www.cantinhodadalinha.blogspot.com
CACIMBA DE POESIA

Xilogravura de Cosmo Braz

1
Na cacimba da poesia
Eu meti minha cumbuca
Cada cuiada que dou
Mais verso brota da cuca
Pra cacimba renovar
Estou sempre a esgotar
Sou eu mesma quem cavuca.

2
Vou cutucar meu passado
Palestrar sobre meu chão
Pra falar da minha terra
Tenho boca de surrão
Dela retiro a tramela
Escancarando a janela
Eu descortino o sertão.

3
Eu nasci nas Ipueiras
Também me criei por lá
Tibunguei muito no rio
Já pesquei de landuá
E no meio da futrica
Pulava da oiticica
Nas águas do jatobá.

4
No caminho para o rio
Só singela brincadeira
Brincava com a malícia
A plantinha dormideira
Canapum eu estourava
A mutuca eu espantava
Na meninice brejeira.

5
Meu caminho era florido
Nas veredas muçambê
Com flores de espirradeira
Eu montava meu buquê
Nas cercas as jitiranas
Chão bordado de chananas
E eu delas a mercê.

6
Cada árvore nativa
Eu bem sabia apontar
O espinho da jurema
Não chegou a me espantar
Na sombra do imbuzeiro
Às vezes do juazeiro
Parei muito pra brincar.

Clique aqui e leia este artigo completo »


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
FORJANDO O VERSO

Com a musa em sintonia
A rima me acaricia
Para o verso eu conceber
Deixo a arte penetrar
Para que eu possa emprenhar
E ver o verso nascer.

.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
PAIXÃO PELO VERSO

Esse meu verso rimado
Eu trouxe lá do sertão
Para ficar aprumado
Botei metrificação
Para não ficar sem sal
Cumpro sempre o ritual
Rogo a musa inspiração.

Cuidados eu tenho sempre
Para não escorregar
Porém se eu quebrar o pé.
O remédio é consertar
Se de versos eu entendo
Procuro lendo e relendo
Erros para restaurar.

Atenção e paciência
Quem verseja deve ter
Pois a pressa é inimiga
De quem bem quer escrever
Vale a pena matutar
Com cada verso flertar
P’ra magia acontecer.

Tudo que faço na vida
Eu só faço com paixão
Cada verso é um suspiro
Que brota do coração
Para a regra não quebrar
Eu consigo me entregar
Mas sem perder a razão.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
OS OVOS DOS ABESTADOS

Dória fez foi omelete
Dos ovos dos abestados

Mote da colunista

Os pobres desta nação
Na boca da camarilha
É o tema que a quadrilha
Bota sempre em discussão
Porém consideração
Nunca teve c’ os coitados
Que sempre são enrolados
Com mentiras e confetes
Dória fez foi omelete
Dos ovos dos abestados


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
DUAS GLOSAS

Lampião morreu idoso
Num sítio em Minas Gerais.

Mote de Jorge Filó

Depois de chegar da Lua
E ter passado por Marte,
Ele foi viver de arte
Cantando músicas na rua.
Junto com uma irmã sua
Fez strip em bacanais
Foi Momo em dois carnavais
Pelo Guaiamum Treloso…
“Lampião morreu idoso
Num sítio em Minas Gerais.

Ismael Gaião.

Foi depois que Lampião
Com “Padim Ciço” brigou
Que novo rumo tomou
Trocou de religião
No culto espantava o cão
Gritando nos rituais
Vi escrito nos anais
Não é conto de trancoso:
Lampião morreu idoso
Num sítio em Minas Gerais.

Dalinha Catunda


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
VOCÊ FOI SÓ CHUVA FINA

Você foi só chuva fina
que caiu mas não molhou.

Mote da colunista

Chegou feito ventania
Abalou meu coração
Pensei que era a paixão
Que me embalava e ardia
Porém logo eu percebia
Foi tempestade e passou
E nem saudades deixou
Mas minha mente rumina:
“você foi só chuva fina
que caiu mas não molhou.”


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
O PICÃO ROXO

Andei com dores nos quartos
Vejam que situação.
Aí me recomendaram
Tomar um chá de picão,
Eu saí me maldizendo
E já fui logo dizendo:
Esse diabo tomo não!

Mas o doutor raizeiro
Correu logo atrás de mim
Me chamou lá num cantinho
E já foi dizendo assim:
Experimente o tal picão
Que a sua situação
De dor vai chegar ao fim.

Olhei bem desconfiada
Pro vendedor de raiz
Foi quando senti de novo
Aquela dor infeliz
Era uma dor bem profunda
Subindo o rego da bunda
E atormentando os quadris.

Eu tinha que me render
A tal fitoterapia
Mas uma dúvida atroz
Realmente me afligia
Será que o tal picão
É cipó ou solução?
A gente toma, ou enfia?

Era a dor me consumindo
Era bem grande a aflição
E tinha que ser do roxo
Pra ter efeito o picão
Entrei firme no cipó
Se a dor de mim não tem dó
Não vejo outra solução.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
APURANDO A PUTARIA

Brasília virou celeiro
De vagabundo e ladrão
Estou assistindo ao vivo
Essa guerra de facção
Onde ofensa, xingamento
Se escuta a cada momento
Entre tapa e empurrão.

Eles se tratam por corja
No confronto da cambada
Falam em grana em cueca
Também mala recheada
Outro mostra o pixuleco
Fora Temer ouço o eco
Numa suruba danada.

A balbúrdia é tamanha
Nem parece um parlamento
Um relincha outro dá coices
Coisa mesmo de jumento
Nessa grande esparrela
Tem latido de cadela
Demonstrando seu intento.

Hoje se chama quadrilha
O que um dia foi partido.
O politico engajado
Hoje atende por bandido,
Nosso povo feito gado
Cada dia mais ferrado
Não tem querer é tangido.

Pelos meus versos profanos
Por tudo que é mais sagrado
Quero que cada canalha
Seja réu ou acusado
Quem na verdade é ladrão
E não importa a facção
Pague e seja encarcerado.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
UMA GLOSA

Criança levando bala
Mesmo antes de nascer.

Mote da colunista

Êta Rio de Janeiro
Do meu São Sebastião
Rogo sua proteção
A você Santo Guerreiro
Por favor, venha ligeiro
Para o povo proteger
Não dá mais pra conceber
A violência que abala
Criança levando bala
Mesmo antes de nascer.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
“ERA SÓ MAIS UM SILVA…”

Ele “era só mais um Silva”
Que a este mundo viria,
No ventre de Claudinéia
A placenta o protegia
Por uma bala perdida
Sua mãe foi atingida
E Arthur não resistiria.

Mas “era só mais um Silva”
Que a violência afetava
Que a falta de segurança
A estatística aumentava
Só mais uma mãe chorando
Nesse Brasil sem comando
Na TV eu comprovava.

A Clebson Cosme Silva
Só resta chorar a sorte
Morte Silva ou Severina
Temos num País sem Norte
Até quando padecer
Morrer querendo viver
Sem poder fugir da morte.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
HOLA!

Foto da colunista

Um cabra não sei de onde,
No meu face apareceu.
Numa língua diferente
Hola! O cabra escreveu,
Porém eu respondi bem
Rola!!!! pra você também
E o canalha escafedeu.

Pra ele ficar com raiva
Naquele dito momento
Eu lasquei no comentário
A foto de um jumento
Mostrando na ocasião
Sua documentação
E dei fim no atrevimento.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
RASGANDO O VÉU

Sonho é só fantasia
Não basta idealizar
Não se perca em pudores
Aprenda a se desnudar
O concreto tem magia
Que adentra e contagia
A quem se permite amar.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
POR UM BRASIL SEM LADRÕES

O povo não acordou
Nem sei se vai acordar
Os políticos safados
Procuram desabonar
A polícia Federal
A justiça no geral
Pra farra continuar.

Eu mesma não gostaria
Confesso não quero ver
Nas próximas eleições
Ficha suja concorrer
No comando da nação
Não quero ter mais ladrão
Botando a mão no poder.

Vejo hoje os políticos
Que se acusam mutuamente
É o sujo e o mal lavado
Batendo sempre de frente
Sei que é difícil escolher
E nem sei se chega a ter
Um politico decente.

Eu falto é morrer de rir
Vendo só essa esparrela
A disputa entre colchinha
Arengas com mortadela
Mas a verdade de fato
O povo é quem paga o pato
E o país se desmantela.

Não boto minha mão no fogo
Para defender bandido
Digo com todas as letras
Não me interessa o partido
Só minha pátria defendo
Mas pelo que estou vendo
Meu país está perdido.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SAUDADE

Saudade é a pior ferida
No peito de um infeliz.
Vem numa pequena cena
Ou em algo que alguém diz.
Se inflamada dói e arde,
Mas não mostra cicatriz.

Ismael Gaião

Minha mãe sempre dizia
Que ouviu alguém dizer:
“Que a saudade é uma dor
Mas não é dor de doer
É vontade de lembrar
Com vontade de esquecer”

Dalinha Catunda


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
OS INJUSTIÇADOS

Nunca vi tanta injustiça
E tanta perseguição
Com o pobre inocente
Que presidiu a nação
Agora feito Jesus
Que carregou sua cruz
Sofre com a provação.

Seus amigos estão presos
É triste a situação
Mas ele nunca fez parte
Desta suja facção
É só um injustiçado
Com o nome enlameado
Sem motivo e sem razão.

Isso serve para Cunha
E para Aécio também
Para Dirceu, para Temer,
Que são homens de bem
A justiça brasileira
É de fato bem fuleira
E não respeita ninguém.

O Moro tem sido algoz
E ao mesmo tempo infeliz
Bateu o seu martelo
Com o poder de Juiz
Sem provas pra comprovar
Botou foi para lascar
E assim condenou Luiz.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
PARCERIA DE GLOSAS

É melhor viver sozinho
Do que mal acompanhado.

Mote: Ditado popular

Não há nada nesta vida
Que cause mais dissabor
Do que dedicar amor
A gente prostituída
Quando a alma é corrompida
O corpo é contaminado
Nunca dá bom resultado
Comprar ou vender carinho
É melhor viver sozinho
Do que mal acompanhado.

Gregório Filomeno

Chegou cheio de exigência
Só queria ser as pregas
Não era de cumprir regras
Fui perdendo a paciência
Sua falta de decência
Fez com que fosse chutado
Quando saiu do meu lado
Fez comentário mesquinho:
É melhor viver sozinho
Do que mal acompanhado.

Dalinha Catunda


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
GLOSA

Só sete palmos de chão
É tudo que vamos ter.

Mote de Antônio Cassiano – Glosa desta colunista

Amor é coisa divina
E não tem como negar
Quando decide chegar
O coração contamina
Não adianta vacina
Isso devemos saber
Quem tem amor pra viver
Aproveite a ocasião
Só sete palmos de chão
É tudo que vamos ter.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
TROCA DE VERSOS

Também sou menino
Curumim brasileiro
Inquieto, arteiro
Seguindo o destino
Guri nordestino
Criança crescida
De alma atrevida
Em plena alegria
Fazendo poesia
De bem com a vida!

Jesus de Ritinha

Também sei cantar
Eu sou cunhatã
Eu canto a manhã
Vendo o sol raiar
Corro a traquinar
Em meio a campina
Criança, menina,
Alegre e brejeira,
Versejo faceira
Essa é minha sina.

Dalinha Catunda


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
NA REDE DA SAUDADE

Fui lá pra ver se te via
Voltei sem te avistar
Até gritei, ô de casa!
Sem a resposta escutar
Mas vou voltar outro dia
Quando a saudade apertar.

Pra não perder a viagem
Minha rede vou levar
Vou armar no teu alpendre
Nela vou me balançar
Até a boca da noite
Ou até o galo cantar.

Porém se eu cair no sono
Me acorde, por favor,
Quero embalar a paixão
Sem tramela e sem pudor
Quero o gemido da rede
No grito do armador.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
ÉGUA!!!! QUE FRIO!!!

Eu que sou filha do sol
Amo o calor do sertão
Me vejo toda embrulhada
Com frio nesta estação
Chego até sentir tremor
Debaixo do cobertor
Que não resolve a questão.

Boto meia boto toca
E pijama de flanela
Tranco meu apartamento
Fechando porta e janela
E antes de me deitar
Faço chá para tomar
O de maçã com canela.

Na hora de tomar banho
Eu só tomo banho quente
Antes de entrar no chuveiro
Eu já vou batendo dente
Se esse frio não passar
Pro meu sertão vou voltar
Não tem diabo que aguente.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
AS TRAMAS DO OLHAR

Enfeitei aquele amor
Com o olhar da paixão
O que eu via era sagrado
Em minha concepção
Depois que rompi a teia
Vi o castelo de areia
Desmoronado no chão.

Fiz d’uma simples tapera
Meu castelo imaginado
Da cachaça com limão
O vinho mais cobiçado
Fiz d’um simples peregrino,
Um sem rumo e sem destino
O meu príncipe encantado.

Mas tudo que arde e queima
É certo ser cinza um dia
Quando a velha venda cai
Desfazendo a utopia
No colo da realidade
Reaparece a verdade
Desmanchando a fantasia.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
GLOSAS

Mote: Marcos Medeiros
Xilogravura: José Lourenço.

Com letras desenho imagens
que traduzem meu viver.
Eu leio para escrever,
além de empreender viagens.
Do mundo vivo às visagens,
busco fazer descrição.
Com métrica e oração,
dou vazão, entro no clima.
Com a chave da boa rima
Destranco meu coração!

Marcos Medeiros

Da letra monto a palavra
Da palavra monto o verso
Componho nesse universo
Estrofes de minha lavra
Quem com versos se apalavra
Mostra sua distinção
Por isso preste atenção
Você que me subestima:
Com a chave da boa rima
Destranco meu coração!

Dalinha Catunda


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
NEM CANTA NEM LARGA A VIOLA

Você diz que canta bem
Tem bico de passarinho
Cala qualquer cantador
Que cruzar o seu caminho
Amigo não leve a mal
Quem canta que nem pardal
Só cisca e caga no ninho.

Você só tem é zoada
Não passa dum fanfarrão
Só faz barulho e mais nada
Eu cheguei à conclusão
Não toca bem a viola
Na rima sempre se atola
Erra a metrificação.

A sua voz é fanhosa
Pois só sai pelo nariz
O povo não compreende
Aquilo que você diz
Porém só quer ser as pregas
Inda manga dos colegas
Com seu deboche infeliz.

Para cantar com você
Mesmo que seja sabido
Quem sabe esquece o que sabe
E logo fica perdido
O pensamento se enrola
Não sai nada da cachola
Só sendo doido varrido.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
QUE SÃO JOÃO NÓS TEMOS?

Hoje o nordestino pede
De volta o seu São João
Porém vejo que esqueceu
De cultivar tradição
Em busca de novas trilhas
Trocam as velhas quadrilhas
Por luxo e ostentação.

As quadrilhas são temáticas
Perderam a singeleza
Se apresentam com requinte
No cortejo tem princesa
Na verdade já descamba
Para uma escola de samba
Competindo com riqueza.

Numa vestimenta cara
O farto brilho conduz.
No cabelo penteado
Custoso adorno reluz.
Aquela festa brejeira
Onde brilhava a fogueira
Só a cinza se reduz.

Cadê o velho São João
Festejos de antigamente
O casamento matuto
Com jeito de nossa gente
A dança e a simpatia
Que no passado havia
Agora é tão diferente.

Não tem mais chapéu de palha
E nem camisa estampada
O homem não usa mais
Sua calça remendada
A canção de Gonzagão
Já não anima o São João
Vejo a coisa bem mudada.

Nas quadrilhas não tem mais
Nossa cabocla bonita
Com as pintinhas na cara
Com seu vestido de chita
Com seu cabelo trançado
Na trança de cada lado
O seu lacinho de fita.

Quem quer o São João de volta
Exercita a tradição
Preserva sua história
Antes da reclamação
Sua cultura propaga
Da memória não apaga
Costumes e tradição.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SANTO ANTÔNIO OU SÃO GONÇALO?

Foto da colunista

Meu querido Santo Antônio,
Não perca oportunidade
De me arranjar um marido.
Estou falando a verdade!
Ou apelo a outro Santo,
Que me faça a caridade.

Há tempos que lhe recorro,
Sem ver qualquer resultado.
Pelo jeito o senhor anda
Desatento ou relaxado.
Ou tendo tantos pedidos,
Foi deixando o meu de lado.

Acho que o senhor é mesmo,
Um santinho do pau oco.
Eu peço, suplico, imploro
Só ainda não dei soco
Para atender meu pedido
E me tirar do sufoco.

Só que agora eu descobri,
Que o senhor tem concorrente.
Um santo casamenteiro,
Que é menos exigente,
Que se chama São Gonçalo,
E é muito eficiente.

Diz o povo que ele casa
Mulher de qualquer maneira:
A donzela, a desquitada,
Viúva e até mãe solteira,
As que já passaram da idade,
E quem é raparigueira.

Por isto, meu Santo Antônio,
O senhor preste atenção:
Me arrume um bom casamento,
Ou mudo de devoção.
Vou procurar São Gonçalo
Já cansei de embromação

Não há solteira que aguente,
Essa sua lentidão.
São Gonçalo desempenha,
Muito melhor a função,
E por não ser exigente
É veloz na solução.

Santo não faz diferença
Na hora do matrimônio.
Me arranjo com São Gonçalo,
Se vacilar Santo Antônio
Se eu ficar no caritó
Faço o maior pandemônio.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
HORA DO QUEIMA

É junho, é fogo é fogueira,
Incendiando a nação
E na dança das quadrilhas
É hora de animação
Dilma e Temer formam par
A Chapa vai esquentar
Na dança da Cassação.

Quem entrou de braços dados
Assim tem é que sair
Sempre foram aliados
E não há como omitir
Nessa dança das cadeiras
Já chega de brincadeiras
Quem se queimou tem que ir.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
RODA DE GLOSAS

Só faz do jeito que eu faço
Se for poeta também.

Mote: Silvano Lyra

Tenho sido refratário
Nessa olaria do verso
Suplanto todo reverso
Sem me sentir temerário
Resisto a todo cenário
Calor não me faz refém
Termicidade mantém
Meu nome nesse regaço
Só faz do jeito que eu faço
Se for poeta Também!

Silvano Lyra

Sou doida por cantoria
Desde os tempos de menina
Essa moda nordestina
É coisa que me arrepia
Faço versos todo dia
E não falo com desdém
Mas meu verso quando vem
O meu ego satisfaço
Só faz do jeito que eu faço
Se for poeta também.

Dalinha Catunda

Não sei fazer improviso
Sou poeta de bancada
Pra não ficar atolada
Não perturbar meu juízo
Faço o verso mais preciso
Eu não sei se faço bem
Só sei que vou mais além
Voando por esse espaço
Só faz do jeito que eu faço
Se for poeta também.

Vânia Freitas

Sempre me entrego a paixão
Nos braços do meu amor
Mostro todo meu fervor
Sei atiçar emoção
Meu verso vira canção
Na hora que me convém
É a trilha do vaivém
De quem sabe apertar laço
Só faz do jeito que eu faço
Se for poeta também.

Dalinha Catunda

Mote de Silvano Lira
Dalinha, firme, glosou
Vânia Freitas decolou
Como fibra de embira
Duas jóias de safira
Que a métrica segue bem
Só recebem nota cem
Que é preciso ter compasso:
Só faz do jeito que eu faço
Se for Poeta também!

Bastinha Job


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
FUMO NA CARNIÇA

Hoje trinta e um de maio
É o dia mundial
Sem tabaco instituído
Pois o tabaco faz mal
O povo disso é ciente
Mas no Brasil do presente
O fumo já é viral.

Diante da roubalheira
Que aflige essa nação
O país contaminado
Virou antro de ladrão
E nossa gente sem rumo
É quem mais entra no fumo
No palco da corrução.

Tudo isso se agravou
No estouro do mensalão
Pra ficar mais complicado
Explodiu o petrolão
Desbaratando os bandos
Políticos nos comandos
Degradando essa nação.

As brigas no senado
Mostram falta de respeito
Do político anarquista
Pelo nosso povo eleito
Incendiando a nação
Insuflando a multidão
E querendo ter direito.

É o lixo e o monturo
É o sujo e o mal lavado
Um acusando o outro
Cada qual mais descarado
Só espero que a justiça
Bote em cana essa carniça
Que empesteou a nação.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SOU SEM GRUPO

Eu acho muito engraçado
Bem irônico esse papel
Vejo gente no cordel
Sem entender do riscado
Mandando ficar calado
Quem expõe seu pensamento
Falando deste momento
Que assola toda nação
Tolher não é solução
É só falta de argumento.

Quem de paraquedas cai
Numa instituição
Ser a dona da razão
É coisa que não atrai
Quem direito subtrai
Negando a democracia
Somente atrai rebeldia
Nesse grupo entro não
Essa é minha opinião
Muito obrigado e bom dia

Foto da colunista


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
O MENSAGEIRO DO NORDESTINO

1
A musa peço licença,
A Deus pai inspiração,
Recorro também a nossa
Senhora da Conceição,
Para passar com meu verso
Adentrar nesse universo
Onde reinou Gonzagão.

2
Luiz Gonzaga nasceu
Dia de Santa Luzia.
Lá no céu uma estrela
Brilhou quando o rei nascia.
Ele viveu seu reinado
Como ser iluminado
Mensageiro da alegria.

3
Foi o velho Januário
Que seu nome escolheu.
Em homenagem a Santa
Esse nome recebeu.
O filho de Ana Batista
Brilhou muito como artista,
E chegou ao apogeu.

4
Pela sua trajetória
Luiz hoje é lendário.
A história do forró
Escreveu em seu fadário.
Amava seu pé-de-serra,
E a sua querida terra,
Chamava de relicário.

5
Com triângulo e Zabumba,
Sua voz virou rotina.
Viajou pelo Brasil,
Com a sua concertina.
Propagou xote e xaxado,
Andando pra todo lado,
Com a verve nordestina.

Clique aqui e leia este artigo completo »


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SEM RÁDIO E SEM NOTÍCIA DAS TERRAS CIVILIZADAS

Enquanto pegava fogo
Esse nosso cabaré
Terra de muito Batista
E de pouca Salomé
Eu estava no sertão
Comendo milho e baião
E tirando ata do pé.

Não vi a tal da suruba
Na delação da propina
Eu curtia a invernada
Como boa nordestina
O Brasil com sua cruz
E eu comendo cuscuz
Sem chorar a minha sina.

Era cantiga de grilo
Era sapo a coaxar
De dia tapa em mutuca
De noite vou lhe contar
Era tapa em muriçoca
No alpendre só fofoca
E café para tomar.

Porém agora voltei
Para a civilização
Morada da putaria
Reino da esculhambação
Aonde é cega a justiça
E tudo cheira a carniça
Brasil em putrefação.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
CHAPA PODRE

Não poderia prestar
Quem com Dilma se aliou,
Pois em merda se atolou
E não é de admirar
Só faltava incorporar
Elementos da facção
Mas com tanta delação
E vendo as mais recentes
Já temos dois presidentes
Candidatos à prisão.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
MÃE SER ESPECIAL

Imaginem como sofre
Aquela mãe passarinho
Que incentiva seu filho
A largar o próprio ninho
Ajudando a criar asas
Para seguir seu caminho.

Na hora que o filho voa,
Pra alívio do coração,
Apossa-se de um rosário,
Vai debulhando oração
Pedindo em cada conta
Que Deus lhe dê proteção.

A mãe é igual a fera
Que acode o filho querido.
É bem capaz de matar
Pro filho não ser ferido.
E vive lambendo a cria
Que se sente protegido

Dá limite é obrigação,
De toda mãe consciente.
Porém nem sempre é assim,
Que o filho podado sente.
Mas pecar pelo excesso,
É coisa de mãe presente

Não é sempre que se acerta
A receita ou a mão
Para aplicar com destreza
A eficaz correção,
E se temos que pecar,
Não seja por omissão.

Existem mães que não têm,
Dos filhos a compreensão.
Ao vê-los bem sucedidos.
Sossegam o coração,
Pois sabem que com certeza
Cumpriram sua missão.

Mãe, mulher especial.
Essa é minha tradução.
Muitas vezes é severa,
Noutras é só coração,
Muitas vezes aclamadas
Noutras renegadas são.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SINA DE MARIA IV

Jamais chore a minha sorte
Se você não me poupou
Se a mim não foi fiel
Se com outra me enganou
Se no decorrer da vida
Deixou minha alma ferida
O que me martirizou.

Não exija um respeito
Que nunca teve por mim
A vida tem vídeo-taipe
Modernidade é assim
Reveja nosso passado
Pois ele não está lacrado
Nele ninguém dará fim.

Não bata no peito e diga
Que chegou a me amar
Não soube me proteger
Não soube me resguardar
Eu cumpri o meu papel
Porém você foi cruel
Não defendeu nosso lar.

Não seja tão teatral
Nem chore no meu caixão
Eu já conheço de cor
O ator e a atuação
Já vivi tão desolada
Deixe- me ir sossegada
Tenha por mim compaixão.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
O PAI DA TRANSPOSIÇÃO

Escorre com seu lamento
O Chico tão disputado.
Que teve em seu traçado:
Falsificado orçamento,
O superfaturamento,
Fraude na indenização,
Que saiba a população
Lembrar não é proibido:
É pai em todo sentido
O pai da transposição.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SIMPLESMENTE OUTONO

Foto da colunista

Um resto de sol se esconde
Na tarde que já findou.
A brisa ronda meu corpo
Seu bafejo me inspirou.
Morre o dia e vem a noite
Neste outono que chegou.

A zanga do sol se abranda
E a vida muda de cor.
Sou árvore perdendo folhas
Mas sinto novo sabor.
Pra cada folha caída,
Nova folha irei repor.

Outono hora de mudança,
Tempo de transformação.
Momento de se aprender
A cantar nova canção.
Onde os acordes emanem
Do fundo do coração.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SEM CARNE E SEM PAPELÃO

VOU LOGO AVISAR:

Prefiro comer Preá
Galinha,Camaleão,
Tripa de Bode,Jabá
Ou um bife do Oião
Rolinha,Curimatã
Carne de Teiú e Rã
Passarinha,Camarão,
Ou espetinho de Gato.
Só não ponha no meu prato
Mistura com papelão.

Rainilton de Sivoca

* * *

EU VOU AVISAR TAMBÉM:

Depois dessa confusão
Só sirvo bicho de asa
Carne aqui em minha casa,
Não deixo entrar mais não
Vou mudar a refeição
Novos tempos novo rito
Já pelei o periquito
A rola já ta na mão
No fogo e na pressão
Faço um rango sem atrito.

Dalinha Catunda


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
CARNE MIJADA

Seu José chegou em casa
Doidinho para almoçar
A mulher mais que depressa
Acabou de preparar
E quando botou na mesa
Ela teve uma surpresa
Ele não quis degustar.

Mulher eu vou lhe dizer
E preste muita atenção
Carne eu não como mais
Pode ir fazer um baião
Carne anda adulterada
Não como carne estragada
Inda mais com papelão.

A mulher aborrecida
Logo quis ficar zangada
Ele levantou a voz
E ela ficou calada
Uma coisa vou dizer
Carne aqui eu vou comer
Só se for carne mijada.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
SURUBA NO CABARÉ

Valei-me meu São Francisco
Das Chagas de Canindé
Sou uma mulher devota
É bem grande a minha fé
Proteja nossa nação
Pois sem sua proteção
Vai virar um cabaré.

A meu “Padim Pade Ciço”
Eu peço discernimento
Pra falar duma suruba
A notícia do momento
Mesmo sem ser convidado
O povo foi enrabado
Na onda do movimento.

Tudo isso aconteceu
Na terra de Santa Cruz
E a orgia foi maior
Do que eu mesma supus
O poder mancomunado
Com o país dominado
Fumo no povo introduz.

Tudo virou sacanagem
Tudo virou putaria
A propina que rolava
Aos poucos se descobria
Com a tal da delação
Já surgiu tanto ladrão
Que a lista me arrepia.

No cabaré da Banânia
Na suruba nacional
Quando a coisa ficou feia
Já surgiu a federal
Quem escondido comia
E entrou na anarquia
Essa lista foi fatal.

O jogo da sacanagem
Agora tá empatado
Não adianta se alterar
Entre o sujo e o mal lavado
E entre cada facção
Navega nossa nação
Com rato pra todo lado.


www.cantinhodadalinha.blogspot.com
GLOSAS

Quem botou Temer pra dentro
Não pode botar pra fora.

Mote de Gregório Filomeno

* * *

Desde o velho MDB.
Em bons políticos votei
Em Collor, Temer, Sarney
Quem votou foi o PT.
Não sei agora porque
Surgiu esse arranca e tora
Nesse fuzuê de agora
Nem de brincadeira eu entro
Quem botou Temer pra dentro
Não pode botar pra fora.

Gregório Filomeno

Foi com Temer abraçada
Que Dilma subiu a rampa.
Feito panela com tampa
A dupla andava encangada.
PT na mesma jogada,
Essa união Comemora,
Agora a facção chora…
E no mote eu me concentro:
Quem botou Temer pra dentro
Não pode botar pra fora.

Dalinha Catunda


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa