15 dezembro 2018 CHARGES

SINOVALDO

15 dezembro 2018 AUGUSTO NUNES

SANATÓRIO GERAL

A GUERRA DA BENEDITA

Deputada do PT insinua que o Uruguai vai invadir o Brasil para libertar o presidiário Lula

“A conversa com o ex-presidente Pepe Mujica, aqui no Uruguai, fortalece a nossa luta em defesa das políticas de integração da América Latina e da campanha Lula Livre. #Mujica #PepeMujica“.

Benedita da Silva, deputada federal pelo PT fluminense, no Twitter, insinuando que o Uruguai vai invadir o Brasil para exigir a libertação de um corrupto condenado a 12 anos e 1 mês de gaiola.

* * *

FALTA PARAFUSO

Celso Amorim estabelece uma linha divisória entre democracia e ditadura sem revelar onde fica

“No momento, o país exige uma frente ampla democrática em que a linha divisória vai ter que se deslocar um pouco para a direita porque, se não, nós não sobreviveremos”.

Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores do governo Lula, na Conferência Internacional em Defesa da Democracia, promovida pelo PT, estabelecendo uma linha divisória que não sabe onde fica.

15 dezembro 2018 CHARGES

DUKE

ALGUNS PENSAR

Durante muito tempo colecionei inúmeras propostas que considero de alguma utilidade a instituições públicas e privadas, mas que, infelizmente, não encontrei receptividade. Lembro-me de uma passagem com o meu saudoso amigo e Senador da República, nos anos 80, Benedito Canelas quando o assessorava e estivemos em um assentamento agrícola na região de Quatro Marcos- MT. Perguntei ao assentado porque as crianças não frequentavam a escola e recebi a seguinte resposta: “sem eles me ajudando na roça, morremos de fome”. Em Cuiabá, o motorista do taxi que nos levava para o aeroporto falou da imensa dificuldade de pagar o TRU-Taxa Rodoviária Única, hoje IPVA. Apresentei ao Canelas a proposta de uma ajuda do governo para a família de assentados no valor de um salário mínimo para que os filhos pudessem frequentar as escolas dos assentamentos rurais. O Senador argumentou que dificilmente seria aceita essa proposta, mas mesmo assim enviei ao presidente Figueiredo, em correspondência do gabinete do Senador, amigo pessoal do presidente, que retornou informando ter encaminhado ao Ministério da Educação. Quanto ao TRU, depois de muita insistência, Canelas levou em meados de agosto a proposta pessoalmente ao presidente e creio que foi esta ação que fez ocorrer na data de 22 de novembro de 1980 e publicado em 23/12/1980, a alteração do Dec 999/69, com a exclusão dos taxistas. Canelas nunca tirou proveito político dessa vitória.

Estão nas mãos da equipe de assessoria de transição do Bolsonaro, propostas que estavam há muitos anos guardadas e nunca aproveitadas, nem mesmo para dar conhecimento. Resolvi tirar do baú algumas delas e enviar, para talvez, quem sabe, ter alguma utilidade. Entre elas está a que mais tenho certeza de sua aplicabilidade e da gigantesca solução ao eterno problema da falta de sangue nos hospitais brasileiros. Consiste em dar um bônus nas notas do ENEM a todo vestibulando que se propor no ano do exame, a doar sangue. No momento de sua inscrição, será anotada a sua participação no programa de apoio social e o mesmo acontecendo aos impedidos, comprovadamente, de doação. O alcance desse programa de doação não está restrito apenas ato de doar em si, é um enorme instrumento de exame para descobertas de possíveis doenças contagiosas do doador- DST, portador de uma outra doença hematológica, como exemplo hepatite, possibilidades de ser doador de medula e por aí vai. Quanto a parte legal, que muitos alegam ser impeditiva de tal proposta, nada há contra a sua adoção. Não se está comercializando o sangue doado, o que é proibido. É um benefício à população e já é adotado em muitos Estados nos concursos oficiais tais como do Ministério Público. Não existe impedimento legal, o que falta é atitude em realizar.

Uma outra proposta está na readequação da lei que criou a Amazônia Legal. Tem que ser estabelecido novos limites geográficos para a Amazônia nativa ou biológica daquela que foi inserida dentro do perímetro legal para atender programa de desenvolvimento e ocupação dessa região assim denominada, mas não inserida dentro do contexto do ecossistema amazônico. Através de Lei, será estabelecido um novo marco regional com políticas reais de preservação como, por exemplo, instalar em seu interior postos militares avançados voltados ao treinamento militar na selva e como forma de fiscalizar e inibir a exploração predatória e ilegal. Criar a Universidade da Selva com campus dentro dos limites da Amazônia Nativa, voltadas a potencializar a exploração sustentável das riquezas da biodiversidade, elaboração de estudos e pesquisas voltadas as doenças tropicais e outras, utilizando-se de fontes medicinais descobertas e para o desenvolvimento de trabalhos científicos e de novas tecnologias para a estabilização do sistema ecológico da região.

Para tal, entre outras ações, será de exclusiva responsabilidade da União da implantação, administração e operação de qualquer atividade na Amazônia Nativa, transformando-a em território federal, respeitados os limites dos centros urbanos e sua administração municipal hoje existentes, inibindo e proibindo a criação de novos núcleos populacionais. É, no meu entender, um enorme avanço na fixação da soberania nacional e um forma de liquidar com qualquer pretensão, como o tríplice A que gerou, pelos esquerdistas, enorme contestação a negativa correta do presidente Bolsonaro em frear essa “invasão” estrangeira nos interesses e território do Brasil. No próximo sábado escreverei sobre algumas outras voltadas à Educação e a organização política municipal. São apenas alguns pensar.

15 dezembro 2018 A PALAVRA DO EDITOR

O INSTITUTO DATA BESTA PERGUNTA

Tem nova pesquisa no ar nesta gazeta escrota.

Vá aí do lado direito e cumpra seu dever cívico-fubânico.

Dê seu pitaco.

Um excelente final de semana pra todos os nossos leitores!!!

Pesquisador: “Tu lê o Jornal da Besta Fubana”

15 dezembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

15 dezembro 2018 COMENTÁRIOS SELECIONADOS

UMA GAZETA DESAFORENTA E EFICIENTE

Comentário sobre a postagem DOIS CARAS-DE-PAU

César Vale:

“Essas histórias de médiuns curandeiros, safadeiros e senvergonheiros são muito antigas e verdadeiras. Não me entra na cabeça vir alguém do Exterior atrás de se curar com um cafajeste. Nem de só agora um batalhão de mulheres daqui mesmo resolver externar uma queixa coletiva contra este João do Diabo.

Por que demoraram tanto?

É caso parecido com aquele médico que estuprava pacientes anestesiadas e que vive em prisão domiciliar graças a um ministro do STF.

José Lins do Rego conta certos acontecimentos em Pernambuco, na Pedra Bonita.

Vai daí que eu descobri a BESTA FUBANA para dar este recadinho avexado.

Que tudo prospere nesta nova imprensa do colega Luiz Berto, que ninguém sabe qual a cor, se é marrom ou preta.

Sabe-se que é desaforenta e eficiente.

Sou aqui do Ceará, mas amo Pernambuco e a sua História e as histórias dos cangaceiros.

“Pernambuco, um dia eu vi-te dormindo imenso ao luar”. (Castro Alves)”

* * *

15 dezembro 2018 CHARGES

LUCIO

15 dezembro 2018 DEU NO JORNAL

UMA PISTA

O delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes, disse à Folha que policiais já percorreram mais de 20 locais em busca de João de Deus sem conseguir encontrá-lo.

Acusado de abuso sexual, o médium teve a prisão preventiva decretada nesta sexta-feira pela Justiça de Goiás.

* * *

Vou dar uma pista pra polícia de Goiás.

Pra encontrar este sujeito, é só procurá-lo em locais onde existem grandes concentrações de bucetas.

João Come-Quieto: sempre no meio delas…

15 dezembro 2018 CHARGES

PELICANO

15 dezembro 2018 JOSIAS DE SOUZA

O BALANÇO DA LAVA JATO NO SUPREMO

15 dezembro 2018 CHARGES

J. BOSCO

DETESTO MEU NOME

Em algum momento da vida já nos deparamos ou iremos nos deparar com alguém insatisfeito com o próprio nome ou sobrenome. Trata-se de uma manifestação de desagrado decorrente de ato inteiramente alheio à vontade do reclamante, pois resulta de decisão de exclusiva responsabilidade dos pais diante da pia batismal ou de um balcão de cartório de Registro Civil.

Impõe-se ao cidadão, no seu nascimento, tamanho constrangimento anunciado prematuramente que lhe deveria ser facultado ou facilitado o direito, mesmo na mais tenra idade, de mudança do nome civil se assim desejasse.

São tantos os exemplos de extravagâncias perpetradas pelos pais, quando do batismo de indefesos recém-nascidos, que tratados e mais tratados poderiam ser escritos sobre os casos. Assim como serem analisadas as causas e consequências de tais absurdos por estudiosos em ortografia etimológica.

Na minha epopeia de engenheiro rodoviário, conheci um servidor público deslumbrado com os nomes de pronúncias complexas estampados nas laterais das máquinas de terraplenagem no órgão em que ele trabalhava. Eram as logomarcas dos fabricantes dos equipamentos pesados. Não fez por menos o ditoso funcionário, tascou nos três filhos que gerou os prenomes Huber Warco, Michigan e Caterpillar.

Uma vez ou outra, vira epidemia no país registrar filhos com nomes estranhos ao nosso vocabulário. De acordo com o ídolo ou devaneio dos pais, surgem verdadeiras aberrações linguísticas lançadas nos costados dos desamparados filhos. Se existe tanto fervor em homenagear alguém, por que não modificar o próprio nome em vez de agredir um cristão completamente ignorante do mal que lhe estão fazendo?

Uma minha cunhada pediatra, residente em Brasília, quando na ativa prática da Medicina, vingava-se desses devaneios impostos aos rebentos de forma inusitada. Ao verificar a ficha da criança e ver um agressivo nome estrangeiro, chamava o paciente dizendo: “Davide! É a sua vez de ser atendido”.

Comumente era corrigida pela mãe zelosa: “É David, doutora”. Ao que a cunhada retrucava: “Eu só entendo português. Aqui está escrito Davide”. Enquanto isso David ouvia, sem entender, o seu nome sendo aportuguesado. O mesmo ocorria com os Michael, Malcolm, Melanie, Dylan ou Tiffany que surgissem pela frente.

Um colega contou-me da existência de um certo Winston Churchill, em Pernambuco. Churchill, um garoto negro morador em favela num subúrbio de Recife, era um excelente jogador de futebol. Nas peladas que disputava no campinho da várzea, toda vez que tocava na bola alguém gritava: “Passa a bola, nêgo Xuxa!”. E por Xuxa, e não por Churchill, ficou conhecido o cidadão.

Nabucodonosor, um meu colega de profissão e dileto amigo, somente superou o trauma do nome na meia-idade. Quando jovem, jogador exímio de ping-pong, ao comparecer a torneios do esporte nos ginásios de sua cidade natal, ao ouvir o seu nome convocado para alguma disputa, enfrentava o anúncio debaixo de apupos, gracejos e uma enorme carga de constrangimento.

Entretanto, o mais aterrador caso de meu conhecimento é o daquele indivíduo, fã ardoroso das atrizes de cinema Ava Gardner (norte-americana) e Gina Lollobrigida (italiana). Ao nascer a sua primeira e única filha denominou-a impiedosamente de Ava Gina.

Em tempo: agrada-me muito o nome que tenho.

15 dezembro 2018 CHARGES

JORGE BRAGA

ALEGRIA DO SERTÃO

***

Ary Toledo no Viola, minha viola cantando de Demétrius, “Linda meu bem”.

15 dezembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

OLHA O RACHID AÍ, GENTE!

14 dezembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

14 dezembro 2018 DEU NO JORNAL

O FINAL DE SEMANA VAI SER ÓTIMO

A Justiça Federal aceitou a denúncia do Ministério Público e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se tornou réu em um processo pelo crime de lavagem de dinheiro por ter recebido R$ 1 milhão para intermediar discussões entre o governo de Guiné Equatorial e o grupo brasileiro ARG para a instalação da empresa no país.

A denúncia, apresentada em novembro pela Força Tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo, foi recebida pela Justiça Federal nesta sexta-feira (14).

Segundo denúncia do Ministério Público Federal em São Paulo, Lula recebeu a quantia dissimulada em forma de uma doação da empresa ao Instituto Lula, entre setembro de 2011 e junho de 2012

* * * 

Uma excelente notícia para uma excelente sexta-feira.

Fechamos com chave de ouro o expediente de hoje.

O fato de Lapa de Corrupto ter se tornado réu mais uma vez é sinal de que teremos um ótimo final de semana.

A foto que ilustra a notícia aí de cima resume tudo: dois corruptos de 13ª categoria, “estadistas” do 13º mundo, apertando as mãos e fazendo pose.

A aceitação de mais uma denúncia contra o maior corrupto da história deste país merece ser celebrada com um frevo, um ritmo daqui do meu querido Pernambuco.

Um estado que, infelizmente, também é terra natal do prisioneiro que é proprietário do PT.

Vamos comemorar a notícia com um frevo-de-rua da autoria do Maestro Levino Ferreira, intitulado “Último Dia“.

Mas que, em se tratando de Lula, vou rebatizar como sendo “Últimos Dias“.

VAE VICTIS – Augusto dos Anjos

A Dor meu coração torça e retorça
E me retalhe como se retalha
Para escárnio e alegria da canalha
Um leão vencido que perdeu a força!

Sobre mim caia essa vingança corsa,
Já que perdi a última batalha!
E, enquanto o Tédio a carne me trabalha,
A Dor meu coração torça e retorça!

Cubra-me o corpo a podridão dos trapos!
Os vibriões, os vermes vis, os sapos
Encontrem nele pábulo eviterno…

– Repositório de milhões de miasmas
Onde se fartem todos os fantasmas,
Primavera, verão, outono, inverno!

14 dezembro 2018 AUGUSTO NUNES

SANATÓRIO GERAL

CADEIA FAZ BEM

Lula dá mais um motivo para que seus advogados parem de exigir a libertação do famoso presidiário

“Hoje tenho certeza de que tenho o sono mais leve e a consciência mais tranquila do que aqueles que me condenaram. Não quero favores; quero simplesmente justiça. Não troco minha dignidade pela minha libertação”.

Lula, informando que, além de escrever, ler e rezar, também aprendeu na cadeia a dormir melhor.

* * *

DISTÚRBIO MENTAL

Haddad reforça a suspeita de que Lula vai começar a dizer que é Bolsonaro

“Defender os direitos humanos é lembrar que, neste dia, Lula estaria sendo diplomado pela 3ª vez como presidente do Brasil”.

Fernando Haddad, candidato derrotado do PT à Presidência, reforçando a suspeita de que os devotos da seita, depois de serem informados que o chefão já foi Juscelino Kubitschek, Getúlio Vargas, Nelson Mandela e Jesus Cristo, daqui a pouco vai avisar que virou Jair Bolsonaro.

* * *

FALTA PARAFUSO

Celso Amorim estabelece uma linha divisória entre democracia e ditadura sem revelar onde fica

“No momento, o país exige uma frente ampla democrática em que a linha divisória vai ter que se deslocar um pouco para a direita porque, se não, nós não sobreviveremos”.

Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores do governo Lula, na Conferência Internacional em Defesa da Democracia, promovida pelo PT, estabelecendo uma linha divisória que não sabe onde fica.

O QUATIPURU

Vi pela primeira vez um quatipuru numa aldeia de índio quando eu comandava a 9ª Companhia de Fronteira, Roraima. O bicho parece um esquilo pequeno. Existe uma crendice, uma lenda corre pela Amazônia, que ter o rabo de quatipuru pendurado no pescoço, dá sorte. Muita gente cria como animal de estimação, depois vende o rabo, é o amuleto mais usado na região.

Na 9ª Companhia de Fronteira tornei-me amigo do Sargento Perna, descendente de índios Ianomâmis, troncudo, pardo, perspicaz, ladino e muito alegre. Tinha duas manias: jogar futebol e mulher. Metido a conquistador.

O sargento Perna me dizia que estava passando uma péssima fase de urucubaca, tinham lhe colocado mal olhado ou ele havia pisado em rastro de corno. Andava num azar inacreditável! Um amigo, pajé de uma tribo, aconselhou-o a usar um rabo de quatipuru num colar para sair dessa má sorte. Perna aproveitou a ocasião para contar sua história azarenta:

– “Tenente, o senhor acredite que minha mulher, Laura, veio do Pará passar alguns dias comigo, meus filhos estudam num colégio de Belém. Aqui em Boa Vista para passar o tempo e combater a solidão, eu tive casos amorosos com algumas mulheres da cidade. O problema é que arranjei uma lavadeira, belezura de morena, pele limpa, rosto bonito arredondado, jovem mulher que nem a índia Iracema. Quando a cunhatã vai à minha casa aos sábados e se abaixa colocando a trouxa de roupas limpas na cama, eu chego por trás, abraço, e a gente começa o serviço. Sábado passado ela apareceu de vestido transparente, sem nada por baixo, o pano fino dava para ver tudo, fiquei doidinho. Minha mulher tinha saído para fazer compras, não voltaria tão cedo. Não resisti, me atravanquei com a moleca. De repente ouvi o grito de Laura: “O que é isso Perna”?” Eu só pude responder: “É muito azar!”. Ela havia esquecido a bolsa e voltou para casa inesperadamente. No outro dia arrumou as malas, pegou o avião para Belém, sem conversar comigo. Viu que azar, meu chefe?

Ainda por cima, não passei nos exames físicos para entrar na tropa de Suez. Perdi de servir no exterior na tropa de paz da ONU, também por azar.

Um pajé amigo receitou rabo de quatipuru, mas aqui por essas bandas de Roraima é difícil. Há dias que procuro e não encontro um rabo para vender”.

Fiz ver ao Sargento Perna que não se deve dar crédito à crendice. Convidei-o à minha casa para tomar uma cerveja venezuelana Polar a bebida de maior consumo em Boa Vista, e continuar a conversa.

Dias depois um avião da FAB aterrissou em Boa Vista. O sargento Perna pediu uma semana para desconto em férias, pegava uma carona naquele avião para Belém, tentaria fazer as pazes com a esposa. Viajei também no mesmo avião, fui resolver problemas do quartel em Manaus.

Quando o avião decolou o Sargento Perna me apontou para uma vistosa mulher no banco lateral levava numa gaiola um animal parecido com esquilo:

– “É um quatipuru !” Disse-me Perna.

Ele olhava obcecado pelo bichinho enquanto sobrevoava a selva amazônica. Certa hora o avião entrou numa nuvem baixa, densa de chuva, a carcaça tremeu, os viajantes soltaram gritos de susto e de medo. Houve uma queda de altura, os pacotes bateram no teto, muitos gritos. Eu fiquei apavorado, mas meu companheiro de viagem, Sargento Perna, continuava vidrado, como se estivesse hipnotizado, não tirava o olho do quatipuru.

Até que avião estabilizou. A madame da gaiola começou a chorar, teve um ataque de nervos, falava alto, sem controle.

– “Vai morrer, ai o meu quatipuruzinho vai morrer”.

Mais preocupada com o bicho que dela própria, chorava:

– “Meu quatipuru vai morrer, levou um corte na cabeça, está sangrando. O bichinho vai morrer!”

Nesse momento, o Sargento Perna levantou-se, dirigiu-se à madame gostosa, perguntou alto e em bom tom:

– “Se ele morrer, a senhora me dá o rabo?”

Foi mal interpretado, todos passageiros olharam o Perna com olhar de reprovação. A mulher não se conteve, fuzilando-o com indignação:

– “Me respeite ouviu? O senhor é autoridade, mas exijo respeito. Sou mulher séria, honesta. Não dou o rabo a ninguém”

Nosso herói percebendo o mal entendido retificou falando baixo:

– “O rabo do quatipuru, eu quero é o rabo do quatipuru!!!!!”

O avião já sobrevoava o Rio Negro, em poucos minutos pousou no aeroporto de Manaus. Ao chegar a Belém, o sargento Perna ao mercado “Ver o Peso”, onde se vende de tudo. Conseguiu seu amuleto finalmente, um rabo de quatipuru. Em casa fez as pazes com a esposa. Retornou à Roraima, tornou-se o maior conquistador das mulheres da cidade. Não tirava o amuleto no pescoço sequer para tomar banho. Sorte certa. Gabava-se de seu desempenho sexual, acreditando ser também obra do rabo do quatipuru.

14 dezembro 2018 CHARGES

SPONHOLZ

14 dezembro 2018 DEU NO JORNAL

UM TERRORISTA A MENOS

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (14) que a Itália pode “contar” com ele no processo de extradição do italiano Cesare Battisti.

Ele respondeu no Twitter à mensagem do ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, que comentou a decisão do ministro Luiz Fux do Supremo Tribunal Federal (STF) de determinar a prisão de Battisti.

Darei grande valor ao presidente @jairbolsonaro se ele ajudar a Itália a ter justiça, “presenteando” Battisti com um futuro na sua terra natal”, afirmou o ministro no Twitter.

Bolsonaro respondeu ao ministro em português e italiano:

Obrigado pela consideração de sempre, Senhor Ministro do Interior da Itália. Que tudo seja normalizado brevemente no caso deste terrorista assassino defendido pelos companheiros de ideais brasileiros! Conte conosco!

A troca de mensagens ocorreu no dia seguinte à decisão do ministro Luiz Fux, que determinou a prisão de Battisti para que ele possa ser extraditado para a Itália.

* * *

Excelente notícia.

Um terrorista a menos no solo brasileiro.

Um terrorista acoitado pela quadrilha petista.

Agora, só falta extraditar o outro terrorista, o Guilherme Boulos, pra República Fogárica dos Infernos.

Em breve o chefe do estado satânico, o Presidente Belzebu, deverá fazer a solicitação ao governo do Brasil.


© 2007 - 2018 Jornal da Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa