* * *

Cantando um Oitavão Rebatido:

* * *

Cantando um Quadrão Perguntado:

 

* * *

Cantando uma Gemedeira e um Galope a Beira Mar:

* * *

Moacir Laurentino cantando com Sebastião da Silva

Moacir Laurentino

Eu gosto tanto do xote
e da poesia divina,
quando eu começo a cantar
sinto que a voz se afina,
penso que nunca adoeço
e que a vida nunca termina.

Sebastião da Silva

Cantar é minha doutrina,
foi a opção que fiz,
pra defender a cultura,
e para cantar meu País,
cantar pra viver alegre,
sonhar pra viver feliz.

Moacir Laurentino 

Alcancei o que mais quis
e arranjei conhecimento,
afinando as 7 cordas
tocando o meu instrumento,
eu sinto a marca divina
ligada em meu pensamento.

Sebastião da Silva

Já passei por sofrimento,
por tristeza e ameaça,
pelas queixas e as dores
e herança da nossa raça;
porém cantando repente,
todo sofrimento passa.

Moacir Laurentino

Comecei cantar pra raça,
numa fase adolescente,
vai fazer 40 anos,
que eu vivo só do repente,
ainda quero cantar mais
uns 10 ou 15 pra frente.

Sebastião da Silva

Venho desde inocente
nesse grande labirinto,
passei por muitas torturas,
passei momentos faminto,
porém cantando no pinho,
esqueço as dores que sinto.

Moacir Laurentino

Vivo do jeito de Pinto,
de improviso e boemia,
criei até 4 filhos
à custa de poesia,
terminei de criar todos
e hoje Deus é quem me cria.

Sebastião da Silva

Sigo nesta rodovia,
de subida e de descida,
trilhando neste caminho,
de viagem indefinida
e fazendo dos meus repentes
o pão gostoso da vida.

Moacir Laurentino

Minha alma adormecida
desperta o sol, extrapola,
o grito salta do goela,
ouvindo o som da viola
e pra filho de gente pobre
nunca vi melhor escola.

Sebastião da Silva

Vivo do som da viola,
do repente à cantoria,
eu acho que Deus me deu
a arte que eu merecia,
fez muito bem me dar isto,
que outra coisa eu não queria.

Moacir Laurentino 

Pedi a Virgem Maria,
que me desse solidez,
busquei no dicionário
a certeza, o português,
é Deus passando pra mim
e eu passando pra vocês.

Sebastião da Silva

O divino Rei dos Reis
me fez poeta disposto,
para cantar minha queixa,
minha dor e meu desgosto,
e é só cantando repente
que a vida tem melhor gosto.

Moacir Laurentino

A arte eu faço com gosto,
porque da Arte preciso,
utilizo a engrenagem
da mecânica do juízo,
e minha boca é ambulante
distribuindo improviso.

Sebastião da Silva

Vivo do meu improviso,
vou viver até o fim,
foi assim que eu nasci,
quero sempre ser assim,
acordando o repentista
que dorme dentro de mim.

Moacir Laurentino 

Eu não sei quando é meu fim,
só tem Jesus que indica,
enquanto eu souber cantar,
minha idéia multiplica
quando eu partir qualquer hora,
minha poesia fica.

Sebastião da Silva

Quero minha idéia rica,
como tive no troféu,
como esse solo que piso,
com a roupa e o chapéu,
e dos versos faço uma escada,
pra ir direto pra o céu.

Moacir Laurentino

Já ganhei mais de um troféu,
do jeito de Zé Sobrinho,
de Pinto e de Lourival,
Otacílio e Canhotinho,
que eu quero é viver cantando
do jeito de passarinho.

Sebastião da Silva

Eu venho desde novinho,
nessa minha profissão,
depois que eu envelhecer,
que eu me tornar ancião,
ao invés de uma bengala,
quero a viola na mão.

Moacir Laurentino

Para mim não tem seqüela,
queixa, nem dor de saudade,
vou aqui rompendo o mundo,
do jeito da tempestade,
nem me curvo nem ao peso
da carga da minha idade.

Sebastião da Silva

Até hoje eu vivo bem,
pelo dom que eu ganhei,
pelas cantigas que fiz,
os caminhos que trilhei,
os versos improvisados,
e amigos que arranjei.

Moacir Laurentino

Os troféus que eu ganhei,
por que tenho preferência,
as expressões que já disse,
à luz da inteligência,
posso partir qualquer hora
e deixo em minha residência.

Sebastião da Silva

Agradeço à Providência,
por cada troféu e taça,
por ser artista do povo,
por ser boêmio na praça,
obrigado Deus e povo,
que me ouve e me abraça.

Moacir Laurentino

Sou da cana, sou da taça,
sou do boteco e do bar,
sou da igreja e da praia,
do salão do lupanar,
que eu sou de qualquer recanto,
que a platéia desejar.

Sebastião da Silva

Eu vou pra qualquer lugar,
cantar para fazer show,
distribuir alegria,
sem ter alegria, eu dou,
sou como o nome de Deus,
em todo canto eu estou.

Moacir Laurentino

Meu repente adocicou,
como garapa de engenho,
o meu verso leva doce,
no mais alto desempenho,
nunca dei o que comprei,
Porém dou do dom que eu tenho.

Sebastião da Silva

Cinquenta e nove já tenho,
de anos ou de idade,
44 de arte,
com muita simplicidade,
a vida cheia de paz,
e a alma, de liberdade.

Moacir Laurentino 

Viver com intensidade,
nessa minha trajetória,
não ter a alma pesada,
sacrifício e palmatória,
e quando eu canto deixo um livro,
para contar minha história.

Sebastião da Silva

Sigo a minha trajetória,
trilhando equilibrado,
carrego há 44
anos, um fardo pesado,
mas nem reclamo do peso,
e nem digo que estou cansado.

Moacir Laurentino

No campo, não fiz chouriço,
que essa luta eu não entendo,
no trabalho eu já rendi,
no repente ainda rendo,
pois Deus me deu esse dom,
e eu vivo lhe agradecendo.

Sebastião da Silva

Por isso eu estou querendo,
saudar a quem está presente,
e agradecer ao povo,
que veio ao nosso ambiente,
assistir à cantoria,
e bater palmas para a gente.

Moacir Laurentino 

Essa platéia decente,
conhece a minha odisséia,
o som da minha viola,
que eu conheço essa platéia,
o rapaz calibra o som
e eu calibro a minha idéia.

Sebastião da Silva

Muito obrigado à platéia,
que veio pra cantoria,
e agradeço muito mais
a cada um que aprecia,
porque se não fosse povo,
nada o poeta seria.

Moacir Laurentino

Outro amigo especial,
que se sentado não sai,
é o nosso João Feitosa,
que é talentoso e não cai,
aprecia a poesia,
do mesmo jeito do pai.

6 Comentários

  1. Pedro Ernesto Filho disse:

    Sebastião e Moacir, dupla dupla de valor, pela poesia e pelos cuidados com que desenvolve a profissão. Acompanho o trabalho de Sebastião da Silva desde a década de setenta quando ele mantinha um programa com o poeta Gerson Carlos de Moarais, na Rádio Auto Piranhas de Cajazeiras-PB.Eu menino do sítio, morando no município do Barro-CE, largava cedo do roçado, para ouvir aqueles sabiás, o programa era mesmo um show de poesia. Naquela época, Sebastião já era grande e cresceu ainda mais quando duplou com Moacir, que é também fenomenal.

  2. gg disse:

    me enviem aquele repente que diz: ”Como passa sem dinheiro?” desde ja obrigado

  3. Francisco Carneiro da Silva disse:

    Eu adoro a voz da viola,nas mãos do meu ídolo Moacir Laurentino e Sebastião da Silva.

  4. Ricardo Procópio disse:

    Aprendi a escutar e virei fã desses dois poetas bem que o meu sogro falou que esses aí são demais, valeu DANIEL DA CEAL

  5. marcos disse:

    Gosto muito de moda de viola,principalmente qd toca moda de viola gospel q fala de Jesus cristo.seria otimo q todos tocadores de viola falasse mais de Jesus em suas melodias.abraços.

  6. marcos farias disse:

    Os tocadores de viola deveriam falar mais,mais,mais de jesus em suas melodias.isto é uma bênção.

Deixe o seu comentário!


© 2007 Besta Fubana | Uma gazeta da bixiga lixa