23 março 2013 FULEIRAGEM

MONSENHOR NEWTON SILVA – CHARGE ONLINE

newtonsilva

Compartilhe Compartilhe

É NORMAL

Poucos notaram e comentaram as gafes da presidente Dilma em Roma na viagem da monstruosa comitiva na primeira missa do Papa Francisco. Há toda uma liturgia que a ocasião exige e que foi levianamente menosprezada pela presidente brasileira. O uso do véu foi uma delas. Seria assim como se eu, como convidado para a posse da presidente, desse o ar da graça vestido de calça jeans e camiseta. Extremamente ofensivo e deselegante como pessoa educada. Fora o espanto de pedir pelos pobres, alojada com a comitiva em hotel de alto luxo, de sete mil a diária, e aluguel de frota de 17 carros para todos, a presidente recusou-se a receber a Hóstia Sagrada mostrando seu lado ateu, de que não tem fé na existência de DEUS.

É um direito que ela tem, não há a menor dúvida. Ficou claro, entretanto, que sua presença foi exclusivamente política, na caça aos votos dos cristãos, já que poderia ter com o Papa em outra ocasião. Mentiu a DEUS e ao seu representante aqui na terra e ao povo. O ato, ali na Praça São Pedro no Vaticano, era um ato religioso, ninguém estava obrigado a estar lá. O presidente americano Barak Obama respeitou isso e quem o representou foi um católico que comungou. Para você Dilma, tudo é normal.

Está acontecendo no Brasil um escândalo de proporções gigantescas e a mídia pouco fala a respeito. Em que lugar do mundo uma operação de compra e venda de desproporção absurda de valores passa em branco, com raras exceções, a toda imprensa e a toda sociedade organizada? Pois bem, a Petrobras, uma das empresas “cartão de visita” do Brasil fez a compra de uma refinaria em Pasadena, nos Estados Unidos. Até aí tudo bem, é investimento. Acontece que a tal refinaria valia no mercado americano US$ 42,5 milhões, ou seja, aproximadamente R$ 83 milhões e não tinha comprador dados os investimentos altíssimos necessários para que ela pudesse ser lucrativa. Mais, não fazia ano da aquisição pelos antigos donos.

Pois bem, a nossa Petrobras pagou por essa mesma refinaria sucateada, a importância de US$ 1,18 bilhões (um bilhão, cento e oitenta milhões de dólares), ou seja, cerca de R$ 2.360 bilhões (dois bilhões trezentos e sessenta milhões de reais). A diferença entre o valor de mercado e o pago pela Petrobras chega a astronômica quantia de R$ 2.280.000.000,00, ou seja, dois bilhões e duzentos e oitenta milhões de reais. Marcos Valério virou “trombadinha” e principiante diante de tal operação que só está vindo a público pelo Estadão – Jornal Estado de São Paulo, porque deu “pane” na maracutaia. Só há duas hipóteses para tal “investimento”. A primeira é que os nossos negociantes são primários, sem conhecimento de mercado. A segunda é que são excelentes vigaristas de terceiro mundo.

A conta fica para os contribuintes e acionistas, isso é certeza. Assim como ficam as aventuras de outras refinarias tais como a de Pernambuco denominada “Refinaria de Abreu e Lima”, gigantesco ralo de dinheiro. A cada revisão de projeto, milhões de reais escoam pelo esgoto da incompetência. Pois bem, essa refinaria pernambucana em que Hugo Chávez entraria com 40% e nunca contribuiu com nada, teve o seu projeto estimado em US$ 2,5 bilhões (dois bilhões e quinhentos milhões de dólares). Hoje o seu custo estimado já está na casa de US$ 17,35 bilhões (dezessete bilhões e trezentos e cinquenta milhões de dólares) ou R$ 35 bilhões (trinta e cinco bilhões de reais), ou seja, cerca de 600% mais cara do que o previsto e ainda não terminou, vai tempo. As refinarias “Premium” no Maranhão e Ceará, obras políticas, foram para o ralo e com elas muitos milhões. Dilma, é normal?

A desgraça, com mortes e outras coisas, patrocinadas pelo governo federal e estadual do Rio de Janeiro, com a população de Petrópolis e região seria acontecimento cômico se não fosse trágico. As moradias construídas para “salvar” a população das enchentes podem cair na cabeça dos moradores. É dinheiro público jogado fora pela incompetência que grassa o Brasil. O pior é que vem o Sr. Governador do Rio dizer que a Caixa Econômica vai repor financeiramente a perda do dinheiro gasto na obra. Pronto, tudo resolvido. Só que esse dinheiro é do nosso bolso, a Caixa não é do Cabral e menos ainda da Dilma. Onde estava a fiscalização que permitiu tudo isso? Quem permitiu a construção em terrenos conhecidos como “pântano” pela população local? Ora bolas, é normal, não é?

Compartilhe Compartilhe

23 março 2013 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA

OPI-002.eps

Compartilhe Compartilhe
HOMENAGENS

Comentário sobre a postagem HUYTAMAR ENCANTOU-SE

Eli Medeiros:

“Eu, Eli Medeiros, esposa do Cardeal Huytamar, agradeço do fundo do meu coração as homenagens lindas.

Muito obrigada!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!”

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

CÉSAR – NOTÍCIAS DO DIA

cesar

Compartilhe Compartilhe
JOSÉ DE OLIVEIRA RAMOS – SÃO LUÍS-MA

Gente fubânica pelamordedeus me ajude. Tô ficando é constrangido de ver tanta coisa e tanta gente sem futuro. Como se não bastassem os nossos comandantes maiores (O Lulinha num sabe de nada da silva tá Fudido, e a Dama de espadas do priquito de Flandre) engodos do nosso país, inda temos que ver e ficar calados com tanta babaquice junta, né não?

Cumpanheirada apois me ajude a resolver esses dilemas e encontrar algum futuro pressa gente daí de riba.

No retrato 1 (isso é antigo pra caráio, né não?) feito pelo lambe-lambe de Palmares, esse mané resolveu dá uma de Don Quixote e posar de Cavaleiro da Távola Redonda. É um otário ele ou o dono do “veículo”? Ou os dois?! Qual é o futuro desse cabra?

j1

Cabras sem futuro – Né não?   Eita Don Quixote aviadado, né não?

Na foto 2 – Esse disgraçado que deve de ser aposentado por baitolagem métrica, sem querer aparecer de jeito nenhum, fez isso daí da foto. Tá passeando nas principais avenidas de Maceió, certamente com artorização de Cardeal Bernardo, né não? Apois num é ele quem manda por lá?

j2

E essa bichona aí, lá de Palmares, tem futuro?

Na foto 3 – Outro miserável sem nenhum futuro, nimvez de partir para os finarmente com essa daí da foto, apreferiu arrebolar mé de abêia jandaíra nimriba da minina que, com ceuteza tá quereno é outro tipo de mé. Né não? Tem futuro um cabra baitola desses?

j3

Esse outro fresco, baitola, deve de ser de onde, prumode tá rebolano mel nessa menininha?

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

CAZO – COMÉRCIO DO JAHU

cazo

Compartilhe Compartilhe

ANATOMIA TODA CORAÇÃO

Jones Melo (Jun/1946 – Mar/2013)

Dessas gentes que vêm ao mundo para iluminar.

Era assim. Conseguia manter a calma em toda e qualquer situação.
 
Chegando em casa, em Olinda, a esposa estava em desespero. O colchão onde o filho mijou durante a noite e que a empregada pusera  para secar no muro do jardim, fora roubado. “Onde vamos botar o menino para dormir esta noite?” “Querida, você deve pensar que agora algum menino que não tinha onde dormir terá pelo menos um colchão. Vamos comprar outro para nosso filho.”

Era assim. Nada o tirava de sua condição meio asceta.

Teve um momento de desencanto. Nos primórdios da encenação da Paixão de Cristo, em Fazenda Nova, como ator que era, participava do espetáculo. Um tempo romântico. Lembro de uma foto no Diário de Pernambuco onde ele, entre outros atores, tentava perder peso em cima de antigas bicicletas ergométricas. Tudo em favor da arte.

E foi em favor da arte que saiu do Recife dirigindo um fusca. Ia para a representação em Fazenda Nova. O carro caiu uma das rodas num buraco que tinha sobre uma daquelas precárias pontes sertanejas. A porta do passageiro abriu, e sua noiva despencou para os espaços além da vida. Ele se voltou misticamente para suas crenças muito pessoais, parou de representar, mas todos os anos voltava ao sertão, buscava sempre um papel secundário e, em homenagem à noiva morta, representava.

Assinara em definitivo seu voto de humildade e renúncia a qualquer glória.

E teve glória. Quando o pai estava doente, próximo à morte, em um hospital do Recife, foi proibido pelos médicos de fazer visitas. Naquele tempo era o galã de uma telenovela de grande sucesso na cidade, A Moça do Sobrado Grande, e sempre causava alvoroço quando chegava ao hospital.

Tudo isso não mais o importava, quando passei a conviver melhor com ele. Nem mesmo o reconhecimento do mestre Luiz Gonzaga. O encontro se deu no aeroporto. Eu embarcava para algum lugar e por uma dessas contingências nordestinas, toda família estava ali. De repente se aproxima o Rei do Baião: “Ô cabra, não conhece mais os amigos?” E o abraço foi fraterno. “Olhe que quando eu estava por baixo, este cabra era o único que me deixava cantar na televisão.”

Era verdade. A televisão vivia seus primórdios em Pernambuco e ele tinha um programa de auditório onde apresentava jovens artistas, mas sempre abriu espaço para o baião. E diante dessas notícias passei a entender todas as vezes que ele repetia um verso escrito e cantado por Alceu Valença: “Pois eu sou porta voz da incoerência.”

O problema era que não dava para entendê-lo em sua plenitude. O próprio Alceu, que foi seu amigo de universidade, aliás, uma turma bem eclética: José Tomás Nonô, vice-governador de Alagoas; Geraldo Brindeiro, ex-Procurador Geral da República; Joaquim Francisco, ex-governador de Pernambuco; Alceu… Este mesmo Alceu tentou traduzi-lo escrevendo Coração Bobo. Chegou perto da dimensão deste homem iluminado.

Não tinha tutano para as convenções.

Um dia, com sua eterna bata indiana, passou lá por casa, na rua 21 de Abril, em Afogados. E me convidou para uma festa de um amigo. Fui. E nunca me senti tão constrangido. Era o casamento de Dominguinhos com Guadalupe. Toda sociedade pernambucana devidamente paramentada e nós lá, vestidos numa pobreza franciscana. Enquanto eu morria de vergonha e tentava me esconder, ele cumprimentava os amigos da maneira mais natural possível.

Era assim.

Hoje meu irmão me ligou. Estava em Porto Velho, em Rondônia. “Mauricinho, tio Jones…” Adivinhei o pior. Depois o telefone voltou a tocar. Santana, o Cantador reforçava a notícia. “Tomei café-da-manhã com ele. Estava muito feliz e ria enquanto eu contava as presepadas de seu pai.”

Estavam em Fazenda Nova, seu mítico sítio.

Viveu a vida como quis, esse meu tio Jones para quem Maiakovski, mesmo sem conhecê-lo, um dia escreveu: “Em mim a anatomia enlouqueceu. Sou todo coração.”

Hoje seu coração parou. E toda anatomia foi junto.

* * *

PS: Acréscimo da Editoria do JBF a esta postagem: leia matéria sobre o falecimento de Jones Melo clicando aqui.

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

LILA – JORNAL DA PARAIBA

AUTO_lila

Compartilhe Compartilhe
QUATRO MESTRES DO IMPROVISO E UM FOLHETO DE DEBATE

Dimas Batista (1921 – 1986)

Dimas Batista

Nasci no sertão, desfrutando as virtudes
Do tempo de inverno, fartura e bonança.
Depois veio a seca, fugiu-me a esperança
Deixando-me assim, de tristeza tão rude.
Vi secos os rios, fontes e açudes.
E eu que gostava tanto de pescar,
Saí pelo mundo tristonho a vagar,
Fui ter numa praia de areias branquinhas
E vendo a beleza das águas marinhas,
Cantei meu galope na beira do mar.

Ali na cabana de alguns pescadores,
Fitando a beleza do mar, do arrebol,
Bonitas morenas queimadas de sol,
Alegres ouviram cantar meus amores.
O vento soprava com leves rumores,
O pinho a gemer, depois de chorar.
Aquelas morenas à luz do luar
Me davam impressão que fossem sereias,
Alegres, risonhas, sentadas nas areias,
Ouvindo os meus versos na beira do mar.

Eu sempre que via, lá no meu sertão,
Caboclo vaqueiro de grande bravura,
Vestido de couro, na mata mais dura,
Entrar pelo mato e pegar o barbatão,
Ficava pensando, na minha impressão:
Não há quem o possa, em bravura igualar;
Mas depois que vi o praiano pescar
Numa frágil jangada, ou barco veleiro,
Achei-o tão bravo, tal qual o vaqueiro,
Merece uma estátua na beira do mar.

* * *

Sebastião da Silva

Sete letras da saudade
com as três letras da dor,
as seis letras da paixão
com as quatro letras do amor
são sentimentos que moram
no peito do cantador!

*

É de Princesa Isabel
este vate popular;
pode ser príncipe dos versos,
que Princesa é seu lugar;
quem é filho de princesa
é príncipe onde chegar.

*

Pra levar Dimas Batista,
a morte perversa veio;
levar o mais novo é triste;
levar o mais velho é feio.
Deus, respeitando os extremos,
mandou buscar o do meio!

*

Foi à forca Tiradentes
com a maior paciência;
seu sangue se derramava,
e a terra, por inocência,
bebia o sangue de um filho
que quis dar-lhe a independência.

* * *

Onésimo Maia

Com a minha cantoria
estou vivendo tranqüilo:
urubu não ganha fama,
não canta, não tem estilo!
Todo dia come carne,
Sem saber quanto é um quilo!

*

A mulher veio pedir
que eu passe o Natal com ela,
mas eu vou ganhar dinheiro
pra trazer o comer dela;
que é melhor faltar na cama
do que faltar na panela.

*

Eu voto em Zé Agripino,
que é santo da minha Sé,
porque me deu um emprego
que garante o meu café:
sou o vigia de um grupo
que inda sei onde é.

*

Da casa de Lima Neto,
quando você se aproxima,
a empregada diz logo:
– Venha correndo, seu Lima!
Chegou o cantador torto
que o gambá mijou em cima!

*

Ele é bom pai para os filhos
E um bom filho para Deus.
Eu sempre fui o canário
Das festas dos filhos seus,
Pois, do alpiste dos dele,
Eu ganho a ração dos meus.

*

Quando eu vier outra vez,
seu filho já está crescido;
essa moça tem casado,
já tem largado o marido;
sua mulher tá com outro
e o senhor já tem morrido.

Clique aqui e leia este artigo completo »

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

MIGUEL – JORNAL DO COMMERCIO

migueljc

Compartilhe Compartilhe

http://www.fernandogoncalves.pro.br
HISTÓRIA DESPERTADORA

Um caminheiro amigo de longa data, desde os tempos do então Ginásio São Luiz, Ponte d’Uchoa, ainda sem ensino médio, tempos de muita saudade do irmão marista Carlos Martinez, cobrão em Matemática e Latim, me consulta sobre o que deve fazer para “despertar” um neto para as Ciências Exatas. Ele, engenheiro de bom calibre técnico e um filho também engenheiro estavam tendo uma trabalheira dos inferno com um adolescente que se arrepiava todo quando números eram apresentados diante dos seus olhos. O garotão gostava de ler muito, tinha um consistente universo vocabular, um inglês de bom calibre, às vésperas de ingressar no Ensino Médio de uma escola particular de conceito acima da média, não era viciado em nada, já tendo se iniciado nos entrelaçamentos amorosos com uma muito precoce vizinha peraltinha, os finalmente não resultando em nada barrigudal.
 
Primeiramente, disse ao meu amigo que o ensino da Matemática, da Física, da Química e da Biologia estava muito claudicante em todos os estados brasileiros, os mais preparados sem qualquer apego para com as Licenciaturas, dadas suas inapetências para o ensino dos primeiros graus do ensino, hoje sem muitos incentivos, inclusive salariais, outras áreas se tornando bem mais sedutoras e de remunerações mais condignas. Em função disso, seria indispensável incentivar o garoto para leituras “descomplicadas” das quatro disciplinas acima, principalmente da Matemática, a base para uma profissionalidade compatível com os desafios dos tempos contemporâneos.
 
Depois de um café com leite e uns brioches feitos pela Melba, minha inspiração diária, indiquei para o amigo um livro que deveria ser dado sem muita lenga-lenga apologética, como se por acaso lhe tivesse chegado às mãos. E me propus até a fazer uma dedicatória para o neto dele, manifestando desejo de conhecê-lo nas atividades por ele desenvolvidas nuns joquinhos eletrônicos.
 
Confesso que o resultado foi muito além das expectativas. O livro, A História da Matemática, de Anne Rooney, M.Books do Brasil, 2012, chegou as mãos do adolescente com a seguinte dedicatória minha: “Para XYZ, de um amigo do seu avô, que deseja conhecer suas habilidades em jogos eletrônicos para não passar por jumento diante de um neto de 12 anos, também bom de cálculo”. Livro entregue, primeiro encontro agendado na casa do avô, eis o adolescente me ensinando alguns joguinhos eletrônicos, inclusive o FreeCell, tendo me oferecido a lhe orientar no Sudoku, uma invenção japonesa que ampliava raciocínios e favorecia a elaboração de estratégias múltiplas. Perguntei se ele conhecia a diferença entre números perfeitos e números amigáveis, endo recebido uma resposta negativa. E lhe disse que o assunto estava no livro que lhe tinha enviado, dado seus bons conhecimentos de jogos eletrônicos, a mim testemunhado pelo seu avô.
 
Foi a conta. O rapazinho está enfronhado no livro da Anne Rooney, que também é PhD em literatura medieval Inglesa e Francesa nas Universidades de Cambridge e York, tendo sido indicada, em 2004, para o prêmio Science Prize. Que se especializou em escrever sobre diversos temas, inclusive ciências e tecnologia, sem muito “matematiquês” dos chatos de galocha.
 
Que tal se os colégios fizessem Grupos Magia dos Números, para fortalecer, através de iniciativas lúdicas, jamais pernósticas, a ampliação dos conhecimentos sobre uma disciplina que me foi despertada por um irmão marista, que me presenteou com um livro de Malba Tahan denominado O Homem que Calculava, até hoje em meu poder.

(Publicada originalmente no Jornal do Commercio de 22/Mar)

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

SANTIAGO – CHARGE ONLINE

santiago

Compartilhe Compartilhe

http://www.apoesc.blogspot.com.br
NAS PALAFITAS DA VIDA

No escuro da palafita
Um pai aflito lamenta
Um camburão se agita
Cortando a noite sangrenta
Entorpecido com crack
Um pivete sente o baque
Tombando o corpo na esquina
A mãe chorando os seus ais
E as manchetes dos jornais
Publicam outra chacina

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

PADRE SPONHOLZ – JBF

tsa

Compartilhe Compartilhe
HENRIQUE BERGER – ALEMANHA

Papa Berto,

Sou catarina, barriga verde, e há mais de 35 anos moro no norte do Paraná, região de Londrina. Já vivi em outros lugares como Inglaterra, Alemanha (de onde escrevo agora), Austrália e México.

Comecei a ler seu blog por indicação do grande Augusto Nunes. Hoje leio o seu blog todos os dias, inclusive sinto falta dos seus comentários e do relincho do burrico, meus filhos ficam putos da vida quando eu coloco o Polidoro para relinchar.

Ah, já contribui com 100 Reais com o seu blog e espero poder mandar mais.

Viva um Brasil decente!

R. Caro leitor, conheço bem e tenho uma admiração muito grande pelos “barrigas verdes”. No final dos anos 60, quando eu prestava o serviço militar num batalhão de Brasília, convivi intensamente com muitos “catarinas”. A capital federal ainda não tinha jovens em quantidade suficiente pra ser recrutados, e o exército convocava seu contingente no estado de Santa Catarina. Conheci soldados que mal conseguiam se expressar no português, criados que tinham sido no ambiente rural falando alemão. E cujos “nomes de guerra” eram cheios de “w, k, y”.

Até hoje guardo boas e gratas lembranças da convivência com essa turma. Eram soldados extremamente disciplinados e que não davam trabalho algum aos seus superiores.

Quanto a você ter sido recomendado por Augusto Nunes pra conhecer o JBF, informo que na semana passada esta gazeta foi recomendada por duas figuras que, ao contrário de Nunes, defendem o governo. Uma delas é um deputado federal do PT do Rio Grande do Sul e o outro é um “blogueiro progressista”. Um porque eu chamei a oposição e os tucanos de “merdas” e “canalhas” num vídeo. E o outro porque publiquei um artigo de Zé Dirceu.

De modo que eu fico imensamente feliz de ser recomendado como boa leitura tanto por gente de um lado, quanto por gente do outro lado. Por situacionistas e por oposicionistas. Por canhotos e por dereitistas.

A sua doação está devidamente anotada e registrada aqui nos nossos arquivos. Tenha certeza que ela foi integralmente usada no pagamento das despesas de manutenção desta gazeta, que chegam a pouco mais de 800 reais por mês.

E, já que você falou em Polodoro, aqui está ele agradecendo a generosidade de suas palavras e de sua doação. E demonstrando o quanto ficou feliz com o seu contato. Dê o clique pra seus filhos escutarem que lindo rincho.

Abraços e um excelente final de semana!

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

M. AURÉLIO – ZERO HORA

AUTO_marcoaur

Compartilhe Compartilhe
O CÓDIGO É BESTEIROL

Durante o tempo em que o atual prefeito de São Paulo comandou o Ministério da Educação, as provas do ENEM sempre tiveram problemas.

Ora, o gabarito vazava, ora alguém vendia as provas para terceiros, de modo que a confiabilidade do exame ficou em cheque.

Com o novo Ministro, aparentemente, não ocorreram vazamentos.

Em compensação, a qualidade da correção, pelo jeito, está deixando a desejar, e muito, segundo divulgou-se recentemente na imprensa.

Numa das redações, durante a argumentação, o aluno resolveu escrever uma receita de miojo, aquele macarrão instantâneo japonês, sob a alegação de não ficar cansativo (!?).

Outro colocou no texto versos do Hino do Palmeiras!

E nenhum dos dois foi desclassificado. Pelo contrário, tiveram notas médias.

Algumas das redações que tiraram nota máxima, continham erros de grafia. Mas, pelo jeito, erros não contam.

Ainda bem que os alunos que se desviaram do assunto, receberam notas médias. Se tivessem recebido nota máxima ou perto disso, depois de tantos vazamentos no Enem, dariam a impressão de que o Código era o Besteirol. Ou seja, quando o encarregado da correção encontrasse alguma coisa absurda, totalmente fora do tema, poderia ser uma espécie de código para que aquele aluno fosse considerado de forma diferente, condescendente.

O engraçado é que esta semana o Ministro da Educação mostrou descontentamento pelo fato do Brasil ocupar o 88º lugar na avaliação da Unesco.

Realmente, não dá para entender que sejamos a 6ª ou 7ª economia do mundo e estarmos tão mal avaliados na educação.

Isso é um sinal de que, nos últimos anos, pouco tem sido feito para melhorar estes índices ou, quando nada, o que está sendo feito não está sendo eficiente, atestando a incompetência dos últimos ministros da Educação.

Uma pessoa que já trabalhou como corretor de redações do Enem e da Fuvest, em matéria publicada no portal UOL, disse que, em sua opinião, as notas foram puxadas para cima, para que fosse evitado um desastre maior nos resultados do ENEM.  

Ou seja, estão maquiando a verdade da educação, tentando vender à população uma competência que não existe. Algo do tipo, você finge que redige e eu finjo que corrijo.

Não é de hoje que o Brasil optou por uma política de nivelar-se por baixo.

Massificar é a palavra de ordem. E essa massificação se dá em todos os níveis.

O que adianta, por exemplo, jogar tanta gente nas Universidades, gastar-se um volume de recursos para financiar estudantes e grupos particulares ligados à Educação, se a qualidade final vai ser ruim, insatisfatória, desabonadora da nossa capacidade, por falta de investimento e competência no ensino fundamental?

Os investimentos em educação no Brasil estão mal direcionados. Ao investirmos maciçamente em ensino de terceiro grau, em detrimento do ensino fundamental, estamos tentando ensinar correr a quem sequer sabe engatinhar?

As redações do ENEM estão aí para comprovar as minhas afirmações. Esses mesmos alunos que fizeram essas redações, cheias de erros de grafia, serão os futuros advogados, médicos, engenheiros… E, pior, alguns serão professores que irão multiplicar gerações e mais gerações de incompetentes.

Porque educação é uma corrente. Uma corrente tem elos interligados. Não se vai de um estágio para outro, deixando os conhecimentos para trás. Se o aluno sair do fundamental sem aprender (desculpem a redundância) o fundamental, não terá condições de aprender o conteúdo do Ensino Médio e, consequentemente, o do 3º grau.

Investir no ensino fundamental começa por investir na formação dos professores. Isso porque o professor mal formado não pode transmitir os ensinamentos necessários com competência.

É preciso, acima de tudo, tornar a profissão de professor atraente, não apenas salarialmente (que é importante e necessário), mas também respeitada.

Já foi o tempo em que toda jovem tinha de ser professora, que era a “profissão decente” para moças, mesmo se não tivessem vocação.

E como era uma profissão “quebra-galho”, enquanto a moça aguardava um bom casamento, não precisava ser remunerada adequadamente.

Hoje, isso é inaceitável. O curso superior prioritário em matéria de investimentos é o que forma professores em todas as áreas.

Sem isso, não teremos bons engenheiros, bons médicos, bons advogados, bons profissionais em todas as áreas e viveremos de besteirol. 

* * *

FALA SÉRIO!

O dirigente do Sport, Luciano Bivar, que tinha dito que pagou pela convocação de Leomar pela seleção brasileira, diante da justiça, recuou e declarou que fora mal entendido.

Na ocasião, o técnico da seleção era Emerson Leão e o auxiliar técnico, Antonio Lopes.

Das duas, uma: ou ele falou de boquirroto ou não tinha provas e deu pra trás.

De toda forma, um vexame sem tamanho!

FALA SÉRIO!

* * *

Os gastos da comitiva Dilma na visita ao Papa foi de R$ 324.000,00, do dia 16 a 20 de março.

A esse respeito, o secretário Gilberto Carvalho disse “… A exploração desse assunto só pode ser atribuída à falta de percepção para assuntos mais importantes.” E completou: “O que deve ser ressaltado é a importância da participação brasileira na missa inaugural e o que isso representa para o Brasil, tendo em vista que o Papa e a Presidenta Dilma conversaram sobre a atenção aos mais pobres, linha que tem muito a ver com a atuação do governo brasileiro”.

Entenderam, meus caros!? Torraram R$ 324.000,00 em 4 dias, porque Dilma foi conversar com o Papa sobre dar mais atenção aos mais pobres.

FALA SÉRIO!

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

ADNAEL – CHARGE ONLINE

adnael

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

TIAGO RECCHIA – GAZETA DO POVO

tiago

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 A PALAVRA DO EDITOR

CITANDO E EXALTANDO PUBLICAÇÕES RETRÓGRADAS

Um conhecido reacionário publicou em seu blogue referências simpáticas à Folha de São Paulo e à revista Veja.

Este catrefa direitista exaltou um ranking de avaliação política da revistona e citou a coluna Painel do jornalão como um espaço de suma importância opinativa.

Isto porque estas duas publicações reacionárias e integrantes do PIG fizeram elogios a um deputado federal.

Clique na ilustração abaixo e confiram quem é este reaça conservador que faz elogios a publicações que representam o que há de mais retrógrado e atrasado na grande imprensa nacional.

pig

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

JADER – O CORREIO

jader

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

PADRE SPONHOLZ – JBF

frt

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

M. AURÉLIO – ZERO HORA

AUTO_marcoaur

Compartilhe Compartilhe

http://www.newtonsilva.com/
MÃE

anjo

Debaixo de um viaduto, no meio de entulhos de construção e sacos de lixo, dividindo com ratos e baratas o tosco casebre feito com caixas velhas de papelão e restos de madeira, abandonado à própria sorte, encontrava-se um homem tremendo de frio e de fome. Estava miseravelmente imundo e doente. Quem o examinasse veria em uma de suas pernas um inchaço que o impedia de levantar, oriundo de algum ferimento mal curado, má circulação ou doença renal crônica, cujo estado inflamatório fora agravado talvez pelas péssimas condições de higiene em que ele se encontrava. Enrolado em jornais, jogado sobre um colchão velho manchado de urina e fezes, febril, delirava, sufocado pelo odor nauseabundo que exalava dele mesmo. Quem passasse por ali, caso tivesse o interesse ou a curiosidade de saber as condições daquele pobre homem, é possível que escutasse suas preces fervorosas, mescladas de arrependimento, vergonha, perdão e palavras desconexas sobre uma imensa riqueza que tivera um dia, há muito tempo, quando era jovem e que perdera tudo quando se entregou ao mundo abominável de prazeres carnais e vícios descomunais.

Em algum lugar muito distante dali, bem distante, uma pobre mãe com o semblante desesperado e aflito e uma dor profunda, atormentada por visões diabólicas, orava fervorosamente suplicando a Deus por seu filho desaparecido há muitos anos e implorando, pedia a Nossa Senhora do Amparo que amparasse seu rebento perdido e que lhe enviasse um anjo para que o guiasse de volta.

O homem debaixo do viaduto sentiu de repente a dor passar e com muito esforço, cambaleante e ainda tonto pela fraqueza da fome, levantou-se disposto a voltar para casa e para sua mãe. Viu a febre passar quando sentiu o suor frio gotejar e lhe banhar completamente as roupas esfarrapadas.

Quem passasse por ali, caso tivesse o interesse ou a curiosidade de saber as condições daquele pobre homem, é bem possível que, no meio de entulhos de construção e sacos de lixo, iria ver um anjo exausto caminhando ao lado dele.

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

SAMUCA – DIÁRIO DE PERNAMBUCO

AUTO_samuca

Compartilhe Compartilhe
HABEMUS VELHINHA

Comentário sobre a postagem PRAZO ELÁSTICO

Cardeal Goiano:

“A Petrobras colocou em operação, no sábado (16/2), o navio-plataforma Cidade de Itajaí, que deu início à produção de petróleo no campo de Baúna, no bloco BMS-40, no pós-sal da porção sul da Bacia de Santos.

A Petrobras informa que descobriu petróleo no sexto poço perfurado após a assinatura do contrato de Cessão Onerosa, na área denominada Florim, no pré-sal da Bacia de Santos.

Petrobras vai investir US$ 236,7 bilhões nos próximos cinco anos.

“Seremos autossuficientes em derivados e exportadores líquidos de petróleo em 2020. Isso é mais certo do que qualquer outra coisa”, afirmou Graça Foster.

Assim, a margem da Petrobras é grande e a companhia vai muito bem”, ressalta.”

velhinha

“Se o gunverno falou e saiu na grande mídia, eu acredito!”

“Ai de nóis se num fosse a veinha…”

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

SINOVALDO – JORNAL NH

sinovaldo

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

NANI – CHARGE ONLINE

nani2

Compartilhe Compartilhe
LINGUAGEM CORRUPTA

As caracterizações mais profundas e duradouras do ser humano foram feitas por Aristóteles, na era clássica da filosofia grega. Aristóteles ensina que “sobre o homem podemos falar de múltiplas maneiras”, e o caracteriza como um “animal racional, que possui a palavra”.
 
O aspecto racional indica que é próprio do ser humano pensar e agir de forma lógica, coerente, com sentido, sem contradições voluntárias; como possuidor da palavra, o homem, para Aristóteles, é capaz de se comunicar de forma coerente e verdadeira. Desta forma, o ser humano objetiva a sua verdadeira natureza quando a sua palavra expressa,  de forma harmônica, os seus conhecimentos,  convicções  e sentimentos. Isto é, sem deturpações, sem falsidades, sem perversões. A palavra humana mentirosa, adulterada, com ocultações e meias verdades significa palavra, ou linguagem corrupta, que, ao mesmo tempo, demonstra uma natureza humana corrompida.

Passando dos preâmbulos para a nossa realidade. O ser humano, não envolvido na corrupção  de sua racionalidade e de sua palavra, quando é confrontado com uma linguagem corrupta e irracional, se sente humilhado, traído e enganado. E, como adverte a sabedoria: existem muitos homens que gostam de enganar aos outros, mas não existe ninguém que gosta de ser enganado.

Pois bem. Em nosso país, em nosso dia a dia, parece que se multiplicaram os enganadores do povo. E estes, ao que parece, não se tocam com o fato de que nem todo o povo brasileiro é ignorante, e abomina ser enganado com uma linguagem corrupta.

Pois vejamos, como se pode, todos os dias, jogar na mídia, com a maior cara de pau, que nos últimos anos 50 milhões de brasileiros saíram da pobreza, que brevemente sairão mais 22 milhões deste estado de injustiça social; e que o Brasil está prestes a acabar com a miséria? Basta abrir os olhos, em qualquer grande centro brasileiro, para nos confrontarmos com a miséria: com a falta de moradia; com transporte caótico; com filas de pessoas sem atendimento médico; com péssimo sistema escolar, e analfabetos por toda parte; com exploração da mão de obra, sem remunerações dignas; com crackolândias, moradores de rua; e a violência, os homicídios, os assaltos; os mensalões, as propinas, os caixas dois; a falta de justiça para todos os cidadãos, e a justiça lenta; o IDH (índice de desenvolvimento humano) lá embaixo…

É a linguagem corrupta de partidos e políticos engravatados! E assim poderíamos ainda verificar a linguagem corrupta em muitos outros ambientes. O professor que faz de conta que ensina, e o estudante que faz de conta que estuda. As propagandas enganosas, com típica linguagem corrupta! “Que tempos, que costumes!”, exclamaria o tribuno Cícero.

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

AMORIM – CORREIO DO POVO

amorim

Compartilhe Compartilhe
PARA OS FUBÂNICOS DO RECIFE – CURSO ACUPE GRUPO DE DANÇA

paulo

Coordenador do curso e professor Paulo Henrique Ferreira (Foto: Jorge Clésio)

Estão abertas até sexta-feira (22 de março) as inscrições para o Curso Acupe – Formação do Intérprete-Pesquisador em Dança, que será realizado pelo Acupe Grupo de Dança, através do Funcultura, no Centro Cultural Correios (Rua Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife), de 01 de abril a 07 de junho. As aulas, gratuitas e para 30 alunos por turma, são voltadas à pesquisa e investigação da linguagem da dança em diálogo com outras áreas do conhecimento como o teatro.

O Sindicato dos Artistas permitirá a emissão do registro profissional ao final. Regulamento no site Acupe Grupo de Dança .

Inscrições das 12 às 17h, no local. O candidato deve ter, no mínimo, 16 anos até a data de início do curso. Os professores serão profissionais respeitados: Pedro Salustiano, Dave Carvalho, José Manoel, Didha Pereira, Paulo Henrique Ferreira e Marcelo Sena. Oportunidade imperdível!

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

AMARILDO – A GAZETA

OPI-002.eps

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 A PALAVRA DO EDITOR

COMIDO DE JUMENTICE

Vejam este vídeo com atenção. Nele aparece um pastor cantando pros fiéis da sua igreja.

O leitor do JBF que adivinhar em quem eles votaram nas últimas eleições presidenciais, receberá na volta do correio um disco com toda a obra do inspirado compositor que criou esta música. Junto com o disco, seguirá também um DVD do filme “Polodoro, o Filho de Banânia”

E em quem eles votaram pra deputado federal e senador?

Acerte mais esta e ganhe um livro com as biografias de Lapa de Mitômano, Valdemiro Santiago, Paulo Maluf, Edir Macedo, Fernando Collor e RR Soares.

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

TIAGO RECCHIA – GAZETA DO POVO

tiago

Compartilhe Compartilhe
É HOJE! – PARA OS LEITORES DE JOÃO PESSOA – ESPETÁCULO DO FUBÂNICO BISPO BIRA DELGADO

ATT00167

O Forrozeiro Bira Delgado, sertanejo pernambucano, mas que reside em João Pessoa, capital Paraibana há mais de 30 anos.

Como cantor forrozeiro, busca sua inspiração principalmente nas lembranças e vivências em sua Terra natal: O Moxotó, lugar de belíssimo cenário, predominado por cactos, ramos da catingueira, do mulungu, da jurema, do angico, do mandacaru, do xique-xique e da macambira.

Bira Delgado já gravou um CD e um DVD, ambos autorais e nos quais assume toda poesia de seu lugar bem como declara através de jóias raras da poesia, o seu amor pelo nordeste através de composições de poetas da estirpe de Bebe de Natércio, Marcos Maia, Marciel Melo, Xico Bezerra, Zé Marcolino, Zé Dantas, Luiz Gonzaga, Xico Birrerra, Bráulio Medeiros e Chico de Pombal.

O Pernambucano que adotou a Paraíba por sua terra mãe, já realizou inúmeras participações em trabalhos musicais de outros artistas, a exemplo do CD Do Mato, de Bebé de Natércio, Coletânea da Sociedade dos Forrozeiros da Paraíba – Só Forró – PB/2008, ao lado de outros artistas, da qualidade de  Flávio José, Pinto do Acordeom, Clã Brasil, Biliu de Campina, Chico Ribeiro & Os  Cabras de Mateus. Chegando inclusive a participar de diversos trabalhos ao lado de mestres como Ariano Suassuna, Dominguinhos e dos poetas Oliveira de Panelas, Daudeth Bandeira e Jessier Quirino.

Em 2007 como interprete fez parte do CD do Auto de Natal do Colégio Marista, de João Pessoa-PB, ao lado de Irah Caldeira, renomada cantora Pernambucana.

É com essa competência forrozeira que Bira Delgado promete muita animação, garantindo que vai botar todo mundo para requebrar as cadeiras, nesta sexta feira 22 a partir das 22h no projeto FORRÓ NO TERRAÇO, idealizado pelo coletivo Paraibano de Forró.

O evento tem como endereço o restaurante TERRAÇO BRASIL, situado na Av. Cabo Branco, 1870 – Praia de Cabo Branco. Contatos: Chico Ribeiro/produção (83) 8850-7870

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

CLAYTON – O POVO

clayton

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 DEU NO JORNAL

VIAGENS AO EXTERIOR

Josias de Souza

Desde 2011, quando trocou a faixa presidencial pelo pijama, Lula visitou 30 países. Em treze dessas viagens, o ex-soberano recostou-se nas melhores poltronas dos aviões, hospedou-se em boas estalagens e descansou os cotovelos em mesas forradas com esmero graças à generosidade de uma tróica de empreiteiras: Odebrecht, OAS e Camargo Corrêa. (clique aqui para ler)

Deve-se a revelação aos repórteres Fernando Mello e Flávia Foreque. A dupla conta que, nas vezes em que deslocou-se a soldo, Lula esteve em países da África e da América Latina. Ouvido, o instituto que leva o nome do ex-presidente confirmou os patrocínios. As empresas também. Mas todo mundo disse que a coisa não é o que parece ser.

O morubixaba petista viaja para consolidar “a imagem e os interesses da nação brasileira”, informa, por exemplo, o Instituto Lula. Presidente da entidade, o companheiro Paulo Okamotto esclarece: “na esfera internacional, o Instituto Lula tem como principais objetivos cooperar para o desenvolvimento da África e apoiar a integração latino-americana.”

Considerando-se o teor de mensagens diplomáticas apalpadas pela reportagem, os “interesses da nação” estão sendo, por assim dizer, privatizados. “Ao associar seu prestígio às empresas que aqui operam, o ex-presidente Lula desenvolveu, aos olhos moçambicanos, compromisso com os resultados da atividade empresarial brasileira”, escreveu de Moçambique a embaixadora Lígia Scherer.

Lula aterrissou na Bolívia, “com sua comitiva, em avião privado da OAS”, reportou o embaixador Marcel Biato em telegram remetido de La Paz. Na época da viagem, a OAS arrostava em solo boliviano protestos que a impediam de tocar uma obra rodoviária de US$ 415 milhões. O presidente Evo Morales, com quem Lula se reuniu, cancelou o contrato. Mas a construtora não saiu de mãos abanando. Recebeu uma compensação de U$ 9,8 milhões.

Embora confirme as viagens, o Instituto Lula se nega a informar quanto as empreiteiras retiraram de suas caixas registradoras para bancar os deslocamentos, a estadia e a alimentação do seu patrono. São dados “de caráter comercial e privado, não cabe divulgar valores.” Hummmm!

Enquanto Lula vendia a própria garganta em palestras de R$ 300 mil, o negócio era esquisito, mas ainda podia ser visto como comércio privado de lero-lero. Lula gosta de jogar palavras ao vento. Se encontra quem o remunere, não está senão mimetizando a turma da Casa Branca e o antecessor FHC.

Porém…

Quando um ex-presidente vai a um jantar da Odebrecht no Panamá e se levanta da mesa com três pedidos e o compromisso de levá-los a Dilma Rousseff, pode fazer qualquer coisa, menos consolidar “a imagem e os interesses da nação brasileira.”

Compartilhe Compartilhe

22 março 2013 FULEIRAGEM

DUKE – SUPER NOTÍCIA

duke2

Compartilhe Compartilhe
CARLOS ALBERTO ARGEMIRO – MACAÉ-RJ

Santidade.

Vossa Santidade é Papa mas não é infalivel, nem consegue ver as grandes jogadas das nossas grandas líderas.

Veja bem, não é a Grande Meta da nossa Presidenta auxiliada pelo Mago manteiga, baixar a inflação? Então zoia só a Jogada de Mestre que êlas criaram:

Como a soja está presente na carne, leite, ovos e principalmente no oleo, elas provocaram os chineses (que dizem ter muita paciencia) a cancelerem as compras do referido grão.

Com isso o Grande Objetivo é atingido. Vai sobrar soja, o preço vai despencar o povão vão puder encher o cú (devidamente lubrificado com o referido oleo) de carne e outros derivados.

Só a cegueira, a inveja de S.S. e da PIG os impedem de reconhecer este GOLPE DE MESTRE.

De Macaé ( com os roialtes quase garantidos)

R. Pode me chamar de cego e de ignorante em economia e nestes assuntos de compra/venda entre países. Sou mesmo tapado pra compreender estas altas prosopopéias.

A única coisa que tem alguma remota relação com estes temas complicados e com a qual eu me preocupo, é o preço da gasolina. Isto porque este assunto me interessa de perto, já que preciso abastecer regularmente a fubica pontifícia.

E um leitor conseguiu alegrar minha sexta-feira, me garantindo que o preço da gasolina caiu. Mandou até foto pra provar.

Veja:

gasolina

Compartilhe Compartilhe

© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa