Elio Gaspari

Lula tem toda razão. Existe uma campanha de ódio contra o PT. Esqueceu-se de dizer que existe também uma campanha de ódio do PT. Uma expôs-se no insulto à doutora Dilma na abertura da Copa.

Argumente-se que o grito foi típico da descortesia dos estádios. O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, influente aliado do candidato Aécio Neves, endossou-o durante um evento do tucanato: “O povo mandou ela para o lugar que tinha que mandar.”

Essa é a campanha de ódio contra o PT. Ela pode ser identificada na generalização das acusações contra seus quadros e, sobretudo, na desqualificação de seus eleitores. Nesse ódio, pessoas chocadas pela proteção que Lula e o partido deram a corruptos misturam-se a demófobos que não gostam de ver “gente diferenciada” nos aeroportos ou matriculada nas universidades públicas graças ao sistema de cotas.

O ódio do PT é outro, velho. Lula diz que nunca se valeu de palavrões para desqualificar presidentes da República. Falso. Numa conversa com jornalistas, chamou o então presidente Itamar Franco de “filho da puta” e nunca pediu desculpas.

Lula xinga Itamar2

Reportagem da Folha de S.Paulo de maio de 1991

O ódio petista expôs-se em situações como a hostilização ao ministro Joaquim Barbosa num bar de Brasília e na proliferação de acusações contra o candidato Aécio Neves na internet. Se a rede for usada como posto de observação, os dois ódios equivalem-se, e pouco há a fazer.

Lula antevê uma campanha eleitoral “violenta”, pois a elite “está conseguindo despertar o ódio de classes”. Manipulação astuciosa, recicla o ódio do PT, transformando-o no ódio ao PT.

Pode-se admitir que a elite não gosta do PT, mas bem outra coisa é rotular como elite todo aquele que do PT não gosta. Paulo Roberto Costa, o ex-diretor da Petrobras que entesourou US$ 23 milhões em bancos suíços, certamente pertence à elite e no seu depoimento à CPI viu-se que gosta do PT e o PT gosta dele.

Essa estratégia já foi explicada pelo marqueteiro João Santana. Trata-se de trabalhar com dois Lulas: ora há o “fortão”, ora o “fraquinho”.

(Talvez as palavras originais tenham sido outras, mais próximas do dialeto dos estádios.)

lula xinga itamar

Documento oficial: resposta do então Presidente Itamar Franco quando Lula o chamou de “filho da puta”

Quando Lula foi criticado porque tomou um vinho Romanée-Conti de R$ 6 mil durante a campanha de 2002, era a elite que negava ao “fraquinho” o acesso a um vinho do andar de cima, pago por Duda Mendonça. Anos depois, quando viajou pelo mundo em jatinhos de empreiteiras, era o “fortão” redesenhando a diplomacia brasileira.

É uma mistificação, mas contra ela só existe um remédio: vigiar a racionalidade da campanha, fugindo da empulhação. Quem quiser odiar, que odeie, mas não fica bem a uma presidente da República dizer que investiu em educação recursos que na realidade destinaram-se a cobrir o custeio da máquina.

Também fica feio a um candidato da oposição que até outro dia estava no ministério dizer que “não fico mais em um governo comandado por um bocado de raposa que já roubou o que tinha que roubar”. Não viu enquanto lá estava?

Talvez a racionalidade seja um objetivo impossível. Afinal de contas, até hoje há americanos convencidos de que o companheiro Barack Obama é um socialista que nasceu no Quênia. Nesse caso, candidatos não devem ir a estádios.

8 Comentários

  1. Airton disse:

    O editor esqueceu de ressaltar a ironia das ironias,leia do que ele reclama :
    ” Lula a pedido da FOLHA ( aquela que hoje ele chama de elite e mídia golpista ) ,suposto favorecimento de Eliseu ( Resende . Ministro dos Transportes – governo Itamar Franco )à empreiteira Norberto Odebrecht .

  2. F Farias disse:

    Este Gaspari é outro que acha que os PT estão corretos, com exceção de um probleminha aqui ou ali, que a ninguém da oposição presta, que o Maluf é engenheiro e o Sarney é escritor.

  3. Cardeal Araken M.Accioly disse:

    Eu como autêntico representante da zelite gostaria de declarar que:
    – NÃO TENHO NADA CONTRA A ‘ver “gente diferenciada” nos aeroportos’
    – SOU CONTRA ‘”gente diferenciada” matriculada nas universidades públicas graças ao sistema de cotas’. Se passarem nos vestibulares podiam ser até marcianos, gente diferenciada, leitor da Veja, da Carta Capital da Besta Fubana.
    Sou contra até o sistema de cotas que pagou a multa dos humanistas presos na Papuda
    – TINHA PRECONCEITO quanto a semianalfabetos no cargo de presidente (hoje vejo que plenamente justificado)

  4. Mauricio disse:

    Essa de só falo m$&da porque o outro também fala é coisa de canalhas… Ou melhor petralhas.

  5. LUIZ LEAL disse:

    Se Mesbla, Sears, Varig, Transbrasil, Vasp, Mappin, TWA, PanAm, Lehman Brothers, AOL, URSS e o poderoso exército nazista acabaram, porque o PT não acabará?

    • Alex Mamed disse:

      Concordo. Não há mal que dure pra sempre. Um dia a casa cai para essa gangue e suas vísceras serão expostas.
      .
      No futuro, os historiadores se debaterão como uma gangue tomou o país de assalto sem que houvesse forte reação da sociedade por tanto tempo.

  6. Nohnoh disse:

    Qual a moral que um molestador confesso de ‘mininos do mep’ tem para acusar os outros?

    Esse jornalista é um mais um vassalo petelho.

Deixe o seu comentário!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa