(escrito sob o pseudônimo de Vassili Gubarov)

Desde meus primeiros passos como juiz, logo percebi que a sala de audiências é um lugar mágico, onde se misturam verdades e mentiras, mas também se revelam sentimentos os mais diversos. Temores, ódios, paixões, tudo vem à tona quando menos se espera.

Digo isso a propósito de uma audiência que presidi há muitos anos, quando era juiz de uma vara criminal em Fortaleza. Antes de entrar na sala de audiências, dei mais uma olhada no processo para o qual estava agendado o interrogatório. Só então percebi a idade do réu: setenta e quatro anos. O detalhe me chamou a atenção, pois não é comum pessoas dessa idade saírem por aí tentando passar dinheiro falso. E era esse o crime do qual o senhor Manoel Antonio dos Santos era acusado, o do art. 289, § 1º, do Código Penal: guardar ou introduzir em circulação moeda falsa.

Pensei nisso por alguns instantes, mas logo entrei na sala onde todos me aguardavam. O procurador da República, a assistente de audiências, o defensor público e o senhor Manoel. Estava tudo pronto para começarmos o interrogatório.

Seu Manoel não aparentava os setenta e quatro anos que tinha. Era um homem de estatura mediana, moreno, magro, com postura de quem tinha muito vigor. Os cabelos muito negros deixavam transparecer que os pintava. O bigode também. Usava óculos escuros que o defensor apressou-se em pedir que tirasse. Doutor Queiroz sabia que eu gostava de ver os olhos dos réus enquanto os interrogava.

Cumprimentei a todos e comecei a explicar ao réu como a audiência deveria acontecer. Seu Manoel prestava atenção. O olhar demonstrava respeito e humildade:

– Está entendendo tudo, Seu Manoel? – perguntei, como de costume.

– Sim, senhor. Estou entendendo, sim, senhor.

Enquanto explicava, pensava em como um cidadão daqueles ia parar ali, na frente do juiz, respondendo pelo crime de moeda falsa. Afinal, a experiência havia me ensinado que aquele é um delito que requer certa frieza – para não demonstrar nervosismo na hora de passar as notas falsas adiante – e alguma relação com a parte mais organizada do mundo do crime. No mínimo, algum contato com o fabricante ou fornecedor das cédulas. Não é como uma lesão corporal, ou mesmo um homicídio, que se pode cometer por um impulso, em um momento de perda do controle emocional.

Comecei a fazer as perguntas:

– Bem, Seu Manoel, de acordo com a denúncia, o senhor foi até uma mercearia e comprou um litro de cachaça, pagando com uma nota de cinquenta reais, mas o dono da mercearia desconfiou e perguntou a um rapaz que estava lá se a nota era falsa. Foi assim mesmo?

– Foi, sim senhor.

– Bem, então, como o rapaz não soube dizer se a nota era falsa, o comerciante pediu a um garoto que estava ali, que chamasse um policial que mora perto da mercearia, para que o policial visse a nota. O senhor confirma que foi assim?

– Desse jeito mesmo. Aí o rapaz da polícia veio, olhou a nota, esfregou e disse que o dinheiro era falso. E era mesmo. Isso eu não vou negar para o senhor, não.

 

– Mas, o senhor sabia que a nota era falsa?

– Sabia, sim senhor.

A segurança e a tranquilidade do homem me impressionavam. Cheguei a achar que ele não havia entendido a pergunta. Refiz:

– Mas, Seu Manoel, me diga uma coisa: o senhor sabia que o dinheiro era falso, desde o momento em que foi ao comércio comprar a cachaça, ou o senhor quer dizer que ficou sabendo depois que o policial falou?

– Não, doutor juiz, eu sabia desde o começo. Quando o homem da bodega disse que ia chamar a polícia, eu fiquei só esperando ele descobrir… Aí ele, com a experiência dele, viu e me deu voz de prisão. Mas, naquela hora, eu estava só esperando ser preso mesmo.

– E o senhor já tinha costume de passar dinheiro falso?

– Tinha não, doutor, foi a primeira vez. Mas, deixe eu lhe dizer uma coisa: eu, naquele tempo – que está fazendo três anos agora, não é? – naquele tempo eu andava assim meio doido… Pra mim não importava nada não, tanto fazia eu ficar preso como ficar solto… Eu queria era beber cachaça até me acabar mesmo. Aí eu tava procurando um jeito de beber mais, porque meu dinheiro já havia acabado, e, em um bar que havia lá perto, eu pedi a um rapaz que estava tomando uma cerveja, que me pagasse uma “meiota”, quer dizer, uma garrafa dessas de refrigerante cheia de cachaça. Aí ele me deu aquela cédula de cinquenta e disse: “Olha, véi, vai lá naquela bodega da outra esquina e tenta comprar um litro de cachaça com essa nota, que, se tu conseguir passar ela, tu pode ficar com a cachaça. Aí o troco tu traz pra mim”. Nessa hora, eu vi logo qual era a proposta dele…

– E mesmo assim aceitou?… – perguntei interessado.

– Aceitei, doutor! Eu queria era a cachaça. Eu não estou lhe dizendo, que eu não tava me importando no que ia dar? Eu tava perdido, doutor. Pra mim, tanto fazia eu me acabar em cachaça como ir pro xadrez.

Olhei para o defensor e percebi em seu semblante um ar de surpresa diante da sinceridade do homem ao fazer aquela confissão. O procurador da República também se espantava e me olhou erguendo os ombros. Senti que todos queríamos saber mais sobre como tudo acontecera. Eu ainda não havia ditado uma só resposta para a assistente, mas prossegui com as perguntas, em parte confiando em minha memória, em parte por pura curiosidade:

– Seu Manoel, mas houve alguma coisa que deixou o senhor assim, desgostoso da vida? Eu pergunto por que o senhor demonstra ser um homem decidido com suas coisas, que sustenta o que diz, disposto… Aliás, é bem jovem para sua idade. Não parece uma pessoa assim desgostosa…

– Não, doutor, eu sou assim mesmo, como o senhor está dizendo. As minhas coisas sempre foram muito corretas e, graças a Deus, o erro que cometi eu estou aqui é pra pagar mesmo. Agora, se eu disser para o senhor que eu estava “no meu normal” naquele tempo, eu vou estar mentindo, porque, depois que aquela desgraçada foi embora… Ave Maria, me desmantelou demais…

– Ah, tinha mulher no meio!? – perguntei quase afirmando.

– Ora se tinha, doutor! Mulherzona bonita, nova, trinta e oito anos de idade. Para um velho de setenta como eu, era uma perdição. Aquela ali, quando eu vi que deu certo pra mim, eu nem acreditava. Botei logo dentro de casa. Aí, tudo que ela quisesse tava à disposição dela. Nem que eu gastasse minha aposentadoria todinha, pra mim estava bom. Só que a danada era sem-vergonha, doutor. Só queria que eu desse as coisas para ela, mas, em toda oportunidade que tinha, me traía com uns rapazes mais novos. E não era só com um, não, era com tantos aparecessem. Se ela se engraçasse do rapaz, ela ia mesmo. Eu até falei sério com ela uma vez: “Olha, Dorinha, se você quer ter suas saídas com algum rapaz, eu entendo, porque eu sou um homem velho e não dou conta de você, que é nova. Mas você ficar saindo assim, com um e com outro, não está certo. Você parece que não se valoriza…”. Mas ela não tinha jeito, não. Só fazia me abraçar e dizer: “Que é isso, meu véi? Não fique com raiva de mim não”. Aí continuava do mesmo jeito. Eu também não dizia mais nada, senão ela podia se zangar e ir embora. Apesar que nem adiantou, porque acabou aparecendo um que ela quis mesmo, pra valer, e ela foi embora com ele. Aí foi quando eu me desmantelei de vez…

Quando ele chegou nesse ponto da narração, percebi que seus olhos marejaram. Instintivamente, suas mãos procuraram os óculos escuros que estavam sobre a mesa, mas, parecendo lembrar a recomendação do defensor – para não usar os óculos – deixou-os novamente onde estavam. Tentei ajudar:

– Pode por os óculos, Seu Manoel – disse.

– Precisa não, doutor. Obrigado. A gente às vezes fica assim meio envergonhado porque sempre aprende que o homem não deve chorar, mas  eu não posso ter vergonha do meu sentimento por ela não, porque, graças a Deus, o tempo que eu tive com ela foi muito bom. Essas coisas todas que eu passei depois, de ter sido inclusive preso, foram culpa minha mesmo. Eu, com setenta e um anos quando ela foi embora – porque ela ficou comigo um ano e um mês – deveria saber que uma mulher nova e bonita daquela não ia querer ficar com um velho como eu…

A essa altura, todos na sala de audiência estavam emocionados. Tentando dar mais leveza à situação, resolvi fazer um comentário jocoso sobre o romance:

– Seu Manoel, que situação!… Mas, eu tenho impressão, assim, pelo jeito do senhor falar, que se ela voltasse, o senhor queria…

– Na hora, doutor! – disse ele, sem titubear – Na hora! Se aquela desgraçada voltasse, seria a maior alegria pra mim! E o cantinho dela está guardado lá em casa. Ave Maria de eu ter uma felicidade dessas!

Sorrimos todos, inclusive ele. Passei a ditar o depoimento para a assistente e dei continuação à audiência. O Procurador da República não quis perguntar nada. Pediu dispensa das testemunhas e propôs a condenação pela pena mínima, com substituição por prestação de serviços à comunidade. A defesa concordou. Seu Manoel disse que o que fosse decidido estaria bom para ele. Queria pagar pelo que fez.

E assim foi feito. Resolvemos o processo em um tempo recorde e o senhor Manoel Antonio dos Santos saiu dali aliviado, pronto para cumprir o que fora determinado. Depois disso, nunca mais ouvi falar dele.

Mas, ainda hoje lembro daquela audiência e da emoção daquele homem de setenta e quatro anos de idade, falando da grande paixão de sua vida. De como ela o levou ao céu e ao inferno. E do quanto estava pronto para vivê-la ainda mais um pouco, apesar de todos os riscos que certamente traria.

Bem aventurados os que vivem ou já viveram uma grande paixão.

Compartilhe Compartilhe

6 Comentários

  1. João Paulo Farias disse:

    Ótimo!!!!

  2. Cicero Cavalcanti disse:

    muito bom mesmo…adorável!

  3. Marcos Mairton disse:

    Obrigado, amigos. Assim, fico mais estimulado a contar esses causos da vida forense.

  4. JOSÉ SILVA disse:

    Bonita narração. Existe sempre uma maneira de se ajudar o próximo. Talvez se fosse usada a rigidez habitual dos processos dessa natureza, o final teria sido bem mais infeliz para o réu, que enveredou por aquele caminho, pelas circustâncias apontadas na narração. Parabens.

  5. Dalinha Catunda disse:

    Sua prosa, prende, encanta e nos deixa com vontade de voltar.
    Um abraço,
    Dalinha

  6. André Lima disse:

    O interesse pelas entrelinhas, no incitar curioso de humanidade, traduz as circunstâncias vividas que se ocultam em meio às frias palavras delineadas em laudas tão objetivas que fogem à própria essência humana, a vastidão dos sentimentos e suas implicações.
    A verdade é uma… para cada um de nós e, para quem a vive, pode ir muito mais além.
    Parabéns pelo interesse e atitude.

Deixe o seu comentário!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa