1 outubro 2014 FULEIRAGEM

JARBAS – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

AUTO_jarbas

Compartilhe Compartilhe

1 outubro 2014 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA

OPI-002.eps

Compartilhe Compartilhe

A REVOLUÇÃO DOS BICHOS

a-revolucao-dos-bichos

Capa do livro de George Orwell

Você leu o livro “A revolução dos bichos”, de autoria do escritor inglês George Orwell (na realidade, nascido Eric Arthur Blair, no dia 25 de junho de 1903 e falecido no dia 21 de janeiro de 1950), que começou a circular em alguns estados do sudeste brasileiro em fins da década de 60?

Não leu?

Pois perdeu uma excelente leitura. Mas ainda pode corrigir isso. Aproveite e leia, também, do mesmo autor, “1984”.

A revolução dos bichos” chegou para nós como uma inusitada parábola que tem como objetivo instigar o desânimo de uma sociedade sonolenta que não dá a mínima importância para as injustiças que lhe aprisiona ad eternum. Por isso, o livro “A revolução dos bichos” foi caçado como uma fera perigosa que, nos anos de chumbo, poderia incentivar levantes e servir de alicerce contra qualquer construção que incomodasse a ditadura vigente. Não foi diferente com “O capital”, de Karl Marx, esse sim, uma bíblia para qualquer levante social daquela época. E, hoje, está consumada a teoria de Marx levantada no livro.

Veja uma excelente análise postada como sinopse do livro: “De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stálin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos – expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História – mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, as mesmas razões que causaram constrangimento na época de sua publicação levaram A revolução dos bichos a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell, adepto do socialismo e inimigo de qualquer forma de manipulação política, sentiu-se incomodado com a utilização de sua fábula como panfleto.

George-Orwell-001

George Orwel (Eric Arthur Blair)

Na realidade, é algo atípico e de quem só pensa no poder, imaginar que George Orwell escreveria em 1945 o seu Animal Farm projetando algo que aconteceria no Brasil em 1964. Mas ditadura é ditadura e isso ficou como sendo uma grande verdade naquela época.

Ora, mas a inteligência humana é algo fantástico, divino. Frutos de ensino de qualidade, os estudantes daqueles tempos viviam numa sociedade diferente da atual e com ações e ideias e ideais distantes da hipocrisia de hoje.

Lembramos como se fosse agora: ainda não existia cópia xerox naqueles tempos. Todos queriam ler o livro, a grande novidade da época. Pegamos um caderno Avante, abrimos no meio e, nesse meio, colamos “A revolução dos bichos”. Todos lemos. Estávamos no terceiro ano científico, abrindo as portas para a universidade.

Pois sim. Não pretendemos aqui “pregar” nenhum levante social. Não cabe mais isso, e a juventude atual não passa de moscas-mortas, autômatos mais preocupados com consumos proibidos que com o próprio nariz ou com um futuro que pode até não ser para si, mas para os filhos e/ou netos.

Chega de seguir em fila indiana para o abatedouro. Faltam apenas 5 dias para o dia 5 de outubro de 2014. Aja. Procure agir acertadamente. Saia desse celeiro de palhas molhadas e transforme o cantar do galo ou o berro do bode e do carneiro no seu título de eleitor. Seja um carneiro, sim. Mas berre alto. Seja um galo, sim, mas cante alto. Mande à puta que pariu quem só te usa e só lembra de você nessa época – e de quem faz absoluta questão de controlar a ração de péssima qualidade, a água poluída e só a troca de quatro em quatro anos.

besta3

Chegou a hora de resolver a parada – 5 de outubro

Quatro anos depois de escrever “A revolução dos bichos” (Animal Farm), George Orwell põe aos leitores ingleses o seu melhor entre todos os livros: Nineteen Eighty-Four.

1984

O mais famoso romance de George Orwell relata uma história que se passa no “futuro”, ano de 1984, na Inglaterra e a transformação da realidade é o tema principal da obra. Disfarçada de democracia, a Oceania vive um totalitarismo desde que o IngSoc (o Partido) chegou ao poder sob a regência do onipresente Grande Irmão (Big Brother).

O livro conta a história de Winston Smith, membro do partido externo, funcionário do Ministério da Verdade. A função dele era a de reescrever e alterar dados de acordo com o interesse do Partido. Se alguém pensasse diferente, cometia crimidéia (crime de idéia em novilíngua) e fatalmente seria capturado pela Polícia do Pensamento e era vaporizado. Desaparecia.

Smith representa o cidadão comum vigiado pelas teletelas e pelas diretrizes do Partido. Ele e todos os cidadãos sabiam que qualquer atitude suspeita poderia significar o fim. Os vizinhos e os próprios filhos eram incentivados a denunciar à Polícia do Pensamento quem cometesse crimidéia. Algo estava errado e para verbalizar seus sentimentos, atualizava seu diário usando o canto “cego” do apartamento. A primeira frase que escreve é: Abaixo o Big Brother!

A vida de repressão e medo nem sempre fora assim na Oceania. Antes da Terceira Guerra e do Partido chegar ao poder, ele desfrutava uma vida normal com os seus pais.

Ele tinha esperança na prole. Recorda-se dos “Dois minutos de ódio”, parte do dia em que todos os membros do partido se reúnem para ver propaganda enaltecendo as conquistas do Grande Irmão e, principalmente, direcionar o ódio contido contra os inimigos. Separou-se de sua esposa devido à sua devoção ao Partido. Ela seguia a determinação de que o sexo deveria ser apenas para procriação de novos cidadãos. O sexo como prazer era crime.

A mentira do Partido era a prova que Winston procurava para si. Havia algo podre na Oceania. Revoltado, escreve no seu diário que liberdade é poder escrever que dois mais dois são quatro. Não era bem-visto que membros do Partido frequentassem o bairro proletário.

Ao voltar ao antiquário, o proprietário tem uma surpresa para o curioso por antiguidades. Ao sair do antiquário, vê uma mulher que simula uma dor para desviar a atenção das teletelas e lhe passa um bilhete escrito: “Eu te amo”.

As normas do Partido deixavam claro que membros do Partido, principalmente dos sexos opostos, não deveriam se comunicar a não ser a respeito de trabalho. (Transcrito do Wikipédia).

Eric Arthur Blair (Motihari, Índia Britânica, 25 de Junho de 1903– Londres, 21 de Janeiro de 1950), mais conhecido pelo pseudônimo George Orwell, foi um escritor e jornalista inglês. Sua obra é marcada por uma inteligência perspicaz e bem-humorada, uma consciência profunda das injustiças sociais, uma intensa oposição ao totalitarismo e uma paixão pela clareza da escrita. Apontado como simpatizante da proposta anarquista e do socialismo não-autoritário, o escritor faz uma defesa da auto-gestão ou autonomismo. Orwell, faz uma forte critica ao socialismo autoritário e estalinista, que ele denunciou em obras como Homage to Catalonia e Animal Farm.

Considerado talvez o melhor cronista da cultura inglesa do século XX, Orwell se dedicou a escrever resenhas, ficção, artigos jornalísticos polêmicos, crítica literária e poesia. Ele é mais conhecido pelo romance distópicoNineteen Eighty-Four (1984) e pela novelasatíricaAnimal Farm (1945). Juntas, estas obras venderam mais cópias do que os dois livros mais vendidos de qualquer outro escritor do século XX. Outro livro de sua autoria, Homage to Catalonia (1938) – um relato de sua experiência como combatente voluntário no lado republicano da Guerra Civil Espanhola – também é altamente aclamado, assim como seus ensaios sobre política, literatura, linguagem e cultura. Em 2008, o The Times classificou-o em segundo lugar em uma lista de “Os 50 maiores escritores britânicos desde 1945”.

A influência de Orwell na cultura contemporânea, tanto popular quanto política, perdura até os dias de hoje. Vários neologismos criados por ele, assim como o termo orwelliano – palavra usada para definir qualquer prática social autoritária ou totalitária- já fazem parte do vernáculo popular. (Transcrito do Wikipédia).

E aí, finalmente chegamos ao Maranhão. O cu do mundo para alguns, e ainda o feudo do Sarney, um dos beneficiários seculares das capitanias hereditárias.

Entrou para o nosso febeapá, o dito popular de que, “um raio não cai duas vezes no mesmo lugar”. Mentira. Cai sim. Numa cidade do Maranhão caiu três vezes. Como disse Padre Antônio Vieira num dos seus sermões: “no Maranhão até as nuvens mentem.”

Se não, vejamos. Desmembrado como território pertencente a Itapecuru-Mirim pela lei provincial 7, de 29 de abril de 1835, Rosário tornou-se vila através da Resolução de 19 de abril de 1833. No dia 6 de abril de 1915, pela lei estadual 654 transformou-se Município.

E o que tem isso com o que estamos pretendendo mostrar?

É que Rosário é um dos lugares onde o raio caiu mais de uma vez. Quando era Presidente da República o alagoano Fernando Collor de Melo, nos anos 80, ele próprio trazido pelo donatário Sarney, “inaugurou” a Metalman, uma aciaria destinada a produzir manganês para atender as demandas e carências brasileiras. Época pré-eleitoreira. Nunca a Metalman produziu uma grama desse metal. Foi o primeiro raio.

Anos depois, o então presidente Fernando Henrique Cardoso, acionaria com as próprias mãos o maquinário do Polo de Confecção de Rosário, “construído” a partir de uma parceria dos séquitos de Sarney com um fantasma coreano, que tomou Doril e deixou a cidade e a população comprometidas e endividadas junto ao Banco do Nordeste. Nunca produziu uma cueca.

besta4

Agora, quando da reeleição de Roseana Sarney, a cúpula que aparece na foto acima “deu início” às obras da Refinaria Premium, a maior do Norte-Nordeste do Brasil. Todos conhecem o restante da estória.

Vamos identificar algumas pessoas na foto: o primeiro à esquerda – Sérgio Gabrielli (alguém “desconhece”?); ao lado, Bia Venâncio, ex-Prefeita de Paço do Lumiar, cassada por improbidade administrativa, condenada à prisão e que, nesse dia, provavelmente estaria de “tornozeleira eletrônica, entre Sérgio Gabrielli e a atual Presidente da República, Dilma Rousseff; atrás de Bia Venâncio, o então Presidente da FAMEM (Federação dos Municípios Maranhenses), Júnior Marreca; a “moça” vestida de blusa vermelha, todos conseguem identificar; ao lado dela, a sorridente Roseana Sarney, que, atrás de si, tem ninguém menos que Paulo Roberto Costa, indicado com uma seta vermelha e que nunca esteve com o Senhor Ministro Edison Lobão, que aparece ao lado da Governadora do Maranhão; o jovem Doutor Honoris Causae, creio não ser necessário identificar, pois a mão esquerda dele serve pra qualquer coisa; ao lado dele, o então Prefeito de Rosário, “Bimba”, outro cassado por improbidade administrativa. Finalmente, o longevo cidadão que o Brasil inteiro conhece. Todos compareceram e se deixaram fotografar sorridentes para a posteridade no dia do lançamento e da queda do terceiro raio no mesmo lugar: na cidade maranhense de Rosário.

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

CAZO – COMÉRCIO DO JAHU

cazo

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 DEU NO JORNAL

OS CONTRASTES BANÂNICOS

Com impressionantes 60% das intenções de voto, segundo o Instituto Datafolha, o tucano Álvaro Dias talvez já está reeleito pelo Paraná.

Isto contra miseráveis 8% de seu adversário mais próximo, Ricardo Gomyde, o comunista apoiado pelo PT, Lula e Dilma.

Álvaro Dias está prestes a se tornar proporcionalmente o senador mais votado do país e um dos mais votados da história da República.

* * *

Minino, eu chega se ispantei-me todinho!

Fiquei besta de ver o avanço que teve o candidato a senador Ricardo Gomyde, o cumunista apoiado pelo PT no Paraná.

Em apenas um mês, ele saltou de míseros 4% para estratosféricos 8%.

Vejam como estavam os números no final de agosto:

qpc

Isso num estado atrasado, lascado e fudido feito o Paraná, com uma população de 97% de analfabetos e um eleitorado composto em esmagadora maioria por gente desinformada e sem acesso a qualquer tipo de notícia. Em Curitiba, se tiver internet numas 100 residências, é muito. E, mesmo assim, quem entra na internet naquela terra, só lê merda e besteira, feito o JBF.

Felizmente, para contrabalançar esta situação absurda, temos em Banânia uma potência como Alagoas, um estado progressista, desenvolvido, de PIB nas alturas e de onde a corrupção e a ladroagem foram banidas. E neste estado, rico e industrializado, o senador que será eleito chama-se Fernando Collor de Melo. Está liderando todas as pesquisas. Ao lado do filho de Renan Calheiros que, felizmente, será eleito gunvernador da Terra dos Marechais. Os dois são apoiados por Lula e por Dilma.

Enquanto no Paraná temos vilarejos miseráveis e atrasados, como Londrina e Maringá, nas Alagoas existem metrópoles riquíssimas e com altíssimos IDH, como Girau do Ponciano e Coité de Noia. É por isso que no Paraná Álvaro Dias ganha. E é por isso que em Alagoas Collor e Renan Filho vencem.

Criança, ama com fé e orgulho a terra em que nasceste. Jamais verás país como este.

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

J. BOSCO – O LIBERAL

AUTO_jbosco

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

VALDEIR MORAIS – CAMPINA GRANDE-PE

dilma-e-Aécio-Marina

Raulino Silva

Eu vou votar em Marina
Porque ela é preparada
Que eu não aguento mais
Ver minha patria roubada
Dilma sabendo de tudo
Finge não saber de nada.

* * *

Valdeir Morais

Pois eu, meu camarada
Com pensamento ligeiro
Não voto nessas duas não
No segundo ou no primeiro
Pois não tenho confiança
E nossa única esperança
É eleger o mineiro”

* * *

Iponax Vila Nova

Eu entro na discussão
A nível de presidencia
Nem sou Dilma nem Aécio
E pra causar divergência
Eu voto em Marina Silva
Pra por um fim na sequência

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA

OPI-002.eps

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 A PALAVRA DO EDITOR

PENSAMENTO VIVO

“O amor é como capim: você planta e ele cresce. Aí vem uma vaca e acaba com tudo.”

(Otacílio, filósofo palmarense, depois de levar chifres pela 23ª vez)

vaca-pastando

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JBF

ddt

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 A PALAVRA DO EDITOR

QUANTO MELHOR, MELHOR, Ô SUJEITO!

O fubânico gunvernista Espancador dos Fatos, vermêio e luleiro até o talo, cunhou há poucos dias uma expressão que se referia a um estranho time de pessoas.

São as pessoas que torcem pelo “quanto pior, melhor“.

Salvo entre torcidas de clubes de futebol – uma rezando pra que o time da outra jogue mal e piore a cada partida -, eu não conheço, no dia a dia, na dura luta pela sobrevivência e pela vida, eu não conheço, repito, uma única pessoa que seja adepta do “quanto pior, melhor“. Não conheço ninguém que torça pra aumentar o valor da conta de luz, a tarifa do telefone, o preço da água, a taxa do condomínio e o valor que gasta pra fazer compras no mercadinho.

Nunca vi pela frente, nunca conversei com um único vivente que tivesse ficado feliz com a inflação subindo, com o desemprego em alta e com a deterioração da economia do país. Nunca vi mesmo. Nem pobre, nem classe média, nem rico.

Existe uma diferença grande, uma diferença profunda, entre constatar que as coisas estão uma merda (e lamentar) e torcer pra que as coisas fiquem uma merda. É isto.

Gente que compra material escolar dos filhos, gente que compra remédios, gente que abastece o carro ou que paga passagem de ônibus, gente que paga prestação da casa própria, eu não conheço, repito, um único que fique feliz e torça pelo “quanto pior, melhor“, como garante Espancador dos Fatos. Ele bem que poderia citar um exemplo concreto, de um amigo, de um vizinho, de um desmiolado qualquer, um abestalhado desprovido de cérebro, que torça pra situação do país ficar ruim e ele, o desmiolado, ficar mais pobre, mais fudido e mais endividado.

De minha parte, eu fico feliz que só a porra com inflação baixa, preço de luz, água, gasolina e alimentos estáveis e alegre que só pinto no lixo quando o final do mês fica no azul.

Qualquer rumor de que vem desmantelo pela frente, me deixa inquieto e apreensivo. Como, por exemplo, a manchete que abriu o noticiário desta terça-feira:

bovespa

Atentem para o que está escrito na manchete aí em cima: a queda da Petrobras, a descida espantosa da Bovespa, esta inquietação, este prenúncio de desastre tem uma explicação: o “cenário eleitoral“.

Tá escrito lá com todas as letras.

Cenário eleitoral” é um eufemismo de quem entende de economia e de finanças pra se referir à subida de Dilma nas últimas pesquisas (lembram-se do rebu que aconteceu, há poucos dias, quando a analista de um banco fez um estudo sobre a merda em que estava a economia de Banânia e que foi demitida por ordem de Lula? Pois é…).

Hoje pela manhã li uma análise da qual destaco a frase transcrita a seguir:

Entre as grandes empresas presentes em Bolsas na América Latina e nos EUA, a Petrobras foi a única que teve queda no retorno de suas ações e no seu valor de mercado em quase quatro anos (de 31 de dezembro de 2010 até a última sexta-feira (26). O período coincide com o governo Dilma Rousseff .

A possibilidade de que Dilma, dirigida por Lula, seja reeleita, desmantela a economia e deixa apreensivos os que entendem do assunto. Até eu, que num entendo porra nenhuma, percebo que vem merda pela frente. Esta possibilidade, real, próxima e concreta (ao contrário dos desvarios de Espancador dos Fatos), deixa inquieto quem manja de prosperidade, de desenvolvimento e de PIB crescendo. Aliás, em falando do PIB, vejam que ele está citado na manchete lá de cima: o Banco Central do PT baixou sua previsão de alta mais uma vez…

Isto quer dizer que se Dilma for a vitoriosa, a economia vai atolar as patas mais ainda no lamaçal do brejo banânico.

E, pela teoria de Espancador dos Fatos, a conclusão é óbvia: quem torce pelo “quanto pior melhor” é quem vai dar seu voto a candidatos que, quando crescem nas pesquisas, caem a Petrobras e a bolsa.

Um raciocínio irretocável.

Elementar, meu caro Dr. Watson!

anta

“Eu sou uma anta decidida e resoluta: luto pelo lema ‘quanto pior, melhor’ e já escolhi em quem vou votar”

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

amorim

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 DEU NO JORNAL

PARA FACILITAR DIÁLOGO COM ISIS, DILMA ENVIA CARREGAMENTO DE IPHONE 6 FINANCIADO

Joselito Müller

joselito-JORNALISTA DESTEMIDO

dilma-quer-dialogar-com-estado-islc3a3mico

Após as polêmicas declarações da presidente Dilma Rousseff, que na ONU criticou o bombardeio promovido pelos Estados Unidos contra a organização terrorista Estado Islâmico, a chefe do executivo nacional decidiu ir além: enviou para os terroristas um carregamento de Iphone 6, financiado pelo BNDES.Iphone-6.-.

“Eu disse que era a favor do diálogo, e logo vieram piadas me mandando ir lá pessoalmente. Como não sou boba nem nada, estou enviando esses celulares para que possamos conversar à distância”, declarou.

Os aparelho, que custaram R$ 17.000,00 (dezessete mil reais) cada, foram comprados mediante dispensa de licitação. Cada aparelho possui dez reais de crédito da TIM, além de pacote para envio de SMS ilimitados pelo prazo de um ano.

“O único problema agora é que eles não falam português, nem eu sei o idioma deles. Na verdade, nem sei que idioma eles falam”, declarou a presidente.

A presidente declarou que “eles podem me adicionar no Facebook, que eu aceito. Podem também me seguir no Twitter e no Instagram”.

A atitude foi duramente criticada pela oposição, que declarou que seria mais econômico enviar fichas telefônicas.

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

NICOLIELO – JORNAL DE BAURU

nicolielo

Compartilhe Compartilhe
“COLCHA DE RETALHOS” POR WILSON TEIXEIRA E SARAH ABREU

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

JARBAS – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

AUTO_jarbas

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 DEU NO JORNAL

UMA ARENGA SIMIESCA PRA URUBU ALGUM BOTAR DEFEITO

Num recente encontro com artistas, a candidata Marina Silva confessou que, quando jovem, queria tentar a carreira de atriz.

E fez apenas duas (malogradas) experiências: numa peça, seu papel era de “cacto”; em outra, de “macaco”.

Sua sinceridade foi mais do que suficiente para que a milícia digital do PT distribuísse nas redes sociais caricaturas pouco elegantes da candidata como se estivesse interpretando os dois “papéis”.

* * *

Uma coisa que tem atrasado muito meu expediente de Editor do JBF – desde que a campanha eleitoral ficou mais intensa e acirrada -, é a chuva, a tempestade, o tsunami da mensagens enviadas pela militância do PT em prol da candidatura Dilma e que congestiona o correio deste blogue escroto.

Essa turminha não faz mais nada na vida a não ser despachar mensagens pela internet. Se são ou não remunerados, é uma questão que eu deixo a critério dos linguarudos. Não me meto nisto. Chegam desde simples propagandas até injúrias e ofensas cabeludas. Se dedicam a este execrável ofício desde covardes anônimos até entidades identificáveis. Desde abomináveis pessoas físicas até pessoas jurídicas mais abomináveis ainda.

Por exemplo: tem uma certa Secretaria Nacional de Organização, um órgão do PT, que é incansável no envio de mensagens. Chegam várias por dia. E as mensagens são sempre encerradas com esta ilustração:

pt

Já a militância tucana de Aécio, num manda pra cá nem um milésimo da quantidade de mensagens petistas, que é uma verdadeira chuva torrencial.

E a última que a tucanalhada me mandou esculhambava, simultaneamente, com Dilma e com Marina. Esculhambava com Dilma porque a prisid-Anta é defensora dos médicos cubanos. E esculhambava com Marina porque comparava a feiura da ecochata à feiúra de uma monstrenga.

Vejam só a montagem:

CIRURGIA

Da militância de Marina, pra falar a mais pura verdade, num chegou aqui no JBF uma única mensagem sequer.

A militância zisquerdista de Banânia, o eleitorado preferencial de Dilma, aquela brava gente que inventou o puliticamente correto e que classifica como “discriminação racial” chamar um negro de macaco, não passa um único dia que não me mande alguma ilustração comparando Marina com uma macaca mais feia do que Chita de Tarzan.

Hoje, só pra vocês terem uma idéia, recebi de uma militante petralha estas duas ilustrações que estão a seguir.

Numa Marina é comparada a um urubu e, na outra, ela “regride” ao estado simiesco por ter pregado em sua campanha que busca uma “nova política”. Vejam:

MARINA URUBUMacaco tá certo

Aliás, a tara da militância de Dilma é ressaltar a feiura de Marina. Tem uma fubânica de São Luiz, Maranhão, braba que só uma cascavel de resguardo, que manda mensagens diariamente, comparando Marina com os animais mais feios que a natureza já criou. Comparar a neguinha do Acre com uma macaca é o mais leve.

Hoje esta leitora me mandou um tal dum “jogo dos 7 erros”, comparando Marina com um negócio monstruoso. O jogo é pra terminar sem encontrar erro algum. Segundo a leitora, Marina e a monstra são parecidas, são iguais, têm a mesma cara horripilante.

JOGO 7 ERROS

Aliás, esta foto de Marina, que é a mesma lá em cima ao lado do urubu e aqui embaixo, ao lado da monstra, foi usada por um comentarista fubânico, eleitor do PT, pra perguntar se a Dilma era feia desse jeito. Certamente pra concluir que não. Que Dilma é linda e que Marina e um lobisomem da meia-noite.

Tem um petralha andrógino, que ora usa pseudônimo masculino, ora usa pseudônimo feminino, e que envia aqui pro JBF uma média de 20 a 30 mensagens por dia. Esculhambando indistintamente Aécio e Marina. E elogiando Dilma, evidentemente. Qualquer que seja o apelido que ele use, as mensagens são despachadas do mesmo computador, têm o mesmo IP, segundo a checagem que faço aqui no sistema de edição.

Da última vez, o tabacudo(a) usou o pseudônimo de Odete Jaburu. .

Pois bem. Este pseudônimo Jaburu me deu uma idéia pra fechar esta postagem. Trata-se da foto dessa ave, o jaburu, com o seu pescoço vermêio, mesma cor da istrêla do PT. E a cabeça preta, mesma cor da clareza do que Dilma fala.

Uma ave cujo cérebro tem o mesmo tamanho do cérebro de um militante petêlho. E que tem as pernas tão compridas quanto as mentiras que Lula conta.

Jabiru

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

S. SALVADOR – ESTADO DE MINAS

AUTO_son

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MARCOS MAIRTON – FORTALEZA-CE

Caro amigo Berto,

Veja como é a vida.

Certo dia enviei para minha coluna no JBF a postagem UMA CANÇÃO PARA O FALCÃO, na qual eu apresentava um vídeo com a canção “Coração de Frango” e falava do meu desejo que Falcão a gravasse. (Leia clicando aqui)

Pois bem. Hoje, recebi das mãos do próprio Falcão, autografado, o seu novo CD, que tem o singelo título de “Sucessão de sucessos que se sucedem sucessivamente sem cessar”.

f1f2

Agora, olhe aí na foto da contracapa a música de número 2:

f3

Bom demais, né não?

Bem, o CD está à venda pela Internet.

Para comprar, basta clicar aqui

R. Colunista fubânico brilhando e fazendo sucesso é rotina.

Num tem novidade alguma nisto.

Cabra malassombrado é o que mais tem nesta gazeta escrota.

E, quando você aparecer aqui no Recife, meu caro, vamos comemorar com coração de frango no espeto!

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

nani2

Compartilhe Compartilhe
O CACHORRO TUPI

 

Uma mulher da família dos Bernardos morava em Ouro Velho e tinha uma filha empregada em São Paulo.  

Tinha também um cachorro chamado Tupi.

Isso foi na época daquela guerra em que os americanos invadiram o Iraque com o pretexto de “salvar” o Golfo Pérsico e foi matéria constante de jornais e televisão onde os Ianques aterrorizavam o mundo com o seu poderio bélico.

A gente ligava a televisão e era aquela bola de fogo, eram os salvadores do mundo matando velhos e crianças no Iraque, pra mostrar quem é que mandava.

A moça coitada longe da mãe era toda preocupação com aquela ameaça iminente, chegando pela televisão.

Um dia falando com a mãe pelo telefone, manifestou toda a sua angústia em relação à segurança física da genitora:

– Ô Mãe, essa guerra todinha aí e a senhora não tem medo não?

A mãe respondeu, do alto da sua matuta sabedoria:

– Ah minha filha, eu estando com as minhas portas trancadas e “Tupi” no meu terreiro, não tem guerra que me assombre!

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

MYRRIA – A CRÍTICA

AUTO_myrria3

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 FULEIRAGEM

FAUSTO – OLHO VIVO

fausto

Compartilhe Compartilhe

30 setembro 2014 MEGAPHONE DO QUINCAS


É HORA DE REFLETIR, O VOTO AINDA É A “ARMA” MAIS EFICAZ

fft

Eleições: parte do processo de participação do povo nos destinos do país

Aproveito este importante espaço, no Jornal da Besta Fubana, para deixar um recadinho aos amigos leitores e eleitores.

Depois da “Copa das Copas” (ainda não contabilizada), estamos acompanhando, talvez, a mais surpreendente campanha eleitoral de toda nossa História.

Os episódios, todos conhecem, trouxeram mudanças radicais, tanto na marcha da pontuação da incumbente, quanto dos demais contendores.

Tirante os malfadados ‘comerciais’, que servem como massacre eletrônico para a fixação de propostas pontuais pelos partidos, quanto ao ataque mais vulgar e “mordidas na orelha”, típicas de um round ocupado por Mike Tyson, restam momentos de sinceridade e até de sincericídio.

Quem pode assistir a debates na televisão, em geral, apresentados em horários proibitivos para a classe trabalhadora, como foi o domingo à noite, na Rede Record, tem a oportunidade de ver um pouco mais, de maneira compulsória, quem é quem neste palco em que o debate político é, mais das vezes, substituído por performances estrategicamente pensadas pela deletéria figura chamada ‘marketeiro político’. Ainda assim, nos debates, sobram alguns signos pessoais de cada indivíduo candidato. Pode-se, por algum instante, ver quem tem sustança de pensamento ou quem, instado a comentar a homofobia, faz o discurso mais fascista há muito não apreciado no país. O “homem do aero-trem” se desfez e, nu, colocou para fora toda a escatologia a que se resume seu “pensamento”. Sem nenhuma base de informação, o detraquê confundiu tudo e empurrou a pedofilia no tema da homofobia.

Enfim, não vou aqui cansar o leitor, analisando, uma a uma, performances em ‘comerciais” ou o comportamento mais próximo da fidelidade da persona candidata. Não sou psicólogo, nem cientista social, nem sociólogo, nem “analista político”.

Deixo minha contribuição direcionada para os meus conterrâneos nordestinos, moradores no Nordeste ou em outras partes do país.

Meu recado vai em formada musical: devem ter ouvido este hino algumas vezes, é um clássico. Como tal, não perde a atualidade. Para refletir, Zé Dantas, o parceiro de Gonzaga nesta canção, vai direto ao ponto: “mas doutor, uma esmola para um homem que é são, ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão”. Além da questão climática, podemos agregar ao recado de ‘Vozes da Seca’, a submissão regional, via manutenção de condições sociais de vulnerabilidade, que perenizam o assistencialismo que paralisa a evolução social e a ascensão do povo ao patamar de ser pensante, crítico e, portanto capaz de discernir o joio do trigo.

Bom voto a todos no próximo dia 5 de outubro.

Vozes da Seca – Luiz Gonzaga e Zé Dantas – 1953

Vozes Seca, mais atual do que nunca nestas eleições:

Seu doutô os nordestino têm muita gratidão
Pelo auxílio dos sulista nessa seca do sertão
Mas doutô uma esmola a um homem qui é são
Ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão
É por isso que pidimo proteção a vosmicê
Home pur nóis escuído para as rédias do pudê
Pois doutô dos vinte estado temos oito sem chovê
Veja bem, quase a metade do Brasil tá sem cumê
Dê serviço a nosso povo, encha os rio de barrage
Dê cumida a preço bom, não esqueça a açudage
Livre assim nóis da ismola, que no fim dessa estiage
Lhe pagamo inté os juru sem gastar nossa corage
Se o doutô fizer assim salva o povo do sertão
Quando um dia a chuva vim, que riqueza pra nação!
Nunca mais nóis pensa em seca, vai dá tudo nesse chão
Como vê nosso distino mercê tem nas vossa mãos

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

LUTE – HOJE EM DIA

AUTO_lute

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 COLUNA DO MAURO PEREIRA


Viajando de Itapeva a Brasília. Com escala em Ribeirão dos Pradas
MAY DAY! MAY DAY! À DERIVA, O BRASIL PEDE SOCORRO!

Nestes tempos em que somos torpedeados pela mediocridade e enfrentamos sombrias etapas de provações democráticas, tudo indica que, estimulado pelo governo, o instinto de sobrevivência encontrou no solo fértil da servidão o mais eficiente dos adubos para se alastrar e, infelizmente, a julgar-se pelo topor coletivo que se estende há vários anos, não podemos esperar muito de uma sociedade alienada que teima em eleger e reeleger políticos reconhecidamente corruptos, cujas folhas corridas deixariam ruborizadas as mais altas patentes do crime organizado. Quanto mais se acumulam denúncias de desmandos e de corrupção, mais a presidente-candidata sobe nas pesquisas. Será que perdemos a capacidade de nos indignarmos?

A alma se mostra insuficiente para suportar a dor de assistir, ao longo de pouco mais de uma década, o paulatino desmonte da sétima maior economia do planeta patrocinado por um dos governos mais incompetentes e corruptos de nossa história republicana. Nada funciona a contento nesse Brasil descoberto por Lula em 1.º de janeiro de 2003 e devastado pelo petismo desde o seu descobrimento. As notícias publicadas diariamente por órgãos especializados em economia são aterradoras. O fantasma da inflação volta a assombrar o assalariado, o flagelo do desemprego bate à porta e tira o sossego do trabalhador. O vendaval de desatinos faz uivar tenebroso o vento da recessão.

Nada escapa ao desvario e à incompetência petista. É calamitoso o serviço de saúde oferecido à população. Pacientes empilhados nos corredores dos hospitais aguardando atendimento em camas improvisadas e macas em péssimo estado de conservação expõem o descalabro da insuficiência de leitos hospitalares. A longa e desumana espera pela realização de exames médicos contribui para o agravamento do mal que aflige e mata o doente. A afirmação de Lula garantindo que o SUS está próximo da perfeição redimiu a vassalagem abjeta que repete como mantra essa mentira pilantra.

A precariedade da educação é uma das faces mais perversas dos desgovernos de Lula e Dilma. Ensino de baixíssimo nível transformou o Brasil em frequentador assíduo das últimas colocações nos índices educacionais publicados por instituições internacionais. Salários vergonhosos, patrulhamento do sindicalismo pelego e a ideologização da grade curricular têm desestimulado boa parte dos professores. As recorrentes e impunes agressões dos alunos elevou o exercício do magistério à categoria de profissão de risco e, como consequência inevitável, têm contribuído significativamente para a diminuição do número de heróis que se aventuram a encarar a missão de ensinar. Os caminhos já não são mais suaves.

A segurança pública, ou a falta dela, é a consagração do fracasso das administrações petistas. Deixada ao Deus dará, as fronteiras brasileiras são um convite ao tráfico de armas e drogas. Sob o olhar complacente – que resvala perigosamente nos limites da cumplicidade – de nossas autoridades, países limítrofes ao Brasil aumentam sua produção de coca. Dão-se por satisfeitos com a justificativa de que o plantio da erva é destinada apenas para consumo interno. Essa farsa se desmonta na contundente e desmoralizadora declaração do senador boliviano Roger Pinto Molina afirmando categoricamente que “as relações entre Brasil e Bolívia estão narcotizadas”. Às vezes tenho a sensação de que o alinhamento ideológico é mais importante do que o enfrentamento aos narcotraficantes, responsáveis diretos pela destruição dos nossos jovens e adolescentes.

A política externa, então, virou vergonha nacional e motivo de chacota internacional. Aparelhado, o outrora imponente e respeitado Itamaraty perdeu seu brilho e viu-se relegado a vulgar condição de esbirro da paranóia ideológica perseguida pelo lulopetismo. A cada ação de seus diplomatas, há exceção, ou a cada pronunciamento da presidente Dilma Roussef, mais se esfarela a credibilidade do Brasil perante as nações mais desenvolvidas. A entrevista concedida por nossa presidente terça-feira última (23) censurando os ataques dos EUA e aliados aos bárbaros cortadores de cabeças do EI (Estado Islâmico) e o discurso escandalosamente de candidata em campanha proferido na abertura da Assembléia Geral da ONU, na quarta, ilustram com clareza a miséria ética em que agoniza moribunda a diplomacia brasileira.

Massacrado há praticamente doze anos sob o tacão petista, o Brasil às vezes dá sinais que sucumbiu à corrupção que não cessa, apequenou-se ante à irresponsabilidade que o sufoca e curvou-se à miséria moral que o destrói. Com a conivência de grande parte dos brasileiros, o País caminha para submergir fragorosamente no mar de lama que o inviabiliza e degrada.

Ao mesmo tempo em que torna-se cada vez mais vigorosa a percepção de que a Nação está por sua conta e risco no enfrentamento dessa tormenta que não amaina, também me constrange por demais essa utópica profecia que me invade alertando que somos 200 milhões de passageiros de uma nau abandonada à própria sorte que, sem comando, navega ao encontro do seu naufrágio. Indiferente aos arroubos de profetas da utopia amadores, pelas frestas de nossa aquiescência os profissionais do caos nos espreitam, prontos para dar o bote.

May Day! May Day! À deriva, e seriamente avariado, o Brasil pede socorro!

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

FRANK – A NOTÍCIA

AUTO_frank

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 DEU NO JORNAL

DUAS DÉCADAS DE EMPLUMADOS

O ministro Gilberto Carvalho jogou a toalha.

Admitiu em uma roda que restam ao PT duas esperanças de eleição em governos estaduais: Tião Viana, no Acre, e Wellington Dias, no Piauí.

E olhe lá.

* * *

Acre e Piaui. Dois ricos e prósperos estados da federação, com uma militância ativa, esclarecida e bem informada.

Em termos de PIB, de renda per capita e de politização do eleitorado só perdem mesmo pro Maranhão.

Já no atrasado e pobre São Paulo…

Se aquele cabra que tem a venta do tamanho de um trem, o Geraldo Alckmin, ganhar a eleição domingo que vem, estabelecerá um recorde na terra bandeirante: os tucanos vencem a eleição estadual desde 1994.

charge-do-dia-aroeira

Duas décadas, 20 anos de mando da tucanalhada.

Além de São Paulo, o time da istrêla vermêia também tá levando fumo no Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Bahia, Santa Catarina, Goiás, Rio de Janeiro e Pernambuco.

Eu fico com tanta pena que chega choro: Xiuf, xiuf, snif, snif…

Como diz o fubânico palmarense Malouvido, “É pra lascar a tabaca de Xolinha”.

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO

clayton

Compartilhe Compartilhe
A RESPOSTA DO ESPELHO

Responda-me espelho meu,
O que foi que aconteceu
Com a minha tenra aparência?
Está tão desfigurada,
Já não expressa mais nada
Dos tempos da adolescência.

Porque fez isso comigo?
Penalizou-me um castigo,
Que não fiz por merecer;
Cadê minha mocidade,
Responda por caridade,
E queira me devolver!

Rebobine aí seus planos,
E traga os meus vinte anos,
Faça isso espelho meu!
Devolva as minhas quimeras.
Vividas em outras eras
Pra que eu, volte a ser eu!

Restitua meu sorriso
E não me deixe indeciso
Sem ter uma explicação
Amargando esse queixume;
Porque apagou meu lume?
Diga qual foi a razão!

A minha fugacidade,
Trocou por morosidade,
O que foi que aconteceu?
Depois de ouvir tudo isso
O espelho não foi omisso,
E assim me respondeu.

Meu amigo, no entanto!
Não vou lhe causar espanto,
Nem lhe motivar surpresa
Mas, esses reais contrastes,
Que lhe afligem, são desgastes,
Provindos da natureza.

Por isso que lhe consiste,
Achar essa imagem triste,
Mas, saiba que é sempre assim,
Então não tenha receio;
Já viveu princípio e meio,
Está caminhando pra o fim.

Sem que acarretasse afronta,
Aquela resposta pronta
Do espelho, que sem maldade,
Deu-me uma grande lição;
E após a reflexão,
Vi que era a pura verdade.

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

WALDEZ – AMAZÔNIA JORNAL

AUTO_waldez

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 DEU NO JORNAL

CHIKUNGUNYA: PRECISO EXPERIMENTAR!

Agamenon Mendes Pedreira

agamenon-urgente-26

Seringalista amador, Agamenon Mendes Pedreira frequentava, ao lado de Marina Selva, a maloca de Chico Mendes no Acre

Uma nova doença ameaça a combalida saúde do brasileiro: a chikungunya, uma espécie de dengue. A doença transmitida por um mosquito está entrando no território brasileiro pelo Oiapoque e vai sair pela Marilena Chauí. Preciso experimentar.

* * *

Enquanto fazia panfletagem e distribuía santinhos de sua campanha na Times Square, em Nova Iorque, a presidenta Dilma Roskoff negou que estivesse fazendo campanha.

* * *

Já o candidato tucano Aécio Never viajou 7 vezes para Minas em 7 dias. Aecinho faz questão de dormir no Rio de Janeiro de onde governou Minas por dois mandatos.

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

M. AURÉLIO – ZERO HORA

AUTO_marcoaur

Compartilhe Compartilhe
VOTO NÃO É PAPEL HIGIÊNICO

Semana passada, registrou o jornalista Sebastião Nery a reportagem de cinco páginas que a francesa L’Express, dedicou aos escândalos da Petrobras. Sob a foto da presidente brasileira, ela “gorda, muito gorda, barriguda” (sic), a pergunta crucial da revista: O escândalo do dinheiro negro – corrupção – os brasileiros exigem as contas. Quem assinou os contratos leoninos?

A resposta é óbvia, mas provoca outra pergunta: por que a ocupante da cadeira mais poderosa do país insiste em dizer que assinou louvada apenas no parecer de um diretor? Onde estava a “gerentona” implacável, na hora de uma assinatura que dizia respeito a duzentos milhões de brasileiros? Será que no tempo em que as faturas do cartão de crédito eram pagas por ela as notas de despesa também eram assinadas sem ler? Teria a adiposidade provocado a incúria da presidente?

FFRR

Ora, as “tenebrosas transações” eram tão volumosas que, para não atrapalhar um negócio, atente-se para a frase só para não atrapalhar um negócio, Paulo Roberto Costa recebeu uma propina de R$ 3,6 milhões. O valor, uma fortuna para a imensa maioria dos mortais, foi pago somente para Paulo Roberto Costa não atrapalhar um negócio. Então veja agora o valor para facilitar um negócio.

O desdobramento veio no blog de Ricardo Noblat: “O valor da propina paga a Paulo Roberto Costa para que ele facilitasse negócios de uma empreiteira com a Petrobras dá uma pálida ideia do tamanho da corrupção que entope os dutos da empresa. O valor: US$ 23 milhões de dólares, segundo apurou Jailton de Carvalho, repórter de O Globo. Ou R$ 55,2 milhões, o equivalente a 10% do que a prefeitura do Recife, por exemplo, pretende investir na cidade em 2015.”

Mesmo assim, neste país de indolentes ainda há – em grande número, o que é pior -, os que vão usar o poder do voto para manter as coisas como estão…

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

BENETT – GAZETA DO POVO

benett

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 DEU NO JORNAL

UM PAÍS DE POPULAÇÃO RETRÓGRADA

Manifestantes derrubaram neste domingo (28), em Kharkiv, no leste da Ucrânia, uma estátua de Vladimir Lênin, histórico líder comunista e um dos maiores símbolos na extinta União Soviética.

Este era o maior monumento em referência ao líder revolucionário Russo na Europa, construído na segunda maior cidade da Ucrânia, próxima a fronteira com a Rússia.

Vídeos publicados na internet mostram o momento em que a estátua foi destruída.

ukraine_fran_1

* * *

Só podia mesmo ser numa nação de branquelos. De coxinhas elitistas dos zoios zazuis.

Derrubar e avacalhar com a estátua de um dos maiores humanistas de toda a história do século passado é um fato gravíssimo.

Povinho reacionário e direitista que só a porra. Desse jeito, é impossível implantar o progresso e o avanço de um socialismo muderno nesse país escroto.

E só não derrubaram estátuas de Marx e de Stalin porque não havia um único exemplar na Ucrânia.

Que sacanagem….

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

AMORIM – CHARGE ONLINE

amorim2

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 DEU NO JORNAL

MANIFESTO POR UM BRASIL MAIS RICO, NÃO MAIS CARO

Ricardo Amorim

impostometro

Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo: só neste ano, até a data de hoje, 29.09.2014, mais de 1,2 trilhões arrecadados

Na Idade Média, o tratamento para a peste bubônica era forçar o doente a penitenciar-se com um padre. Buscava-se tratar sintomas como febre, calafrios e delírio através da graça de Deus. O resultado: um terço da população europeia foi dizimada pela peste.

De lá para cá, muito mudou, mas nem tanto assim. Vários tratamentos médicos continuam lidando exclusivamente com os sintomas e não as causas das doenças. Na economia, também.

Na história brasileira, há mais casos de tratamentos de sintomas de problemas econômicos do que episódios em que as verdadeiras razões dos desarranjos foram confrontadas.

Nesta semana, tivemos mais um. Para lidar com dificuldades da nossa indústria, o governo e o Banco Central vêm adotando uma série de medidas, incluindo redução temporária de impostos para alguns subsetores, aceleração da queda da taxa de juros, adoção de restrições à entrada de capitais estrangeiros para enfraquecer nossa moeda e elevação de impostos sobre produtos importados.

Além de sujeitarem o País a eventuais retaliações comerciais, essas medidas criam um Brasil mais caro, não mais rico. Quem pagará a conta do encarecimento dos produtos importados e da redução da competição com os nacionais é você, o consumidor. Aliás, já paga.

No ano passado, impostos sobre importação arrecadaram mais que o Imposto de Renda Pessoa Física. Você pagou ambos. Os primeiros, nos preços elevadíssimos praticados no Brasil e o IRPF, na fonte.

A própria indústria, beneficiária no curto prazo, acaba perdendo no longo prazo, à medida que a elevação de preços reduz o número de consumidores que podem arcar com preços mais elevados.

O governo deve, sim, adotar medidas enérgicas para elevar a competitividade do País. Para isso, precisa cortar gastos públicos excessivos e de péssima qualidade. Somos pouco competitivos e nossos preços são elevados porque, no Brasil, compramos o produto ou o serviço e pagamos junto nosso governo gastão.

Não raro, pagamos duas vezes pelo mesmo serviço. Saúde e educação são exemplos óbvios. Através de nossos impostos, pagamos os sistemas públicos, mas, devido à baixa qualidade, quem pode paga também por serviços privados.

Com menos gastos públicos, os impostos também cairiam e, com eles, os preços. Com preços menores, o consumo aumentaria e a geração de empregos também.

Sobrariam mais recursos para investimentos em infraestrutura, reduzindo custos de transporte, energia, comunicação, etc. O governo necessitaria de menos dinheiro emprestado, permitindo que a taxa de juros caísse, sem gerar desequilíbrios. Juros menores atrairiam menos capital estrangeiro, levando a uma taxa de câmbio menos apreciada.

Menos gastança governamental e impostos são a receita para um país mais rico. Mais impostos sobre produtos importados constroem apenas um país mais caro.

Nossa presidenta tem reclamado do tsunami financeiro dos países ricos – que ela não controla -, mas não tem atacado sistematicamente o tsunami de gastos públicos, sob seu controle.

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 FULEIRAGEM

SPONHOLZ – JBF

cre

Compartilhe Compartilhe

29 setembro 2014 DEU NO JORNAL

INSPIRADO EM MARINA, LULA PROMETE DAR AUTONOMIA A DILMA

The i-Piauí Herald

sti

“Dilma vai seguir carreira solo”, autorizou Lula

INSTITUTO LULA – Em discurso inflamado, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva, prometeu dar autonomia a Dilma Rousseff a partir de 2015. “A companheira Marina quer tirar a comida dos brasileiros dando autonomia ao Banco Central. Eu digo a vocês que darei autonomia a Dilma Rousseff para tirar o doce da boca do mercado”, bradou, sendo ovacionado pela redação do Brasil 247.

Procurado pela Polícia Federal há sete meses para colaborar com a investigação sobre os repasses da Portugal Telecom ao seu partido, Lula seguiu a mesma linha de raciocínio. “Queríamos dar autonomia ao PT”, explicou.

Merval Pereira especula que a autonomia de Dilma alterará drasticamente a corrida presidencial. “Trata-se de um fato novo que coloca em xeque o poder de gestão da cúpula petista”, analisou.

No final da tarde, levado por uma Onda Autônoma, Lula orientou Dilma a dar autonomia à Petrobras.

Compartilhe Compartilhe

© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa