, meus genros e netos. Falavam: por que só você? E os outros? Você vai pagar sozinho. Fiz a delação para dar um sossego à minha alma e conforto à minha família.

Cerveró, por sua vez, disse que não conhece o conteúdo da delação premiada de Paulo Roberto. Perguntado pelo deputado Enio Bacci (PDT-RS), autor do requerimento que levou à acareação, Cerveró negou ter recebido propina.

- Ratifico o que disse antes, que não recebi – disse Cerveró.

- Então se o Paulo Roberto disse que o senhor recebeu ele está mentindo? – pergunta Bacci.

- O senhor (Bacci) está fazendo uma ilação. Não conheço o depoimento do Paulo Roberto. Aí é o caminho do “se” – disse Cerveró.

Cerveró confirmou que sua defesa está sendo paga pela Petrobras, mas de forma indireta, por um seguro que cobre acões dos gestores da empresa.

- A minha defesa está sendo paga pelo seguro, é uma forma indireta. Modelo americano que cobre atos de gestão de diretores e conselheiros. Cobre toda atividade de defesa de gestão desses diretores.

Em seguida, Paulo Roberto Costa negou que tenha se valido do mesmo mecanismo.

- A defesa de Paulo Roberto Costa não pagou um centavo. A defesa de Paulo Roberto Costa quem paga, com muito sacrifício, é Paulo Roberto costa – disse Costa

Cerveró afirmou que não conhecia esquema ilícito na Petrobrás como um todo. Perguntado que citasse nomes envolvidos no escândalo, Paulo Roberto disse que não declinou nomes no depoimento para Sérgio Moro, mas que confirmava tudo que disse ao juiz.

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) disse que o Brasil “vai ter limpa sem igual”.

- Onde está o problema em afirmar o óbvio, que Aécio Neves perdeu a eleição para uma quadrilha? – disse Carlos Sampaio, acrescentando: – Quadrilha havia. Desvio, houve. Propina, inegável. Corrupção não tem coloração partidária. O senhor Paulo Roberto errou, merece críticas. Mas sua mudança de postura trouxe um ganho ao país. O Brasil vai ter uma limpa sem igual.

O deputado perguntou a Cerveró se não tinha corrupção na Petrobrás ou ele desconhecia.

- Desconhecia, logo, não tinha – respondeu Cerveró.

Os dois diretores já foram convocados a depor na CPI Mista. Na primeira vez em que esteve presente na comissão, em 17 de setembro, Costa se recusou a responder as perguntas. Na época, o acordo de delação premiada de Costa ainda não havia sido homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Assim, ele preferiu ficar calado para não se comprometer. Pelo acordo, Costa decidiu colaborar com as investigação, tendo em vista uma redução da pena.

Cerveró, por outro lado, declarou, em 10 de setembro, não ter havido desvio de dinheiro na compra da refinaria de Pasadena. Ele também garantiu desconhecer qualquer participação direta do também ex-diretor Paulo Roberto Costa nos acertos empresariais para a compra da refinaria nos Estados Unidos.

Costa está em prisão domiciliar no Rio de Janeiro depois de ter firmado o acordo de delação premiada. A presença dele na CPI foi autorizada pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo processo da operação Lava-Jato. Moro determinou que Costa fosse escoltado pela Polícia Federal até o Senado, devendo ser “evitada a utilização de algemas”. (Ricardo Brito e Isadora Peron – Estadão).

Dessa forma, só nos resta fazer uma pergunta: desde quando estamos sendo roubados?


A PICANHA ARGENTINA E A BUNDA BRASILEIRA

foto1 picanha

Picanha argentina, servida nos melhores restaurantes brasileiros

Arroz de cuxá, bode ao leite de coco, baião-de-dois com farofa de pirarucu misturada com cebola roxa, tutu a mineira, arroz de capote, cavala ao molho de camarão, carne de sol de carneiro, peixe a escabeche… e por aí vai.

Essas são algumas comidas típicas da culinária regional brasileira. E não falamos em galinha caipira a cabidela, sarapatel, sarrabulho, buchada de carneiro e de bode, arroz a carreteiro e muito menos de feijoada, que é algo que se come em qualquer lugar do Brasil – diferenciando apenas na forma de preparar e servir.

Também não podemos esquecer a costeleta de porco, o cupim de boi, a dobradinha (que é uma comida tipicamente portuguesa, embora com outro nome), o bacalhau preparado de várias formas, nem o tradicional churrasco.

Entretanto, capítulo à parte para a picanha. E, sobe ao pódio para ocupar lugar de destaque, a picanha argentina que, quando é preparada, assada e servida por quem sabe o que faz, se torna algo imbatível.

Quem come carne, sabe que picanha não é uma carne simples, tampouco popular. Picanha argentina, então, é algo “top” – para usar uma linguagem mais jovial e atualizada.

foto2 picanha

Picanha argentina servida nos restaurantes populares

Mas, seguramente, o segredo para a boa qualidade da picanha argentina é o pasto que alimenta o bovino. Pampa é um nome de origem dado à região pastoril de planícies com coxilhas. Abrange a metade meridional do estado do Rio Grande do Sul, ocupando 63% do território gaúcho. Estende-se pelos territórios do Uruguai e pelas províncias argentinas de Buenos Aires, La Pampa, Santa Fé, Entre Rios e Corrientes.

Nessas áreas a pastagem é melhor e os animais não tem que fazer muito esforço para caminhar, possibilitando que seus músculos não enrijeçam.

A picanha é um tipo de corte de carne bovina tipicamente brasileira. A origem do nome picanha vem do talhante italiano, nomeado do corte picatta . Esta vara, chamada picana (em espanhol), possuía um ferrão na ponta e servia para picar o gado na parte posterior da sua região lombar. Com o passar do tempo esta região do animal passou a ser chamada picana e posteriormente picanha. Recentemente, o aumento da variedade de cortes de carnes suínas originado de ações promovidas pelos suinucultores fez surgir um novo corte para os admiradores deste tipo de carne, que recebeu o nome de picanha suína.

A Argentina produz as melhores picanhas do mundo.

Mas… e a bunda?

Bem, “na bunda”, a Argentina perde e é longe!

Certa vez, vendo uma peça teatral não lembro mais aonde, a atriz na cena se apalpava toda e dizia a fala:

- Brasileiro gosta mesmo é de peitos grandes, coxas grossas e bunda grande!

Nem tanto. Eu – falo por mim – acho que brasileiro gosta mesmo é dessas coisas aí de cima, mas que sejam também bonitas. Veja que bunda bonita esta que ilustra esta matéria. E nem é tão grande assim. É “apenas” mediana, durinha e muito bem cuidada e, com certeza, adorada pelos sofás, cadeiras e vasos sanitários e pelos homens que gostam.

foto3 bunda

Bunda genuinamente brasileira

Veja o que diz Gilberto Freyre a respeito da bunda brasileira. De onde vem o encanto do brasileiro pela bunda? O professor Gilberto Freyre, que estudou nossas raízes sociológicas em Casa-Grande & Senzala, aceitou o desafio de investigar as origens dessa magnífica preferência num ensaio. Por motivos de espaço, transcrevemos os principais trechos e resumimos algumas partes do estudo, erudito, de 26 páginas. Erudito, mas que nem por isso evita a ressonante palavra. Lembra alguns sinônimos, principalmente nordestinos, como bagageiro, balaio, banjo, bomba, bubu, além dos tradicionais rabo, traseiro, pop, rabic bumbum, tralal e outros.

Gilberto faz uma análise e tira conclusões: o brasileiro tem suas razões para gostar de bunda. Pode não saber quais, mas tem. Vamos a elas.

“Do andar afrodisíaco das bundas ondulantes – E aqui observação de Havelock Ellis, quanto a uma das superioridades da mulher ibérica sobre as ortodoxamente europeias estar na assimilação, pela ibérica, de remota influência africana do andar, como se dançasse. Um movimento de bundas bastante amplas para permitirem essa ondulação como que afrodisíaca de andar.

A grande número de mulheres brasileiras, a miscigenação pode-se sugerir ter dado ritmos de andar e, portanto, de flexões de nádegas, susceptíveis de ser considerados afrodisíacos. Atente-se nesses ritmos, em cariocas miscigenadas, em confronto com as beldades argentinas que o observador tenha acabado de admirar. Os ritmos de andar da miscigenada brasileira chegam a ser musicais, na sua dependência de bundas moderadamente ondulantes. Para Havelock Ellis, o andar da mulher mais tipicamente ibérica, em contraste com a da ortodoxamente europeia teria alguma coisa de graciosa qualidade de um corpo felino inteiramente vivo.

O homem médio brasileiro não pode deixar de ser sensível pela imensidade de provocações que o rodeiam. Não tanto ao vivo, como por meio de anúncios de revistas ilustradas, que se vêm esmerando na utilização de reproduções coloridas de bundas nuas, como atrativos para uma diversidade de artigos. No Brasil de hoje, uma enorme comercialização da imagem da bunda de mulher em anúncios atraentes. Estéticos uns, alguns lúbricos. Também se vem fazendo esse uso na televisão. E, sonoramente, em músicas apologéticas da beleza da bunda de mulher. O sexo da mulher vem, através dessa comercialização da bunda em anúncios, quase perdendo, em publicidade apologética, para esse nada insignificante rival, no Brasil.” (Gilberto Freyre)

foto4 bunda

Bunda brasileira mostrada nas principais praias nacionais


FELIZ NATAL!

Numa das mãos, uma lata de graxa Nugget; na outra, uma escova e um par de sapatos Vulcabrás. Era a continuidade dos preparativos para a “Noite de Natal”, sempre comemorada no dia 25, antes da Missa do Galo. Nos dias atuais, o capitalismo transformou uma festa religiosa numa festa pagã. E se comemora no dia 24, quando, historicamente, Jesus ainda não nasceu.

Depois de engraxar os sapatos, sentar na frente da casa esperando os demais familiares para assistir a Missa do Galo, na Igreja Nossa Senhora da Salete, na Bela Vista, em Fortaleza. A ceia, somente após a “missa” – e muitas vezes parecia mais um café da manhã, em virtude do horário.

Hora de abrir os presentes – porque ninguém era mais inocente a ponto de acreditar em Papai Noel e todos já sabiam “quem” comprava e oferecia aqueles pacotes. Era, claro, o “Papai”. Papai sem Noel.

Os filhos nunca estavam todos em casa, pois alguns já namoravam e estavam participando de comemorações em outros locais. E, eis que recebi meu primeiro presente de Natal pós-era Papai Noel: um livro. O primeiro livro.

Pacote feito em papel de presente, mandado caprichar na livraria. “Capitães da Areia” – Jorge Amado. Detalhe: autografado pelo próprio autor (mantive esse livro por exatos 40 anos até que a traça e o cupim comeram) e li pelo menos umas cinco vezes.

besta1 quarta

Criança lendo mais que um livro por ano. É muito bom!

Como se deu o autógrafo: meu pai foi comunista na clandestinidade e teria se encontrado com Jorge e demais camaradas numa reunião, também clandestina. Antes, fora numa livraria e comprara o livro, pois sabia que se encontraria com o autor baiano. Sugeriu o autógrafo e voltou no seguinte à mesma livraria, onde pediu para embrulhar o livro para presente. Já não tenho sequer o que sobrou das páginas.

Noutros natais ganhei outros livros e sempre os li, principalmente pelo respeito e admiração que tinha por quem me presenteava. Criei em mim o hábito de dar livros de presente, independentemente de ser Natal ou não.

Desenvolvi em mim um novo hábito: doar o livro que acabei de ler.

Para que serve um livro, depois de lido? Para acontecer o que aconteceu com o “meu” Capitães da Areia?

Mas, infelizmente, percebo que, 60 anos depois, esse bom hábito só permanece em algumas mentes bem conservadas como a minha. Os pais são outros – e seria idiotice querer que fossem iguais a mim.

Eu mesmo parei de dar livros aos meus cinco filhos (quatro moças e um rapaz) ao perceber que eles não os leem – já tive a perspicácia de anotar títulos sugeridos por eles, compra-los e dar de presente. Eles simplesmente não leem.

E, com as mais estapafúrdias mudanças no nosso mundo, mudaram juntos os pais e mais ainda os filhos. Ninguém quer mais ganhar livros de presente de Natal. E ninguém tem mais sensatez para compreender que um livro será sempre um bom e útil presente. Mil vezes melhor que os celulares e os tablets de hoje.

besta2 quarta

Criança envolvida totalmente pelo telefone celular. Uma lástima

E o resultado dos presentes modernos que os pais de hoje oferecem mais do que os filhos pedem é uma mudança quase total na forma de escrever palavras, que acabam sendo prejudiciais no futuro – vestibulares, por exemplo.

De repente, provavelmente pelo pequeno espaço, o “porque” ou o “por que” viraram “pq”. O “também” virou “tbm”. E, com certeza, vai chegar o dia que não se conseguirá mudar nada disso.

Quem não lê, jamais saberá escrever, e ainda terá dificuldades para ouvir e aprender.

Feliz Natal!


O TREM

estação antiga4

Estação de “Serra da Raposa” depois da passagem do trem

Trem das seteRaul Seixas

Ói, ói o trem,
vem surgindo de trás das montanhas azuis,
olha o trem
Ói, ói o trem,
vem trazendo de longe as cinzas do velho aeon

Ói, já é vem,
fumegando, apitando, chamando os que sabem do trem
Ói, é o trem,
não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem

Como se fora comandado pela precisão londrina, exatamente às 08:14 horas de todos os dias, chovesse ou fizesse sol, o trem que fazia a linha Cidade Alta-Munduba, encostava na estação ferroviária de “Serra da Raposa”, onde deixava passageiros e cargas e recebia outros tantos. Nesta estação, havia anos, o movimento maior era no desembarque de passageiros e de cargas. A organização de tudo dava a falsa ideia de lentidão. Mas tudo acontecia de forma cronometrada, da chegada até a partida.

A noite da segunda-feira fora diferente na casa de Biaman e Doralice. Tudo por conta dos preparativos para a viagem da manhã do dia seguinte. Doralice, em dias próximos de parir o quarto filho do casal, precisava deixar tudo preparado para os filhos menores – sob a guarda de Nato, o mais velho, de apenas 13 anos – passarem pelo menos dois dias sem a presença dela durante o “resguardo”.

O percurso entre a casa de Biaman e Doralice e a estação do trem, não era tão distante assim. Embora caminhando de forma lenta em virtude do avançado estado de gravidez, Doralice faria essa distância num máximo de 15 minutos.

- Vumbora hômi, que o trem num ispera! Disse Doralice para Biaman que se apressou mais na arrumação final do matulão cheio de “catrevagens”, ainda que não fosse usa-las todas na cidade grande.

Cientes de que nada ficara errado, os dois se despediram dos meninos e partiram para a “Serra da Raposa”. Mal sabiam que o destino os pararia por alguns minutos na casa dos compadres Manel e Isabel.

- Entrem, façam o favor. Pra onde vocês vão levando essa barriga enorme? Indagou Isabel.

- Eu vou pra cidade, parir, Comadre Isabel!

- E vai assim de trem, nesse sacolejar todo?

- É o jeito, Comadre! Afirmou Doralice.

- Apois espere só um minutinho enquanto eu apreparo um cafezinho procês!

- Num carece não Comadre, apois eu tenho medo de me atrasar e perder o trem! Lembrou mais uma vez Doralice, preocupada com a demora.

- Conversa, mulé. Eu faço rapidinho! Garantiu Isabel.

Da casa de Manel e Isabel para a estação “Serra da Raposa” ninguém gastaria mais que cinco minutos para percorrer a distância. Mas, conversa vai, conversa vem e, quando Biaman e Doralice deram por conta, faltavam apenas 3 minutinhos para as 08:14 horas.

Caminhando o mais rápido que puderam, Biaman e Doralice ainda conseguiram ver o último vagão do trem sumir na curva a caminho da Cidade Alta. Perderam o trem. Perderam a hora e a solução foi retornar para casa e retomar a rotina diária e tentar a viagem na manhã do dia seguinte.

- Tomara Deus esse menino num se apresse! Suplicou Doralice.

A continuação da rotina diária acabou levando Biaman de volta para a roça, enquanto Doralice recompunha a vida com os três filhos e retomava os afazeres domésticos.

De noite, Doralice e Biaman já em casa, com a mesa posta para o jantar. Doralice ainda teve tempo de falar com um dos filhos:

- Bibiu, meu filho, adispois que você botar o dicumê do gatinho, ligue a televisão.

E foi exatamente no horário do noticioso local, que o apresentador do telejornal, com voz pausada anunciou:

- Trem descarrilha na manhã de hoje, no trecho entre a estação “Serra da Raposa” e o município de Botuquinha, e causa desastre pavoroso. Os 49 passageiros que estavam nos vagões a caminho da Cidade Alta, faleceram.

- Meu Deus, que horror! Disse Doralice.

- Abençoado seja sempre o seu cafezinho, Comadre Isabel! Bradou alto Biaman!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa