Airô Barros

Cantora, compositora, pintora e poeta, Airô Barros, aos 8 anos, já era responsável por aprender canções e ensinar para os alunos do Colégio Nossa Senhora de Lourdes, em Palmares-PE, onde foi interna por 8 anos.

Antes de completar 15 anos, já cantava em casamentos e festas comemorativas, além de recitar poemas.

Pós-graduada em Artes pela UNESP, tem vários quadros selecionados em salões de arte. Tanto a capa do livro, quanto à capa do “CD – Terra em Transe” são de sua autoria.

“A Natureza das Coisas”, de Aciolly Neto, Arranjo de Fernando Merlino, com Airô Barros

Airô nasceu em 28 de agosto de 1962, no município de Capoeiras-PE. Fez violão no Conservatório Pernambucano de Música, além de ter estudado Teoria Musical na Ordem dos Músicos do Brasil. Costuma dizer que “como violonista, é uma boa cantora”.

Aluna de canto de Sonia Campos, Cecília Valentin, Maria Alvin e Paulo Menegon. Participou dos corais de PUC, CUCA, e do Coral da FESP. Tem pós-graduação em Artes pela UNESP-SP.

Iniciou a carreira profissional, em 1985, em show na Casa da Cultura do Recife.

Depois disso começou a cantar na noite. Mas para Airô, “cantar na noite é andar para trás. Os donos de bar, de um modo geral, querem sempre levar vantagem em cima do grupo musical. Uma vergonha. Agora só me apresento em locais, quando fechamos um valor antes e combinamos que o receberemos no final da apresentação”.

“Terra em Transe”, de Gladir Cabral, com Airô Barros

Natural de Pernambuco, é uma andarilha por vocação, levando sua arte Brasil afora. Além de São Paulo, Airô tem raízes também fincadas também no Paraná.

Artista múltipla, que passa pelo canto, composição, artes plásticas e poesia, torna-se um alento, em tempos barulhentos, ter sua voz mansa, clara e madura.

“De Volta pro meu Aconchego”, de Dominguinhos e Nando Cordel, com Airô Barros

Semana que vem, tem mais…

Fontes:

Cana Musical;
Ritmo Maelodia;
Wikipedia;
Youtube;
Acervo pessoal

18 Comentários

  1. Eva disse:

    Quincas. Justíssima homenagem ! Cantora, compositora, pintora e poeta! Artista com “A” Maiúsculo. Confesso desconhece-la

  2. Carlos Eduardo disse:

    Quinca, mano,

    Matéria maravilhosa.
    Canções, cantora e instrumentistas de escol.

    Obrigado pelos momentos que me proporcionou.

  3. Jorge Macedo - Recife - PE disse:

    Conheci o avô de Airô, o fazendeiro “Mané Grande”. Quando jovem tirava minhas férias escolares em Capoeiras e São Bento do Una.
    Ele era compadre e vizinho de Aires Belarmino que após vender a fazenda foi morar em Recife e era visita constante em nossa residência no Bairro de São José, e batia longos papos comigo e com meu pai, conhecido como Cabôclo Nemézio! Grandes recordações!

  4. Airô Barros disse:

    Fiquei feliz com o carinho dessa entrevista. Valeu d+! Cheirin… Airô

  5. Cícero Tavares disse:

    Bela homenagem, Quincas!

    Como sempre, o nobre colunista valorizando os talentos que não aparecem na mídia! Ainda bem que existe o JBF para a gente reconhecer esses valores!

  6. Cardeal Xico Bizerra disse:

    Conheci seu trabalho através de um amigo comum, Ricardo Ribeiro, e encantei-me à primeira vista. Imediatamente pedi os trabalhos dela que estavam disponíveis na Cultura. Já recebi um deles, o CD PAUSA, que nao consigo tirar do carro. Impressionante como se escondem granbdes taletos no meios desse Brasilzçao de meu Deus. Vale a apena conhecer a arte e o talento de Airô. Digo por experi^3ncia rópria

    • Airô disse:

      Xico lindrin, nossa aproximação é privilégio pra mim. Quero ter o prazer de por minha voz nas suas belas composições, pois você, sensível e inspirado como é nós motiva a cantar e cantar e cantar… forever!!! Cheirin

    • Quincas disse:

      Xico, minha melhor referência poético-musical atual do Nordeste, se até tu confessas um reconhecimento temporão deste talento, então estou ancho – como diria Berto – de saber que estou chegando mais longe do que imaginava….

  7. Jairo Juruna disse:

    Salve Airô: Gostei muito!

  8. Rejane Ferreira disse:

    parabéns para ela!

Deixe o seu comentário!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa