15 março 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL

Compartilhe Compartilhe
MAIS AMEAÇADOR DO QUE O PCC

Noticia de 13/03/2017 do site G1: “O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), criou uma secretaria e nomeou na chefia uma aliada do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB), hoje preso. Nesta segunda-feira (13), Solange Almeida (PMDB), que é ré na Operação Lava Jato, se tornou secretária de Apoio à Mulher e ao Idoso no Rio”

Traduzindo para o português comum, o combalido Governador Pezão, acatando ordens vindas de Curitiba, criou a Secretária de Proteção à Solange Almeida/Eduardo Cunha, dando para a deputada, agora secretária estadual, a proteção do foro privilegiado. Com isso um dos processos contra o ex-presidente da Câmara Federal sai das mãos do Juiz Sérgio Moro indo para outra instância. Chamam atenção nesse caso duas coisas:

1 – A força que Cunha mantém mesmo estando preso e distante fisicamente tanto do Rio quanto de Brasília. Ele continua influenciando muito, tanto nas decisões do Governo Federal, como no PMDB do Rio.

2 – O medo que o Juiz Sérgio Moro impõe a quem está ao seu alcance. Até o poderoso Eduardo Cunha que tem o presidente da república refém de seus desejos, treme diante do Paladino de Curitiba.

A indicação do Deputado Carlos Marun para presidência da comissão especial para Reforma da Previdência é um dos trunfos com que Cunha conta para continuar controlando e se beneficiando da força do PMDB na presidência. Temer mede seus atos pelo risco que assume junto a Eduardo Cunha. O ex-deputado precisa de Temer e o Presidente teme Cunhão. Com isso o país fica no ritmo de Cunha.

A principal reforma constitucional, capaz de fazer as expectativas dos agentes econômicos mudarem na direção de fazer a economia sair de fato desse pântano que os corruPTos nos condenaram será comandada diretamente do Complexo Médico-Penal de Pinhais. Marun em obediência a Cunha poderá acelerar, ou retardar o andamento do processo na Comissão para dosar a força de Temer de acordo com o interesse do preso. Quem achava que Marcola era o preso mais importante do Brasil, agora sabe que os danos que o detento Cunha pode causar a nação são muito mais profundos.

Sem reforma da previdência, sem orçamento equilibrado, sem investimentos, sem empregos. Simples assim.

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 A PALAVRA DO EDITOR

NOSSA QUERIDA REPUBLIQUETA BANÂNICA

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

J. BOSCO – AMAZÔNIA JORNAL (PA)

Compartilhe Compartilhe
O NOME DISSO É COVARDIA

Ao confessar no depoimento que prestou ao juiz como réu que tem medo de ser preso em casa, Lula revelou um traço de caráter que nele percebo desde que o conheci, em 1975, apesar de ele ter negado, em entrevista a Mino Carta e Luiz Gonzaga Belluzzo, me conhecer.

Sua principal característica sempre foi a covardia e foi ela que o tornou informante do delegado Romeu Tuma à época da ditadura militar.

Não sou eu quem o digo. A informação, dada por Romeu Tuma Jr no livro Assassinatos de Reputações, tinha o requinte de citar seu codinome Barba.

A pusilanimidade cabe como uma luva na fantasia da narrativa da perseguição com que a esquerda espera voltar ao poder para seguir saqueando a República.

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

Compartilhe Compartilhe
PENÚLTIMAS NOTÍCIAS IMPARCIAIS

TRANCAMENTO DE AÇÃO PENAL CONTRA O LULA

Lula, nosso fantástico ex-presidente da república, Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula e Léo Pinheiro, da OAS, foram envolvidos em uma ridícula ação penal movida pelo Ministério Público Federal, que em mais uma louca tentativa de criminalizar nosso fantástico ex-presidente da república afoitamente considerou que o armazenamento de bens de valor do acervo do fantástico ex-presidente bancado por uma entidade de direito privado caracterizaria lavagem de dinheiro e outros bichos, isso porque querem porque querem enrolar nosso fantástico ex-presidente fazendo crer que ele recebia propinas de empresas e que tudo, assim como se fala das palestras remuneradas, era uma forma de Lula, nosso fantástico ex-presidente, levar um porforinha, por ter sido comprado por essas empresas. Agora, o Ministério Público Federal, à vista de argumentos imbatíveis apresentados pelos advogados de nosso fantástico ex-presidente, teve de botar o galho dentro e pedir o trancamento da ação penal.

Dou essa notícia avisando desde logo que o faço com a mais absoluta imparcialidade, como convém a qualquer órgão da imprensa que tenha de informar com isenção ao público.

* * *

O CAIXA DOIS É A FAVELA DOS POLÍTICOS

Em meio a essa celeuma sobre se “Caixa 2” é crime ou não; ou se, sendo crime, é ou não pior do que crime de corrupção, cabe notar que essa prática de guardar dinheiro não contabilizado não é uma “técnica contábil”, porque o dinheiro que não é contabilizado provém, sem dúvida, de atos ilícitos – em geral, a sonegação de impostos, que se faz usualmente mediante os mais variados artifícios. Sonegação fiscal é crime, de acordo com a Lei nº 4.729/1965. Manter Caixa 2 é crime.

No caso dos partidos políticos (e dos políticos envolvidos) o Caixa 2 se desenvolveu como crescem as favelas: alguém (ou um grupo) invade uma área pública e constrói um barraco. É pouca gente, o governo ignora. Aí vem outro, mais outro e mais outro e temos a Favela da Rocinha estabelecida com seus duzentos e cinqüenta mil moradores, em geral muito pobres, que não dispunham de outra forma de ter moradia na cidade, em lugar acessível à fonte de sustento da família.

Qual é a analogia?: – A inatividade do Estado!

Primeiro, por não ter providenciado moradia digna para essas pessoas. E segundo, por ter fechado os olhos ao crescimento da invasão, chegando ao ponto de nada mais poder fazer para recuperar o espaço tomado em face da proporção do problema social criado. Imaginem o governo derrubando doze milhões de barracos, palafitas, casas e outros tipos de moradia nas incontáveis favelas brasileiras.

Assim o Caixa 2 dos políticos: cresceu a tal ponto que não se tem conhecimento de partido político que não o pratique e de parlamentares que não recebam dinheiro de doações não declaradas.

Agora, o impasse: a chapa Dilma/Temer será condenada?

Se o for, será como se o governo fosse ao Complexo do Alemão e derrubasse um barraco por ocupação irregular… e deixasse os outros milhões de pé.

Sai dessa, TSE.

* * *

LULA PRESO

A notícia tão esperada pelos golpistas e pelos apoiadores do processo de golpe que se desenvolve no Brasil ainda não foi dada: – Lula, o nosso fantástico ex.presidente da repùblica, (ainda) não foi preso.

“Sê-lo-á”, seria a forma como se expressaria o nosso formalíssimo e impopular usurpador. Por enquanto, os que contam com o seu impedimento para concorrer às eleições presidenciais de 2018, para o período de 2019/2022, terão (e o digo com a mais absoluta isenção e imparcialidade, como convém a quem se dispõe ao uso da imprensa para informar) de se contentar com a língua presa do nosso fantástico ex-presidente e candidato que certamente será vitorioso se não for barrado por forças ostensivas que se pretendem ocultas.

Hoje, Lula, nosso fantástico ex-presidente, é como um pássaro que já está na gaiola, mas a porta ainda está aberta.

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

BRUM – TRIBUNA DO NORTE (RN)

Compartilhe Compartilhe
O IDEÁRIO DA REPÚBLICA DE 1817

A única revolução brasileira digna desse nome e credora de entusiasmo pela feição idealista que a distinguiu e lhe dá foros de ensinamento cívico, e pela realização prática que por algum, embora pouco, tempo lhe coube. Eu lhe disse uma vez que foi instrutivo pelas correntes de opinião que no seu seio se desenharam, atraente pelas peripécias, simpática pelos caracteres e tocante pelo desenlace. Foi um movimento a um tempo demolidor e construtor, como nenhum outro entre nós e como nenhuma outra em grau superior, na América espanhola.

Manuel de Oliveira Lima.

O século XVIII, conhecido como o Século do Iluminismo, teve a sua segunda metade tomada por uma total revisão no âmbito social das ideias, a partir da Declaração de Independência das treze colônias inglesas, que vieram a se constituir nos Estados Unidos da América, em 4 de julho de 1776, com repercussões nos movimentos que antecederam a Revolução Francesa de 1789.

Autores de várias nacionalidades vieram expressar os seus princípios democráticos e nacionalistas, pondo em discussão o direito divino dos reis e despertando a burguesia para os princípios da Igualdade, Liberdade e Fraternidade, mais tarde consagrados na Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789).

Filósofos como o suíço Jean Jacques Rousseau (1712-1778), que em 1762 fez publicar Du Contrat Social (Do Contrato Social), formulando uma nova teoria do Estado, fundamentado na convenção entre os homens com base no princípio da soberania popular; e Charles Louis de Secondat Montesquieu (1689-1755), autor de L’Esprit des Lois (O Espírito das Leis)¹ , eram lidos e discutidos não somente na França como em outros países. As obras poéticas e filosóficas de Voltaire (1694-1778), pseudônimo de François Marie Arounet, autor do Dicionário Filosófico; de Denis Diderot (1713-1784), editor da Enciclopédia Diderot; e do italiano Cesare Beccaria (1738-1794), autor do clássico Dos Delitos e das Penas (1764), despertavam a juventude para um novo comportamento.

A esse movimento de ideias não ficaram alheios os estudantes da Universidade de Coimbra que, levados pela atuação das Lojas Maçônicas, presentes em Portugal desde 1740, tornaram-se ávidos leitores daqueles filósofos cujas obras eram proibidas em Portugal e em suas colônias.

O ambiente em que viviam os estudantes daquela universidade portuguesa e as discussões motivadas pela influência das diversas correntes de ideias se depreende das páginas do Processo n.º 8094/1779 da Inquisição de Coimbra, por mim anotado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (Lisboa). Nele foram denunciados nove estudantes brasileiros, então matriculados na Universidade de Coimbra, dentre os quais Antônio de Moraes Silva (Rio de Janeiro, 1 de Agosto de 1755 – Recife, 11 de Abril de 1824), que vem a ser o primeiro dicionarista da língua portuguesa e que, em 1817, seria nomeado membro do Conselho de Estado da República de Pernambuco.

O processo é fruto da denúncia do estudante de Geometria Francisco Cândido Chaves, 23 anos, ao Tribunal da Inquisição de Coimbra em 17 de maio de 1779, onde afirma que na casa do também estudante Antônio de Moraes Silva, brasileiro nascido no Rio de Janeiro, se discutiam pontos de religião e se citavam autores como Helvécio, Voltaire e Rousseau, a quem chamavam de profundíssimos filósofos e que alguns estudantes “eram aliciadores da seita dos Pedreiros Livres”, como se denominavam na época os simpatizantes da maçonaria.²

Ao depor em sua defesa, no processo movido contra si e mais oito colegas, Antônio Moraes Silva, na audiência de 28 de maio, declarou estar cursando o quinto ano do curso jurídico, sendo filho de Antônio de Moraes e Silva e de Rosa Maria de Carvalho, com idade de 23 anos, morador da Rua do Loureiro, Freguesia do Salvador, Coimbra. Nas audiências de 12 e 18 de junho, 6 e 7 de julho, disse ainda ser aplicado no estudo das línguas francesa, inglesa e italiana, sendo leitor de obras do Conde de Mirabeau (Honoré Gabriel Riqueti, 1749-1791), de quem lera o Sistema da Natureza e Instituições Políticas; bem como das obras de Montesquieu, Cavaleiro de Milagan (sic) e Quadro da História Moderna (sic); Beccaria, Tratado dos delitos e das penas; Voltaire, Obras poéticas, e Rousseau.

Na sua defesa, porém, diz “não entender nem entende que toque ao Santo Ofício puni-lo por essa razão, pois que o conhecimento [de tal matéria] está reservado a Real Mesa Censória”. Disse ainda ter emprestado a obra de Mirabeau a José Antônio de Mello, conhecido por Misantropo, que afirmou ser a dita obra perigosíssima e capaz de enganar a todos que não soubessem Filosofia, mas que ele não deixará de achar alguma preciosidade. Concluindo o curso de Medicina, em 1778, José Antônio se transferira para Pernambuco, no mês de novembro daquele ano, levando consigo a obra de Mirabeau. (Processo n.º 8094/ANTT).³

Mas a Inquisição do final do século XVIII não era a mesma de tempos passados: os seus segredos já vazavam para o mundo exterior…

Sabedor por um informante da sentença do inquisidor José Antônio Ribeiro de Moura, prolatada em 20 de julho de 1779, condenando a si e todos os demais companheiros por crime de heresia e apostasia, Antônio de Moraes Silva fugiu com destino à Lisboa, escondido numa carroça de feno. Dias depois, contando novamente com o concurso de amigos, se transfere para Londres onde permaneceu sob a proteção do embaixador de Portugal na Grã Bretanha, tenente-general Luís Pinto de Souza Coutinho, futuro Conde de Balsemão, a quem ele dedica à primeira edição do seu Diccionário da Língua Portugueza (1789).

No mesmo processo, o estudante Vicente Júlio Fernandes, filho de Júlio Fernandes, 25 anos de idade, natural da Ilha da Madeira, então condenado por heresia e apostasia, depondo em 30 de agosto de 1779, afirma que o estudante Francisco de Mello Franco “levara de sua casa dois ou mais tomos das Cartas do Marquês d’Argent para ler, os quais lhe emprestara Antônio de Moraes Silva, que lhe disse ter lido o Sistema da Natureza”, obtido por empréstimo a José Antônio da Silva Mello a quem tratava por Misantropo.

Depois de exercer atividades diplomáticas em Londres, Roma, e Paris, Antônio de Moraes e Silva regressa a Portugal. Em Lisboa, novamente comparece ao Tribunal do Santo Ofício de Lisboa, em 21 de janeiro de 1785, Processo n.º 2015, apresentando atestado de ter procedido como bom católico, assinado pelo padre Ricardo a Sto. Silvano, vice provincial dos carmelitas descalços na Inglaterra, datado de 23 de novembro de 1784. Em sua confissão diz que, quando estudante em Coimbra, discutia com vários colegas acerca de matérias da religião, reduzindo todos os dogmas aos ditames razão, desprezando as verdades reveladas pelo lume da fé; que lera livros anticatólicos, como Emile (Emílio, ou Da Educação)4, de Rousseau. Absolvido, em 23 de dezembro de 1785, teve como pena de levi [pena menor] a de confessar-se nas quatro festas do ano – Natal, Páscoa da Ressurreição, Pentecostes e Assunção de Nossa Senhora – e o preceito de certas e determinadas orações.

Novamente indiciado pela Inquisição de Lisboa (Processo n.º 14.215), Antônio de Moraes Silva se vê compelido a retornar ao Brasil e assim tentar nova vida. Já casado com Narcisa Pereira da Silva, filha do tenente-coronel José Roberto Pereira da Silva, transfere-se para Pernambuco (Paranambuco), em 30 de abril de 1788, segundo denúncia de Escolástica Maurizia.5

Estabelecido no Recife, morador na Rua Nova, a partir de 1796, se transforma em proprietário do Engenho Novo da Muribeca, que recebera de seu sogro, aonde veio a escrever a segunda e mais importante edição do seu Dicionário da Língua Portugueza (1813) – recompilada, emendada e muito acrescentada, a partir da qual passa o seu nome a figurar como autor.

Com a chegada do século XIX, as ideias liberais, introduzidas em Pernambuco por estudantes e bacharéis da Universidades de Coimbra e Montpellier (França), alguns deles simpatizantes da maçonaria e outros pertencentes ao clero regular e secular, começaram a despertar na população antigos sentimentos nativistas.

A fundação do Seminário de Olinda, a 16 de fevereiro de 1800 pelo bispo Dom José Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho (1742-1821), em muito contribuiu para que tais ideias liberais republicanas, divulgadas pelos teóricos da Revolução Francesa (1789), fossem debatidas nos púlpitos e entre os alunos do novo centro de estudos.

Depois de transformado em Seminário Diocesano de Olinda, o antigo Colégio dos Jesuítas foi logo transformado em uma instituição educacional cuja finalidade era “dar instruções à mocidade em todos os principais ramos da literatura, própria não só de um eclesiástico, mas também de um grande cidadão que se propõe a servir ao Estado”.

Clique aqui e leia este artigo completo »

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 DEU NO JORNAL

OMISSÃO IMPERDOÁVEL

* * *

Esta manchete aí de cima é da Folha de S.Paulo, de hoje, quarta-feira.

Num intendi mesmo porque o jornalão paulista destacou apenas o PMDB de Temer e o PT de Lula e Dilma.

Cadê o PSDB de Aécio, também citado na “Lista de Janot“, conforme corre na praça?

Hein???

Tão protegendo os guabirus tucanos?

Rato é rato, qualquer que seja a cor. Vermêia ou azul.

Afinal, Lula, Dilma e Aécio são tolôtes do mesmo pinico corrupcional de Banânia.

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

JARBAS – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

Compartilhe Compartilhe
LULA FINGE QUE IGNORA ATÉ QUANTO EMBOLSA POR MÊS

O trecho do depoimento que trata da renda mensal do camelô de empreiteira é um monumento à vigarice

O juiz federal Ricardo Leite quis saber nesta terça-feira quanto ganha por mês o réu Luiz Inácio Lula da Silva. Confira a resposta:

“São uns seis e pouco de aposentadoria mais uns 20 que minha mulher recebia, que passou para 30. (…) Pode dar 30… 30 mil, mas pode ter mais. Tem mais porque tem doação pros meus filhos, sabe, porque eu não tenho… Poderia chegar a quanto? 50 mil? Eu não sei, eu tô tentando chutar aqui, doutor. (…) O rendimento fixo que eu recebo, todo mês, é isso: 6 e pouco da anistia e – era vinte, agora passou para trinta – a LILS que paga. Mas depois o advogado manda pro senhor, aí, o total do rendimento das doações”.

O palavrório em dilmês de cadeia omitiu o que Lula recebe como perseguido político de araque, esqueceu os 13 mil reais pagos ao presidente de honra do PT, fez de conta que o palestrante em recesso ainda recebe convites enfeitados por cachês de espantar um Bill Clinton, escondeu os rendimentos auferidos pelo camelô de empreiteira, deixou escapar suspeitíssimas doações ao bando de filhos, garantiu que Marisa Letícia é que sustentava a casa e jurou que não sabe direito se ganha 26 mil ou 50 mil reais.

Se não sabe nem isso, é compreensível que o depoente também ignore que ganhou de presente um apartamento de três andares no Guarujá e um sítio em Atibaia, fora o resto.

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

ALPINO – BLOG DO ALPINO

Compartilhe Compartilhe

A IRREVERÊNCIA E A BELEZA DO CORDEL

Quando morei no Rio de Janeiro conheci um jovem, mineiro de Sete Lagoas, e com ele fiz amizade. Estudamos juntos e nos graduamos juntos, na mesma Universidade. Ele tinha no máximo 30 anos e eu já chegava aos 40. Por respeito, vou, por ficção, chama-lo de Pedrinho. Pedrinho começou a namorar uma mulher (solteira, diga-se!) com mais idade que ele. Logo começaram as proximidades e práticas sexuais. Amiga comum, a mulher comentava comigo o elogiável desempenho de Pedrinho na cama. O cara era uma fera, segundo ela. E, a confidência tinha um objetivo: demonstrar a preocupação dela, para o fato de que, apesar da idade, Pedrinho só conseguia “fazer aquilo tudo” por que, antes do ato, acendia e puxava com força, 5 centímetros da pura cannabis. “Motivação” estranha, para quem tinha a saúde e a idade dele.

Com isso, quero dizer que muitos precisam de motivação até para viver. De algum tipo de motivação para fazer alguma coisa – até para roubar, ladrão precisa ter a motivação de não ter escrúpulos ou vergonha na cara.

Desde ontem pensava em postar um texto pequeno, com três parágrafos no máximo, e apenas uma foto para servir de ilustração. E aí, navegando na Internet encontrei uma informação que me serviu de “cannabis sativa” (gente, nunca fumei nada na minha vida de 73 anos – cigarros, charutos ou baseados): ontem, 14 de março foi o Dia da Poesia. E, o que mais “abunda” nesta escrotidão de JBF é poesia de alta qualidade e merecidos elogios aos ilustres e reconhecidos autores.

Como ficaria muito difícil render homenagem a todos os poetas que enriquecem este antro de sacanagem, optei por render homenagem a todos os que muito bem escrevem versos de rara beleza, através dos que preferem a poesia de cordel. Os outros que se sintam, também, homenageados.

A Mulher é mãe é filha,
Esposa e amante também,
Mas não nasceu para ser
Afrontada por ninguém.
Por isto preste atenção
Tenha consideração
Pois pode lhe fazer bem.

Cada vez que vejo o sangue
De mulher tingir o chão
Sinto um aperto no peito
Dói demais meu coração.
Mulheres assassinadas,
Covardemente estupradas
Que sórdida situação.

Dalinha Catunda

Alguém inescrupuloso
de espírito deletério
com uma denúncia anônima
provocou um caso sério,
talvez por causa de inveja
na Bomba do Hemetério.

Naquela comunidade
uma popular senhora,
dona Gedália Ferreira,
enlutada até agora
com a perda de um ser querido,
de dor e saudade chora.

Foi decerto negligência
a causadora do drama
inusitado talvez,
que a população reclama:
a morte de um papagaio
nas dependências do IBAMA.

Doddo Félix

Na cabeceira da cama
Dois brincos recém-tirados
Dois brilhos fundos nos olhos
E um xodó bem começado.

Duas pessoas sozinhas
Qual duas casas vizinhas
Com biqueiras encostadas.
São vidas parede-meia
E a bica correndo cheia
Nessa hora de invernada.

Artilharia pesada
Tum-tum-tum de coração
Emoção ali campeia
Abrem-se regos nas veias
Só pra sangue de paixão.

Jessier Quirino

Pra quê todo esse orgulho
Do que se é, do que se tem,
Se nada somos no mundo
E a vida é só nada além?
Porque não somos menor,
Tampouco somos maior
E nem melhor que ninguém.

Pra quê tratar com desdém
Se você subiu na vida?
Para Deus somos iguais
Todos na mesma medida.
Ademais, toda riqueza,
Sabedoria, ou beleza,
Lhe deixarão na partida.

Jesus de Rita de Miúdo

Vendo isso acontecer
Reflito sobre o problema:
Por que o nosso sistema,
De punir e de prender
Não consegue resolver
A questão da violência?
Será só incompetência
Dos governos da nação?
Ou existe outra razão
E nós não temos ciência?

Eu sei que essa questão
Envolve outros fatores
Que também são causadores
Do problema em discussão.
Desemprego, educação,
Ou melhor, a falta dela,
Abandono da favela
Ao poder dos traficantes,
São fatores importantes
Para por em nossa tela.

Marcos Mairton

E, para completar a postagem que pretendia resumida – mas ficou impossível – aproveito “o mote” e rendo, também, homenagem a três poetas e cordelistas de mancheias que, por anos dignificaram e travaram pelejas, motes, calangos e fizeram da vida os mais belos repentes, sem esquecer (ou deixar de fora) a irreverência. Coincidentemente, três poetas e reconhecidos cordelistas/repentistas nordestinos.

* * *

Rogaciano Leite

Rogaciano Leite

“Rogaciano Bezerra Leite foi poeta e jornalista brasileiro. Filho dos agricultores Manoel Francisco Bezerra e de Maria Rita Serqueira Leite, Rogaciano Leite nasceu no dia 1 de julho de 1920 no Sítio Cacimba Nova, município de Itapetim-PE e faleceu a 7 de outubro de 1969, no Rio de Janeiro. Foi poeta repentista e Jornalista.

Filho dos agricultores Manoel Francisco Bezerra e de Maria Rita Serqueira Leite, Rogaciano Leite nasceu no dia 1 de julho de 1920 no Sítio Cacimba Nova, município de Itapetim-PE. Iniciou a carreira de poeta-violeiro aos 15 anos de idade, quando desafiou, na cidade paraibana de Patos, o cantador Amaro Bernadino.

Clique aqui e leia este artigo completo »

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

DUQUE – O TEMPO (MG)

Compartilhe Compartilhe
PENINHA – TUPI PAULISTA-SP

Berto,

A Vaca Peidona deve ter aprendido muito a discursar com o grande José Vasconcelos lá pelos idos de 1966.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

MOISÉS – BLOG DO NOBLAT

Compartilhe Compartilhe
A VERDADE, COMO LHE CONVÉM

Pois eis que agora, tantos anos depois do início da Operação Lava Jato, depois de impiedosamente atacado, Lula começa a repor a verdade dos fatos – a verdade dele, claro, mas quem disse que a verdade é apenas uma?

Agora sabemos, por seu depoimento, que Lula há três anos é vítima de um massacre. Pois nenhum político ou empresário, nem os Odebrecht, jamais lhe deu dez reais. E diz a verdade: ninguém lhe deu dez reais.

Acusá-lo de tentar obstruir as investigações da Lava Jato, que absurdo! Afirma Lula que o senador Delcídio do Amaral “disse uma inverdade”, ao afirmar, em delação premiada, que haviam conversado sobre maneiras de convencer Nestor Cerveró a calar-se sobre o que sabia da Petrobras. Lula, aliás, nem conhecia Cerveró. É verdade, claro: é impossível exigir que o presidente da República conheça um funcionário de uma estatal, mesmo que seja de alto escalão, mesmo que a empresa seja a maior do país, mesmo que seja Cerveró. Lula deve tê-lo cumprimentado sem prestar muita atenção. Seria incapaz de reconhecê-lo – afinal de contas, por que iria prestar atenção num rosto tão comum, numa empresa tão grande?

Lula diz também que fica profundamente ofendido com a insinuação de que o PT é organização criminosa. Só porque o “capitão do time” está preso, os três últimos tesoureiros do PT foram condenados, um presidente do partido também? Isso o ofende, claro: pois quem é o Brahma, o nº 1?

A verdade…

No depoimento, Lula disse que passou os oito anos de seu Governo sem participar de jantares e aniversários, “exatamente para não dar pretexto de aparecer àqueles que vêm tirar fotografia com celular para depois explorar essa fotografia”. Os maldosos lembram um belo jantar, em 4 de agosto de 2006, oferecido por ele no Jockey Club de São Paulo a empresários e políticos, para arrecadar fundos. Foram mil convites a R$ 2 mil cada; descontada a despesa, sobraria R$ 1,7 milhão. E, segundo o coordenador da campanha, Ricardo Berzoini, “é evidente que dá a oportunidade de diálogo do presidente com o empresariado e profissionais liberais”. Terá Lula dito uma inverdade? Não: ele disse que não participou de jantares. E esse, preparado pelo ótimo chef Charlô, não foi um jantar, foi um banquete.

…é uma mentira…

Houve também um almoço mais baratinho, em 13 de julho de 2006, no Restaurante São Judas, na rota do Frango com Polenta, no Grande ABC. Foram servidos dois tipos de frango (frito, com polenta frita; e à italiana, com molho de maionese); água, cerveja, refrigerantes. Lucro: R$ 495 mil. “É que Lula circula bem em todas as classes”, esclareceu Berzoini.

…que aconteceu

Lula disse, enfim, que não é contra a Operação Lava Jato. “Eu quero que a Lava Jato vá fundo para ver se acaba com a corrupção”. E não é que mais uma vez ele fala a verdade? Lula é a favor da Lava Jato, e só dela discorda num pequeno detalhe: andou pegando políticos companheiros e empresários aliados, que além de aliados sempre foram generosos. Se a Lava Jato esquecesse o PT, Lula seria 100% a favor.

A verdade…

Para completar o elenco de verdades pouco conhecidas, o ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse ao juiz Sérgio Moro que “nunca falou de propina com Palocci”. Claro que não! Gabrielli sempre foi um executivo preocupado com a empresa. Até hoje, por exemplo, defende a compra pela Petrobras da Ruivinha, uma refinaria toda enferrujada em Pasadena, EUA. A empresa belga Astra Oil comprou a refinaria por US$ 42 milhões e a vendeu à Petrobras, pouco depois, por US$ 1,1 bilhão. Segundo o delator Agosthilde Mônaco de Carvalho, já antes da compra Gabrielli tinha indicado a Odebrecht para reformá-la. Um executivo tão preocupado com a empresa que antes mesmo de fechar um negócio já tinha decidido como iniciar a operação não iria conversar sobre propinas e pixulecos com um político importante como Palocci. Talvez tenham discutido a adequada destinação dos parcos recursos disponíveis.

…de cada um

O patriarca da empresa, Emílio Odebrecht, vê Antônio Palocci como um político especial – “não carreirista como a maioria, mas um homem inteligente com visão de estadista”. Emílio Odebrecht, com tantos anos de experiência no mercado, certamente sabe avaliar as pessoas; conhece a diferença entre o que um político acha que vale e seu valor real.

“A gente trocava muitas ideias sobre aquilo que era importante para o nosso Brasil”, narrou. De um lado da mesa, Emílio Odebrecht; de outro, Antônio Palocci. Assistir à troca de ideias entre ambos, conhecedores do mundo e do comportamento dos seres humanos, deve ser instrutivo, uma aula de economia, de gestão e de política. Um privilégio valiosíssimo.

Emílio Odebrecht e Antônio Palocci

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA (ES)

Compartilhe Compartilhe
UM PATÉTICO DEPOIMENTO

* * *

* * *

Compartilhe Compartilhe

15 março 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 A PALAVRA DO EDITOR

O DATA BESTA PERGUNTA

Caros leitores, tem uma nova Enquete Fubânica no ar.

Não deixe de dar o seu pitaco.

Todo fubânico que participar terá boa saúde, sorte, felicidade, paz, prosperidade, tesão, alegria e vida longa.

Vá aí do lado direito do JBF e dê seu voto.

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

MICHELÂNGELO – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 HORA DA POESIA

O NAVIO NEGREIRO – Castro Alves

Castro_Alves

No data de hoje, 14 de março, no ano de 1847, nascia em Muritiba, Bahia, Antônio Frederico de Castro Alves. Encantou-se em julho de 1871, com apenas 24 anos de idade

* * *

(Tragédia no mar)

‘Stamos em pleno mar… Doudo no espaço
Brinca o luar – dourada borboleta;
E as vagas após ele correm… cansam
Como turba de infantes inquieta.

‘Stamos em pleno mar… Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro…
O mar em troca acende as ardentias,
Constelações do líquido tesouro…

‘Stamos em pleno mar… Dois infinitos
Ali se estreitam num abraço insano,
Azuis, dourados, plácidos, sublimes…
Qual dos dous é o céu? qual o oceano?…

‘Stamos em pleno mar. . . Abrindo as velas
Ao quente arfar das virações marinhas,
Veleiro brigue corre à flor dos mares,
Como roçam na vaga as andorinhas…

Donde vem? onde vai? Das naus errantes
Quem sabe o rumo se é tão grande o espaço?
Neste saara os corcéis o pó levantam,
Galopam, voam, mas não deixam traço.

Bem feliz quem ali pode nest’hora
Sentir deste painel a majestade!
Embaixo – o mar em cima – o firmamento…
E no mar e no céu – a imensidade!

Oh! que doce harmonia traz-me a brisa!
Que música suave ao longe soa!
Meu Deus! como é sublime um canto ardente
Pelas vagas sem fim boiando à toa!

Homens do mar! ó rudes marinheiros,
Tostados pelo sol dos quatro mundos!
Crianças que a procela acalentara
No berço destes pélagos profundos!

Esperai! esperai! deixai que eu beba
Esta selvagem, livre poesia,
Orquestra – é o mar, que ruge pela proa,
E o vento, que nas cordas assobia…

Por que foges assim, barco ligeiro?
Por que foges do pávido poeta?
Oh! quem me dera acompanhar-te a esteira
Que semelha no mar – doudo cometa!

Albatroz! Albatroz! águia do oceano,
Tu que dormes das nuvens entre as gazas,
Sacode as penas, Leviathan do espaço,
Albatroz! Albatroz! dá-me estas asas.

II

Que importa do nauta o berço,
Donde é filho, qual seu lar?
Ama a cadência do verso
Que lhe ensina o velho mar!
Cantai! que a morte é divina!
Resvala o brigue à bolina
Como golfinho veloz.
Presa ao mastro da mezena
Saudosa bandeira acena
As vagas que deixa após.

Do Espanhol as cantilenas
Requebradas de langor,
Lembram as moças morenas,
As andaluzas em flor!
Da Itália o filho indolente
Canta Veneza dormente,
Terra de amor e traição,
Ou do golfo no regaço
Relembra os versos de Tasso,
Junto às lavas do vulcão!

O Inglês – marinheiro frio,
Que ao nascer no mar se achou,
(Porque a Inglaterra é um navio,
Que Deus na Mancha ancorou),
Rijo entoa pátrias glórias,
Lembrando, orgulhoso, histórias
De Nelson e de Aboukir.. .
O Francês – predestinado –
Canta os louros do passado
E os loureiros do porvir!

Clique aqui e leia este artigo completo »

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

Compartilhe Compartilhe
É O BRASIL

Ministro do Supremo Tribunal Federal dá uma aula de como funciona a Justiça no país

“Não podemos misturar casos de corrupção com casos de caixa 2. Haverá casos de caixa 2 em que se acarreta corrupção, como dinheiro de origem espúria. Haverá casos de caixa 2 em que simplesmente se tratou de esconder, de alguma forma da Justiça e do público em geral, o recurso, mas tinha finalidade de aporte eleitoral”.

Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, explicando que existem ilegalidades que são menos ilegais que outras e corrupções menos corruptas.

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

FRANK – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 DEU NO JORNAL

SE OBRANDO-SE TODINHO COM MEDO DO XILINDRÓ

No interrogatório iniciado por volta das 10h desta terça-feira (14), o ex-presidente Lula confessou ter medo de ser preso na Operação Lava Jato.

O interrogatório está sendo realizado na sede da Justiça Federal, em Brasília, na 10ª Vara.

É a primeira vez que Lula senta do banco dos réus, diante do juiz, sem recorrer a videoconferência.

* * *

Num precisa Lapa de Medroso ficar apavorado com a perspectiva de obrar de coca no boi da prisão.

Segundo fontes bem informadas do JBF, há estoque suficiente de jornais usados que servem pra limpar a bunda na cadeia da Polícia Federal em Brasília.

Como ele não saber ler com os olhos da cara, vai ler com o olho do furico.

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU

Compartilhe Compartilhe
UNS E OUTROS

O nada pra uns é tudo
O tudo pra uns é nada.

Mote de Nelson Farias

Tenho visto muita gente
Reclamando prejuízo
Dizendo que está liso,
Que passou a decadente.
Já outro alegre se sente
Ao receber roupa usada
Dando cada gargalhada
Que deixa invejoso mudo.
O nada pra uns é tudo
O tudo pra uns é nada.

Um recorre ao “Caixa Dois”
Ou outra contravenção,
Sem nem pensar na prisão
Que pode ocorrer depois.
Outro só tem pro arroz,
Mas tem moral ilibada
E a sua vida regrada
É seu principal escudo.
O nada pra uns é tudo
O tudo pra uns é nada.

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe
APELO DESESPERADO

Comentário sobre a postagem EX-PRISID-ANTA GERENTA FAZENDO MUNGANGA NO ISTRANJEIRO

Hilton:

Grande Berto.

“Venho por meio deste;

Pedir, implorar,requisitar, solicitar, esmolar, mendigar, pirangar, obsecrar, postular, rogar, suplicar, rezar, requestar, adjurar, orar, pleitear, instar, clamar.

Para que essa senhora pare de provocar esse sentimento de vergonha alheia.

Entendo e compreendo a dificuldade de compreensão por parte dos seguidores da dita cuja, do extremo constrangimento que ela causa a cada aparição, quando fala, como se não bastasse o mal que ela já fez para o país.”

* * *

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

MYRRIA – A CRÍTICA (AM)

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 A PALAVRA DO EDITOR

CABRA MACHO DA BIXIGA LIXA

Seu Luiz Berto, meu saudoso pai, bem que tentou.

Mas não chegou nem perto do seu xará, Seu Luiz Costa, considerado o Sultão Sertanejo:

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 HORA DA POESIA

CONTRASTE – Anna Lima

A’ Virginia Wanderley

As nossas almas de alegrias ungidas
E ungidas de suave encantamento,
Iam passando a vida sem tormento
E sem maguas ou lagrimas doridas.

As minha rimas pallidas, sentidas,
Tinham teu caridoso acolhimento…
Como era bello o nosso firmamento!
E como eram ditosas nossas vidas!

E tudo transformou a desventura
Que de pungir-me a alma não se cansa!
E és sempre a mesma alegre creatura…

Somos hoje um contraste em realidade:
– Tú és a meiga e candida esperança,
Eu sou a triste e perennal saudade!

Natal, 14 de julho de 1901

* * *

Nota da Editoria:

Anna Lima é avó materna da colunista fubânica Violante Pimentel. O poema acima está no livro Verbenas – Versos (1898-1901) e foi aqui transcrito com a mesma ortografia de quando foi publicada a 1ª edição em 1901.

Compartilhe Compartilhe

14 março 2017 FULEIRAGEM

MOISÉS – BLOG DO MOISÉS

Compartilhe Compartilhe
ALTAMIR PINHEIRO – GARANHUNS–PE

Prezado Luiz Berto,

Por ser um modesto cinéfilo de filme único e exclusivamente de cawboy, dirijo-me ao BESTA FUBANA, oferecendo-me ou me arreganhando todo, para fazer parte dessa tropa de elite da cultura nordestina desse prestigioso blog, no tocante aos filmes do Velho Oeste.

Meu atrevimento se dá em razão de, há mais de 40 anos que estudo o assunto em tela e, por pressentir também, que o seu público, predominantemente, é formado por pessoas de meia idade. Ou seja, na faixa dos 40 a 70 anos, justamente é nessa faixa etária, que o faroeste tem o seu público alvo em razão do bang bang, na época, ter sido assistido por nós adolescentes, décadas de 50, 60 e 70, que foi o auge desta modalidade de filme.

Diretor do BESTA FUBANA, em que pese meu português não estar com essa bola toda, mas dá para arranhar ou então você poderia fazer as postagens em seu blog à noite, haja vista que nesse horário todo gato é pardo e ninguém irá prestar atenção nas aberrações gramaticais.

Caso não haja condição para eu me “IMPRENSAR ou me SOCAR” no meio dessas feras do BESTA FUBANA, nem por isso vou ficar melindrado ou ressentido, em absoluto!!!

Jamais deixarei de frequentar assiduamente as páginas desse almanaque da cultura nordestina.

Agora, advirto-o para que não seja um diretor muganguento nem muito menos durão e apertado feito tampa de crush, porque eu sou “QUINÉM” Sartana ou Django: Vou, mato e volto. Afinal, minha pistola é a lei…

Saudações blogueiristas,

R. É cada desmantelo da bixiga lixa que aparece por aqui.

Vôte!

Pois você já tá imprensado e socado no JBF, seu cabra presepeiro. Pode mandar seus textos faroésticos que serão publicados com muito gosto. John Wayne e Alan Ladd irão adorar.

Quando você diz que esta gazeta escrota é um “almanaque da cultura nordestina“, está se referindo a apenas uma das muitas facetas do jornal. Aqui tem cultura de todos os brasis e mais alguma coisa!

Altamir dirige a página Blog Chumbo Grossona qual eu já vi que consta um reclame do Jornal da Besta Fubana

Para acessar o Chumbo Grosso, basta clicar na ilustração que está no final desta postagem.

Fique à vontade, seja bem vindo e mande as ordens.

Abraços e muito sucesso.

Compartilhe Compartilhe


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa