9 agosto 2012 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 A PALAVRA DO EDITOR

UMA HOMENAGEM A SEVERINO ARAÚJO

Quando eu, um jovem de 18 anos, em janeiro de 1965, fui prestar o serviço militar no 10º Batalhão de Caçadores, em Goiania, capital de Goiás, tive o privilégio de conhecer, e com ele conviver por algum tempo, o Sargento Gabriel, que era o regente da banda de música do batalhão.

Foi ele o autor – letra e música -, da canção daquela unidade militar, composta no ano que incorporei, e que nós cantávamos com uma disposição enorme, enquanto marchávamos no pátio do quartel:

“Décimo de bravos caçadores
Gigante audaz, nobre e viril
Jamais te curvarás aos dissabores
Pronto estarás com o teu fuzil…”

Naquele tempo eu ainda não sabia quem era e não tinha idéia da grandeza do Maestro Severino Araújo. E só anos mais tarde é que fiquei sabendo que o nosso querido Sargento Gabriel era irmão desta importante figura da música brasileira.

Tempos depois, já tendo dado baixo do exército e voltado a ser civil, o destino me aproximou do nome de Severino Araújo outra vez. Eu morava em Brasília e pra lá levei o meu irmão mais novo pra trabalhar e ganhar a vida. Este meu irmão casou-se com a filha de um músico militar, o Sargento Alcides, que também era irmão de Severino Araújo.

Por essa época, eu já havia tomado conhecimento da obra do grande regente da Orquesta Tabajara, e curti ao máximo minha amizade e minhas longas conversas com o Sargento Alcides, sogro do meu irmão, que tocava clarinete na banda do Batalhão da Guarda Presidencial.

É com muita reverência que, como editor do JBF, presto esta pequena homengem à memória de Severino Araújo, falecido na última sexta-feira, oferecendo à comunidade fubânica uma série de vídeos em sequência, contendo um programa inteiro dedicado a este artista de talento e de muitos méritos.

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

CAZO – COMÉRCIO DO JAHU

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

AMORIM – CORREIO DO POVO

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 DEU NO JORNAL

ALFACE É UM EXCELENTE ALIMENTO

Greve de fiscais agropecuários pode parar indústrias de carnes e afetar oferta.

A greve dos fiscais, que concedem autorizações para abate e transporte da carne, começou na segunda-feira (6). As indústrias dizem que, com a paralisação, não conseguem realizar os abates e o escoamento da produção até os portos de exportação, por exemplo.

Além disso, há risco de faltar produto nos supermercados.

* * *

De fato, as gunvernanças do PT estão batendo todos os recordes em número de paralisações de funcionários públicos. Nunca antes nestepaiz…

É pena que nos jogos olímpicos londrinos não exista a modalidade Quantidade de Greves. Nós seríamos o primeiríssimo lugar. Medalha de ouro.

Os fubânicos que, além de gunvernistas, também são portadores da estranha síndrome do vegetarianismo, não irão reclamar de nada e nem sentirão falta de carne nos açougues.

Só o resto da população brasileira…

“A greve dos fiscais agropecuários deveria durar enquanto durasse esse gunverno petista”

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

PATER – A TRIBUNA

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 DEU NO JORNAL

O PLANO DA DUPLA DELETÉRIA FOI DEFLAGRADO

Onda de greves se alastra e desafia governo Dilma.

A greve dos servidores federais ganhou ontem a adesão de policiais rodoviários e ameaça se tornar a paralisação mais ampla do funcionalismo desde o começo do governo Lula, desafiando a gestão da presidente Dilma Rousseff. Ao menos 27 órgãos federais foram diretamente afetados, entre greves, suspensão temporária de trabalho ou operações-padrão.

As paralisações já prejudicam o cotidiano da população. Ontem, pelo menos oito estradas ficaram congestionadas por causa de uma fiscalização intensa de veículos. Aeroportos e até a área da saúde, com a retenção de remédios importados em depósitos, estão sendo afetados. Universidades federais estão paradas há quase três meses.

Ontem, em Brasília, grevistas tentaram subir a rampa do Palácio do Planalto, mas foram contidos por policiais.

* * *

Alerto aos bem informados leitores do JBF que esta onda grevista foi planejada cronometricamente pela dupla Lula-Zé Dirceu, desde que foi definida a data de início do julgamento dos mensaleiros. A finalidade é desviar a atenção da opinião pública e, principalmente,  a atenção do curral eleitoral de antas, a fim de que não se liguem no intenso noticiário sobre o MENSALÃO.

O desnudamento da “sofisticada quadrilha” e dos seus principais criminosos, na avaliação dos dois comparsas, poderia prejudicar os milhares de candidatos petralhas a prefeito e vereador, no imenso território de Banânia, além de fuder definitivamente a já péssima imagem do PT e do seu bando dirigente.

No último dia 31 de julho, um leitor fubânico me mandou a seguinte mensagem, comentando sobre a greve dos professores universitários:

“Eu acredito, que a motivação desse movimento seja político partidário. O PT, como todos nós sabemos está prestes a ser julgado, pela justiça e pela sociedade, pelo crime de corrupção de maior repercussão que existiu na história da república, e, em virtude disso está aglutinando as forças sindicais e militância, para irem às ruas na tentativa de defenderem os “cumpanhêros”. Não devamos esquecer Zé Dirceu falou textualmente que sabe lutar na planície e no planalto.”

Acrescente-se a isto o fato de que Dilma quer distância do julgamento e chegou até a ordenar aos seus ministros que não comentassem sobre o assunto em público. “Fodam-se e seja o que Deus quiser“, foi o que disse a Dama do Xibiu de Aço quando perguntada sobre o desfecho do julgamento que corre no Supremo. A frase foi pronunciada à beira da piscina do Palácio da Alvorada.

De modo que aguardem mais bagunça, mais perturbação da ordem pública, mais desassossego e mais aperreio pros pobres contribuintes que pagam honestamente os seus impostos.

A ordem da dupla deletéria que comanda a quadrilha, através do seus braços sindicais, principalmente a CUT, e através das contraventoras organizações denominadas “movimentos sociais“, é ocupar as ruas, atanazar a vida das pessoas e fazer o máximo possível de barulho e de desordem, a fim de abafar o noticiário sobre o MENSALÃO.

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

DÁLCIO – CORREIO POPULAR

Compartilhe Compartilhe

http://www.blogdegeraldopereira.blogspot.com.br/
AS DIFERENÇAS NO HOJE DAS COISAS

Na vida tudo está diferente, essa é que é a grande verdade. Nos subúrbios as habitações com jardins e grandes quintais não existem mais, tombaram, vergaram à força da demolição e os lotes foram reunidos para que se possa construir um espigão a mais em cada recanto da urbe. São prédios e mais prédios nos bairros da classe média, espetando o solo, como se o mundo fosse uma grande tábua de pirulitos. Não há sistema de esgoto ou de água que possa dar conta dessa febre na construção civil. O meio ambiente também não suporta tanta mudança e tanto concreto esquentando os ares urbanos. A água, o bem maior da humanidade, corre poluída, contaminada por dejetos humanos, imprestável para o consumo potável.

O desenvolvimento da ciência e da técnica não se fez acompanhar pela humanização da criatura, antes o contrário. Os vizinhos de prédio, ocupantes dos apartamentos de agora, são diferentes dos antigos moradores da casa ao lado ou daqueles de uma mesma rua. Folguedos curtidos pela comunidade inteira como o Natal e o Ano Novo, assim como o São João e o Carnaval, são, atualmente, festas quando muito da família e nunca envolvem os demais. Nas comunidades verticais – os edifícios -, o elevador, que passa lotado todas as manhãs, conduz gente no mais das vezes, estranha entre si. No máximo um cumprimento formal e lá segue o veículo de todas as verticalidades. No final do ano, por vezes, uma ceia congrega o condomínio por seus integrantes, raramente contando com a presença de todos.

Nas últimas cinco décadas – pouco menos de seis décadas talvez – a humanidade vem assistindo e, sobretudo, vivenciando extraordinárias transformações, as quais têm contribuído para as mudanças nos estilos e na qualidade ide vida do homem. Nunca a ciência e a técnica avançaram tanto como nos cinquenta ou nos sessenta anos que se passaram, colocando a serviço da criatura recursos que fogem até ao poder do imaginário, de cuja força criadora nasceram os relatos da ficção científica, muitos dos quais materializados depois.

A informática revolucionou o mundo, inserindo a máquina em todas as atividades, desde aquelas de natureza estritamente doméstica às de cunho laboral, facilitando tudo. Assim, o microcomputador ocupa hoje lugar importante na casa de muitos e no trabalho de todos ou de quase todos, processando a informação nos mais diversos níveis, do gerenciamento de dados à virtualidade da inteligência artificial, que não vem para superar as potencialidades humanas, mas para contribuir no aperfeiçoamento cada vez maior da produção.

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMÉRCIO

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 DEU NO JORNAL

QUESTÃO DE CONTABILIDADE

Inácio Strieder

O dito “mensalão”, propriamente, não é uma questão de justiça, mas de contabilidade.

Deve ser bastante frustrante para os ministros do Supremo Tribunal de Justiça se confrontar com um bando de ladrões. É também humilhante aos cidadãos terem que assistir impotentes a este espetáculo, sendo representado nos mais altos escalões da República.

 Claro, não se trata apenas de ladrões de galinha, mas tudo que está sendo discutido neste processo do “mensalão” envolve números, manipulados por gente poderosa que mente,  engana, e ri daqueles que, por seu voto, alguma vez, declararam que queriam que eles os governassem. Na verdade, é  uma questão de quantias  matemáticas, manipuláveis com  computadores. E, como se trata de quantias financeiras mal computadas, isto deveria ser resolvido honestamente nos escritórios de contadores, nas agências financeiras, nos Bancos, e não nos mais altos escalões da justiça. 

É nas práticas contábeis que existem as brechas legais, ou não existem leis,  possibilitando a manipulação de números,  que permitem a corrupção dos cidadãos. Os “caixas dois” dos partidos, as “lavagens de dinheiro”, os “dinheiros do tráfico”, e tantos outros dinheiros, são dinheiros não contabilizados. Fazer com que estes dinheiros sejam inseridos no fluxo legal do dinheiro de uma nação é questão de contabilidade. O bom funcionamento da contabilidade de um país é um dos sinais característicos dos países civilizados. A partir do que nesta área contábil aconteceu, e continua acontecendo, no Brasil, que lugar estaria ocupando o Brasil no ranking dos países civilizados? Com certeza, próximo ao patamar do “rebaixamento”, com vocação de “lanterninha”!

Tudo isto revela que existe um poder corrupto no Brasil, que permite políticos corruptos, contadores corruptos, empresários corruptos, cidadãos corruptos. E uma das pragas da humanidade, desde a Antiguidade histórica, é a corrupção. A corrupção sempre foi uma importante responsável pelas desgraças  da humanidade. É verdade, não existe apenas a corrupção contábil, mas ela é o início de muitas outras corrupções: corrupção da linguagem, que se chama mentira; corrupção eleitoral, que se chama fraude eleitoral, compra de votos; corrupção da justiça, que se chama injustiça, venda de sentenças; corrupção da fidelidade, que se chama traição; corrupção do poder, que se chama abuso de poder; corrupção do sistema de propriedade, que se chama grilagem, “gatunagem”, ladroagem, etc…

De tudo isto, e ainda de algo mais, estão repletos os relatos históricos. Superar os desvios de conduta em todos estes âmbitos se denomina de processo civilizatório. E, na medida em que se consegue uma ordem legal, e uma consciência cidadã, que repudia as mais diversas e abomináveis corrupções, pode-se afirmar que uma sociedade é civilizada. E o ponto de partida fundamental para que se instaure uma ordem civilizada, para viver em paz, é zelar por uma contabilidade ética. Prefere-se, no entanto, permitir que a contabilidade continue aética, sem cidadania. Coisa lamentável!

Penso que seria um passo civilizatório importante, para o Brasil do futuro, constituir um “Supremo Comitê de Contabilidade” no país, pois isto evitaria o vexame ao Supremo Tribunal de Justiça ter que se confrontar com “bandos”,  “quadrilhas”, e que tais. Um vexame também para os cidadãos, que entendem que a missão da suprema justiça em seu país não é correr, meses inteiros,  atrás de corruptos, e gritar “pega ladrão”.

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

MÁRIO – A TRIBUNA DE MINAS

Compartilhe Compartilhe
FÉ MENINA

Aos poucos ela se estréia
Se espelha
Se emparelha
Se brecha
Se avexa
Se acalma
Se isola
Se desnuda
Se tesuda
Se chuvisca
Se saboneta
Se tapeia
Se depila
Se orvalha
Se toalha
Se enxuta
Se hidrata
Se escova
Se desodora

Se fareja
Se calcinha
Se saia
Se camiseta
Se retoca

Clique aqui e leia este artigo completo »

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

THOMATE – A CIDADE

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 A PALAVRA DO EDITOR

TERTÚLIA FLÁCIDA PARA ADORMECER BOVINO

Como diz Lapa de Cunversador, o PT mudou tudo nestepaiz.

Até mesmo os ditados e ditos populares.

O papo furado dos advogados dos mensaleiros, tentando tapar o sol com uma minúscula peneira e exercitando uma ginástica da porra pra provar que redondo é quadrado, fez com que a expressão “Conversa mole pra boi dormir” desse origem a uma novidade social-mudernista:

“Conversa fiada pra ministro do Supremo dormir”

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

De fato, realmente, não há como negar: Lula e o PT conseguiram mudar tudo e botaram estepaiz de ponta cabeça.

Este tal de Socialismo Muderno é um regime ducarai!

O fato é que, enquanto os ministros dormem durante o julgamento, o Criador e o Administrador do MENSALÃO estão perdendo noites de sono, segundo todas as informações confiáveis de pessoas da intimidade de ambos.

E eu, com este meu empedernido coração sádico, choro cada lágrima de crocodilo da porra, lamentando o desassossego dos 38 réus e de Lapa de Mitômano.

Xiuf, xiuf , snif, snif….

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

WALDEZ – AMAZÔNIA JORNAL

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

ALECRIM – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

DIÁRIO DE UM REFÉM NAS GARRAS DE LAMPIÃO

I

Dos cascos dos animais
brotavam nuvens de pó.
A notícia que corria
entre o povo era uma só:
Lampião se aproximava
para atacar Mossoró.

Portanto, era necessário
agir com a maior urgência.
As ações do cangaceiro,
segundo a experiência,
eram sempre recheadas
de maldade e violência.

Foi assim que o fazendeiro
de nome Antônio Gurgel,
que ostentava inclusive
patente de coronel,
viu-se de uma hora para outra
refém de um bando cruel.

Informado que o bandido
estava na região,
Coronel Gurgel tentou,
imediatamente então, 
prevenir a sua gente
contra o feroz Lampião.

Mas por infelicidade,
má sorte, ou talvez destino,
deparou-se no caminho
com o bando de Virgulino
que aonde passava, um rastro
deixava de desatino.

Logo ao ser capturado,
julgaram-no importante,
pois ele era fazendeiro
e também comerciante.
Começava o pesadelo
de Gurgel naquele instante.

Levado ao chefe do bando,
que vibrou com a novidade,
ficou estabelecido
que, após o assalto à cidade,
se exigiria o resgate
daquela preciosidade.

A data desse sucesso
vale a pena registrar:
domingo, 12 de junho
de um ano singular;
mil e novecentos e
vinte e sete, sem errar.

2

Mas não era o coronel
do bando o único refém,
dona Maria José
era outra vítima também
da sanha dos criminosos
que não poupavam ninguém.

Clique aqui e leia este artigo completo »

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe
ELE CHEGOU!

Numa noite dessas, o silêncio do céu foi quebrado com uma pessoa de voz rouca gritando: “Rossini, seu Nelson Chegou”. Em pouco tempo, Calunga, Eurivaldo, Sebastião Cândido, Oneide, Apolônio, Vilar, Mané Doutor, Galego, Lenildo, Bila, Dr. Pessoa, Maria Eugênia, Didi e Adelmo Tiné ficaram sabendo da novidade. Era o irrequieto Antônio Jabiraca espalhando a notícia da chegada de seu Nelson Valença, que mal teve tempo para justificar a demora à sua querida Teresinha, foi participar de uma reunião com os ex-colegas da ZYK-25.
 
Antônio Pereira (Jabiraca) foi um funcionário zeloso e por isto mesmo, gozava da inteira confiança do Dr. Pessoa. Como lá não havia nenhuma emissora de rádio, num encontro casual, ele sugeriu ao ex-diretor do Sistema Jornal do Commércio, a fundação de uma igualzinha à que ele construiu em Pesqueira e com a mesma programação. O ex-senador ficou de pensar no assunto.
 
Mas não teve muito tempo, não! A turma tava doida para entrar em ação, pois já havia um tempão que ninguém fazia nada, a não ser, algumas serenatas improvisadas.
 
Sem a ANATEL ou EMBRATEL com toda a burocracia para atrapalhar as coisas, a ideia virou realidade em menos de uma semana. Nem foi preciso construir, o Dr. Ésio, que tinha doado o terreno aqui, dessa vez, cedeu um prédio.
 
Calunga fez a revisão na instalação, Vilar, tratou de providenciar um transmissor da marca Mullard e dentro de dois dias, já estava no ar em fase experimental. Não demorou muito, chegaram umas cartas da Suécia, da Bahia e São Paulo elogiando o som, as músicas, e a voz grave daquele conhecido locutor. Entusiasmado, Dr. Pessoa combina com seu Nelson a data da inauguração.
 
Pensem numa festa fácil de fazer! Tudo lá é de graça. Nem foi preciso vender os horários para pagar aos cantores. Já imaginaram uma rádio sem intervalo para propaganda? Tem mais: no Céu ninguém é superior ao outro, independentemente da fama ou dinheiro que teve aqui na Terra.
 
Desse modo, Augusto Calheiros, Orlando Silva e Francisco Carlos, cantaram na abertura, cabendo ao Galego de Moacyr, Bila e Edmar Queiroz, encerrarem a noitada musical.
 
A noite seguinte foi dedicada ao forró em homenagem a Luiz Gonzaga. Jackson do Pandeiro com a sua Almira Castilho, Ary Lobo (sempre com cara de ressaca) e Marinês deram o recado.

No terceiro e último dia, Alcides Gerardi, Elza Laranjeira e Carlos Augusto começaram o espetáculo musical, que prosseguiu com Apolônio Nascimento, Zé Castor e Edgard Queiroz. A Turma da Velha Guarda fechou solenemente a programação.
 
Lídio Leal de Barros, com a voz bem pausada, começou a anunciar os meninos de ontem: Henrique Wanderley e seu bandolim. Osvaldo Almeida e seu clarinete, Dinamérico Sedycias e o seu trombone. Eurivaldo Jatobá e o seu violão. Tonhé, Tôzinho, Antônio Caboclo e Zé Duque completavam o naipe de exímios violonistas.  Os irmãos Zezinho e Chiquinho Amaral, davam uma canja com o bandolim e o cavaquinho, respectivamente. Sebastião Cândido na sanfona era um show à parte, até Sivuca aplaudiu. Maviael Lopes, Rui Sivini, Mário Piaba, Rinaldo Primo e Gastão Gouveia, completavam a turma de seresteiros. Os pandeiristas Zezinho de Quelé, Zezinho Parabellum e Doca, sustentavam o ritmo.
 
E o auditório lotado. Também desse preço, comentou Eraldo Maciel. Lá num recanto, via-se o Padre Fausto, Jorjão, Seu Isídio e Zé Siqueira confabulando. Seu Oton arriscou um palpite: “Enquanto Nelson não reorganizar o grupo de teatro e o coral, aqueles ali não vão deixá-lo em paz”.
 
Passado o período festivo, o Dr. Pessoa se reuniu com seu Nelson e Rossini para comunicar sua decisão de entregar a rádio a eles, alegando cansaço.  Pediu, inclusive, que dessem oportunidade à moçada  que estava chegando. Tratava-se de Antônio Correia, Ábner Nicéas, Aluísio Torres, Wilson Duarte, Paulo Júnior, J. Macedo, Marco Antônio e Evandro Wanderley. Alguém advertiu: ”O Mago não é locutor” Ele disse: “é para auxiliar a Vilar, que ainda não melhorou da perna.”
 
Postais Sonoros, pra variar, foi o programa campeão de audiência. Índia, Cabecinha no Ombro, A Volta do Boêmio, Carinhoso, Cadeira Vazia, Normalista, Segredo e Vingança foram as mais tocadas.
Até o próximo sonho.

Cantarino

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Fole Danado

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

SAMUCA – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

Compartilhe Compartilhe

http://www.fredcrux.blogspot.com/
LENÇÓIS MARANHENSES – ARTESANATO DE BURITI

Dunas dos Lençóis – Foto do colunista

Uma viagem aos Lençóis Maranhenses é uma experiência inesquecível.

Parece chavão de agência de turismo, mas é a pura verdade.  Acho que no Brasil inteiro não há lugar que congregue paisagens geográficas e humanas tão diversas.  Da modernidade das largas avenidas de beira-mar em São Luiz, aos casebres de palha dos arredores e cidades interioranas; das dunas imensas que lembram desertos de outras plagas às lagoas no meio delas, de todas as cores e formas; dos trechos de terra seca, a caminho do Parque aos rios caudalosos e quase amazônicos; da população metropolitana antenada com o moderno ao caboclo e ao quilombola do entorno doa Lençóis, tudo nos dá idéia de grandiosidade, num estado grandioso, embora sofrido com seus acachapantes índices de IDH, objeto de debates de toda ordem que não nos cabe nesse pequeno expaço explorar.  Aqui o que exploramos é a beleza simples e pura de uma região rica de paisagens, com um céu de azul intenso, que nos faz esquecer a chamada civilização e nos deixa com vontade de ficar por lá, vivendo aquela vida simples e natural do lugar, pontuada por uma gastronomia saborosa e imagens de tirar o fôlego.

Dunas dos Lençóis – Foto do colunista

Afora as fotos que aqui vão postadas, montei esse pequeno vídeo, resumindo visita que fizemos à comunidade de Marcelino, mostrando as mulheres ocupadas com seu artesanato em palha de buriti, uma arte colorida e delicada, tudo pontuado por passeios pelos rios da região de Barreirinhas, portal de entrada dos Lençóis Maranhenses. Curtam e não percam a primeira oportunidade que tiverem de ir até lá. Garanto que jamais vão esquecer aquele pedaço tão lindo do Brasil!

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

REGI – AMAZONAS EM TEMPO

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 DEU NO JORNAL

ÉTICA E VERGONHA NA CARA PÓS PODER

O PSOL não brinca em serviço: cassou 146 candidatos a prefeituras.

Pecado deles: alianças com PMDB, PSDB, DEM, PP, PTB e PR.

* * *

No dia em que chegarem ao poder, os líderes zisquerdinhas do PSOL, a exemplo do PT, irão fazer alianças com Maluf, Marcola, Collor e Fernandinho Beira-Mar. Em nome da gunvernabilidade e em benefício dos miseráveis, dos espoliados, dos excluídos e dos injustiçados pelas zelites corruptas e reaças.

Antes do poder, a ética é de um jeito. Depois de empolgar o poder, a ética é outra, diametralmente oposta à anterior.

Vou mandar pra eles as aulas de “pragmatismo político” que os gunvernistas fubânicos esbanjam nos comentários aqui no JBF. Tem um que se especializou em explicar o totalmente inexplicável.

Pra embelezar esta postagem, dedico aos xiitas do PSOL – que atualmente fazem o papel que Lula fazia em passado recente -, este vídeo esclarecedor sobre “Ética Pré Poder” e sobre “Metamorfoseamento Ambulante”.

Um vídeo que foi gravado pouco tempo antes do PT chegar ao gunverno de Banânia:

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

AROEIRA – JORNAL O SUL

Compartilhe Compartilhe

http://www.musicariabrasil.blogspot.com
DOIS NOMES E UMA SÓ SAUDADE

 
Ao longo deste mês, dois ícones de um dos mais genuínos ritmos brasileiros aniversariam e se aqui estivessem estariam endossando o time dos cantores “setentões” tais quais Paulinho da Viola, Gilberto Gil e Caetano Veloso. Defensores do mesmo gênero musical os artistas que aqui descreverei marcaram o seu nome dentro do samba em particular nas décadas de 70 e 80. O primeiro nome trata-se da cantora, nascida em Paraopeba, Clara Francisca Gonçalves Pinheiro, popularmente conhecida como Clara Nunes. Clara, que nasceu em uma cidade que fica a cerca de 100 km da capital mineira ficou órfã com pouca idade, pois seu pai, conhecido como Mané Serrador, que era marceneiro e violeiro, faleceu quando a futura cantora tinha apenas dois anos e sua mãe veio a falecer logo em seguida. Acabou sendo cirada pelos irmãos Dindinha (Maria Gonçalves) e José (conhecido como Zé Chilau).
 
Influenciada por nomes como Carmem Costa, Ângela Maria e, principalmente, Elizeth Cardoso e Dalva de Oliveira, venceu seu primeiro concurso em 1952 com 10 mal completos interpretando “Recuerdos de Ypacaraí” e recebeu como prêmio um vestido azul. Por volta de 1958, conheceu o violonista Jadir Ambrósio (o mesmo que compôs o hino do Cruzeiro Futebol Clube), que admirado com a voz de Clara a levou a vários programas de rádio, onde se apresentava com o nome de Clara Francisca, onde posteriormente adotou o nome de Clara Nunes, por influência do produtor musical Cid Carvalho. Até chegar ao estrelado e mudar-se para o Rio de Janeiro foi crooner em algumas boates mineiras e chegou a trabalhar com o então baixista Milton Nascimento – àquela altura conhecido como Bituca.
 
No Rio de Janeiro, em 1965, ela entrou para o casting da gravadora Odeon onde gravou o seu primeiro Lp intitulado “A Voz Adorável de Clara Nunes”. Em 1968, Clara Nunes gravou “Você Passa e Eu Acho Graça”, seu segundo disco na carreira e o primeiro onde cantaria sambas. A faixa-título (de Ataulfo Alves e Carlos Imperial) foi seu primeiro grande sucesso radiofônico e o primeiro passo para se firmar como uma das grandes cantoras de samba nas décadas seguintes.
 
Em 5 de março de 1983, Clara Nunes se submeteu a uma aparentemente simples cirurgia de varizes, mas a cantora acabou tendo uma reação alérgica a um componente do anestésico. Clara sofreu uma parada cardíaca e permaneceu durante 28 dias internada na UTI da Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro. Na madrugada do sábado de Aleluia de 2 de abril de 1983, a poucos meses de completar 40 anos, Clara Nunes entrou oficialmente em óbito, vítima de um choque anafilático.
 
Já o segundo, artista que teve por nome de batismo Antônio Gilson Porfírio, ficou nacionalmente conhecido por Agepê (correspondente a pronúncia fonética das iniciais do nome verdadeiro “AGP”). Agepê foi técnico projetista da extinta Telerj, emprego este que acabou abandonando para dar prioridade a carreira artística. Sua carreira fonográfica deu-se a partir de 1975 com o lançamento do compacto com a canção “Moro onde não mora ninguém”, primeiro grande sucesso de sua carreira. O maior sucesso de sua carreira foi sem dúvida alguma “Deixa eu te amar”, responsável por levar o álbum “Mistura Brasileira”, lançado por Agepê em 1984, a marca de um milhão e meio de cópias, sendo o primeiro disco de samba a ultrapassar a marca de um milhão de cópias vendidas. Agepê faleceu no dia 30 de agosto de 1995, aos 53 anos, vítima de cirrose.
 
Para relembrar as vozes desses dois ícones do samba deixo para audição dos amigos do JBF um sucesso de cada um. Primeiro vem a canção “O mar serenou”, canção de autoria de Candeia, lançado por Clara Nunes em 1975 no álbum Claridade:
 

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A segunda trata-se de “Deixa eu te amar”, de autoria de Mauro Silva, Camillo e do próprio Agepê lançada em 1984 como dita anteriormente:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Compartilhe Compartilhe

9 agosto 2012 FULEIRAGEM

PAIXÃO – GAZETA DO POVO

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 A HORA DA POESIA

CASTELÃ DA TRISTEZA – Florbela Espanca

Altiva e couraçada de desdém,
Vivo sozinha em meu castelo: a Dor!
Passa por ele a luz de todo o amor…
E nunca em meu castelo entrou alguém!

Castelã da Tristeza, vês?… A quem? …
– E o meu olhar é interrogador –
Perscruto, ao longe, as sombras do sol-pôr…
Chora o silêncio… nada…ninguém vem…

Castelã da Tristeza, porque choras
Lendo, toda de branco, um livro de horas,
À sombra rendilhada dos vitrais?…

À noite, debruçada, plas ameias,
Porque rezas baixinho? … Porque anseias?…
Que sonho afagam tuas mãos reais?

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 FULEIRAGEM

PELICANO – BOM DIA SP

Compartilhe Compartilhe
GUIA DO CEGUINHO DO ARARIPE – ARARIPE-CE

Seu Papa Berto,
 
Como o PT está tentando mudar o nome mensalão para 470, na tentativa do povo esquecer aquela palavra, e em função da defesa dos advogados dos “mensaleiros”, que futuramente poderão ser os quatrocenteiros, o CEGUINHO atacou novamente.
 
Um abraço cá da Chapada,
 
Guia do Ceguinho do Araripe

 

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 FULEIRAGEM

MONSENHOR NEWTON SILVA – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 A PALAVRA DO EDITOR

UM DESFILE PRA ALEGRAR QUALQUER PAI

Meus filhos adultos já sabem que prefiro que eles me dêem os parabéns o ano todo e todos os dias do ano. E não apenas no Dia dos Pais “oficial”, onde impera o amor da gastança nas lojas. Eles já sabem disto desde crianças e me tratam neste dia como me tratam em outro dia qualquer do ano. O Papinha também vem sendo criado nessa pisada.

E que fique bem claro que nada tenho contra quem curte a aprecia as celebrações do próximo domingo. Cada um sabe de si.

Todavia, neste ano corrente de 2012 vou abrir uma exceção. Se meus filhos quiserem me homenagear, podem me mandar um telegrama fonado ao vivo através destas musas que ocuparam hoje a Av Paulista, no centro de São Paulo, num desfile em homenagem aos genitores (veja mais fotos clicando aqui).

Eu serei um pai feliz que só a porra!

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 FULEIRAGEM

SINFRÔNIO – DIÁRIO DO NORDESTE

Compartilhe Compartilhe
UM FOLHETO DE AMOR E RACISMO

Varneci Santos do Nascimento

O AMOR VENCE O RACISMO

Sem postergar mais a data
Começo neste momento
A versejar uma história
De amor e sofrimento
Amor que vence barreiras
E quebra constrangimento.

Peço licença aos ouvintes
A paciência a quem ler
E a quem ama o cordel
Ofereço este prazer
Pois, poesia é quem faz
Todo amante viver.

A Deus, eu peço a força,
A Jesus fé e razão,
A Maria simplicidade
Ao Espírito inspiração
A Paulo peço coragem
A Pedro intercessão.

Na cidade de Boqueirão
Do Brasil interior
Havia morando no campo
Um pequeno agricultor
Respeitado e conhecido
Com o nome de Adamastor.

Com cinquenta anos de idade
Judite era sua mulher
Filha mais nova, Elimar
Não era uma qualquer
O André e a Conceição,
Que o pai tanto bem quer.

Todos três eram solteiros
Portanto, com os pais vivia
Reinava naquele lar
União, paz e alegria,
Porém, havia uma coisa,
Que o velho sempre dizia:

—Tenho três filhos solteiros,
Amados do coração
É Elimar e André
Sem esquecer Conceição
Porém, uma coisa a eles,
Jamais darei permissão:

É se casarem com negro
Já lhes pedi, por favor,
Pois, a negro e a índio
Tenho enorme pavor
Se um deles fizer isso
Juro que morro de dor.

Clique aqui e leia este artigo completo »

8 agosto 2012 FULEIRAGEM

VASQS – CHARGE ONLINE

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL

Compartilhe Compartilhe
NEALDO ZAIDAN – ANCHIETA-ES

OLÍMPIA DA – 2012

Se lá não tem medalhas:
aqui tem petralhas.
Fazer o que?

Trovabraço

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 FULEIRAGEM

AMORIM – CORREIO DO POVO

Compartilhe Compartilhe

8 agosto 2012 A PALAVRA DO EDITOR

CAÇA-PALAVRAS, CAÇA-CORRUPTOS

Com a inútil e ridícula tentativa do PT e dos advogados dos corruptos vermêios de proibir o uso da palavra MENSALÃO, a reação na rede de computadores não se fez esperar e as gargalhadas da banda boa destepaiz e das pessoas de bem cobriram os ares de Banânia. Diziam os canalhas encarnados que devia-se usar a expressão “Ação Penal 470” ao invés do termo MENSALÃO. (que eu já usei em destaque duas vezes neste pequeno parágrafo…)

Na verdade, o número correto deveria ser “Ação Penal 171“, um número conhecido e manjado no submundo do crime e da bandidagem.

O fato é que a galhofa tomou conta da internet e os stalinistas petralhas não tiveram outra saída senão enfiar a viola no saco e recolher a sua corrupta presença ao banco dos réus do Supremo Tribunal Federal.

Vou fazer a primeira abordagem séria do assunto, montando um jogo inspirado no Caça-Palavras das revistas de palavras cruzadas e de charadas.  

Trata-se do Caça-Mensaleiros, um passatempo sugerido por um leitor fubânico e que, a meu pedido, foi criado pelo Departamento de Alta Tecnologia Corruptícia do JBF.

Usem a impressora e botem no papel o quadro abaixo (clicar no botão direito do mouse e escolher a opção “imprimir”). Procurem localizar as palavras destacadas em vermelho, todas elas relacionadas ao maior escândalo já acontecido na república brasileira e deflagrado no primeiro gunverno de Lapa de Mitômano. Vale na horizontal, na vertical, de baixo pra cima, de cima pra baixo e na diagonal.

Mãos à obra! (obra aqui nos dois sentidos, sendo o segundo o sentido nordestino do termo: “merda”)

* * *

 

Compartilhe Compartilhe

© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa