ARMANDO ALMEIDA – SÃO PAULO-SP

Caro Berto…

seguem um vídeo da manifestação na Paulista e uma foto de minha neta Valentina que foi minha representante na passeata.

Dá para publicar nesta Gazeta estapafúrdia???

Abração e fora PT!!!

R. Esta gazeta estapafúrdia publica com muito prazer o vídeo e a foto de sua neta que você nos mandou meu caro.

Estão aí no final da postagem.

A população brasileira, de norte a sul, de leste a oeste, foi ontem às ruas e protagonizou um dos espetáculos mais belos e impactantes da história recente do nosso país.

Diga pra Valentina que mando um beijão carinhoso pra ela.

E que desejo pra todas as crianças desta terra amada, desta terra verde e amarela, um futuro totalmente livre da praga horrível chamada petismo.

Repito o fecho de sua carta:

Fora PT!!!

22 outubro 2018 CHARGES

ADNAEL

O FILHO BASTARDO

Paulinho nasceu de um relacionamento extramatrimonial de sua mãe, Carminha, com um cardiologista famoso do estado.

Baixinha, de corpo escultural, inteligente, discreta, elegante, competente, atenciosa, Carminha logo foi despertando interesse no cardiologista que, sempre que o consultório ficava vazio, parava tudo e ia conversar com aquela enfermeira paradigmática, de olhos bem fixados nos peitos pontudos e duros dela, nas coxas grossas, com uma sensualidade à Marilyn Monroe, que o cardiologista jamais tinha vista em outras mulheres que conheceu e que já havia passado no consultório. Carminha era diferente em tudo!

Conversa vai conversa vem, com seis meses de trabalho, Carminha e o cardiologista se tornaram amantes, paixão avassaladora que mesmo em dias de não expedientes no consultório os dois se encontravam para homéricas horas de prazer e curtição.

Dois meses depois da primeira relação amorosa, Carminha percebeu que estava grávida do médico, mas não lhe contou logo, esperando a confirmação do teste de gravidez.

Assim que confirmou a gestação procurou o cardiologista e contou-lhe a novidade. Como médico famoso na praça e temendo a repercussão do caso no meio onde era admirado ele reagiu insidioso, soltando os cachorros na cara de Carminha e exigindo que ela abortasse sob pena de demissão por justa causa e fim do relacionamento.

De personalidade forte e determinada, já amando definitivamente aquela coisa linda crescendo no seu ventre, Carminha não atendeu ao apelo do médico, preferindo ser demitida. E foi o que aconteceu!

Rebaixada em outro emprego que havia sido admitida, Carminha foi até o fim com a gravidez que transcorreu, felizmente, numa boa, vindo a ter Paulinho saudável, lindo, tornando-se o xodó da família.

Guerreira, Carminha trabalhava em duas clínicas para sustentar o filho, que teve o registro de nascimento feito sem o assentamento do nome do pai que se recusou a registrar, e ajudar a família que tomava conta de Paulinho na sua ausência.

A criança cresceu e sempre soube pela boca da mãe quem lhe era o pai e que não o quis reconhecer para evitar escândalos na família, já que era um médico rico e influente no convívio com a sociedade.

Com a ajuda da mãe e muito determinado, estudando em colégio do estado e fazendo cursos particulares pagos por fora pela mãe, Paulinho conseguiu passar no vestibular de medicina da federal na primeira tacada em ótima colocação. Feliz consigo mesmo por ter tido o apoio irrestrito da mãe, da família materna e de ter sido classificado entre os dez primeiros colocados, resolveu procurar o pai biológico sem a mãe saber, mostrar-se a ele e dizer-lhe que havia passado no curso de medicina.

Foi o que fez assim que se matriculou na universidade federal.

Para não suscitar dúvidas, marcou uma consulta no consultório para ver o pai de perto, olhar-lhe nos olhos e dizer-lhe que era seu filho e havia passado no vestibular de medicina da federal.

Dia e hora marcados chega Paulinho ao consultório do pai, cardiologista famoso, conversa com a recepcionista que faz algumas anotações no prontuário e depois o manda sentar-se no sofá confortável da sala e ficar aguardando a chamada.

Meia hora após ter chegado, com a saída do paciente que o pai estava atendendo a secretária chama Paulinho e manda-o entrar.

Educadamente ele se levanta da poltrona e dirige-se à sala luxuosa onde o pai estava atendendo. Senta-se na frente dele e este lhe pergunta com sorriso largo:

– O que o traz aqui, meu jovem bonitão?

Paulinho, sem pestanejar, olhos firmes, com a mesma tranquilidade e firmeza do pai, responde:

– Não vim aqui para consulta, não, doutor! Vim aqui para conhecer meu pai de quem tanto mamãe fala, mas nunca me apresentou a ele porque ele não queria conhecer. Sou Paulinho, o filho que o senhor mandou minha mãe abortar! Lembra? Passei em medicina e vou me especializar na área cardiológica! Faço questão de seguir os seus passos com minhas próprias qualidades e defeitos!

– Não vim aqui pedi nenhum favor ao senhor – continuou – apenas dizer que sou seu filho e vou estudar medicina na mesma universidade que o senhor passou, estudou e se formou.

Percebendo que o pai ficou trespassado com a presença do filho renegado por ele no passado e percebendo que sua presença lhe teria provocado uma surpresa inesperada, aproveitou que o pai estava com o rosto pálido, tapando-o com as mãos trêmulas e mudo, levantou-se do sofá, abriu a porta, saiu e pediu à secretária que mandasse entrar outro paciente que o “doutor estava livre”!

O mundo dá muitas voltas! E cada volta é uma surpresa, para o bem ou para o mal, dependendo do que você plantou!

22 outubro 2018 CHARGES

SINOVALDO

22 outubro 2018 DEU NO JORNAL

RECORDAR É SE RIR-SE

Algumas notícias de um passado recente.

Bem recente mesmo.

22 outubro 2018 CHARGES

SINOVALDO

FRASES ANÔNIMAS BEM-HUMORADAS

“A vida fica mais fácil quando você entende que a outra pessoa tem o direito de não ter a mesma opinião que você.”

“Vasculhou os armários e percebeu que não precisava arrumar a roupa, e sim a vida.”

“Não é porque você leu bons livros e conhece coisas boas que é inteligente. Você pode apenas ser um idiota com boas referências.”

“Comece a perceber quem apóia você, e quem se apóia em você.”

“Cheguei numa fase da vida onde não sinto necessidade de impressionar ninguém. Se gostarem de mim do meu jeito, ótimo. Senão, até logo.”

“A gente não precisa concordar… A gente precisa é de democracia para continuar discordando!”

“Uma pergunta interessante: se você pudesse comer suas próprias palavras, a sua alma seria nutrida ou envenenada?”

“Ninguém é o mesmo de um ano atrás. Se for, está com defeito.”

“Falar dos pecados dos outros não torna você um santo, apenas um pecador fofoqueiro.”

“As pessoas têm medo das mudanças… Eu tenho medo que as coisas nunca mudem.”

“Você é a única pessoa do mundo que sabe a verdade sobre sua vida, portanto, tudo que falam a seu respeito é problema deles… Não seu.”

“Tem gente que é tão bonita do lado de dentro que eu tenho vontade de abraçar do avesso.”

“A mesma água fervente que amolece a batata também torna o ovo duro. Não são as circunstâncias que mudam as pessoas, mas sim o que tem dentro delas.”

“Descobri o segredo para não falar coisas das quais possa vir a me arrepender é estar sempre calmo. Agora só falta descobrir o segredo para estar sempre calmo.”

“Gente questionando se existe vida inteligente em outros planetas… como se aqui na terra estivesse fácil de encontrar… “

“Existem três soluções para qualquer problema: aceitar, mudar ou deixar ir. Se você não pode aceitar, mude. Se você não pode mudar, deixe ir.”

“Você fica muito parecido com as pessoas que mais convive… Então, escolha com cuidado.”

“Uma atitude errada pode estragar dias, anos e momentos. Por isso tome cuidado, porque nem todo lápis vem acompanhado de borracha.”

“Até um peixe se livra de problemas, se mantiver a boca fechada!”

“Eu nunca cometo o mesmo erro duas vezes… Comete umas cinco vezes, só para ter certeza que é errado mesmo!”

22 outubro 2018 CHARGES

MYRRIA

DINHEIRO MAIS FORTE QUE IDEOLOGIA

Em depoimento a Lava Jato no ano passado, o presidente da Odebrecht, Emílio, disse que o ex homem forte do governo militar, Golbery do Couto e Silva, lhe falou que o “Lulla não tem nada de esquerda. Ele é um bom vivant”. Aos Procuradores do MP reafirmou que era verdade, “ele gosta da vida boa, uma cachacinha”. É esse o homem que faz o Haddad de pau mandado. É esse o homem que ainda domina um partido em fase de extinção, não pela cassação do seu registro, mas pela descrença de quem sonhava com novos rumos para o Brasil via o Partido dos Trabalhadores. Foi no PT que a classe trabalhadora, agora órfã, depositou suas esperanças de novo tempo. Mal sabiam do futuro que os esperava. Jamais passou pela cabeça do trabalhador brasileiro ter o seu nome usado em vão. Para sua tristeza e decepção, a classe dirigente do PT iludiu, de forma cruel e maldosa, todos seus filiados e admiradores. Ruiu com o sonho da laboriosa classe operária. Enganou e ludibriou a sua fé e esperança de uma decente representatividade. Mentiu, usando da voz do trabalhador, aos milhares de brasileiros que viam no PT um canal de melhor tempo na relação empregado X patrão.

Acontece que o trabalhador brasileiro, desde os primeiros movimentos da fundação desse maligno, nocivo, lesivo e tóxico partido, construído com a perversa proposta pensada pelos seus dirigentes nos porões da subversão e que se utilizaram de pessoas bem intencionadas, como por exemplo, o nobre jurista Dr. Hélio Bicudo, foi iludido, enganado de forma consciente e utilizado como massa de manobra para o enfrentamento dos industriais e empregadores brasileiros. É esse partido, o PT, que nada tem de político, mas sim, um mecanismo utilizado por um grupamento de pessoas mal intencionadas e que visam unicamente se manter no Poder e dele se servir e locupletar, é que tenta permanecer atuando no cenário político do Brasil com essa falsa candidatura do “poste” Haddad. É esse partido, o PT, -desfigurado pelo desespero, que troca de cores e some com seu líder presidiário, que se pinta, desavergonhadamente, com a cores do Brasil sendo que, poucos dias atrás, pregava pela construção da “grande Pátria”, a alucinógena URSAL, e alardeava que a nossa Nação teria as cores vermelhas na bandeira.

Dentro os métodos mais cruéis utilizado pela esquerda, um se destaca por sua absorção pelo indivíduo de forma ilusória diante da realidade do cenário em que ele vive. É a Psicopolítica, intensamente utilizada para a dominação de massas sem que ela perceba o domínio. Ela se submete aos ordenamentos sem ter consciência de sua submissão. “O indivíduo se pensa livre quando de fato o sistema explora a sua liberdade”. É assim mesmo, uma forma de condicionamento da liberdade na ilusão dessa mesma liberdade”, diz Byung-Chul Han, filósofo anglo coreano. É esse o comportamento que se vê nas redes sociais pelos admiradores e seguidores do encarcerado de Curitiba. É o mesmo que acontece com os seguidores e participantes de grupos extremistas que se autodenominam “Movimentos Sociais”, todos, sem exceção, formados por membros que passaram e ainda passam, por essa lavagem cerebral. São pessoas desprovidas da capacidade de pensar, de imaginação e mesmo de reflexão. Essa situação cria um freio mental e as tornam prisioneiras de si próprias, que, inconscientemente, desenvolvem obediência a um líder. Como disse a amiga Ana, é uma imunização cognitiva. Mesmo que os acontecimentos não pautem ou se sustentem pela realidade, essas pessoas se agarram aos mandamentos estabelecidos pelo comando. Isso se irradia na mente do grupamento, tipo MST, e o domina, criando a chamada imunização cognitiva, o que a faz excluir qualquer raciocínio lógico.

A vitória de Bolsonaro, eleitor, abre uma perspectiva de recomposição política do Brasil e de uma nova forma de governar. Creio, e espero, que o novo governo desmantele esses grupos quadrilheiros que ainda farão parte do Congresso Nacional e estabeleça uma relação, não de negociatas, mas de debates e propostas sérias e decentes. Fé coloco de que o novo governo seja gerido na direção da aniquilação de ideologias obsoletas e que hoje fazem parte da cantilena nacional em que a grande maioria mal entende do que é composta. A nova ideologia tem que ser a da construção da Nação brasileira para barrar aventureiros desmiolados, incapacitados e tiranos ideológicos. Temos que conter esses falsos pregadores, como o presidiário, em que o dinheiro foi mais forte que a ideologia.

22 outubro 2018 CHARGES

YKENGA

22 outubro 2018 DEU NO JORNAL

O POVO FOI PRAS RUAS E O VERDE-AMARELO COLORIU O BRASIL (1)

Aliança é uma pequena cidade de Pernambuco, localizada na Zona da Mata Norte, com 38 mil habitantes.

Ela foi uma das milhares de cidades onde aconteceram manifestações anti-PT em todo o Brasil no dia de ontem, domingo.

* * *

A multidão também tomou as ruas de Belém, capital do Pará:

* * *

A brava gente das Alterosas também se mobilizou.

As ruas de Belo Horizonte ficaram lotadas neste domingo.

Como acontece no resto do país, os mineiros se cansaram da ladroagem petralha e estão exigindo o sumiço da quadrilha de Lula.

22 outubro 2018 CHARGES

DUKE

22 outubro 2018 DEU NO JORNAL

SERIA UM PRESENTE DE GREGO

Revista Isto É

A uma semana da votação, Fernando Haddad tenta esconder o que o PT nunca teve pudores em escancarar.

Por trás das cores, – agora verde e amarela da campanha –, encontra-se o exército de malfeitores petistas que levou o País à maior crise moral e político-econômica da história recente

Em um estudo de história que se tornou um clássico, Barbara W.Tuchman usa a lenda do Cavalo de Tróia, contada no poema Ilíada, de Homero, para comentar como muitas vezes os homens embarcam em apostas insensatas e sem sentido que deságuam em destinos trágicos. Como alguém poderia acreditar que um imenso cavalo de madeira recheado de soldados no seu interior fosse apenas um inocente presente para uma cidade? Barbara W.Tuchman batizou esses momentos de “A Marcha da Insensatez”. No Brasil dos nossos dias, o PT tenta apresentar à sociedade um ób vio Cavalo de Troia. Por trás das cores agora verde e amarelas da campanha de Fernando Haddad, apresentado como simpático ex-ministro da Educação e ex-prefeito de São Paulo, encontra-se o exército de petistas que, pela sequência de erros administrativos e envolvimento em escandalosos casos de corrupção, ajudou a levar o País à ruína – indubitavelmente a maior crise moral e econômica da história recente. Especialmente no segundo turno, a campanha de Haddad tenta esconder esse exército. Dourar a pílula de fortes tons rubros. Mas se trata de um aspecto inconteste, que o PT não teve pudores de ostentar quando a eleição parecia navegar em mares de águas menos turvas. “Na verdade, quem buscou transformar as eleições deste ano em plebiscito foi o próprio PT”, observa o cientista político Leonardo Barreto, da Universidade de Brasília (UnB). Agora, Haddad posa de democrata, apresentando-se como alguém capaz de aglutinar as esquerdas. Como o herói que desponta na relva sobre o cavalo alado a fim de pacificar a nação. Tarde demais. O cavalo, como sabemos, é outro. Há menos de um mês, a história também era outra.

Na estratégia inicialmente montada, o ex-presidente Lula, preso por corrupção na sede da Polícia Federal em Curitiba, imaginava que o eleitor lhe daria uma ampla votação que soaria como uma absolvição popular. Que coroaria a tese do PT de que tudo não passou de uma injustiça. De uma punição política. De carona, seguiriam pelo mesmo caminho da redenção pelas urnas todos os demais petistas enrolados. O eleitor negou a Lula seu plano. Aceitou o formato plebiscitário, mas para derrotar a tese do PT. Deu a vitória na primeira etapa das eleições a Jair Bolsonaro, do PSL, levando Haddad no segundo turno a tentar construir uma impossível e falsa guinada no formato da sua campanha. “O PT apostava que prevaleceria no conjunto da sociedade a memória dos tempos de bem estar e ascensão econômica dos primeiros anos do governo Lula. Mas o que prevaleceu foi a memória da confusão e da crise dos anos mais recentes, do governo Dilma Rousseff. Os casos de corrupção. E a falta de resposta para o crescimento da violência urbana”, analisa Leonardo Barreto. Ou seja: o que se pretendia escondido na barriga do Cavalo de Tróia, restou escancarado aos olhos do eleitor.

O exército oculto

A sequência de personagens ocultos começa pelo próprio Lula. O primeiro ato de Haddad no segundo turno foi ir à Curitiba receber do ex-presidente a ordem para que parasse de visitá-lo. Assim, a retirada de Lula da campanha já começou não sendo uma decisão de Haddad, mas uma determinação do próprio Lula. Na prática, porém, só o que mudou foi a ausência do contato pessoal entre o criador e a criatura. Emissários do PT têm ido a Curitiba e, na cela na sede da PF, colhem as orientações do ex-presidente para a campanha. Um desses emissários é o advogado Emídio Pereira de Souza, ex-prefeito de Osasco.

Velada ou explícita, a presença de Lula em um eventual governo Fernando Haddad é uma expectativa óbvia. Até porque Haddad foi colocado como candidato para exatamente ser um avatar de Lula. De forma ainda mais explícita do que aconteceu quando da escolha de Dilma Rousseff como sua substituta. Caso siga preso, será um conselheiro evidente, participando especialmente das articulações políticas e das negociações com aliados, sua especialidade. Se deixar a cadeia, Lula poderia vir a ter uma posição de destaque no Ministério de Haddad. A posição mais provável seria ministro das Relações Exteriores.

Dentro da linha inicialmente imaginada de transformar a eleição em plebiscito, o PT imaginava eleger Dilma Rousseff senadora por Minas Gerais. O plano de Dilma era obter um palanque no qual viesse a defender as realizações de seu governo e seguir reforçando ali a narrativa de que seu impeachment foi um golpe. Os votos mineiros lhe dariam a legitimidade para contar tal história. Dilma já era cotada no PT como provável presidente do Senado. Novamente, o plano fracassou. Dilma não foi eleita senadora. Mas segue no leque de opções de Haddad para algum posto técnico no governo. Como o Ministério das Minas e Energia, que ocupou no início do primeiro governo Lula.

Minas e Energia é a área que abriga a Petrobras, berço dos escândalos revelados pela Operação Lava Jato. E é da Petrobras que vem outro exemplo de quem se esconde na barriga do Cavalo de Tróia. O ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli é hoje um dos coordenadores da campanha de Haddad. Gabrielli responde a duas ações de improbidade por mal feitos cometidos no período em que comandava a estatal. No Tribunal de Contas da União (TCU), Gabrielli foi responsabilizado por danos cometidos à Petrobras e condenado a pagar, junto com o ex-diretor Internacional e ex-diretor da BR Distribuidora Nestor Cerveró, R$ 320 milhões, frutos de prejuízos ocorridos nas negociações com a refinaria de Pasadena.

O núcleo mais radical do partido pode estar agora mais escanteado do comando central da campanha de Haddad. Mas segue no PT e segue influente. Caso do ex-senador Lindbergh Farias (PT-RJ), de Fernando Pimentel, ex-governador de Minas Gerais, de Guilherme Boulos (PSOL), derrotado no primeiro turno, mas sempre um soldado de primeira hora de Lula e, por óbvio, do onipresente ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. No primeiro turno, em um momento que parecia mais favorável à vitória de Haddad, Dirceu declarou que o projeto do PT não era ganhar a eleição, era “tomar o poder”. A frase infeliz – numa democracia, o poder é sempre do povo, ninguém deve se arvorar o direito de tomá-lo – foi desautorizada por Haddad e, desde então, Dirceu submergiu. Mas segue distribuindo as cartas nos bastidores da campanha. Outra que mantém ascendência, mas foi aconselhada, nos últimos dias, a ficar na muda foi a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), seguidora também da linha mais radical. “Quem vai acreditar que José Dirceu, Gleisi Hoffmann e outros não terão influência em um eventual novo governo do PT com Haddad?”, questiona o analista político André Pereira César, da Hold Assessoria Legislativa. “A certeza da volta de diversos desses personagens é um problema para Haddad. O antipetismo tornou-se a marca mais importante desta eleição”, emenda Leonardo Barreto.

Nos bastidores, alguns partidos do chamado grupo progressista que o PT tenta trazer para junto de si no segundo turno, como o PDT e o PSB, admitem que a existência das figuras que ficaram marcadas pelos escândalos de corrupção e pelos erros de condução da era petista complicaram as composições no segundo turno. Ao aliar-se publicamente com o PT e, de quebra, com integrantes do partido que já foram condenados ou estão respondendo a ações judiciais, existe um receio de que as outras siglas acabem sendo contaminadas pelo sentimento antipetista que tem dificultado a vida de Haddad no segundo turno. Leonardo Barreto simplifica o sentimento: “Ninguém aposta em cavalo perdedor”. Principalmente, se for de Tróia.

22 outubro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

MÁRIO LIMA

Nesse mês de outubro de 2018 meu pai faria 110 anos. Eu o amava, eu o admirava. O general Mário Lima educou os filhos pelo exemplo, por suas atitudes. Homem de pouco falar, de muito agir, dedicou sua vida à família, aos amigos e principalmente à sua terra. Foi um homem íntegro, capaz, corajoso; uma das grandes figuras do século XX das Alagoas.

Iniciou sua vida adulta muito cedo, fez concurso para a Escola Militar de Realengo. Ao sair aspirante em 1930 foi servir no 5º Regimento de Infantaria em Lorena, interior de São Paulo. No início de 1932 conseguiu transferência para o 20º Batalhão de Caçadores em Maceió. O destino foi cruel, em julho de 1932 rebentou a Revolução Constitucionalista (ou separatista) de São Paulo. O 20º BC foi uma das tropas legalistas designada para lutar contra os revoltosos paulistas. O tenente Mário Lima embarcou como comandante da 1ª Companhia de Fuzileiros do 20º BC no porto de Maceió para combater os paulistas, combater seus amigos do 5º RI, cujo comandante era destacado revoltoso. A revolução de 1932 foi o maior genocídio do Brasil, morreram milhares de brasileiros. Recentemente fiquei com maior orgulho quando li um livro sobre a Revolução de 1932, o tenente Mário Lima aparece como herói daquela guerra. Arriscou sua vida no meio do tiroteio arrastando para trincheira um capitão e um soldado, feridos, no campo de batalha. No livro tem o depoimento de um soldado do 5º Regimento de Infantaria que recusou atirar contra a tropa do 20º BC, pois seu ex chefe, tenente Mário Lima, estava naquela tropa. Os paulistas perderam a guerra. O Vale do Paraíba foi ocupado pelas tropas legalistas, o mais sangrento campo de batalha da História do Brasil, brasileiros contra brasileiros. O tenente Mário Lima foi designado como “prefeito de ocupação” do Vale do Paraíba, teve uma atuação humanitária com os irmãos brasileiros revoltosos que perderam a guerra. Essas e outras histórias constam no livro dos próprios paulistas, do historiador Wanderley Gomes Sardinha.

Mário Lima serviu por muitos anos em Maceió. Seu trabalho extrapolava as atividades militares. Desportista, meteu-se em futebol, equitação, foi até juiz de históricas partidas de futebol. Quando havia um CRB x CSA era juiz de fora ou o tenente Mário Lima para apitar, embora ele fosse notório torcedor do CRB a diretoria do CSA aprovava sua atuação como juiz da partida. Foi presidente da FAD, do CRB, Fênix. Até recentemente, o campeão do primeiro turno do campeonato alagoano ganhava a Taça Mário Lima.

Serviu quase toda vida no 20º BC, ele chamava com muito orgulho de “Meu Batalhão”. Sua vida social dentro da comunidade foi intensa. Quando coronel comandante do 20º BC, no início dos nos 50, Alagoas passava uma fase política conturbada, Mário Lima teve uma atuação destemida, evitou um grande derramamento de sangue, garantiu com a tropa do Exército a eleição. Foi um homem que soube diferençar exageros. Amenizou a cadeia de muitos comunistas. Ao se reformar do Exército dedicou-se ao trabalho na Santa Casa, no Orfanato São Domingos, na TELASA e tornou-se professor de matemática, para ajudar a criar os filhos.

No domingo anterior ao carnaval havia o banho de mar à fantasia na Avenida da Paz. Mário Lima, cedo, preparava dois caldeirões de laco-paco, batida de maracujá e mel de abelha, para servir aos blocos que visitavam sua casa. Após o desfile defronte à Fênix, todos os blocos, Vulcão, Bomba Atômica, Cavaleiro dos Montes, Vou Botar Fora, entre outros, dirigiam-se à nossa casa. Os músicos eram servidos com laco-paco, cerveja, tira-gosto. Em seguida tocavam frevos rasgados e nós caíamos no passo naquele enorme terraço. Quando o bloco saía, acompanhávamos até a Avenida, retornando correndo para pegar outro bloco que já esquentava a garganta. Tornou-se tradição a visita de blocos durante o banho de mar à fantasia na casa da Silvério Jorge. Os amigos caíam no passo com muita alegria, não perdiam o carnaval improvisado.

Hoje, domingo sem festa e sem fantasia, lembro os carnavais passados e meu velho amigo, meu pai, meu herói, Mário Lima. Ele ainda habita nossas recordações, nossas mentes e corações. Estaria preocupado com a situação do país, era um democrata. Semana passada encontrei uma carta que meu pai enviou em 1956 quando eu cursava a Escola Preparatória de Cadetes do Exército, me aconselhava:

“..Pensa sempre no bem do Brasil. Sirva mesmo de rumo aos teus atos e ações o pensamento constante na grandeza da Pátria querida. Porém jamais te cumplicies aos aventureiros da política malsã que infelizmente ainda infesta o Brasil. Seja sempre digno, mantenha sempre bem alto o alvo de tuas ambições e afetos; porém também sempre te lembres que são injustificáveis as “quarteladas” e a “ditadura”…

Guardo essa carta há 62 anos, minha bíblia.

22 outubro 2018 CHARGES

RONALDO

ARTHUR NATALE – PIRACICABA-SP

Sr. Editor,

O PT está esbravejando e dizendo que estão criando notícias falsas sobre o seu candidato a presidente, Fernando Haddad.

Tire-me uma dúvida, por favor:

É possível criar notícias falsas sobre o PT que sejam piores que as verdadeiras?

R. Caro leitor, esta sua dúvida é cruel.

É lancinante, é torturante (êpa!).

Vamos aguardar pra ver o que dizem os palpiteiros fubânicos.

O que mais tem por aqui é gente doutorada e especializada em atitudes e atividades do bando lulaico.

Aguardemos.

22 outubro 2018 CHARGES

IOTTI

O AZUL E O AZUL

Era só uma quarta-feira, igual a tantas outras quartas-feiras já vividas. Estava eu a soletrar sílabas, embalar palavras e transformá-las em versos, quando abri o escuro e meus olhos enxergaram um azul mais azul que aquele que o Poeta Carlos Pena Filho tanto gostava. Acho que até meus sapatos, se estivessem em mim calçados, estariam azuis. Meus cabelos, revoltos e também azuis, voavam ao sabor dos ventos anunciadores da chuva que estava por vir. A lua, escondida entre nuvens, teimava em clarear de quando em quando, anunciando que naquele dia ela estava preguiçosa e sem vontade, meio azulada, até. Estava ali apenas por obrigação de ofício. O relógio bateu meia-noite e naquele instante respirei o cheiro de uma quarta-feira de passado recente. Além disso, percebi restar um derradeiro cheirinho de chuva pendurado na telha, caindo num ritmo lento e compassado, tal qual uma valsa triste de um final de noite, molhando a pata-de-elefante adormecida no jardim azul de minha casa. Mas aí já era quinta-feira.

22 outubro 2018 CHARGES

TACHO

22 outubro 2018 DEU NO JORNAL

COMO TEM GENTE IDIOTA NESTE MUNDO

A última pesquisa do BTG, realizada durante o fim-de-semana pela FSB, mostra Jair Bolsonaro com 60% dos votos válidos.

E Fernando Haddad com 40%.

* * *

Francamente, eu fico de queixo caído

Puta que pariu!!!

É de lascar!!!

Ainda existe uma fatia de 40% de idiotas que vota no PT.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Idiota total: acredita que Lula é inocente e vota em Haddad

22 outubro 2018 CHARGES

LUCIO

FAKE NEWS SÃO SÓ LOROTA

* * *

BOLSONARO E O FASCISMO

22 outubro 2018 CHARGES

AMARILDO


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa