28 junho 2013DÚVIDA ATROZ



O primeiro item da agenda da presidenta Dilma Rousseff, nesta sexta-feira, foi um encontro com um grupo de supostos “representantes” das manifestações que ocorrem em todo o País. O grupo é formado por jovens militantes do PT e do PCdoB, partidos que integram a base de apoio ao governo federal, ligados a entidades que têm tentado inutilmente assumir a liderança dos protestos.

Exibindo a perplexidade que se vê nos rostos do governo, os ativistas representaram entidades como CUT e MST, que são controlados pelo PT, e UNE (União Nacional dos Estudantes), aparelhada pelo PCdoB, que não apenas não estiveram na origem do movimento, como têm sido até expulsos de manifestações das quais tentam tirar proveito político.

A UNE, por exemplo, só deu as caras nas ruas nesta quinta-feira (27), quando reuniu em Brasília cerca de quinhentos pessoas, a maioria adolescentes arregimentados pela Ubes (de estudantes secundaristas igualmente aparelhada pelo PCdoB), após doze anos de omissão, mediante generosas contribuições do governo Lula, com dinheiro público, aos cofres da entidade.

Teatrinho

Tabacudos vermêios, ceguinhos dos três olhos, falando miolo-de-fossa no Palácio do Planalto

* * *

Estou aqui num dilema terrível…

Eu não sei qual das duas entidades é mais fela-da-puta e cara-de-pau.

Se a incompetentíssima e teleguiada Presidanta Dilma ou se este grupo de jovens embusteiros zisquerdistas picaretas.

Na dúvida, estabeleço que todos são consumidores, em grandes doses, de óleo de peroba.

Vão ser caras-de-pau assim na Casa do Caralho!!!!

oopp..

Compartilhe Compartilhe

17 Comentários

  1. HAROLDO CARNEIRO LEÃO disse:

    UNE, UBES, CUT, MST….São os denominados “movimentos sociais” chapa branca…

  2. Bráulio de Castro disse:

    Quem era a UNE no meu tempo de estudante, hoje é essa merda omissa.

  3. Laelio Alencar disse:

    Por que todos estão de cabeça baixa???

  4. raimundo barbosa costa disse:

    Papa Berto,
    Muito bem dito! V.Rvdma. deveria tê-los mandado
    para a PQP! O pessoal da une está enterrando a
    história extraordinária que a entidade criou com
    lutas heróicas e absoluta independência.
    Meus respeitos.

  5. Alamir Longo disse:

    Palestra sensacional e mais esclarecedora que já vi sobre o sórdido objetivo do Foro de São Paulo, bem como da real ameaça de instalação do comunismo no Brasil e América Latina. Não deixe de ver.

    http://youtu.be/n9VxhtbynQg

    • Adail Augusto Agostini disse:

      Amigo Alamir:
      Até que enfim alguém toca no assunto “Foro de São Paulo”.
      Eu venho acompanhando esse “Foro” desde a sua criação – cujo primeiro Encontro aconteceu no Hotel Danúbio na cidade de São Paulo, no período de 1 a 4 de julho de 1990 – graças as denúncias de Olavo de Carvalho.
      Desde então, tenho lido tudo a respeito, inclusive as atas dos encontros, que antes eram encontradas no site do Foro, que mais tarde foi apagado da Internet.
      O nome “FORO DE SÃO PAULO” foi adotado na segunda reunião realizada na cidade do México, no período de 12 a 15 de junho de 1991, quando reuniu 68 organizações de 22 países.
      E assim nasceu o FORO DE SÃO PAULO.
      Uma coalizão de terroristas revolucionários, partidos comunistas, partidos de esquerda, enfim, a escória do Continente latino-americano, Caribe e América Central.
      Para dirigi-lo centralizadamente, foi criado um Estado Maior civil constituído por Fidel Castro, Lula, Tomás Borge e Frei Betto, entre outros, e um Estado Maior militar, comandado também pelo próprio Fidel Castro, além do líder sandinista Daniel Ortega e o argentino Enrique Gorriarán Merlo.
      Enrique Gorriarán Merlo foi o fundador do Exército Revolucionário do Povo (ERP) e posteriormente do Movimento Todos pela Pátria (MTP).
      Gorriarán Merlo foi, também, o autor do ataque terrorista em janeiro de 1980 ao regimento de infantaria La Tablada, em Buenos Aires, no qual morreram 39 pessoas, e foi quem encabeçou a esquadra que assassinou Anastásio Somoza em Assunção, Paraguai, em setembro de 1980.
      Organizou a máquina militar do Movimento Revolucionário Tupac Amaru (MRTA), o mesmo que tomou a residência do embaixador japonês em Lima.
      Em 1991, foram elaborados os estatutos do Foro e escolhida uma direção que ficou composta pelo Partido Comunista Cubano (Cuba), Partido da Revolução Democrática (México), Partido dos Trabalhadores (Brasil), Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (El Salvador), Movimento Lavalas (Haiti), Movimento Bolívia Livre e os 6 partidos integrantes da Esquerda Unida (Peru) e da Frente Ampla (Uruguai, uma frente constituída por diversos partidos e organizações, dentro da qual o Movimento Tupamaros é hegemônico).
      Em 1992, a URNG – União Revolucionária Nacional Guatemalteca, que agrupa várias organizações voltadas para a luta armada, foi admitida como membro dessa direção.
      A partir do II Encontro, realizado no México no período de 12 a 15 de junho de 1991, o FORO DE SÃO PAULO passou a ter CARÁTER CONSULTIVO e DELIBERATIVO dos Encontros.
      Isso significa que as decisões aprovadas em plenárias e constantes das Declarações finais passaram, a partir de então, a ser consideradas DELIBERATIVAS, isto é, DECISÓRIAS EM TERMOS DE ACEITAÇÃO e CUMPRIMENTO pelos membros do Foro, subordinando-os, portanto, aos ditames dos Encontros na ação a ser desenvolvida em nível internacional e nos respectivos países.
      Tais deliberações obedecem a uma política internacionalista, com vistas à implantação do socialismo no continente, fato que transfere para um segundo plano os interesses nacionais e fere os princípios da soberania e autodeterminação.
      A Lei Orgânica dos Partidos Políticos (LOPP) e a Constituição da República definem que “A ação do partido tem caráter nacional e é exercida de acordo com o seu estatuto e programa, sem subordinação a entidades ou governos estrangeiros” (artigo 17 da Constituição e item II, artigo 5º da LOPP).
      Isso no conceito dos dirigentes dos países membros do FORO DE SÃO PAULO é letra morta.
      O FORO DE SÃO PAULO foi descoberto por José Carlos Graça Wagner, um advogado paulista e que o denunciou publicamente em 1º de setembro de 1997, em painel realizado na Escola Superior de Guerra, que versava sobre o tema “Movimentos Sociais e Contestação Sócio-Política – a Questão Fundiária no Brasil”.
      Com a sua morte, passou a acompanhar e denunciar a formação “eixo do mal” pelo Foro de São Paulo, o jornalista, filósofo e ensaísta, Olavo de Carvalho, o que lhe custou o emprego no jornal “O Globo” e muitos outros periódicos nos quais era articulista.
      O FORO DE SÃO PAULO permaneceu no mais absoluto anonimato, eficientemente protegido pela mídia brasileira, toda ela engajada no esquerdismo marxista.
      O publico brasileiro, mais atento, somente tomou conhecimento e muito discretamente, quase que imperceptivelmente, por ocasião do 7º Encontro realizado na cidade de Porto Alegre em julho de 1997.
      Foi apenas uma discreta aparição que a imprensa brasileira procurou ocultar por meio da suspensão de todo e qualquer destaque que pudesse levantar suspeitas do que se tratava esse encontro, apesar de presentes 158 delegados, 58 partidos procedentes de 20 países, 36 organizações fraternas e cerca de 400 representantes de partidos e organizações de esquerda do continente.
      No dia 2 de julho de 2005, por ocasião do XII Encontro ocorrido em São Paulo, se comemorou os 15 anos de fundação da organização, com discurso laudatório do, então, presidente Lula cujo trecho selecionado é reproduzido a seguir:
      “Foi assim que nós pudemos atuar junto a outros países com os nossos companheiros do movimento social, dos partidos daqueles países, do movimento sindical, sempre utilizando a relação construída no Foro de São Paulo para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política.
      Foi assim que surgiu a nossa convicção de que era preciso fazer com que a integração da América Latina deixasse de ser um discurso feito por todos aqueles que, em algum momento, se candidataram a alguma coisa, para se tornar uma política concreta e real de ação dos governantes.
      Foi assim que nós assistimos a evolução política no nosso continente.”
      “E é por isso que eu, talvez mais do que muitos, valorize o Foro de São Paulo, porque tinha noção do que éramos antes, tinha noção do que foi a nossa primeira reunião e tenho noção do avanço que nós tivemos no nosso continente, sobretudo na nossa querida América do Sul.”
      “Por isso, meus companheiros, minhas companheiras, saio daqui para Brasília com a consciência tranqüila de que esse filho nosso, de 15 anos de idade, chamado Foro de São Paulo, já adquiriu maturidade, já se transformou num adulto sábio.
      E eu estou certo de que nós poderemos continuar dando contribuição para outras forças políticas, em outros continentes, porque logo, logo, vamos ter que trazer os companheiros de países africanos para participarem do nosso movimento, para que a gente possa transformar as nossas convicções de relações Sul-Sul numa coisa muito verdadeira e não apenas numa coisa teórica.”
      (Discurso de comemoração dos 15 anos do Foro, julho de 2005)
      Ou, como declarou o Marco Aurélio Garcia (codinome “MAG”), um dos principais ideólogos do Foro e assessor especial e orientador do governo para Assuntos Estrangeiros, desde o 1º governo Lula, e até agora no governo Dilma:
      “Temos que dar a impressão de que somos democratas. Inicialmente temos que aceitar certas coisas, porém isso não durará muito.”
      O pior que esse MAG é quem dita – e é obedecido sempre, como devem ser as atitudes e os comportamentos do governo e embaixadores brasileiros, em relação às situações políticas internacionais.
      Isso explica todo os besteirois cometidos pelo Lula e pela Dilma, e seus embaixadores, em suas relações com outros governos “democráticos”(?), sejam da América Latrina, sejam do resto do mundo, principalmente com louvores e demonstrações de grande amizade com ditadores e aprendizes de ditadores do mundo inteiro, desde que sejam anti-americanos.
      A documentação acerca do FORO DE SÃO PAULO jamais teve ampla divulgação, tendo sido inicialmente publicado apenas na edição doméstica do GRANMA, órgão oficial do Partido Comunista Cubano, e no seu site, até que este desapareceu da Internet .
      Na edição internacional nada transpirou.
      Mais tarde, passou a ter algum tipo de noticiário restrito em poucos jornais de alguns países e, até numa revista editada na Argentina chamada “América Libre”, quase de circulação interna, dirigida por Frei Betto.
      Nos jornais brasileiros, a maioria sob o jugo dos esquerdopatas, nada foi, nem é noticiado.
      Mas nos jornais estrangeiros, principalmente os europeus, de uns anos para cá, sempre que há Encontros do Foro, ele é noticiado com alguns detalhes que são transpirados por alguém que “dá com a lingua nos dentes”.
      Me lembro da declaração da jornalista espanhola Maruja Torres sobre um dos Encontros:
      “É a hecatombe dos cínicos somada à conspiração dos néscios.”
      O objetivo do Foro de São Paulo é implantar governos socialistas na América Latina, via eleições “democráticas”, que mais tarde serão convertidos em governos totalitários, a exemplo do modelo cubano em vigor, tudo sob a falsa retórica de “democracia”, tal como eles, os comunistas entendem.
      Seu lema é:
      “Restaurar na América Latina o que foi perdido no Leste Europeu.”
      Isto é, criar uma “União das Repúblicas Latino-Americanas” (URLA), nos moldes da extinta “União das Repúblicas Socialistas Soviéticas” (URSS), e depois expandí-la para o resto do mundo, a começar pela África.
      Isso explica o motivo principal das viagens constantes do Lula à aquelas nações africanas, todas elas ditaduras (às claras ou difarçadas), assim como às árabes, ao Irã, e às da antiga URSS, desde que em princípio sejam anti-americanas e/ou anti-israelenses, o que dá no mesmo para eles.
      Aliás, o sentimento anti-israelense origina-se não por questões religiosas, mas sim porque é a única democracia no meio daquelas ditaduras monárquicas ou civis ou religiosas da região.
      E essa democracia, que no seu parlamento tem representantes inclusive dos árabes que lá habitam, é um péssimo exemplo para as suas ditaduras.
      Daí a idéia de eliminá-la como nação, pois apesar de ter uma força armada – de homens e mulheres – treinadíssima, já o teriam feito se não fosse o apoio político e logístico dos americanos, o que já tentaram em várias guerras desde a criação do estado judeu, às vezes, atacando por todos os lados.
      São tão burros que se aliassem o conhecimento e a tecnologia israelense com as riquezas geradas pelo petróleo árabe, seria a região mais desenvolvida e poderosa da Terra.
      Mas, como já disse, Israel é um péssimo exemplo como democracia plena para o população das ditaduras lá instaladas.
      População essa, a maioria absoluta totalmente ignorante, que proliferam como moscas e morrem como ratos, que vive na miséria quase absoluta, enquanto seus ditadores esbanjam riquezas imensas.
      E aí, aparecem os vivarachos que invocando e/ou inventando inverdades do Alcorão – já que o islamismo é uma religião de paz, criam e alimentam o ódio e “guerras-santas”(?) das populações contra Israel.
      Uma das grandes mentiras é a estória de que quem morre numa guerra-santa tem direito a uma “huri” (virgem), para toda a eternidade, no paraíso. O que começou com uma “huri”, agora já se inflacionou em 74, de acordo com a última exortação de um “mulá” (sacerdote) deles.
      Então, os “brochas” e outros com disfunções ou distúrbios sexuais os mais variados, o que não é incomum entre eles, vão se explodir para conseguir, no mínimo, muitas virgens no paraíso, para satisfazê-los (de todas as formas) por toda a eternidade, o que aqui – nem uma vezinha só – lhes seria possível, “nem de brinquedo”.
      E, o mais estranho, é que as mulheres também estão se explodindo. Deve ser porque têm a esperança de arranjar (pelo menos) algum macho bem viril, ou vários – lá no paraíso – para satisfazê-las por toda a eternidade, já que aqui na terra delas “tá difícil” de achá-los!!!
      Voltando ao assunto Foro, os seus campos de atividade são, unicamente, a subversão política e social de todo o continente latino-americano, e daqui invadir o resto do mundo.
      Veja-se o caso de Zelaya na embaixada brasileira em Honduras.
      Tudo sob a falsa retórica da “democracia”, repito.
      Trata-se, portanto, de uma organização que se mantém no anonimato para que seus projetos totalitários não sejam identificados antes que se complete o plano de dominação e implantação do pensamento hegemônico no Brasil e no continente Latino-americano.
      Para este desiderato o FORO DE SÃO PAULO conta com o apoio da ONU e da OEA.
      Desde a sua fundação, o Foro realizou quinze encontros segundo a cronologia a seguir:
      I – São Paulo (Brasil) de 1 a 4 de julho de 1990
      II – Cidade do México (México) de 12 a 15 de junho de 1991
      III – Manágua (Nicarágua) de 16 a 19 de julho de 1992
      IV – Havana (Cuba) de 21 a 24 de julho de 1993
      V – Montevidéu (Uruguai) de 25 a 28 de maio de 1995
      VI – San Salvador (El Salvador) de 26 a 28 de julho de 1996
      VII – Porto Alegre (Brasil) de 27 a 31 de julho de 1997
      VIII – Cidade do México (México) novembro de 1998
      IX – Manágua (Nicarágua) fevereiro de de 2000
      X – Havana (Cuba) de 4 a 7 de dezembro de 2001
      XI – Antigua (Guatemala) de 2 a 4 de dezembro de 2002
      XII – São Paulo (Brasil) de 1 a 4 de julho de 2005
      XIII – San Salvador (El Salvador) de 12 a 16 de janeiro de 2007
      XIV – Montevidéu (Uruguai) de 23 a 25 de maio de 2008
      XV – Cidade do México (México) de 20 a 23 de agosto de 2009, etc.
      Como vimos, participam do FORO DE SÃO PAULO partidos e organizações de esquerda, reformistas e revolucionárias; Partidos Comunistas que se definem como marxistas-leninistas; organizações e grupos trotskistas;
      Partidos Comunistas que continuam se definindo como marxistas-leninistas-maoístas (da Argentina, Peru e Uruguai) e que possuem uma articulação internacional própria em 17 países; Partidos Socialistas filiados ou não à Internacional Socialista; organizações que continuam desenvolvendo processos de luta armada, como as FARC e ELN, na Colômbia e organizações que participaram da luta armada e hoje atuam na legalidade, como o Movimento 19 de Abril, também da Colômbia e os Tupamaros, do Uruguai.
      Esta é, portanto, a breve radiografia do FORO DE SÃO PAULO, uma organização que os brasileiros não conhecem e a maioria nem sabe que existe, e cujo objetivo maior é comprar a sua alma para vendê-la ao demônio.
      É de horrorizar como as suas decisões aconteceram,estão acontecendo e, logicamente, estarão acontecendo em toda a América Latrina, por obediência canina dos seus membros às suas decisões.
      Daí porque tudo que essa senhora fala neste vídeo é a mais pura verdade.
      Tomara que todos os leitores do JBF assistam este vídeo – e o disseminem para os seus amigos e conhecidos, através de e-mails – para que mais e mais gente tomem conhecimento e, por sua vez, façam com que outros (e mais outros, e mais e mais outros!!!) saber do “sórdido objetivo do Foro de São Paulo”, como bem escreveste.

  6. Goiano disse:

    Quando as entidades não se manifestam tem gente que reclama e diz que eles não agem, só cuidam de balada e maconha; aí os caras mostram que não é isso, que querem participar e então essa mesma gente acusa disso e aquilo. Aí não dá para compreender o que é que essa gente quer… Parece que é só bagunçar mesmo e dizer oh dia oh azar oh vida…

  7. Tarciso disse:

    A tristeza evidente é pela fonte de recursos que está secando.

  8. Cardeal Araken M.Accioly disse:

    Goiano, o filoescumalhófilo:
    Só faltou você com a Confraria dos Cegos, veja o naipe de associações do çócialismo do futuro alheio, você aí se sentiria tão feliz como pinto no lixo:
    Conselho Nacional de Juventude (Conjure), UBES, Movimento Sem-Terra (MST), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Marcha Mundial das Mulheres, Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), Levante Popular da Juventude, Rede Fale, Hip Hop, Forum de Juventude de BH, União da Juventude Socialista (UJS), Juventude do PT (JPT), UPL, JSB, JSPDT, JPMDB, UNE, PJ, CTB, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Marcha das Vadias, Fora do Eixo e Agência Solano Trindade.

  9. Alamir Longo disse:

    Nem nessas horas esses pelegos que só servem de pousada para piolhos garram jeito. Mas vejam só o descaramento desses aprendizes de párias.

    Aproveitam a ocasião para vestirem-se de líderes de um movimento espontâneo que não tem comando nenhum, somente para aparecer e, como sempre, arrumar gordas mesadas com a destrambelhada e doente mental Estela. Aliás, a UNE acabou. O que existe é um grupo de tabacudos vermelhos(como diz Luiz Berto) que ainda não sabem que a praga do comunismo foi enterrada até por quem o pariu:
    A antiga URSS.

  10. Bispo A. Ferreira disse:

    E num é assim, no final das contas, todo mundo quer ser o pai da criança! Ora, vão se lascar seus…!

  11. Goiano disse:

    Vocês, progressista, são muito seletivos e exclusivistas. Em um momento de manifestação nacional por melhorias em diversas áreas vocês, progressistas, não querem a participação de nós, da esquerda cachorra, safada, catrefa, putrefa, escrota e festiva. Isso deve ser por medo do comunismo, a cujo o qual vocês, progressistas, se mijam atrás das portas, ao simples mencionar do nome, como se realmente existisse uma ameaça. Sabem vocês progressistas como se chama esse treco? Chama-se fobia. Algo como comunofobia.

  12. Cardeal Araken M.Accioly disse:

    né isso não Goianinho, a gente só num gosta de escumalha…

  13. Cardeal Carlo Marqui disse:

    Também detestamos lixo humano.

Deixe o seu comentário!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa